• Nenhum resultado encontrado

A indústria de lâminas e compensados no contexto madeireiro da floresta amazônica brasileira

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "A indústria de lâminas e compensados no contexto madeireiro da floresta amazônica brasileira"

Copied!
14
0
0

Texto

(1)

ISSN 0101-2835

(éS

EIPresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA

~

V

i

nculada

ao "ini,!irio da Agricul!ur.

<

Rtfor•• Agrári. - KARA

~ Centro de Pesquisa Agroflorestal da Alazônia Oriental - CPATU Belél, PA

A

INDúSTRIA

DE

LAMINAS

E

COMPENSADOS

NO

CONTEXTO

MADEIREIRO

DA

FLORESTA

AMAZôNICA

BRASILEIRA

BEl~m,

PA

(2)

EIPresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - EMBRAPA

Vinculada ao Ministério da Agricultura e Reforla Agrária - KARA Centro de Pesquisa Agroflorestal da Alazônia Oriental - CPATU Belél, PA

A

INDúSTRIA

DE

LAMINAS

E

COMPENSADOS

NO

CONTEXTO

MADEIREIRO

DA

FLORESTA

AMAZôNICA

BRASILEIRA

Osmar Jos~ Romeiro de Aguiar

B€-~lém, Pr.1

(3)

EMBRAPA-cI>ATIJ. Documentos, 61

EX~IPlar~s desta publitação podei s~r solicitados à EIIBRAPA-CPATU

Trav. Or. Enéas Pinheiro, s/n T~lefones: (091)226-6612, 226-6622 Telex: (691) 12~. Fax: (691)226-9845 Caixa Postal, 48 66095 - Belél, PA Tiragel: 500 exelplares COMitê de Publicações Ant ôn io Agost inho Him er Célia Karia lopes Pereira Elanuel Adilson Souza Serrão Ellanuel de Souza Cruz

Francisco Jose Cãlara Figueir~do - Pr~sident~ Hércules Kartins ~ Silva - Vice-Presidente Jose Furlan Júnior

Haria de Hazaré Hagalhães dos Santos Kiguel Silão Neto

Noeli Vianna Martins leão Ruth ôe Fátila Rendeiro Palheta Revisores Técnicos

Joaquil lvanir GOles - EK8RAPA-CPATU

Sueo NUMazMa - FCAP

Guilherle dos S. Carvalho - AIKEX Expediente

Coordenação Editorial: Francisco Jose CãMara Figueirêdo Norlalização: Celia Maria lopes Pereira

Revisão GraMatical: Maria de Nazaré Magalhães dos Santos COMPosição: Francisco de Assis Salpaio de Freitas

AGUIAR, O.J.R. de. A indústria de lâ.inas e compensados no contexto .a-deireiro da floresta alazonica brasileira. BeléM: EMBRAPA-CPATU, 1992. i3p. (EH8RAPA-GPATU. OOClJlentos, 61>.

I I I I I I I I I I I 1 _

1. Kadeira - Industrialização - Brasil - AMazônia. 2. Floresta - E> :-ploração - Brasil - Alazônia. 3. Madeira - Lallinado- Brasil - Ãlazônia. 4. COlpensado - Industr ia - Brasil - Alazônia. L E/'IBRAPA.Centro de Pesquisa Agroflorestal da Alazonia Oriental (Selél, PÁ). lI. Título. lI!. Serie.

COO: 674.8

(4)

SUMÁI< 10

INTROOUCAO".""."." ••..•.. " "" ...•• "... 6

O SUBSETOR

MADEIREIRO DE LÃMINAS E

COM-PENSADOS

"..

.

.

....

....

..

..

...

...

...

.

8

A INDúSTRIA

DE LÂMINAS

E COMPENSADOS E

SUAS PERSPECTIVAS...

9

AÇõES ADICIONAIS PARA MELHORIA

00

SUBSE-IOR...

11

UTILIZACÃO DE

MADEIRAS PROVENIENTES

DE

REFLORESTAMENTOS COMERCIAIS APTAS PARA O

SUBSETOR...

12

CONSIDERAÇõES FINAIS...

