4º trimestre de 2018 RELATÓRIO GERENCIAL DE RESULTADOS. CAPA

25 

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Texto

(1)

1

4º trimestre de 2018

RELATÓRIO GERENCIAL

DE RESULTADOS

www.bancovotorantim.com.br/ri CAPA

(2)

2

ÍNDICE

Sumário executivo

Estratégia corporativa

Análise do resultado gerencial

Destaques patrimoniais

Ratings

Governança corporativa

Reconciliação

Contábil x Gerencial

Anexos

Balanço patrimonial

Carteira de crédito

Financiamento de veículos

Qualidade da carteira crédito

Funding e Liquidez

Capital

Outras receitas e despesas operacionais

Despesas de pessoal e administrativas

Receitas de prestação de serviços e seguros

Resultado com provisões de crédito (PDD)

e impairments

Margem financeira bruta (MFB)

Principais informações

ÍNDIC E

(3)

3 Sumário executivo | Relatório Gerencial de Resultados | 3T18

SUMÁRIO EXECUTIVO

Lucro líquido de 2018 somou R$1.061 milhões - equivalente a retorno anualizado sobre o patrimônio líquido (ROE) de 11,5% a.a., comparável a R$ 582 milhões em 2017, representando crescimento de 82,3% no período. No 4T18, o lucro líquido totalizou R$ 282 milhões, com ROE de 12,5% a.a.. Total de receitas (margem bruta + receitas de serviços e seguros) cresceu 5,9% na compa-ração 2018/2017, e 7,8% em relação ao 3T18. A margem bruta isolada cresceu 5,5% no último ano, reflexo da maior rentabilidade em todos os negócios e pela maior participação do Varejo no portfólio. Como consequência, o Net Interest Margin (NIM) aumentou para 6,2% em 2018, comparado a 5,6% em 2017. Resultado com PDD e impairments reduziu 25,5% na comparação 2018/2017 devido à melhora da qualidade de crédito da carteira, principalmente no segmento Atacado. O Índice de Cobertura alcançou 171% ao final de Dez.18. No 4T18, o resultado com PDD e impairments cresceu 69,6%, reflexo principal-mente de menores receitas com recuperação de crédito.

A inadimplência acima de 90 dias da carteira de crédito encerrou Dez.18 em 4,2%, estável no trimestre, e com alta de 0,2 p.p. nos últimos 12 meses, reflexo de rolagem de caso pontual do segmento de Grandes Empresas que já estava adequadamente provisionado. A gestão efetiva da base de custos e a geração consistente e diversificada de receitas em 2018 contribuíram para a melhora do Índice de Eficiência nos últimos 12 meses, que foi reduzido para 33,1% em Dez/18 (34,4% em Dez/17).

SUMÁRIO EXECUTIVO

Funding: recursos captados totalizaram

R$ 60,8 bilhões em Dez.18. Instrumentos estáveis de captação representavam 61% da do funding total.

Liquidez: caixa livre em patamar conservador, em nível bastante confortável para cobrir integralmente as captações com liquidez diária. Capital: O Índice de Basileia alcançou 15,7% em Dez.18, sendo 13,6% de Capital Nível I, que consiste no somatório do Capital Principal (11,6%) e Capital Complementar (2,0%).

O Banco avançou na estratégia de rentabilizar

os

negócios,

aumentar

a

eficiência

operacional

e

diversificar

as

fontes

de

receitas, investindo de forma contínua na

transformação digital direcionada a melhorar a

experiência dos clientes.

Em linha com o plano de continuar avançando em frentes que promovam um ambiente de inovação junto às empresas que estão mudando os mercados em que atuam, o Banco criou um fundo de investimentos em participações (FIP BV), com a intenção de investir diretamente em startups promissoras. Neste sentido, buscando aumentar ainda mais a participação de fintechs no seu ecossistema, foi assinado um acordo com a Weel, plataforma online pioneira que utiliza inteligência artificial para antecipação de

recebíveis e que foca principalmente em

pequenas e médias empresas.

Para fortalecer a estratégia de diversificação, o Banco formalizou duas novas parcerias no final do ano. Em Set/18 foi consolidado acordo exclusivo para a BV oferecer soluções de crédito aos clientes da Yalo, parceira do Dr. Consulta e primeira plataforma brasileira de benefícios em procedimentos de saúde e bem-estar. E em Dez/18, o Banco começou a operar no segmento de turismo, financiando a compra de pacotes de viagens para os clientes da CVC.

(4)

4 Sumário executivo | Relatório Gerencial de Resultados | 4T18

Principais informações

Principais informações

A seguir, apresentamos informações e indicadores gerenciais selecionados do Banco Votorantim com o objetivo de permitir análises nas mesmas bases de comparação.

1.Quociente entre o lucro líquido e o patrimônio líquido médio do período. Anualizado exponencialmente; 2.Quociente entre o lucro líquido e os ativos totais médios do período. Anualizado exponencialmente;3.Quociente entre a margem financeira bruta e os ativos rentáveis médios do período. Anualizado exponencialmente; 4.IE = despesas de pessoal e administrativas / (margem financeira bruta + receita de serviços e tarifas + participações em coligadas e controladas + outras receitas operacionais + outras despesas operacionais); 5.Fonte: Cetip; Bacen; IBGE; 6.Não considera estagiários e estatutários; 7.Inclui fundos onshore (critério ANBIMA) e recursos de clientes private (renda fixa, renda variável e fundos offshore).

Variação Variação %

4T18/3T18 2018/2017 RESULTADOS (R$ Milhões)

Margem financeira bruta 1.332 1.326 1.428 5.081 5.359 7,7% 5,5% Resultado com PDD e impairments (487) (292) (495) (2.004) (1.492) 69,6% -25,5% Receita de prestação de serviços e com tarifas 376 341 364 1.318 1.374 6,9% 4,2% Despesas administrativas e de pessoal (inclui PLR) (657) (674) (653) (2.403) (2.521) -3,1% 4,9% Resultado operacional 298 543 474 1.027 1.989 -12,7% 93,7% Lucro líquido 156 268 282 582 1.061 5,0% 82,3% INDICADORES DE DESEMPENHO (%)

Retorno sobre Patrimônio Líquido Médio¹ (ROAE) 7,3 11,9 12,5 6,8 11,5 0,6 p.p. 4,7 p.p. Retorno sobre Ativo Total Médio² (ROAA) 0,6 1,1 1,1 0,6 1,1 0,0 p.p. 0,5 p.p. Net Interest Margin³ (NIM) 6,3 6,4 6,7 5,6 6,2 0,3 p.p. 0,6 p.p. Índice de Eficiência (IE) - acumulado 12 meses4 34,4 33,4 33,1 34,4 33,1 -0,3 p.p. -1,3 p.p. Índice de Basileia 15,5 16,4 15,7 15,5 15,7 -0,7 p.p. 0,2 p.p. Índice de Capital Nível I 11,4 13,1 13,6 11,4 13,6 0,5 p.p. 2,2 p.p. Índice de Capital Principal 11,4 11,1 11,6 11,4 11,6 0,5 p.p. 0,2 p.p. INDICADORES MACROECONÔMICOS5

CDI - taxa acumulada no período (%) 1,8 1,6 1,5 10,0 6,4 -0,1 p.p. -3,6 p.p. Taxa Selic - meta final (% a.a.) 7,00 6,50 6,50 7,00 6,50 0,0 p.p. -0,5 p.p. IPCA - taxa acumulada no período (%) 1,2 0,7 0,4 2,9 3,7 -0,3 p.p. 0,8 p.p. Dólar - final (R$) 3,31 4,00 3,87 3,31 3,87 -3,2% 17,1%

Variação Variação %

Dez18/Set18 Dez18/Dez17 BALANÇO PATRIMONIAL (R$ Milhões)

Total de ativos 93.519 97.256 101.821 4,7% 8,9%

Carteira de crédito ampliada 59.021 59.417 60.226 1,4% 2,0% Segmento Atacado 23.029 22.031 21.634 -1,8% -6,1% Segmento Varejo 35.992 37.387 38.592 3,2% 7,2% Recursos captados 61.203 61.606 60.809 -1,3% -0,6% Patrimônio líquido 8.868 9.498 9.374 -1,3% 5,7% INDICADORES DE QUALIDADE DA CARTEIRA (%)

Inadimplência (acima de 90 dias) 4,0 4,2 4,2 0,0 p.p. 0,2 p.p. Índice de Cobertura (acima de 90 dias) 192 174 171 -3,0 p.p. -20,5 p.p. OUTRAS INFORMAÇÕES

Colaboradores6 (quantidade) 3.873 3.892 3.842 -1,3% -0,8% Recursos geridos7 (R$ Millhões) 54.749 50.121 48.435 -3,4% -11,5%

Dez17 Set18 Dez18

(5)

5 Estratégia corporativa | Relatório Gerencial de Resultados | 4T18

ESTRATÉGIA CORPORATIVA

Além disso, o Banco possui estratégias especí-ficas para outros produtos de empréstimos e financiamentos.

