O QUE É FILOSOFIA E PARA QUE SERVE - FICHAMENTO

Texto

(1)

1 1

FICHAMENTO DE CITAÇÕES

FICHAMENTO DE CITAÇÕES

TEXTO: TEXTO: REFERÊNCIA: REFERÊNCIA:

CITAÇÂO 1

CITAÇÂO 1

“...

“...filosofia tem a ver com uma forma de saber filosofia tem a ver com uma forma de saber  —  — e que não é um saber qualquer: não é, por e que não é um saber qualquer: não é, por  exemplo, um “saber que o fogo queima”, ou um “saber nadar”, ou um “saber plantar”, ou um exemplo, um “saber que o fogo queima”, ou um “saber nadar”, ou um “saber plantar”, ou um “saber fazer vestidos”, por mais úteis e até mesmo indispensáveis que sejam todo

“saber fazer vestidos”, por mais úteis e até mesmo indispensáveis que sejam todos esses tiposs esses tipos de

de saber. saber. “Filosofi“Filosofia” a” tem, tem, mesmo nmesmo no seo seu senu sentido tido lato, lato, uma luma ligação igação com um com um saber saber que seque se

 percebe

 percebe como como sendo sendo mais mais relevante, relevante, relativo relativo a a coisas coisas mais mais fundamentais, fundamentais, embora embora menosmenos diretamente úteis, que um simples saber empírico, ou que um saber ligado a produções de diretamente úteis, que um simples saber empírico, ou que um saber ligado a produções de

coisas indispensáveis para a sobrevivência.”

coisas indispensáveis para a sobrevivência.” (p. (p. ))

COMENTÁRIO

COMENTÁRIO

O termo filosofia poder designar 

O termo filosofia poder designar , um “saber acerca das coisas”,, um “saber acerca das coisas”, é a filosofia entendida comoé a filosofia entendida como

conhecimento intelectivo (no sentido mais amplo desses termos) acerca das coisas (abrangendo conhecimento intelectivo (no sentido mais amplo desses termos) acerca das coisas (abrangendo entre as coisas o homem e a sua vida).

entre as coisas o homem e a sua vida). A filosofia apresenta-se entendida como saber que buscaA filosofia apresenta-se entendida como saber que busca a dimensão última e radical da vida e das coisas.

a dimensão última e radical da vida e das coisas.

CITAÇÂO 2

CITAÇÂO 2

““Filosofia é uma palavra de origem grega (philos = amigo; sophia = sabedoria) e em seuFilosofia é uma palavra de origem grega (philos = amigo; sophia = sabedoria) e em seu

sentido estrito designa um tipo de especulação que se originou e atingiu o apogeu entre os sentido estrito designa um tipo de especulação que se originou e atingiu o apogeu entre os antigos gregos,e que teve continuidade com os povos culturalmente

antigos gregos,e que teve continuidade com os povos culturalmente dominados por eles: grossodominados por eles: grosso modo, os povos ocidentais.

modo, os povos ocidentais.” (p.” (p. ))

COMENTÁRIO

COMENTÁRIO

A origem da Filosofia como ciência, ou mesmo como forma de estudo das inquietações A origem da Filosofia como ciência, ou mesmo como forma de estudo das inquietações

humanas surge no século VI a.C, na Grécia antiga, que é chamada de “o berço da Filosofia humanas surge no século VI a.C, na Grécia antiga, que é chamada de “o berço da Filosofia

ocidental. Numa época em que praticamente tudo era explicado através da mitologia e da ação ocidental. Numa época em que praticamente tudo era explicado através da mitologia e da ação dos deuses, esses pensadores buscavam, em pensamentos lógicos e racionais, explicar qual a dos deuses, esses pensadores buscavam, em pensamentos lógicos e racionais, explicar qual a fundamentação e a utilidade dos valores morais na sociedade da época. Também queriam fundamentação e a utilidade dos valores morais na sociedade da época. Também queriam identificar as características do conhecimento puro, as origens das coisas e dos fatos e outras identificar as características do conhecimento puro, as origens das coisas e dos fatos e outras indagações que surgiam conforme o caminhar intelectual

indagações que surgiam conforme o caminhar intelectual da época.da época.

