TÍTULO: COMUNICAÇÃO EFETIVA NA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE. SUBÁREA: Enfermagem

Texto

(1)

Realização: IES parceiras: TÍTULO: COMUNICAÇÃO EFETIVA NA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM CATEGORIA: EM ANDAMENTO

ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: Enfermagem

INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP AUTOR(ES): BEATRIZ DOS SANTOS

(2)

1. Resumo

Este estudo teve como objetivo, investigar o processo de comunicação efetiva na assistência de enfermagem. O método utilizado foi a pesquisa bibliográfica. Os resultados foram discutidos nas seguintes categorias: a importância da comunicação efetiva na assistência de enfermagem e estratégias para uma comunicação efetiva com o paciente.

2. Introdução

Comunicação em seu entendimento original, communicare, significa tornar comum, compartilhar, viabilizar o diálogo e a interação, facilitar o acesso, a compressão, a participação. Assim, essa definição oferece a compreensão de que, através da comunicação, é possível produzir relacionamentos, promover mediações, incentivar entendimentos e estimular o processo de democratização das ideias (OLIVEIRA, 2020).

Para lidar com situações de emergências é necessário um bom preparo na área da comunicação. O profissional de saúde precisa estar habilitado para ser mediador entre sua equipe de saúde, o paciente hospitalizado e os familiares/conhecidos que enfrentam, junto ao paciente, o temor das consequências (TIGULINI; MELO, 2002).

Em vista disso, Morais et al.(2009), consideram que os profissionais de enfermagem devem utilizar a comunicação como meio de assistência humanizada prestada no cuidado com o paciente, utilizando a comunicação efetiva entre o cuidado e cuidador como um dos amparos para melhorar a vulnerabilidade do estado de saúde do paciente, proporcionando à equipe, ao paciente e os familiares, uma melhor condução frente ao enfrentamento do processo de hospitalização.

Verifica-se, na literatura, que a Comunicação é considerada uma ferramenta de trabalho do enfermeiro na prática profissional, sendo essencial em qualquer área de atuação em que o paciente deva ser orientado, acolhido e assistido. Porém, questionamos se todos os profissionais sabem de fato como estabelecer um processo efetivo de comunicação visto que uma técnica ou abordagem incorreta ou indevida poderia resultar em consequência sérias ao bem-estar e saúde do nosso cliente.

Neste contexto, considera-se relevante responder às seguintes perguntas de pesquisa: Qual é a importância de uma comunicação efetiva na enfermagem? Como estabelecer uma comunicação efetiva com o paciente?

(3)

O conhecimento obtido neste estudo poderá subsidiar reflexões dos profissionais de saúde sobre a efetividade de seu processo de comunicação com o paciente e embasar novas formas de abordagem que permitam uma assistência segura e de qualidade.

3. Objetivo

Investigar, na literatura, o processo de comunicação efetiva na assistência de enfermagem.

Metodologia

O método utilizado foi a pesquisa bibliográfica. O material foi constituído por artigos científicos publicados no período de 2005 a 2020. O levantamento bibliográfico foi realizado por meio de consultas as bases de dados virtuais, SCIELO, LILACS e SIBI. As palavras-chave consideradas na pesquisa foram: comunicação, comunicação eficaz; comunicação efetiva; enfermagem; relacionamento enfermeiro-paciente; cuidados de enfermagem; assistência humanizada.

4. Desenvolvimento

Broca; Ferreira (2012), acreditam que a peça chave da equipe de enfermagem, é a comunicação, sendo ela, considerada a base do trabalho, porque é através dela que as ações são realizadas e qualquer fato que não é transmitido corretamente, sendo para o paciente ou para os membros da equipe, pode ocasionar na não decodificação da mensagem, prejudicando o cuidado e a assistência de enfermagem. A comunicação efetiva é uma das competências necessárias para que se realize uma boa comunicação, sendo assim, para se tenha uma comunicação efetiva, é necessário modos assertivos em transmitir, receber e interpretar as mensagens com clareza e respeito mútuo. Deseja-se, com isso, conquistar abertura e efetividade na comunicação, desde do momento da transmissão até o recebimento (MOREIRA, 2018).

