SOBRECARGA EMOCIONAL DO PROFISSIONAL DA ENFERMAGEM NO TRABALHO EMOTIONAL OVERLOAD OF NURSING PROFESSIONALS AT WORK

Texto

(1)

Página 1 editorial.revistaeducacaoemfoc@gmail.com

SOBRECARGA EMOCIONAL DO PROFISSIONAL DA ENFERMAGEM NO TRABALHO

EMOTIONAL OVERLOAD OF NURSING PROFESSIONALS AT WORK

SOBRECARGA EMOCIONAL DE PROFESIONALES DE ENFERMERÍA EN EL TRABAJO

Alyne da Silva Bonfim1 Odirley Cerqueira Santos RESUMO

O enfermeiro está envolvido no processo saúde - doença, ou seja, são profissionais prioritários na área da saúde visando à proteção e promoção da saúde do indivíduo em diversificadas proporções com compromisso ético em defesa da vida. No contexto profissional estão intrinsecamente envolvidos a fatores nos quais compromete a qualidade de vida onde estão sujeitos ao desequilíbrio dinâmico, afetivo, emocional e social devido à sobrecarga de trabalho como, ansiedade, altos níveis de exaustão, perda de humor e fadiga mental. Contanto muitas pesquisas apontam que o profissional da área da saúde passa por um processo gradativo que pode ser denominado de despersonalização podendo causar insatisfação profissional, estando estes aspectos evidenciados no decorrer do estudo, evidenciando vários acontecimentos que podem contribuir para o adoecimento no ambiente de trabalho.

Palavras-chave: Enfermagem, Emocional, Estresse, Trabalho.

ABSTRACT

The nurse is involved in the health-disease process, that is, they are priority professionals in the health area, aiming at the protection and promotion of the individual's health in different proportions with ethical commitment in defense of life. In the professional context, they are intrinsically involved in factors that compromise the quality of life where they are subject to dynamic, affective, emotional and social imbalances due to work overload such as anxiety, high levels of exhaustion, loss of mood and mental fatigue.

However, many studies indicate that the health professional goes through a gradual process that can be called depersonalization, which can cause professional dissatisfaction, these aspects being evidenced during the study, evidencing several events that can contribute to the illness in the work environment.

Keywords: Nursing, Emotional, Stress, Work.

RESUMEN

La enfermera está involucrada en el proceso salud - enfermedad, es decir, son profesionales prioritarios en el área de la salud que buscan la protección y promoción de la salud del individuo en distintas proporciones con un compromiso ético en defensa de la vida. En el contexto profesional, están intrínsecamente involucrados en factores que

1 alyneaz09@gmail.com

(2)

Página 2 editorial.revistaeducacaoemfoc@gmail.com

comprometen la calidad de vida donde están sujetos a desequilibrios dinámicos, afectivos, emocionales y sociales por sobrecarga laboral como ansiedad, altos niveles de agotamiento, pérdida del estado de ánimo y fatiga mental. Sin embargo, numerosos estudios señalan que el profesional de la salud pasa por un proceso gradual que se puede denominar despersonalización, lo que puede generar insatisfacción profesional, siendo estos aspectos evidenciados durante el estudio, evidenciando varios eventos que pueden contribuir a la enfermedad en el ambiente laboral.

Palabras-clave

Enfermería, Emocional, Estrés, Trabajo.

INTRODUÇÃO

A enfermagem é uma profissão de caráter técnico/científico, enlaçado com a saúde, vinculada a assistência e qualidade de vida das pessoas, famílias e coletividade, compreendendo que as ações em saúde visam cumprir as necessidades de bem-estar da população e de defesa de princípios políticos públicos, sócio/ambientais e culturais, pautados na promoção da saúde nos campos de ações com compromisso ético em defesa da vida.

Elenca se que há vários fatores estressantes que implicam sobre o ambiente de trabalho destes profissionais, tais dimensões podem comprometer a saúde emocional e impor alterações comportamentais que levam a um estado de sofrimento e diminuição de saúde física e mental.

Sabendo que o estresse é um estado produzido por uma alteração no ambiente que é percebida como perigosa ameaçadora ou danosa ao equilíbrio dinâmico de uma pessoa, dado que a alteração, ou o estímulo que evoca esse estado é denominada como um fator causal estressor, já que não se pode menosprezar o fato de que cada pessoa pode avaliar e lidar com situações que se alteram de formas diferentes MENEGUINI F, et al, (2011).