12

(5)

A

INDúSTRIA

DE

LAMINAS

E

COMPENSADOS

NO

CONTEXTO

MADEIREIRO

DA

FLORESTA

AMAZôNIA

BRASILEIRA

OSlar José ROI~irod~ Aguiar~

RESUMO: A floresta alazônica brasileira é, entre os recursos na-turais, o laior patrilônio que o país possui. Na atividade flo-restal, o setor ladeireiro é o seglento lais ilportante. Esse setor abast~(ido de florestas naturais, pela explora~ão s~letiva de poucas espécies ou por aquelas de áreas de deslata.ento destinadas a outras atividades Ô~ uso d~ solo, ev~tuada na laioria das v~zes por terceiros, COI grand~ risco da perda de sua sustentabilidad~, contrapondo-s~ à voca~ão da região, não tel sido ~ficiente para s~ tornar u.a atividad~ socioeconôlica e ecologica.ente estável. Para reverter essa situa~ão, o setor tel que se tornar aais eficiente e versátil no trata.ento dos recursos florestais. Pelas suas características tecnológicas, as quais perlitel a lanufatura de UI produto COI ula gala de utilidades nobres el substitui~ão

à

ladeira .aci~a, a indústria de lãlinas e cOIPensados representa atuallente a .elhor op~ão à explora~ão sustentada, COI base no lanejo florestal da regenera~ão natural e silvicultura de florestas

ilPlantadas.

Terlos para indexa~ão: flor~sta tropical, indústria ladeireira, Veneer, Plywood, lanejo sust~ntado, r~florestalento.

(6)

VENNNER

ANO

PLYWOOD

WITHIN

THE

CONTEST

DF THE

TIMBER

INDUSTRY

OF

THE

BRASILIAN

AMAZON

A8STRACT: lhe alazon tropical rain forest are one of the word's greatese natural resources and represent in 8razil one Df the nations richest theasures. lhe tilber industry as one of the 10St ilPortant in the region bot so far has been unable to transforl this forest potential into an activity which socially, econolically and ecologically stable. This paper discusses the advantages of the produetion characteristics Df the veneer and plywood subsjector and suggests SOle actions needed to develop its potential as a forestry activity which is supplied front cOllereial reforestation and sustainably lanaged forest areas.

lndex terls: tropical forests, tilber industry, Veneer, Plywood, sustainable lanagelent, reforestation.

INTRODUÇ~O

A floresta amaz8nica brasileira repre -senta 1/5 da ~rea mundial de floresta tropi-cal. ~ sem d~vida, EntrE 05 recursos na-turais, o maior patrimBnio que o país possui. Do ponto de vista ambiental i inegavelmente relevante por interagir na manuten,io dos re-cursos hídricos, do clima, na conserva~ão do solo e da diversidade bioldgica. enquanto 50-cioeconomicamente é importante por produzir diversos produtos da mais variada ordem de ut iLt z ac âo ,

Na atividade florestal, o setor madei-reiro i o segmento mais importante da região. Entretanto este setor nio tem sido eficiente para transformar o imenso potencial florestal em at ividade social. econBmica e ecologica-mente estável.

(7)

A ind~stria madeireira. abastecida de

florestas naturais pela exploraç~o selet iva de

um n~mero reduzido de esp~cie ou por aquelas

de ~reas de desmatamento dest inadas a outras at ividades de uso do solo. efetuadas em grande

parte por terceiros. tem apresentado quase sempre um comportamento it inerante deslocando

-se na maioria das vezes. em busca de novas

áreas. com abundância de madeira explor~vel. Nesse processo. onde a compensa~âo econBmica

imediata ~ o fator principal. h~ risco de

perda da sustentabilidade da atividade ma

-deireira em decorr0ncia da exaustâo do

re-curso. Vista sob esse ângulo. a exploraçâo

florestal nio passar~ de uma simples atividade transitória. contrapondo-se ~ vocaçâo natural da regiâo (Yared

&

Brienza Junior 1989).

Para reverter essa situaçio. a in-d~stria madeireira deverá demonstrar maior

eficiincia e versatil idade no melhor aprovei

-tamento dos recursos florestais. gerando bEns

sociais e econBmicos de maneira sustentada.

Dentro do setor madeireiro, a ind~stria de lâminas e compensados. pelas suas

características tecnológicas. apresenta grande potencial para demonstrar essa efici~ncia e

versatil idade. permit indo dessa maneira a ma

-nufatura de um produto com um grande n~mero de util idades nobres. al~m da demanda mundial es

-tar em franca ascensio.

O aumento do n~mEro dE ind~strias do setor madeireiro como um todo. ocorrido na d

~-cada de 80. e a ut iliza,io de poucas Esp~ciES. proporcionaram a diminuiç~o ~e oferta de mat~

-ria-prima (taras de madeiras). Isso se deve. principalmente. à crescente concorrincia em busca da garantia de suprimEnto qUE ~. na grande maioria. real izada por terceiros.

