• Nenhum resultado encontrado

Para Compreender o Que é a Energia Orgone e o Significado Científico de Sua Descoberta

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "Para Compreender o Que é a Energia Orgone e o Significado Científico de Sua Descoberta"

Copied!
16
0
0

Texto

(1)

 Para compreender o que é a

 Para compreender o que é a energia orgoneenergia orgone e o significado científico  e o significado científico de sua descoberta,de sua descoberta, é preciso retomar, ainda que de forma sucinta, o singular trajeto cursado por Reich ao é preciso retomar, ainda que de forma sucinta, o singular trajeto cursado por Reich ao lloonnggo o dde e sseeu u ttrraabbaallhhoo.. Wilhelm Reich

Wilhelm Reich (18!"1#!$ foi um médico e cientista natural que, por quase quarenta (18!"1#!$ foi um médico e cientista natural que, por quase quarenta ano

anos, s, dedesensen%ol%ol%e%eu u uma uma amampla pla pespesquiquisa sa sobsobre re osos  processos  processos energéticos energéticos primordiaisprimordiais,, vitais

vitais.. &n

&niciciaialmlmenentete, , ReReicich h dededidicocou"u"se se a a cocompmpreereendnder er e e dedemomonsnstratrar r cicienentitificficamamenente te oo funcionamento

funcionamento da da ''bio-energiabio-energia' '  uma energia biol)gica específica que, além deuma energia biol)gica específica que, além de apresentar uma din*mica muito singular, seria, também, distinta

apresentar uma din*mica muito singular, seria, também, distinta das formas cl+ssicas dedas formas cl+ssicas de energia.

energia. eg

eguinuindo do memetodtodicaicamenmente te a a l)gl)gica ica funfunciocionanal l de de suasuas s pepesqusquisaisas, s, ReiReich ch esestabtabeleeleceuceu interfaces

interfaces cocom m %+r%+rias ias +re+reas as do do coconhenhecimcimentento o (ps(psicaican+ln+liseise, , se-se-oloologiagia, , socsocioliologiogia,a,  biofísica,

 biofísica, biognese, biognese, física, física, etc$ etc$ e e abriu abriu dire/0es dire/0es de de trabalho trabalho que que culminaram culminaram nana descoberta de uma energia que atua no apenas em seres humanos, mas, também, em descoberta de uma energia que atua no apenas em seres humanos, mas, também, em

ttooddoo oo ccoossmmooss..

2ssa 'no%a' e peculiar forma de energia foi e-perimentalmente compro%ada por Reich 2ssa 'no%a' e peculiar forma de energia foi e-perimentalmente compro%ada por Reich no

no ppeeríríoodo do 1133"1"1445 5 ee, , eentnto, o, nnomomeaeada da ccomomoo eneenergrgia ia ororgogone ne cóscósmicmicaa. . 6s6s  pormenori7adas pesquisas empreendidas por

 pormenori7adas pesquisas empreendidas por Reich re%elaram Reich re%elaram que essa que essa energia, em energia, em seuseu esta

estado do b+sicb+sico, o, é é li%reli%re"de"m"de"massaassa, , preepreenche o nche o uni%uni%erso e erso e manimanifestafesta"se, também, "se, também, nasnas ccaammaaddaas s mmaaiis s pprrooffuunnddaas s ddo o ffuunncciioonnaammeenntto o %%ii%%oo.. om a descoberta dessa 'for/a' primordial, surge, também, a

om a descoberta dessa 'for/a' primordial, surge, também, a orgonomiaorgonomia9 a cincia que9 a cincia que se dedica ao estudo das manifesta/0es da energia orgone no micro e no macro cosmos, se dedica ao estudo das manifesta/0es da energia orgone no micro e no macro cosmos, nno o %%ii%%o o e e nno o iinnaanniimmaaddoo.. :o

:ontuntudo, do, %al%ale e lemlembrabrar r que que o o nanasciscimemento nto da da cicincncia ia ororgogon;mn;mica ica amamparpara"se a"se emem apro-imadamente <5 anos de trabalho, e que, ap)s a descoberta do orgone, Reich apro-imadamente <5 anos de trabalho, e que, ap)s a descoberta do orgone, Reich continuou desen%ol%e

continuou desen%ol%endo a orgonomia por mais de7oito anos (até ndo a orgonomia por mais de7oito anos (até sua morte, em 1#!$=.sua morte, em 1#!$=. imultaneamente >s pesquisas sobre os processos energético

imultaneamente >s pesquisas sobre os processos energético"%itais (que come/am j+ "%itais (que come/am j+ emem 11<<55, , aannttees s mmeessmmo o dda a ddeessccoobbeerrtta a ddo o oorrggoonnee$$, , RReeiicch h eellaabboorroouu99 a$

a$ ??rrs s tétécncnicicas as teterarappututicicasas9 9 aa análisanálise e do do carcaráteáter r  (1(1<<3"3"113434$, $, aa vegetoterapiavegetoterapia caractero-analítica

caractero-analítica ((113344""1133$ $ e e aa orgonoterapiaorgonoterapia   (13"1#!$.(13"1#!$.  b$

 b$ @m @m no%o no%o método método de de pensamento pensamento e e pesquisa pesquisa " " oo  funcionalismo  funcionalismo orgonômorgonômicoico ", que ", que aapprreesseenntta a a a ll))ggiicca a qquue e rreegge e oos s pprroocceessssoos s eenneerrggééttiiccoos s ffuunncciioonnaaiiss.. c$ @ma inédita técnica que ordena e estabelece rela/0es entre os aspectos qualitati%os e c$ @ma inédita técnica que ordena e estabelece rela/0es entre os aspectos qualitati%os e qquuaannttiittaattii%%oos s ddaas s ffuunn//00ees s oorrggoonn))ttiiccaass9 9 aa orgonometriaorgonometria.. Preocupado em caracteri7ar as fun/0es e a din*mica da energia orgone, Reich reali7ou Preocupado em caracteri7ar as fun/0es e a din*mica da energia orgone, Reich reali7ou muitos

muitos estudos laboratoriaisestudos laboratoriais, descre%endo detalhad, descre%endo detalhadamente os fen;menos orgoamente os fen;menos orgon)ticos en)ticos e ssuuaas s ee--pprreessss00ees s nnoos s ddoommíínniioos s ddo o AAii%%o o e e ddo o iinnaanniimmaaddoo.. :Para abordar, aqui, fen;menos tais como a pulsa/o e a lumina/o orgon)ticas, a :Para abordar, aqui, fen;menos tais como a pulsa/o e a lumina/o orgon)ticas, a dire/o de mo%imento da energia orgone, a sobre"e-cita/o energética, o potencial dire/o de mo%imento da energia orgone, a sobre"e-cita/o energética, o potencial orgo

