• Nenhum resultado encontrado

Comunicações e Informações INFORMAÇÕES DAS INSTITUIÇÕES, ÓRGÃOS E ORGANISMOS DA UNIÃO EUROPEIA

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "Comunicações e Informações INFORMAÇÕES DAS INSTITUIÇÕES, ÓRGÃOS E ORGANISMOS DA UNIÃO EUROPEIA"

Copied!
60
0
0

Texto

(1)

PT

Jornal Oficial

da União Europeia

C 378

Edição em língua

portuguesa

Comunicações e Informações

63.o ano

9 de novembro de 2020 Índice

IV Informações

INFORMAÇÕES DAS INSTITUIÇÕES, ÓRGÃOS E ORGANISMOS DA UNIÃO EUROPEIA

Tribunal de Justiça

2020/C 378/01 Últimas publicações do Tribunal de Justiça da União Europeia no Jornal Oficial da União Europeia . . . 1

V

Avisos

PROCEDIMENTOS JURISDICIONAIS

Tribunal de Justiça

2020/C 378/02 Processos apensos C-674/18 e C-675/18: Acórdão do Tribunal de Justiça (Quinta Secção) de

9 de setembro de 2020 (pedidos de decisão prejudicial apresentados pelo Bundesarbeitsgericht — Alemanha) — EM/TMD Friction GmbH (C-674/18), FL/TMD Friction EsCo GmbH (C-675/18) («Reenvio prejudicial — Política social — Transferências de empresas — Diretiva 2001/23/CE —

Artigos 3.o e 5.o — Manutenção dos direitos dos trabalhadores — Proteção dos trabalhadores em caso

de insolvência do empregador — Cessão realizada pelo administrador da insolvência da empresa cedente sujeita a um processo de insolvência — Prestações do seguro de velhice profissional — Restrição das obrigações do cessionário — Montante da prestação devida a título do regime complementar de previdência profissional calculado com base na remuneração do trabalhador no

momento do início do processo de insolvência — Diretiva 2008/94/CE — Artigo 8.o — Efeito

(2)

Vivendi SA/Autorità per le Garanzie nelle Comunicazioni («Reenvio prejudicial — Comunicações

eletrónicas — Artigo 11.o, n.o 2, da Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia — Liberdade e

pluralismo dos meios de comunicação social — Liberdade de estabelecimento — Artigo 49.o TFUE —

Diretiva 2002/21/CE — Artigos 15.o e 16.o — Legislação nacional que proíbe uma empresa que dispõe

de um poder de mercado significativo num setor de assumir uma “dimensão económica significativa” noutro setor — Cálculo das receitas no setor das comunicações eletrónicas e no setor dos meios de comunicação social — Definição do setor das comunicações eletrónicas — Limitação aos mercados que tenham sido objeto de regulação ex ante — Tomada em consideração das receitas das sociedades associadas — Fixação de um limiar de receitas distinto para as sociedades que operam no setor das comunicações eletrónicas») . . . 3

2020/C 378/04 Processo C-742/18 P: Acórdão do Tribunal de Justiça (Quarta Secção) de 3 de setembro de 2020 —

República Checa/Comissão Europeia, Reino da Suécia [«Recurso de decisão do Tribunal Geral — Fundo Europeu Agrícola de Garantia (FEAGA) e Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (Feader) — Despesas excluídas do financiamento da União Europeia — Despesas efetuadas pela

República Checa — Regulamento (CE) n.o 555/2008 — Artigos 19.o e 77.o — Mercados vitivinícolas —

Regulamento (CE) n.o 1122/2009 — Artigo 33.o — Apoio ao desenvolvimento rural — Ajudas por

superfície — Ajudas diretas dissociadas — Controlos em matéria de condicionalidade — Controlos in loco tradicionais e por teledeteção — Ónus da prova — Correções pontuais e fixas — Dúvidas quanto

à eficácia dos controlos — Análise de risco — Incumprimentos»] . . . 4

2020/C 378/05 Processo C-784/18 P: Acórdão do Tribunal de Justiça (Primeira Secção) de 3 de setembro de 2020 —

Mellifera eV, Vereinigung für wesensgemäße Bienenhaltung/Comissão Europeia [«Recurso de decisão

do Tribunal Geral — Convenção de Aarhus — Regulamento (CE) n.o 1367/2006 — Artigo 2.o, n.o 1,

alínea g), e artigo 10.o, n.o 1 — Reexame interno de atos administrativos — Limitação às medidas de

alcance individual — Regulamento de Execução (UE) 2016/1056 — Prorrogação do período de aprovação da substância ativa “glifosato” — Pedido de reexame interno — Medida de aplicação geral — Rejeição»] . . . 4

2020/C 378/06 Processo C-817/18 P: Acórdão do Tribunal de Justiça (Segunda Secção) de 3 de setembro de 2020 —

Vereniging tot Behoud van Natuurmonumenten in Nederland e o./Comissão Europeia e o. [«Recurso de decisão do Tribunal Geral — Auxílios de Estado — Regime de auxílios relativo à aquisição subvencionada ou à disponibilização a título gratuito de zonas naturais — Procedimento preliminar de investigação — Decisão que declara o auxílio compatível com o mercado interno — Recurso de

anulação — Admissibilidade — Regulamento (CE) n.o 659/1999 — Artigo 1.o, alínea h) — Conceito de

“parte interessada” — Relação de concorrência — Conceito de “dificuldades sérias” — Serviço de

interesse económico geral — Atividades secundárias — Conexão»] . . . 5

2020/C 378/07 Processos apensos C-21/19 a C-23/19: Acórdão do Tribunal de Justiça (Quinta Secção) de 3 de setembro

de 2020 (pedidos de decisão prejudicial apresentados pelo Gerechtshof Arnhem-Leeuwarden — Países Baixos) — processos penais contra XN (C-21/19), YO (C-22/19), P. F. Kamstra Recycling BV (C-23/19)

[«Reenvio prejudicial — Resíduos — Transferências — Regulamento (CE) n.o 1013/2006 — Resíduos

sujeitos ao procedimento prévio de notificação e consentimento escrito — Artigo 1.o, n.o 3 —

Transferências sujeitas aos requisitos de aprovação — Diretiva 2008/98/CE — Artigo 5.o, n.o 1 —

Conceito de “subprodutos” — Regulamento (CE) n.o 1069/2009 — Artigo 3.o, ponto 1 — Conceito de

“subprodutos animais” — Transferências de uma mistura de subprodutos animais e de outras matérias»] . . . 6

2020/C 378/08 Processos apensos C-84/19, C-222/19 e C-252/19: Acórdão do Tribunal de Justiça (Primeira Secção) de

3 de setembro de 2020 (pedidos de decisão prejudicial apresentados pelo Sąd Rejonowy Szczecin — Prawobrzeże i Zachód w Szczecinie, Sąd Rejonowy w Opatowie — Polónia) — Profi Credit Polska SA/QJ (C-84/19), BW/DR (C-222/19), QL/CG (C-252/19) («Reenvio prejudicial — Defesa dos

consumidores — Diretiva 93/13/CEE — Artigo 1.o, n.o 2 — Âmbito de aplicação — Disposição

nacional que prevê o montante máximo dos custos do crédito não correspondentes a juros —

Artigo 3.o, n.o 1 — Cláusula contratual que repercute sobre o consumidor custos da atividade

comercial do mutuante — Desequilíbrio significativo entre os direitos e as obrigações das partes —

Artigo 4.o, n.o 2 — Dever de redigir cláusulas contratuais de maneir clara e compreensível — Cláusulas

contratuais que não especificam os serviços que visam remunerar — Diretiva 2008/48/CE —

Artigo 3.o, alínea g) — Legislação nacional que estabelece um método de cálculo do montante máximo

(3)

Conselho da União Europeia («Recurso de decisão do Tribunal Geral — Função pública — Estatuto dos

Funcionários da União Europeia — Reforma de 1 de janeiro de 2014 — Artigo 6.o do anexo X —

Funcionários e agentes contratuais cujo lugar de afetação seja um país terceiro — Novas disposições relativas à concessão dos dias de férias anuais remuneradas — Exceção de ilegalidade — Carta dos

Direitos Fundamentais da União Europeia — Artigo 31.o, n.o 2 — Diretiva 2003/88/CE — Direito

fundamental a férias anuais remuneradas») . . . 8

2020/C 378/10 Processo C-186/19: Acórdão do Tribunal de Justiça (Primeira Secção) de 3 de setembro de 2020

(pedido de decisão prejudicial apresentado pelo Hoge Raad der Nederlanden — Países Baixos) — Supreme Site Services GmbH, Supreme Fuels GmbH & Co KG, Supreme Fuels Trading Fze / Supreme Headquarters Allied Powers Europe [«Reenvio prejudicial — Cooperação judiciária em matéria civil —