CITAÇÂO 3

CITAÇÂO 3

“...talvez uma das características da questão filosófica seja o fato de suas respostas, ou “...talvez uma das características da questão filosófica seja o fato de suas respostas, ou

tentativas de resposta, jamais esgotarem a questão, que permanece assim com sua força de tentativas de resposta, jamais esgotarem a questão, que permanece assim com sua força de

questão, a convidar outras

questão, a convidar outras respostas e outras abordagens possíveis.”respostas e outras abordagens possíveis.”(p. (p. ))

COMENTÁRIO

COMENTÁRIO

Há questões às quais a resposta não é

Há questões às quais a resposta não é conhecida daquele que as põe, mas que outros conhecem.conhecida daquele que as põe, mas que outros conhecem. Algumas, entre elas, provocam uma multiplicidade de respostas. Se uma delas é correta, a Algumas, entre elas, provocam uma multiplicidade de respostas. Se uma delas é correta, a solução consiste em encontrá-la. Toda questão filosófica pode obter várias respostas, dessa solução consiste em encontrá-la. Toda questão filosófica pode obter várias respostas, dessa forma elas jamais vão parar, sempre vai haver mais e mais respostas correspondentes a uma forma elas jamais vão parar, sempre vai haver mais e mais respostas correspondentes a uma única questão.

única questão.

CITAÇÂO 4

CITAÇÂO 4

O que é a filosofia e

O que é a filosofia e para que servepara que serve

IGLÉSIAS, Maura. O que é a filosofia e

IGLÉSIAS, Maura. O que é a filosofia e para que serve. In: REZENDE, Antonio. (org).para que serve. In: REZENDE, Antonio. (org).CursoCurso de Filosofia

(2)

2

“É pois evidente que a sabedoria [sophia] é uma ciência sobre certos princípios e causas. E, já

que procuramos essa ciência, o que deveríamos indagar é de que causas e princípios é ciência a sabedoria. Se levarmos em conta as opiniões que temos a respeito do sábio, talvez isso se torne mais claro. Pensamos, em primeiro lugar, que o sábio sabe tudo, na medida do possível, sem ter  a ciência de cada coisa particular. Em seguida, consideramos sábio aquele que pode conhecer  as coisas difíceis, e não de fácil acesso para a inteligência humana (pois o sentir é comum a todos e por isso é fácil, e nada tem de sábio). Ademais, àquele que conhece com mais exatidão e é mais capaz de ensinar as causas, consideramo-lo mais sábio em qualquer ciência. E, entre as ciências, pensamos que é mais sabedoria a que é desejável por si mesma e por amor ao saber, do que aquela que se procura por causa dos resultados, e [pensamos] que aquela destinada a mandar é mais sabedoria que a subordinada. Pois não deve o sábio receber ordens, porém dá-las, e não é ele que há de obedecer a outro, porém deve obedecer a ele o menos sábio. Tais são,  por sua qualidade e seu número, as ideias que temos acerca da sabedoria e dos sábios.” (p. )

COMENTÁRIO

Cada uma das características apontadas por Aristóteles mereceria um exame especial. Mas fixemo-nos em algumas delas. O saber filosófico: 1) é um saber “de todas as coisas”, um saber 

universal; num certo sentido, nada está fora do campo da filosofia; 2) é um saber pelo saber: um saber livre, e não um saber que se constitui para resolver uma dificuldade de ordem prática; 3) é um saber pelas causas; o que Aristóteles entende por causa não é exatamente o que nós chamamos por esse nome; de qualquer forma, saber pelas causas envolve o exercício da razão, e esta envolve a crítica: o saber filosófico é, pois, um saber crítico.

CITAÇÂO 5

“Platão e Aristóteles indicaram com precisão a experiência que, segundo eles, dá origem ao

 pensar filosófico. É aquilo que os gregos chamaram “thauma” (espanto, admiração,

 perplexidade).” (p. )

COMENTÁRIO

 Na filosofia, o empirismo é um movimento que acredita nas experiências como únicas (ou  principais) formadoras das idéias, discordando, portanto, da noção de idéias inatas. Assim, o  pensar filosófico terá origem a partir do empirismo que diz que a base para o conhecimento está na observação do mundo, na experiência de mundo. Segundo Aristóteles a filosofia tem sua origem e sua raiz no espanto (thauma) que provém de uma dificuldade inicial - aporia - que é provocada pelo fato de existirem argumentos em conflitos. Este estado inicial de ignorância, comparado por Platão, no Mito da Caverna, a um homem acorrentado, dá lugar a um sentido  posterior à aporia que se torna agora diaporia, exploração de vários caminhos, exploração que se mostra como um processo dialético, esse processo conduz a uma solução, ou seja, ela induz o método filosófico.

CITAÇÂO 6

“Ora, a filosofia grega parece ter surgido quando, por uma série de fatores complexos,

que não podemos aqui desenvolver, as respostas dadas pelo mito a certas questões não satisfizeram mais a certas mentes particularmente exigentes de um povo particularmente curioso e passível de se espantar  — e as questões continuaram assim, com sua força de questão

e de espanto, a exigir uma respostaque fosse além das convencionais.” (p. )

COMENTÁRIO

Uma característica do homem moderno é a incapacidade de se espantar com a vida. O grande  pensador grego, Sócrates, costumava dizer que a filosofia nasce do espanto. Ninguém é filósofo se não for capaz de tomar sustos e se surpreender com o que vê. Para nós, homens e mulheres pós-modernos, após a revolução científica ter desvendado alguns dos segredos da natureza, parece que o que nos cerca perdeu o encanto e o caráter sobrenatural. O espanto é a  base de todo o questionamento: com o espanto surgem questões e nasce um impulso para investigar e compreender as coisas. Logo, o espanto é a fonte da filosofia; ela é possível em qualquer lugar e tempo, como uma compreensão dos fundamentos das coisas que encontramos

(3)

3

diariamente.

