• Nenhum resultado encontrado

pt 1679 4508 eins S1679

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2018

Share "pt 1679 4508 eins S1679"

Copied!
2
0
0

Texto

(1)

APRENDENDO POR IMAGENS

einstein. 2015;13(4):642-3

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Pneumomediastino espontâneo neonatal

e o sinal de Spinnaker

Neonatal spontaneous pneumomediastinum and the Spinnaker-Sail sign

Ricardo Monteiro1, Lígia Paulos1, João do Agro1, Lina Winckler1

1 Centro Hospitalar Leiria Pombal, Leiria, Portugal.

Autor correspondente: Ricardo Monteiro − Centro Hospitalar de Leiria Pombal, Rua das Olhalvas − Centro − CEP: 2410-196 − Leiria, Portugal − Tel.: +35124481700

E-mail: ricardomiguelmonteiro@gmail.com

Data de submissão: 2/4/2014 – Data de aceite: 20/8/2014 DOI: 10.1590/S1679-45082015AI3133

O pneumomediastino num recém-nascido de termo é associado a aspiração meconial, pneumonia, doença das membranas hialinas, ventilação mecânica ou a trauma-tismos relacionados com o parto. O pneumomedias tino espontâneo em recém-nascido é raro. A seguir, apre -sentamos os exames imagiológicos fundamentais para o diagnóstico num caso clínico de pneumomediastino em recém-nascido.(1,2)

O exame radiológico apresentado pertence a um re -cém-nascido cuja gravidez foi vigiada e decorreu sem in-tercorrências. Nasceu por ventosa com 38 semanas, com choro imediato e índice de Apgar 9/10. Foi diagnostica-do, no primeiro dia de vida, com enfisema subcutâneo na face anterossuperior do tórax. Efetuou uma radiografia de tórax que mostrou enfisema subcutâneo cervical e si nal de “vela de Spinnaker” (cunha hipotransparente

Figura 1. Radiografia de tórax mostrando o sinal de “vela de Spinnaker” (cunha hipotransparente que se estende até ao mediastino superior, delimitada inferiormente por zona hipertransparente)

Figura 2. Tomografia computorizada que mostra extenso pneumomediastino com discreta septação, sem alterações do parênquima pulmonar (corte transversal)

(2)

643 Pneumomediastino espontâneo neonatal e o sinal de Spinnaker

einstein. 2015;13(4):642-3

es tendendo-se até ao mediastino superior delimitada in feriormente por zona hipertransparente) (Figura 1). Fez tomografia computorizada, que mostrou enfisema subcutâneo e extenso pneumomediastino, com discre-ta sepdiscre-tação e sem alterações do parênquima pulmonar (Figuras 2 e 3). O recém-nascido esteve sempre estável e apresentando boa evolução clínica. Controle radiológi-co no sétimo dia de vida sem alterações.

Discute-se, neste caso clínico, o papel preponderan-te da radiografia de tórax no diagnóstico da maioria dos ca-sos de pneumomediastino. O sinal da “vela de Spinnaker” (imagem semelhante à vela de um barco, traduzindo a dis secção lateral do timo em relação ao pericárdio pelo ar) é patognomônico de pneumomediastino.(1,3,4)

Realçase que, conforme é visível na radiografia apre -sentada, a imagem da “vela do barco” pode não ser total-mente bem definida e suscitar dúvidas relativamen te à

possibilidade de outras patologias congênitas. As ca -racterísticas anatômicas do timo neonatal devem ser ti das em linha de conta, face à suspeita de clínica de pneu momediastino, uma vez que este pode dificultar a interpretação do exame. Nessas circunstâncias, a reali-zação da tomografia computorizada torácica é funda-mental para estabelecer o diagnóstico.(1-4)

REFERÊNCIAS

1. Chen CJ, Hsu ML, Diau GY, Fan HC, Tien SH, Tin WJ, et al. Neonatal spontaneous pneumomediastinum. J Med Sci. 2003;23(1):49-52.

2. Lee CT, Tsao PN, Peng SS, Jeng SF, Chou HC, Chen CY, et al. Spontaneous multiseptated cystic pneumomediastinum in a term newborn. Pediatr Neonatol. 2008;49(5):197-200.

3. Bullaro FM, Bartoletti SC. Spontaneous pneumomediastinum in children: a literature review. Pediatric Emerg Care. 2007;23(1):28-30. Review. 4. Lin HP, Johnson RO, Lam KL, Ong TH, Singh J. Pneumomediastinum in the

Imagem

Figura 3. Tomografia computorizada que mostra enfisema subcutâneo e extenso  pneumomediastino com discreta septação, sem alterações do parênquima  pulmonar (corte sagital)

Referências

Documentos relacionados

Ressonância magnética de abdômen superior em T1 com saturação de gordura pós-contraste, na fase portal, no plano axial, evidenciando necrose completa das lesões secundárias

A dificuldade técnica no tratamento das fraturas periprótese pós-operatórias da ARO, as características e as comorbidades da paciente, o reduzido número de casos e a ausência

As duas primeiras têm carac­ terísticas típicas, e a terceira apresenta­se de forma que não permite diferenciar entre doença de Crohn e reto­ colite ulcerativa, sendo necessário

A idade avançada é um fator de risco para reduzir a mobilidade e, quando associada com mudanças na compo sição corporal, como o aumento da gordura em relação à massa magra, (1)

Os métodos laboratoriais empregados e os valores de referência adotados para amostras de urina de 24 horas foram, para cálcio, método de espectrometria de absorção

Conclusão: A tradução e a adaptação das escalas de avaliação e classificação do linfedema cérvico-facial do MD Anderson Cancer Center Head and Neck Lymphedema protocol para

Dos questionários, foram utilizados os seguintes dados: idade, razão para a realização do exame, motivo para a colocação da prótese, referência a sinal ou sintoma, tempo

Tanto no TISS-28 como no NEMS, a soma dos escores para cada item refletiu a carga de trabalho da enferma- gem durante um período de 24 horas.. (18)