GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM PROCESSO. Língua Portuguesa

16 

Loading.... (view fulltext now)

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Texto

(1)

EF

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA EDUCAÇÃO

AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM PROCESSO

Língua Portuguesa

9o ano do Ensino Fundamental Turma _________________ 2o Bimestre de 2016 Data _____ / _____ / ______

Escola _________________________________________________ Aluno _________________________________________________

(2)
(3)

Leia o texto e responda às questões 1, 2 e 3.

A cicatriz

[...] Harry era proibido de usar a magia fora de Hogwarts, mas não perdiam a mania de culpá-lo por tudo que acontecia de errado na casa. Harry nunca pudera fazer confidências a eles, nem contar nada de sua vida no mundo da magia. A simples ideia de procurá-los quando acordassem para falar que sua cicatriz estava doendo e que estava preocupado com Voldemort era ridícula.

No entanto, era por causa de Voldemort que Harry viera morar com os Dursley, para início de conversa. Se não fosse por aquele bruxo, Harry não teria na testa a cicatriz em forma de raio. Se não fosse por Voldemort, o garoto ainda teria pais...

Harry tinha um ano de idade na noite em que Voldemort brandira1 sua va-rinha contra Harry; executara o feitiço que havia liquidado muitos bruxos adultos durante sua ascensão ao poder – e, inacreditavelmente, o feitiço não produzira efeito. Em vez de matar o garotinho, o feitiço se voltara con-tra o bruxo. Harry sobrevivera marcado apenas por um corte em forma de raio na testa, mas Voldemort fora reduzido a uma coisa quase sem vida. Despojado de seus poderes, a vida quase extinta, ele fugira; o terror em que a comunidade secreta de bruxos vivera tanto tempo se dissipou, os segui-dores de Voldemort debandaram, e Harry Potter se tornou famoso. [...]

ROWLING, J. K. Harry Potter e o Cálice de Fogo. Rio de Janeiro: Rocco, 2001. Tradução: Lia Wyler. p. 21-22

(4)

Questão 1

“A cicatriz” é um exemplo de texto com características que, geralmente, agradam aos (A) bruxos. (B) jovens. (C) mágicos. (D) escritores.

Questão 2

Em “[...] Harry sobrevivera marcado apenas por um corte em forma de raio na testa, mas Voldemort fora reduzido a uma coisa quase sem vida. [...]”, a vírgula é um recurso utilizado pelo autor para

(A) apontar a ausência de palavras.

(B) separar as palavras de uma sequência. (C) separar as duas orações.

(D) ligar a primeira frase à conjunção.

Questão 3

No trecho “que havia liquidado muitos bruxos adultos durante sua ascen-são ao poder”, a palavra que faz referência

(A) à varinha. (B) a raio. (C) a feitiço. (D) à magia.

(5)

Leia o texto e responda às questões 4, 5 e 6.

Com o computador, a linguagem entra em rede

[...] A segunda metade do século XX [...] foi pródiga na produção de novas tecnologias e na socialização das mesmas. Dentre elas existe uma máquina especial, o computador, que se alastra por quase todo mundo e invade os mais variados ambientes, dos laboratórios às salas de aula, dos bancos aos escritórios e consultórios, dos gabinetes oficiais às instituições comerciais, chegando ao espaço privado das residências, e, mais ainda, andando com as pessoas, na sua versão portátil. Por meio do computador enviamos e re-cebemos mensagens, obtemos informações, nos divertimos. Desse modo, em todos os lugares tecnologicamente preparados, a comunicação huma-na passa pelo crivo desse aparelho, que estabelece uma rede interativa mundial.

A concepção e o uso do computador, que se valem da linguagem ver-bal, visual e cinestésica, fazem-nos pensar no lugar que essa tecnologia vai ocupar cada vez mais na vida contemporânea, nos modos de ler e se comunicar que ela propicia e no confronto com a cultura livresca que, sem dúvida, está acontecendo. Estamos no limiar de uma nova era, e há os que afirmam a morte do livro [...].

AGUIAR, Vera Teixeira de. O verbal e o não verbal. São Paulo: UNESP, 2004. p. 91-92. (Coleção Paradidáticos; Série Poder).

(6)

Questão 4

“O computador, que se alastra por quase todo mundo e invade os mais va-riados ambientes”, remete à ideia de que

(A) a comunicação humana depende da utilização de computadores para se efetivar.

(B) o aspecto tecnológico depende da linguagem em rede para que exista interação.

(C) o uso dessa tecnologia é abrangente e está em constante transforma-ção.

(D) a morte do livro é certa, pois o computador é capaz de usar linguagens variadas.

