O Nome de Deus Proclamado por Ele Próprio

40  Download (0)

Full text

(1)

O Nome de Deus Proclamado por Ele Próprio

Por

Samuel Davies

(1723-1761) Traduzido, Adaptado e Editado por Silvio Dutra

Nov/2019

(2)

2

D255

Davies, Samuel – 1723 -1761

O nome de Deus proclamado por Ele próprio/

Samuel Davies

Tradução , adaptação e edição por Silvio Dutra – Rio de Janeiro, 2019

40p.; 14,8 x 21cm

1. Teologia. 2. Vida Cristã 2. Graça 3. Fé.

Silvio Dutra I. Título

CDD 230

(3)

3

Então Moisés disse: " Rogo-te que me mostres a tua glória. Respondeu-lhe: Farei passar toda a minha bondade diante de ti e te proclamarei o nome do SENHOR; terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia e me compadecerei de quem eu me compadecer." (Êxodo 33: 18,19)

"E, passando o SENHOR por diante dele, clamou:

SENHOR, SENHOR Deus compassivo, clemente e longânimo e grande em misericórdia e fidelidade; que guarda a misericórdia em mil gerações, que perdoa a iniquidade, a transgressão e o pecado, ainda que não inocenta o culpado, e visita a iniquidade dos pais nos filhos e nos filhos dos filhos, até à terceira e quarta geração!" (Êxodo 34: 6,7)

É

uma pergunta muito natural e apropriada para uma criatura: "Onde está Deus, meu Criador?" E um coração que o ama precisa saber muito mais sobre ele e estar sempre pronto para se juntar a Moisés em sua petição: "Mostre-me sua glória"; ou "Revele-se para mim". Que Deus exista, deduzo da minha própria existência e de suas numerosas obras ao meu redor; e que Deus é glorioso, aprendo com a exibição de suas perfeições em sua vasta criação e no governo do mundo que ele fez. Mas, infelizmente! Quão pequena parte de Deus é conhecida na Terra!

(4)

4

Quão fracamente sua glória brilha nos fracos olhos dos mortais.

Meu conhecimento das coisas no atual estado da carne e do sangue depende em grande parte dos sentidos; mas Deus é um espírito - invisível aos olhos da carne e imperceptível através do meio grosseiro da sensação.

Como e quando devo conhecê-lo como você é, grande, amado e desconhecido? Em que situação estranha eu me encontro! Eu estou cercado com sua onipresença, e ainda não posso percebê-lo! Você está tão perto de mim quanto eu de mim mesmo; "você conhece minha desilusão e minha ascensão, entende meus pensamentos de longe;" você penetra minha própria essência e me conhece completamente.

Salmo 139: 2 etc. Mas, para mim, você mora nas trevas impenetráveis, ou igualmente, na luz inacessível. " Ah! Se eu soubesse onde o poderia achar!... Eis que, se me adianto, ali não está; se torno para trás, não o percebo. Se opera à esquerda, não o vejo; esconde-se à direita, e não o diviso." (Jó 23: 3, 8, 9).

Vejo suas perfeições radiantes em cima de mim de todas as suas obras, e sua providência sempre ativa, governando o vasto universo, e difundindo vida, movimento e vigor através do

(5)

5

todo: a virtude de sua sabedoria, poder e bondade, aquecendo no sol, refrescando na brisa; brilhando nas estrelas e florescendo nas árvores; vivendo em toda a vida, se estendendo por toda extensão; se espalhando sem fronteiras, operando sem gastar; inspirando nossa alma, informando nossa parte vital.

Mas onde está o grande agente? Estas são suas obras e são gloriosas: "em sabedoria ele as fez todas", mas onde está o divino artífice? Dessas demonstrações de sua glória, que impressionam meus sentidos, derivo algumas ideias dele; mas oh! Quão fraco e e quão diferente é do perfeito arquétipo e original!

Também ouvi falar dele; eu li suas próprias descrições de Si mesmo em sua Palavra;

contemplo as representações que ele fez de si mesmo em suas ordenanças; e estes são verdadeiramente gloriosos - mas são adaptados às mentes sombrias dos mortais nesta região obscura e ficam infinitamente aquém da glória original.

Eu consigo pensar nele; eu posso amá-lo; eu posso conversar e manter uma comunhão espiritual com ele; eu o sinto trabalhando no meu coração; eu recebo comunicações sensatas de amor e graça dele; às vezes eu moro com

(6)

6

prazer desconhecido na contemplação de sua glória e sou transportado com a pesquisa! Mas, infelizmente! Eu não posso conhecê-lo completamente; não posso mergulhar fundo neste mistério de glória; meus sentidos não podem percebê-lo; e meus poderes intelectuais no estado atual não estão qualificados para conversar com objetos espirituais e formar um pleno conhecimento deles.

Oh! Quanto me agradaria se Deus me mostrasse sua glória em todo o seu brilho! Oh, que ele se revelasse para mim, para que meus sentidos pudessem ajudar minha mente; se tal maneira de revelação é possível!

Pensamentos como esses podem surgir naturalmente em nossas mentes; e provavelmente alguns desses pensamentos possuíam a mente de Moisés, e foram a ocasião de seu pedido: "Peço-lhe, mostre- me sua glória!"

Esses capítulos, de onde tomamos nosso assunto do discurso, nos apresentam transações que devem parecer muito estranhas e incríveis para uma mente que nada sabe de comunhão com o Pai dos espíritos, e que é fornecida apenas com ideias modernas.

Aqui está, não um anjo - mas um homem; não apenas uma criatura - mas um pecador, um

(7)

7

pecador uma vez depravado como nós mesmos, em íntima audiência com a Deidade. Jeová fala com ele cara a cara, como um homem fala com seu amigo. Moisés usa seu interesse em favor de um povo rebelde, e foi tão grande que ele prevaleceu: não, para mostrar a força de suas intercessões e para encorajá-lo a usá-las, Deus condescende em se representar como contido por esse importuno. peticionário e incapaz de punir os ingratos israelitas, enquanto Moisés implorava por eles. "Deixe-me em paz", diz ele,

"para que minha ira se acenda contra eles, para que eu os consuma". Êxodo 32:10. Moisés pede petição após petição; e ele obtém bênção após bênção, como se Deus não pudesse negar nada a um favorito.