orgon;mn;mico ico re%ere%erso, rso, etc.etc., , precprecisaríisaríamos de amos de muitamuitas s introintrodu/0du/0es es e e contconte-tue-tuali7aali7a/0es/0es.. @ma tarefa que, ob%iamente, e-trapola os objeti%os dessa r+pida resposta. Portanto, @ma tarefa que, ob%iamente, e-trapola os objeti%os dessa r+pida resposta. Portanto, apresentarei, a seguir, apenas algumas descobertas centrais relati%as ao funcionamento apresentarei, a seguir, apenas algumas descobertas centrais relati%as ao funcionamento da energia orgone, e remeterei o leitor, no final da pergunta, > literatura mais técnica, da energia orgone, e remeterei o leitor, no final da pergunta, > literatura mais técnica, qquuee, , eem m ppaarrttee, , ppoodde e sseer r eennccoonnttrraadda a aaqquui i mmeessmmoo, , nno o 22ssppaa//o o BBRRCC<<==.. 6o

6o lonlongo go de de de7de7oitoito o anoanos s de de intintensensas as pespesquiquisassas, , a a orgorgonoonomia mia de de ReiReich, ch, sesemprmpree funda

fundamentmentada ada em em um um funcifuncionalonalismo ismo eneenergétrgético, ico, chechegou gou >s >s seguseguintes intes concconclus0elus0es9s9 a$ 6 energia orgone é obser%+%el e in%estig+%el em suas manifesta/0es luminosas, a$ 6 energia orgone é obser%+%el e in%estig+%el em suas manifesta/0es luminosas,

ttéérrmmiiccaas s e e ''mmoottoorraass''..

 b$

 b$ ob ob certas certas condi/0es, condi/0es, a a energia energia orgone orgone pode pode pro%ocar pro%ocar rea/0es rea/0es %egetati%as%egetati%as  perceptí%eis.

(2)

c$ D possí%el acumular energia orgone e reali7ar importantes e-perimentos em um aparato que Reich bati7ou como BR6 ('orgone energE accumulator'$. d$ 6 energia orgone pode ser diferenciada empiricamente de outras formas de energia, tais como a energia eletromagnética e a energia nuclear. 6p)s a morte de Reich, %+rios grupos ao redor do mundo continuaram (e continuam$ desen%ol%endo a cincia orgon;mica, trabalhando em promissoras +reas tais como a  física-orgone, que se dedica > pesquisa das fun/0es orgon)ticas atmosféricas e c)smicasF a astrofísica-orgone, que estuda a rela/o entre a energia orgone e a cria/o e mo%imento dos corpos celestesF a biofísica-orgone, que aborda as manifesta/0es da energia orgone nos seres %i%osF e a orgonoterapia, que aplica as descobertas da Brgonomia > pr+tica teraputica.

onsulte os li%ros A Função do Orgasmo,Te !ancer "iopat#, $ter% &od and 'evil  e !osmic (uperimposition (para referncias bibliogr+ficas mais amplas, clique aqui$

GGG.org<.com.br  http9HHGGG.libertas.com.brHno%oHinde-.phpI

centralJconteudoKidJ4<4KperfilJ1Kid2dicaoJ5

emonstrando clinicamente que os sintomas do c*ncer podem ser re%ertidos atra%és de dieta, elimina/o dos %ermes, desinto-ica/o e recupera/o da qualidade do sangue. @m resumo do que ele e-plica9 o c*ncer pode ser causado por uma série de fatores, genéticos ou adquiridos. Bs genéticos se de%eriam a um problema qualquer nos genes, unidades heredit+rias situadas no cromossomo que determinam as características do indi%íduo e que esto sendo estudadas agora. Bs fatores adquiridos podem %ir atra%és da radia/o (de todos os tipos, inclusi%e solar$, da polui/o química do ar, da +gua e do solo, dos campos eletromagnéticos > nossa %olta, do stress que pro%oca e-cesso de o-ida/o no organismo, da comida, da bebida, das drogas L mas, principalmente, das les0es causadas pelos %ermes que %i%em muito tempo dentro do hospedeiro.

6 Mra. Nulda larO, PhM., .M. é especialista em micro"fisiologia celular , 2m 1! fundou um gabinete de pesquisa onde se iniciou no mundo da aturopatia ap)s ter concluído esta na laEton ollege de aQde atural. eis anos mais tarde descobriu uma técnica electr)nica para e-aminar minuciosamente o corpo humano.

omo mostra a ísica Su*ntica, tudo no uni%erso possui uma oscila/o ou %ibra/o com uma frequncia particular (usualmente mQltiplas frequncias ou uma fai-a de frequncias$, frequncia esta que pode ser utili7ada para identificar uma subst*ncia ou organismo particular. B sincr)metro desta forma é uma ferramenta de enorme potencial. Taseada na sua in%estiga/o, sobre as causas dos desequilíbrios humanos, afirma que todas as doen/as so causadas por duas coisas9 parasitas e to-inas. 6o eliminar uma delas ou as duas do organismo humano ou do corpo do animal, usando o 7apper, a doen/a pode ser eliminada.

 pode ajudar a eliminar parasitas (%írus, bactérias, lagartas, le%eduras, fungos, etc.$ Murante todo o corpo, melhorar o sistema imunol)gico,melhorar a saQde e 22RC&6

(3)

@m nQmero crescente de profissionais de saQde acreditam que muitas pessoas e-perimentam algum grau de doen/a e debilita/o na presen/a do parasita no

organismo.Bs parasitas so geralmente considerados como %ermes, mas as bactérias, %írus e fungos também so parasitas.

.

2letrodos podem ser ligados aos pulsos,ou diretamente no orgonite ou chembuster  . 6s melhorias incluem uma pedra preciosa ametista na linha para o eletrodo positi%o e uma granada na linha para o eletrodo negati%o, bem como um potenciador orgone.  pessoas que tinham sentindo desconfort+%eis %estindo um 7apper sem esses cristais,

sentem"se mais a%ontade com os cristais.e mais a %ontade a usar o 7apper.

Bs cristais aumentam a energia eletromagnética do 7apper e estimular a Oundalini no corpo.

