Texto

(1)

L O J A S A M E R I C A N A S S . A .

RE L A T Ó R I O D A A D M I N I S T R A Ç Ã O 2 0 0 9

No cumprimento das disposições legais e de acordo com a legislação societária brasileira vigente, Lojas Americanas S.A. apresenta a seguir, o Relatório da Administração com os resultados financeiros e operacionais da Controladora e Consolidado do exercício findo em 31 de dezembro de 2009.

Neste relatório apresentamos também, as informações referentes às empresas controladas B2W – Companhia Global do Varejo, que oferece produtos e serviços via internet, televisão, telefone, catálogos e quiosques, e FAI – Financeira Americanas Itaú, que oferece produtos financeiros. Lojas Americanas detém 56,62% e 50% do capital da B2W e da FAI, respectivamente.

As ações da Lojas Americanas e da B2W estão listadas na Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros (BM&FBOVESPA) sob os códigos LAME4 (preferenciais) e LAME3 (ordinárias), e BTOW3, respectivamente. Vale mencionar que a B2W possui apenas ações ordinárias e faz parte do Novo Mercado, o mais alto padrão de governança corporativa do Brasil.

(2)

CELEBRAÇÃO DOS 80 ANOS

Há 80 anos, desde que foi inaugurada a primeira loja em Niterói, no Rio de Janeiro, a história da Lojas Americanas mistura-se à história dos brasileiros. São 80 anos levando os melhores produtos e as melhores ofertas para os nossos clientes.

Entre os anos de 2000 e 2009, Lojas Americanas cresceu em 5 vezes o número de lojas, 6 vezes a receita bruta consolidada e aproximadamente 140 vezes a geração de caixa operacional consolidada (EBITDA), saindo de uma margem EBITDA consolidada (% RL) de 0,6% para 13,2%, o que demonstra solidez na nossa estratégia de crescimento e reforça as oportunidades existentes no país.

Alcançamos um total de mais de 470 lojas espalhadas pelo Brasil, e temos o maior comércio eletrônico da América Latina representado pela subsidiária B2W – Companhia Global do Varejo, com suas diversas marcas, que cobre todo o território nacional.

Lojas Americanas e B2W possuem juntas cerca de 15 mil associados, e geram aproximadamente 40 mil empregos indiretos. Nas lojas, a circulação de clientes chega a 2,0 milhões por dia em períodos de grandes eventos.

Para os próximos 4 anos (período entre 2010 e 2013), de acordo com nosso Planejamento Estratégico, pretendemos abrir 400 novas lojas no Brasil, o que estamos chamando de programa “SEMPRE MAIS BRASIL”. Este programa é baseado no nosso modelo de estudos que considera diversos dados macroeconômicos, dentre eles: crescimento da população, renda per capita e evolução da economia local.

Para atingir esse crescimento recorde, a Companhia contará com a capacidade de execução de seus associados, sua expertise na localização e negociação de novos pontos, seu sistema logístico para distribuição das mercadorias e seu programa de recrutamento e treinamento de talentos.

(3)

1. VISÃO GERAL DA COMPANHIA

Estrutura de “Varejo Multicanal”

Lojas Americanas atua com uma estrutura de atendimento multicanal. Além da rede de lojas físicas, a Companhia chega a seus clientes com um amplo sortimento de produtos e serviços, comercializados via internet, televisão, televendas, catálogos e quiosques.

Lojas Americanas S.A.

Lojas Americanas foi fundada em 1929, em Niterói (RJ), e está presente em todas as regiões do país (22 estados mais o Distrito Federal), com 476 lojas – 280 no formato Tradicional e 196 no formato Express - equivalentes a 504 mil metros quadrados de área de vendas.

As lojas tradicionais possuem área média de vendas de 1.500 metros quadrados, reposição diária de estoques e aproximadamente 60 mil itens. O modelo Express segue o conceito de lojas menores, com área média de vendas de 400 metros quadrados, logística just-in-time e sortimento selecionado em torno de 15 mil itens, adequado às características de cada localidade e ao perfil dos clientes dessas lojas.

Varejo Físico

Varejo Multicanal

Internet, Televisão, Televendas, Catálogos e Quiosques

Participação: 56,62%

Consolidação resultados: 100%

Produtos Financeiros

Participação: 50%

Consolidação resultados: 50%

(4)

A empresa garante a seus clientes preços competitivos em relação à concorrência e oferece produtos de qualidade reunidos nos Mundos Lar, Lazer, Beleza, Infantil, Confecção e Alimentos de Conveniência.

A Lojas Americanas conta ainda com três centros de distribuição localizados em São Paulo/SP, Rio de Janeiro/RJ e Recife/PE.

Mapa de Distribuição de Lojas Americanas (31/12/2009)

CD PE

CD RJ CD SP

8

Sudeste

4

316

Norte

9

Centro- Oeste

38

Sul

52

Nordeste

61

(5)

B2W – Companhia Global do Varejo

A B2W é a empresa líder do comércio eletrônico no Brasil, e atua através de sua estrutura multicanal de internet, televendas, televisão, catálogos e quiosques.

A B2W é detentora das marcas Americanas.com, Submarino, Shoptime e Blockbuster Online, marca que teve a sua licença de uso adquirida em 2007 pela Companhia para operação na internet no Brasil. A Companhia conta também com três subsidiárias: B2W Viagens, Ingresso.com e Submarino Finance.

Americanas.com

A Americanas.com (www.americanas.com.br), completou no ano de 2009, 10 anos de existência e para comemorar, na semana do seu aniversário, os clientes foram presenteados com grandes ofertas.

O site oferece 37 categorias de produtos via internet, televendas e por meio de mais de 460 quiosques instalados nas Lojas Americanas com acesso ao site, oferecendo aos clientes mais de 500 mil itens nas categorias eletrônicos, CDs &

DVDs, informática, eletrodomésticos, telefones & celulares, livros, games, brinquedos, papelaria, vinhos entre outras. Com o objetivo de oferecer aos nossos

(6)

clientes uma maior variedade de produtos, em 2009 disponibilizamos 4 novas categorias no site: petshop, perfumaria & cosméticos, suplementos & vitaminais, e sinalização & segurança. A Americanas.com opera ainda serviços de viagens, através da Americanas Viagens (viagens.americanas.com.br), e serviços digitais, tais como revelação de fotos, lista de casamento, recarga de celulares, entre outros.

A Americanas.com também disponibiliza sua expertise de logística e plataforma tecnológica a grandes grupos empresariais do país e do exterior, operacionalizando a distribuição de produtos em massa por conta e ordem dos seus clientes.

Submarino

O Submarino (www.submarino.com.br), que comemorou em 2009 o seu décimo aniversário, é líder em inovações tecnológicas, tendo implementado o sistema de CRM (Customer Relationship Management), ferramenta que personaliza as páginas de acordo com o perfil do cliente.

O Submarino oferece 29 categorias de produtos através de seus canais de vendas:

internet, televendas e catálogos, com forte ênfase na venda de livros, CDs, DVDs, eletrônicos, informática, games e serviços online. Em 2009, o Submarino mostrou mais uma vez pioneirismo, ao introduzir em seu site a categoria de Obras de Artes, oferecendo aos clientes produtos antes não disponíveis na internet. O Submarino opera também com os serviços de viagens, através do Submarino Viagens (www.submarinoviagens.com.br), e oferece ainda serviços de B2B (business-to- business), possibilitando a operacionalização de comércio eletrônico de grandes grupos empresariais.

