CANÇÕES TFM - TODAS

14 

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Texto

(1)

SE A GUERRA ESCOLHER COMO PALCO

Se a guerra escolher como palco As montanhas do nosso brasil Levarei minha fé minha força Junto a mim estará meu fuzil A altitude e o ar rarefeito Adaptado tornei-me assim

E hoje eu sinto que sou parte dela E que ela faz parte de mim

E meu grito de guerra é montanha (todos respondem) montanha Montanha responde o rochedo Enfrentando o inimigo com garra Sou guerreiro que luta sem medo Escalando as paredes de pedra Hei de ver a vitória chegar

E do alto eu contemplo o horizonte A planície, o planalto e o mar E lutar bem mais perto do céu Essa é minha nobre missão Minha alma se eleva ao topo A seguir meus pés lá estarão

E meu grito de guerra é montanha... INFANTE É GUERREIRO

Infante é guerreiro, Que mata guerrilheiro

Com a faca entre os dentes, esfola ele inteiro

Mata, esfola, usando sempre o seu... Fuzil

Infante é guerreiro que acredita no Brasil.

SENTI UM DIA NO MEU CORAÇÃO Senti um dia no meu coração

Uma imensa e forte emoção De combater saltando do avião E defender com orgulho essa nação E lá no todos vão me ver

Então me vendo todos vão dizer Sentimos muito orgulho de você QUE BARULHO É ESSE

Hoooop, hááááááááá.

Que barulho é esse que parece um trovão?

É o NPOR (a 1ª Cia, a 2ª Cia), entrando em ação.

Demônios camuflados surgem da escuridão

Corpos ensanguentados vão rolando pelo chão.

Me perguntam de onde venho, venho da escuridão

Trago a morte, o desespero e a total destruição

Armadilhas camufladas camufladas, acionadores de tração

Quem vier atrás de mim, só vai ouvir a explosão

A faca brilha, a caveira sorri Eu não tenho medo de ti.

Urubú que é bom, é pau na molera, Pé de poeira, faca na caveira.

SANGUE FRIO EM MINHAS VEIAS O sangue frio em minhas veias Congelou meu coração

Me pergunte de onde venho venho da escuridão

Trago a morte, o desespero e a total destruição

Dois cordéis e uma granada, acionadores de tração,

Quem vier atrás de mim, só vai ouvir a explosão

Foi num campo de estacas punjis Que eu pisei e tropecei

Minhas vísceras rasgaram Minha carne apodreceu

Mas minha alma que é de Deus Essa sim permaneceu

QUANDO EU MORRER

Quando eu morrer, quero meu último desejo

Ser enterrado numa pista de rastejo E o coveiro tem que ser um bom guerreiro

Pra abrir minha cova com granadas de morteiro

Minha namorada que por mim não choraria

Já está cantando canções de INFANTARIA.

Quando eu morrer, quero ir de FAL e de Beretta

Chegar no inferno e dar dois tiro no capeta

E o capeta vai gritar desesperado Meu Deus do Céu tira daqui esse soldado.

(2)

Quando eu morrer me enterrem no caixão

Mas deixem o espaço pra pagar minha flexão

Quando eu morrer me enterrem num baú

Mas deixe o meu espaço pra pagar o canguru

GUERRILHEIRO FOI AO INFERNO Guerrilheiro foi ao inferno

Foi fazer não sei o que

Chegou lá quebrou a cara o diabo era PQD

Guerrilheiro foi ao inferno só pra ver como é que é

Chegou lá quebrou a cara, o diabo era FE

Guerrilheiro foi ao inferno vejam só que ironia

Chegou lá saiu correndo lá estava a Infantaria

O ALUNO(Sd, 1ª, 2ª) FOI AO INFERNO

O aluno (soldado, primeira, segunda) foi ao inferno

Atentar o satanás

Comeu a carne das almas, Jogou ossos para trás Perguntou se era só isso Se acabou ou tinha mais Missão louca como essa Só o aluno (soldado, primeira, segunda) é capaz

TOMARA QUE CHOVA

Tomara que chova uma chuva bem fininha

Que molhe a cama dela e que ela venha para a minha

Tomara que chova uma chuva bem fininha

Que molhe a roupa dela e ela fique de calcinha

Agora que ela, já está de calcinha Avanço com minha faca, meu cantil e camisinha

A missão foi cumprida, vou bater em retirada

Mas ela me avisa, camisinha tá furada Meu Deus e agora, eu tô numa

enrascada

Sou aluno, eu tô liso, e a menina embuchada

Se eu fosse um tenente até que dava pra casar

Mas que nada sou aluno, eu nem posso namorar

O tempo se passou e o moleque já nasceu

Mas o focinho dele, não se parece com o meu

Oh mulher tu tá doida, esse filho não é meu

Daqui pra frente, ele é problema teu Agora nunca mais quero ver aquela menina

Aquela que eu falei lá no início da historinha

No dia em que caiu uma chuva bem fininha.