Parece que os cristais de formar uma ponte energética entre o dispositi%o e o corpo. 6 bobina de Uobius, aparentemente acorda uma energia latente dentro do pr)prio corpo de uma maneira equilibrada e benéfica. 6lguns chamam essa energia Oundalini.

Brgone 2nhancers (no%a in%en/o$ so feitas colocando partículas de metal em uma matri7 org*nica.

6 pro-imidade dos cristais, e da corrente que passa atra%és dele, parece multiplicar"se e concentrar orgone do gerador.

Brgone é também conhecida como chi, éter, for/a de %ida magnetismo animal, etc  praticantes Briental reali7ar acupuntura

tirar essa energia para o corpo para a cura, o Mr. Wilhelm Reich projetou dispositi%os que acumulam a energia do ambiente e orient+"la no corpo.

 esta configura/o, a corrente elétrica, cristais e orgone trabalham em sinergia para acelerar a morte dos parasitas, a e-pulso de subst*ncias %enenosas, e para reconstruir e dinami7ar os fracos e H ou tecidos danificados. N+ também refor/ado ao alí%io da dor quando esse modelo é usado sobre +reas afetadas.

Related posts9

1. W Reich a terapia ,sua cura e saQde para o corpo e doen/as Vames Meo PhM, diretor do laboratorio de pesquisas biofisico orgone...

<. orgonite o gerador de energia Brgonite é uma pala%ra que foi in%entada por arl Nans... 3. efeito fantasma do dna ,fotons e emo/0es. configurando +gua quantica

http9HHGGG.orgonio.comHagua quantica.fl% Xgua quantica mirror http9HHGGG.Eoutube.comHGatchI%Jb?6uRssNMg Pjotr...

Related posts brought to Eou bE Yet 6nother Related Posts Plugin.

http9HHGGG.orgonio.comHcristaisquart7oHgeneralH7apper"orgone"%irus"e"frequencias"que" curamH

(4)

Energia Orgônica

http://www.agapeholos.org/artigos047.htm

Wilhelm Reich foi o descobridor da energia Orgônica. A energia Orgônica  a energia !"e est# em t"do. $ o anti!%&ssimo conceito de '(hi' dos

chineses) '*i' dos +aponeses) de ',rana' dos indianos do 'A- inan' da ciilia12o maia. Em 345) Reich) crio" "m motor !"e f"ncionaa com a energia Orgônica. 6"a inen12o desaparece" +"ntamente com "m de se"s assistentes. Reich desenole" o ac"m"lador de Orgônio !"e trataase de "ma cai8a com paredes met#licas cobertas por "ma s"bst9ncia org9nica) como l2 o" algod2o) !"e sere para concentrar a energia atmosfrica do Orgônio no interior de "m espa1o fechado. 6e"s efeitos terap"ticos foram

s"rpreendentes. ;"rante s"as e8perincias e "so) Reich form"lo" alg"ns princ&pios gerais relatios < energia Orgônica e ao se" f"ncionamento. Abai8o estaremos en"merando os mais importantes.

3  A Energia Orgônica  =niersal e est# em toda a parte) oc"pa todo o espa1o) mas em diferentes concentra1>es. Est# em constante moimento) e8ceto !"ando blo!"eada) !"ando ent2o ass"me "ma forma partic"lar.

?  A energia Orgônica n2o tem massa)  primordial) antecede tanto a matria como o"tras formas de energia. Esse aspecto  m"ito importante e dee ser c"idadosamente obserado. $ "ma caracter&stica essencial de nossa base de opera12o ass"mir !"e o oceano primordial de energia Orgone 

completamente lire de massa. Em conse!%ncia) a massa emerge @massa inerte) n"m primeiro momento desse s"btrato de energia lire de massa. B"ando d"as "nidades de energia Orgone lires de massa espiraladas e altamente e8citadas) perdese energia cintica) a ta8a de moimento giratCrio decresce bastante) a tra+etCria do moimento enc"rase abr"ptamente e ocorre "ma m"dan1a da tra+etCria em forma de "m giro alongado !"e aan1a no espa1o para "m moimento circ"lar no l"gar da s"perposi12o. E8atamente nesse ponto do processo) emerge a massa inerte a partir do moimento mais lento de d"as o" mais "nidades de energia orgone s"perpostas. A atrib"i12o de "m nome a esta primeira part&c"la de massa inerte) se+a '#tomo') 'eltron' o" o"tro)  irreleante. Dessa linha de pensamento) deemos ass"mir !"e esse estado de cria12o da matria  "m ato cont&n"o. Essa rela12o f"ncional entre os moimentos da energia orgone primordial e a matria nos fornece pela

primeira e na histCria da astrof&sica) a compreens2o do por!"e !"e os corpos celestes se deslocam girando. Alm disso) tornase compreens&el o fato de !"e o nosso 6ol e nossos planetas se moem no mesmo plano e na mesma dire12o) mantidos +"ntos no espa1o como "m gr"po coeso de corpos girantes. O oceano de Orgone se apresenta como motor primordial dos corpos

celestes.

  As concentra1>es nat"rais de Orgônio tendem a formar sistemas !"e se desenolem) atingem se" #pice e depois declinam at dissolerse. Fais sistemas podem ser gal#8ias) estrelas ) planetas e) na atmosfera terrestre) t"f>es e o"tros sistemas ciclônicos) bem como n"ens indiid"ais.

(5)

4  A concentra12o e o f"ndirse de correntes Orgônicas indiid"ais podem criar  a matria onde esta anteriormente n2o e8istia.

G  A matria e8istente pode) atras da a12o da energia Orgônica) ser

organiada espontaneamente em formas ias) onde anteriormente n2o e8istia ida.

H  A Ferra est# circ"ndada por "ma camada Orgônica !"e se moe na dire12o da rota12o terrestre) de Oeste para Ieste) mas de modo mais elo. B"ando s"rgem as tempestades) a dire12o do moimento Orgônico se inerte.

7  As concentra1>es de Orgônio na atmosfera atraem a "midade e podem determinar n"ens) ch"a o" nee. Essas concentra1>es podem ser

controladas por "m aparelho inentado por Reich e !"e foi chamado de 'clo"db"ster'.

5  O lire c"rso do Orgônio dentro do organismo io  lire metabolismo energtico   "ma condi12o indispens#el para o f"ncionamento sadio do organismo.

