f Pr 11, o homem sábio guarda silêncio. CNBB

Texto

(1)

Mt 1,20

BJ[a] Mt 1,20 Enquanto assim decidia, eis que o Anjo do Senhor manifestou-se a ele em sonho, dizendo: “José, filho de Davi, não temas receber Maria, tua mulher, pois o que nela foi gerado vem do Espírito Santo.

GNT[b]Mt 1,20 tau/ta de. auvtou/ evnqumhqe,ntoj ivdou. a;ggeloj kuri,ou katV o;nar evfa,nh auvtw/| le,gwn\ VIwsh.f ui`o.j Daui,d( mh. fobhqh/|j paralabei/n Mari,an th.n gunai/ka, sou\ to. ga.r evn auvth/| gennhqe.n evk pneu,mato,j evstin a`gi,Å

NV[c]

Mt 1,20 Haec autem eo cogitante, ecce angelus Domini in somnis apparuit ei dicens: “Ioseph fili David, noli timere accipere Mariam coniugem tuam. Quod enim in ea natum est, de Spiritu Sancto est;

RemigiO[d] Porque, como dito acima, cogitava José

ocultamente repudiar Maria, por cauda disso, ora se fizesse isso muitos suspeitariam ser ela meretriz ao invés de uma virgem, por esta razão de repente um conselho divino mudou este pensamento de José; onde disse: Enquanto assim decidia. ANSELMO [E] Nas almas dos sábios nota-se, que nada de temerário deseja falar[f]. CRISÓSTOMO[g] Notou também o bondoso José porque ninguém interpretou [percebeu] suas suspeitas, nem ela que era suspeitada; mas ele em si

a A Bíblia de Jerusalém: Nova edição, revista e ampliada. Paulus. 4ª impressão. 2006.

b Novum Testamentum Graece, Nestle-Aland 27h Edition. Copyright 1993.

Deutsch Bibelgesellschaft, Stuttgart.

c Novam Vulgatam Bibliorum Sacrorum editionem “typicam” 2ª ed. 1986.

d PL 131, 887B.

e PL 162,1251B.

f AVE-MARIAPr 11,12 ... o homem sábio guarda silêncio.

CNBBPr 11,12 A língua dos sábios destila o conhecimento, a boca dos insensatos fervilha de estupidez.

CNBBEclo 5,16(14)Não te deixes impressionar pelo boato, e com a tua própria língua não calunies.

CNBBEclo 28,13(11)e a língua acusadora traz a morte.

CNBBEclo 28,29(26)A língua caluniadora fez com que mulheres íntegras fossem repudiadas ...

g PG 57, 45. (pouco ante da medate do texto 4,5)

(2)

cogitava. Agostinho[a] Mas José isto cogita, não teme [receber]

Maria filha de Davi, porque como para Davi veio perdão pela pregação do profeta, assim para Maria livra o Anjo Salvador. ... Eis que com efeito por sua vez à Virgem o paraninfo Gabriel é enviado; onde em seguida: eis que o Anjo do Senhor manifestou-se em sonho para José. GLOSA[B] Como a palavra apparuit[c] revelar-se significando revelação do poder [ou o poder de revelar-se], que quando deseja e de que maneira, exibe-se, mostra-se. RABANO[D] De que modo o Anjo apareceu a José? É demonstrado como disse: em sonho, isto é, como Jacó viu a escada pela imaginação, um certo “olhos do coração” revela [ostenta, mostra]. CRISÓSTOMO[e]

Por isso, pois não apareceu claramente a José como aos pastores porque era muito fiel; os pastores ao contrário necessitam, [são] quase rudes. A Virgem ao contrário necessita como em “prima máxima instruída”. Similarmente também Zacarias necessita, antes da concepção de seu filho, a maravilhosa visão. GLOSA AO Aparece o Anjo e seu nome exprime, e a sua origem lembrando e, o temor excluindo disse: ANSELMO[F] “José filho de Davi”, ele (o Anjo) depois do seu nome, do mesmo modo dá-se a conhecer e mostra-se familiarizado com José. Pseudo-CRISÓSTOMO[g] Filho de Davi ele o nomeia, deseja trazer à memoria a promessa de Deus a Davi, que da descendência dele [Davi] o Cristo nascerá. CRISÓSTOMO[h] Diz não tenha medo, mostrado que José

a PL 39, 2109.