Regulamento (UE) n.o 1215/2012 — Artigo 1.o, n.o 1 — Âmbito de aplicação — Matéria civil e

comercial — Competência judiciária — Competências exclusivas — Artigo 24.o, ponto 5 — Litígios

em matéria de execução de decisões — Ação intentada por uma organização internacional baseada na imunidade de execução e destinada ao levantamento de um arresto cautelar e à proibição de proceder a novos arrestos»] . . . 9

2020/C 378/11 Processo C-214/19 P: Acórdão do Tribunal de Justiça (Décima Secção) de 3 de setembro de 2020 —

achtung! GmbH/Instituto da Propriedade Intelectual da União Europeia (EUIPO) [«Recurso de decisão

do Tribunal Geral — Marca da União Europeia — Regulamento (CE) n.o 207/2009 — Artigo 7.o, n.o 1,

alínea b) — Caráter distintivo — Falta»] . . . 10

2020/C 378/12 Processo C-254/19: Acórdão do Tribunal de Justiça (Primeira Secção) de 9 de setembro de 2020

(pedido de decisão prejudicial apresentado pela High Court (Irlanda) — Irlanda) — Friends of the Irish Environment Ltd/An Bord Pleanála («Reenvio prejudicial — Diretiva 92/43/CEE — Preservação dos

habitats naturais e da fauna e da flora selvagens — Artigo 6.o, n.o 3 — Âmbito de aplicação —

Conceitos de “projeto” e de “autorização” — Avaliação adequada das incidências de um plano ou de um projeto num sítio protegido — Decisão de prorrogação da duração de uma autorização de construção de um terminal de regaseificação de gás natural liquefeito — Decisão inicial baseada em legislação

nacional que não transpôs corretamente a Diretiva 92/43») . . . 10

2020/C 378/13 Processo C-265/19: Acórdão do Tribunal de Justiça (Grande Secção) de 8 de setembro de 2020 (pedido

de decisão prejudicial apresentado pela High Court (Ireland) — Irlanda) — Recorded Artists Actors Performers Ltd/Phonographic Performance (Ireland) Ltd, Minister for Jobs Enterprise and Innovation, Ireland, Attorney General («Reenvio prejudicial — Propriedade intelectual — Direitos conexos ao

direito de autor — Diretiva 2006/115/CE — Artigo 8.o, n.o 2 — Utilização de fonogramas na União —

Direito dos artistas intérpretes ou executantes a uma remuneração equitativa partilhada com os produtores dos fonogramas — Aplicabilidade aos nacionais de Estados terceiros — Tratado sobre as

interpretações e execuções e os fonogramas — Artigos 4.o e 15.o — Reservas notificadas por Estados

terceiros — Limitações do direito a uma remuneração equitativa que podem, por via da reciprocidade,

decorrer dessas reservas para os nacionais de Estados terceiros dentro da União — Artigo 17.o, n.o 2, e

artigo 52.o, n.o 1, da Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia — Direito fundamental à

proteção da propriedade intelectual — Requisito de que qualquer limitação esteja legalmente prevista, respeite o conteúdo essencial do direito fundamental e seja proporcionada — Repartição das competências da União e dos Estados-Membros para fixar essas limitações — Repartição das

competências nas relações com os Estados terceiros — Artigo 3.o, n.o 2, TFUE — Competência

exclusiva da União») . . . 11

2020/C 378/14 Processo C-356/19: Acórdão do Tribunal de Justiça (Oitava Secção) de 3 de setembro de 2020 (pedido

de decisão prejudicial apresentado pelo Sąd Rejonowy dla m.st. Warszawy w Warszawie — Polónia) — Delfly sp. z o.o./Smartwings Poland sp. Z o. o., anteriormente Travel Service Polska sp. Z o.o. [«Reenvio

prejudicial — Transportes aéreos — Regulamento (CE) n.o 261/2004 — Artigo 7.o — Direito a

indemnização em caso de atraso ou de cancelamento de um voo — Modalidades de indemnização — Pedido expresso em moeda nacional — Disposição nacional que proíbe a escolha da moeda pelo credor»] . . . 12

2020/C 378/15 Processos apensos C-503/19 e C-592/19: Acórdão do Tribunal de Justiça (Quarta Secção) de

3 de setembro de 2020 (pedido de decisão prejudicial apresentado pelo Juzgado de lo

Contencioso-Administrativo n.o 17 de Barcelona, Juzgado de lo Contencioso-Administrativo n.o 5 de

Barcelona — Espanha) — UQ (C-503/19), SI (C-592/19)/Subdelegación del Gobierno en Barcelona («Reenvio prejudicial — Estatuto dos nacionais de países terceiros residentes de longa duração —

Diretiva 2003/109/CE — Artigo 6.o, n.o 1 — Elementos a ter em consideração — Regulamentação

nacional — Não tomada em consideração desses elementos — Recusa da concessão do estatuto de

(4)

administradora da insolvência da NIKI Luftfahrt GmbH/ON [«Reenvio prejudicial — Transportes

aéreos — Regulamento (CE) n.o 261/2004 — Artigos 5.o e 9.o — Obrigação da transportadora aérea de

oferecer alojamento em hotel aos passageiros cujo voo foi cancelado — Prejuízo sofrido por um passageiro durante a sua estada no hotel que prestou o alojamento — Possibilidade de invocar a

responsabilidade da transportadora aérea por negligência do pessoal do hotel»] . . . 13

2020/C 378/17 Processo C-539/19: Acórdão do Tribunal de Justiça (Oitava Secção) de 3 de setembro de 2020 (pedido

de decisão prejudicial apresentado pelo Landgericht München I — Alemanha) — Bundesverband der Verbraucherzentralen und Verbraucherverbände — Verbraucherzentrale Bundesverband e.V./Telefónica Germany GmbH & Co. OHG [«Reenvio prejudicial — Itinerância nas redes de comunicações móveis

públicas da União Europeia — Regulamento (UE) n.o 531/2012 — Artigo 6.o-A — Artigo 6.o-E,

n.o 3 — Obrigação de o prestador de serviços de itinerância aplicar de forma automática a tarifa de

itinerância regulada — Aplicação aos consumidores que optaram por uma tarifa específica de

itinerância anteriormente à entrada em vigor do Regulamento (UE) n.o 531/2012»] . . . . 14

2020/C 378/18 Processo C-651/19: Acórdão do Tribunal de Justiça (Primeira Secção) de 9 de setembro de 2020

(pedido de decisão prejudicial apresentado pelo Conseil d'État — Bélgica) — JP/Commissaire général aux réfugiés et aux apatrides («Reenvio prejudicial — Política de asilo — Procedimentos comuns de

concessão e retirada do estatuto de proteção internacional — Diretiva 2013/32/UE — Artigo 46.o

Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia — Artigo 47.o — Direito a um recurso efetivo —

Recurso de uma decisão que julgou inadmissível um pedido subsequente de proteção internacional —

Prazo de recurso — Modalidades de notificação») . . . 15

2020/C 378/19 Processo C-273/20: Pedido de decisão prejudicial apresentado pelo Bundesverwaltungsgericht

(Alemanha) em 22 de junho de 2020 — República Federal da Alemanha /SW . . . 15

2020/C 378/20 Processo C-279/20: Pedido de decisão prejudicial apresentado pelo Bundesverwaltungsgericht

(Alemanha) em 26 de junho de 2020 — República Federal da Alemanha/XC . . . 16

2020/C 378/21 Processo C-358/20: Pedido de decisão prejudicial apresentado pelo Judecătoria Oradea (Roménia) em

30 de julho de 2020 — Promexor Trade Srl/Direcţia Generală a Finanţelor Publice Cluj —

Administraţia Judeţeană a Finanţelor Publice Bihor . . . 17

2020/C 378/22 Processo C-394/20: Pedido de decisão prejudicial apresentado pelo Finanzgericht Düsseldorf

(Alemanha) em 18 de agosto de 2020 — XY/Finanzamt V . . . 18

2020/C 378/23 Processo C-405/20: Pedido de decisão prejudicial apresentado pelo Verwaltungsgerichtshof (Áustria)

em 28 de agosto de 2020 — EB e o./Versicherungsanstalt öffentlich Bediensteter, Eisenbahnen und Bergbau (BVAEB) . . . 19

2020/C 378/24 Processo C-412/2020: Pedido de decisão prejudicial apresentado pelo Rechtbank Amsterdam (Países

Baixos) em 3 de setembro de 2020 — Europäischer Haftbefehl/P; Anderer Verfahrensbeteiligter: Openbaar Ministerie . . . 20