As implicações e patologias advindas do estresse, tem levado atualmente a comunidade cientifica a inúmeros estudos sobre a influência deste acontecimento na qualidade de vida no meio profissional, constituindo-se então como importante fator problema de saúde pública na atualidade do mundo moderno. Silva RM, et al, (2011).

Sendo assim a realização do referido estudo se justifica pela relevância da saúde pública assim como dos profissionais da enfermagem, posto que esta categoria profissional por sua própria natureza e características de seu trabalho, revelam-se suscetível ao fenômeno do estresse ocupacional em decorrência da responsabilidade pela vida e proximidade com os clientes para os quais o sofrimento é quase inevitável. MENEGUINI F, et al, (2011) e Müller DVK (2004).

Desta forma este estudo tem como finalidade salientar questões relacionadas à sobrecarga emocional do profissional da enfermagem, como também entender os principais desafios enfrentados pelos mesmos quanto aos aspectos laborais desta categoria profissional.

METODOLOGIA

Estudo bibliográfico exploratório descritivo de abordagem qualitativa e quantitativa.

Foram incluídos no estudo profissionais Enfermeiros(as) que gerenciam as equipes de enfermagem ou ocupam o cargo de direção da Unidade de Saúde, Técnico (as) e Auxiliares em Enfermagem, maiores de dezoito anos da área da Saúde Pública,

(3)

Página 3 editorial.revistaeducacaoemfoc@gmail.com

atuando no momento da pesquisa.

Foram excluídos Enfermeiro(as) e Técnico(as) e Auxiliares em Enfermagem afastados por motivo de doença, licença prêmio, ou férias, e ainda aqueles foram encontrados durante o período da pesquisa e, ou, não aderiram à pesquisa.

O referido estudo ocorreu em duas etapas: a primeira se deu por meio de uma análise bibliográfica de literaturas existentes em revistas online indexadas brasileiras nas plataformas, SciELO, BIREME e lilacs.

A segunda etapa da coleta de dados ocorreu no período de 21 de setembro a 10 de outubro de 2020 no modo virtual (Whats/App e e-mail), devido às regras de isolamento social de acordo com normas estabelecidas pelo Ministério da Saúde referente à Pandemia do COVID-19.

O referido estudo foi realizado de acordo com as Diretrizes Reguladores de Pesquisa que envolvem Seres Humanos de acordo com Resolução Normativa 466/12, enviado via plataforma Brasil, ao comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Guarulhos.

Após a aprovação do referido comitê e autorização da Secretaria Municipal de Saúde.

Foi iniciado a coleta de dados que ocorreu, através de questionário fechado com perguntas objetivas e estruturadas de múltipla escolha.

Os participantes voluntários deste estudo foram informados sobre os procedimentos a serem realizados durante a pesquisa, como também assinaram o termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE).

Os dados de caráter qualitativo/quantitativo foram comparados e analisados, de acordo com o valor e significância de cada resposta.

Os resultados foram tabulados e analisados de acordo com sua distribuição numérica, identificando assim os principais riscos de adoecimento do profissional da enfermagem relacionado às condições de trabalho.

A análise de conteúdo realizada por esta pesquisa buscou comparar as amostras de dados coletadas com embasamento nas literaturas científicas.

A escolha da metodologia utilizada teve como finalidade alcançar dados reais referentes ao objetivo geral proposto.

APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS

A amostra de dados coletada ocorreu com a participação voluntária de 20 totalizando 100%, os participantes entrevistados foram enfermeiros atuantes na rede de Saúde Pública do Município de Itaquaquecetuba, dentre os 20 entrevistados 4% são homens, 16% são mulheres.

A categoria que se evidenciou a partir da análise das entrevistas realizadas foi uma categoria que têm por finalidade descrever e compor toda a temática do estudo, e podem ser consultadas sob o seguinte título: Percentual de enfermeiros que apresentam desmotivação profissional devido à percepção de desvalorização e cobranças excessivas.

Categoria 1 - Percentual de enfermeiros que apresentam desmotivação profissional devido á percepção de desvalorização e cobranças excessivas.

A distribuição do percentual observado na amostra estudada em relação á percepção da confiança dos participantes sobre sua identidade pessoal, comportamento e carreira profissional configurou-se da seguinte forma: 75% dos participantes se sentem confiantes 25% relataram sentir se mais ou menos, conforme os dados do gráfico a seguir:

(4)

Página 4 editorial.revistaeducacaoemfoc@gmail.com

Fonte: Santos; Bonfim, 2020.

Através do gráfico- 1 percebe se que a maioria dos enfermeiros desta pesquisa possuem uma visão positiva sobre seu valor e trabalho profissional, apenas 25%

apresentaram uma percepção subestimada do seu valor enquanto pessoa e profissional.