b Provavélmente do próprio São Tomás.

c Apparuit no grego evfa,nh < φα νω, v. \ {fa -'i-no} para brilhar, derramar a luz; para ser brilhante ou resplendente, para ficar evidente, aparecer, para vir à luz, para ser visto, manifesto.

d PL 107,750C.

e Glosa de São Tomás de aquino da passagem de São João Crisóstomo PG 57, 45.

f Adaptação de São Tomás de PL 162, 1251B.

g PG 56, 634.

h PG 57, 46. (pouco antes do meio do texto)

(3)

tinha medo, não ofendia a Deus como quem apoia um adultera, e alias nem cogitasse repudiá-la. VALERIANO[a] O esposo também é admoestado a não temer porque é uma alma santa, em quanto ele sofre, mais fica alarmado, como é dito: … esta não é causa de morte, mas de vida, porque quem a Vida da a luz não merece morrer. Pseudo-CRISÓSTOMO[b]

Dizendo também, não tenha medo, ele pretende mostrar o conhecimento do seu coração, que por causa disso um futuro bom, que de Cristo era dito, fizesse fé [acreditasse].

AMBRÓSIO[c] Não te perturbe porém, porque ela é chamada de conjunge (mulher, esposa); não pelo fato da perda da virgindade, mas pelo testemunho do casamento, a declaração da celebração do casamento. Não contudo julgue esteja separada, JERÔNIMO[d] ainda que ela seja chamada uxor mulher, o casamento não deixou de existir, com este costume é conhecido nas Escrituras, que noivos homens, e noivas chamam-se mulheres segundo testemunho Deuteronômio comprova: Dt 22,25Contudo, se o homem encontrou a jovem prometida no campo violento-a e deitou-se com ela morrerá somente o homem que se deitou com ela. Dt 22,24

[…] por ter abusado da mulher de seu próximo. […] [e] CRISÓSTOMO[f] Diz porém: Não tenha medo de aceitar, isto é, receba em casa; já com efeito, pensava em perdoar. Ou não temas recebê-la

ANSELMO[G] unindo-se em nupcia (casamento) e assídua coabitação (convivência). Pseudo-CRISÓSTOMO[h] Por três causas o anjo apareceu a José e disse isso: primeiro, por acaso, não é justo um homem ignorando (um fato) fizesse uma coisa

a PL 52, 589C-590A.

b PG 56, 634. linha 13

c PL 15, 1555A. Edição de 1845 ou PL 15, 1635B. Edição de 1887.

d PL 23, 196B.

e Dt 22,25 Sin autem in agro reppererit vir puellam, quae desponsata est, et apprehendens concubuerit cum illa, ipse morietur solus; Dt 22,24 […] quia humiliavit uxorem proximi sui. [...]

f PG 57, 46. (pouco antes do meio do texto) g PL 162, 1251C.

h PG 56, 633. final.

(4)

injusta com propósito justo? Em seguida, por isso, honra Ele mesmo a sua Mãe, pois se divulgado fosse, entre os infiéis não poderia fazer sem desonrosa suspeição.

Terceiro, com compreendendo José a santa concepção, diligentemente a custodiasse (protegesse) o quanto antes.

[…] por essa razão também não antes da concepção virginal vai para junto de José, onde não cogitasse esse (José) o que cogitava, não padecesse aquilo que tinha padecido Zacarias que incorresse em culpa de infidelidade (falta de fé) da concepção de sua mulher idosa [e estéril];

não acreditou porém que era possível o fato de um virgem comprometida conceber, CRISÓSTOMO[a] Ou, por isso o anjo vem José já turbado (confuso), para aparecer na mente de José, e para assim pelo fato que demonstrava fizesse ele (José) aquilo que lhe comunicava. Enquanto seguramente ouve o Anjo aquilo que dento de si pensava, indubitavelmente que era um sinal da parte de Deus envidado, que só Este conhece os segredo do coração. Também a pregação que o evangelista faz é insustentável, demonstra o que José passou provavelmente é o que qualquer homem passa. A virgem também de todas maus suspeições escapou, desde que seu esposo apesar do ciúme que ele sofreu, ele a recebeu e depois da concepção serviu. A razão pela qual a José, ela (a Virgem) não disse essas coisas que o anjo anunciou, porque não achava que acreditaria nela, e sobretudo já trazendo-a sob suspeição. Para a Virgem porém, antes da concepção anunciou o anjo, supondo que só depois da concepção divulgasse, em angustia ela viveria. Necessário porém, era que, fora de toda perturbação que fosse mãe, que toda [boa] condição recebesse. Não só da iniquidade, além disso, o Anjo proteger a virgem de misturar-se (contaminar-se), mas além disso, demonstrar que a concepção é sobre natural (divina), não só o temor removendo, mas também a letícia (alegria)

a PG 57, 45-46. de passim.