Bimestralmente, os clientes do Submarino recebem catálogos impressos, com tiragem de centenas de milhares de exemplares, que apresentam produtos e ofertas especiais. O site possui um programa de fidelidade altamente atrativo, em parceria com a Submarino Finance.

Seguindo sua trajetória de inovação, o Submarino implementou em janeiro de 2010 mais uma grande novidade, o serviço de “Compra com 1-Click”. Trata-se de uma

(7)

ação pioneira da marca no Brasil, que tem como objetivo facilitar e agilizar o processo de compra online, melhorando a experiência do consumidor. Com a

“Compra com 1-Click”, é possível cadastrar um endereço de entrega e um cartão de crédito preferencial e o Submarino saberá para onde enviar e como cobrar os pedidos. Assim, o cliente ativa o serviço uma só vez e pode usá-lo sempre que for fazer compras no Site, de forma muito rápida e prática.

Shoptime

O Shoptime (www.shoptime.com.br), que em 2010 completa 15 anos, foi o primeiro canal brasileiro de home shopping (vendas pela TV) e opera via internet, televendas e catálogo. O canal de TV alcança mais de 20 milhões de lares brasileiros, sendo mais de 5 milhões via TV por assinatura (canais SKY 19, Net 31, Neo TV) e mais de 18 milhões via antenas parabólicas (Vertical 5B), com uma transmissão interativa que chega a 11 horas de programação ao vivo, 7 dias por semana. Em 2007, o canal de televisão passou a transmitir a programação 24 horas por dia, possibilitando aos clientes rapidez e interatividade em suas compras.

O catálogo é distribuído sete vezes ao ano, em todo o Brasil, com tiragem de 400 mil exemplares.

Atualmente, o Shoptime oferece 21 categorias de produtos a mais de 3,5 milhões de clientes. A ênfase do sortimento do Shoptime está nos artigos de utilidade doméstica em geral, cama, mesa & banho, e informática.

Em 2009, o Shoptime lançou mais de 60 itens de marcas exclusivas, além das linhas Colors, que oferece os mais famosos produtos Fun Kitchen em diferentes cores; Life Zone, que oferece produtos relacionados à forma e beleza e; Casa &

Conforto Kids. Estes lançamentos somam-se às já consagradas linhas exclusivas de eletroportáteis Fun Kitchen, de utensílios domésticos La Cuisine e de itens de cama, mesa & banho, Casa & Conforto.

Além disso, opera também o serviço de viagens, através do Shoptime Viagens (viagens.shoptime.com.br).

(8)

B2W Viagens

A B2W Viagens atua por meio das marcas Americanas Viagens, Submarino Viagens e Shoptime Viagens, e oferece serviços como pacotes turísticos, passagens aéreas, reservas online de hotéis, cruzeiros, seguros de viagens e aluguel de veículos, no Brasil e no exterior. A Empresa chega aos clientes via internet, televendas, televisão e quiosques, e vem trabalhando para incrementar seu sortimento.

O objetivo da B2W Viagens é construir uma plataforma que possibilite aos clientes de cada uma das marcas, planejar e comprar suas viagens de forma rápida e agradável, consolidando uma posição de liderança no mercado de viagens online do Brasil por meio de inovação, qualidade no atendimento, conteúdo diferenciado e preços competitivos.

Ingresso.com

A Ingresso.com oferece tecnologia e serviços de compra de ingressos via internet para: cinemas, teatros, shows, jogos de futebol, parques e eventos culturais. Com mais de 1,7 milhão de clientes cadastrados, a Ingresso.com é a maior vendedora online de ingressos de cinema no Brasil, atendendo a mais de 1.600 salas em todo o país. A empresa oferece o serviço de reserva de assentos pela internet, onde o cliente pode escolher, com toda a comodidade, o lugar de seu interesse em salas de cinema e teatro. Além do site próprio (www.ingresso.com), que em 2009 ganhou uma versão exclusiva para dispositivos móveis, a Ingresso.com está presente também nos sites da Americanas.com, Submarino e Shoptime.

Outra frente de atuação é a comercialização de seu software de bilheteria no Brasil e no exterior. Atualmente, a Ingresso.com é responsável pela informatização de diversas salas de cinema, teatro, arenas esportivas e casas de shows.

Além disso, a Ingresso.com iniciou em 2009 a expansão internacional na América Latina pelo México, através da venda de ingressos de cinema na Cidade do México em parceria com a Cinemark. Esta iniciativa permitirá a B2W explorar e entender novos mercados com um baixo custo de entrada e operação.

(9)

Submarino Finance

Fruto da joint venture com a Cetelem, a Submarino Finance oferece o cartão de crédito Submarino, que permite o financiamento em até 24 parcelas para compra de produtos no site do Submarino, além de um exclusivo programa de recompensas e promoções especiais, como descontos em produtos e pontuação no Programa de Fidelidade Léguas Submarinas.

Para a B2W, o cartão próprio representa uma oportunidade de alavancar vendas, especialmente de itens de valor elevado, reduzir custos com taxas de administração de cartão de crédito e com desconto de recebíveis, e participar no resultado do negócio de financiamento ao consumo. Terminamos o ano com mais de 515 mil cartões emitidos, e participação acima de 25% nas vendas do site Submarino.

Em 2009, a Submarino Finance passou a emitir cartões Submarino com a bandeira Mastercard, estimulando a utilização do cartão em outros estabelecimentos além do site Submarino.

Blockbuster Online

A B2W adquiriu o direito de uso da marca Blockbuster na internet no Brasil e passou a oferecer em 2008 o serviço de locação online de DVDs e Blu-ray Discs através de seu site www.blockbuster.com.br. A Blockbuster Online é uma locadora que permite aos clientes escolherem seus filmes pela internet, montarem uma lista de desejos, receberem e devolverem seus filmes na comodidade de sua casa.

Oferece planos de assinatura que possibilitam que os clientes sempre tenham filmes em casa, sem data para devolução e sem multa.

Atualmente a Blockbuster Online possui o maior acervo em quantidade de títulos do Brasil, com mais de 15 mil filmes, e atua em 144 cidades espalhadas pelos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná e Santa Catarina, com entrega aos domingos e no mesmo dia para as cidades de São Paulo e Rio de Janeiro.

Possui ainda o maior acervo de Blu-ray Discs para locação da América Latina, com cerca de 2 mil títulos.

(10)

FAI – Financeira Americanas Itaú

A Financeira Americanas Itaú (FAI) dedica-se ao financiamento de compras, através de cartões de crédito de marca própria (private label) e dos cartões Visa e Mastercard (co-branded), oferta de crédito pessoal e outros produtos e serviços financeiros (seguros e garantia estendida).

Sua atuação ocorre por intermédio dos pontos de venda da Lojas Americanas, pela internet (Americanas.com e Shoptime) e pelo canal de TV Shoptime.

A oferta de cartões teve início em maio de 2006 e ao final de 2009, a FAI já havia emitido cerca de 2,6 milhões de cartões, sendo 2,2 milhões de private label, 388 mil co-branded e 64 mil de empréstimo pessoal.