Crédito Consignado

Visa manter posição relevante no mercado de empréstimos consignados, com foco nas modali-dades Privado (crescimento orgânico da carteira) e INSS (refinanciamento da carteira).

Crédito Pessoal e outros negócios

• Crédito Pessoal: parceria com fintechs (ex.: Guia Bolso, Yalo e Neon Pagamentos) e alavancando a base de clientes BV;

• Crédito Estudantil: parceria com a Kroton e PRAVALER;

• Crédito com garantia imobiliária;

• Financiamento para aquisição de placa de energia solar residencial em parceria com o Portal Solar.

Aproveitando a base de clientes de Veículos, o Banco busca diversificar as fontes de receitas por meio de cartões de crédito e corretagem de seguros, ambos com estratégias bem definidas:

Cartões de Crédito

Busca expandir o volume de cartões ativos -emitidos com as bandeiras Elo, MasterCard e Visa, tanto por meio da oferta para a atual base de clientes de financiamentos de veículos, quanto pela oferta a clientes de parceiros comerciais.

Corretagem de Seguros

Por meio da Votorantim Corretora de Seguros, visa ampliar as receitas de corretagem de seguros. Além de continuar a crescer em produtos como Auto e Prestamista, o Banco também vem diversificando seu portfólio, que atualmente inclui produtos de capitalização e de seguros de vida, residencial, acidente pessoal, entre outros.

Negócios de Varejo (Financiamento ao Consumo)

O negócio core do Varejo é Financiamento de Veículos, no qual o Banco opera por meio da controlada BV, principalmente no mercado de financiamento de carros leves usados (revendas multimarcas), em que pos-sui histórico de liderança e reconhecida competência. Entre os seus diferenciais competitivos, vale destacar: (i) expertise na precificação, concessão de crédito e cobrança; (ii) elevada capilaridade por meio de extensa rede de distribuição terceirizada; (iii) agilidade na tomada de decisão; e (iv) relacionamento com as revendas.

Adicionalmente, o Banco tem buscado incrementar as receitas de comissões da Promotiva S.A., joint-venture com o BB que atua principalmente na originação de créditos consignados (Público e INSS) diretamente para o acionista.

O Banco Votorantim busca consolidar-se entre os principais bancos privados nacionais, alavancando sinergias com os acionistas e trazendo o cliente para o centro do negócio. Para tanto, o Banco tem focado na rentabilização dos negócios, no aumento da eficiência operacional e na diversificação das fontes de receitas, investindo de forma contínua na transformação digital direcionada a melhorar a experiência dos clientes. O portfólio do Banco é divido em três unidades de negócios: • Negócios de Varejo (Financiamento ao Consumo) • Banco de Atacado (Corporate Bank)

• Gestão de Recursos (Wealth Management)

(6)

6 Estratégia corporativa | Relatório Gerencial de Resultados | 4T18

Private Bank

Posiciona-se entre os melhores private banks do mercado, expandindo sua atuação em gestão patrimonial integrada por meio de soluções diferenciadas.

O Private Bank adota uma abordagem macro, avaliando diferentes cenários para identificar as melhores opções de investimento, sempre apoiada por modernas ferramentas de gestão, modelos estatísticos e sistemas especialmente desenvolvidos para interpretação de cenários de estresse e monitoramento de riscos de forma a priorizar a proteção do capital investido.

Large Corporate

Clientes¹ (inclui instituições financeiras) com fatu-ramento anual acima de R$ 1,5 bilhão, cujo foco é atuar, principalmente, em operações de mercado de capitais, estruturação financeira, garantias (fianças) e tesouraria.

Corporate

Clientes¹ com faturamento até R$ 1,5 bilhão, cujo foco é atuar de maneira seletiva em operações de

cash management, estruturação financeira,

garan-tias (fianças), capital de giro, hedge, câmbio, mer-cado de capitais e fusões e aquisições.

Banco de Atacado (Corporate Bank)

Ampla oferta de produtos

Gestão de Patrimônio (Wealth Management)

Asset Management

Reconhecida pela consistência na performance e pelo desenvolvimento de soluções apropriadas às necessidades dos clientes, por meio de sua capacidade inovadora e diferenciada de estruturação e gestão de produtos de alto valor agregado.

A Votorantim Asset Management (VAM) ocupa posição de destaque dentro do seu peer group (i.e., Assets sem estrutura de rede de agências) e possui parceria com o BB para estruturação, gestão, administração e distribuição de fundos de investimento.

O negócio de Gestão de Patrimônio desenvolve e provê de maneira sustentável soluções em gestão patrimonial, com objetivos estratégicos bem traçados para os dois mercados distintos em que atua:

Com um portfolio diversificado de produtos e serviços bancários, expertise setorial e um atendimento ágil e customizado, o Banco de Atacado atende clientes com perfil de faturamento anual acima de R$ 300 milhões, os quais são internamente agrupados em dois segmentos.

Moeda Estrangeira & FX Moeda Local & Cash Management

Captação Derivativos

Corporate Finance

Mercado de Capitais & M&A

(7)

7 Análise do resultado gerencial | Relatório Gerencial de Resultados | 4T18

ANÁLISE DO RESULTADO GERENCIAL

Variação % Variação %

4T18/3T18 2018/2017

Margem Financeira Bruta 1.332 1.326 1.428 7,7 5.081 5.359 5,5

Resultado com PDD e impairments (487) (292) (495) 69,6 (2.004) (1.492) (25,5)

Margem Financeira Líquida 845 1.034 932 (9,8) 3.077 3.867 25,7 Outras Receitas/Despesas Operacionais (546) (491) (458) (6,6) (2.050) (1.878) (8,4)

Receitas de Prestação de Serviços e Tarifas 376 341 364 6,9 1.318 1.374 4,2 Despesas de Pessoal e Administrativas (657) (674) (653) (3,1) (2.403) (2.521) 4,9 Despesas Tributárias (112) (99) (98) (0,8) (398) (398) 0,1 Resultado de Participações em Controladas 81 87 111 27,5 285 361 26,5 Outras Receitas (Despesas) Operacionais (234) (145) (182) 25,5 (853) (694) (18,6)

Resultado Operacional 298 543 474 (12,7) 1.027 1.989 93,7 Resultado Não Operacional (4) (2) (69) - 3 (76) -Resultado Antes da Tributação s/ Lucro 294 541 405 (25,1) 1.030 1.914 85,8

Imposto de Renda e Contribuição Social (138) (273) (123) (54,7) (448) (853) 90,3

Lucro Líquido 156 268 282 5,0 582 1.061 82,3 Retorno Sobre o Patrimônio Líquido (ROE) 7,3% 11,9% 12,5% 6,8% 11,5%

2017 2018

DEMONSTRAÇÃO GERENCIAL DO RESULTADO

(R$ Milhões) 4T17 3T18 4T18

Margem Financeira Bruta (R$M) e NIM¹ (% a.a.)

Neste capítulo serão discutidos os principais componentes do resultado financeiro e operacional do Banco Votorantim.

