Seção 2.1 A diversidade da Atuação do Psicólogo

Texto

(1)

Seção 2.1 A diversidade da Atuação do Psicólogo

Diálogo aberto

A Diversidade da Atuação do Psicólogo (T

exto elaborado pelo Prof. Dr. Waldir Bettoi)

Inicialmente é importante que fiquem claros os objetivos deste texto que você está começando a ler.

Você já sabe que um dos objetivos desta disciplina é que você tenha acesso a informações importantes sobre a diversidade da atuação de psicólogo e que tenha alguns elementos para que possa refletir criticamente sobre ela. Neste Texto, você encontrará algumas informações básicas sobre o que o psicólogo faz, concretamente, nos contextos em que atua e sobre algumas características desses contextos. A diversidade da Psicologia e da atuação prática do psicólogo ficará evidente, quando você identificar no texto a variedade de formas diferentes que as atividades profissionais assumem. São variados e múltiplos os seus locais de atuação, os tipos humanos e variedade de pessoas com as quais os psicólogos têm contato no seu cotidiano profissional, dependendo dos diferentes contextos nos quais eles desempenham suas atividades.

Em vista disso, e levando em consideração o tempo disponível, o texto não pretende apresentar uma discussão aprofundada de cada um desses contextos ou da atuação profissional do psicólogo. O objetivo dele é, portanto, relativamente simples: pretende-se, com a sua leitura, que você ganhe familiaridade com alguns termos que devem ser novos para você, mas que são comumente utilizados entre os psicólogos. Além disso, é importante que você aprenda o significado de alguns desses termos, que envolvem a atuação dos profissionais nos vários contextos que serão estudados.

Não pode faltar

A DIVERSIDADE DOS CONTEXTOS DE ATUAÇÃO

Um texto que se propõe a apresentar algumas atividades dos psicólogos a alunos iniciantes na profissão deverá necessariamente incluir os contextos em que tais atividades se dão. Isto é, as ações profissionais dos psicólogos se dão dentro de um determinado contexto que as afeta e é afetado por elas. Quando o profissional realiza uma atividade, ele o faz em um determinado local, com determinadas características, relacionando-se com seres humanos específicos, provenientes de determinados segmentos sociais e culturais, dentro das condições sócio-econômico-culturais do país, em um dado momento de sua história. A diversidade de contextos específicos nos quais os psicólogos atuam, implica a diversidade de objetivos e de necessidades a serem atendidas. Ao mesmo tempo, na medida em que o profissional desempenha suas atividades, vai transformando, igualmente, esses contextos de atuação.

Em vista desta interação indissociável entre as atividades dos psicólogos e os contextos de atuação, começaremos caracterizando alguns desses contextos mais comuns e depois nomearemos e descreveremos algumas atividades mais frequentes dos profissionais. Não perca de vista, no entanto, que o que será exposto a seguir são apenas alguns exemplos que não esgotam (nem pretendem esgotar) as inúmeras possibilidades de atuação profissional.

(2)

Assimile

CONTEXTOS QUE ENVOLVEM A SAÚDE

Quando falamos no contexto da Saúde, estamos nos referindo a uma diversidade de situações que envolvem uma ampla variedade de locais de atuação, da clientela atendida, de objetivos a serem atingidos e de necessidades a serem satisfeitas. Sendo assim, esses contextos envolvem a saúde do cidadão e das comunidades, incluindo desde o trabalho que o psicólogo clínico realiza no consultório particular, com indivíduos específicos, passando pelas instituições públicas ou particulares de saúde (como hospitais gerais e psiquiátricos), até os postos de saúde (Unidades Básicas de Saúde - UBS), os CAPs (Centro de Atenção Psicossocial), os ambulatórios e as clínicas de diferentes naturezas.