Ao longo de 2009, a participação dos cartões da FAI (private label e co-branded), ultrapassou o patamar de 15% das vendas da controladora.

(11)

2. MENSAGEM DA ADMINISTRAÇÃO

A O S N O S S O S C L I E N T E S , A C I O N I S T A S , A S S O C I A D O S E F O R N E C E D O R E S :

Em 2009, abrimos 14 novas lojas e evoluímos nos nossos principais indicadores operacionais.

Nesse sentido, a nossa Receita Bruta Consolidada Anual, que engloba o Varejo Físico, as empresas controladas B2W – Companhia Global do Varejo e FAI – Financeira Americanas Itaú, cresceu 14,4%, totalizando R$ 10,6 Bilhões. O EBITDA foi de R$ 1,1 Bilhão, o que representa um crescimento de 22,9% e uma margem EBITDA de 13,2%, um aumento de 0,4 p.p. em relação ao ano anterior. O lucro líquido do período foi de R$ 152,0 Milhões, um crescimento de 69,8%.

No varejo físico, a Receita Bruta cresceu 14,3%, alcançando R$ 5,6 Bilhões, enquanto a Receita Líquida evoluiu 17,2% no período, sendo tal diferença nos crescimentos ocasionada pela introdução do Regime de Substituição Tributária do ICMS (ST) em diversos Estados Brasileiros. No conceito de “mesmas lojas”, a Receita Líquida aumentou em 11% quando comparada com 2008.

A B2W - empresa controlada que oferece produtos e serviços via internet, televisão, telefone, catálogos e quiosques, atingiu uma venda consolidada de R$ 5,1 Bilhões, um crescimento de 14,0%, com uma margem EBITDA próxima dos 13%. O lucro líquido apresentado no período pela B2W foi de R$ 48 Milhões.

Além disso, ainda no ano de 2009, com muito orgulho e alegria, celebramos os 80 anos da LOJAS AMERICANAS.

Para 2010, da mesma forma que nos anos anteriores, “continuaremos no nosso caminho de aprendizagem e superação, o que nos deixa naturalmente entusiasmados, pois alcançaremos novos patamares de resultados, sempre buscando um melhor atendimento das necessidades dos nossos clientes”.

Finalmente, gostaríamos de agradecer à dedicação e garra dos nossos Associados, assim como o apoio e confiança que recebemos de nossos fornecedores, clientes e acionistas.

A ADMINISTRAÇÃO “Queremos Sempre Mais”

(12)

3. CENÁRIO ECONÔMICO

Segundo dados do IBGE, em 2009, a inflação medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) registrou taxa acumulada de 4,31%, inferior aos 5,90% registrados em 2008. Já o IGP-M (Índice Geral de Preço ao Mercado), medido pela FGV, apresentou no acumulado de 2009, deflação de 1,71%, contra inflação de 9,81% no acumulado do ano anterior. No ano, houve uma desvalorização do dólar em relação ao real de 25,5%. A taxa básica de juros da economia (SELIC) fechou o ano de 2009 em 8,75% ao ano, menor patamar desde 1999, quando começou a ser utilizada como meta de política monetária, e abaixo dos 13,75% ao ano, registrados ao final de 2008.

O Brasil foi um dos primeiros países a mostrar sinais de recuperação da crise financeira mundial. O comércio varejista, no ano, apresentou um crescimento de 5,9% em volume de vendas (IBGE).

Lojas Americanas reitera sua confiança no desenvolvimento econômico do país e nas oportunidades de crescimento do segmento de varejo, e manterá foco na expansão de sua rede de lojas e no atendimento multicanal aos clientes.

(13)

4. ESTRATÉGIA E INVESTIMENTOS

Em 2009, Lojas Americanas atingiu R$ 10,593 bilhões de receita bruta consolidada, o equivalente a um crescimento de 14,4% em relação ao ano anterior. Deste total, R$ 5,579 bilhões se referem ao desempenho da controladora (Lojas Físicas), que vendeu 14,3% a mais que em 2008.

No conceito “mesmo número de lojas”, ou seja, excluindo as lojas inauguradas há menos de um ano, o crescimento das vendas líquidas acumulado em 2009 foi de 11%.

Nos últimos nove anos, Lojas Americanas ampliou sua rede de lojas em cinco vezes, por meio do seu programa de expansão orgânica e da aquisição da BWU, empresa que detinha a marca BLOCKBUSTER® no país. Em 2009, a Companhia inaugurou 14 novas lojas – 12 no modelo Tradicional e 2 no modelo Express – e anunciou o programa “SEMPRE MAIS BRASIL”, que estabelece, para os próximos 4 anos (período entre 2010 e 2013), a abertura de 400 novas lojas no país.

Ao final do ano, Lojas Americanas contava com 476 lojas, divididas nos seguintes formatos:

Formato Total de Lojas %

Tradicional 280 59%

Express 196 41%

TOTAL 476 100%

(14)

Evolução Área de Vendas x N° de Lojas Posição em 31 de Dezembro

259,1

293,7

330,1

372,1

443,0

491,0 504,3

476 Lojas 468

Lojas 413

Lojas

237 Lojas 193

Lojas 156

Lojas 121

Lojas

2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009

Área de Vendas (mil m²) N° de Lojas

A tabela a seguir detalha o perfil das lojas inauguradas ao longo de 2009:

Região Formato N° de Lojas Área de Vendas mil m²

Média mil m²

Em 31/12/2008 468 491,0 1,1

Sudeste Tradicional 4 4,8 1,2

Express 1 0,4 0,4

Nordeste Tradicional 5 6,6 1,3

Express 0 0,0

Sul Tradicional 1 1,2 1,2

Express 0 0,0

Norte Tradicional 1 2,3 2,3

Express 0 0,0

Centro-oeste Tradicional 1 1,0 1,0

Express 1 0,3 0,3

Total Tradicional 12 15,9 1,3

Express 2 0,7 0,4

Transferência/Reforma (6) (3,3)

Em 31/12/2009 476 504,3 1,1

A Companhia investiu, ainda, na visão controladora, em atualização tecnológica e melhorias dos processos operacionais e de logística, com o intuito de assegurar sua eficiência operacional. Investiu ainda, em bens destinado a aluguel, no valor de

(15)

R$ 22,1 milhões. A tabela a seguir detalha a distribuição dos investimentos da Lojas Americanas em 2009.

R$ milhões %

Inaugurações e Reformas 46,1 47%

Bens destinados a aluguel 22,1 22%

Operações e outros projetos 19,9 20%

Atualização Tecnológica 10,8 11%

TOTAL 98,9 100%

Plano de Expansão para os próximos 4 anos – programa “SEMPRE MAIS BRASIL”

Para os próximos 4 anos (período entre 2010 e 2013), de acordo com nosso Planejamento Estratégico, pretendemos investir aproximadamente R$ 1 bilhão para a abertura de 400 novas lojas no país, o que estamos chamando de programa

“SEMPRE MAIS BRASIL”. O programa prevê ainda, como parte deste investimento, a inauguração de dois novos Centros de Distribuição, localizados nas regiões Centro-Oeste e Sul, o desenvolvimento de tecnologia, e o aprimoramento de nossas operações.

É importante mencionar que a atual posição de caixa da empresa e a geração de caixa futura, atreladas ao alongamento do perfil da dívida, nos deixam confortáveis para fazer frente ao investimento esperado.