Ele primeiro desaprova a ira divina , para que ela não ocorra imediatamente sobre os israelitas e os interrompa, versículos 11-14. Quando ele chegou a esse ponto, avança mais e pede que Deus seja o Guia deles através do deserto, como ele era até então, e os guiasse à terra prometida.

Neste artigo, Deus parece afastá-lo e devolver a obra de conduzi-los sobre si mesmo; mas Moisés, sensível a não ser igual a ele, insiste no pedido e, com uma destreza sagrada, recorra às promessas divinas para aplicá-lo. Por fim, Jeová parece, em parte, ter prevalecido e promete enviar seu anjo diante dele como seu guia.

(8)

8

Capítulo 32:34 e 33: 2. Mas, infelizmente! Um anjo não pode ocupar seu lugar; e Moisés renova sua petição ao Senhor, e humildemente diz a ele que ele prefere ficar, ou até morrer, onde estavam no deserto, do que subir à terra prometida sem ele. "Se a sua presença não for comigo, não nos leve daqui!" capítulo 33:15. "Ai!

A companhia de um anjo, e a posse de uma terra que mana leite e mel, não nos satisfaz, sem Ti."

Suas orações também prevalecem por essa bênção, e Jeová não negará nada a ele.

Oh, a surpreendente prevalência da fé! Oh, a eficácia da fervorosa oração de um homem justo! E agora, quando seu povo é restaurado para o favor divino, e Deus se compromete a ir com eles, Moisés tem mais alguma coisa a pedir? Sim, ele descobriu que realmente tinha um grande interesse por Deus, e oh! Ele o amava e ansiava por um conhecimento mais claro dele;

ele descobriu que, depois de todas as entrevistas e conferências amistosas, sabia pouco da sua glória; e agora, pensou ele, é hora de fazer um pedido por essa manifestação; quem sabe possa ser concedido! Assim, ele ora com uma mistura de ousadia filial e modéstia trêmula: "Peço-lhe, mostre-me sua glória!" Ou seja: "Agora estou em conversa com você, percebo que você é o mais glorioso de todos os seres; mas ainda é pouco da sua glória que eu ainda conheço. Oh! É possível

(9)

9

que um mortal culpado receba revelações mais claramente?" Em caso afirmativo, peço que me favoreça com uma visão mais completa e brilhante".

Essa petição também é concedida, e o Senhor promete a ele: "Farei passar toda a minha bondade diante de você e proclamarei o nome do Senhor diante de você". Para que você possa entender melhor essa estranha história, gostaria que você observasse algumas coisas:

1º. Nas eras mais antigas do mundo, era muito comum Deus assumir alguma forma visível e conversar livremente com seus servos. Sobre isso, você costuma ler na história dos patriarcas, particularmente de Adão, Abraão, Jacó, etc. É também uma tradição quase universalmente recebida em todas as épocas e entre todas as nações que Deus às vezes apareceu de maneira sensata aos mortais. Você dificilmente pode encontrar um escritor pagão, em quem não encontrará nele alguns traços dessa tradição.

Sobre isso, em particular, são fundadas as muitas histórias extravagantes dos poetas sobre as aparências de seus deuses. Se não houvesse verdade original em algumas aparições do verdadeiro Deus para os homens, não haveria base para essas fábulas; pois elas evidentemente pareciam infundadas e antinaturais para todo

(10)

10

leitor. Portanto, essa tradição foi, sem dúvida, originalmente derivada das aparências da Deidade, em uma forma corporal, nos primeiros tempos.

Às vezes Deus assumiu uma forma humana e apareceu como homem. Assim, ele apareceu a Abraão, em companhia de dois anjos, Gênesis 18, e aquele bom patriarca os entretinha com comida como viajantes; contudo, um deles é denominado repetidamente o SENHOR, ou Jeová, o nome incomunicável de Deus; veja os versículos 13, 20, 22, 26, etc., e fala apenas em um idioma apropriado a ele, versículos 14, 21, etc.

Às vezes, ele aparecia como um brilho visível, ou como um corpo de luz, ou em alguma outra forma sensível de majestade e glória. Assim, ele foi visto por Moisés da sarça como um fogo ardente; assim ele assistiu aos israelitas pelo deserto, no símbolo do fogo durante a noite e nas nuvens durante o dia; e assim ele frequentemente aparecia no tabernáculo e na dedicação do templo de Salomão, em alguma forma sensível de brilho glorioso, que os judeus chamavam de Shequiná; e encarado como um certo símbolo da presença divina.

2º. Você deve observar que Deus, que é um espírito, não pode ser percebido pelos sentidos;

(11)

11

nem essas formas sensíveis pretendiam representar a essência divina, que é totalmente imaterial. Você não pode mais ver Deus - do que você pode ver sua própria alma; e uma forma corporal não pode mais representar sua natureza - do que forma ou cor podem representar um pensamento ou a afeição do amor. Ainda,

3º. Deve ser admitido que os emblemas majestosos e gloriosos, ou representações de Deus exibidos para os sentidos, pode ajudar a aumentar as nossas ideias dele. Quando os sentidos e a imaginação auxiliam o poder da compreensão pura, suas ideias são mais vivas e impressionantes: e, embora nenhuma representação sensata possa ter qualquer semelhança estrita com a natureza divina - elas podem atingir profundamente nossas mentes e preenchê-las com imagens de grandeza e majestade.