Na equipe de enfermagem, o feedback é um dos fatores mais importantes para evitar-se erros de comunicação. É através dele, que o enfermeiro consegue saber se a mensagem está sendo compreendida, e podemos utilizá-lo para considerar se as prescrições de enfermagem estão sendo realizadas de forma efetiva (BROCA; FERREIRA, 2012).

Para Broca (2012), a comunicação é uma poderosa aliada no processo de integração no trabalho da equipe de enfermagem, sendo ele considerado interdependente.

(4)

5. Resultados Preliminares

6.1 A importância da comunicação efetiva na assistência de enfermagem

Estabelecer interação enfermeiro-paciente

Broca; Ferreira (2012), evidenciam que a interação é um dos objetivos para uma boa comunicação. Isso, para equipe de enfermagem pode ser utilizado na assistência de enfermagem, pois cria-se um vínculo, de modo a alcançar o cuidado de enfermagem de maneira eficaz e com qualidade. Para Borges et al. (2019), a boa comunicação é o caminho engenhoso para a criação da interação entre o paciente-enfermeiro e, também, é necessária uma boa postura do paciente-enfermeiro sobre aquele que recebe cuidados, para que ocorra uma boa relação interpessoal.

Proporcionar apoio emocional

Quando há uma comunicação efetiva, cria-se uma segurança, tranquilidade, conforto, empatia pelas dificuldades enfrentadas, com isso, há uma construção de um ambiente terapêutico, sendo a comunicação efetiva um fator essencial para a assistência de enfermagem (MOREIRA et al., 2016). Reis et al. (2018), referem que a comunicação consiste na compreensão, identificação mútua e na conexão.

Promover informações seguras

De acordo com a pesquisa de Inaba (2005), para a família, a comunicação é a ligação com o saber sobre o estado do paciente. Conforme Broca; Ferreira (2012), o processo de comunicação pode aprimorar e agregar no cuidado ao paciente, onde o enfermeiro melhora seu entendimento com o paciente, compartilha informações, cria um afeto e potencializa ao máximo a assistência de enfermagem.

Proporcionar uma assistência segura ao paciente

Para Oliveira et al. (2018), a comunicação efetiva favorece a troca de informações sobre o paciente e cuidado realizados. Essas informações precisam ser relevantes para o planejamento de ações e prevenção dos eventos adversos. Com isso, uma boa comunicação visa garantir uma assistência de enfermagem mais segura ao paciente. 6.2 Estratégias para uma comunicação efetiva com o paciente

Utilizar ambientes adequados

Para Bautista; Arias; Carreno (2016), quando a equipe de enfermagem se comunica com o paciente e seus familiares, deve-se considerar o local adequado para conversa, a decodificação da mensagem e mostrar empatia.

(5)

Considerar o nível de entendimento do paciente

Cabe ao enfermeiro avaliar o grau de conhecimento de seu paciente e assim implementar meios de cuidado adequadas para seu entendimento (BORBA; SANTOS; PUGGINA, 2017). A comunicação, para ser efetiva, pressupõe que a equipe de enfermagem no contato com o paciente, conduzam o cuidado de forma clara e compreensível, utilizando estratégias de comunicação adaptáveis ao nível do conhecimento do paciente (ALVES et al. 2018).

Respeitar o conhecimento e experiência do paciente

Segundo Borba; Santos; Puggina (2017), o enfermeiro não deve focar somente no problema da saúde, mas em toda experiência vivida pelo paciente, suas dificuldades, desafios e, assim optar pela melhor via de informação, gerando uma comunicação efetiva.

Utilizar técnicas facilitadoras de compreensão

O enfermeiro pode realizar alguns cuidados com a comunicação, aumentando assim a recordação e o entendimento do paciente, tais como: organizar as informações em blocos lógicos e simples, repetir a mensagem, verificar a compreensão, pedir para que o paciente explique com suas próprias palavras, reforçar os cuidados mais importantes novamente (BORBA; SANTOS; PUGGINA, 2017).