Este programa é baseado no nosso modelo de estudos que considera diversos dados macroeconômicos, dentre eles: crescimento da população, renda per capita e evolução da economia local.

Atualmente, nossas lojas estão localizadas em apenas 150 das mais de 5,5 mil cidades do país, o que demonstra a oportunidade que a Lojas Americanas tem para abrir lojas nas cidades mais distantes dos grandes centros urbanos. Através de estudos e análises de viabilidade econômica realizados internamente com a utilização da ferramenta do EVA® (Economic Value Added) em conjunto com dados socioeconômicos (população, renda, acesso a serviços básicos, acesso a bens de

(16)

consumo e outros), acreditamos que no momento existe a possibilidade do nosso varejo físico estar presente em mais de 200 cidades além das em que já operamos.

Nossas lojas estão localizadas em 22 Estados do país mais o Distrito Federal, com uma distribuição de 66% na região Sudeste, 19% no Sul/Centro-Oeste e 15% no Norte/Nordeste. Com a nossa confiança no desenvolvimento do país, o plano de expansão para essas novas cidades pode beneficiar especialmente as regiões Norte/Nordeste/Centro-Oeste, conforme demonstrado na projeção de inaugurações da tabela a seguir.

Dez/2009 % Inaugurações

2010 - 2013 % Dez/2013* %

SE 316 66% 200 50% 516 59%

NE 61 13% 90 22% 151 17%

N 9 2% 40 10% 49 6%

CO 38 8% 40 10% 78 9%

S 52 11% 30 8% 82 9%

TOTAL 476 100% 400 100% 876 100%

*Estimativa de número de lojas por região ao final de 2009 e 2013.

Distribuição de Lojas por Região

Assim como ocorreu historicamente, o crescimento deve ser na proporção de 70%

em lojas Tradicionais (área média de vendas entre 1.300 m2 e 1.500 m2) e 30% em lojas Express (área média de vendas entre 300 m2 e 500 m2).

Para 2010, já temos 1 loja inaugurada, 15 contratos de lojas assinados e 25 lojas em fase de elaboração de contrato, o que nos deixa otimistas para alcançar o total de 60 novas lojas. A tabela abaixo demonstra a estimativa de abertura de lojas para os próximos quatro anos:

Ano Número de Lojas

2010 60 a 70

2011 90 a 100

2012 110 a 120 2013 120 a 130

(17)

Para atingir esse crescimento recorde, a Companhia contará com a capacidade de execução de seus Associados, sua expertise na localização e negociação de novos pontos, seu sistema logístico para distribuição das mercadorias e seu programa de recrutamento e treinamento de talentos.

FAI – Financeira Americanas Itaú

A estratégia da Financeira Americanas Itaú (FAI) tem ênfase em aumentar a oferta de crédito e serviços financeiros aos clientes da Lojas Americanas e facilitar a forma de pagamento dentro das lojas físicas, na Americanas.com e no Shoptime, sendo mais um instrumento de relacionamento e fidelização de clientes.

A FAI oferece duas modalidades de cartões: private label e co-branded. Os cartões private label oferecem formas diferenciadas de pagamento e podem ser utilizados para financiamento das compras imediatamente após a sua emissão.

Já os cartões co-branded são parcerias da FAI com as bandeiras Mastercard e Visa, e podem ser emitidos nas versões Nacional, Internacional e Gold.

Ao longo do segundo semestre de 2008, foi implementada a nova estratégia para a oferta dos produtos private label e co-branded como sendo os principais meios de pagamentos dentro das Lojas Americanas e nas operações de internet, bem como a desaceleração da oferta de empréstimo pessoal.

A nova forma de atuação motivou a necessidade de investimentos para o aumento da base de clientes (cartões private label e co-branded), sendo que, ao final do quarto trimestre de 2009, a FAI já havia emitido cerca de 2,6 milhões de cartões, sendo 2,2 milhões de private label, 388 mil co-branded e 64 mil de empréstimo pessoal.

Ao longo de 2009, a participação dos cartões da FAI ultrapassou o patamar de 15%

das vendas da controladora e o faturamento do 4T09 apresentou um crescimento de 79% quando comparado ao mesmo período de 2008.

(18)

A carteira de recebíveis em dezembro de 2009 atingiu R$ 798 milhões e apresentou um crescimento de 56% em relação a dezembro de 2008. O mix da carteira atual é composto de 8% de empréstimo pessoal e 92% de cartões, sendo que no mesmo período do ano anterior era de 32% de empréstimo pessoal e 68% de cartões.

Esta transformação colaborou para a melhora do índice de perda sobre carteira, que passou de 7% no 4T08, para 5% no 4T09.

A redução das receitas das operações de empréstimo pessoal foi compensada pelo melhor desempenho das operações de cartões de crédito. A FAI apresentou uma evolução de 33% da receita de intermediação financeira e de prestação de serviços, passando de R$ 68,3 milhões no 4T08, para R$ 90,7 milhões no 4T09.

Carteira de Recebíveis FAI

(R$ Milhões)

51 64 89 107 145 230 349 387 469 561 736

157 177 179 179 185 175

164 144 114 88 62

2T07 3T07 4T07 1T08 2T08 3T08 4T08 1T09 2T09 3T09 4T09 Private Label + Co‐Branded Empréstimo Pessoal

56%

Glossário:

Faturamento: Compras realizadas com os cartões Americanas, à vista ou a prazo, e liberações de empréstimo pessoal.

Carteira de recebíveis: Valores a receber referentes ao faturamento.

Receita de intermediação financeira e de prestação de serviços: Receitas auferidas sobre a carteira de recebíveis decorrentes da apropriação de juros, tarifas de serviços prestados e seguros.

Gente

Seguindo nosso lema de que “Queremos Sempre Mais” e prevendo nossas metas de crescimento que foram confirmadas com o programa “SEMPRE MAIS BRASIL”, Lojas Americanas intensificou os programas de treinamento, capacitação e integração,

(19)

com foco na contratação e desenvolvimento de jovens talentos que estão sendo treinados para assumirem importantes responsabilidades em um curto período de tempo. Nosso foco é promover o crescimento dos Associados dentro da Companhia através de uma política de promoções internas e de um sistema de meritocracia. Ao final do exercício de 2009, a Companhia contava com 13.425 associados na controladora.

CDA – Centro de Desenvolvimento Americanas

O terceiro ano de funcionamento do CDA – Centro de Desenvolvimento Americanas – serviu para consolidar o cronograma de treinamentos definido no ano anterior.

Em 2009, aumentamos ainda mais o nosso número de homem/hora de treinamento, atingindo a marca de 41.000 Associados/hora capacitados.

Evolução Hom em -Hora Treinado

25.000

37.000 41.000

2007 2008 2009

Realizamos as primeiras turmas de treinamento e-learning (cursos à distância pelo computador) em todos os pólos da nossa Universidade Corporativa, o CDA - Centro de Desenvolvimento Americanas, espalhados pelo país. Iniciamos também um programa de gestão de competências, no qual, através de treinamentos técnicos e avaliações de competências, nossos Associados são credenciados no próprio cargo e/ou preparados para novos desafios na Companhia.

A ênfase na capacitação dos nossos Associados e no desenvolvimento interno vão ao encontro do estabelecimento de metas cada vez mais desafiadoras e culminam no nosso lema: "Queremos sempre mais".

