Introdução à Lingüística Cognitiva. Teorias Lingüísticas II Prof. Márcio Leitão

18 

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Texto

(1)

Introdução à Lingüística

Cognitiva

Teorias Lingüísticas II

Prof. Márcio Leitão

(2)

Confronto com a teoria gerativa

(Martelotta & Palomares, 2008)

• Nega a autonomia da sintaxe e o caráter formal

da linguagem assim como é entendido pelo

gerativismo.

• George Lakoff e Charles Fillmore questionam os

pressupostos gerativos.

• Questionam a Modularidade.

• Postulam a integração entre diferentes

domínios

de conhecimento

, não há distinção entre

conhecimento lingüístico e não-lingüístico.

• Focalizam primordialmente os

processos de

(3)

• “na concepção cognitivista não há

significados prontos, mas mecanismos de

construção de sentidos a partir de dados

contextuais

essencialmente

ricos

e

dinâmicos.”

• Princípio da escassez do significante

• “A forma lingüística é uma pista para as

complexas tarefas cognitivas associadas à

linguagem.”

(4)

Miranda, 2001

(5)

• Os cognitivistas discordam sobre a

autonomia da sintaxe, já que para eles

são os processos interacionais que vão,

de alguma forma, moldar a construção do

significado e este, por sua vez, vai moldar

a estrutura gramatical.

• Por isso, a linguagem não pode ser

estudada a partir de indivíduos isolados e

sim focalizando a interação lingüística em

contextos socialmente concretos.

(6)

O pensamento corporificado

• “Os cognitivistas postulam a hipótese de que a

experiência humana mais básica, que se

estabelece a partir do corpo, fornece as bases

de nossos sistemas conceptuais.”

• EX:

Cem anos atrás

, o mundo era bem

diferente. Portanto, podemos esperar que

daqui

para frente

as coisas continuem mudando.

• Compreendemos o tempo, que é uma noção

abstrata, a partir da noção mais concreta de

espaço. Processos entre domínios que são

inerentemente metafóricos.

(7)

Exemplificando (Lakoff, 2002)

Conceitos metafóricos do cotidiano

Discussão é Guerra

• Seus argumentos são indefensáveis.

• Ele atacou todos os pontos fracos da minha argumentação. • Jamais ganhei uma discussão com ele.

• Ele destruiu todos os meus argumentos.

Tempo é Dinheiro

• Você está desperdiçando meu tempo.

• Esta coisa engenhosa vai te poupar tempo. • Eu não tenho tempo para te dar.

• Como você gasta o seu tempo hoje em dia? • Aquele pneu furado me custou uma hora. • Tenho investido muito tempo nela.

• O seu tempo está esgotando.

• Você deve calcular e administrar o seu tempo. • Reserve algum tempo para o lazer.

(8)

• Metáforas orientacionais

• Feliz é para cima e Triste é para baixo

• Eu estou me sentindo para cima. • Aquilo levantou meu moral.

• Meu astral subiu.

• Eu caí em depressão. • Meu ânimo afundou.

• Consciente é para cima e Inconsciente é para baixo

• Eu já estou de pé. • Ele se levanta cedo. • Ele caiu no sono.

• Ele está sob efeito da hipnose.

• Saúde e Vida são para cima e Doença e Morte são para baixo

• A gripe o derrubou.

• A saúde dele está declinando. • Ele caiu doente.

(9)

Processos de extensão de sentido se

refletem na construção de frases

• O ministro foi para São Paulo.

• O ministro adiou a entrevista para o dia seguinte.

• O ministro elaborou o relatório para mudar a opinião do presidente.

• O ministro entregou o relatório para o presidente.

• “Esses exemplos sugerem que essas relações sintáticas são estruturadas em termos de relações espaciais, ou, ampliando mais o campo de visão, que aspectos

semânticos estão associados à construção sintática, o

que põe em xeque a hipótese gerativista da autonomia da sintaxe.” (???)

(10)

A organização do conhecimento

• “Os elementos lingüísticos possuem a função de

garantir a perspectiva ou o recorte que o falante

quer transmitir no ato comunicativo.”