Quando vejo um palácio magnífico - naturalmente tende a me dar uma ótima ideia do proprietário ou construtor. O séquito e a pompa dos reis, suas coroas cintilantes, cetros e outros acessórios - tendem a nos inspirar com ideias de majestade. Da mesma maneira, essas representações sensíveis da Deidade, especialmente quando acompanhadas de

(12)

12

algumas descrições racionais da natureza divina - podem nos ajudar a formar concepções mais elevadas da glória de Deus; e a falta de tais representações pode ocasionar menos reverência e temor.

Por exemplo, se a descrição da Deidade, "O SENHOR Deus, compassivo, clemente e longânimo e grande em misericórdia e fidelidade etc." tivesse sido sugerida apenas à mente de Moisés como um objeto de contemplação calma, isso não o teria atingido com tão profunda reverência, nem lhe dado ideias tão claras ou impressionantes como quando foi proclamado com uma voz alta e majestosa, e atendeu com uma glória visível muito brilhante aos olhos mortais! A natureza humana é de tal forma que não pode deixar de ser afetada por coisas dessa natureza. Considere bem o assunto à luz na qual eu o coloquei, e você pode ver algo da propriedade e boa tendência dessas aparências e, ao mesmo tempo, proteger-se dos erros.

Deixe-me agora dar a você o que apreendo da verdadeira história dessa notável e ilustre aparição de Deus a Moisés. Moisés desfrutou de frequentes entrevistas com Deus e viu muitos símbolos de sua presença e representações de sua glória; mas ele ainda acha que o

(13)

13

conhecimento dele é muito defeituoso e apreende que Deus possa lhe dar uma representação de sua glória mais impressionante e ilustre do que qualquer outra que ele já vira. Portanto, ao descobrir que agora ele estava a seu favor, ele humildemente move esta petição: "Peço-te que me mostres a tua glória!" Ou seja, me dê algumas representações mais completas e majestosas de sua glória do que eu tive até agora.

O Senhor lhe responde: "Farei passar toda a minha bondade", que é uma representação gloriosa e visível da minha bondade, que é

"minha glória, passando diante de você", que pode atingir seus sentidos e torná-los o meio de tudo. transmitindo à sua mente ideias mais ilustres e majestosas da minha glória. E como há formas sensíveis que podem representar plenamente a essência espiritual e perfeições da minha natureza, enquanto eu causar uma representação visível da minha glória para passar diante de você, eu vou ao mesmo tempo proclamar o nome do Senhor, e descrever algumas das principais perfeições que constituem minha glória e bondade. Mas tão brilhante será o brilho dessa forma que assumirei, que você não poderá ver meu rosto ou a parte mais esplêndida da representação; a

(14)

14

glória é brilhante demais para ser vista por qualquer mortal, versículo 20.

Mas há um lugar em uma rocha onde você pode esperar, e eu lançarei trevas sobre ela até que a parte mais brilhante da forma de glória pela qual eu aparecerei passe, e então eu abrirei um meio de luz, e você verá minhas partes traseiras; essas são as partes da representação que são menos ilustres e que passam por último: a glória delas você poderá suportar - mas meu rosto não será visto."

Assim, Deus condescendeu em prometer; e quando os assuntos foram devidamente preparados, ele realiza seu compromisso. O Senhor assumiu uma forma visível de glória e passou diante dele e proclamou seu nome , que inclui suas perfeições. As coisas são conhecidas por seus nomes, e Deus é conhecido por seus atributos; portanto, seu nome inclui seus atributos. A proclamação decorreu neste estilo augusto: "SENHOR, SENHOR Deus compassivo, clemente e longânimo e grande em misericórdia e fidelidade; que guarda a misericórdia em mil gerações, que perdoa a iniquidade, a transgressão e o pecado, ainda que não inocenta o culpado, e visita a iniquidade dos pais nos filhos e nos filhos dos filhos, até à terceira e quarta geração!" Moisés foi atingido

(15)

15

com reverência e admiração, e se curvou e adorou!

Meu projeto atual é explicar os vários nomes e perfeições aqui atribuídos a Deus, e mostrar que todos concordam em constituir sua bondade . Pois você deve observar que esta é a conexão.

Moisés ora por uma visão da glória de Deus . Deus promete a ele uma visão de sua bondade, o que sugere que sua bondade é sua glória; e quando ele descreve sua bondade, qual é a descrição? É "o SENHOR, SENHOR compassivo, clemente e longânimo e grande em misericórdia e fidelidade; que guarda a misericórdia em mil gerações, que perdoa a iniquidade, a transgressão e o pecado.“

Que esses atributos pertencem à sua bondade, nós concebemos fácil e naturalmente. Mas o que devemos pensar de sua justiça punitiva, esse atributo solene e tremendo, objeto de terror e aversão aos pecadores? Isso também faz parte de sua bondade? Sim, quando Deus faz com que sua bondade passe diante de Moisés, ele proclama como uma parte dela , que "ele de forma alguma inocentará os culpados; e que ele visita as iniquidades dos pais nos filhos até a terceira e quarta geração." Esse atributo solene é uma parte importante de sua bondade, e sem ele não poderia ser bom, amável ou glorioso.

(16)

16

Agora estou prestes a abordar um assunto - o mais sublime, magnífico e importante, que pode estar na esfera das mentes humanas ou angélicas - o nome e as perfeições do Deus infinito e sempre glorioso! Eu o tento com tremor e reverência, e prevejo que o terminarei com vergonha e confusão: pois quem, procurando, pode descobrir Deus? Quem pode descobrir o Todo-Poderoso até a perfeição? Jó 11:

7. A questão de Agur, mortifica o orgulho do conhecimento humano . "Qual é o nome dele e o nome do filho dele? Diga-me se você souber!"

Provérbios 30: 4. "Esse conhecimento é maravilhoso demais para mim; é sublime, não posso alcançá-lo." Salmo 139: 6. "É tão alto quanto o céu; o que você pode fazer? Mais profundo que o inferno; o que você pode saber? A sua medida é mais longa que a terra e mais larga que o mar".