(20)

Recrutamento de Talentos

Lojas Americanas tem como política a formação de talentos dentro de casa, a partir da contratação de Associados pelos programas de estágio, trainee e para cargos operacionais de loja. Desta forma, enfatiza-se o recrutamento de jovens universitários das melhores universidades do país, que recebem treinamentos específicos voltados para os desafios do segmento de varejo e imersão na cultura organizacional da Companhia.

ƒ Programa de Estágio

Iniciado há mais de dez anos, o Programa de Estágio tem como objetivo recrutar estudantes universitários com o espírito empreendedor. Assim, é possível selecionar jovens com perfil compatível ao de uma equipe orientada por resultados. Durante o Programa, os estagiários são apresentados à rotina de trabalho de diversas áreas da Sede, Lojas e Centros de Distribuição. Nesse período, também são desenvolvidos módulos de treinamento mensais nos quais o estagiário tem a oportunidade de incorporar a visão, missão e valores corporativos, as principais características da Cia. e seus respectivos departamentos, assim como as ferramentas técnicas necessárias ao trabalho de sua área de atuação. O programa, que tem abrangência nacional, com alto nível de procura, apresenta ótimo aproveitamento dos jovens profissionais.

ƒ Programa de Trainee

O Programa de Trainee, que tem duração de dezoito meses, tem como objetivo a seleção de jovens recém-formados, com perfil que os permita ocuparem funções de destaque na Companhia. Ao longo deste programa, os trainees passam por treinamentos específicos e são apresentados a todas as áreas da Companhia por meio de seus principais executivos. Em seguida, já alocados em suas áreas, esses jovens têm a chance de desenvolver projetos desafiadores logo no início de suas carreiras.

(21)

Nota de reapresentação das Demonstrações Financeiras

LOJAS AMERICANAS S.A. (“Companhia”), em cumprimento ao disposto na Instrução CVM nº 358/2002, vem a público informar que, de forma a refletir mais adequadamente a essência econômica de operações de hedge por ela contratadas, à luz dos padrões contábeis previstos nas normas vigentes, o Conselho de Administração da Companhia aprovou a realização de ajuste às demonstrações financeiras do exercício findo em 31 de dezembro de 2008 (“demonstrações financeiras”) e às informações trimestrais do exercício de 2009, com seus respectivos comparativos de 2008, as quais foram nesta data reapresentadas na Comissão de Valores Mobiliários, estando disponíveis no Sistema IPE.

A Companhia esclarece, por oportuno, que utiliza swaps tradicionais com o propósito de anular o risco cambial de suas captações de recursos em moedas estrangeiras, transformando o custo destas dívidas para moeda e taxa de juros locais. Estas operações de swap e os respectivos empréstimos objeto de hedge qualificam-se para a aplicação da contabilidade de hedge (‘hedge accounting’), uma vez que tais operações estão perfeitamente casadas em termos de valor, prazos e taxas de juros, conforme previsto no Pronunciamento Técnico CPC 14 (Instrumentos Financeiros) e foram designadas desta maneira quando da aplicação inicial da Lei 11.638/07 na preparação das demonstrações financeiras, com parecer de auditoria sem ressalvas.

No entanto, uma revisão adicional dos procedimentos adotados no âmbito da nova sistemática de padrões contábeis em vigor no Brasil demonstrou que, quando da aplicação inicial da contabilidade de hedge, a Companhia, corroborada por seus auditores independentes à época, que, como conseqüência, emitiram parecer sem ressalva, reconheceu impactos contábeis entendidos agora como desalinhados com a sua intenção ao contratar tais operações e que não corresponderam adequadamente aos seus respectivos impactos econômicos, à luz das análises técnicas contábeis desenvolvidas sobre a matéria, de cunho particularmente complexo, notadamente no contexto da reformulação dos padrões contábeis brasileiros, em decorrência da Lei no. 11.638/07.

É importante destacar, no entanto, que essas operações de hedge e de swap não têm qualquer tipo de propósito especulativo, nem representam ou representaram exposição para a Companhia além do aqui descrito, caracterizando-se como exemplo do chamado hedge perfeito. Cabe ressaltar, ainda, que os impactos contábeis mencionados anteriormente se anulariam completamente ao final do prazo contratado e não representam ou representariam

(22)

entradas ou desembolsos adicionais de caixa, tendo criado descasamento apenas temporário no resultado da Companhia.

Acham-se disponíveis na página da CVM (www.cvm.gov.br) e da Companhia (ri.lasa.com.br) não apenas as demonstrações financeiras completas e as informações trimestrais, já refletindo o citado ajuste, objeto da Nota Explicativa no. 2(a), onde o assunto é mais amplamente explicado, bem como o parecer dos auditores independentes, sem ressalva, e do Conselho Fiscal, como também a apresentação feita aos investidores com os números mais relevantes do exercício de 2009.

Adicionalmente, as demonstrações das mutações do patrimônio líquido, dos fluxos de caixa e do valor adicionado, bem como as notas explicativas pertinentes, foram também reapresentadas para demonstrar os saldos contábeis ajustados após as correções mencionadas nos parágrafos anteriores.

No período abrangido pelas demonstrações financeiras ora reapresentadas, A COMPANHIA NÃO POSSUI CONTRATOS A TERMO, OPÇÕES, SWAPTIONS, SWAPS COM OPÇÃO DE ARREPENDIMENTO, OPÇÕES FLEXÍVEIS, DERIVATIVOS EMBUTIDOS EM OUTROS PRODUTOS, OPERAÇÕES ESTRUTURADAS COM DERIVATIVOS E OS CHAMADOS “DERIVATIVOS EXÓTICOS”. A COMPANHIA E SUAS CONTROLADAS NÃO OPERAM COM INSTRUMENTOS FINANCEIROS DERIVATIVOS COM PROPÓSITOS DE ESPECULAÇÃO.

(23)

5. PANORAMA DO RESULTADO

A comparação das informações apresentadas refere-se ao resultado de Lojas Americanas S.A. nos exercícios sociais findos em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 (reapresentado), exceto quando indicado o contrário. As informações contábeis que servem de base para os comentários abaixo estão apresentadas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil. Os resultados de 2009 e 2008 contemplam os ajustes aplicáveis a Lei 11.638/07. Vale ressaltar que os dados históricos de 2003 a 2007 estão em conformidade com as normas societárias vigentes na época em que foram divulgados.

2009 2008 Var. (%) Destaques Financeiros (R$ MM) 2009 2008 Var. (%)

reapresentação reapresentação

10.592,6 9.260,3 14,4% Receita Bruta 5.579,3 4.883,4 14,3%

8.335,0 6.975,1 19,5% Receita Líquida 4.609,5 3.932,8 17,2%

2.577,5 2.233,8 15,4% Lucro Bruto 1.391,0 1.226,4 13,4%

30,9% 32,0% -1,1 pp Margem Bruta (%RL) 30,2% 31,2% -1,0 pp

1.100,3 895,6 22,9% EBITDA 644,0 541,0 19,0%

13,2% 12,8% +0,4 pp Margem EBITDA (%RL) 14,0% 13,8% +0,2 pp

152,0 89,5 69,8% Lucro Líquido 152,0 89,5 69,8%

1,8% 1,3% +0,5 pp Margem Líquida (%RL) 3,3% 2,3% +1,0 pp

Consolidado Controladora

Receita Bruta

No quarto trimestre de 2009 (4T09), a receita bruta consolidada da Companhia totalizou R$ 3,298 bilhões, representando um crescimento de 15,5% contra o mesmo período de 2008 (4T08).