Considerando as atuais legislaç~o florestal em defesa

exigincias do meio

da am

(8)

biente, vislumbra-se para o setor madeireiro s~rios problemas de adapta~io às novas pol (t i-cas de conservaçio dos ecossistemas da re9iio, uma vez que este nio tem tradi~âo em suprir-se de ~reas de florestas prdprias sob os regimes dos planos de manejo sustentado que devem ser. principalmente, ecoldgico e economicamente viáveis.

Em estudos recentes, Silva (1990) de-monstra a viabilidade t~cnica da exploraçio madeireira atrav~s de planos de manejo susten-tado para a AmazBnia, por~m s6 poderio ser efet ivos e economicamente viáveis se as esp~-cies potenciais forem devidamente utilizadas p e lo setor in du str i,,'1I madf.·~ir~~irc).

o

SUBSETOR

MADEIREIRO

DE LAMINAS

E COMPENSADOS

Com a implanta~io e funcionamento de uma fábrica totalmente importada dos Estados Unidos da Am~rica do Norte, na cidade de Por-teI, Estado do Pará, em 1955, foi dado inicio às at ividades do subsetor madeireiro de limi-nas e compensados de madeira na AmazBnia bra-~;il~~ira.

Na re9iio Amaz6nica, a ind~stria de liminas e compensados se estabeleceu com obje-tivo de melhor aproveitar a abundância da uc uub a (Vir'ol" <;IWinamPD';i';)y sendo d e s s a '.•a··-.• neira, diferente da re9iâo Sul do Brasil, onde a ind~stria desse subsetor madeireiro, com tecnol09ia europ~ia, teve como objet ivo prin-cipal a ut iI iza~io do pinheiro-do-paraná

(Ar"ue"ri" an9I1stjfolj,,) (Agui,:\,ri~;JB3)N

A ind~stria de liminas e compensados de madeira está distribuída em todos os Estados que comp3em a Amaz6nia brasileira. O Pará, o mai~ importante produtor, com aproximadamente

(9)

60% do pa r qUi·:·: indu,,:.t:Y' !a1 cI€.:ssf.-:' ~:·ub<:>Et or , possui 77 unidadEs industriais. sendo 52 de liminas desenroladas (rotary cut veneer), seIs de lâminas faqUEadas (sI iced venner) E 19 de compensados (p)~wood). Atualmente. conta também com uma ind0stria qu{mica dE adesivos para madeira (resln adhEsivE chemical

i n du str u ) "

Essas ind~strias produziram em 1989 um volume de apr-oximadamente 550 mil metros c~bi-coso dos quais 30-40% corrEsponderam a

lâmi-nas. com um consumo superior a 1.200.000 m3 de

toras de madeira, sendo qUE 60% foram proce-dentES de v~rzeas dos rios da r-E9igo~"

Sâo ~tilizadas atualmente pelo subsetor na reglao. cerca de 40 espécies madeirEiras, destacando-se Cpiba pentandra (suma~ma), Vjrpla <:;Iwinampn<:;.i<:;(l.1cul.lba),Tr-attjnirkjs'" bllrser jfoI i a (br cu+euc ur ub a )r Cnpa ifEno,

mlllti il19a (cDP,,,i"ba), Malll1ira <;;;-'1f'rolophql1a (mu ir at tn s a ) , Rallwolfia pentmpbql1a (909ó·..-de..·

9uariba) e faveiras (diversos

gineros/esp~cies), que representam 8S% do volume processado industrialmente.

A INDúSTRIA DE LAMINAS E COMPENSADOS E SUAS

PERSPECTIVAS

As ind~strias de lâminas e compensados levam vantagens sobre as outras do setor ma-deireir-o na Amaz8nia. Em funçgo de ser pos-s{vel ut il izar no processamento, madeiras com densidade que podem variar entre 300 kg/m3 a 700 kg/m3

, o que representa aproximadamente

60% de todas as espécies madeireiras

existen-~Inforla~õ~s colftadas pflo autor, através d~ qu~stionirios aplicados às in-dústrias ~I1991.

(10)

tes na Amaz8nia (IBDF 1985). Esse potenci~l pode ser totalmente viabilizado pelo subsetor. desde que sejam ut ilizadas técnicas de aqueci-mento de taras, onde Sio considerados o tempo

E temperatura de aquecimento. em fun,io da densidade b~sica da madeira, e a condut ividade térmica de cada espécie; devem também ser de-senvolvidas geometrias de c~rte, através da afia~io e regulagem do conjunto de corte (faca e contra-faca) dos equipamentos de lamina,io de madeira, adequadas ~s espécies a serem pro-cessadas industrialmente.

o

painel compensado de madeira é o ~nico produto obtido da floresta que apresenta diversas ut ilidades nobres em subst itui;io ~ madeira maci,a. Pelas suas caracter(sticas de produ,io e constru;io7 é poss(vel obter em uma

unidade do produto (painel). a composi,io de diversas espécies madeireiras com caracter(s-ticas f(sico-mecinicas variadas.