Jó 11: 8, 9.

Emprestem-me sua habilidade, anjos, que viram seu rosto sem intervalo desde o primeiro momento de sua feliz existência; ou vocês santos do alto, que "o veem como ele é", me inspiram com suas ideias exaltadas e me ensinam sua linguagem celestial, enquanto eu tento trazer o céu à terra e revelar suas glórias aos olhos dos mortais! Em vão eu pergunto; seu conhecimento é incomunicável para os habitantes de carne, e ninguém além de

(17)

17

imortais pode aprender a língua da imortalidade. Mas por que eu pergunto a eles?

Ó Pai dos anjos e dos homens, que "podem aperfeiçoar seus louvores até da boca de bebês e crianças de peito" e que podem abrir todas as avenidas de conhecimento e derramar sua glória sobre mentes criadas - brilhem em meu coração para que eu dê a luz do conhecimento da sua glória; eu imploro, mostre-me sua glória!

Faça com que brilhe no meu entendimento, enquanto eu tento exibi-lo ao seu povo, para que eles possam ver, adorar e amar!

Quanto a vocês, meus irmãos, solicito sua atenção mais solene e reverente, enquanto os conduzirei ao conhecimento do Senhor seu criador. Alguém poderia pensar que um tipo de curiosidade filial o inspiraria com desejos ansiosos de familiarizar-se com seu divino Pai e Criador. Você não estaria disposto a adorar, não sabe o quê; ou com os atenienses, adorando um Deus desconhecido. Você não deseja conhecer o maior e o melhor dos seres, cujos vislumbres de cuja glória brilham sobre você do céu e da terra?

Você não conheceria aquele em cuja presença espera habitar e ser feliz para todo o sempre?

Vinde, então, tenha toda a reverência e atenção, enquanto eu proclamo a você seu nome e perfeições: "O SENHOR, SENHOR compassivo,

(18)

18

clemente e longânimo e grande em misericórdia e fidelidade; que guarda a misericórdia em mil gerações, que perdoa a iniquidade, a transgressão e o pecado.“

Podemos ter certeza de que Deus assumiu para si os nomes que melhor se adaptam para descrever sua natureza, tanto quanto a linguagem mortal pode alcançar. E tudo o que lhe pertence é tão querido e importante, que seu próprio nome merece uma consideração particular.

O primeiro nome na ordem do texto e em sua própria dignidade é: o SENHOR, ou JEOVÁ; um nome aqui repetido duas vezes, para mostrar sua importância, "o SENHOR, o SENHOR" ou

"Jeová, Jeová". Este é um nome peculiar a Deus e incomunicável à criatura mais exaltada. Os magistrados, em particular, são chamados de

"senhores", porque sua autoridade é uma sombra da autoridade divina. Mas o nome Jeová, que é traduzido por SENHOR no meu texto, e em todos os lugares da Bíblia, onde está escrito em maiúsculas , digo, esse nome Jeová é apropriado ao Ser Supremo, e nunca aplicado a nenhum outro. Ele afirma isso para si mesmo, como sua glória peculiar. Assim, no Salmo 83:18, "Você, cujo nome é Jeová, é o Altíssimo sobre toda a terra".

(19)

19

E em Isaías 42: 8: "Eu sou o SENHOR, ou (como está no original) Jeová; esse é o meu nome, meu nome incomunicável e minha glória não darei a outro; isto é, não darei permissão que outro compartilhe comigo a glória de usar esse nome".

Assim também em Amós 4:13. "Porque é ele quem forma os montes, e cria o vento, e declara ao homem qual é o seu pensamento; e faz da manhã trevas e pisa os altos da terra; SENHOR, Deus dos Exércitos, é o seu nome." Ou seja, seu nome distinto e apropriado. Portanto, deve haver algo peculiarmente sagrado e significativo nesse nome, pois é assim incomunicavelmente apropriado ao único Deus. Os judeus tinham uma veneração tão prodigiosa por esse nome que equivalia a um excesso supersticioso. Eles chamam de "esse nome", a título de distinção: "O grande nome, o nome glorioso, o nome apropriado, o nome indescritível, o nome exposto", porque eles nunca o pronunciaram, exceto em um caso, que mencionarei presentemente - mas sempre o expunham por algum outro. Assim, quando o nome Jeová ocorreu no Antigo Testamento, eles sempre o leem Adonai ou Elohim, os nomes usuais e menos sagrados, que traduzimos Senhor Deus. Nunca foi pronunciado pelos judeus na leitura, na oração ou no mais solene ato de adoração, muito menos em conversas

(20)

20

comuns, exceto uma vez por ano, no grande dia da expiação, e somente pelo sumo sacerdote no santuário, ao pronunciar a bênção. Mas em todos os outros momentos, lugares e ocasiões, e para todas as outras pessoas - a pronúncia desse nome sagrado era considerada ilegal.

A bênção foi a que você leu em Números 6, versículos 24-26, onde o nome Jeová é repetido três vezes em hebraico:

"24 O SENHOR te abençoe e te guarde;

25 o SENHOR faça resplandecer o rosto sobre ti e tenha misericórdia de ti;

26 o SENHOR sobre ti levante o rosto e te dê a paz."

Quando esse venerável nome foi pronunciado nesta ocasião, somos informados pelos rabinos judeus, “que toda a vasta congregação presente dobrou o joelho e caiu na prostração mais humilde, gritando: Bendito seja o seu nome glorioso para todo o sempre!" Eles supunham que esse nome tinha uma virtude milagrosa, e que por ele Moisés e outros fizeram tais maravilhas: não, a superstição deles era tão grande que eles acharam que era um tipo de encanto ou palavra mágica, e que aquele que o

(21)

21

possuía, e conhecia sua verdadeira pronúncia e virtude, podia realizar as coisas mais surpreendentes e até abalar o céu e a terra.