2020/C 378/25 Processo C-413/20: Pedido de decisão prejudicial apresentado pelo tribunal de première instance

francophone de Bruxelles (Bélgica) em 2 de setembro de 2020 — État belge/LO, OG, SH, MB, JD, OP, Bluetail Flight School SA (BFS) . . . 20

2020/C 378/26 Processo C-439/20 P: Recurso interposto em 18 de setembro de 2020 pela Comissão Europeia do

Acórdão proferido pelo Tribunal Geral (Quarta Secção) em 8 de julho de 2020 no processo T-110/17, Jiangsu Seraphim Solar System / Comissão . . . 21

2020/C 378/27 Processo C-441/20 P: Recurso interposto em 21 de setembro de 2020 pelo Conselho da União

Europeia do Acórdão proferido pelo Tribunal Geral (Quarta Secção) em 8 de julho de 2020 no

(5)

2020/C 378/28 Processo T-437/16: Acórdão do Tribunal Geral de 9 de setembro de 2020 — Itália/Comissão («Regime linguístico — Anúncio de concurso geral para o recrutamento de administradores no domínio da auditoria — Conhecimentos linguísticos — Limitação da escolha da segunda língua do concurso ao

alemão, ao inglês e ao francês — Língua de comunicação — Regulamento n.o 1 — Artigo 1.o D, n.o 1,

artigo 27.o e artigo 28.o, alínea f), do Estatuto — Discriminação com base na língua — Justificação —

Interesse do serviço — Proporcionalidade») . . . 25

2020/C 378/29 Processo T-626/17: Acórdão do Tribunal Geral de 9 de setembro de 2020 — Eslovénia/Comissão

[«Agricultura — Regulamento (UE) n.o 1308/2013 — Denominações de origem no setor vitivinícola —

Rotulagem dos vinhos — Menção de um nome de uma variedade de uvas para vinho que contém ou consiste numa denominação de origem protegida — Proibição — Derrogação — Regulamento Delegado (UE) 2017/1353 — Inserção do nome da variedade de uvas para vinho “Teran” na lista que

consta no anexo XV, parte A, do Regulamento (CE) n.o 607/2009 — Efeito retroativo à data de adesão

da República da Croácia à União — Denominação de origem protegida eslovena “Teran” — Segurança jurídica — Confiança legítima — Proporcionalidade — Direito de propriedade — Ato relativo às condições de adesão da Croácia à União — Acordo interinstitucional relativo ao melhoramento da regulamentação — Equilíbrio institucional»] . . . 25

2020/C 378/30 Processo T-745/17: Acórdão do Tribunal Geral de 9 de setembro de 2020 — Kerkosand/Comissão

[«Auxílios de Estado — Auxílio destinado a um projeto de investimento no oeste da Eslováquia — Auxílio ao investimento com finalidade regional — Rejeição de uma denúncia — Decisão de não

levantar objeções — Condições de isenção — Artigo 14.o do Regulamento (UE) n.o 651/2014 —

Alcance do poder de fiscalização da Comissão — Orientações relativas aos auxílios de Estado com

finalidade regional para o período 2014-2020 — Conceito de PME — Artigo 3.o, n.os 2 e 3, do anexo I

do Regulamento n.o 651/2014 — Dados a reter para o cálculo dos efetivos e dos montantes financeiros

e período de referência — Artigo 4.o do anexo I do Regulamento n.o 651/2014 — Dúvidas quanto à

compatibilidade do auxílio com o mercado interno — Artigo 4.o, n.o 4, do Regulamento (UE)

2015/1589 — Dificuldades sérias»] . . . 26

2020/C 378/31 Processo T-143/18: Acórdão do Tribunal Geral de 9 de setembro de 2020 — Société générale/BCE

[«Política económica e monetária — Supervisão prudencial das instituições de crédito — Contribuições para o sistema de garantia dos depósitos ou para o fundo único de resolução através dos compromissos irrevogáveis de pagamento — Atribuições conferidas ao BCE — Poderes de supervisão específicos do BCE — Artigo 4.o, n.o 1, alínea f), e artigo 16.o, n.o 1, alínea c), e n.o 2, alínea d), do Regulamento (UE)

n.o 1024/2013 — Medida que impõe a dedução do montante cumulado dos compromissos

irrevogáveis de pagamento em dívida dos fundos próprios principais de nível 1 — Inexistência de exame individual»] . . . 27

2020/C 378/32 Processos T-150/18 e T-345/18: Acórdão do Tribunal Geral de 9 de setembro de 2020 — BNP

Paribas/BCE [«Política económica e monetária — Supervisão prudencial das instituições de crédito — Contribuições para o sistema de garantia dos depósitos ou para o fundo único de resolução através dos compromissos irrevogáveis de pagamento — Atribuições conferidas ao BCE — Poderes de supervisão específicos do BCE — Artigo 4.o, n.o 1, alínea f), e artigo 16.o, n.o 1, alínea c), e n.o 2, alínea d), do

Regulamento (UE) n.o 1024/2013 — Medida que impõe a dedução do montante cumulado dos

compromissos irrevogáveis de pagamento em dívida dos fundos próprios principais de nível 1 — Falta de exame individual»] . . . 27

2020/C 378/33 Processo T-46/19: Acórdão do Tribunal Geral de 9 de setembro de 2020 — Grécia / Comissão [«FEAGA

e Feader — Despesas excluídas do financiamento — Regime de ajudas por superfície — Conceito de

“prados permanentes” — Artigo 4.o, n.o 1, alínea h), do Regulamento (UE) no 1307/2013 — Sistema

integrado de gestão e de controlo — Controlos-chave — Regulamento (UE) no 1306/2013 — Dever de

fundamentação»] . . . 28

2020/C 378/34 Processo T-50/19: Acórdão do Tribunal Geral de 9 de Setembro de 2020 — Casual Dreams/EUIPO —

López Fernández (Dayaday) [«Marca da União Europeia — Processo de oposição — Pedido da marca figurativa da União Europeia Dayaday — Marcas nacionais figurativas anteriores DAYADAY e

dayaday — Motivos relativos de recusa — Artigo 8.o, n.o 1, alínea b), do Regulamento (CE)

n.o 207/2009 [atual artigo 8.o, n.o 1, alínea b), do Regulamento (UE) 2017/1001] — Risco de

confusão — Artigo 8.o, n.o 5, do Regulamento n.o 207/2009 (atual artigo 8.o, n.o 5, do Regulamento

2017/1001) — Prestígio — Proveito indevidamente obtido do caráter distintivo ou do prestígio da marca anterior»] . . . 29

(6)

da União Europeia ADLON — Marca nominativa anterior da União Europeia ADLON — Prova do

prestígio da marca anterior — Regra 19 do Regulamento (CE) n.o 2868/95 [atual artigo 7.o do

Regulamento Delegado (UE) 2018/625] — Aplicação da lei no tempo — Apresentação tardia de

documentos — Poder de apreciação da Câmara de Recurso — Artigo 95.o, n.o 2, do Regulamento (UE)

2017/1001 — Motivo relativo de recusa — Ofensa ao prestígio — Artigo 8.o, n.o 5, do Regulamento

2017/1001 — Benefício indevidamente retirado do caráter distintivo ou do prestígio da marca anterior»] . . . 30

2020/C 378/36 Processo T-187/19: Acórdão do Tribunal Geral de 9 de setembro de 2020 — Glaxo Group/EUIPO —

(Tom de cor púrpura) [«Marca da União Europeia — Pedido de marca da União Europeia que consiste

num tom de cor púrpura — Motivo absoluto de recusa — Falta de caráter distintivo — Artigo 7.o,

n.o 1, alínea b), do Regulamento (UE) 2017/1001 — Falta de caráter distintivo adquirido pela

utilização — Artigo 7.o, n.o 3, do Regulamento 2017/1001»] . . . . 30

2020/C 378/37 Processo T-589/19: Acórdão do Tribunal Geral de 9 de setembro de 2020 — Gothe e Kunz/EUIPO —

Aldi Einkauf (FAIR ZONE) [«Marca da União Europeia — Processo de oposição — Pedido de marca nominativa da União Europeia FAIR ZONE — Marca figurativa da União Europeia anterior FAIR — Motivo relativo de recusa — Risco de confusão — Artigo 8.o, n.o 1, alínea b), do Regulamento (UE)

2017/1001»] . . . 31

2020/C 378/38 Processo T-625/19: Acórdão do Tribunal Geral de 9 de setembro de 2020 — Daw/EUIPO (SOS

Innenfarbe) [«Marca da União Europeia — Pedido de marca nominativa da União Europeia SOS