Tanto as liminas como 05 compensados de madeira sio produtos que apresentam uma de-manda em franca ascensio, tanto no mercado in-terno como no externo (Tumazelli 1988). ~ pre-vista que a demanda externa se mantenha e, dessa maneira, as ind~strias terio melhores oportunidades comerciais em fun;io. principal-mente. da dinimica do consumo mundial; a dimi

-nui,io na oferta dos recursos florestais asi~-ticos e africanos. podem transformar a Amaz8-nia na mais importante fronteira de abasteci-mento dos grandes importadores (Yared 1990).

As f~bricas de liminas e compensados na regiio Sio empreendimentos que possibilitam a oferta de empregos diretos. que variam entre 25 a 1.300 por unidade fabril. dos quais menos de 10% necessitam de treinamentos espe-cial izados.

Com rela,io aos outros subsetores ma-deireiros. a ind~stria de llminas e compen

(11)

sados, por sua flexibilidade em poder abast e-cer-se de in~meras esp~cies florestais, leva

vantagem adicional para cumprir as atuais exi -glncias da legisla,~o florestal, que ~ poder

suprir-se de áreas florestais que estio sob os

regimes dos planos de manejo sustentado e. dessa maneira, evitar a explora,io itin~~ante

imprdpria para a regiio.

ACôES

ADICIONAIS

PARA

HELHORIA

DO SUBSETOR

Nos ~lt imos anos, embora tenha havido na regiio um crescimento bastante expressivo

no n~mero de ind~strias de lâminas e com -pensados de madeira, ~ imperat ivo que ocorra o

progresso tecnoldgico visando ~ melhoria no

aproveitamento das esp~cies tradicionalmente utilizadas, como tamb~m de esp~cies pote n-ciais, consideradas atualmente sem valor co -mercial. Dentre os principais problemas que a

teenologia da madeira deve superar para viab i-lizar o uso das espicies potenciais, tem-se~

madeiras de altas densidades básicas (acima de

700 kg/m3

), madeiras de baixas densidadES

(abaixo de 300 kg/cm3), toras dE esp~cies ma

-deireiras com diimetro inferior a 30 em, esp~ -eies madeireiras com problemas de secagEm e

toras de árvores que apresentam altas tensaes

de crescimento.

(12)

UTILIZAçao

DE MADEIRAS

PROVENIENTES

DE

REFLORESTAMENTOS

COMERCIAIS

APTAS

PARA

O

SUBSETOR

Resultados de pesquisas em silvicultura (Kanashiro

&

Yared 1991) e testes prel iminares de lamina~io e manufatura de compensados de espécies de r~pido crescimento. mostram ser perfeitamente possível a util izaçio. a médio e longo prazos. de madeiras produzidas em reflorestamentos comerciais das seguintes espécies: quaruba-verdadeira (VoçhY5ia maxima), freiJd (Cordia 90E1diana). paric~

(Beblp:o)objllm amai'onjrum) e mor otot o (Ojdymopanax morQtotooj).

CONSIDERAÇõES

FINAIS

Baseado nos resultados de pesquisa de exploraçio sustentada de madeira, através de manejo florestal e Em silvicultura de flo -restas implantadas, constata-se que o subsetor de liminas e compensados.

t

atualmente o ~nico s e smen to do setor' mad e ir (~~ir·Dr i~:;C)1a d 'HtH::·nt ~~ou em associa,io com outros subsetores. que pode proporcionar. através da industrial iza~iD de madeiras, bens socioecon8micos e ecológicos para a regiio Amaz5nica.

REFERÊNCIAS

BIBLIOGRÁFICAS

AGUIAR,

O.J.R.

de. Utiliza~ão de

flnus

na produ~ão de la.inados e cOIPensados. Silvicultura, São Paulo, n, 34. p.37-·43, 1983.

IBOF.

Identificação e a9rupalento de espécies de ladeiras tropicais

aaazônicas. Brasília, 1985. 65p.

(13)

KANASHIRO, H.; YARED, J.A.G. Experiências COI plantios florestais na bacia Alazônica. Belel, 1991. Hileo. Trabalho apresentado no SilPósio Internacional ·0Desafio das Florestas Neotropicais', Curitiba, PR, 1991.

SILVA, J.N.H. The behavjour of the tropical rain forest of the brazilian alazon after logging. Oxford: Universidade de Oxford, 1989. 3t2p. Tese doutorado.