,ara !"e ha+a "m lire metabolismo energtico alg"ns prre!"isitos deem ser  erificados:

a A possibilidade de o organismo absorer liremente a energia da !"al precisa atras da n"tri12o) da respira12o e do fornecimento de Orgônio. (oma alimentos frescos) preferencialmente prod"idos em casa. O Orgônio mais eleado se encontra em alimentos sa&dos diretamente da horta. (omida elha rapidamente perde o Orgônio. Da erdade) !"al!"er coisa elha)

borolenta) ran1osa o" mofada indica a"sncia da energia Jital e dee ser eitada. Alimentos ind"strialiados tambm tm "m n&el m"ito bai8o de Orgônio. A #g"a de beber dee ser p"raK a melhor  a #g"a da fonte o" a res"ltante da nee derretida. A #g"a pol"&da  deficiente de Orgônio.

 A atiidade f&sica a"menta o Orgônio ao traer energia para o corpo) a menos !"e leada ao ponto de e8a"st2o. E8a"st2o e fadiga s2o importantes

indicadores da e8a"st2o do Orgônio. @Da medicina ocidental tambm

reconhecemos esta !"est2o: !"ando o e8erc&cio f&sico  cond"ido a "m ponto alm das reseras de o8ignio do corpo) ele tem !"e ganhar energia

metaboliando se"s prCprios tecidos.

Respira12o  A fonte principal de Orgônio do organismo  a respira12o) o !"e) n"ma Ctica mais ampla) capta o o8ignio) e) n"m n&el mais s"til) capta a energia da ida. O Orgônio  assim literalmente identificado como o sopro de ida. Os s#bios antigos consideraam !"e a !"alidade da ida de "ma pessoa seria refletida na !"alidade de s"a respira12o. B"ando a respira12o  refinada) lenta e reg"lar) a circ"la12o do Orgônio est# alcan1ando todos os n&eis de corpo e mente) promoendo "m estado de e!"il&brio completo.

(6)

b A possibilidade de a energia circ"lar liremente pelo corpo) de forma a estar sempre presente onde se necessita dela.

E8istem diersas formas de at"ar no organismo de forma preentia no sentido de !"e os blo!"eios se+am eitados) bem como) de at"ar de forma sanadora !"ando os blo!"eios +# est2o estabelecidos) impedindo dessa forma) a lire circ"la12o da energia Orgônica. 6em dLida) destacamos dentre o"tras) o Reii @Rei M Orgone.

  A isibilidade da energia Orgone no !"arto esc"ro se dee obiamente < f"n12o de l"min9ncia. A energia Orgone 'emite' o" 'desenole l"' o") e8presso de o"tro modo) f"nciona de tal forma !"e nosso sentido da is2o percebe a l". Essa l"min9ncia OrgonCtica  de cor cinaa"lada) erde a"lada o" ioletaa"lada na maioria dos casos. Essa diferen1a de cores se dee ao meio no !"al est# sendo obserada. Do moimento e forma) parecem se m"ito com espermatoCides. O desenolimento de bions @es&c"las de cor a"l formados a partir de #g"a destilada orgoniada estabelece) acima

!"al!"er dLida) o processo de forma12o prim#ria de matria org9nica a partir do Orgone lire de massa.

 A Ng"a de bions  amarela) ariando de intensidade at !"ase marrom. Desse conte8to) fa lembrar a resina amarela prod"ida pelas #rores. Assim) a

lac"na em biologia) !"e at agora continha "m mistrio  a saber) como as

plantas conertem 'energia solar' em carboidratos e formas sClidas de cel"lose  parece preenchida. 'Energia solar'  nossa energia Orgone !"e as plantas absorem do solo) da atmosfera e dos raios de 6ol.

 As folhas de hera s2o "m caso il"stratio. Do inerno) perdem s"a cor erde) com e8ce12o das ner"ras) !"e permanecem erdes. O resto tornase marrom amarelado. Da primaera) o erde se espalha das eias das folhas por toda a folha lisa. Este fenômeno permite s"por !"e) no inerno) a energia Orgone se retrai da periferia das folhasK em o"tras palaras) ela se contrai por ca"sa do frio) para se e8pandir noamente na primaera. Essa parte das folhas da hera prestes a morrer  assim reiificada.

 A m"dan1a de erde para amarelo no o"tono e de amarelo para erde na primaera tornase perfeitamente compreens&el em termos do f"ncionamento OrgonCtico. ;e acordo com as inestiga1>es cl#ssicas) o erde  res"ltado da mist"ra de amarelo e a"l. A"l  a cor espec&fica da energia Orgone) !"e se pode er na atmosfera) no oceano) nas n"ens carregadas.

 Agora parece claro !"e o amarelamento das folhas no o"tono se dee ao desaparecimento da parte a"l da cor erde e) do mesmo modo) a olta do erde na hera se dee < noa absor12o de energia Orgone da atmosfera. ibliografia:

(orpo 6em Pdade) Qente 6em ronteiras  ;eepa (hopra) Q.;. O $ter) ;e"s e o ;iabo  Wilhelm Reich

(7)

 A Energia OrgoneS

Fonte: http://www.org2.com.br/faq.htm#orgonofaq1

,ara falar sobre a energia orgone e o significado cient&fico de s"a descoberta  preciso retomar) ainda !"e de forma s"cinta) o sing"lar tra+eto c"rsado por Reich.

Wilhelm Reich @3573G7 foi "m mdico e cientista nat"ral !"e) por

!"ase !"arenta anos) desenole" "ma ampla pes!"isa sobre processos energéticos primários.

Pnicialmente @333H Reich amparo"se em distintos referenciais energticos @o conceito fre"diano de libido) a no12o bergsoniana de elan vital  etc.K interessado em pes!"isar a bioenergia, em 3H ele prCprio

detecto") a partir de e8perimentos laboratoriais) "ma energiabio-  eletétrica.

 Ao longo de s"as pes!"isas Reich estabelece" interfaces com #rias

#reas do conhecimento @psican#lise) se8ologia) sociologia) biof&sica) biognese etc.) adotando dire1>es de trabalho !"e c"lminaram na

descoberta de "m o"tro tipo de energia @distinta da energia bioeltrica) !"e at"a n2o apenas em seres h"manos) mas tambm) em todo o cosmos. Essa 'noa' e pec"liar forma de energia foi e8perimentalmente

comproada por Reich no per&odo 3340 e) ent2o) nomeada como

energia orgone cósmica. ,ormenoriadas pes!"isas empreendidas por

Reich reelaram !"e essa energia) em se" estado b#sico)  liredemassa e preenche o "nierso) embora possa coligarse < matria.