Na visão da controladora, a receita bruta no 4T09 totalizou R$ 1,838 billhão, comparada a R$ 1,623 bilhão registrado no 4T08, o equivalente a um crescimento de 13,2%.

No ano de 2009, a receita bruta consolidada da Companhia totalizou R$ 10,593 bilhões, valor 14,4% superior aos R$ 9,260 bilhões registrados em 2008.

Na visão da controladora, a receita bruta acumulada totalizou R$ 5,579 bilhões, valor 14,3% superior aos R$ 4,883 bilhões registrados em 2008.

(24)

Quarto trimestre

Receita Bruta Consolidada (R$ m ilhões)

826 1.006 1.315 1.821

2.579 2.856 3.298

4T03 4T04 4T05 4T06 4T07 4T08 4T09 CAGR = 26,0%

Receita Bruta Contr olador a (R$ m ilhõe s)

713 828 977

1.228 1.449

1.838 1.623

4T03 4T04 4T05 4T06 4T07 4T08 4T09 CAGR = 17,1%

Acumulado até dezembro

Receita Bruta Consolidada (R$ m ilhões)

2.325 2.949 3.640

5.020 7.722

9.260 10.593

2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 CAGR = 28,8%

Receita Bruta Controladora (R$ m ilhões)

2.012 2.465 2.738 3.374

4.1154.883 5.579

2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 CAGR = 18,5%

Receita Bruta Consolidada por Associado

No acumulado do ano de 2009, a receita bruta consolidada por Associado foi de R$ 669 mil, o equivalente a um crescimento de 16% em relação a 2008.

Receita Bruta Consolidada por Associado (R$ m il)

344

577 669 465

266 309

432

2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 CAGR = 16,6%

(25)

Receita Líquida

No 4T09, a receita líquida consolidada de Lojas Americanas e suas controladas atingiu R$ 2,642 bilhões, comparada a R$ 2,125 bilhões registrados no 4T08, o equivalente a um crescimento de 24,3%.

A receita líquida da controladora no 4T09 foi de R$ 1,534 bilhão, comparada ao total de R$ 1,299 bilhão registrado em 2008, o que representa um crescimento de 18,1% entre os períodos.

Em 2009, a receita líquida consolidada de Lojas Americanas e suas controladas foi de R$ 8,335 bilhões, 19,5% acima daquela apurada no ano anterior.

A receita líquida da controladora no ano 2009 foi de R$ 4,610 bilhões e cresceu 17,2% em relação ao ano de 2008.

No conceito “mesmo número de lojas”, ou seja, excluindo as lojas novas com menos de um ano da inauguração, o crescimento da receita líquida no 4T09 foi de 17% em relação ao 4T08. O crescimento da receita líquida “mesmas lojas” no ano de 2009 foi de 11%.

Receita Líquida Consolidada (R$ m ilhões)

1.938 2.278 2.767 3.784

5.731 6.975

8.335

2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 CAGR = 27,5%

Receita Líquida Controladora (R$ m ilhões)

1.690 1.9232.132 2.630 3.210

3.933 4.610

2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 CAGR = 18,2%

(26)

Lucro Bruto

O lucro bruto consolidado no 4T09 atingiu R$ 861,6 milhões. A margem bruta consolidada no 4T09 foi de 32,6% da receita líquida (RL), comparada à margem de 34,1% verificada no ano anterior.

Na controladora, a margem bruta do 4T09 foi de 33,4% da RL enquanto em 2008 foi de 34,6% da RL.

O lucro bruto consolidado no ano atingiu R$ 2.577,5 milhões, 15,4% superior ao acumulado do ano anterior. A margem bruta consolidada em 2009 foi de 30,9% da receita líquida (RL), comparada à margem de 32,0% verificada em 2008.

Na Controladora, o lucro bruto atingiu R$ 1.391,0 milhões no ano, 13,4% superior ao acumulado no ano anterior. A margem bruta da Controladora em 2009 foi de 30,2% da RL, comparada com a margem de 31,2% no ano anterior.

Ao longo de 2009, novas categorias foram introduzidas no regime de substituição tributária principalmente no estado de São Paulo, o que afeta a margem bruta, porque no regime de substituição tributária o registro do ICMS passa a incidir no Custo da Mercadoria Vendida (CMV) e não mais na linha de impostos sobre venda.

Lucro Bruto Consolidado (R$ m ilhões)

204,5

315,0 443,4

618,8 724,7

861,6

243,0

4T03 4T04 4T05 4T06 4T07 4T08 4T09

Lucro Bruto Controladora (R$ m ilhões)

244,9

449,2512,5 306,4

175,4 202,1

357,8

4T03 4T04 4T05 4T06 4T07 4T08 4T09

(27)

Lucro Bruto Consolidado (R$ m ilhões)

585,1 839,71.167,2 1.831,9

2.233,82.577,5

704,2

2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009

Lucro Bruto Controladora (R$ m ilhões)

646,9

1.226,4 1.391,0

795,8 496,2 580,5

966,1

2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009

Despesas Operacionais

No 4T09, as despesas operacionais (sem depreciação e amortização) consolidadas totalizaram R$ 376,9 milhões, ou 14,3% da receita líquida (RL), uma queda de 2,7, pp em relação ao ano anterior.

Na visão da Controladora, as despesas operacionais (sem depreciação e amortização) no 4T09 atingiram R$ 200,9 milhões, ou 13,1% da RL, contra R$

186,2 milhões, ou 14,3% da RL no 4T08.

No acumulado do ano 2009, as despesas operacionais consolidadas (sem depreciação e amortização) atingiram R$ 1.477,2 milhões, ou 17,7% da receita líquida, uma queda de 1,5 p.p. em relação ao ano anterior.

Deve-se considerar nesta análise a abertura de 14 lojas em 2009; a evolução das vendas do nosso comércio eletrônico, que cresceram 14% no acumulado do ano de 2009; e a Financeira Americanas Itaú, que cresceu sua carteira de recebíveis em 56%, atingindo R$ 798 milhões (50% consolidado na Lojas Americanas).

Na visão da Controladora, as despesas operacionais (sem depreciação e amortização) acumuladas em 2009 atingiram R$ 747,0 milhões, ou 16,2% da receita líquida, uma redução de 1,2 p.p. em relação ao ano anterior.

(28)

Desp. Operac. s/ deprec. &

am ort. Consolidada (%RL)

16,3 17,0

14,3 16,5 16,0

15,5

17,5

4T03 4T04 4T05 4T06 4T07 4T08 4T09

Desp. Operac. s/ deprec. &

am ort. Controladora (%RL) 16,2

14,3 13,1 14,4

16,0 14,2

16,4

4T03 4T04 4T05 4T06 4T07 4T08 4T09

Desp. Operac. s/ deprec. &

am ort. Consolidada (%RL)

18,4

19,2 17,7 19,4

19,0 18,9 18,8

2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009

Desp. Operac. s/ deprec. &

am ort. Controladora (%RL) 18,8

17,4 16,2 17,8

18,3 18,6 18,6

2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009

Resultado Operacional*

No 4T09, o resultado operacional* consolidado foi de R$ 436,7 milhões, representando um crescimento de 39,1% quando comparado a 2008. A margem operacional (%RL) no 4T09 apresentou um crescimento de 1,7 pp em relação ao mesmo período de 2008.