Questão 5

A oração em destaque no último parágrafo do texto vem isolada por vírgu-las para

(A) conferir à oração características de importância social para as variadas linguagens.

(B) mostrar que as linguagens verbal, visual e cinestésica são essenciais ao sentido da oração.

(C) destacar que a concepção e o uso do computador utilizam as lingua-gens verbal, visual e cinestésica.

(D) enfatizar que as linguagens precisam envolver outras técnicas de comu-nicação.

(7)

Questão 6

O texto “Com o computador, a linguagem entra em rede” é um estudo diri-gido geralmente a

(A) professores de sociologia. (B) professores de português. (C) técnicos de informática. (D) técnicos de laboratório.

Leia o texto e responda às questões 7 e 8.

Quadrilha

João amava Teresa que amava Raimundo

que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili que não amava ninguém.

João foi pra os Estados Unidos, Teresa para o convento, Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia, Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes que não tinha entrado na história.

ANDRADE, Carlos Drummond de. Menino Drummond. 1ª.ed. São Paulo: Companhia das Letrinhas, 2012. Ilustração: Angela Lago. p. 11

(8)

Questão 7

Nos versos “João amava Teresa que amava Raimundo/ que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili/ que não amava ninguém”, os termos em destaque

(A) estabelecem relação causal. (B) referem-se à palavra anterior. (C) passam a ideia de consequência. (D) relacionam-se à ideia de lugar.

Questão 8

Pela leitura do poema, conclui-se que o autor (A) retrata a relação amorosa entre João e Lili.

(B) expressa a relação amorosa entre Teresa e J. Pinto. (C) retrata a desilusão amorosa com exceção de Lili. (D) reflete as relações de casamento por interesse.

(9)

Leia o texto e responda às questões 9 e 10.

Consumo Sustentável

[...] O Consumo Sustentável envolve a escolha de produtos que utilizaram menos recursos naturais em sua produção, que garantiram o emprego de-cente aos que os produziram, e que serão facilmente reaproveitados ou re-ciclados. Significa comprar aquilo que é realmente necessário, estendendo a vida útil dos produtos tanto quanto possível. Consumimos de maneira sustentável quando nossas escolhas de compra são conscientes, responsá-veis, com a compreensão de que terão consequências ambientais e sociais – positivas ou negativas.

Mudança de comportamento é algo que leva tempo e amadurecimento do ser humano, mas é acelerada quando toda a sociedade adota novos valores. O termo “sociedade de consumo” foi cunhado para denominar a sociedade global baseada no valor do “ter”. No entanto, o que observamos agora são os valores de sustentabilidade e justiça social fazendo parte da consciên-cia coletiva, no mundo e também no Brasil. Este novo olhar sobre o que deve ser buscado por cada um promove a mudança de comportamento, o abandono de práticas nocivas de alto consumo e desperdício e adoção de práticas conscientes de consumo.

Consumo consciente, consumo verde, consumo responsável são nuances do Consumo Sustentável, cada um focando uma dimensão do consumo. O consumo consciente é o conceito mais amplo e simples de aplicar no dia a dia: basta estar atento à forma como consumimos – diminuindo o des-perdício de água e energia, por exemplo – e às nossas escolhas de com-pra – privilegiando produtos e empresas responsáveis. A partir do consumo consciente, a sociedade envia um recado ao setor produtivo de que quer que lhe sejam ofertados produtos e serviços que tragam impactos positi-vos ou reduzam significativamente os impactos negatipositi-vos no acumulado do consumo de todos os cidadãos. [...].

Disponível em:<http://www.mma.gov.br/responsabilidade-socioambiental/producao-e-consumo--sustentavel/conceitos/consumo-sustentavel>. Acesso em: 23 de abril de 2016. (Adaptado)

(10)

Questão 9

O autor defende a ideia de que

(A) devemos praticar o consumo consciente e comprar somente o necessá-rio, avaliando os impactos ao meio ambiente.

(B) mudamos o comportamento para o consumo consciente, pois já ocorre o amadurecimento humano em nosso país.

(C) observamos os valores de sustentabilidade e justiça social, que fazem parte da consciência coletiva no Brasil.

(D) praticamos o consumo consciente, porque compramos produtos que aumentam os impactos negativos.

Questão 10

O autor do texto acredita que

(A) novos valores favorecem a mudança de comportamento do consumi-dor.

(B) o consumo verde interfere diretamente na responsabilização das em-presas.

(C) a responsabilização do consumidor, sob o olhar da justiça, não favorece a mudança de comportamento.

(D) o desperdício de água e energia elétrica na sociedade não favorecem a mudança de comportamento.

(11)

Leia o texto e responda às questões 11 e 12.