(om a descoberta dessa 'for1a' primordial) s"rge tambm) a orgonomia:

cincia !"e se dedica ao est"do das manifesta1>es da energia orgone no micro e no macro cosmos) no io e no inanimado.

T(ont"do) ale lembrar !"e o nascimento da cincia orgonômica ampara se em apro8imadamente ?0 anos de trabalho e !"e) apCs a descoberta do orgone) Reich contin"o" desenolendo a orgonomia por mais deoito anos @at s"a morte) em 3G7.

6im"ltaneamente <s pes!"isas sobre os processos energticoitais @!"e come1am +# em 3?0) antes mesmo da descoberta do orgone

Reich elaboro":

a Frs abordagens terap"ticas: a análise do caráter  @3?34) a vegetoterapia caractero-analítica @3G3 e a orgonoterapia @340

3G7.

b =m noa metodologia de pes!"isa - o funcionalismo orgonômico -,

metodologia essa !"e b"sca apresentar a lCgica !"e rege os processos energticos f"ncionais.

c =ma indita tcnica !"e ordena e estabelece rela1>es entre os aspectos !"alitatios e !"antitatios das f"n1>es orgonCticas: a orgonometria.

(8)

Reich realio" #rios est"dos laboratoriais) descreendo detalhadamente os fenômenos orgonCticos e s"as e8press>es nos dom&nios do io e do inanimado.

T,ara abordar !"est>es orgonômicas tais como a p"lsa12o e a l "mina12o orgonCticas) a dire12o de moimento da energia orgone) a sobree8cita12o energtica) o potencial orgonômico reerso etc.) precisar&amos recorrer a "ma ampla conte8t"alia12o - tarefa essa !"e) obiamente) e8trapola os ob+etios dessa r#pida resposta. ,ortanto) apresentarei) a seg"ir) apenas alg"mas descobertas centrais relatias ao f"ncionamento da energia

orgone e remeterei o leitor) no final da resposta) < literat"ra tcnica !"e) em parte) pode ser encontrada a!"i mesmo) no Espa1o ORU?V.

 Ao longo de deoito anos de intensas pes!"isas) a orgonomia de Reich) sempre f"ndamentada em "m f"ncionalismo energtico) chego" <s

seg"intes concl"s>es:

a A energia orgone  obser#el e inestig#el em s"as manifesta1>es l"minosas) trmicas e 'motoras'.

b 6ob certas condi1>es a energia orgone pode proocar rea1>es egetatias percept&eis.

c $ poss&el ac"m"lar energia orgone e realiar importantes e8perimentos em "m aparato !"e Reich batio" como ORA( @'orgone energ

acc"m"lator'.

d A energia orgone pode ser diferenciada empiricamente de o"tras formas de energia) tais como a energia eletromagntica e a energia n"clear.

 ApCs a morte de Reich) #rios gr"pos ao redor do m"ndo contin"aram @e contin"am desenolendo a cincia orgonômica) trabalhando em

promissoras #reas tais como a física-orgone) !"e se dedica < pes!"isa

das f"n1>es orgonCticas atmosfricas e cCsmicasK a astrofísica-orgone)

!"e est"da a rela12o entre a energia orgone e a cria12o e moimento dos corpos celestesK a biofísica-orgone) !"e aborda as manifesta1>es da

energia orgone nos seres iosK e a orgonoterapia) !"e aplica as

descobertas da orgonomia < pr#tica terap"tica.

Energia e Informação

por Xos U"ilherme (. Olieira

Y 3H  ;ireitos A"torais Reserados  O a"tor a"toria a reprod"12o deste artigo desde !"e sem fins comerciais) sendo citada s"a a"toria e feita

referncia < esta p#gina) sit"ada em

http://www.orgonizando.psc.br/artigos/enerinf.htm. (aso se+am citados trechos

do artigo) solicitamos c"idado para !"e o sentido da cita12o fora do conte8to n2o enha a ser det"rpado o" pass&el de m# interpreta12o.

(9)

6"m#rio @Abstract in english ,arte 3  =ma B"est2o de Ordem ,arte ?  A &sica do Esp&rito

,arte   Orgon: Energia e Pnforma12o ,arte 4  R"mo ao desconhecido

(oncl"s2o ibliografia

"$%E I - &' (&E)%*+ E +$E' Pntrod"12o

(ontrib"i1>es da Fermodin9mica Ordem e 6ignificado) (aos e (ria12o  A Entropia ,ositia

Intro!ção

 A ant&tese entre corpo e mente) pode ser apenas "m aspecto de o"tra ant&tese semelhante em "m o"tro n&el. ,or "m lado) a matria pode ser ista como "ma forma condensada de energia @3) por o"tro) a f"n12o b#sica da mente  lidar com informa1>es @? . Estamos nos propondo a leantar alg"mas !"est>es a!"i sobre a ant&tese energiainforma12o. Dosso interesse por esta ant&tese em da constata12o das propriedades organiadoras do orgon. Organiar  do 9mbito da informa12o) n2o da energia) logo o orgon não é apenas energia, é uma energia prenhe de informação.

 Antes de aprof"ndar essa !"est2o) cabe definir se"s dois polos:

Informação: A Feoria da Pnforma12o @ de 6hannon "tilia "m conceito

de "ma informa12o destit"&da de significadoK s2o meramente elementos de "m alfabeto) s2o sinais transitando por "m canal !"al!"er) como "ma linha telefônica o" "ma esta12o de FJ. D"m o"tro polo de abrangncia) podese dier !"e informação é tudo aquilo que está implicado na

conscincia do uni!erso. Engloba abstra12o) significado) conhecimento)

saber) afeto) ra2o) o inconsciente) rela12o) com"nica12o) ordem e caos) etc.

"nergia: (lassicamente) energia  definida como a potencialidade para

realiar trabalho @4 . Z medida !"e noas formas de energia foram se tornando conhecidas) percebe"se !"e "ma forma de energia podese transm"tar no"tra) mas a energia total do sistema  sempre im"t#el. D2o se cria nem se destrCi energia) a energia do "nierso sempre foi a mesma.

(10)

Contribiçe !a %ermo!in0mica

 A partir do est"do das m#!"inas a apor) s"rgi" a termodin9mica) "ma cincia !"e inicialmente est"daa o comportamento trmico da matria) mas !"e tro"8e "ma contrib"i12o filosCfica significatia no sc"lo [P[ @G . 6"a conceit"a12o de energia infl"encio" inLmeros pensadores) dentre eles re"d) como se percebe no se" ponto de ista econômico.