Não mencionei essas coisas com aprovação - mas apenas para mostrar que há algo particularmente significativo, importante e sagrado nesse nome, de onde os judeus aproveitaram essas noções extravagantes; e isso aparecerá a partir de sua etimologia.

Você sabe que não é o meu método usual levar uma grande quantidade de descrédito aprendido comigo para o púlpito, ou gastar seu tempo com críticas pedantes e insignificantes sobre “palavras”, que podem realmente ter uma

“demonstração de educação”, e divertir aqueles que admiram o que não entendem - mas não podem responder a um fim valioso para um público temente a Deus. No entanto, no momento, devo tomar a liberdade de mostrar o significado original do nome Jeová , para que eu possa explicar completamente o meu texto e que você saiba a importância de um nome que lhe ocorrerá com tanta frequência ao ler suas Bíblias; pois, como eu lhe disse, onde quer que você encontre a palavra SENHOR em grandes letras, é sempre Jeová no original.

(22)

22

O nome Jeová é derivado do verbo hebraico

“ser”; e, portanto, o significado da palavra Jeová é: O existente, o ser ou Aquele que é. Assim, parece explicado em Êxodo 3, versículo 14. "EU SOU O QUE EU SOU", ou "Eu sou porque eu sou";

isto é, eu existo e tenho estado em e por mim mesmo, sem depender de nenhuma causa; e minha existência é sempre a mesma: imutável e eterna. João explica bem esse nome com "Quem é, quem foi e quem virá"; ou, como a passagem pode ser traduzida, "O Ser presente, o Ser passado e o Ser futuro"; ou "O Ser que é, o Ser que era e o Ser que será". Ou seja, o Ser perpétuo, eterno e imutável .

Observarei apenas mais adiante que Jeová não é um nome relativo - mas um nome absoluto: não há pronome ou palavra relativa que alguma vez se junte a ele; podemos dizer: meu Senhor, nosso Senhor, nosso Deus, etc. - mas os hebreus nunca dizem ou escrevem: meu Jeová, nosso Jeová, etc; de modo que esse nome o represente como ele é em si mesmo, sem nenhuma relação com suas criaturas, como teria sido se elas nunca tivessem existido. Ele ainda teria sido o Ser, o absoluto, independente existente, em que ponto de vista ele não tem nada a ver com suas criaturas, e não pode sustentar nenhuma relação com elas.

(23)

23

Com esse nome, assim explicado, aprendemos as seguintes perfeições gloriosas e incomunicáveis de Deus; que ele é autoexistente e independente; que seu ser é necessário; que ele é eterno; e que ele é imutável.

Enquanto estou prestes a abordar esses assuntos, pareço estar à beira de um oceano ilimitado e insondável, e tremo ao me lançar nele! Mas , sob a conduta das Escrituras e razão humilde, vamos fazer a aventura; pois é uma felicidade estar perdido e engolido em um oceano de perfeição!

1. O nome Jeová implica que Deus é autoexistente e independente . Não quero dizer com isso que ele se produziu, pois isso seria uma contradição direta e suponho que ele exista - e não exista ao mesmo tempo. Mas quero dizer que a razão e o fundamento de sua existência estão em sua própria natureza e não dependem de nada além disso. Ser é essencial para ele. Ele contém uma infinita plenitude de ser em si mesmo, e nenhum outro ser contribuiu em nada para sua existência; e, portanto, com grande propriedade, ele assume esse nome estranho, “eu sou”. Ele é Ser por toda parte, perfeita e universalmente vital; e a razão disso

(24)

24

está inteiramente dentro de sua própria natureza.

Quão gloriosamente ele se distingue nesse aspecto de todos os outros seres, mesmo os mais ilustres e poderosos! Foi o tempo - quando eles não eram nada. Anjos e arcanjos, homens e animais, sol, lua e estrelas; em suma, todo o universo, além disso, já não era nada e não existia! E qual foi a razão pela qual eles surgiram? Certamente não estava neles:

quando eles não eram nada, não havia nenhuma razão neles - por que eles deveriam ser alguma coisa: pois, ao não ser, não pode haver razão ou fundamento para existir.

O mero prazer de Deus, o decreto deste Jeová autoexistente, é a única razão e a única causa de sua existência! Se não fosse por ele, eles não teriam existido! Seu ser, portanto, é totalmente precário, dependente e procede totalmente de uma causa fora de si.

Mas Jeová se gloria de um ser independente, sem compromisso. Seja o que for, é dele mesmo:

ele deve isso a si mesmo. Que ser glorioso é esse!

Quão infinitamente diferente e superior a todo o sistema de criaturas! Você já não está constrangido a dobrar o joelho diante dele e admirar, adorar e amar? Mas,

(25)

25

2. Daí decorre que sua existência é necessária;

isto é, é impossível para ele não ser. Seu ser não depende de nada fora dele, nem de sua própria vontade arbitrária - mas é essencial à sua natureza. Que ele não deveria ser - é uma impossibilidade tão grande quanto dois e dois não formarem quatro. É impossível que qualquer coisa esteja mais intimamente ligada a qualquer coisa - do que o ser à sua essência; e é impossível que algo seja mais oposto a qualquer coisa - do que à inexistência. Desde que ele recebeu seu ser de nada fora de si mesmo, e como a razão de sua existência não é derivada de nenhum outro - segue-se que, a menos que ele exista pela necessidade de sua própria natureza, ele deve existir sem qualquer necessidade: isto é, sem nenhuma razão, o mesmo que dizer que nada é a causa ou fundamento de sua existência;

e que imaginação pode ser mais absurda! Seu ser, portanto, deve existir por uma necessidade absoluta e independente!