A MFB cresceu 5,5% na comparação 2018/2017, e 7,7% na 4T18/3T18, reflexo da maior rentabilidade dos negócios, em particular da operação de Varejo, cuja participação na carteira tem crescido de forma consistente. Houve incremento tanto da margem com mercado quanto da margem com clientes, sendo que esta última foi impulsionada pelo crescimento das carteiras e pela maior representatividade dos produtos com spreads mais elevados.

O NIM¹ cresceu para 6,2% a.a. em 2018, impulsionado pelo aumento da participação de Veículos e Cartões no mix da carteira.

Margem Financeira Bruta (MFB)

6,3% 6,4%

1. Net Interest Margin: Quociente entre Margem Bruta e Ativos Rentáveis Médios

NIM1

ANÁLISE DO RESULTADO GERENCIAL

1.332 1.326 1.428 4T17 3T18 4T18 +7,7% 5.081 5.359 2018 2017 +5,5% 6,7% 5,6% 6,2%

No 4T18, o lucro líquido foi de R$ 282 milhões, com crescimento de 5,0% em relação ao 3T18. Os principais destaques do último trimestre foram (i) a geração consistente e diversificada de receitas, com expansão da Margem Bruta e das receitas de serviços e corretagem de seguros, e (ii) redução nas despesas de pessoal e administrativas, em linha com a estratégia de incremento da eficiência operacional. Em contrapartida, no 4T18 houve aumento no resultado com PDD e impairments, influenciado, principalmente, por menores receitas com recuperação de crédito e aumento de provisões para perdas, em função de caso específico do Atacado. O lucro líquido totalizou R$ 1.061 milhões em 2018,

com crescimento de 82,3% em relação ao mesmo período do ano anterior. Esse aumento reflete o bom desempenho do resultado operacional, impulsionado (i) pelo crescimento da Margem Bruta e das receitas com serviços e corretagem de seguros, (ii) por menores despesas com provisões de crédito, e (iii) por menores despesas com passivos contingentes. O retorno sobre o patrimônio líquido (ROE) atingiu 11,5% a.a. em 2018, ante 6,8% a.a. em 2017.

(8)

8 Análise do resultado gerencial | Relatório Gerencial de Resultados | 4T18

Resultado com PDD e Impairments (R$M)

Receitas de Serviços e Seguros (R$M)

Resultado com provisões de crédito (PDD) e impairments

O resultado com PDD e impairments de 2018 reduziu 25,5% em relação a 2017, principalmente devido às menores provisões para devedores duvidosos do Atacado, reflexo da melhora da qualidade da carteira. Tal melhoria reflete a eficiência da gestão de riscos e dos processos de concessão de crédito, evidenciados pela redução na relação do resultado de PDD consolidado com a carteira de crédito classificada, que caiu de 4,0% em 2017 para 2,5% em 2018.

No comparativo com o trimestre anterior, o resultado com PDD e impairments registrou aumento de 69,6%, influenciado principalmente por (i) menores receitas com recuperação de crédito, e (ii) pelo incremento de provisão relacionado a um caso específico do Atacado.

Receitas de Prestação de Serviços² e Seguros¹

As receitas de prestação de serviços, tarifas e seguros cresceram 7,2% no comparativo 2018/2017, e 8,2% na comparação com o 3T18. Em ambos períodos, o incremento da receita reflete a maior originação de Veículos– principalmente leves usados, e o aumento do volume da carteira de cartões de crédito.

Vale destacar que as receitas com corretagem de seguros cresceram 16,6% ante 2017, e 11,9% em relação ao trimestre anterior, alinhado à estratégia de ampliação da atuação em ramos de maior margem (Vida, Capitalização e Residencial), além de alavancar ainda mais o potencial do ramo Auto, por meio do aproveitamento da base de clientes da carteira de Veículos.

2. Inclui Receitas com Tarifas Bancárias.

PDD e Receitas Prestação de serviços

376 341 364 4T17 129 4T18 118 3T18 132 496 505 458 +8,2% 1.318 1.374 409 477 2017 1.727 2018 1.851 +7,2% Seguros (corretagem)¹ Serviços e Tarifas 4,5 4,3 4,6 15,7 17,0 Originação de Veículos (R$B)

1.Receitas de corretagem de seguros da VCS, cujo resultado é reconhecido via equivalência patrimonial; Maiores detalhes na página 24.

654 513 610 (167) (221) 3T18 4T17 (114) 4T18 487 292 495 +69,6% 2.796 2.161 (792) (669) 2018 2017 2.004 1.492 -25,5% Despesas de PDD e impairment

Receitas de recuperação de crédito

7,4% 1,9%

Despesa de PDD (líquida) / Carteira de crédito (% a.a.)

3,3% 4,0% 2,5%

Variação (%) Variação (R$)

4T18/3T18 2018/2017

Despesa (Gerencial) de Provisão para Devedores Duvidosos (1.039) (454) (526) (2.726) (1.907) 16,0 (30,0) Recuperação de Crédito Baixados como Prejuizo 167 221 114 792 669 (48,2) (15,5) Impairments 385 (60) (84) (70) (254) 40,6 264,2

Resultado com PDD e impairments (487) (292) (495) (2.004) (1.492) 69,6 (25,5) Resultado com provisões de crédito (PDD) e impairments

(R$ Milhões) 4T17 3T18 4T18 2017 2018

Variação (%) Variação (R$)

4T18/3T18 2018/2017

Confecção de cadastro e Avaliação de bens 212 176 188 712 718 7,0 0,9 Cartão de crédito 61 63 71 213 256 13,7 20,4 Rendas de garantias prestadas 25 28 24 111 100 (12,3) (9,9) Administração de fundos de investimento 38 33 39 127 149 18,4 17,5 Outras 40 42 42 156 151 0,3 (3,1)

Receitas de Prestação de Serviços 376 341 364 1.318 1.374 6,9 4,2

Receitas de Corretagem de Seguros 129 118 132 409 477 11,9 16,6

Receitas de Prestação de Serviços e Seguros 505 458 496 1.727 1.851 8,2 7,2 RECEITAS DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS2

(9)

9 Análise do resultado gerencial | Relatório Gerencial de Resultados | 4T18

Despesas de Pessoal e Administrativas

As despesas gerais de pessoal e administrativas, incluindo a participação nos resultados (PLR), totalizaram R$ 2.521 milhões em 2018, com aumento de 4,9% em relação a 2017, principalmente em função de (i) maiores despesas administrativas atreladas ao maior volume de negócios, (ii) maiores investimentos em tecnologia vinculados à jornada de transformação digital e (iii) aumento dos investimentos em Marketing alavancados pelo lançamento da nova marca“BV”. Na comparação com o 3T18, as despesas gerais reduziram 3,1%, reflexo de menores despesas advindas de Demandas Trabalhistas no 4T18, compensando, portanto, os efeitos advindos do acordo coletivo ocorrido em setembro de 2018.

As despesas de pessoalficaram praticamente estáveis frente a 2017– queda de 0,2%. A redução no ano reflete o menor quadro de colaboradores (linha de remune-ração, benefícios e encargos), efeito parcialmente neutralizado por maiores despesas com provisão para remuneração variável, reflexo do maior lucro líquido no período.Em comparação ao 3T18, o total de despesas de pessoal reduziu devido às menores despesas com causas trabalhistas.

O Índice de Eficiência (12 meses) encerrou Dez.18 em 33,1%, com melhora em relação ao índice de Dez.17, de 34,4%, refletindo a geração consistente e diversificada de receitas e dos contínuos esforços da gestão efetiva da base de custos, em linha com a estratégia do Banco de aumentar a eficiência operacional.