O lucro operacional da controladora no 4T09 foi de R$ 276,2 milhões, o equivalente a um crescimento de 21,0% quando comparado ao verificado no ano anterior. A margem operacional (%RL) apresentou um crescimento de 0,4 p.p. em relação ao mesmo período de 2008.

No acumulado do exercício 2009, o lucro operacional consolidado foi de R$ 916,0 milhões, representando um crescimento de 34,1% quando comparado a 2008. A margem operacional (%RL) apresentou um crescimento de 1,2 p.p. em relação ao ano anterior (%RL).

A evolução na performance operacional de Lojas Americanas e suas controladas, que nos últimos seis anos apresentou uma taxa de crescimento anual média

(29)

(CAGR) de 31,8%, indica que a estratégia da Companhia converge para a consolidação das vantagens competitivas e vem agregando oportunidades para o crescimento de rentabilidade no longo prazo.

O lucro operacional da controladora no acumulado do exercício de 2009 foi de R$ 523,0 milhões, o equivalente a um crescimento de 24,9% quando comparado ao

verificado em 2008. A margem operacional (%RL) apresentou um crescimento de 0,7 p.p. em relação ao ano anterior (%RL).

Res. Operacional Consolidado (R$ m ilhões)

135,3

314,0 436,7

181,4 86,2 104,0

273,8

4T03 4T04 4T05 4T06 4T07 4T08 4T09 CAGR = 31,1%

Res. Operacional Controladora (R$ m ilhões)

107,8

228,2 276,2 169,2

80,7 88,7

133,4

4T03 4T04 4T05 4T06 4T07 4T08 4T09 CAGR = 22,8%

Res. Operacional Consolidado (R$ m ilhões)

267,8

683,2 916,0

368,7 175,0 224,0

566,9

2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 CAGR = 31,8%

Res. Operacional Controladora (R$ m ilhões)

194,2

418,8 523,0 302,8

180,2

148,4 240,1

2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 CAGR = 23,4%

* Resultado Operacional antes do Resultado Financeiro e da Equivalência Patrimonial.

EBITDA

No 4T09, o EBITDA* consolidado totalizou R$ 484,7 milhões, representando 33,3%

de crescimento em relação a 2008. A margem EBITDA consolidada no 4T09 foi de 18,3% da receita líquida (RL) comparada a 17,1% da RL registrada no ano anterior, uma melhora de 1,2 p.p.

Na visão da controladora, o EBITDA do 4T09 totalizou R$ 311,6 milhões, um crescimento de 18,5% em relação ao mesmo período do ano anterior. A margem

(30)

EBITDA da controladora no 4T09 foi de 20,3% da RL, comparada à margem de 20,2% da RL no 4T08.

Em 2009, o EBITDA consolidado totalizou R$ 1.100,3 milhões, representando 22,9% de crescimento em relação a 2008. A margem EBITDA consolidada no ano foi de 13,2% da receita líquida comparada aos 12,8% da RL registrada em 2008.

Em 2009, o EBITDA da controladora alcançou R$ 644,0 milhões, o equivalente a um crescimento de 19,0% quando comparado a 2008. A margem EBITDA da controladora no período foi de 14,0% da RL, 0,2 pp acima da apresentada em 2008.

Apresentamos a seguir a tabela do EBITDA aberto por empresa:

2009 %RL 2008 %RL Var. ($) Var. (%) EBITDA 1.100,3 13,2% 895,6 12,8% 204,7 22,9%

LOJAS AMERICANAS 644,0 14,0% 541,0 13,8% 103,0 19,0%

B2W 488,7 12,9% 407,2 13,1% 81,5 20,0%

FAI, BWU e OUTROS (32,4) - (52,6) - 20,2 -38,4%

É importante observar que o EBITDA tem crescido constantemente a um patamar superior ao crescimento registrado pela receita bruta. No período de 2003 a 2009, a taxa composta de crescimento anual (CAGR) no EBITDA consolidado foi de 31,0%

comparada a uma taxa de 28,8% na receita bruta consolidada. Já na controladora, no mesmo período, o CAGR foi de 23,0% no EBITDA e de 18,5% na Receita Bruta.

Quarto trimestre

98,8 117,0 152,8 205,9

316,6 363,7 484,7

14 , 5% 15, 3 % 15, 3 % 15, 1%

16 , 7% 17, 1%

18 , 3 %

4T03 4T04 4T05 4T06 4T07 4T08 4T09

EBITDA (R$ M M ) EBITDA (% RL)

EBITDA Consolidado CAGR = 30,4%

91,1 98,9 122,0 151,5 195,8

263,0 311,6

2 0 , 2 %

17,4 % 16 , 0 % 16 , 1%

15, 4 % 15,3 %

2 0 , 3 %

4T03 4T04 4T05 4T06 4T07 4T08 4T09

EBITDA (R$ M M ) EBITDA (% RL)

EBITDA Controladora CAGR = 22,7%

(31)

Acumulado até dezembro

217,6 274,7 330,9 455,1

719,5 895,6

1.100,3

11, 2 % 12 ,1% 12 ,0 % 12 ,0 % 12 , 6 % 12 ,8 % 13 ,2 %

2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009

EBITDA (R$ M M ) EBITDA (% RL)

EBITDA Consolidado CAGR = 31,0%

186,4 222,7 245,9 305,6 393,4

541,0 644,0

14 ,0 %

11,0 % 11, 6 % 11, 5% 11,6 % 12 , 3 %

13 , 8 %

2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009

EBITDA (R$ M M ) EBITDA (% RL)

EBITDA Controladora CAGR = 23,0%

EBITDA (LAJIDA – lucro operacional antes de juros, impostos, depreciação e amortização e excluindo despesas extraordinárias ou não operacionais) é apresentado como informação adicional porque acreditamos tratar-se de um indicador importante de nosso desempenho operacional, além de ser útil para a comparação de nosso desempenho com outras Companhias do setor de varejo. No entanto, nenhum número deverá ser considerado isoladamente como um substituto para o lucro líquido apurado de acordo com Legislação Societária e regras da Comissão de Valores Mobiliários ou ainda, como uma medida da lucratividade da Companhia. Além disso, nossos cálculos podem não ser comparáveis a outras medidas similares adotadas por outras companhias.

Vendas por Meios de Pagamentos

A abertura das vendas por meios de pagamentos no acumulado de 2009 e 2008 pode ser verificada na tabela abaixo:

2009 2008 VAR. 2009 2008 VAR.

Dinheiro 53% 51% +2 pp 39% 36% +3 pp

Cheque 1% 1% - 0% 1% -1 pp

Cartão de Crédito 32% 40% -8 pp 50% 57% -7 pp

Cartões de Marca Própria* 14% 8% +6 pp 11% 6% +5 pp

*Considera os cartões de marca própria da Financeira Americanas Itaú e do Submarino Finance.