CITAÇÂO 7

“Desde os tempos dos gregos, muitas das questões que nasceram “filosóficas” já deixaram de o

ser  — pois foram resolvidas, perdendo sua força de espanto. Mas, em compensação, outras

questões são suscitadas, em número infinito.” (p. )

COMENTÁRIO

A admiração (espanto)é a verdadeira característica do filósofo. Com efeito, foi pela admiração

que os homens começaram afilosofar tanto no princípio como agora; perplexos, de início, ante as dificuldades mais óbvias, avançaram pouco a pouco e enunciaram problemas a respeito das

maiores, como os fenômenos da Lua, do Sol e das estrelas, assim como a origem do universo. Portanto, como filosofavam para fugir à “ignorância” que os mitos traziam, é evidente que  buscavam a ciência a fim de saber, e não com uma finalidade utilitária.Ao se reconhecerem

ignorantes e, ao mesmo tempo, se surpreenderem diante do anseio de conhecer o mundo e as

coisas nele contidas, os homens foram tomados de espanto, o que deu início à filosofia. Mesmo

que muitos acreditem que por uma questão estar resolvida ela deixa de ser filosófica, entretanto o estudo da filosofia sempre será necessário, porque sempre haverá questões para serem respondidas e na filosofia uma pergunta pode ter muitas respostas.

CITAÇÂO 8

“Quando se examina a história das civilizações, até um passado muito recente, um aspecto que

chama a atenção é o dinamismo das sociedades ocidentais, em comparação com as orientais. A civilização ocidental não só elaborou as teorias físicas que resultaram na tecnologia moderna, mas também todas as grandes teorias no campo da biologia, da psicologia, da política, da economia etc. que revolucionaram a visão tradicional sobre os homens e suas instituições. Com seus méritos e desméritos, vantagens e desvantagens, todo esse dinamismo tem a ver com o

tipo de pensamento desenvolvido no Ocidente, isto é, com a fil osofia.” (p. )

COMENTÁRIO

O fato é que assim como Ciência, a Arte e a Mística, a Filosofia sempre existiu em forma latente no ser humano e há de se respeitar e buscar conhecer a razão pela a maneira de pensar  de cada indivíduo ou de um pensar coletivo, seja ela Ocidental ou Oriental.

CITAÇÂO 9

“Ora, uma das belezas que nos revela a análise etimológica da palavra filosofia é a modéstia com que o filósofo se apresenta: ele não é um sábio, ele é “amante da sabedoria”. A filosofia

não é tanto um saber como uma atividade: a da busca, a do cultivo do saber. O primeiro espanto talvez tenha sido involuntário; mas, depois que se torna “amante da sabedoria”, o

filósofo torna-se amante do próprio espanto, que é a experiência que o joga na atividade da  busca do saber, que é o objeto do seu amor. O filósofo é alguém que sabe manter viva a

capacidade de se espantar.” (p. )

COMENTÁRIO

Pitágoras de Samos teria afirmado que a sabedoria plena e completa pertence aos deuses, mas que os homens podem desejá-la ou amá-la, tornando-se filósofos. Filosofia significa, portanto, amizade pela sabedoria, respeito pelo saber. Logo o filósofo é aquele que ama a sabedoria, tem amizade pelo saber, deseja saber. Assim a filosofia indica um estado de espírito da pessoa que ama, isto é, daquela que deseja o conhecimento, o estima, o procura e o respeita e vive sempre em espanto.

CITAÇÂO 10

„Filosofia é “saber de todas as coisas” e é saber crítico. Nem ela própria pode escapar ao seu

questionamento e à sua crítica.‟ (p. )

(4)

4

Para Aristóteles, o saber filosófico: é um saber pelas causas; o que Aristóteles entende por  causa não é exatamente o que nós chamamos por esse nome; de qualquer forma, sabe pelas causas envolve o exercício da razão, e esta envolve a crítica: o saber filosófico é, pois, um saber crítico. Pensar de forma crítica é saber defender as nossas opiniões com argumentos rigorosos, claros e sistemáticos. E é neste aspecto que a filosofia, encarada como uma forma de  pensamento crítico, se aproxima da ciência.

Imagem

Referências

temas relacionados :