(5)

juntando. Donde logo diz: pois o que nela foi gerado vem do Espírito Santo. ANSELMO[A] Uma coisa é nascer nela, e outra nascer dela: nascer dela, é vir a luz; nascer nela é o mesmo que ser concebido (formado)[b]. WALFRIDO[C] Ou segundo profecia que o Anjo trazia de Deus, para o qual o futuro [É]

como se fosse passado. Disse natumgerado. Agostinho[d] Mas se do Espírito Santo nasceu Cristo, por quê é dito: Pr 9,1A Sabedoria edifica sua casa? Esta casa duas maneira deve ser entendida. Primeiro com efeito a casa de Cristo é a Igreja, que Ele edificou pelo seu próprio sangue; Depois, e pode- se dizer ser seu Corpo sua casa, segundo disse ser seu templo[e]. Feito entretanto do Espírito Santo, é feito Filho de Deus, por isso unidade da natureza e da vontade. porque quando ou o Pai faz, ou o Filho, ou o Espírito Santo, é a Trindade quem opera; e quando qualquer um dos três faz, [pois] Deus é Uno[f].

a PL 162, 1251C.

b Gn 2,23 [...]“Desta vez sim, é osso dos meus ossos e carne da minha carne!

c PL 114, 71C. Glosa Ordinária d PL 35, 2251.

e Zc 6,12E lhe dirás: Assim disse Iahweh dos Exércitos: Eis um homem cujo nome é Rebento; de onde ele está, germinará (e ele reconstruirá o Templo de Iahweh). 13Ele reconstruirá o Santuário de Iahweh; ele carregará insígnias reais. Sentará em seu trono e dominará.

Mc 14,58Ouvimo-lo dizer: Eu destruirei este templo, feito por mãos de homens, e em três dias edificarei outro, que não será feito por mãos de homens.

Jo 2,19Respondeu-lhes Jesus: Destruí vós este templo, e eu o reerguerei em três dias. 20Os judeus replicaram: Em quarenta e seis anos foi edificado este templo, e tu hás de levantá-lo em três dias?! 21Mas ele falava do templo do seu corpo. 22Depois que ressurgiu dos mortos, os seus discípulos lembraram-se destas palavras e creram na Escritura e na palavra de Jesus.

f Símbolo Niceno-Constantinopolitano – Creio em um só Deus, Pai todo- poderoso, Criador do céu e da terra; de todas as coisas visíveis e invisíveis.

Creio em um só Senhor, Jesus Cristo, Filho Unigênito de Deus, nascido do Pai antes de todos os séculos: Deus de Deus, luz da luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro, gerado, não criado, consubstancial ao Pai. Por Ele todas as coisas foram feitas. [...] Creio no Espírito Santo, Senhor que dá a vida, e procede do Pai e do Filho; e com o Pai e o Filho é adorado e glorificado: ele que falou pelos profetas.

(6)

Agostinho[a] Por acaso quando dizemos que o Pai fez o Homem- Cristo é contudo o Espírito Santo, que a Palavra do Pai gerou? o homem Espírito Santo? Porque certamente é absurdo, de forma que nenhum fiel ao ouvir isso é capaz de suportar. De que modo consequentemente dizemos nos cristãos, nasceu do Espírito Santo, se não é Ele gerado do Espírito Santo? Ou porque fez Ele? Enquanto Ele (Jesus) é Homem, factus est feito é (nascido), segundo Apostolo disse:

Rm 1,3 nascido da estirpe de Davi segundo a carne.[b] Não é realmente porque este mundo foi feito por Deus, para ser Ele é chamado Filho de Deus ou dizer nascido de Deus, ou nascido ou produzido ou preparado? Então também, como confessamos Ele nasceu do Espírito Santo, e para ser Filho da Virgem Maria. Agostinho[c] Não é possível admitir que, tudo vem de alguém, então deve ser imediatamente proclamou seu filho, para não falar que diferente coisas que nascem do homem, cabelo, piolho, verme, e nenhum deste é seu filho, certamente homens que nascem da água e do Espírito[d] ninguém vai chamá-los filhos da água, porém são chamados filhos de Deus Pai e da Mãe Igreja. Assim portanto nascido (gerado) do Espírito Santo é filho de Deus Pai, não do Espírito Santo.

a PL 40, 251-252.

b Rm 1,3e que diz respeito a seu Filho, nascido da estirpe de Davi segundo a carne, 4estabelecido Filho de Deus com poder por sua ressurreição dos mortos, segundo o Espírito de santidade, Jesus Cristo nosso Senhor.

c PL 40, 252.

d Jo 3,5 Respondeu-lhe Jesus: “Em verdade, em verdade, te digo: quem não nascer da água e do Espírito não pode entrar no Reino de Deus”.

(7)

Notas de Rodapé das Bíblias

APARECIDA[a]

Mt 1,20 – José não entende a situação singular em que a maternidade divina colocou sua noiva, mas não quer ser injusto para com aquela que merece sua total confiança. O anjo dirige-se a ele na qualidade de “filho de Davi”, para que, aceitando a paternidade adotiva de Jesu, torna-se também filho de Davi.

AVE-MARIA[b] Mt 1,20 – Não tem nota

BJ[C] Mt 1,20 – d) Nos textos antigos (Gn 16,7+), o “Anjo do Senhor” representava primeiro o próprio Iahweh. Com o progresso da angeologia, houve melhor diferenciação entre Deus e o “Anjo do Senhor” (cf. Tb 5,4+), tendo este ficado como o tipo do mensageiro celeste, aparecendo frequentemente como tal nos Evangelhos da Infância (Mt 1,20.24; 2,13.19; Lc 1,11; 2,9; cf. Ainda Mt 28,2; Jo 5,4; At 5,19; 8,29; 12,7.23).

CNBB[d] Mt 1,20 – Não tem nota

DIFUSORA[e] Mt 1,20 – Anjo do Senhor. Como no AT, designa a intervenção do próprio Deus (Gn 22,16 nota; 32,1-33 nota; 48,16 nota; Ex 3,2; 2Sm 14,17 nota; Jz 2,1 nota; Sl 8,6-7 nota; 34,8 nota; Dn 13,59 nota; Zc 1,11 nota; Act 8,26 nota).

Indicando o sonho como meio de comunicação com os seres humanos, Mt acentua a iniciativa e a transcendência de Deus (2,13 nota.13.19.22; Gn 20,3 nota; Jz 7,13 nota; 1 Rs 3,5-14 nota; Sir 34,1-8 nota; Dn 2,1 nota).

MENSAGEM[f] Mt 1,20 – Não tem nota – ver nota Mt 1,18-25

PASTORAL[g]

Mt 1,20 – Não tem nota – ver nota Mt 1,18-25

PEREGRINO[h] Mt 1,20 – Não tem nota

TEB[i] Mt 1,20 nota i. Apelativo que, como no AT, designa a intervenção do próprio Deus (Gn 16,7.13; Ex 3,2). É mister não confundir Anjo do Senhor com os anjos.

VOZES[j] Mt 1,20 – Não tem nota

a Bíblia Sagrada de Aparecida. Santuário. 2ª edição. 2006.

b Bíblia Sagrada Pastoral Catequética Média. Ave-Maria, 128ª edição. 1999.

c A Bíblia de Jerusalém: Nova edição, revista e ampliada. Paulus. 4ª impressão. 2006.

d Bíblia Sagrada Tradução da CNBB: com introduções e notas. 8ª edição.

2006.

e Bíblia Sagrada: Difusora Bíblica. 3.ª edição. 2001. Centro Bíblico dos Capuchinhos. versão online: <<http://www.paroquias.org/biblia/>>

f Bíblia Mensagem de Deus. Loyola, 2003.

g Bíblia Sagrada: Edição Pastoral. Paulus, 17ª impressão, 1996.

h Bíblia do Peregrino. Paulus, 2002.

i Bíblia Tradução Ecumênica. Loyola, 1994.

j Bíblia Sagrada: Edição da Família. Vozes, 50ª edição, 2005.