Innenfarbe — Motivos absolutos de recusa — Falta de caráter distintivo — Artigo 7.o, n.o 1, alínea b),

do Regulamento (UE) 2017/1001 — Caráter descritivo — Artigo 7.o, n.o 1, alínea c), do Regulamento

2017/1001»] . . . 31

2020/C 378/39 Processo T-669/19: Acórdão do Tribunal Geral de 9 de setembro de 2020 — Novomatic/EUIPO —

Brouwerij Haacht (PRIMUS) [«Marca da União Europeia — Processo de oposição — Pedido de marca nominativa da União Europeia PRIMUS — Marca nominativa anterior da União Europeia PRIMUS — Marca nominativa anterior do Benelux PRIMUS — Motivo relativo de recusa — Violação do prestígio — Artigo 8.o, n.o 5, do Regulamento (UE) 2017/1001»] . . . . 32

2020/C 378/40 Processo T-879/2019: Acórdão do Tribunal Geral de 9 setembro de 2020 — Sumol + Compal

Marcas/EUIPO — Jacob (Dr. Jacob’s essentials) [«Marca da União Europeia — Processo de oposição — Pedido de marca figurativa da União Europeia Dr. Jacob’s essentials — Marca nominativa internacional anterior COMPAL ESSENCIAL — Marcas figurativas nacionais e internacionais anteriores FRUTA essencial, COMPAL essencial e Compal FRUTA essencial — Motivo relativo de recusa — Risco de

confusão — Artigo 8.o, n.o 1, alínea b), do Regulamento (UE) 2017/1001»»] . . . . 33

2020/C 378/41 Processo T-81/20: Acórdão do Tribunal Geral de 9 de setembro de 2020 — Klose/EUIPO

(Representação de um retângulo com segmentos tricolores) [«Marca da União Europeia — Pedido de marca figurativa da União Europeia que representa um retângulo com segmentos tricolores — Motivo

absoluto de recusa — Inexistência de caráter distintivo — Artigo 7.o, n.o 1, alínea b), do Regulamento

(UE) 2017/1001»] . . . 33

2020/C 378/42 Processo T-131/20: Acórdão do Tribunal Geral de 2 de setembro de 2020 — IR/Comissão [«Função

pública — Funcionários — Direitos e obrigações do funcionário — Destacamento no interesse do

serviço — Artigo 37.o, primeiro parágrafo, alínea a), primeiro travessão, do Estatuto — Artigo 38.o do

Estatuto — Recusa de prolongamento de um destacamento — Dever de solicitude — Direitos de defesa»] . . . 34

2020/C 378/43 Processo T-529/19: Despacho do Tribunal Geral de 10 de setembro de 2020 — ADESO/Comissão

(«Recurso de anulação — Contratos de subvenção relativos aos projetos “Your Environment is Your Life” e “Social Safety Net for Poor and Vulnerable Households in Northern Regions of Somalia/Somaliland Phase II” — Custos não elegíveis — Notas de débito — Carta de confirmação — Ato impugnável — Natureza contratual do litígio — Ato irrecorrível — Ato que se insere num quadro

(7)

regime de gestão indireta — Execução de um acórdão do Tribunal de Justiça — Carta da Comissão que pede a apresentação de determinados documentos — Ato não suscetível de recurso — Ato preparatório — Inadmissibilidade — Ação de indemnização — Relação estreita com os pedidos de

anulação — Litispendência — Inadmissibilidade — Violação dos requisitos formais — Artigo 76.o,

alínea d), do Regulamento de Processo — Inadmissibilidade manifesta») . . . 35

2020/C 378/45 Processo T-735/19: Despacho do Tribunal Geral de 25 de agosto de 2020 — Frank Recruitment Group

Services/EUIPO — Pearson (PEARSON FRANK) («Marca da União Europeia — Processo de oposição —

Retirada do pedido de registo — Não conhecimento do mérito») . . . 36

2020/C 378/46 Processo T-512/20: Recurso interposto em 14 de agosto de 2020 — TrekStor/EUIPO — Zagg (Capas

de proteção para equipamento informático) . . . 36

2020/C 378/47 Processo T-522/20: Recurso interposto em 11 de agosto de 2020 — Carpatair/Comissão . . . 37

2020/C 378/48 Processo T-540/20: Recurso interposto em 27 de agosto de 2020 — Jushi Egypt for Fiberglass

Industry/Comissão . . . 38

2020/C 378/49 Processo T-564/20: Recurso interposto em 10 de setembro de 2020 — TrekStor/EUIPO — Zagg

(Capas de proteção para equipamento informático) . . . 39

2020/C 378/50 Processo T-565/20: Recurso interposto em 10 de setembro de 2020 — TrekStor/EUIPO — Zagg

(Capas de proteção para equipamento informático) . . . 39

2020/C 378/51 Processo T-569/20: Recurso interposto em 7 de setembro de 2020 — Stichting Comité

N 65 Ondergronds Helvoirt/Comissão . . . 40

2020/C 378/52 Processo T-583/20: Recurso interposto em 23 de setembro de 2020 — Italia Wanbao-ACC/Comissão 41

2020/C 378/53 Processo T-589/20: Recurso interposto em 24 de setembro de 2020 — Calzaturificio Emmegiemme

Shoes/EUIPO — Inticom (MAIMAI MADE IN ITALY) . . . 43

2020/C 378/54 Processo T-593/20: Recurso interposto em 28 de setembro de 2020 — Tirrenia di navigazione /

Comissão . . . 44

2020/C 378/55 Processo T-596/20: Recurso interposto em 29 de setembro de 2020 — Roller/EUIPO — Flex Equipos

de Descanso (DORMILLO) . . . 46

2020/C 378/56 Processo T-601/20: Recurso interposto em 29 de setembro de 2020 — Tirrenia di navigazione /

Comissão . . . 46

2020/C 378/57 Processo T-53/20: Despacho do Tribunal Geral de 18 de setembro de 2020 — Entreprise

commune IMI 2/CHS . . . 48

2020/C 378/58 Processo T-108/20: Despacho do Tribunal Geral de 15 de setembro de 2020 — Kahimbi

Kasagwe/Conselho . . . 48

(8)
(9)

IV

(Informações)

INFORMAÇÕES DAS INSTITUIÇÕES, ÓRGÃOS E ORGANISMOS DA UNIÃO

EUROPEIA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA

Últimas publicações do Tribunal de Justiça da União Europeia no Jornal Oficial da União Europeia (2020/C 378/01)

Última publicação JO C 371 de 3.11.2020

Lista das publicações anteriores JO C 359 de 26.10.2020 JO C 348 de 19.10.2020 JO C 339 de 12.10.2020 JO C 329 de 5.10.2020 JO C 320 de 28.9.2020 JO C 313 de 21.9.2020

Estes textos encontram-se disponíveis no EUR-Lex: http://eur-lex.europa.eu

(10)

V

(Avisos)

PROCEDIMENTOS JURISDICIONAIS

TRIBUNAL DE JUSTIÇA

Acórdão do Tribunal de Justiça (Quinta Secção) de 9 de setembro de 2020 (pedidos de decisão prejudicial apresentados pelo Bundesarbeitsgericht — Alemanha) — EM/TMD Friction GmbH

(C-674/18), FL/TMD Friction EsCo GmbH (C-675/18) (Processos apensos C-674/18 e C-675/18) (1)

(«Reenvio prejudicial — Política social — Transferências de empresas — Diretiva 2001/23/CE — Artigos 3.o e 5.o — Manutenção dos direitos dos trabalhadores — Proteção dos trabalhadores em caso de

insolvência do empregador — Cessão realizada pelo administrador da insolvência da empresa cedente sujeita a um processo de insolvência — Prestações do seguro de velhice profissional — Restrição das obrigações do cessionário — Montante da prestação devida a título do regime complementar de previdência

profissional calculado com base na remuneração do trabalhador no momento do início do processo de insolvência — Diretiva 2008/94/CE — Artigo 8.o — Efeito direto — Requisitos»)

(2020/C 378/02) Língua do processo: alemão Órgão jurisdicional de reenvio

Bundesarbeitsgericht

Partes no processo principal

Recorrentes: EM (C-674/18), FL (C-675/18)

Recorridas: TMD Friction GmbH (C-674/18), TMD Friction EsCo GmbH (C-675/18)