Despesas de Pessoal e Administrativas (R$M)

Índice de Eficiência² (últimos 12 meses)

Despesa de pessoal e administrativas

319 338 349 243 268 283 95 68 4T17 3T18 21 4T18 657 674 653 -3,1% 1.144 1.265 1.028 1.025 231 232 2.403 2018 2017 2.521 +4,9% 34,4% 33,4% 33,1% Pessoal - Outras¹

Demandas Trabalhistas (Despesa de Pessoal)

Administrativas

1. Considera despesas com PLR; 2. Não considera demandas trabalhistas e PLR.

As despesas administrativas tiveram alta de 10,5% na comparação 2018/2017, e 3,5% no comparativo 4T18/3T18. Em ambos períodos o crescimento é explicado por maiores despesas nas linhas de (i) processamento de dados, reflexo do maior volume de negócios e de maiores investimentos em tecnologia, alinhado com o processo de transformação digital do Banco, e de (ii) marketing, decorrente do maior investimento em publicidade da marca do Varejo, a BV.

Variação (%) Variação (R$)

4T18/3T18 2018/2017 Despesas de Pessoal (338) (337) (304) (1.259) (1.257) (9,7) (0,2)

Remuneração, Benefícios e Encargos Sociais (215) (216) (222) (859) (847) 3,0 (1,4) Demandas trabalhistas (95) (68) (21) (231) (232) (68,9) 0,2 Participação nos Resultados (PLR) (27) (51) (58) (164) (171) 13,5 4,4 Treinamento (1) (2) (3) (4) (7) 70,3 58,7

Despesas Administrativas (319) (338) (349) (1.144) (1.265) 3,5 10,5

Serviços Técnicos Especializados (111) (119) (110) (379) (420) (8,0) 10,8 Processamento de Dados (51) (61) (84) (204) (245) 38,1 20,1 Serviços do Sistema Financeiro (25) (25) (23) (97) (100) (8,6) 3,6 Emolumentos Judiciais (22) (23) (21) (94) (83) (7,6) (11,3) Marketing (13) (15) (21) (31) (59) 38,3 89,8 Outras (97) (95) (91) (339) (357) (3,9) 5,1

Total (657) (674) (653) (2.403) (2.521) (3,1) 4,9 DESPESAS DE PESSOAL E ADMINISTRATIVAS

(R$ Milhões) 4T17 3T18 4T18 2017 2018

O Banco encerrou o ano de 2018 com 3.842 funcionários(excluindo estagiários e estatutários)

(10)

10 Análise do resultado gerencial | Relatório Gerencial de Resultados | 4T18

Outras receitas e despesas operacionais

As outras receitas e despesas operacionais totalizaram R$ 694 milhões em 2018, com redução de 18,7% em relação a 2017, principalmente devido às menores despesas com provisão para passivos contingentes relacionadas às demandas cíveis.

Com relação ao 3T18, as outras receitas e despesas operacionais cresceram 25,5%, impactadas, principalmente, por maiores despesas com provisões para garantias prestadas. Vale destacar que no 3T18 houve uma reversão pontual de provisão para garantias prestadas, pela redução de saldo de um cliente específico.

Outras receitas e despesas operacionais

Variação (%) 4T18/3T18 2018/2017

Custos associados à produção (166) (144) (145) (636) (587) 0,7 (7,6) Reversão (provisão) para passivos contingentes (40) (29) (45) (220) (156) 55,9 (29,1) Reversão (provisão) para garantias prestadas (21) 27 (3) (43) 22 - -Outras (7) 1 11 46 28 - (39,8)

Total Outras Receitas (Despesas) Operacionais (234) (145) (182) (853) (694) 25,5 (18,7) 2018

OUTRAS RECEITAS (DESPESAS) OPERACIONAIS

(11)

11 Destaques patrimoniais | Relatório Gerencial de Resultados | 4T18

DESTAQUES PATRIMONIAIS

Balanço Patrimonial

Os ativos totais alcançaram R$ 101.821 milhões ao final de Dez.18, com aumento de 4,7% em três meses e de 8,9% em doze meses. O patrimônio líquido totalizou R$ 9.374 milhões no mesmo período.

DESTAQUES PATRIMONIAIS

Variação %

Dez18/Set18 Dez18/Dez17

CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 92.503 95.729 99.570 4,0 7,6

Disponibilidades 296 405 202 (50,2) (31,9)

Aplicações Interfinanceiras de Liquidez 15.110 13.815 12.997 (5,9) (14,0)

Títulos e Valores Mobiliários 21.083 20.341 26.078 28,2 23,7

Instrumentos Financeiros Derivativos 2.036 4.536 4.309 (5,0) 111,7

Relações Interfinanceiras e Interdepêndecias 14 646 522 (19,2)

-Operações de Crédito, Arrendamento e Outros Créditos 47.200 48.065 48.463 0,8 2,7

Provisão para Devedores Duvidosos (3.674) (3.635) (3.631) (0,1) (1,2)

Crédito Tributário 7.215 6.997 6.837 (2,3) (5,2) Outros Ativos 3.224 4.559 3.792 (16,8) 17,6 PERMANENTE 1.016 1.527 2.251 47,4 121,7 Investimentos 742 1.196 1.883 57,5 153,9 Imobilizado 106 110 109 (1,5) 2,2 Intangível e Diferido 168 221 259 17,4 54,7 TOTAL DO ATIVO 93.519 97.256 101.821 4,7 8,9 Variação % Dez18/Set18 Dez18/Dez17

CIRCULANTE E EXIGÍVEL A LONGO PRAZO 84.619 87.717 92.414 5,4 9,2

Depósitos 8.503 10.971 12.085 10,1 42,1

Depósitos à vista e interfinanceiros 2.143 2.069 2.121 2,5 (1,0)

Depósitos a Prazo 6.360 8.902 9.964 11,9 56,7

Captações no Mercado Aberto 25.737 20.767 24.840 19,6 (3,5)

Recursos de Aceites e Emissão de Títulos 24.085 28.452 30.211 6,2 25,4

Relações Interfinanceiras e Interdependências 1.213 1.281 1.455 -

-Obrigações por Empréstimos e Repasses 4.062 4.394 3.974 (9,6) (2,1)

Instrumentos Derivativos Financeiros 1.701 4.110 4.064 (1,1) 138,9

Outras Obrigações 19.318 17.741 15.784 (11,0) (18,3)

Dívidas Subordinadas 5.818 6.461 6.334 (2,0) 8,9

Obrigações de operações vinculadas a cessões 9.445 6.635 5.914 (10,9) (37,4)

Outras 4.055 4.645 3.537 (23,9) (12,8)

RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS 32 41 33 (18,5) 3,9 PATRIMÔNIO LÍQUIDO 8.868 9.498 9.374 (1,3) 5,7 TOTAL DO PASSIVO 93.519 97.256 101.821 4,7 8,9

BALANÇO PATRIMONIAL | Passivo

(R$ Milhões) Dez17 Set18 Dez18

BALANÇO PATRIMONIAL | Ativo

(12)

12 Destaques patrimoniais | Relatório Gerencial de Resultados | 4T18

Carteira de Crédito

Ao final de Dez.18, a carteira de crédito ampliada (incluindo operações de avais, fianças e títulos privados) atingiu R$ 60,2 bilhões, crescimento de 2,0% nos últimos 12 meses e de 1,4% em relação a Set.18, com aumento da participação dos negócios de Varejo.

No segmento Varejo, a carteira de crédito alcançou R$ 38,6 bilhões em Dez.18, registrando aumento de 7,2% em relação a Dez.17, e de 3,2% comparado com Set.18, impulsionada pelo crescimento em Veículos, principalmente usados.

Vale destacar o crescimento de 20,4% da carteira de cartões de crédito nos últimos 12 meses, reflexo da estratégia de diversificação das receitas. O Banco vem fortalecendo seu portfolio de cartões e sofisticando a oferta para atuais clientes e parceiros comerciais.

Mix de crédito Atacado - carteira ampliada (R$B) Mix de crédito Varejo (R$B)

Carteira de crédito 77% 79% 8% 7% 8% Dez/17 Dez/18 Novos Usados 36,0 38,6 5% 5% 6% A carteira ampliada do Atacado atingiu R$ 21,6 bilhões

em Dez.18, com redução de 6,1% nos últimos 12 meses, principalmente no saldo de TVM Privado. Na comparação trimestral houve redução de 1,8%.