Controladora Consolidado

Vendas por Meios de Pagamentos Meios de Pagamentos

Capital de Giro

O capital de giro líquido da controladora no 4T09 apresentou uma melhora de 10 dias quando comparado com o 4T08.

A evolução do capital de giro líquido da Lojas Americanas em 2009 demonstra a constante busca pelo aperfeiçoamento de nossos processos operacionais e pelo desenvolvimento da nossa parceria com fornecedores.

(32)

Evolução do Fornecedor (Controladora)

127

106 108

89 102

134

3T08 4T08 1T09 2T09 3T09 4T09

melhor

7 dias

Evolução do Estoque (Controladora)

83 93

98 87 107 86

3T08 4T08 1T09 2T09 3T09 4T09

melhor

1 dia

Evolução do Contas a Receber (Controladora)

54 52

43 42 41 37

3T08 4T08 1T09 2T09 3T09 4T09

melhor

2 dias

Capital de Giro Líquido (Controladora)

4 35 28

35 41 14

3T08 4T08 1T09 2T09 3T09 4T09 melhor

10 dias

Dias de estoque: [360 / (CMV últimos 12 meses / saldo de estoque)]

Dias de fornecedor: [360 / (CMV últimos 12 meses / saldo de fornecedor)]

Dias de contas a receber: [360 / (Vda. Bruta últimos 12 meses / saldo de contas a receber de cartão de crédito bruto)]

Dias de capital de giro líquido: (dias de estoque – dias de fornecedor + dias de contas a receber)

Os valores referentes ao 3T08 não contemplam os efeitos da Lei 11.638/07.

Resultado Financeiro

No 4T09, o resultado financeiro líquido foi de R$ 146,9 milhões negativos na visão consolidada. No ano anterior, este mesmo indicador foi de R$ 122,1 milhões.

Na controladora, o resultado financeiro líquido no 4T09 foi de R$ 63,1 milhões negativos e no 4T08, este mesmo indicador foi de R$ 73,1 milhões negativos.

No ano, a despesa financeira líquida consolidada foi de R$ 548,5 milhões, contra R$ 410,8 milhões em 2008.

Na controladora, a despesa financeira líquida de 2009 foi de R$ 297,0 milhões, ou 6,4% da receita líquida (RL). Em 2008, este mesmo indicador foi de R$ 265,6 milhões, ou 6,8% da RL.

É importante ressaltar que, para uma melhor avaliação do resultado financeiro líquido da controladora, temos que consolidar as receitas e despesas financeiras

(33)

das controladas não operacionais (Klanil, Louise, BWU e outras). Desta forma, demonstramos na tabela a seguir, uma visão do resultado financeiro com estes efeitos.

Abertura do Resultado Financeiro - R$ MM 2009 2008

reapresentação

R$ MM %

(+) Juros e variação monetária das aplicações financeiras 51,6 111,2 -59,6 -53,6%

(+) Ajustes da Lei 11.638/07 54,0 57,3 -3,3 -5,8%

(=) Total Receita Financeira 105,6 168,5 -62,9 -37,3%

(+) Juros e variação monetária dos empréstimos e financiamentos (293,3) (327,7) 34,4 -10,5%

(+) Variação monetária passivo fiscal (11,9) (12,0) 0,1 -0,8%

(+) Impostos sobre transações financeiras (7,8) (10,3) 2,5 -24,3%

(+) Ajustes da Lei 11.638/07 (89,6) (84,1) -5,5 6,5%

(=)Total Despesa Financeira (402,6) (434,1) 31,5 -7,3%

Res. Financ. Líq. Controladora (antes controladas não operacionais) (297,0) (265,6) -31,4 11,8%

(+) Resultado Financeiro Líquido controladas não operacionais e FAI 34,2 30,0 4,2 14,0%

Res. Financ. Líq. Controladora (após controladas não operacionais) (262,8) (235,6) -27,2 11,5%

(+) Resultado Financeiro Líquido B2W - Consolidado (285,7) (175,2) -110,5 63,1%

Res. Financ. Líq. Consolidado (548,5) (410,8) -137,7 33,5%

Variação

A despesa financeira líquida em 2009 da controladora, considerando os efeitos mencionados e antes da B2W, foi de R$ 262,8 milhões e apresentou um crescimento de 11,5% enquanto a receita líquida da controladora cresceu 17,2%.

A Companhia continua reafirmando seu compromisso com a política conservadora de aplicação do caixa, manifestada pela utilização de instrumentos de hedge, em moedas estrangeiras, para fazer frente a eventuais flutuações do câmbio, seja em relação ao passivo financeiro, seja para sua posição de caixa total. Estes instrumentos anulam o risco cambial, transformando o custo da dívida para moeda e taxa de juros locais (em percentual do CDI*). No mesmo sentido, é importante ressaltar que o caixa da Companhia está aplicado nas maiores instituições financeiras do Brasil.

* CDI - Certificado de depósito interbancário: taxa média das captações no mercado interbancário.

(34)

Lucro Líquido e Resultado por Ação

O lucro líquido do quarto trimestre de 2009 foi de R$ 136,9 milhões, valor 55,9%

superior aos R$ 87,8 milhões apurados no mesmo período de 2008.

O lucro líquido em 2009 foi de R$ 152,0 milhões, comparados aos R$ 89,5 milhões registrados em 2008, o equivalente a um crescimento de 69,8%.

É importante destacar que em 2009, o lucro líquido por ação em circulação (excluindo as ações em tesouraria), foi de R$ 0,21, 75,0% superior ao montante de R$ 0,12 apresentado no ano anterior.

A tabela a seguir apresenta as principais variações do EBITDA ao lucro líquido na controladora:

CONCILIAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO

R$MM 2009 2008 Var. ($) Var. (%)

reapresentação

EBITDA 644,0 541,0 103,0 19,0%

(+) Depreciação/Amortização (121,0) (122,2) 1,2 -1,0%

(+) Resultado Financeiro Controladora (297,0) (265,6) (31,4) 11,8%

(+) Equivalência B2W 26,9 35,3 (8,4) -23,8%

(+) Equivalência FAI (25,1) (37,7) 12,6 -33,4%

(+) Equiv. Outras controladas / Outras rec. (desp.) operac.* (10,3) (16,1) 5,8 -36,0%

(+) Participação Estatutária (7,4) (7,0) (0,4) 5,7%

(+) IR e CS (58,1) (38,2) (19,9) 52,1%

LUCRO LÍQUIDO 152,0 89,5 62,5 69,8%

LUCRO LÍQUIDO POR AÇÃO R$ 0,21 R$ 0,12 0,09 75,0%

AÇÕES EM CIRCULAÇÃO 725.934 728.644

* Na antiga norma contábil, chamado de "resultado não operacional".

Lojas Americanas (Controladora)

Endividamento

Lojas Americanas utiliza sua geração de caixa priorizando investimentos que apresentem os melhores retornos para os acionistas. Listamos a seguir as principais ações realizadas no ano de 2009:

• Investimentos da Lojas Americanas e da B2W no imobilizado, diferido e intangível (desenvolvimento de websites e sistemas) de R$ 242,1 milhões;

• Pagamento de juros sobre o capital próprio e dividendos brutos no valor de R$ 30,4 milhões;

• Recompra de ações da própria emissão (LAME3 e LAME4) no montante de R$ 2,6 milhões;

Imagem

Referências

temas relacionados :