Que ser glorioso é esse! Quão infinitamente distante do nada, ou de uma possibilidade de não ser! Que fundo ilimitado de existência, que imenso oceano de Ser está aqui! Ai! O que é que nós, que é o universo inteiro, além disso, em comparação com Jeová! Eles são nada, menos que nada, e vaidade. Nosso ser não é apenas derivado, mas arbitrário, dependendo

(26)

26

inteiramente do mero prazer de Jeová. Não havia necessidade de nossa natureza que deveríamos ser; e agora não há necessidade de continuarmos sendo. Se existimos, não é devido a nós. "Ele nos criou, e não nós mesmos"; e se continuarmos a ser para sempre, não é devido a um fundamento que se encontre dentro de nós mesmos - mas no mesmo Deus que nos formou pela primeira vez.

Faz pouco tempo - que partimos do nada, e quão próximos ainda estamos do confinamento do nada! Penduramos o terrível abismo do nada por um fio delgado do ser, sustentado pelo próprio Jeová. Retire-o, retire sua agência e a natureza universal afunda em nada de uma só vez! Tire a raiz - e os galhos murcham! Seque a fonte - e os córregos cessam. Se algum de vocês é tão tolo que deseja em seus corações que Deus não existisse, você estaria desejando a aniquilação em todo o universo; você desejaria destruição total para si e para todo o resto; você desejaria a extinção de todo ser. Todos dependem de Deus, a causa sem causa , o único Ser necessário.

Permita-me aqui fazer uma digressão. É este o Deus que os homens maus tanto esquecem, desonram e desobedecem? Eles são tão inteiramente dependentes dele - e ainda assim

(27)

27

descuidados como se comportam com ele, descuidados se o amam e o agradam? Eles devem seu ser e tudo - inteiramente a ele? E eles estão totalmente na mão dele? O que eles querem dizer com ocultar dele seus pensamentos e afeições, violar suas leis e negligenciar seu evangelho? Você pode encontrar um nome para uma conduta tão má?

Não seria totalmente incrível - não o vimos com os olhos ao nosso redor?

Pecadores, o que você quer dizer com essa conduta! Deixe a criança rasgar o ventre que a concebeu, ou rasgar os seios que a nutrem! Vá, envenene ou destrua o pão que deve alimentá- lo! Seque as correntes que devem aliviar a sua sede! Pare a respiração que mantém você na vida! Faça essas coisas ou faça qualquer coisa - mas oh! Não esqueça, não desobedeça e não provoque o próprio Pai do seu ser, a quem você deve e de quem depende, não apenas por essa e aquela misericórdia - mas para o seu próprio ser, todo momento da sua existência, no tempo e na eternidade!

Ele pode fazer muito bem sem você - mas oh, o que você é sem ele! Um riacho sem fonte, um galho sem raiz, um efeito sem causa, um mero espaço em branco, um nada! Ele é realmente autossuficiente e autoexistente. Não é nada para

(28)

28

ele, quanto à sua existência, se a criação existe ou não. Que homens, anjos e toda criatura se afundem em nada de onde vieram - e seu ser ainda está seguro! Ele desfruta de um ser necessariamente imutável e eternamente existente!

Homens e anjos dobram os joelhos, caem prostrados e adoram diante deste Ser dos seres!

Como você está na presença dele! Que pobres, arbitrárias, dependentes, criaturas que perecem! Que sombras da existência! Que meros nada! E não é adequado que você deva reconhecê-lo humildemente? Pode haver algo mais antinatural, algo mais tolo, algo mais audaciosamente perverso - do que negligenciar ou desprezar tal Ser, o Ser dos seres, o Ser que inclui todo ser? Eu mal posso suportar o horror do pensamento!

3. O nome Jeová implica que Deus é eterno, ou seja, ele sempre foi, é e sempre será. "De eternidade a eternidade, ele é Deus!" Salmo 90:

2. Esta é sua grande peculiaridade: "Somente ele tem imortalidade!", 1 Timóteo 6:16, em sentido pleno e absoluto. Homens e anjos são de fato imortais - mas é apenas um tipo de meia- eternidade que eles desfrutam. Eles não eram nada e continuaram nesse estado por uma duração eterna. Mas como Jeová nunca terá um

(29)

29

fim , ele nunca teve um começo . Isto decorre de sua necessária autoexistência. Se a razão de sua existência está em si mesmo, a menos que ele sempre exista - ele nunca poderia existir, pois nada fora de si poderia fazer com que ele existisse. E se ele existe por necessidade absoluta, deve sempre existir, pois a necessidade absoluta é sempre a mesma, sem nenhuma relação com o tempo ou o lugar.

Portanto, ele sempre foi e sempre será.

E que Ser maravilhoso é esse! Um Ser destemido, e isso nunca pode ter um fim! Um ser possuidor de uma eternidade completa.

Aqui, meus irmãos, deixe seus pensamentos voarem , e voarem para trás e para frente, e veja se você pode rastrear a existência dele! Voe de volta em pensamento cerca de seis mil anos, e toda a natureza, até onde parece, foi um mero espaço em branco! Não havia céu nem terra, nem homens nem anjos. Mas o grande Eterno ainda vivia sozinho, autossuficiente e feliz!

Voe adiante no pensamento, tanto quanto à grande conflagração, e você vai ver "os céus se dissolvendo, e a terra e as coisas que nela estão sendo queimadas", mas ainda assim Jeová vive imutável e absolutamente independente.

(30)

30

Exerça todos os poderes dos números, adicione séculos a séculos, milhares a milhares, milhões a milhões; voe de volta, e de volta - na medida em que o pensamento possa levá-lo - ainda Jeová existe! Não, você está tão longe do primeiro momento de sua existência quanto está agora, ou jamais poderá estar.

Pegue a mesma perspectiva antes de você e você encontrará o rei eterno e imortal ainda o mesmo: ele não está mais perto do que na criação, ou milhões de eras antes dela.

Que ser glorioso é esse! Aqui, novamente, que homens e anjos, e todos os filhos do tempo, dobrem os joelhos e adorem! Se percam nesse oceano e passem a eternidade em êxtase admiração e amor a esse eterno Jeová!