• Ponto de vista

• O caminho para dentro da floresta é tortuoso.

• O caminho para fora da floresta é tortuoso.

• A entidade designada é a mesma, o que varia é

o movimento mental que se faz da cena ou da

trajetória.

(11)

• Alinhamento de figura e fundo

• A xícara está sobre o prato. • O prato está sob a xícara.

• Depende de como você enquadra a cena, colocando algo em primeiro plano e algo em segundo plano.

• Conhecimento de base em relação ao qual o

conceito é compreendido

• “A linguagem é um instrumento cognitivo que tem como função organizar e fixar a experiência humana. Desse modo, os significados só podem ser descritos com base nessas experiências, assim como no conjunto de conhecimentos delas provenientes”

• Ex: Joelho – Perna

(12)

Domínios conceptuais

• São domínios ativados por formas

lingüísticas ou pragmaticamente.

• A) Domínios estáveis

• São

conjuntos

de

conhecimentos

armazenados na memória pessoal ou

social, que se constituíram historicamente

como uma herança da espécie humana,

ou seja, é um conjunto de informações

que o homem aprendeu a partilhar.

(13)

A.1) Modelos Cognitivos Idealizados (MCI)

• São estruturas através das quais nosso conhecimento se organiza. Têm importância fundamental para a cognição humana no sentido de que alivia a memória, organizando a imensa quantidade de informações adquiridas no nosso dia-a-dia.

Entendemos domingo a partir do modelo cognitivo de semana.Entendemos joelho a partir do modelo cognitivo de perna.

• Tipos de discurso também são MCIs, por exemplo, narrativa, argumentação, descrição, sabemos o que é narrar a partir do modelo cognitivo narração e assim por diante.

A.2) Molduras Comunicativas

• Constituem estruturas de conhecimento relacionadas a formas organizadas de interação, ou seja, de acordo com as várias situações comunicativas. Ex:

uma aula, um julgamento, um casamento, um seminário, uma conversa informal.

A.3) Esquemas imagéticos

• São esquemas construídos a partir de nossa interação perceptiva com o mundo, ou seja, como lidamos com nossos movimentos, ou com os objetos do mundo por exemplo.

(14)

• B) Domínios locais (ou espaços mentais)

• São operadores do processamento cognitivo, ou seja, têm um caráter dinâmico e seqüencial, já que são produzidos na medida em que falamos. Esses espaços mentais são ativados através de formas lingüísticas, chamadas de construtores de espaços mentais.

• Ex: No filme, a atriz loura tem cabelos escuros. • Na novela, o ator brasileiro é americano.

• No Brasil, as pessoas não falam inglês.

• Quando eu era pequeno, eu gostava de assistir desenho animado.

• Se ele estivesse aqui, certamente saberia como agir. • Eu sou você amanhã.

(15)

• Princípio de Projeção

• A construção do sentido implica o estabelecimento de conexões entre domínios

cognitivos. Essas conexões se dão através de um processo de projeção.

A) projeções entre domínios ou MCIs

• Vou tentar passar minha idéia para você.

• Ele me enviou umas palavras de carinho.

• O deputado não recebeu bem as palavras do ministro.

• Você só utiliza palavras vazias.

• Essas são palavras sem conteúdo.

• Domínio-fonte Domínio-alvo • Enviar Comunicar Remetente Destinatário Recipiente Objetos Falante Ouvinte Palavras Idéias

(16)

• B)Projeções de funções pragmáticas

• Joana nunca leu Machado de Assis.

a a’ a: Machado de Assis: Autor de livro a’: livro fonte Alvo

(17)

Mesclagem

• Gilles Fauconnier (1997)

• “O conceito de mesclagem (Blending) é

definido como o espaço que herda estruturas

parciais de espaços denominados fonte e que

possui uma estrutura emergente própria. Logo,

o espaço-mescla surge a partir da composição

de elementos provenientes de um esquema

genérico, dos MCIs ativos e dos espaços

mentais locais.”

(18)

Mesclagem

Imagem

Referências

temas relacionados :