(om a termodin9mica tambm reelo"se o irreers&el @H. 6em

irreersibilidade n2o h# histCria nem memCria. (om ela) o eterno perde" s"a perenidade @7. 6e os acontecimentos fossem todos reers&eis) poder&amos ter "ma 'memCria' do f"t"ro) o tempo n2o teria "ma dire12o) seria como o espa1o) poderseia ir e ir.

 A termodin9mica percebe" !"e nem todo o potencial para realiar trabalho @nem toda a energia estaa efetiamente dispon&el. \aia sempre "ma certa desordem interna !"e impedia esse aproeitamento total @5. A essa desordem chamaram de entropia) !"e  a medida da energia n2o dispon&el para o trabalho.

 A seg"nda lei da termodin9mica rea !"e !"al!"er processo isolado a"menta a entropia) leando de "m estado mais heterogneo para "m estado mais homogneo) mas a possibilidade da a12o reside na

diferen1a. Ent2o) esse conceito de desordem apontaa para "m caos de destr"i12o e de medo) "m espectro da morte @ao pC reerter#s. A

constata12o de !"e a entropia do "nierso estaria sempre a"mentando) foi "m petardo filosCfico  indicaa "m "nierso tendendo ao homogneo disperso e impotente.

#ublinhamos o quanto a idéia de definir uma ati!idade pela destruição que ela realiza das inomogeneidades que a geram, isto é, de suas  pr$prias condiç%es de e&istncia, de a definir, em suma, como le!ando

irre!oga!elmente a seu pr$prio desaparecimento, assinalara o século  'I' com uma ansiedade quase escatol$gica. (osso mundo está

condenado ) morte térmica. (ossas sociedades esgotam seus recursos, estão condenadas ) desgraça. @

Entretanto) na seg"nda metade do sc"lo [[) foi se reelando "ma grande contradi12o e8istente neste pensamento: se o "nierso tende sempre ao caos e < morte) como p"deram s"rgir a matria e

posteriormente a ida) a partir de "m estado inicial onde sC haia energia) como rea a teoria cosmolCgica dominante @do ig angS +r!em e )ignifica!o, Cao e Criação

6e entretanto) passamos a reconsiderar o conceito de ordem) a entropia ganha noos maties. 6e) ao ins do conceito p"ramente ob+etio de informa12o @de 6hannon) incl"irmos o obserador nessa ordem) a

incl"s2o desse obserador trar# o conceito de significado para dentro da ordem e da entropia:

(11)

$ conhecida a histCria da escrianinha e das prateleiras ent"lhadas de liros e doc"mentos @30. Estes) aparentemente) achamse empilhados de !"al!"er maneira. Do entanto) se" dono sabe perfeitamente

encontrar) se for preciso) o doc"mento !"e proc"ra. Ao contr#rio)

!"ando) por infelicidade) alg"m o"sa 'pôr ordem neles')  poss&el !"e o dono se torne incapa de encontrar o !"e !"er !"e se+a. $ eidente) neste caso) !"e a aparente desordem era "ma ordem) e iceersa.  A!"i) tratase de doc"mentos em s"a rela12o com se" "s"#rio. A

desordem aparente oc"lta "ma ordem determinada pelo conhecimento indiid"al @../....

O" se+a) "ma ordem sC  ordem para mim se posso entender nela "m significado. O "nierso  permeado por moimentos !"e nos parecem caCticos) mas !"e se cristaliam em ordem !"ando e8plicados@33. =m e8emplo relatiamente at"al  o fato da prCpria Feoria do (aos terse originado da impreisibilidade meteorolCgica obserada de "m ponto de ista estat&sticoK entretanto) (harles U. Abbot) cost"maa "sar conceitos energticos para preer o tempo meses < frente @3?) ele conseg"i" disting"ir "ma ordem onde os o"tros sC iam o caos.

(om a introd"12o de significado na informa12o) em termos simplCrios) entropia  bag"n1a.

(om a introd"12o do obserador) a entropia passa a ser definida apenas em rela12o <s possibilidades de obsera12o e medida @3 ) o n2o

dispon&el se torna relatio:

*../...+ . -homa mostrou claramente como, ao dei&armos o campo restrito da termodinmica das máquinas para considerar uma

termodinmica de sistemas mais globais *por e&emplo, das cidades+ a noção de calor nãoutilizá!el é completamente reformulada. "sse calor, 0nãoutilizá!el0 pelas máquinas que produzem trabalho, eletricidade, qu1mica e outros, pode muito bem ser utilizado../... no aquecimento2 @34

;o caos homogneo do sc"lo [P[) passo"se ao caos infinitamente heterogneo do sc"lo [[. O conceito de caos foi aos po"cos perdendo s"a conota12o de medo do desconhecido e de l"gar da destr"i12o para o de espa1o da possibilidade e da cria12o. A cria12o preis&el 

conse!%ncia) n2o  realmente o nooK este  decorrente da

impreisibilidade) do n2odeterminado e  irreers&el. ,ortanto) sC no caos h# l"gar para o noo. ,ensandose n"m momento de cria12o do "nierso) sem entropia ele seria reers&el e poderia oltar < n2o e8istncia:

*../...+ é essa produção de entropia que constitui o !erdadeiro 0preço0 da  passagem ) e&istncia de nosso 3ni!erso e constitui, portanto, a

diferença entre este 3ni!erso material e um 3ni!erso !azio. 4omo !eremos, a possibilidade de definir essa diferença e esta passagem ) e&istncia le!ounos a uma generalização das equaç%es de "instein que  permite descre!er um processo irre!ers1!el de criação de matéria.@3G

(12)

=m olhar mais sistmico introd" "ma relatiia12o tambm nos

conceitos de morte e de destr"i12o) onde o obserador tambm introd" "m significado:

5 conceito de ordem estratificada também fornece a perspecti!a

apropriada para o fen6meno da morte. 7imos que a autoreno!ação  o colapso e a construção de estruturas em ciclos cont1nuos  é um

aspecto essencial dos sistemas !i!os. 8as as estruturas que !ão

continuamente sendo substitu1das são, elas mesmas, organismos !i!os. 9o ponto de !ista deles, a autoreno!ação do sistema maior consiste no seu pr$prio ciclo de nascimento e morte. ortanto, nascimento e morte apresentamse agora como um aspecto central de autoorganização, a  pr$pria essncia da !ida. *../...+ ; morte, portanto, não é o oposto da

!ida, mas um aspecto essencial dela. @3H

 Entropia "oitia

(omo originalmente) a entropia era "m conceito meramente estat&stico de energia n2o dispon&el) foi conceit"ada como "ma sendo sempre n"mericamente negatia) algo !"e faltaa. Essa entropia negatia tendia a "ma desordem crescente. B"ando obseramos aspectos

organiadores como "m todo) estamos nos referindo ao oposto) a "ma cria12o de "ma ordem mais comple8a) de "ma aria12o positia de entropia) tambm chamada de neg"entropia.