(8)

FILLION[k]

Mt 1,20 – 20 - Hæcr autem eo congitante; evnqumhqe,ntoj do texto grego é muito especifico: “animo agitans atque volvens”[l]. Foi sua preocupação constante, como uma espada afiada que virou constantemente em sua mente, torturando-o ainda mais que a situação era complicada por uma questão prática difícil de resolver. Quantas coisas nestas poucas palavras! Não pode haver nenhum efeito na posição mais dolorosa para um homem justo e reto. Mas a mão da Providência vai gentilmente desatar o nó que se formou; Maria não estava errada em abandonar sua causa a Deus.

– Ecce. Os hebreus tinham feliz que partículas,

הנה

para incluir o evento, de imprevistos súbito; S. Mateus insere com frequência na narrativa.

– angelus Domini: tradução literal da celebre expressão

hw"±hy> %a:ôl.m;

que se repete tantas vezes nos escritos do Antigo Testamento, em que tanto tem sido discutido. O anjo do Senhor havia trazido para o patriarca Abraão a grande promessa messiânica, ele agora está ensinando a S. José a realização próxima da boa notícia.

– In somnis. Tal como o seu homônimo, no Antigo Testamento, que foi também o filho de Jacó, S. José é famoso por seus sonhos. (Veja no Breviário Romano, Festa de S. José, Lect. II. Noct, um belo paralelo de S. Bernardo entre esses dois Ilustres personagens). Surpreendente! sua vida, como é conhecida a nós pelo evangelho, consiste unicamente de quatro sonhos sobrenaturais e quatro atos de obediência a eles correspondentes. Os avisos divinos comunicados da forma de sonhos não são incomuns na Bíblia. Tem, por vezes, alegado que eles eram um modo muito inferior de revelação, mas se considerarmos a eminência daqueles a quem Deus se revela dessa forma, a importância das ordens que lhes deu em sono, nós rejeitaremos esta alegação odiosa. O Espírito sopra não só onde quer, mas como Ele quer.

Fili David. “Hac ipsa allocutione, animus Josephi in spem megnarum rerum erigebatur”; Rosenmuller em h. 1. O anjo lembra que o título glorioso, porque a notícia que ele tem de apresentar é messiânico, e lhe diz respeito diretamente como um descendente da família real; é por excelência a função de sua raça que lhe será confiado.

As seguintes palavras, noli timere, combinam perfeitamente com o clima de S. José: Ele

“temia” prejudicar a justiça, e ofender a Deus pela união com Maria, nos laços do casamento, o mensageiro celestial tira essa preocupação.

Accipere, isto é, conduzir para sua casa e, por consequência desposar, ver a explicação do v. 18. Essa foi a expressão usada para se referir a casamentos judaicos,

k Sainte Bible. Texte de la Vulgate, Traduction Française en Regard, Avec Commentaires Théo- logiques, Moraux, Philologiques, Historiques, etc., Rédigés d’après les Meilleurs travaux Anciens et Contemporains. Et Atlas Géographique et Archéologique. Évangile Selon S. Matthieu; Introduc- tion Critique et Commentaires Par M. l’abbé L. Cl. Fillion. Paris, P.

Lethielleux, 1895.

l Animo agitada como girrar na mente.

(9)

porque no dia do casamento o noivo recebeu sua noiva das mãos do pai. “Accipere”

nunca significou reter consigo, guardar, como algumas vezes tem afirmado; nós não recebemos o que já possuímos.

Conjugem tuam equivalem a “sicut conjugem tuam” na qualidade de esposa. Você também pode assumir como estas duas palavras antes de “Mariam”[a], caso em que, Maria teria adiantado o nome da mulher, bem como a do marido José, segundo o costume que nos reportamos. – Em vez de natum deve “generatum” depois do grego γεννήθεν; o neutro é usado porque o Anjo não especificou a natureza da criança. – Toda suspeita desapareceu diante do nome do Espírito Santo; mas as palavras do anjo, não tem somente por objectivo eliminar as dúvidas de José, que dizer-lhe, ao mesmo tempo, implica o papel de protetor deve cumprir como filho de David em relação a Jesus e Maria.

a Ou seja: coniugem tuam Mariam

Imagem

Referências

temas relacionados :