"O Deus eterno é o seu refúgio!", Deuteronômio 33:27. Oh! Que porção gloriosa é Jeová para o seu povo! Seus prazeres terrenos podem passar como uma sombra; seus amigos morrerem, vocês mesmos devem morrer, e o céu e a terra desaparecerão como um sonho - mas seu Deus vive! Ele vive para sempre, para lhe dar uma felicidade igual à sua duração imortal. Portanto, abençoado, abençoado é o povo cujo Deus é o SENHOR!

(31)

31

Mas oh! Que homens maus e demônios tremem diante dele, pois quão terrível é ser um inimigo de um Deus eterno! Ele vive para sempre para punir você. Ele vive para sempre para odiar seu pecado, ressentir-se de sua rebelião e mostrar sua justiça! E enquanto ele vive, você deve estar infeliz. Em que situação triste você está, quando a existência eterna de Jeová é um fundo inesgotável de terror para você!

Oh! Como você tem invertido a ordem das coisas, quando você tiver feito isso seu interesse que a fonte de todo ser deve deixar de ser, e que com ela você e todas as outras criaturas devem desaparecer no nada!

Que coisa maligna é o pecado, que torna a existência uma maldição e a aniquilação universal uma bênção!

Que região horrível é o inferno, onde ser tão doce em si mesmo e a capacidade de todos os prazeres - tornou-se o fardo mais intolerável e todo desejo - é uma imprecação da aniquilação universal!

Pecadores, agora você tem tempo para considerar essas misérias e evitá-las, e você será tão insensato a ponto de se precipitar nelas!! Oh!

Se você tivesse apenas consciência das

(32)

32

consequências de sua conduta em alguns anos - não precisaria de persuasões para reformá-la!

Mas oh, a cegueira fatal e a estupidez dos mortais, que não serão convencidos dessas coisas - até que a convicção seja tarde demais!

"Então eles partirão para o castigo eterno, mas os justos para a vida eterna!" (Mateus 25:46).

4. O nome de Jeová implica que Deus é imutável, ou sempre o mesmo. Se ele existe necessariamente, ele deve sempre ser necessariamente o que é e não pode ser outra coisa. Ele não depende de ninguém e, portanto, não pode estar sujeito a nenhuma mudança de outro. E ele é infinitamente perfeito - e, portanto, não pode desejar mudar a si mesmo.

Para que ele seja sempre o mesmo durante toda a duração, de eternidade em eternidade! Ele deve ser o mesmo, não apenas quanto ao seu ser - mas também quanto às suas perfeições; o mesmo em poder, sabedoria, bondade, justiça e felicidade. Assim, ele se representa em sua Palavra, como "o Pai das luzes, com quem não há mudança, nem sombra de variabilidade", Tiago 1:17. "O mesmo ontem, hoje e sempre", Hebreus 13: 8.

Que perfeição distinta é essa! E de fato é somente em Jeová, em quem a imutabilidade pode ser uma perfeição. A criatura mais

(33)

33

excelente é capaz de melhorias progressivas e parece destinada a ela; e fixar tal criatura a princípio em um estado imutável seria limitá-la e restringi-la de graus mais elevados de perfeição, e mantê-la sempre em um estado de infância.

Mas Jeová é absolutamente, completamente e infinitamente perfeito, no cume mais alto de toda a excelência possível, infinitamente além de qualquer complemento à sua perfeição, e absolutamente incapaz de melhorar! E, consequentemente, e como não há espaço para isso, não há necessidade de uma mudança nele!

Sua imutabilidade é uma perpétua e invariável continuidade no mais alto grau de excelência e, portanto, na mais alta perfeição. Ele é a causa e o espectador de uma variedade infinita de mudanças no universo - sem a menor mudança em si mesmo. Ele vê mundos surgindo, existindo um tempo - e depois se dissolvendo.

Ele vê reinos e impérios se formando, subindo - e depois correndo de cabeça para a ruína. Ele muda os tempos e as estações; ele remove reis e estabelece reis! Daniel 2:21.

E ele vê a inconstância e vicissitudes dos mortais; ele vê gerações e gerações desaparecendo como sombras sucessivas; ele os vê agora sábios - agora tolos; agora em busca de

(34)

34

uma coisa - agora de outra; agora feliz - agora infeliz e de mil formas diferentes. Ele vê as revoluções na natureza, as sucessões das estações e da noite e do dia. Essas e outras mil alterações ele vê, e todas são produzidas ou permitidas por sua providência que governa tudo. Mas tudo isso nada muda nele! Seu ser, suas perfeições, seus conselhos e sua felicidade - são invariavelmente e eternamente iguais!

Ele não é sábio, bom, justo ou feliz, apenas às vezes - mas é igualmente, constante e imutavelmente durante toda a sua infinita duração! Oh, quão diferente é a descendência fugaz do tempo, e especialmente a raça mutável do homem! Visto que Jeová é assim constante e imutável - quão digno é ele ser escolhido como nosso melhor amigo! Você que o ama - não precisa temer nenhuma mudança nele. Não são assuntos pequenos que desviarão seu coração de você! Em infinita sabedoria, o amor dele estava fixo em você - e ele nunca verá motivos para revertê-lo! Não é um ajuste passageiro de afeto - mas é deliberado, calmo e constante.

Você pode confiar em tudo em suas mãos, pois ele não pode enganar você! E o que quer ou quem falhar com você - ele não o fará. Você vive em um mundo inconstante; seus melhores amigos podem ser traiçoeiros ou leais com você;

todos os seus confortos terrestres podem

(35)

35

murchar e morrer ao seu redor; sim, o céu e a terra podem passar; mas seu Deus ainda é o mesmo! Ele garantiu isso com sua própria boca e apontou para você as felizes consequências disso: "Eu sou o SENHOR - Jeová", diz ele: "Eu não mudo - portanto, filhos de Jacó não sois consumidos!" Mal 3: 6.