6. Fontes Consultadas

ALVES KYA, BEZERRIL MS, SALVADOR PTCO, FEIJÃO AR, SANTOS VEP. Comunicação efetiva em Enfermagem à luz de Jürgen Habermas REME – Rev Min Enferm, Minas Gerais, 10 de out. de 2018. Disponível em: <

http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/1290>. Acesso em: 11 de abr. de 2020.

BORBA A, SANTOS BM, PUGGINA ACG. Barreiras De Comunicação Nas Relações Enfermeiro-Paciente: Revisão Integrativa. Rev Saúde. Universidade de Guarulhos, 15 de dez. de 2017. Disponível em: <

http://revistas.ung.br/index.php/saude/article/view/2848/2205>. Acesso em: 11 de abr. de 2020.

BORGES JWP, MOREIRA TMM, MENEZES AVB, ET AL. Compreensão Da Relação Interpessoal Enfermeiro-Paciente Em Uma Unidade De Atenção Primária

Fundamentada Em Imogene King. Revista de Enfermagem do Centro Oeste Mineiro. 2019. Disponivel em: <

http://www.seer.ufsj.edu.br/index.php/recom/article/view/3011/2139>. Acesso em: 11

(6)

BROCA PV, FERREIRA MA. Equipe de enfermagem e comunicação: contribuições para o cuidado de enfermagem. Rev. Bras. Enferm., Brasília, 2012. Disponivel em: <

https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672012000100014>. Acesso em: 27 de mar. de 2020.

HORTA, W. O CAPE FICA NO EDIFÍCIO WANDA DE AGUIAR HORTA: UMA HOMENAGEM DO COREN-SP A QUEM DEDICOU A VIDA À ENFERMAGEM. Portal Coren, São Paulo, 2009. Disponivel em: < https://portal.coren-sp.gov.br/wanda-de-aguiar-horta/> Acesso em: 8 de abr. de 2020.

MORAIS, G.S.N. et al . Comunicação como instrumento básico no cuidar

humanizado em enfermagem ao paciente hospitalizado. Acta Paul. Enferm., São Paulo , v. 22, n. 3, p. 323-327, jun. 2009 .

MOREIRA, F.T.L.S. et al Estratégias de comunicação efetiva no gerenciamento de comportamentos destrutivos e promoção da segurança do paciente. Rev. Gaúcha Enferm. vol.40, no.espe Porto Alegre, 16 de nov. de 2018. Disponivel em:

<https://seer.ufrgs.br/RevistaGauchadeEnfermagem/article/view/89749/51764>. Acesso em: 11 de abr. de 2020.

MOREIRA MDS, GAIVA MAM. Comunicação do enfermeiro com a mãe/família na consulta de enfermagem à criança. Ciência, Cuidado E Saúde, 24 de out. de 2017. Disponivel em: <

http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/32093/18448>.

Acesso em: 11 de abr. de 2020.

OLIVEIRA, CHIRLES DE. Comunicação integrada/ Chirles de Oliveira – São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2020 (Série Universitária). Disponivel em: <

https://www.bibliotecadigitalsenac.com.br/?from=busca%3FcontentInfo%3D1793%26 term%3DComunica%2525C3%2525A7%2525C3%2525A3o%252520integrada&pag e=1&section=0#/legacy/1793> Acesso em: 11 de abr. de 2020.

REIS JB, OLIVEIRA JM DE, NASCIMENTO VF DO et al. Câncer de cabeça e pescoço: a comunicação e os seus significados. Rev Enferm UFPE on line., Recife, 01 de dez. de 2018. Disponível em: <

https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/237730/30778>. Acesso em: 11 de abr. de 2020.

TIGULINI RS, MELO MRAC. A comunicação entre enfermeiro, família e paciente crítico. Anais do 8º Simpósio Brasileiro de Comunicação em Enfermagem [evento na internet], São Paulo, maio. de 2002. Disponível em: <

http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?pid=MSC0000000052002000200047&sc ript=sci_arttext&tlng=pt>. Acesso em: 22 de mar. de 2020.

Imagem

Referências

temas relacionados :