Dispositivo

1) A Diretiva 2001/23/CE do Conselho, de 12 de março de 2001, relativa à aproximação das legislações dos Estados-Membros respeitantes à manutenção dos direitos dos trabalhadores em caso de transferência de empresas ou de

estabelecimentos, ou de partes de empresas ou de estabelecimentos, nomeadamente tendo em conta o seu artigo 3.o,

n.os 1 e 4, e o seu artigo 5.o, n.o 2, alínea a), deve ser interpretada no sentido de que não se opõe, em caso de transferência

de uma empresa sujeita a um processo de insolvência, realizada pelo seu administrador da insolvência, a uma regulamentação nacional, conforme interpretada pela jurisprudência nacional, segundo a qual, quando ocorre, posteriormente ao início do processo de insolvência, a situação que confere o direito a uma pensão de reforma a título de um regime complementar de previdência profissional, o cessionário não responde pelos direitos em vias de aquisição do trabalhador a essa pensão de reforma acumulados a título dos períodos de emprego anteriores ao início do processo de insolvência, desde que, no que diz respeito à parte do montante pela qual o cessionário não responde, as medidas adotadas para proteger os interesses dos trabalhadores sejam de um nível pelo menos equivalente ao nível de proteção

exigido por força do artigo 8.o da Diretiva 2008/94/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 22 de outubro

(11)

2) O artigo 3.o, n.o 4, alínea b), da Diretiva 2001/23, lido em conjugação com o artigo 8.o da Diretiva 2008/94, deve ser

interpretado no sentido de que se opõe a uma regulamentação nacional, conforme interpretada pela jurisprudência nacional, que prevê que, quando ocorre uma situação que confere o direito a prestações de velhice a título de um regime complementar de previdência profissional posteriormente ao início do processo de insolvência no decurso do qual a transferência da empresa foi efetuada e relativamente à parte dessas prestações que não incumbe ao cessionário, por um lado, a entidade gestora do seguro de insolvência determinada nos termos do direito nacional não é obrigada a intervir quando os direitos em vias de aquisição a prestações de velhice ainda não eram definitivos no momento do início desse processo de insolvência e, por outro, para efeitos da determinação do montante relativo à parte dessas prestações cuja responsabilidade cabe à referida entidade gestora, esse montante é calculado com base na remuneração mensal bruta do trabalhador em causa no momento do início do referido processo, se resultar do mesmo que os trabalhadores ficam privados da proteção mínima garantida por esta disposição, o que cabe ao órgão jurisdicional de reenvio verificar.

3) O artigo 8.o da Diretiva 2008/94, na medida em que prevê uma proteção mínima dos direitos adquiridos ou dos direitos

em vias de aquisição dos trabalhadores às prestações de velhice, é suscetível de ter um efeito direto, de tal modo que pode ser invocado contra uma entidade de direito privado, designada pelo Estado-Membro em causa como entidade gestora do seguro de insolvência dos empregadores em matéria de reforma profissional, desde que, por um lado, tendo em conta a missão de garantia confiada a essa entidade e as condições em que a mesma cumpre essa missão, a referida entidade possa ser equiparada ao Estado e, por outro, essa missão abranja efetivamente os tipos de prestações de velhice

para as quais é pedida a proteção mínima prevista neste artigo 8.o, o que cabe ao órgão jurisdicional de reenvio

determinar.

(1) JO C 103, de 18.3.2019.

Acórdão do Tribunal de Justiça (Quinta Secção) de 3 de setembro de 2020 (pedido de decisão prejudicial apresentado pelo Tribunale Amministrativo Regionale per il Lazio — Itália) — Vivendi

SA/Autorità per le Garanzie nelle Comunicazioni (Processo C-719/18) (1)

(«Reenvio prejudicial — Comunicações eletrónicas — Artigo 11.o, n.o 2, da Carta dos Direitos

Fundamentais da União Europeia — Liberdade e pluralismo dos meios de comunicação social — Liberdade de estabelecimento — Artigo 49.o TFUE — Diretiva 2002/21/CE — Artigos 15.o e 16.o — Legislação

nacional que proíbe uma empresa que dispõe de um poder de mercado significativo num setor de assumir uma “dimensão económica significativa” noutro setor — Cálculo das receitas no setor das comunicações

eletrónicas e no setor dos meios de comunicação social — Definição do setor das comunicações eletrónicas — Limitação aos mercados que tenham sido objeto de regulação ex ante — Tomada em consideração das receitas das sociedades associadas — Fixação de um limiar de receitas distinto para as

sociedades que operam no setor das comunicações eletrónicas») (2020/C 378/03)

Língua do processo: italiano Órgão jurisdicional de reenvio

Tribunale Amministrativo Regionale per il Lazio Partes no processo principal

Recorrente: Vivendi SA

Recorrida: Autorità per le Garanzie nelle Comunicazioni sendo interveniente: Mediaset SpA

Dispositivo

O artigo 49.o TFUE deve ser interpretado no sentido de que se opõe a uma legislação de um Estado-Membro que tem por

efeito impedir que uma sociedade registada noutro Estado-Membro, cujas receitas no setor das comunicações eletrónicas, tal como este é definido para efeitos da referida legislação, sejam superiores a 40 % das receitas totais do referido setor, obtenha no sistema integrado de comunicações receitas superiores a 10 % das receitas do referido sistema.

(12)

Acórdão do Tribunal de Justiça (Quarta Secção) de 3 de setembro de 2020 — República Checa/Comissão Europeia, Reino da Suécia

(Processo C-742/18 P) (1)

[«Recurso de decisão do Tribunal Geral — Fundo Europeu Agrícola de Garantia (FEAGA) e Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (Feader) — Despesas excluídas do financiamento da União

Europeia — Despesas efetuadas pela República Checa — Regulamento (CE) n.o 555/2008 — Artigos 19.o

e 77.o — Mercados vitivinícolas — Regulamento (CE) n.o 1122/2009 — Artigo 33.o — Apoio ao

desenvolvimento rural — Ajudas por superfície — Ajudas diretas dissociadas — Controlos em matéria de condicionalidade — Controlos in loco tradicionais e por teledeteção — Ónus da prova — Correções pontuais e fixas — Dúvidas quanto à eficácia dos controlos — Análise de risco — Incumprimentos»]

(2020/C 378/04) Língua do processo: checo Partes

Recorrente: República Checa (representantes: M. Smolek, O. Serdula, J. Pavliš e J. Vláčil, agentes)

Outras partes no processo: Comissão Europeia (representantes: Z. Malůšková, K. Walkerová e J. Aquilina, agentes), Reino da Suécia

Dispositivo

1) O Acórdão do Tribunal Geral da União Europeia de 13 de setembro de 2018, República Checa/Comissão (T-627/16, não publicado, EU:T:2018:538), é anulado na parte em que, nesse acórdão, o Tribunal Geral julgou improcedente o fundamento de recurso relativo à correção pontual do montante de 462 517,83 euros a título dos exercícios financeiros de 2013 a 2015, enquanto incide sobre as falhas na análise de risco, e o fundamento de recurso relativo a uma correção de montante fixo de 636 516,20 euros, a título dos exercícios financeiros de 2011 a 2014, enquanto incide sobre os controlos in loco insuficientes relativamente a investimentos financiados no setor vitivinícola.

2) É negado provimento ao recurso quanto ao restante. 3) O processo é remetido ao Tribunal Geral da União Europeia. 4) Reserva-se para final a decisão quanto às despesas.

(1) JO C 44, de 04.02.2019.

Acórdão do Tribunal de Justiça (Primeira Secção) de 3 de setembro de 2020 — Mellifera eV, Vereinigung für wesensgemäße Bienenhaltung/Comissão Europeia

(Processo C-784/18 P) (1)

[«Recurso de decisão do Tribunal Geral — Convenção de Aarhus — Regulamento (CE) n.o 1367/2006 —

Artigo 2.o, n.o 1, alínea g), e artigo 10.o, n.o 1 — Reexame interno de atos administrativos — Limitação às

medidas de alcance individual — Regulamento de Execução (UE) 2016/1056 — Prorrogação do período de aprovação da substância ativa “glifosato” — Pedido de reexame interno — Medida de aplicação geral —

Rejeição»] (2020/C 378/05) Língua do processo: alemão Partes

Recorrente: Mellifera eV, Vereinigung für wesensgemäße Bienenhaltung (representante: A. Willand, Rechtsanwalt) Outra parte no processo: Comissão Europeia (representantes: B. Eggers e G. Gattinara, agentes)

(13)

Interveniente em apoio da recorrida: Bayer Agriculture BVBA (representantes: H. Berger, A. Burghardt, J. Wauters, Rechtsanwälte, e G. Forwood, avocate)

Dispositivo

1) É negado provimento ao recurso.

2) A Mellifera eV, Vereinigung für wesensgemäße Bienenhaltung, suportará, além das suas próprias despesas, as despesas efetuadas pela Bayer Agriculture BVBA e pela Comissão Europeia.

