Texto

(1)

Renda

Aula 02-03

(2)

As Contas Nacionais congrega instrumentos de mensuração capazes de aferir o movimento da

economia de um país num determinado período de tempo:

quanto se produziu quanto se consumiu quanto se investiu

quanto se vendeu para o exterior quanto se comprou do exterior

Definição: Contabilidade Nacional é um sistema contábil que permite a avaliação da atividade econômica.

(3)

1.1 Introdução

A ciência econômica nasceu ao final do século XVIII,

e preocupava-se com o crescimento econômico e a repartição do produto social.

Escola Clássica

Adam Smith (1723-1790) David Ricardo (1772-1823) John Stuart Mill (1806-1873) Jean Baptiste Say (1767-1832)

(4)

1.1 Introdução

Antes dos clássicos, os fisiocratas haviam demonstrado preocupações semelhantes.

Com a chamada revolução marginalista, iniciada no final do século XIX, a preocupação com o nível agregado perde forças, e a dimensão

microeconômica passa a predominar.

 preocupação com o comportamento dos agentes  preocupação com o nível agregado sobrevivia na idéia do equilíbrio geral

(5)

1.1 Introdução

A Macroeconomia encontra seu berço na obra de John Maynard Keynes (1936), intitulada Teoria Geral

do Emprego, do Juro e da Moeda.

É a partir da Teoria Geral de Keynes que ganham contornos definitivos os conceitos

fundamentais da contabilidade social, bem como a existência de identidades no nível macro e a relação entre os diferentes agregados.

(6)

1.1 Introdução

A obra de Keynes indica aos economistas:

o que medir em nível agregado como fazê-lo

A teoria de Keynes define a determinação do nível de

renda e produto no curto prazo como o objeto de estudo da Macroeconomia, e demonstra que comportamento do todo pode ser diferente do que é planejado pelos agentes

econômicos.

A revolução keynesiana conferiu aos economistas a capacidade de verificar o comportamento e a evolução da economia de um país numa dimensão sistêmica.

(7)

1.1 Introdução

Quanto à contabilidade nacional, é a partir do ano 1940 que se avolumam os esforços para mensurar todos os agregados necessários e desenhar

logicamente o sistema.

No Brasil, as contas nacionais começaram a ser elaboradas em 1947 pela Fundação Getúlio Vargas do Rio de Janeiro, passando em 1986 para o IBGE. Principal referência ao novo Sistema de Contas

Nacionais é o manual editado pelas Nações Unidas, Banco Mundial, FMI, OECD e Eurostat de 1993.

(8)

1.2 Fluxo Circular da Renda

Trata-se de um modelo do comportamento da economia como um todo (agregada)

A valoração em termos monetários permite que se agregue quantidades heterogêneas de bens e serviços. 

Hipóteses:

Economia formada por 2 setores (famílias e

empresas);

As empresas não formam estoques;

A economia não mantém relações no exterior

(economia fechada);

(9)

Como estamos trabalhando numa economia onde as

transações econômicas são efetuadas em moeda, no diagrama identificamos dois fluxos: um fluxo de trocas reais (parte interna do diagrama) e outro fluxo de trocas monetárias (parte externa).

Como os bens e serviços são heterogêneos, para

podermos agrega-los devemos utilizar o conceito de valor bruto da produção, ou seja, VP = ∑ q x p

(10)

1.3 Três óticas de mensuração

Ótica do produto:

Agregação de produtos heterogêneos

Y = Σ(Pi x Qi);

Bens e Serviços Finais – são os produzidos no

período e que não estão sujeitos a nenhuma transformação posterior no mesmo período.

Valor Adicionado – o quanto cada empresa,

que processa bens ou serviços, adiciona ao

seu valor, correspondendo ao preço pelo qual a empresa vende o seu produto menos os

materiais utilizados na produção. Observe-se que para adicionar valor a um bem ou serviço não é preciso modificá-lo; o comércio, por

(11)

De quanto foi o produto nesta economia? Poderíamos ser

tentados a dizer que o produto desta economia no período foi de $ 6.620 (valor bruto da produção).