CONTEXTOS QUE ENVOLVEM A EDUCAÇÃO E A ESCOLA

O contexto educacional envolve as instituições de ensino, tanto as particulares quanto as públicas, incluindo tanto as escolas do sistema formal de ensino, quanto outros locais que têm por objetivo a educação e a aprendizagem escolar formal.

CONTEXTOS QUE ENVOLVEM O TRABALHO DO HOMEM NAS ORGANIZAÇÕES

Nestes contextos, o que está em jogo é o trabalho dos cidadãos em organizações como, por exemplo, as empresas de diversas naturezas e os órgãos de administração pública. Aqui, o psicólogo atua para fornecer recursos humanos adequados à organização, garantindo-lhes condições de trabalho para que se fixem nela. As atividades dos psicólogos pretendem humanizar e aprimorar as relações de trabalho que se dão neste contexto.

CONTEXTOS QUE ENVOLVEM O TRABALHO INSTITUCIONAL E COMUNITÁRIO

O espectro e a diversidade desses contextos são bastante amplos e variados. Eles envolvem, por exemplo, a atuação dos psicólogos em orfanatos, asilos ou instituições equivalentes. A atuação institucional envolve, também, por exemplo: o trabalho dos profissionais nas instituições de atendimento psicológico a portadores de deficiências; nas organizações não governamentais (ONGs) de várias naturezas; em sindicatos e associações profissionais; em clubes e entidades esportivas (através da Psicologia do Esporte); em instituições da Justiça, como presídios, Varas da Família, Juizado do Menor etc. (através da Psicologia Jurídica); em agências de Publicidade; nos centros psicotécnicos para exame de motoristas; em entidades comunitárias, como associações de bairro, por exemplo. Note que esses são apenas algumas ilustrações da variedade de contextos institucionais onde o psicólogo pode trabalhar.

CONTEXTOS QUE ENVOLVEM A PESQUISA

Quando a atividade do psicólogo visa especificamente à produção do conhecimento psicológico, ela se dá em contextos basicamente voltados para este objetivo, como as universidades, por exemplo, em que o psicólogo docente é contratado para transmitir e construir conhecimento (pesquisar). Não é muito frequente, no Brasil, a pesquisa psicológica realizada fora das universidades, como nas empresas privadas, por exemplo. No entanto, se entendermos a pesquisa como uma forma sistemática de buscar respostas para perguntas sobre os fenômenos psicológicos, pode-se dizer que ela não se restringe aos contextos de trabalho dos psicólogos-professores, apenas, mas se estende, também, aos profissionais dos mais diferentes contextos. Assim, por exemplo, os psicólogos realizam pesquisas associadas ao seu contexto específico de trabalho, como nos hospitais, nos consultórios, nas agências de Publicidade ou em outras das instituições citadas.

(3)

Exemplificando

A DIVERSIDADE DE ATUAÇÃO: ALGUMAS ATIVIDADES DOS PSICÓLOGOS

Serão apresentados, a seguir, alguns exemplos de atividades que são desempenhadas nos diversos contextos de atuação mencionados acima. Não perca de vista que elas são apenas alguns exemplos das atividades mais comumente realizadas. Certamente, nas entrevistas que você fará com os profissionais, outras atividades serão mencionadas, além destas.

1. ATIVIDADES DE COLETA E AVALIAÇÃO SISTEMÁTICAS DE INFORMAÇÕES 1.1. Observação:

A atividade de observar parece ser uma das mais básicas e essenciais ao trabalho do psicólogo, já que a Psicologia, como ciência, implica a produção de conhecimento que seja metódica e crítica (diferente da produção de conhecimento feita, na maioria das vezes, pelo ser humano quando utiliza seu senso comum). Sendo assim, ao invés de "chutar" simplesmente uma resposta para uma questão que ele tem, o psicólogo prefere observar sistematicamente o fenômeno estudado. Há regras e técnicas para a observação (que você aprenderá em outras disciplinas). Por exemplo, a observação pode ser feita em ambiente natural, no qual o fenômeno estudado normalmente ocorre, ou em situação planejada, na qual o psicólogo cria uma situação específica para o sujeito e o observa nela.