Veículos Carteira classificada

1. Consignado (INSS, privado e público), crédito pessoal (com e sem garantia), home equity, crédito estudantil e solar; Maiores detalhes na página 24.

Variação (%) Dez18/Set18 Dez18/Dez17

Segmento Atacado (a) 12.687 12.383 11.887 (4,0) (6,3) Segmento Varejo (b) 35.992 37.387 38.592 3,2 7,2

Veículos (CDC e Leasing) 30.520 32.224 33.370 3,6 9,3 Empréstimos¹ 3.582 3.110 2.945 (5,3) (17,8) Cartão de Crédito 1.890 2.053 2.276 10,9 20,4

Carteira de Crédito Classificada (a+b) 48.679 49.770 50.478 1,4 3,7

Avais e fianças prestados (c) 4.862 5.299 5.520 4,2 13,5 TVM Privado (d) 5.480 4.349 4.228 (2,8) (22,8)

Carteira de Crédito Ampliada (a+b+c+d) 59.021 59.417 60.226 1,4 2,0 Segmento Atacado (a+c+d) 23.029 22.031 21.634 (1,8) (6,1)

Segmento Varejo (b) 35.992 37.387 38.592 3,2 7,2

CARTEIRA DE CRÉDITO

(R$ Milhões) Dez17 Set18 Dez18

2% 1% Dez/17 Dez/18 Títulos privados 23,0 21,6 Avais/ fianças 39% 12% 21% 24% 41% 8% 26% 20%

Consignado Cartões CP+Outros Financiamento Export./Import.

Repasses BNDES Outros Empréstimos

(13)

13 Destaques patrimoniais | Relatório Gerencial de Resultados | 4T18 O volume de originação de financiamentos de veículos somou R$ 4,6 bilhões no trimestre, sendo 89% de veículos leves usados. A combinação entre os contínuos aprimoramentos nos processos e modelos de crédito, e a prudência na concessão de financiamentos tem mantido a qualidade na originação de Veículos, cujo volume cresceu 4,2% em comparação ao 4T17.

+2,6% +19,6% ∆4T18

/4T17

O Banco manteve o conservadorismo na originação de financiamentos de veículos, com percentual médio de entrada de 40% e prazo médio de 45 meses.

Banco Votorantim é um dos líderes no mercado de financiamento de veículos.

Originação de financiamentos de Veículos (R$B) Financiamento de veículos Financiamento de veículos 0,5 0,4 4,0 (90%) 4,1 (89%) 4T17 3,8 (88%) 3T18 0,5 4T18 4,5 4,3 4,6 +4,2% Outros veículos Leves usados Variação (%) 4T18/3T18 4T18/4T17

Taxa média (% a.a.) 22,7 23,2 23,3 0,1 p.p. 0,6 p.p. Prazo Médio (meses) 43 45 45 0 2 Valor entrada / Valor do Bem (%) 42,2 40,9 40,3 -0,6 p.p. -1,9 p.p. Veiculos Leves Usados/ Total Veículos (%) 90,2 88,1 88,8 0,7 p.p. -1,4 p.p. Produção veículos total (R$ bilhões) 4,5 4,3 4,6 7,4% 4,2%

Variação (%) Dez18/Set18 Dez18/Dez17

Taxa média (% a.a.) 25,6 24,0 23,8 -0,2 p.p. -1,8 p.p. Prazo Médio (meses) 45 45 45 0 0 Veículos Leves Usados/ Carteira Veículos (%) 91,2 88,0 88,3 0,3 p.p. -2,9 p.p. Idade Média dos Veículos (anos) 5 6 6 0 1 Carteira de Veículos (R$ bilhões) 30,5 32,2 33,4 3,6% 9,3%

VEÍCULOS - Carteira Dez17 Set18

4T18

Dez18

(14)

14 Destaques patrimoniais | Relatório Gerencial de Resultados | 4T18

Índice de Cobertura (IC – 90 dias)

Todas as segmentações do risco da carteira de crédito nesta seção referem-se à carteira classificada (Res. CMN nº 2.682/99), exceto se indicado de outra forma. O Banco mantém um consistente processo de avaliação e acompanhamento do risco de crédito nas operações realizadas com clientes.

Refletindo o sólido modelo de gestão de risco e a solidez do balanço, o Índice de Cobertura do saldo em atraso acima de 90 dias seguiu em nível confortável, alcançando 171% em Dez.18 (Dez.17: 192%).

Índice de Cobertura

Qualidade da carteira de crédito

Qualidade de carteira de crédito

3.688 3.551 3.630 3.645 3.640 1.924 1.861 1.969 2.095 2.128

192% 191% 184% 174%

171%

Set/18

Dez/17 Mar/18 Jun/18 Dez/18

Saldo de PDD (R$M) Saldo de operações em atraso > 90 dias (R$M)

IC-90 dias

1. D NPL trimestral + baixas para prejuízo do período) / Carteira de Crédito do trimestre imediatamente anterior; 2. Considera, em Dez/18, saldo de R$ 9M deprovisões de crédito “genéricas” contabilizados no Passivo na linha “Diversas” (Vide NE #18d das DFs 4T18).

Saldo em atraso acima de 90 dias 1.925 2.095 2.128

Índice de Inadimplência acima de 90 dias 4,0% 4,2% 4,2%

Baixas para Prejuízo (a) (461) (436) (530)

Recuperação de Crédito (b) 167 221 114

Perda líquida (a+b) (295) (215) (416)

Perda líquida / Carteira de Crédito (anualizada) 2,4% 1,7% 3,3%

New NPL 439 562 564

New NPL / Carteira de Crédito¹ - trimestre 0,9% 1,1% 1,1%

Saldo de PDD² 3.688 3.645 3.640

Saldo de PDD / Carteira de Crédito 7,6% 7,3% 7,2%

Saldo de PDD / Saldo em atraso acima de 90 dias 192% 174% 171%

Saldo AA-C 43.196 44.390 45.378

Saldo AA-C / Carteira de Crédito 88,7% 89,2% 89,9%

Dez17 Set18 Dez18

QUALIDADE DA CARTEIRA DE CRÉDITO (R$ Milhões, exceto quando indicado)

(15)

15 Destaques patrimoniais | Relatório Gerencial de Resultados | 4T18

Carteira de Crédito por nível de risco (%)

Os créditos classificados entre“AA-C”, segundo a Resolução 2.682 do Banco Central (BACEN), representavam 89,9% da carteira de crédito ao final de Dez.18, ante 88,7% em Dez.17, ratificando a qualidade da carteira.

Banco Votorantim

Varejo

Atacado

Inadimplência da carteira de crédito – Inad 90 A gestão do risco de crédito do Banco visa manter a qualidade da carteira de crédito em níveis adequados para cada segmento de mercado.

Carteira de crédito por nível de risco (%)

88,7% 11,3% Dez/17 89,2% 10,1% 10,8% 11,2% Dez/18 Mar/18 88,8% Jun/18 10,8% 89,2% Set/18 89,9% D-H AA-C

Os indicadores de qualidade da carteira foram mantidos sob controle, suportados pela combinação entre os contínuos aprimoramentos nos modelos de crédito e a prudência na concessão de financiamentos.

O índice de inadimplência acima de 90 dias (Inad 90) consolidado atingiu 4,2% ao final de Dez.18, estável em relação a Set.18, e 0,2 p.p. maior que Dez.17. Conforme explicado no trimestre anterior, o aumento do indicador é reflexo de um caso pontual do Atacado que já estava adequadamente provisionado. O Inad 90 do Atacado atingiu 2,2% em Dez.18, ante 2,1% em Set.18. Desconsiderando o caso específico mencionado, o índice consolidado em Dez.18 seria de 4,0%, e o do Atacado seria 1,4%, alinhados ao patamar histórico.

O Inad 90 do Varejo encerrou Dez.18 em 4,8%, 0,1 p.p. menor que em Set.18, e com aumento de 0,1 p.p. em relação a Dez.17. Esse comportamento estável é reflexo, principalmente, da qualidade da carteira de Veículos, cujo Inad 90 encerrou Dez.18 em 4,3%.