Que felicidade completa é esse Jeová - para aqueles que o escolheram como porção deles!

Se um Deus infinito agora é suficiente para satisfazer seus desejos mais extremos - ele será assim por toda a eternidade. Ele é um oceano de felicidade comunicativa que nunca flui ou reflui e, portanto, você será completamente abençoado - se tem um interesse salvador nele.

Mas oh! Quão miseráveis são os inimigos deste Jeová! Pecador, ele é imutável, e nunca pode deixar de lado seus ressentimentos contra o pecado, ou diminuir em menor grau seu amor à virtude e à santidade. Ele nunca se afastará de seu propósito de punir rebeldes impenitentes, nem perderá seu poder para cumpri-lo. Seu ódio por todo mal moral não é uma paixão passageira - mas um ódio fixo, invariável e profundamente enraizado! Portanto, se você é feliz, deve haver uma mudança em você. Como você é tão oposto a ele, deve haver uma alteração em um ou no outro. Você vê que não pode estar nele e,

(36)

36

portanto, deve estar em você! E isso você deve trabalhar acima de todas as outras coisas!

"Por isso, recebendo nós um reino inabalável, retenhamos a graça, pela qual sirvamos a Deus de modo agradável, com reverência e santo temor; porque o nosso Deus é fogo consumidor.” (Hebreus 12. 28, 29).

Nota do Tradutor:

Deus não é de mortos, mas de vivos, de modo que o Seu mandamento é a vida eterna para aqueles que têm fé em Jesus Cristo. Há uma nova criação espiritual em curso desde o início do mundo visível, por meio da qual muitos pecadores estão sendo transformados em novas criaturas, nascidos de novo do Espírito Santo, para poderem responder ao propósito eterno de Deus de se prover de muitos filhos semelhantes a Jesus.

Consideramos muito oportuno abrir esta nota nesta obra de Samuel Davies em que o tema central gira em torno da majestade do nome de Deus, conforme a manifestação da Sua glória a Moisés no passado.

(37)

37

É importante frisarmos que antes de Moisés ter manifestado o desejo de que Deus lhe mostrasse a Sua glória, o Senhor já havia revelado na proclamação dos Dez Mandamentos, conforme registrado no 20º capítulo de Êxodo, que não teria por inocente a qualquer que tomasse o Seu nome em vão (verso 7). Tão grande importância é atribuído a isto, que por si só, configurou o 3º mandamento da Lei. Sendo assim, é requerido que se faça uma reflexão devida sobre este mandamento, porque há uma condenação atrelada à sua desobediência, de modo que não se deve pensar que isto seria aplicado a um mero uso inadequado ou inadvertido do nome YHWH (Iavé, Javé, Jeová), já comentado anteriormente por Samuel Davies. À explicação dada acrescentamos apenas que como Adonai (Senhor), passou a ser pronunciado pelos israelitas na leitura de YHWH, por temor e reverência a este nome que foi revelado por Deus a eles, e como a escrita do hebraico naqueles dias não incluía as vogais, senão apenas as consoantes, sendo as vogais pronunciadas apenas, então foi adotado posteriormente, incluindo-se as vogais de Adonai, em YHWH, de onde temos Jeová.

Evidentemente, ao dar o mandamento, Deus tinha muito mais em vista do que a simples questão de reverência direta ao nome

(38)

38

propriamente dito, e cremos, com apoio de todo o contexto das Escrituras, que temos aqui a própria essência da petição inicial na Oração Dominical: “Santificado seja o Teu nome.” São expressões equivalentes. “Não tomar o nome de Jeová em vão” é o mesmo que “santificar o nome de Jeová”, ou seja, procedermos em conformidade com o caráter e atributos dAquele cujo nome tomamos sobre nós, ao afirmarmos que pertencemos a Ele, que somos parte do Seu povo.

Não tomar o nome é o mesmo aqui do que carregar, elevar, assumir, honrar, obedecer, viver segundo a vontade daquele de quem temos o nome.

Não tomar o nome em vão, é mais do que proferir o nome propriamente dito de forma desavisada, pois além disso inclui não proceder de modo vão, sem propósito definido que seja consoante a santidade de Deus, ou ainda de modo falso e hipócrita.

Temos aqui portanto, um mandamento que aponta para o compromisso que assumimos com Deus ao carregar o Seu nome sobre nós, pois dizemos que somos filhos de Deus, que somos servos de Jesus etc. Então, depreende-se

(39)

39

que isto deve ser de fato e de verdade, e não apenas de língua.

“Não tomarás o nome do SENHOR, teu Deus, em vão, porque o SENHOR não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão.” (Êxodo 20.7) Os que vivem impiamente, ainda que afirmem pertencer ao Senhor, conhecer e amar a Jesus, ouvirão a sentença de condenação final de que não são conhecidos por Ele, conforme vemos sendo expressado em várias partes das Escrituras.

Não foi para a salvação deles e para viverem de modo santo que eles tomaram o nome do Senhor e se apropriaram dele, mas para fins vãos que não podem responder ao citado propósito.

“22 Muitos, naquele dia, hão de dizer-me:

Senhor, Senhor! Porventura, não temos nós profetizado em teu nome, e em teu nome não expelimos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres?

23 Então, lhes direi explicitamente: nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniquidade.” (Mateus 7.22,23).

(40)

40

“16 Mas ao ímpio diz Deus: De que te serve repetires os meus preceitos e teres nos lábios a minha aliança,

17 uma vez que aborreces a disciplina e rejeitas as minhas palavras?

18 Se vês um ladrão, tu te comprazes nele e aos adúlteros te associas.

19 Soltas a boca para o mal, e a tua língua trama enganos.

20 Sentas-te para falar contra teu irmão e difamas o filho de tua mãe.

21 Tens feito estas coisas, e eu me calei;

pensavas que eu era teu igual; mas eu te arguirei e porei tudo à tua vista.” (Salmo 50.16-21).

Figure

Updating...

References