1.2. Aplicação de testes e outros instrumentos

Você terá a oportunidade, ao longo do seu curso, de entrar em contato com vários testes (às vezes chamados de "instrumentos de medida"), desenvolvidos e pesquisados pela Psicologia. Os testes são utilizados para identificar e conhecer os mais variados tipos de fenômenos. Há testes de personalidade, testes de desempenho intelectual, testes de desempenho específico (por exemplo, de lógica, raciocínio espacial, raciocínio mecânico) etc. Em algumas situações, o psicólogo desenvolve instrumentos especificamente voltados para a obtenção de informações no seu contexto de trabalho particular.

1.3. Entrevista

Igualmente básica, a atividade de entrevistar aparece desempenhada pelos psicólogos, nos mais diferentes contextos. Você aprenderá, com o tempo, que uma entrevista não é um simples bate-papo do profissional com uma pessoa, mas uma atividade planejada, com objetivos específicos e realizada segundo determinadas regras. A entrevista pode ser realizada ao vivo, em contato face-a-face, bem como o psicólogo pode aplicar questionários, respondidos por escrito pelo próprio indivíduo.

Como dissemos, essas três atividades aparecem nos mais variados contextos de atuação, às vezes separadamente (só a entrevista, por exemplo), às vezes em conjunto. Seguem alguns exemplos:

No caso dos contextos de Saúde, fala-se em psicodiagnóstico (ou estudo de caso), para se referir ao conjunto dessas três atividades que o psicólogo realiza. O objetivo do psicodiagnóstico é identificar os fatores que caracterizam um indivíduo, tanto internamente (emoções, necessidades, desejos, características cognitivas etc.) quanto externamente (fatores de ambiente social, familiar, educacional etc.). Apesar do sentido que "diagnóstico" sugere, o psicodiagnóstico não é realizado apenas para se identificar um "problema", mas para se identificar as características psicológicas do indivíduo, com problema ou não. O psicodiagnóstico pode ser utilizado pelo profissional antes do início de um processo terapêutico (para tratamento) ou para encaminhá-lo para outros profissionais.

(4)

No contexto educacional, pode-se encontrar, por exemplo, o psicólogo observando uma criança interagindo com seus colegas no intervalo, ou a interação de uma professora com a classe; entrevistando uma mãe sobre o comportamento da criança em casa; aplicando um teste de nível intelectual etc.

No contexto organizacional, quando se fala em seleção de pessoal, pode-se, da mesma forma, observar a aplicação de algumas ou de todas essas atividades (por exemplo, entrevista, aplicação de testes, observação do comportamento de um candidato em um grupo, ou em situação de trabalho etc.).

No contexto institucional, por exemplo, o psicólogo "judiciário" pode realizar estas atividades para fornecer um laudo psicológico que subsidiará a decisão de um juiz, sobre um detento, ou sobre candidatos à adoção de uma criança.

No contexto da pesquisa, como já foi afirmado acima, a observação, a entrevista e a aplicação de instrumentos desenvolvidos pelo pesquisador, são atividades essenciais para a produção de informações sistemáticas sobre os fenômenos investigados. Por exemplo, no hospital um psicólogo pode pesquisar as relações entre o desenvolvimento psicológico de bebês e a quantidade de stress da mãe durante a gravidez. Para isso, terá que desenvolver ou utilizar instrumentos de medida do stress da mãe, entrevistá-la, observar o desenvolvimento de bebês etc. Na escola, ao pesquisar, por exemplo, as relações entre aprendizagem e tipo de aula (expositiva, seminário, discussão em grupo etc.), o psicólogo deverá observar a aula dada pelo professor, entrevistar alunos e professores e utilizar testes ou instrumentos de medida de aprendizagem.