5,7% 4,6% 5,5% 4,4% 4,0% 4,0% 4,2% 4,2% 4,0% 4,0% 5,7% 5,7% 5,5% 5,2% 4,7% 4,9% 4,9% 4,8% 5,3% 5,4% 5,1% 4,7% 4,2% 4,4% 4,4% 4,3% Varejo Veículos 5,8% 5,6% 2,3% 1,8% 1,3% 2,1% 2,2% 1,3% 1,4% Dez/17 Jun/16

Dez/15 Dez/16 Jun/18 Set/18

2,0% Dez/18 Jun/17 Excluindo caso pontual do Atacado Excluindo caso pontual

(16)

16 Destaques patrimoniais | Relatório Gerencial de Resultados | 4T18 2.290 2.171 2.029 2.320 1.759 1.566 1.061 1.254 1.292 5.184 Dez/17 5.671 Set/18 Dez/18 4.886 Créditos Renegociados (R$M) Índice New NPL

O New NPL, que considera o volume de operações de crédito que passaram a ser inadimplentes acima de 90 dias no trimestre, foi de R$ 564 milhões no 4T18. Com isso, o New NPL em relação à carteira foi de 1,13% em Dez.18.

Crédito Renegociados

V

arej

o

No gráfico a seguir estão segregadas as operações renegociadas por segmento, levando em consideração todos os tipos de renegociação, sejam aquelas em dia, em atraso ou aquelas oriundas da recuperação de créditos baixados como prejuízo.

O saldo das operações de crédito renegociadas totalizaram R$ 4.886 milhões em Dez.18, queda de 13,8% em 12 meses e de 5,7% no trimestre. A redução foi observada tanto no Atacado, quanto no Varejo.

Vale mencionar que a maioria do saldo da carteira renegociada do Varejo é composta por operações renovadas sem atraso (refinanciamentos), principal-mente do produto Consignado.

1. D NPL trimestral + baixas para prejuízo do período) / Carteira de Crédito do trimestre imediatamente anterior.

Funding e Liquidez 1,15% 0,86% 1,27% 0,92% 0,92% 0,97% 1,38% 1,14% 1,13% 2T18 4T16 4T17 0,67 2T17 1T17 1T18 0,56 3T17 3T18 4T18 0,54 0,41 0,59 0,43 0,44 0,47 0,56 New NPL (R$B) Índice New NPL¹

(17)

17 Destaques patrimoniais | Relatório Gerencial de Resultados | 4T18

Vale ressaltar que a contínua redução no saldo de compromissadas com lastro em debêntures da BV Leasing é reflexo da mudança regulatória introduzida pela Res. 4.527, que impossibilita a realização de novas operações compromissadas com debêntures de controladas leasing a partir de 2018. Em substituição a esse instrumento, o Banco tem ampliado o volume de captações em depósito a prazo (CDB), Letras Financeiras e Letra de Arrendamento Mercantil (LAM).

Com relação à liquidez, o Banco tem mantido seu caixa livre em nível bastante conservador, patamar bastante confortável para cobrir o total do funding com liquidez diária. Além disso, é importante ressaltar que o Banco possui uma linha de crédito junto ao BB desde 2009, que representa significativa reserva de liquidez e que nunca foi utilizada.

A tabela a seguir demonstra o cálculo do indicador “LCR”, cujo objetivo é mensurar a liquidez de curto prazo dos bancos num cenário de estresse.

Maiores detalhes sobre o LCR podem ser obtidos no “Relatório de Gestão de Riscos e Capital” no site de RI: www.bancovotorantim.com.br/ri.

O total de recursos captados alcançou R$ 60,8 bilhões em Dez.18, com redução de 0,6% em 12 meses e 1,3% no 4T18. As captações com Letras Financeiras continuaram apresentando crescimento nesse trimestre, e em conjunto com as cessões com coobrigação e dívida subordinada– instrumentos mais estáveis de captação, representavam 61% do total de recursos captados em Dez.18.

O Banco permanece com uma carteira diversificada e continua praticando prazos e condições adequadas ao perfil dos seus ativos.

Funding e Liquidez

1. Principalmente títulos públicos federais e reservas bancárias;

Total de ativos de alta liquidez¹ 12.361 11.722

Total de saídas líquidas de caixa 7.937 7.193

LCR 156% 163%

Indicador Líquidez de Curto Prazo

(LCR) 3T18 4T18 Variação % Dez18/Set18 Dez18/Dez17 Debêntures 9,3 4,7 2,3 (51,2) (75,3) Depósitos 8,5 11,0 12,1 10,1 42,1 Depósitos a Prazo 6,4 8,9 10,0 11,9 56,7 Depósitos (à vista e interfinanceiros) 2,1 2,1 2,1 2,5 (1,0) Dívida Subordinada 5,8 6,5 6,3 (2,0) 8,9

Letras Financeiras Subordinadas 2,0 2,1 2,1 2,1 9,2 Demais 3,9 4,4 4,2 (3,9) 8,7 Empréstimos e Repasses 4,1 4,4 4,0 (9,6) (2,1) Letras 23,5 27,8 29,7 6,9 26,5 Letras Financeiras 20,6 23,6 24,8 5,0 20,3 LCA e LCI 2,9 2,5 2,2 (9,2) (21,8) LAM - 1,7 2,6 55,1

-Obrigações com cessões de crédito 9,4 6,6 5,9 (10,9) (37,4) TVM no exterior 0,6 0,7 0,5 (21,6) (12,4)

Outros 0,0 - - -

-Total de Captações com terceiros 61,2 61,6 60,8 (1,3) (0,6) CAPTAÇÕES

(18)

18 Destaques patrimoniais | Relatório Gerencial de Resultados | 4T18

O Índice de Basileia foi apurado conforme metodologia de Basileia III para apuração dos requerimentos míni-mos de Patrimônio de Referência, Nível I e Capital Principal. Em 2018, o requerimento mínimo de capital é de 10,50%, sendo 7,88% o mínimo para Capital Nível I, e 6,38% para o Capital Principal (CET1).

Capital

Capital

O Índice de Basileia atingiu 15,7% em Dez.18, com aumento de 0,2 p.p. em relação a Dez.17, principal-mente devido ao incremento do Capital Nível I com-plementar decorrente da emissão de bonds perpé-tuos no exterior em Nov.17. O índice de capital Nível I chegou a 13,6%, sendo 11,6% de Capital Principal.

Mutação do Índice de Basileia no 4T18

Efeitos Res. 4.680 Basileia Set/18 0,3% Dividendos 1,1% Nível II 0,5% Lucro Líquido 4T18 Basileia Dez/18 16,4% 15,7% 0,2%

Com relação a Set.18, o Índice de Basileia reduziu 0,7 p.p., impactado (1) pela provisão de R$ 194 milhões destacados para pagamento de dividendos, e (2) pelo decaimento de dívidas subordinadas que compõem o Capital Nível II.

Essa redução foi parcialmente compensada (3) pela geração de lucro líquido de R$ 282 milhões no 4T18, e (4) pelos efeitos da resolução nº 4.680/18¹. 1 2 3 4 Patrimônio de Referência (PR) 9.233 9.731 9.358 PR Nível I 6.759 7.801 8.058 Principal 6.759 6.570 6.895 Complementar - 1.230 1.163 PR Nível II 2.475 1.930 1.300

Ativos ponderados pelo risco (RWA) 59.410 59.364 59.457

Risco de crédito 52.083 51.842 52.207 Risco de mercado 1.937 1.926 1.654 Risco operacional 5.390 5.597 5.597

Patrimônio de Referência Mínimo Requerido 5.495 5.120 5.128

Índice de Basileia (PR/RWA) 15,5% 16,4% 15,7%

Capital Nível I 11,4% 13,1% 13,6%

Principal 11,4% 11,1% 11,6%

Complementar - 2,1% 2,0%

Capital Nível II 4,2% 3,3% 2,2%

ÍNDICE DE BASILEIA

(R$ Milhões) Dez17 Set18 Dez18

(19)

19 Ratings | Relatório Gerencial de Resultados | 4T18

RATINGS

O Banco Votorantim é classificado por agências internacionais de rating e as notas atribuídas refletem seu desempenho operacional, a solidez financeira e a qualidade da sua administração, além de outros fatores relacionados ao setor financeiro e ao ambiente econômico no qual a companhia está inserida. Vale ressaltar que o

rating de longo prazo em moeda estrangeira é limitado ao rating soberano do Brasil.