O Fim da Sacola Plástica em Nome do Meio Ambiente

Nos últimos meses, a mídia nacional trouxe à tona uma discussão acer-ca de uma temátiacer-ca muito próxima ao dia a dia dos milhares de clientes das redes de supermercados de grandes centros urbanos (como na cida-de cida-de São Paulo): a substituição das sacolas plásticas. A medida adotada também por outras cidades no país, até mesmo como cumprimento de recentes legislações municipais, dividiu a opinião pública, configurando uma forte polêmica em torno de uma possível pergunta: até que ponto o não fornecimento de sacolinhas por redes de supermercado e outros estabelecimentos contribui, de forma relevante, na luta contra a poluição do meio ambiente?

O intuito deste breve artigo não é, obviamente, responder à questão, mas sim propor uma reflexão em torno dela. Do ponto de vista sociológico, a sacolinha talvez possa deixar de ser um mero objeto presente em nosso cotidiano para tornar-se protagonista, quando se destaca o fato de estar associada à prática do consumismo desmedido tão comum em nossos dias atuais. De forma muito objetiva, a existência e a utilidade prática das saco-las estão ligadas à necessidade do transporte das centenas de milhares de compras que são realizadas todos os dias. [...]

Nesse sentido, o que se sugere como aspecto importante para a ampliação do debate é considerar que o uso das sacolas plásticas está diretamente li-gado ao consumo, não podendo dele se desvincular. Se realmente devemos considerar que a diminuição do uso das sacolinhas pode contribuir na luta contra a poluição e a degradação ambiental (uma vez que são compostas de polietileno, produto derivado do petróleo), talvez seja válido considerar que para além delas estão também, sem dúvida alguma, as inúmeras emba-lagens dos mais diversos produtos que consumimos diariamente. Como se sabe, comidas industrializadas, cosméticos, produtos de limpeza, e tantos outros, possuem embalagens de plástico, papel, isopor, enfim, todos são poluentes.

(12)

Logo, um dos pontos da polêmica não está apenas na efetiva contribuição (ou não) à questão ambiental pela substituição das sacolas, uma vez que se sabe que são realmente poluentes. [...]

O despontar de uma preocupação cada vez mais presente com relação às questões ambientais (as quais abarcam outras questões como o proble-ma do acondicionamento do lixo produzido pelos centros urbanos), assim como discussões acerca do que hoje se chama de desenvolvimento susten-tável, estão na ordem do dia, isto é, são fundamentais. Porém, também se faz necessário que a sociedade civil, o Estado e a iniciativa privada estejam abertos e dispostos a discutir temáticas como essas. A despeito do aspecto ecológico, a discussão em torno das sacolas plásticas perpassa por outras esferas, seja no tocante à necessidade do consumo consciente, seja no que diz respeito à garantia dos diretos do consumidor. Logo, um olhar crítico so-bre temáticas como essa de interesse público é algo fundamental, pois isso tem a ver com a compreensão de nosso papel dentro da sociedade civil, isto é, envolve nossa participação política e exercício da cidadania.

Disponível em: <http://brasilescola.uol.com.br/sociologia/o-fim-sacola-plastica-nome-meio-am-biente.htm>. Acesso em: 23 de abril de 2016. (Adaptado)

(13)

Questão 11

O autor defende a ideia de que

(A) existem outras embalagens como cosméticos e produtos de limpeza que são mais poluentes que a sacolinha plástica.

(B) há defesa do uso da sacola plástica, pois ela não é a única a poluir o meio ambiente.

(C) existem apelos promocionais que invadem os meios de comunicação, induzem ao consumo e ofertam sacolas para promover marcas.

(D) há a necessidade de ampliar o debate sobre o uso da sacola plástica, pois existem outras embalagens que trazem dano ao meio ambiente.

(14)

Questão 12

A posição do autor com relação ao uso de sacolinhas plásticas está em: (A) “[...] a mídia nacional trouxe à tona uma discussão acerca de uma

temá-tica muito próxima ao dia a dia dos milhares de clientes das redes de supermercados de grandes centros urbanos [...]”.

(B) “A medida adotada também por outras cidades no país, até mesmo como cumprimento de recentes legislações municipais, dividiu a opi-nião pública [...]”.

(C) “[...] até que ponto o não fornecimento de sacolinhas por redes de su-permercado e outros estabelecimentos contribui, de forma relevante, na luta contra a poluição do meio ambiente?”

(D) “De forma muito objetiva, a existência e a utilidade prática das sacolas estão ligadas à necessidade do transporte das centenas de milhares de compras que são realizadas todos os dias".

(15)
(16)

Imagem

Referências

temas relacionados :