2. PSICOTERAPIA

Vamos, nesta disciplina, considerar a psicoterapia como uma atividade em que o psicólogo aplica um conjunto de técnicas e métodos psicológicos, cujas características e objetivos podem variar, dependendo das concepções teóricas e metodológicas que servem de referência para o profissional (ANCONA-LOPEZ e FIGUEIREDO, 1990). Entre a diversidade de objetivos da psicoterapia, dependendo da abordagem mencionada, podem ser citados como exemplo: a solução de problemas; modificação de comportamentos através de novas aprendizagens; desenvolvimento de novas concepções sobre si e o mundo; autoconhecimento: transformação da personalidade etc.

Ainda assim, embora a psicoterapia seja uma atividade voltada para múltiplos objetivos e se desenvolva de maneiras muito diferentes, dependendo dos pressupostos epistemológicos e teóricos do psicólogo que a utilize, consideramos importante a concepção da psicoterapia como uma das formas de o psicólogo contribuir para a promoção da saúde dos cidadãos.

As diferentes abordagens teóricas da Psicologia, assim, servem de base para as diferentes abordagens psicoterápicas que você pode encontrar entre os psicólogos. Exemplos dessas diferentes abordagens orientadoras dos psicoterapeutas: psicanálise ou análise freudiana, análise existencial, análise junguiana (de Jung – o J do nome é pronunciado como I), terapia comportamental, cognitiva etc.

Uma modalidade de psicoterapia, a chamada psicoterapia breve, tem sido muitas vezes utilizada em alguns contextos que demandam menor tempo de duração da terapia. Neste tipo de atividade, o terapeuta tem uma intervenção mais focalizada, buscando atingir objetivos mais imediatos, principalmente decorrentes da especificidade do contexto de vida atual do cliente, (por ex., uma separação, uma perda, uma interrupção abrupta na carreira profissional, uma internação hospitalar etc.).

Nos contextos educacionais e do trabalho nas organizações a psicoterapia não é frequentemente utilizada, sendo uma prática mais comum o psicólogo encaminhar a pessoa para um psicoterapeuta, quando julga necessário. A atividade psicoterapêutica do psicólogo é desempenhada principalmente nos contextos que envolvem a Saúde, em especial nos consultórios particulares. Em outros contextos de Saúde, que atendem um número grande de pessoas (por exemplo, um hospital público ou posto de saúde), a prática psicoterapêutica tradicional, individual, feita um-a-um, se torna bastante inviável. Isso tem levado os psicólogos à utilização ou de técnicas grupais, ou de outras atividades mais apropriadas a esses contextos. O mesmo pode ser dito em relação à atuação dos profissionais em contextos institucionais variados que tenham características incompatíveis com a atividade da psicoterapia tradicional.

(5)

3. ACONSELHAMENTO E ORIENTAÇÃO

Esta atividade de aconselhamento e orientação, como na terapia breve, se dá voltada para uma situação específica que caracteriza o momento de vida de um indivíduo ou de um grupo. Entretanto, diferentemente da terapia breve em que o objetivo é "tratar” de um problema específico, no aconselhamento e orientação o psicólogo assume uma posição que é, principalmente, mais educativa. Isto é, com base nos conhecimentos da Psicologia, o psicólogo esclarece as pessoas sobre determinados fenômenos da psicologia humana, nos seus aspectos cognitivos, afetivos e comportamentais. Essas informações serão úteis para que a pessoa reflita sobre si e a situação que está vivendo, de forma a lidar da melhor forma possível com sua vida.

A orientação e o aconselhamento aparecem em vários contextos diferentes de atuação do psicólogo. Por exemplo, em hospitais, orientações para grupos de pacientes transplantados e suas famílias; em um posto de saúde, orientação de gestantes ou de mães; em uma escola, orientação vocacional ou sexual ou orientação para pais de filhos com problemas de aprendizagem (orientação psicopedagógica).