A tabela abaixo apresenta os ratings atribuídos pelas principais agências:

Em Out.18, a agência de classificação Moody's reafirmou os ratings do Banco, mantendo-os em Ba2 (moeda local) e Ba3 (moeda estrangeira), ambos com outlook negativo.

RATIN GS

AGÊNCIAS DE RATING

Escala Global

Escala Nacional

Moeda Local Moeda Estrangeira Moeda Local

Moody’s

Longo Prazo Ba2 Ba3 Aa3.br

Curto Prazo NP NP BR-1

Standard &

Poor’s

Longo Prazo BB- brAAA

Curto Prazo B brA-1+

Brasil

Rating Soberano

Ba2

(20)

BB-20 Governança corporativa | Relatório Gerencial de Resultados | 4T18

GOVERNANÇA CORPORATIVA

Nom e Posição Acionista

Paulo Rogério Caffarelli Presidente Banco do Brasil José Luiz Majolo Vice-Presidente Votorantim Finanças Antonio Mauricio Maurano Conselheiro Banco do Brasil Celso Scaramuzza Conselheiro Votorantim Finanças Marcelo Augusto Dutra Labuto Conselheiro Banco do Brasil Jairo Sampaio Saddi Conselheiro Votorantim Finanças

Com posição do Conselho de Adm inistração

Diretoria Comitê Executivo

Órgãos de Governança Corporativa Estrutura Societária

Também fazem parte dos órgãos de governança o Conselho Fiscal e os fóruns de assessoramento ao CA, além da Diretoria, Comitê Executivo e comitês técnicos de governança interna.

Vale destacar a instituição do Comitê de Riscos e de Capital no início de 2018, que se reporta ao CA e tem como principal atribuição a avaliação do funcionamento das estruturas de gerenciamento de riscos e de capital do Banco. Total: 50,00% ON: 49,99% PN: 50,01% Total: 50,00% ON: 50,01% PN: 49,99%

Votorantim S.A.

Banco do Brasil

Conselho de Administração Comitê Consultivo Comitê de Riscos e de Capital

A administração do Banco é compartilhada entre os acionistas Votorantim Finanças e Banco do Brasil, com participação paritária de ambos no Conselho de Administração (CA), que é composto por seis membros.

As reuniões do CA ocorrem, no mínimo, mensalmente para deliberar sobre questões estratégicas e acompanhar e orientar os negócios do Conglomerado. As decisões são tomadas por maioria absoluta, inexistindo voto de qualidade.

Cada membro do CA possui mandato de dois anos e as posições de Presidente e Vice-Presidente são alternadas anualmente entre os dois acionistas.

GOVERNANÇA CORPORATIVA Assembleia Geral Conselho Fiscal Comitê de Auditoria Comitê de Remuneração & RH Diretoria

O Conglomerado Financeiro Votorantim adota as melhores práticas de governança, garantindo transparência e equidade nas informações, de forma a contribuir com o processo decisório.

(21)

21 Reconciliação DRE contábil vs. gerencial | Relatório Gerencial de Resultados | 4T18

RECONCILIAÇÃO ENTRE DRE CONTÁBIL E GERENCIAL

RECONCILIACAO DRE

Com o objetivo de permitir melhor compreensão, comparabilidade e análise dos resultados do Banco e do desempenho dos seus negócios, as explicações desse relatório são baseadas na Demonstração Gerencial do Resultado, que considera algumas realocações gerenciais realizadas na Demonstração do Resultado Societário auditado, sem impacto no lucro líquido. Essas realocações referem-se a:

• Receitas de recuperação de créditos baixados para prejuízo que são contabilizadas em “Receitas com Operações deCrédito”, e que foram realocadas para “Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa”;

• Despesas com características de provisões de crédito que são contabilizadas em “Outras Receitas (Despesas) Operacionais”, e que foram realocadas para “Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa”; e

• Impairments de títulos privados do segmento Atacado classificados na Margem Financeira Bruta, e que foram realocados para“Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa”.

• Efeitos fiscais e tributários do hedge referente às variações cambiais de investimentos no exterior que são contabilizados em “Despesas Tributárias” (PIS e Cofins) e “Imposto de Renda e Contribuição Social”, e que foram realocados para“Resultado com Instrumentos Financeiros Derivativos”.

A estratégia de gestão do risco cambial dos recursos investidos no exterior tem por objetivo evitar efeitos decorrentes de variação cambial no resultado, e para tanto, o risco cambial é neutralizado por meio da utilização de instrumentos financeiros derivativos.

Reconciliação entre o Resultado Contábil e o Gerencial – 4T17, 3T18 e 4T18

Receitas da Interm ediação Financeira 3.556 (481) 3.075 3.053 (94) 2.959 2.600 (86) 2.515

Operações de Crédito1 2.474 (167) 2.307 2.471 (221) 2.249 2.326 (114) 2.212

Resultado de Operações de Arrendamento Mercantil 4 - 4 11 - 11 8 - 8

Resultado de Operações com TVM 1.185 (385) 800 625 60 684 687 84 771

Resultado com Instrumentos Financeiros Derivativos (170) 70 (99) (114) 68 (46) (407) (55) (462)

Resultado de Operações de Câmbio 61 - 61 46 - 46 (24) - (24)

Resultado das Aplicações Compulsórias 2 - 2 15 - 15 10 - 10

Despesa da Interm ediação Financeira (1.847) 104 (1.743) (1.634) - (1.634) (1.087) - (1.087) Operações de Captação no Mercado (1.325) - (1.325) (1.321) - (1.321) (969) - (969)

Operações de Empréstimos e Repasses (113) - (113) (115) - (115) 42 - 42

Operações de Venda ou Transf. Ativos Financeiros (409) 104 (305) (198) - (198) (159) - (159)

Margem Financeira Bruta 1.709 (377) 1.332 1.419 (94) 1.326 1.513 (86) 1.428 Resultado com PDD e impairments (939) 452 (487) (449) 157 (292) (526) 31 (495)

Margem Financeira Líquida 770 75 845 971 63 1.034 987 (55) 932

Outras Receitas/Despesas Operacionais (509) (11) (520) (444) 4 (440) (398) (3) (401)

Receitas de Prestação de Serviços 376 - 376 341 - 341 364 - 364

Despesas de Pessoal e Administrativas (631) - (631) (624) - (624) (596) - (596)

Despesas Tributárias (105) (6) (112) (98) (1) (99) (95) (3) (98)

Resultado de Participações em Controladas 81 - 81 87 - 87 111 - 111

Outras Receitas (despesas) Operacionais (230) (5) (234) (150) 5 (145) (182) 0 (182)

Resultado Operacional 261 64 325 527 67 594 590 (58) 532

Resultado Não Operacional (4) - (4) (2) - (2) (69) - (69)

Resultado Antes da Tributação s/ Lucro 257 64 321 525 67 592 521 (58) 463

Imposto de Renda e Contribuição Social (74) (64) (138) (206) (67) (273) (181) 58 (123)

Participações nos Lucros e Resultados (27) - (27) (51) - (51) (58) - (58)

Lucro (Prejuízo) Líquido 156 - 156 268 0 268 282 0 282 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO

(R$ Milhões) 4T17 Contábil Ajustes 4T17 Gerencial 3T18 Contábil Ajustes 3T18 Gerencial 4T18 Contábil Ajustes 4T18 Gerencial

(22)

22 Reconciliação DRE contábil vs. gerencial | Relatório Gerencial de Resultados | 4T18 Reconciliação entre o Resultado Contábil e o Gerencial – 2017 e 2018