Silva JLLS, Dias AC, Teixeira LR, (2012. P. 147) mencionam que no “Brasil, a maioria dos trabalhadores de enfermagem se concentram nos hospitais, o que responde a tendência técnico-assistencialista do setor de saúde”.

A falta de recursos humanos é o principal problema evidenciado por diversos autores, a sobrecarga de trabalho, baixos rendimentos salariais, horários estendidos de jornada de trabalho corroboram a desmotivação profissional e consequentemente as suas implicações como a Síndrome de Burnout.

Em relação à sensação de se sentir desvalorizado, verificou-se que 55% sentem essa dimensão, 30% afirmam que mais ou menos, outros 15% alegam que não se sentem desvalorizados. Isso significa que a maioria dos participantes entrevistados não possuem um grau de satisfação elevado no ambiente de trabalho o que pode ser observado no gráfico a seguir.

Fonte: Santos; Bonfim, 2020.

75%

25%

GRÁFICO 1- Possui dúvida sobre sua identidade , comportamento e carreira

profissional?

Não Sim

55%

30%

15%

GRÁFICO 2 - Sente desvalorizado em sua area de atuação profissional?

Sim

Mais ou menos Não

(5)

Página 5 editorial.revistaeducacaoemfoc@gmail.com

BATISTA AAV, et al, (2005) mencionam que o grau de satisfação e motivação de uma pessoa pode influenciar no seu psicológico no ambiente de trabalho, desta forma o profissional da enfermagem necessita estar satisfeito e motivado para manter sua saúde mental e física estando assim preparado para prestar uma assistência segura e de qualidade.

O estresse psicológico devido a excessivas cobranças e o sentimento de desvalorização profissional vivenciado faz com que muitos profissionais partam em busca novos meios de sobrevivência e realização pessoal, sendo assim no que refere a pergunta:

“Você já pensou em mudar de profissão acreditando encontrar uma área profissional na qual seja menos cobrado”, obteve-se a seguinte resposta de acordo com o Gráfico 03, onde 45% dos participantes pensam em trocar de profissão; 35% assinalaram que não e, 15% demonstraram-se indecisos quanto a questão, apenas 5% afirmaram que às vezes sente esta necessidade.

Fonte: Santos; Bonfim, 2020.

Sobre a sensação de “se sentir cobrado” além de suas atribuições, 40% afirmaram que sim, 20% não sentem desta forma, e os outros 40% não sabem ou ficaram indecisos, como demonstra Gráfico - 04:

Fonte: Santos; Bonfim, 2020.

45%

15%

35%

5%

GRÁFICO 3 - Você já pensou em trocar de profissão acreditando encontrar um

aréa que seja menos cobrada?

Sim Mais ou menos

40%

40%

20%

GRÁFICO 4 - Sente que é cobrado além do normal para a

suas atribuições?

SIM NÃO MAIS OU MENOS

(6)

Página 6 editorial.revistaeducacaoemfoc@gmail.com

ABREU KL de STOLL et al, (2002) menciona que a síndrome de Burnout constitui um dos grandes problemas psicossociais da atualidade, e reflete o modo de vida capitalista, baseado na lógica dos meios de produção e do consumo desenfreado. Portanto trata- se de um problema característico do homem moderno, que tem cada vez menos tempo para realizar atividades prazerosas, como lazer e estar na companhia da família em detrimento de ritmo de trabalho desconforme com os seus reais limites. Com isso, sobressai o estresse, e o homem chega ao nível crítico de esgotamento.

Buscando entender o grau de sofrimento psíquico dos profissionais devido ao estresse foi realizada a seguinte questão norteadora: “Você tem crises de choro, aparentando ter fragilidade emocional?”.

A distribuição do percentual observado na amostra estudada em relação a questão norteadora supracitada ficou configurada da seguinte forma: 75% dos participantes mencionaram não passar por esta dimensão, 15% relataram que às vezes sentem-se fragilizados e 10% afirmaram que sim, ou seja, a sensação de fragilidade emocional perdura somente sob a minoria dos participantes, o que demonstra o Gráfico 05, a seguir.

Fonte: Santos; Bonfim, 2020.

WANG S et al, (2015) cita que as consequências do desgaste profissional ocasionadas por excesso de responsabilidades são as principais causas da fadiga mental e desmotivação destes trabalhadores.

Os profissionais da categoria de enfermagem lidam diariamente com situações de alto risco que se vinculam a vida e a morte de outros, sendo assim foi realizado a seguinte questão pois cada ser humano pode apresentar uma forma de reagir a acontecimentos inusitados e inesperados: “Consegue manter estabilidade emocional em situações adversas?”