A orientação e o aconselhamento também podem ser atividades que o psicólogo desempenha tendo como sua “clientela” outros profissionais. Por exemplo, no contexto de Saúde, em que médicos, enfermeiras e atendentes têm contato, através do psicólogo, com o conhecimento da Psicologia que lhes é necessário, o que resulta em benefício para a clientela atendida e para o próprio profissional. No contexto educacional, na atividade de orientação de professores, o conhecimento da Psicologia sobre processos de desenvolvimento e aprendizagem será bastante importante para que todos desempenhem melhor os seus papéis de forma aumentar a chance de aprendizagem dos alunos.

4. ATIVIDADES JUNTO A EQUIPES MULTIPROFISSIONAIS (MULTIDISCIPLINARES)

Especialmente junto aos contextos de Saúde e Institucionais, a concepção de que a promoção da saúde integral do indivíduo deve ser o objetivo principal de várias instituições, tem levado à necessidade do psicólogo atuar conjuntamente com outros profissionais. Nessas equipes, o que se pretende é que a compreensão total do indivíduo seja possível através da soma e complementação dos conhecimentos específicos dominados por cada profissional. Por exemplo, nos hospitais e postos de saúde, o psicólogo pode atuar com médicos e enfermeiras, contribuindo com seu conhecimento sobre as emoções e relações humanas. Em uma instituição para portadores de deficiências físicas, ele pode atuar junto ao fisioterapeuta e ao neurologista, visando à reeducação e recuperação psicomotora integral da sua clientela. Nos contextos educacionais, ele pode se juntar aos outros profissionais para, através de seus conhecimentos específicos, participar do planejamento curricular. No contexto organizacional, o psicólogo trabalha com outros profissionais, por exemplo, no planejamento e execução de treinamento para alguma habilidade específica de trabalho, levando-se em conta o conhecimento da Psicologia sobre aprendizagem e processos de desenvolvimento. Em outros momentos, ainda no contexto organizacional, o conhecimento do psicólogo sobre relações humanas e processos grupais pode ficar em evidência quando ele observa funcionários em tarefas grupais ou aplica técnicas de dinâmica de grupo em um determinado setor de uma empresa.

Reflita

São essas as informações sobre as principais atividades dos psicólogos que gostaríamos de apresentar a você. Como dissemos no início, o objetivo deste texto é basicamente o de começar a familiarizar você com alguns termos mais comuns relacionados às atividades dos psicólogos e apresentar informações básicas sobre algumas dessas atividades e sobre alguns dos contextos em que elas são desempenhadas. De forma alguma o texto apresentou um retrato acabado das possibilidades de atuação dos profissionais, tendo mostrado apenas um breve relato de algumas das suas principais atividades. Com certeza, várias outras atividades que o psicólogo realiza não foram mencionadas.

(6)

Pesquise mais

ANCONA-LOPEZ, M. & FIGUEIREDO, L. C. M. Guia Psi. São Paulo: Ed. Marco Zero, 1990.

BASTOS, A. V. B. & GONDIM, S. M. G. (orgs.). O trabalho do psicólogo no Brasil. Porto Alegre: Artmed, 2010. JUSTO, H. Identidade do Psicólogo: reflexões e limitações das técnicas psicoterápicas. Canoas: La Sale, 1997. 23

Faça valer a pena!

Sobre os contextos de atuação do psicólogo:

1. Dê exemplos de locais que caracterizem os contextos de: Saúde, Educação, Organizacional, Institucional-Comunitário e de Pesquisa.

2. Sobre as atividades do psicólogo:

(a) Nomeie e explique cada uma das atividades de coleta e avaliação sistemáticas de informação, mencionadas pelo texto;

(b) Por que se pode dizer que essas atividades do psicólogo contribuem para a caracterização da Psicologia como Ciência?

3. De que forma as atividades do psicólogo junto a equipes multiprofissionais se relacionam ao objetivo de contribuir para a compreensão dos fenômenos humanos e para a saúde integral do cidadão?

Imagem

Referências

temas relacionados :