;iersos a"tores form"laram teorias para e8plicar a e8istncia dessa constr"12o do comple8o:

• Pla ,rigogine) Dobel de !"&mica) se baseia na irreersibilidade

dos processos e demonstra matematicamente !"e  poss&el a e8istncia de processos irreers&eis !"e podem ser portadores de "ma informa12o transmiss&el) o !"e  a base da

reprod"12o@37. Qostra !"e todo acontecimento cria "ma

correla12o entre se"s atores) isso cria "ma interliga12o entre todo o =nierso < medida em !"e s"as part&c"las se chocam.

• \enri Atlan) biClogo) mostra como  poss&el para "m erro

aleatCrio) !"ando ele ocorre n"ma com"nica12o red"ndante) possibilitar a cria12o de "ma noa informa12o) na medida em !"e ele pode ser) por compara12o com as demais ias) identificado como tal. 6e" prod"to pode ser diferenciado da informa12o original e aproeitado como o noo.

• R"pert 6heldrae) biClogo holista) f"ndamenta as possibilidades

de a"toorgania12o na e8istncia de campos mCrficos) e&c"los da memCria. A resson9ncia entre formas similares seria "m

mecanismo de reprod"12o do conhecimento.

• ;aid ohm) f&sico holista) fala de "m espa1o aio cheio de

energia) de corpo e mente como pro+e1>es de "ma mesma

"nidade) e de "m @holomoimento como "m aspecto b#sico por tra do "nierso) permeado de "ma ordem impl&cita a ser

(13)

• Xean (haron) f&sico teCrico) fa "ma e8tens2o da Feoria Ueral da

Relatiidade) onde prop>e mecanismos s"batômicos de

armaenamento) troca e cria12o de informa12o) !"e ocorrem em "m espa1o organiador @neg"entrCpico. (omo  "ma abordagem !"e possibilita o entendimento das bases f&sicas do pensamento) da psi!"e) ele a denomino" de A &sica do Esp&rito.

Fodas essa teorias tem "m o"tro ponto importante em com"m: elas falam de "ma intercone82o) de "ma correla12o entre as partes) e)

alg"mas delas) n"ma ordem maior de "m "nierso org9nico. Entretanto) a teoria de (haron pode ser "sada como infraestr"t"ra conceit"al para entenderse as demais) de forma !"e iremos detalh#la para melhor podermos aaliar essa rela12o poss&el entre energia e informa12o. "$%E 2 -  F3)IC + E)"3$I%+

O Qodelo FeCrico

Os Qecanismos de Froca ,ensamento e Jida

Jolta ao (onteLdo deste artigo + mo!e4o te5rico

 A Feoria Ueral da Relatiidade de Einstein foi elaborada sobre "m contin""m de espa1otempo @35 de 4 dimens>es)  espaciais e "ma temporal.

(haron recalc"lo" a teoria da relatiidade em 5 dimens>es) como se cada "ma dessas 4 dimens>es originais tiesse "m lado direito @real e o"tro aesso @imagin#rio. Os nossos sentidos estariam limitados ao lado anerso) de modo !"e n2o percebemos o aesso do espa1o nem do tempo.

Jamos e8aminar o f"ncionamento s"batômico nesse modelo. As

part&c"las s"batômicas mais lees formam "ma categoria denominada leptons. ;entre os leptons mais importantes est2o o eltron) o fCton) e o ne"trino.

• Os eletrons est2o presentes em todos os #tomos) poss"em

massa e carga @"m fl"8o de eletrons  "ma corrente eltrica.

• Os fotons s2o part&c"las de 'l"' @3) n2o poss"em carga nem

massa) mas fre!%entemente interagem com a matria.

• Os ne"trinos n2o poss"em massa nem carga) permeiam todo o

espa1o e sC m"ito raramente interagem com a matria) de modo !"e n2o podemos percebelos.

(14)

5bs.: 9e forma a tornar mais le!e a nossa e&posição procuramos e!itar um <argão técnico= sempre que falarmos de part1culas estaremos nos referindo apenas aos leptons, quando falarmos de luz, estaremos nos referindo aos fotons de maneira geral, a uma radiação eletromagnética qualquer.

 Ao contr#rio do !"e normalmente pensamos) essas part&c"las n2o s2o sClidas @?0) dentro delas h# part&c"las de l". $ poss&el demonstrar !"e dentro das part&c"las esse espa1otempo com aesso e direito poss"i propriedades neg"entrCpicas) o" se+a)  "m espa1o de 'entropia positia'. ;entro dessas part&c"las) a informa12o n"nca se perde) a ordem sempre se torna mais comple8a. \# o"tras caracter&sticas interessantes. ;entro delas) o espa1o e o tempo se dobram sobre si

mesmos) formando ciclos @?3. 6e e" for sempre em frente) em !"al!"er  dire12o) olto ao ponto de partida) como acontece na s"perf&cie da Ferra para as dire1>es horiontais. Analogamente) se e" esperar "m

determinado per&odo de tempo) estarei de olta ao momento de in&cio da espera. O"tra caracter&stica marcante  !"e o tempo fl"i do f"t"ro para o passado.

E8iste "ma propriedade das part&c"las denominada spin. O spin  semelhante a "m moimento de rota12o sobre se" ei8o) e como na rota12o) !"e pode ser mais lenta o" mais r#pida) o spin pode ass"mir diersos alores. ,ortanto) o alor do spin @nLmero de spin  "ma ari#el !"e pode armaenar informa12o) "ma e !"e pode ass"mir diferentes alores. ,or e8emplo) o spin de "m fCton pode ass"mir

!"ais!"er alores inteiros. Alm do mais) "ma part&c"la com nLmero de spin  tambm engloba o spin ? e o 3) como se fosse "m harmônico de #rios oitaas. ,ortanto) o spin f"nciona como "m dispositio

armaenador de informa12o) falta descreer mecanismos de graa12o e de rec"pera12o para config"ramos "ma memCria.