75%

15%

10%

GRÁFICO 5- Você tem crises de choro, aparentando ser fragilidade emocional?

NÃO

MAIS OU MENOS SIM

(7)

Página 7 editorial.revistaeducacaoemfoc@gmail.com

Fonte: Santos; Bonfim, 2020.

A amostra evidenciou que a maioria dos entrevistados apresentam uma percepção de desvalorização profissional, que podem ser associadas às cobranças excessivas, à precariedade do serviço e suas interfaces que levam podem levar o trabalhador a realizar um serviço de má qualidade, adicionado ao acúmulo da sobrecarga de trabalho causado pela má implementação dos Sistemas de Saúde Trindade LL, Pires DEP (2013).

Face ao exposto, destaca-se que o papel do enfermeiro, como gestor da equipe de enfermagem se faz necessário para a criação de espaços para discussão e expressão dos seus colaboradores, em questões relativas à saúde e qualidade de vida no trabalho, objetivando a troca de saberes para construção de um ambiente saudável MENEGUINI F et al, (2011).

Em vista de que o esgotamento emocional derivado ao trabalho gera grandes impactos biopsicossociais e econômicos a vida do trabalhador, desta maneira ressalta se a importância da criação de um canal de diálogo entre instituição e trabalhador, uma vez que este proporcionará a criação de estratégias efetivas de prevenção, tratamento, acompanhamento e recuperação aos trabalhadores.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Conclui-se que a sobrecarga emocional oriunda do trabalho engloba multiaspectos focais, que impactam não somente sobre a qualidade do serviço prestado e segurança do paciente, mas também sobre a vida cotidiana pessoal e familiar do trabalhador.

Sendo assim torna-se evidente a necessidade de mais estudos sobre este tema, não somente focando os aspectos fatoriais de causas ou consequências deste desgaste emocional laboral, porém também aspectos que implicam no relacionamento social, pessoal e familiar.

Importante abordar da mesma forma e constância os sentimentos de medo, ansiedade e frustrações que podem gerar sofrimento para o profissional da enfermagem, impactando na assistência prestada, discutir sobre métodos de criação de estratégias e prevenção à saúde do trabalhador da área da saúde.

5%

60%

35%

GRÁFICO 6 - Consegue manter estabilidade emocional em situações adversas?

NÃO MAIS OU MENOS SIM

(8)

Página 8 editorial.revistaeducacaoemfoc@gmail.com

REFERÊNCIAL BIBLIOGRÁFICO

MENEGUINI F, Paz AA, LAUTERT L. Fatores ocupacionais associados aos componentes da síndrome de burnout em trabalhadores de enfermagem. Texto & contexto enferm. 2011 abr/jun; 20(2): 225-33.

SILVA RM, BECK CLC, MAGNAGO TSBS, CARMAGNANI MIS, TAVARES JP, PRESTES FC. Trabalho noturno e a repercussão na saúde dos enfermeiros. Esc. Anna Nery. 2011 abr/jun; 15(2): 270-6.

MULLER DVK. A Síndrome de Burnout no trabalho de assistência à saúde: estudo junto aos profissionais da equipe de enfermagem do Hospital Santa Casa Misericórdia de Porto Alegre [dissertação]. Porto Alegre (RS): Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Pós-graduação Engenharia da Produção e Transportes; 2004.

Silva JLL, Dias AC, Teixeira LR. Discussão sobre as causas da Síndrome de Burnout e suas implicações à saúde do profissional de enfermagem. Aquichan. Vol. 12 nº 2 - Chía, Colombia - agosto 2012. P. 144-159.

Batista AAV, Vieira M J, Cardoso NCS, Carvalho GRP. Fatores de motivação e insatisfação no trabalho do enfermeiro. Rev. Esc. Enfermagem. USP. 2005; 39(1):85-91.

Abreu KL de STOLL et al. Estresse ocupacional e Síndrome de Burnout no exercício profissional da psicologia. Psicologia: Ciência e Profissão, (2002). 22(2), 22-29.

WANG S, LIU Y , WANG L. Esgotamento de enfermeiros: fatores pessoais e ambientais como preditores. J. internacional de prát de enferm. Fevereiro de 2015; 21 (1):

78-86.

Trindade LL, Pires DEP. Implicações dos modelos de atenção primária na carga de trabalho dos profissionais de saúde. Texto contexto - enferm. 2013; 22 (1): 36-42.

Imagem

Referências

  1. WANG
  2. LIU Y ,
temas relacionados :