Receitas da Interm ediação Financeira 13.881 (697) 13.184 11.786 (256) 11.529

Operações de Crédito1 9.810 (792) 9.018 9.724 (781) 8.943 Resultado de Operações de Arrendamento Mercantil 29 - 29 41 - 41 Resultado de Operações com TVM 4.134 70 4.203 2.461 254 2.714 Resultado com Instrumentos Financeiros Derivativos (217) 26 (192) (659) 271 (388) Resultado de Operações de Câmbio 106 - 106 182 - 182 Resultado das Aplicações Compulsórias 20 - 20 37 - 37

Despesa da Interm ediação Financeira (8.248) 145 (8.103) (6.170) - (6.170)

Operações de Captação no Mercado (6.463) - (6.463) (5.000) - (5.000) Operações de Empréstimos e Repasses (253) - (253) (370) - (370) Operações de Venda ou Transf. Ativos Financeiros (1.533) 145 (1.388) (801) - (801)

Margem Financeira Bruta 5.632 (551) 5.081 5.616 (256) 5.359

Resultado com PDD e impairments (2.585) 581 (2.004) (2.014) 522 (1.492)

Margem Financeira Líquida 3.047 30 3.077 3.601 266 3.867 Outras Receitas/Despesas Operacionais (1.880) (6) (1.886) (1.697) (9) (1.707)

Receitas de Prestação de Serviços 1.318 - 1.318 1.374 - 1.374 Despesas de Pessoal e Administrativas (2.239) - (2.239) (2.350) - (2.350) Despesas Tributárias (395) (2) (398) (384) (14) (398) Resultado de Participações em Controladas 285 - 285 361 - 361 Outras Receitas (despesas) Operacionais (849) (4) (853) (699) 5 (694)

Resultado Operacional 1.168 23 1.191 1.904 256 2.161 Resultado Não Operacional 3 - 3 (76) - (76) Resultado Antes da Tributação s/ Lucro 1.171 23 1.194 1.829 256 2.085

Imposto de Renda e Contribuição Social (425) (23) (448) (596) (256) (853) Participações nos Lucros e Resultados (164) - (164) (171) - (171)

Lucro (Prejuízo) Líquido 582 (0) 582 1.061 0 1.061 2017 Contábil

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO DO EXERCÍCIO

(R$ Milhões) Ajustes

2017

Gerencial 2018 Contábil Ajustes

2018 Gerencial

(23)

23 Anexos | Relatório Gerencial de Resultados | 4T18

ANEXOS

ANEXOS

10 Maiores Bancos em Carteira de Crédito - Jun/18 (R$B)

Visão Geral

– Posição Banco Votorantim

10 Maiores Bancos em Ativos - Set/18 (R$B)

Estratégia - Visão por negócio

Banco Votorantim é um dos maiores bancos privados brasileiros em ativos totais e carteira de crédito.

1.469 1.448 1.283 1.119 790 757 184 177 97 82 BB CEF Votorantim Itaú Bradesco Santander BTG Pactual BNDES Safra Citibank 683 624 549 449 299 297 68 50 31 20 Santander CEF BB Safra BNDES Itaú Bradesco Votorantim Banrisul Rabobank Brasileiro e privado

Público Estrangeiro Público Estrangeiro Brasileiro e privado

Financiamento de Veículos Outros Negócios Corporate Bank Wealth Management R$ 5,2B R$ 33,4B R$ 21,6B

R$ B Carteira de crédito ampliada em Dez/18

VAREJO ATACADO

R$ 60,2B

▲ Foco em veículos leves usados (revendas), em que o Banco possui histórico de liderança e expertise

▲ Originação com qualidade, escala e rentabilidade

▲ Inovação e transformação digital

▲ Cartões e Seguros: diversificar receitas, explorando a base de clientes de Veículos ▲ Empréstimos: diversificação • Consignado • Crédito Pessoal • Crédito Imobiliário • Crédito Estudantil • Energia Solar

▲ Promotiva: originação dedicada para o BB

Corporate (R$300M até R$ 1,5B): Foco em crescimento

cash management; estruturação

financeira; fianças; capital de giro;

hedge; FX; mercado de capitais; M&ALarge Corporate (acima de R$ 1,5B):

Foco em rentabilização •mercado de capitais, estruturação

financeira, fianças e tesouraria

▲ Agilidade e flexibilidade em servir

▲ Disciplina de capital (RAR²)

Asset: 13ª maior do mercado, com

produtos inovadores e sinergias relevantes com o BB

▲ R$ 48,4B em recursos geridos (AuM)

Private: foco em gestão patrimonial por

meio de soluções customizadas

(24)

24 Anexos | Relatório Gerencial de Resultados | 4T18

Varejo

– Outros negócios

Consignado

Foco no refinanciamento da carteira de consignado INSS (aposentados e pensionistas)

Crescimento da carteira de consignado Privado

Atuação seletiva em convênios públicosContínuo aprimoramento das ferramentas

de gestão (pricing, crédito, cobrança, etc.)

Consignado – Carteira de crédito (R$B)

Cartões de Crédito

Emissão de cartões de crédito das bandeiras Visa e Mastercard

Foco em explorar a atual base de clientes de financiamento de Veículos

Crescer de forma orgânica por meio de novas parcerias comerciais (ex.: Netpoints)Investir em novas tecnologias (carteira

digital, inteligência artificial, cartão virtual etc)

Cartões ativos (Milhões) e Carteira (R$B)

Cartões

Ativos 0,9 0,9 0,9

Corretagem de Seguros

Ampliar as receitas de corretagem, alavancando a base de clientes do VarejoDiversificar o portfólio de seguros

:

• Vida

• Residencial

• Acidente Pessoal, etc

Prêmios de Seguros (R$M) 1,2 0,8 0,2 (8%) 0,2 (9%) Set/18 2,8 Público Privado INSS Dez/17 0,8 2,2 1,8 0,3 (9%) Dez/18 2,0 1,1 0,8 1,89 2,05 2,28 Carteira Set/18 Dez/18 Dez/17 36 164 36 52 138 3T18 Outros 148 Auto Prestamista 226 4T18 4T17 249 50 241 55 38

(25)

25 Anexos | Relatório Gerencial de Resultados | 4T18

Somente 6,7% do risco de crédito está concentrado nos 10 maiores devedores. Concentração setorial – Atacado

Concentração de crédito

10 maiores devedores¹

1. Saldo não considera TVM Privado e é líquido de provisões de crédito

100 maiores devedores¹

1. Em relação a carteira de crédito consolidada.

Qualidade da Carteira de Crédito - Atacado

7,5% 7,0% 6,7% Dez/18 Dez/17 Set/18 20,7% 19,2% 18,0% Set/18 Dez/18 Dez/17 R$M Part.(%) R$M Part.(%) Instituições Financeiras 1.777 11,3% 1.979 12,4% Telecomunicações 1.329 8,5% 1.571 9,9% Açúcar e Álcool 1.736 11,1% 1.452 9,1% Varejo 1.267 8,1% 1.360 8,6% Montadoras/Auto-peças/Concessionárias 349 2,2% 788 5,0% Mineração 1.049 6,7% 620 3,9% Óleo e Gás 450 2,9% 604 3,8% Ferrovias 596 3,8% 514 3,2% Índustria Alimentícia/Bebidas 519 3,3% 497 3,1% Indústria 297 1,9% 475 3,0% Trading Agro 171 1,1% 451 2,8% Frigorífico 234 1,5% 449 2,8% Governos 459 2,9% 445 2,8% Serviços 305 1,9% 417 2,6% Locadoras de automóveis 146 0,9% 336 2,1% Siderurgia 317 2,0% 330 2,1%

Construção Civil (Residencial/Comercial) 295 1,9% 291 1,8%

Químico 750 4,8% 285 1,8%

Agroindústria 53 0,3% 274 1,7%

Cooperativas 94 0,6% 259 1,6%

Outros 3.503 22,3% 2.504 15,7%

Total¹ 15.696 100,0% 15.901 100,0%

Imagem

Referências

temas relacionados :