TOHAZELLI, I. Oportunidades e lilita~Ges para o desenvolvilento da indústria baseada el ladeiras tropicais da Alérica Latina. Curitiba, 1988 Trabalho apresentado na Hesa Redonda Internacional, Brasília, laio de 1988.

YARED, J.A.G. Futuro econô.ico da agricultura na Alazônia. Belêl, 199•• Hileo. Palestra apresentada no Selinário realizado no Senado Federal. Bra~.ília, laio de 199••

YARED, J.A.G.; BRIENZA JUNIOR, S. A atividade florestal e o desenvolvilento da Alazônia. Pará Desenvolvi.ento. Delêl, n. 25, p.6'-64, jan./dez., 1989.

(14)

Referências

Documentos relacionados

To demonstrate that SeLFIES can cater to even the lowest income and least financially trained individuals in Brazil, consider the following SeLFIES design as first articulated

São eles, Alexandrino Garcia (futuro empreendedor do Grupo Algar – nome dado em sua homenagem) com sete anos, Palmira com cinco anos, Georgina com três e José Maria com três meses.

A inscrição do imóvel rural após este prazo implica na perda do direito de manter atividades agropecuárias em áreas rurais consolidadas em APP e Reserva Legal, obrigando

ou sociedades recreativas à inglesa. Além do Fluminense Futebol Clube, ele viria a presidir o Iate Clube do Rio de Janeiro e seria um dos membros mais assíduos do Automóvel Clube

[…] História, missão, funções e atividades da instituição produtora/acu- muladora; meios de produção dos documentos; histórico da formação e acumulação do

Com base na literatura revisada, conclui-se pela importância da implantação de um protocolo de atendimento e execução de exame de Ressonância Magnética em

Sendo assim, o presente estudo visa quantificar a atividade das proteases alcalinas totais do trato digestório do neon gobi Elacatinus figaro em diferentes idades e dietas que compõem

2 - OBJETIVOS O objetivo geral deste trabalho é avaliar o tratamento biológico anaeróbio de substrato sintético contendo feno!, sob condições mesofilicas, em um Reator

A motivação para o desenvolvimento deste trabalho, referente à exposição ocupacional do frentista ao benzeno, decorreu da percepção de que os postos de

A questão selecionada para esta pesquisa associa-se a uma reflexão sobre o fazer escolar, sua efetividade e eficácia enquanto instituição responsiva, capaz de repensar a

Com um orçamento municipal girando por volta de R$ 623 milhões em 2012, segundo o boletim on-line Sua Cidade 9 , o município de Limeira conta, após quinze anos

de lôbo-guará (Chrysocyon brachyurus), a partir do cérebro e da glândula submaxilar em face das ino- culações em camundongos, cobaios e coelho e, também, pela presença

The lagrangian particle tracking model was used to stu- dy the dispersion of particles released in different lagoon channels, the advection of particles released

Apesar do cenário de crise, instalado no mundo, desde 2008, compreendemos que a cana-de-açúcar já detém no Brasil um patrimônio produtor, gerador de demandas, consideradas por

Conforme já afirmamos, o processo de produção de relações não-capitalistas de produção como recurso para garantir a sua própria expansão, tem-se dado, no

Acompanhar o desenvolvimento infantil está entre as atividades desenvolvidas pela equipe de enfermagem, sendo o enfermeiro o responsável por executar, gerir e

A proposta aqui apresentada prevê uma metodologia de determinação da capacidade de carga de visitação turística para as cavernas da região de Bulhas D’Água

Conclusão: a mor- dida aberta anterior (MAA) foi a alteração oclusal mais prevalente nas crianças, havendo associação estatisticamente signifi cante entre hábitos orais

Este trabalho buscou, através de pesquisa de campo, estudar o efeito de diferentes alternativas de adubações de cobertura, quanto ao tipo de adubo e época de

Esta pesquisa discorre de uma situação pontual recorrente de um processo produtivo, onde se verifica as técnicas padronizadas e estudo dos indicadores em uma observação sistêmica

O enfermeiro, como integrante da equipe multidisciplinar em saúde, possui respaldo ético legal e técnico cientifico para atuar junto ao paciente portador de feridas, da avaliação

Para a realização da análise fatorial, utilizaram-se 37 variáveis (Tabela 1) produzidas para o estudo, o que inclui dados presentes no ambiente pedonal de três bairros da cidade

5 “A Teoria Pura do Direito é uma teoria do Direito positivo – do Direito positivo em geral, não de uma ordem jurídica especial” (KELSEN, Teoria pura do direito, p..