(1) JO C 54, de 11.2.2019.

Acórdão do Tribunal de Justiça (Segunda Secção) de 3 de setembro de 2020 — Vereniging tot Behoud van Natuurmonumenten in Nederland e o./Comissão Europeia e o.

(Processo C-817/18 P) (1)

[«Recurso de decisão do Tribunal Geral — Auxílios de Estado — Regime de auxílios relativo à aquisição subvencionada ou à disponibilização a título gratuito de zonas naturais — Procedimento preliminar de investigação — Decisão que declara o auxílio compatível com o mercado interno — Recurso de anulação —

Admissibilidade — Regulamento (CE) n.o 659/1999 — Artigo 1.o, alínea h) — Conceito de “parte

interessada” — Relação de concorrência — Conceito de “dificuldades sérias” — Serviço de interesse económico geral — Atividades secundárias — Conexão»]

(2020/C 378/06) Língua do processo: neerlandês Partes

Recorrentes: Vereniging tot Behoud van Natuurmonumenten in Nederland, Stichting Het Groninger Landschap, Vereniging It Fryske Gea, Stichting Het Drentse Landschap, Stichting Het Overijssels Landschap, Stichting Het Geldersch Landschap, Stichting Flevo-Landschap, Stichting Het Utrechts Landschap, Stichting Landschap Noord-Holland, Stichting Het Zuid-Hollands Landschap, Stichting Het Zeeuwse Landschap, Stichting Het Noordbrabants Landschap, Stichting Het Limburgs Landschap (representantes: P. H. L. M. Kuypers e M. de Wit, advogados)

Outras partes no processo: Comissão Europeia (representantes: S. Noë e P.–J. Loewenthal, agentes) Vereniging Gelijkberechtiging Grondbezitters, Exploitatiemaatschappij De Berghaaf BV,

Stichting Het Nationale Park De Hoge Veluwe, BV Landgoed Den Alerdinck II, Landgoed Ampsen BV, Pallandt van Keppel Stichting, Landgoed Kasteel Keppel BV, Baron van Lynden, Stichting het Lijndensche Fonds voor Kerk en Zending, Landgoed Welna BV, BV Landgoed «Huis te Maarn», Vicariestichting De Vijf Capellarijen/Ambachtsheerlijkheid Kloetinge, Maatschappij tot Exploitatie van het Landgoed Tongeren onder Epe BV, Landgoed Anderstein NV, Landgoed Bekspring BV, Landgoed Nijenhuis en Westerflier BV, Landgoed Caprera BV, Landgoed Schapenduinen BV, Stichting Schapenduinen, Landgoed de Noetselenberg BV (representantes: D. Gillet, T. Ruys, P. Wytinck e A. A. Al Khatib, advogados)

Interveniente em apoio dos recorrentes: Reino dos Países Baixos (representantes: M. K. Bulterman e M. L. Noort, agentes)

Dispositivo

1) É negado provimento ao recurso.

2) A Vereniging tot Behoud van Natuurmonumenten in Nederland, a Stichting Het Groninger Landschap, a Vereniging It Fryske Gea, a Stichting Het Drentse Landschap, a Stichting Het Overijssels Landschap, a Stichting Het Geldersch Landschap, a Stichting Flevo-Landschap, a Stichting Het Utrechts Landschap, a Stichting Landschap Noord-Holland, a Stichting Het Zuid-Hollands Landschap, a Stichting Het Zeeuwse Landschap, a Stichting Het Noordbrabants Landschap e a Stichting Het Limburgs Landschap são condenadas nas despesas.

(14)

3) A Comissão Europeia e o Reino dos Países Baixos suportarão as suas próprias despesas.

(1) JO C 82, de 04.03.2019.

Acórdão do Tribunal de Justiça (Quinta Secção) de 3 de setembro de 2020 (pedidos de decisão prejudicial apresentados pelo Gerechtshof Arnhem-Leeuwarden — Países Baixos) — processos penais

contra XN (C-21/19), YO (C-22/19), P. F. Kamstra Recycling BV (C-23/19) (Processos apensos C-21/19 a C-23/19) (1)

[«Reenvio prejudicial — Resíduos — Transferências — Regulamento (CE) n.o 1013/2006 — Resíduos

sujeitos ao procedimento prévio de notificação e consentimento escrito — Artigo 1.o, n.o 3 —

Transferências sujeitas aos requisitos de aprovação — Diretiva 2008/98/CE — Artigo 5.o, n.o 1 —

Conceito de “subprodutos” — Regulamento (CE) n.o 1069/2009 — Artigo 3.o, ponto 1 — Conceito de

“subprodutos animais” — Transferências de uma mistura de subprodutos animais e de outras matérias»] (2020/C 378/07)

Língua do processo: neerlandês Órgão jurisdicional de reenvio

Gerechtshof Arnhem-Leeuwarden

Partes no processo principal

XN (C-21/19), YO (C-22/19), P. F. Kamstra Recycling BV (C-23/19)

Dispositivo

1) O artigo 5.o, n.o 1, da Diretiva 2008/98/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 19 de novembro de 2008, relativa

aos resíduos e que revoga certas diretivas, e o artigo 3.o, ponto 1, do Regulamento (CE) n.o 1069/2009 do Parlamento

Europeu e do Conselho, de 21 de outubro de 2009, que define regras sanitárias relativas a subprodutos animais e

produtos derivados não destinados ao consumo humano e que revoga o Regulamento (CE) n.o 1774/2002 (regulamento

relativo aos subprodutos animais), devem ser interpretados no sentido de que uma matéria que não pode ser qualificada como «subproduto», na aceção da primeira destas disposições, pode, no entanto, ser considerada um «subproduto animal», na aceção da segunda das referidas disposições.

2) O artigo 1.o, n.o 3, alínea d), do Regulamento (CE) n.o 1013/2006 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 14 de junho

de 2006, relativo a transferências de resíduos, conforme alterado pelo Regulamento (UE) n.o 135/2012 da Comissão, de

16 de fevereiro de 2012, deve ser interpretado no sentido de que as transferências de subprodutos animais abrangidas

pelo Regulamento n.o 1069/2009 estão excluídas do âmbito de aplicação do Regulamento n.o 1013/2006, conforme

alterado pelo Regulamento n.o 135/2012, exceto nas hipóteses em que o Regulamento n.o 1069/2009 preveja

expressamente a aplicação do Regulamento n.o 1013/2006, conforme alterado pelo Regulamento n.o 135/2012.

3) O artigo 1.o, n.o 3, alínea d), do Regulamento n.o 1013/2006, conforme alterado pelo Regulamento n.o 135/2012, deve

ser interpretado no sentido de que esta disposição se aplica à transferência de uma mistura de subprodutos animais de

categoria 3, na aceção do artigo 10.o do Regulamento n.o 1069/2009, e de outras matérias, qualificadas como resíduos

não perigosos, na aceção do Regulamento n.o 1013/2006, conforme alterado pelo Regulamento n.o 135/2012. A

proporção que os subprodutos animais representam na mistura não é importante para este efeito.

(15)

Acórdão do Tribunal de Justiça (Primeira Secção) de 3 de setembro de 2020 (pedidos de decisão prejudicial apresentados pelo Sąd Rejonowy Szczecin — Prawobrzeże i Zachód w Szczecinie, Sąd

Rejonowy w Opatowie — Polónia) — Profi Credit Polska SA/QJ (C-84/19), BW/DR (C-222/19), QL/CG (C-252/19)

(Processos apensos C-84/19, C-222/19 e C-252/19) (1)

(«Reenvio prejudicial — Defesa dos consumidores — Diretiva 93/13/CEE — Artigo 1.o, n.o 2 — Âmbito de

aplicação — Disposição nacional que prevê o montante máximo dos custos do crédito não correspondentes a juros — Artigo 3.o, n.o 1 — Cláusula contratual que repercute sobre o consumidor custos da atividade

comercial do mutuante — Desequilíbrio significativo entre os direitos e as obrigações das partes — Artigo 4.o, n.o 2 — Dever de redigir cláusulas contratuais de maneir clara e compreensível — Cláusulas

contratuais que não especificam os serviços que visam remunerar — Diretiva 2008/48/CE — Artigo 3.o,

alínea g) — Legislação nacional que estabelece um método de cálculo do montante máximo do custo do crédito não correspondente a juros que pode ser cobrado ao consumidor»)

(2020/C 378/08) Língua do processo: polaco Órgão jurisdicional de reenvio

Sąd Rejonowy Szczecin — Prawobrzeże i Zachód w Szczecinie, Sąd Rejonowy w Opatowie

Partes no processo principal

Demandantes: Profi Credit Polska S.A. (C-84/19), BW (C-222/19), QL (C-252/19)

Demandados: QJ (C-84/19), DR (C-222/19), CG (C-252/19)

Dispositivo

1) O artigo 3.o, alínea g), e o artigo 22.o da Diretiva 2008/48/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 23 de abril

de 2008, relativa a contratos de crédito aos consumidores e que revoga a Diretiva 87/102/CEE do Conselho, devem ser interpretados no sentido de que não se opõem a uma legislação nacional relativa ao crédito ao consumo que estabelece um método de cálculo do montante máximo do custo do crédito não correspondente a juros que pode ser cobrado ao consumidor, mesmo que esse método de cálculo permita ao profissional cobrar ao consumidor uma parte dos custos gerais ligados ao exercício da sua atividade económica, desde que, através das suas disposições relativas a esse montante máximo, a referida legislação não viole as regras harmonizadas por esta diretiva.