+ mecanimo !e troca

 Alm do spin) as part&c"las poss"em o"tras propriedades) como energia)

imp"ls2o @elocidade e carga eltrica. E8istem alg"ns mecanismos de intera12o entre as part&c"las) enolendo o interc9mbio de alg"mas de s"as propriedades !"e possibilitam !"e essa informa12o armaenada no spin possa ser modificada. (haron descree" 4 mecanismos

poss&eis de troca) !"e) por s"as caracter&sticas) ele denomino" de

refle&ão, conhecimento, ação e amor .

>efle&ão: a refle82o  "m processo interno a "ma part&c"la)  "ma

organia12o da s"a l" interior. As l"es no interior da part&c"la trocam se"s spins entre si) reprod"indo "ma config"ra12o +# conhecida. A refle82o n2o e8ige nenh"ma energia)  lire) ela opta.

 ;ção:na a12o a part&c"la promoe "ma troca com a l" e8terior) da !"al

absore energia e altera o se" moimento. A cada poss&el altera12o de moimento corresponde "ma determinada config"ra12o da l" interior.

(15)

,ortanto) para realiar "ma a12o) a part&c"la precisa prepar#la atras de "m processo de refle82o ade!"ado) resgatando "ma lembran1a @??.

4onhecimento: no conhecimento a part&c"la promoe "ma troca com a

l" e8terior da !"al n2o sC absore energia) mas tambm o spinK

obtendo assim "m ganho de informa12o e "m ganho de moimento @imp"ls2o. X# !"e "m ganho de conhecimento  acompanhado de "m moimento de eletrons)  nat"ral !"e o f"ncionamento do sistema neroso tenha "ma base bioeltrica.

 ;mor: no amor) h# "ma troca entre a l" interior de d"as part&c"las

diferentes. A troca se d# entre pares de l"es com nLmeros de spin complementares) como 4 e M4K com ganho para ambos) !"e passam a G e MG. D2o h# necessariamente "m moimento noo) mas h# "ma gnese da informa12o em ambas as part&c"las] ,ara haer essa troca amorosa  necess#rio antes) haer "ma b"sca de compatibilidade @encontrar l"es com spins opostos.

Jimos at a!"i como) em "m n&el s"batômico)  poss&el armaenar) rec"perar) trocar e criar informa12o. $ poss&el escolher e agir) "ma part&c"la pode ent2o propiciar o" eitar "ma rea12o !"&mica alterando se" moimento. (omo h# troca entre as part&c"las) todo o "nierso se intercom"nica. $ "m "nierso holon6mico  onde cada parte contm o

todo de alg"m modo  pois cada part&c"la detm "m conhecimento alm da s"a prCpria e8perincia) !"e em desse compartilhamento do saber. Desse ponto) o papel dos ne"trinos se torna releante) "ma e !"e s2o part&c"las !"e conseg"em atraessar gal#8ias inteiras sem interagir com a matria) sendo portadores de informa12o a enormes dist9ncias.

"enamento e i!a

,ara !"e essas trocas possam acontecer h# necessidade de "ma troca com o e8terior) demandando energia n"ma sintonia de informa12o com a!"ela !"e a part&c"la disp>e. ,ortanto) n"m ambiente com m"ita

diersidade energtica)  mais f#cil achar "m par para a troca) e a informa12o poder# proliferar mais facilmente.

Ora) "m #tomo de carbono assimtrico @?  capa de irar a dire12o de polaria12o da l" @?4. \# dois tipos) os carbonos !"e iram a l" para a es!"erda e os !"e a iram para a direita. Entretanto) todo organismo io  constit"&do somente de carbonos es!"erdos o" somente de carbonos direitos) demonstrando "ma capacidade de escolha dentre os #tomos dispon&eis]

=m Lnico #tomo de carbono assimtrico gira leemente o plano de polaria12o da radia12o) mas cadeias de #tomos de carbono m"ito longas) como as das prote&nas e principalmente a do ;DA) poder2o m"ltiplicar essa rota12o confinando a radia12o helicoidalmente e

(16)

tornando essa energia ambiente mais tempo dispon&el para as trocas necess#rias.

 A ida seria pois) "m ambiente e8tremamente prop&cio a essas trocas) "m ambiente faor#el a "m a"mento de informa12o e comple8idade. ,ara (haron) a ida  "ma m#!"ina de pensar) "m constr"cto do "nierso !"e faorece s"a eol"12o. A partir da possibilidade de a12o das part&c"las) as rea1>es !"&micas !"e faoreceram o s"rgimento e a reprod"12o da ida foram propiciadas n"m ato de ontade. ,ara a

post"ra neognCstica) n2o somos nCs !"e pensamos)  o "nierso a"to reg"lado) io e inteligente !"e se pensa atras de nCs. 6er&amos os ne"rônios do "nierso.

"$%E 6 - +$7+8: E8E$7I E I8F+$'9*+ O poder organiador do orgon

ormas =niersais

O ,rinc&pio de "ncionamento (om"m Jolta ao (onteLdo deste artigo

+ po!er organia!or !o orgon

=ma das caracter&sticas do orgon  a s"a capacidade organiadora dos ambientes nos !"ais est# presente. Da presen1a do orgon parece haer "ma tendncia a "ma maior sintonia co

Referências

Documentos relacionados

A inscrição do imóvel rural após este prazo implica na perda do direito de manter atividades agropecuárias em áreas rurais consolidadas em APP e Reserva Legal, obrigando

As for climate action, and based on a survey conducted by WeWorld in 2021 in 23 EU countries, Italian youth display higher levels than the European average regarding

Assim, o presente estudo busca revisar as causas e consequências da Síndrome de Burnout para a saúde dos profissionais de enfermagem no ambiente hospitalar, com

17 CORTE IDH. Caso Castañeda Gutman vs.. restrição ao lançamento de uma candidatura a cargo político pode demandar o enfrentamento de temas de ordem histórica, social e política

O enfermeiro, como integrante da equipe multidisciplinar em saúde, possui respaldo ético legal e técnico cientifico para atuar junto ao paciente portador de feridas, da avaliação

Por isso, quando a quantidade de Oxigênio Dissolvido na água diminui, os peixes não conseguem compensar esta.. Diminuição, ficando prejudicados e,

Os estudos iniciais em escala de bancada foram realizados com um minério de ferro de baixo teor e mostraram que é possível obter um concentrado com 66% Fe e uma

É com imenso prazer que a Confederação Nacional de Municípios (CNM), o Congresso de Intendentes do Uruguai e o Comitê Binacional de Fronteira de Intendentes e Prefeitos apresentam