Porém aí estaríamos incorrendo em duplas contagens. Sob a ótica do produto devemos analisar o valor

adicionado na economia por cada setor. Cujo total é de $ 2.520,00 (o mesmo montante da produção de pães)

Produto Valor da produção Valor adicionado Sementes $ 500,00 $ 500,00

Trigo $ 1.500,00 $1.500,00 - $500,00 = $1.000,00 Farinha $ 2.100,00 $2.100,00 - $1.500,00 = $ 600,00 Pães $ 2.520,00 $2.520,00 - $2.100,00 = $ 420,00 Valor bruto da produção (Σ) $ 6.620,00 $ 2.520,00

(12)

Ótica da renda:

A Renda pode ser definida como a soma dos pagamentos recebidos pelos proprietários dos fatores de produção

durante o período (remuneração dos fatores).

Todos os salários, honorários, comissões,

bonificações e outras formas de remuneração dos empregados;

Os aluguéis e rendas de propriedades;

Os juros (remuneração do capital de terceiros);Todos os lucros, de firmas individuais ou não,

distribuídos em forma de dividendos ou não.

(13)

Voltando ao exemplo numérico:

Vamos supor que para a produção nos quatro setores são utilizados apenas dois fatores de produção:

capital e trabalho, e é utilizada uma relação de 80% de trabalho (salário) e 20% de capital (lucro). Assim:

Setor Salários Lucros Renda

Setor 01 $ 400,00 $ 100,00 $ 500,00

Setor 02 $ 800,00 $ 200,00 $ 1.000,00

Setor 03 $ 480,00 $ 120 $ 600,00

Setor 04 $ 336,00 $ 84,00 $ 420,00

TOTAL $ 2.016,00 $ 504,00 $ 2.520,00

Logo, sob a ótica da renda o produto dessa economia foi de $ 2.520,00, valor idêntico ao da ótica do produto.

(14)

Ótica da despesa:

É como se estivéssemos fazendo a seguinte pergunta: para produzir que tipo de bens e serviços a economia despendeu seus esforços?

DESPÊNDIO OU DESPESA – valor monetário de todas as despesas de uma economia por unidade de tempo:

DA = C

Na nossa economia simplificada, foi produzido apenas bens de consumo, os quais foram absorvidos pelas

(15)

• Produto Nacional – o total de bens (mercadorias e serviços) FINAIS produzidos pelas empresas do país durante um determinado período de tempo (correspondentes ao valor agregado por cada unidade produtora).

• Renda Nacional – é o somatório de todos os rendimentos recebidos pelas unidades consumidoras (famílias) durante um determinado período de tempo. Igual remuneração do trabalho de qualquer natureza (salário) e as rendas de propriedade (lucros, juros e aluguéis).

• Despesa Nacional – agregação de todas as despesas feitas pelas famílias na aquisição de bens finais junto às unidades produtoras durante um determinado período de tempo.

(16)

• Produto = Despesa

 O Produto é a soma dos bens e serviços finais produzidos, no país, durante certo período, e a Despesa é a soma de bens e serviços finais comprados, como a única finalidade da renda é comprar produtos, então despesa é idêntica ao produto.

• Produto = Renda

 O Produto foi definido como a somatória dos valores adicionados e a Renda como pagamentos aos fatores produtivos; como a soma dos valores adicionados é igual à soma das vendas das empresas menos os materiais comprados, todos os demais pagamentos feitos por elas, tais como salários, juros, lucros e aluguéis, constituem-se em rendas, logo, a Renda é idêntica ao Produto.

(17)

Até agora falamos sobre variáveis chamadas variáveis fluxo, ou seja, aquelas que estão

relacionadas à variação do tempo, por exemplo: – Consumo, PIB, salários, emprego, renda,

depreciação, etc.

As variáveis fluxo aumentam ou diminuem as

variáveis estoque em uma economia, por exemplo: – O investimento realizado em um período do

tempo, aumenta o estoque de capital da

empresa, ou do país. Ou, o estoque de capital pode diminuir em virtude da depreciação ao longo do tempo.

(18)

FEIJÓ, Carmem A. e RAMOS, Roberto L.

M. (org.) Contabilidade Social. Editora

Campus, 3º Edição – 2008. (cap.01 e 02)

BRAGA, Márcio Bobik e PAULANI, Leda

M. A Nova Contabilidade Social. Editora

Saraiva, 2º Edição – 2006. (cap.01)

Imagem

Referências

temas relacionados :