2) O artigo 1.o, n.o 2, da Diretiva 93/13/CEE do Conselho, de 5 de abril de 1993, relativa às cláusulas abusivas nos

contratos celebrados com os consumidores, conforme alterada pela Diretiva 2011/83/UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 25 de outubro de 2011, deve ser interpretado no sentido de que não está excluída do âmbito de aplicação desta diretiva uma cláusula contratual que fixa o custo do crédito não correspondente a juros em conformidade com o limite previsto por uma legislação nacional relativa ao crédito ao consumo, quando essa legislação prevê que os custos do crédito não correspondentes a juros não são devidos relativamente à parte que excede esse limite ou o montante total do crédito.

3) O artigo 4.o, n.o 2, da Diretiva 93/13, conforme alterada pela Diretiva 2011/83, deve ser interpretado no sentido de que

as cláusulas de um contrato de crédito ao consumo que impõem ao consumidor outros encargos além do reembolso do crédito em capital e juros não estão abrangidas pela exceção prevista nesta disposição, quando essas cláusulas não especificam a natureza desses encargos nem os serviços que visam remunerar e são formuladas de modo que criem confusão no espírito do consumidor quanto às suas obrigações e às consequências económicas dessas cláusulas, o que incumbe ao órgão jurisdicional de reenvio verificar.

(16)

4) O artigo 3.o, n.o 1, da Diretiva 93/13, conforme alterada pela Diretiva 2011/83, deve ser interpretado no sentido de que

uma cláusula contratual relativa a custos do crédito não correspondentes a juros, que fixa esse custo abaixo de um limite máximo legal e que repercute no consumidor os custos da atividade económica do mutuante, é suscetível de criar um desequilíbrio significativo entre os direitos e as obrigações das partes decorrentes do contrato em detrimento do consumidor, quando impõe a este último custos desproporcionados relativamente às prestações e ao montante de empréstimo recebidos, o que incumbe ao órgão jurisdicional de reenvio verificar.

(1) JO C 164, de 13.5.2019.

JO C 280, de 19.8.2019.

Acórdão do Tribunal de Justiça (Grande Secção) de 8 de setembro de 2020 — Comissão Europeia/Francisco Carreras Sequeros e o., Parlamento Europeu, Conselho da União Europeia

(Processos apensos C-119/19 P e C-126/19 P) (1)

(«Recurso de decisão do Tribunal Geral — Função pública — Estatuto dos Funcionários da União Europeia — Reforma de 1 de janeiro de 2014 — Artigo 6.o do anexo X — Funcionários e agentes

contratuais cujo lugar de afetação seja um país terceiro — Novas disposições relativas à concessão dos dias de férias anuais remuneradas — Exceção de ilegalidade — Carta dos Direitos Fundamentais da União

Europeia — Artigo 31.o, n.o 2 — Diretiva 2003/88/CE — Direito fundamental a férias anuais

remuneradas») (2020/C 378/09) Língua do processo: francês Partes

(Processo C-119/19 P)

Recorrente: Comissão Europeia (representantes: T. S. Bohr, G. Gattinara e L. Vernier, agentes)

Outras partes no processo: Francisco Carreras Sequeros, Mariola de las Heras Ojeda, Olivier Maes, Gabrio Marinozzi, Giacomo Miserocchi, Marc Thieme Groen (representantes: S. Orlandi e T. Martin, avocats), Parlamento Europeu (representantes: O. Caisou-Rousseau, J. Steele e E. Taneva, agentes), Conselho da União Europeia (representantes: M. Bauer e R. Meyer, agentes) (Processo C-126/19 P)

Recorrente: Conselho da União Europeia (representantes: M. Bauer e R. Meyer, agentes)

Outras partes no processo: Francisco Carreras Sequeros, Mariola de las Heras Ojeda, Olivier Maes, Gabrio Marinozzi, Giacomo Miserocchi, Marc Thieme Groen (representantes: S. Orlandi e T. Martin, avocats), Comissão Europeia (representantes: T. S. Bohr, G. Gattinara e L. Vernier, agentes), Parlamento Europeu (representantes: O. Caisou-Rousseau, J. Steele e E. Taneva, agentes)

Dispositivo

1) O Acórdão do Tribunal Geral da União Europeia de 4 de dezembro de 2018, Carreras Sequeros e o./Comissão (T-518/16, EU:T:2018:873), é anulado.

2) É negado provimento ao recurso interposto por Francisco Carreras Sequeros, Mariola de las Heras Ojeda, Olivier Maes, Gabrio Marinozzi, Giacomo Miserocchi e Marc Thieme Groen no processo T-518/16.

3) Francisco Carreras Sequeros, Mariola de las Heras Ojeda, Olivier Maes, Gabrio Marinozzi, Giacomo Miserocchi e Marc Thieme Groen suportarão, além das suas próprias despesas, as despesas efetuadas pelo Conselho da União Europeia no âmbito dos presentes recursos e do processo no Tribunal Geral da União Europeia, bem como as despesas efetuadas pela Comissão Europeia no âmbito deste último processo.

(17)

4) A Comissão suportará as suas próprias despesas efetuadas no âmbito dos presentes recursos. 5) O Parlamento Europeu suportará as suas próprias despesas

(1) JO C 131, de 8.4.2019.

Acórdão do Tribunal de Justiça (Primeira Secção) de 3 de setembro de 2020 (pedido de decisão prejudicial apresentado pelo Hoge Raad der Nederlanden — Países Baixos) — Supreme Site Services GmbH, Supreme Fuels GmbH & Co KG, Supreme Fuels Trading Fze / Supreme Headquarters Allied

Powers Europe (Processo C-186/19) (1)

[«Reenvio prejudicial — Cooperação judiciária em matéria civil — Regulamento (UE) n.o 1215/2012 —

Artigo 1.o, n.o 1 — Âmbito de aplicação — Matéria civil e comercial — Competência judiciária —

Competências exclusivas — Artigo 24.o, ponto 5 — Litígios em matéria de execução de decisões — Ação

intentada por uma organização internacional baseada na imunidade de execução e destinada ao levantamento de um arresto cautelar e à proibição de proceder a novos arrestos»]

(2020/C 378/10) Língua do processo: neerlandês Órgão jurisdicional de reenvio

Hoge Raad der Nederlanden

Partes no processo principal

Recorrentes: Supreme Site Services GmbH, Supreme Fuels GmbH & Co KG, Supreme Fuels Trading Fze Recorrido: Supreme Headquarters Allied Powers Europe

Dispositivo

1) O artigo 1.o, n.o 1, do Regulamento (UE) n.o 1215/2012 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 12 de dezembro

de 2012, relativo à competência judiciária, ao reconhecimento e à execução de decisões em matéria civil e comercial, deve ser interpretado no sentido de que uma ação de medidas provisórias, intentada perante um tribunal de um Estado-Membro, no âmbito da qual uma organização internacional invoca a sua imunidade de execução a fim de obter quer o levantamento de um arresto cautelar executado num Estado-Membro diferente do Estado do foro quer a proibição de efetuar mais arrestos com fundamento nos mesmos factos, e apresentada em paralelo com um processo relativo ao mérito da causa que tem por objeto um crédito decorrente do alegado não pagamento do combustível fornecido para efeitos de uma operação de manutenção da paz levada a cabo por esta organização, está abrangida pelo conceito de «matéria civil ou comercial», desde que essa ação não seja intentada ao abrigo do exercício de prerrogativas de poder público, na aceção do direito da União, o que cabe ao órgão jurisdicional de reenvio verificar.

2) O artigo 24.o, ponto 5, do Regulamento (UE) n.o 1215/2012 deve ser interpretado no sentido de que uma ação de

medidas provisórias, intentada perante um tribunal de um Estado-Membro, no âmbito da qual uma organização internacional invoca a sua imunidade de execução para obter quer o levantamento de um arresto cautelar, executado num Estado-Membro diferente do Estado do foro, quer a proibição de efetuar mais arrestos com fundamento nos mesmos factos, não é da competência exclusiva dos tribunais do Estado-Membro no qual o arresto cautelar foi executado.

(18)

Acórdão do Tribunal de Justiça (Décima Secção) de 3 de setembro de 2020 — achtung! GmbH/Instituto da Propriedade Intelectual da União Europeia (EUIPO)

(Processo C-214/19 P) (1)

[«Recurso de decisão do Tribunal Geral — Marca da União Europeia — Regulamento (CE) n.o 207/2009 — Artigo 7.o, n.o 1, alínea b) — Caráter distintivo — Falta»]

(2020/C 378/11) Língua do processo: alemão Partes

Recorrente: achtung! GmbH (representantes: G. J. Seelig e D. Bischof, Rechtsanwälte)

Outra parte no processo: Instituto da Propriedade Intelectual da União Europeia (representante: D. Hanf, agente)

Dispositivo

1) É negado provimento ao recurso.

2) achtung! GmbH é condenada a suportar, além das suas próprias despesas, as despesas efetuadas pelo Instituto da Propriedade Intelectual da União Europeia (EUIPO).

(1) JO C 238, de 15.7.2019.

Acórdão do Tribunal de Justiça (Primeira Secção) de 9 de setembro de 2020 (pedido de decisão prejudicial apresentado pela High Court (Irlanda) — Irlanda) — Friends of the Irish Environment

Ltd/An Bord Pleanála (Processo C-254/19) (1)

(«Reenvio prejudicial — Diretiva 92/43/CEE — Preservação dos habitats naturais e da fauna e da flora selvagens — Artigo 6.o, n.o 3 — Âmbito de aplicação — Conceitos de “projeto” e de “autorização” —

Avaliação adequada das incidências de um plano ou de um projeto num sítio protegido — Decisão de prorrogação da duração de uma autorização de construção de um terminal de regaseificação de gás natural

liquefeito — Decisão inicial baseada em legislação nacional que não transpôs corretamente a Diretiva 92/43»)

(2020/C 378/12) Língua do processo: inglês Órgão jurisdicional de reenvio

High Court (Irlanda)

Partes no processo principal

Demandante: Friends of the Irish Environment Ltd Demandada: An Bord Pleanála

sendo interveniente: Shannon Lng Ltd

Dispositivo

1) Uma decisão que prorroga o prazo de dez anos inicialmente fixado para a realização de um projeto de construção de um terminal de regaseificação de gás natural liquefeito deve ser considerada uma autorização de um projeto, na aceção do

artigo 6.o, n.o 3, da Diretiva 92/43/CEE do Conselho, de 21 de maio de 1992, relativa à preservação dos habitats naturais

e da fauna e da flora selvagens, quando a autorização inicial desse projeto, que caducou, tiver deixado de produzir efeitos jurídicos no termo do prazo que tinha fixado para essas obras e estas últimas não tiverem sido realizadas.

(19)

2) Cabe à autoridade competente avaliar se uma decisão que prorroga o prazo inicialmente fixado para a realização de um projeto de construção de um terminal de regaseificação de gás natural liquefeito, cuja autorização inicial caducou, deve

ser objeto da avaliação adequada das incidências prevista no artigo 6.o, n.o 3, primeira frase, da Diretiva 92/43 e, sendo

esse o caso, se deve dizer respeito a todo o projeto ou apenas a uma parte do mesmo, tendo em conta, em especial, tanto uma avaliação anterior eventualmente realizada como a evolução dos dados ambientais e científicos pertinentes mas também a eventual alteração do projeto ou a existência de outros planos ou projetos.

Esta avaliação das incidências deve ser efetuada quando não se possa excluir, com base nos melhores conhecimentos científicos na matéria, que esse projeto afeta os objetivos de conservação do sítio em questão. Uma avaliação anterior do referido projeto, realizada antes da concessão da sua autorização inicial, só pode excluir esse risco se contiver conclusões completas, precisas e definitivas, por forma a dissipar toda e qualquer dúvida cientificamente razoável quanto aos efeitos dos trabalhos, e desde que não se tenha verificado uma evolução dos dados ambientais e científicos pertinentes, uma eventual alteração do projeto ou a existência de outros planos ou projetos.

(1) JO C 206, de 17.6.2019.

Acórdão do Tribunal de Justiça (Grande Secção) de 8 de setembro de 2020 (pedido de decisão prejudicial apresentado pela High Court (Ireland) — Irlanda) — Recorded Artists Actors Performers

Ltd/Phonographic Performance (Ireland) Ltd, Minister for Jobs Enterprise and Innovation, Ireland, Attorney General

(Processo C-265/19) (1)

(«Reenvio prejudicial — Propriedade intelectual — Direitos conexos ao direito de autor — Diretiva 2006/115/CE — Artigo 8.o, n.o 2 — Utilização de fonogramas na União — Direito dos artistas intérpretes

ou executantes a uma remuneração equitativa partilhada com os produtores dos fonogramas — Aplicabilidade aos nacionais de Estados terceiros — Tratado sobre as interpretações e execuções e os fonogramas — Artigos 4.o e 15.o — Reservas notificadas por Estados terceiros — Limitações do direito a

uma remuneração equitativa que podem, por via da reciprocidade, decorrer dessas reservas para os nacionais de Estados terceiros dentro da União — Artigo 17.o, n.o 2, e artigo 52.o, n.o 1, da Carta dos

Direitos Fundamentais da União Europeia — Direito fundamental à proteção da propriedade intelectual — Requisito de que qualquer limitação esteja legalmente prevista, respeite o conteúdo essencial

do direito fundamental e seja proporcionada — Repartição das competências da União e dos Estados-Membros para fixar essas limitações — Repartição das competências nas relações com os Estados

terceiros — Artigo 3.o, n.o 2, TFUE — Competência exclusiva da União»)

(2020/C 378/13) Língua do processo: inglês Órgão jurisdicional de reenvio

High Court (Ireland)

Partes no processo principal

Recorrente: Recorded Artists Actors Performers Ltd

Recorridos: Phonographic Performance (Ireland) Ltd, Minister for Jobs Enterprise and Innovation, Ireland, Attorney General

Dispositivo

1) O artigo 8.o, n.o 2, da Diretiva 2006/115/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 12 de dezembro de 2006,

relativa ao direito de aluguer, ao direito de comodato e a certos direitos conexos ao direito de autor em matéria de propriedade intelectual, deve, à luz dos artigos 4.o, n.o 1, e 15.o, n.o 1, do Tratado da Organização Mundial da

Propriedade Intelectual sobre Prestações e Fonogramas, ser interpretado no sentido de que se opõe a que um Estado-Membro exclua, na transposição para a sua legislação dos termos «artistas intérpretes ou executantes», que

figuram neste artigo 8.o, n.o 2, e que designam os artistas que têm direito a uma parte da remuneração equitativa única aí

referida, os artistas nacionais de Estados terceiros ao Espaço Económico Europeu (EEE), com a única exceção daqueles que possuem o seu domicílio ou a sua residência no EEE e daqueles cuja contribuição para o fonograma tenha sido realizada no EEE.

Referências

Documentos relacionados

Para alcançá-lo têm-se dois objetivos específicos: (i) entender o que se pode conceituar como mecanismo de atuação do controle interno com vistas às mudanças globais da

(Opção e acessório) Nota As jantes e pneus de 18" disponíveis no Ford Focus foram concebidos para proporcionar uma condução mais desportiva e uma estabilidade

Fundamentais da União Europeia, deve ser interpretado no sentido de que, antes de adotar uma decisão de regresso relativamente a um menor não acompanhado, o

Como discutiremos na Proposi¸c˜ao 38.8, p´agina 1867, o Teorema de Weierstrass ´e equivalente a um outro Teorema importante, o Teorema de Fej´er (Teorema 38.9, p´agina 1865), o qual

Guia do utilizador do monitor de ecrã plano Dell™ 1908FP-BLK Sobre o monitor Instalação do monitor Utilização do monitor Resolução de Problemas Apêndice.. Nota, Aviso

Uma imagem é virtual quando ela é formada pelo processo de prolongamento dos raios luminosos refletidos (e não dos próprios raios)... A imagem de um objeto diante de um espelho

Fazer com que a atividade, envolvendo uma trilha ecológica como proposta investigativa na Educação Ambiental, promova o desenvolvimento dos alunos na capacidade de

A) É necessário alongamento dos flexores de cotovelo na Paralisia Braquial do tipo Erb-Duchenne para prevenir a contratura de bíceps em consequência ao padrão