Tomara que chova, que chova a noite inteira

Que molhe a minha sogra, aquela velha fofoqueira

Tomara que chova, que chova o dia inteiro

Que molhe o meu sogro, aquele velho cachaceiro

Tomara que chova, uma chuva bem fininha

Que molhe a cama dela e ela venha par a minha

EU NÃO SOU FAB

Eu não sou da FAB, nem tão pouco sou NAVAL

Eu sou do EB que é muito mais moral Eu não sou da Engenharia,

Não nasci pra construir Eu sou da INFANTARIA Eu nasci pra destruir Eu não sou da Saúde Não nasci para curar Eu sou da INFANTARIA Eu nasci para matar

FAÇO PARTE DE UMA TROPA Faço parte de uma tropa

Que tem fibra e moral Disciplina elevada Tropa operacional

Somos homens da mochila Capacete e cantil

Nossa força combativa Está na ponta do fuzil DO ALTO DO AMAZONAS

(3)

Do alto!

Do Amazonas,

Eu avistei uma linda fortaleza, Mas que beleza... Mas que beleza Guerra na Selva é minha certeza. EU TENHO UMA MANIA

Eu tenho uma mania que já é tradição,

De nunca me entregar, de não cair ao chão.

Eu sei, o que eu faço pouca gente quer fazer

A fome, o frio é grande o cansaço é pra valer.

Mas, se me perguntam eu respondo em alto tom,

É no fogo bem mais forte que se forja o aço bom

SOU DA NOBRE ARMA

Sou da nobre arma da granada e do fuzil

Eu sou da INFANTARIA, melhor arma do Brasil

Por isso quando eu vejo dois fuzis lá na Bandeira

Eu sei que eu vou lutar, vou lutar a vida inteira

Uniforme camuflado, pouca água no cantil

A mochila bem pesada, em guarda alta o meu fuzil.

ORAÇÃO DO GUERREIRO DE SELVA

Senhor,

Tu que ordenaste ao Guerreiro de Selva

Sobrepujai todos os vossos oponentes Dai-nos hoje da floresta:

A sobriedade para persistir A paciência para emboscar A perseverança para sobreviver A astúcia para dissimular A fé,

Para resistir e vencer E dai-nos também, Senhor,

A esperança e a certeza do retorno, Mas,

Se defendendo essa brasileira Amazônia

Tivermos que perecer, Ó Deus Que o façamos com dignidade E mereçamos a vitória,

Seeeeeelva.

AUDAZ INFANTE

Audaz infante, porque tu corres tanto? Aonde vai com teu fuzil na mão? Correndo eu vou lutar em cada canto De ponta a ponta, desse amado chão Audaz infante, porque estás tão sujo? Não se asco desse barro não?

Sinto orgulho, dessa terra cujo Futuro espelha essa grande nação Audaz infante, porque estás sozinho? Não sente falta de parente não? Sinto saudade do meu lar, meu ninho. Pensando neles cumpro cada missão. Não vou deter-te nem mais um só segundo

Prossiga na missão assim

Levando o nome do Brasil ao mundo Audaz infante, infante até o fim LÁ EM CASA É DIFERENTE Lá em casa é diferente E pra todos eu vou contar O meu pai dorme em sentido Minha mãe em descansar A alvorada lá de casa Não precisa corneteiro Meu irmão pega o petardo E explode no banheiro A comida lá de casa

Não tem tempero nem sal, A comida lá de casa

É ração operacional O quintal lá de casa

Não se varre com vassoura Varre com ponta de sabre Rajada de metralhadora O portão lá de casa Não precisa cadeado Toda vez que a gente sai Deixa ele armadilhado Brincadeira lá de casa Não é bola nem peão Brincadeira lá de casa É GC e PELOTÂO O terreno lá de casa É difícil de chegar A família lá só dorme Em defesa circular Lá em casa é diferente Só indo lá pra você ver O meu gato fez COMANDOS, Meu cachorro PQD.

INFANTE VELHO DE GUERRA Infante, velho de guerra

Que deixou sua morada Faz tremer agora a terra

(4)

Com sua marcha de estrada Quem tem fome no caminho Nunca pode guerrear

Infante que quer carinho O melhor é desertar

Somos fogo em movimento E no combate aproximado Nós fazemos o inimigo

Pedir perdão dos seus pecados Já passei por muitas pedras Muito charco e lamaçal Mas minha infantaria É tropa operacional ESTAVA NO COMBATE

Estava no combate totalmente equipado

Olhando para mim, uma caveira ao meu lado

Em meio ao tiroteio começou a me falar

Que eu tinha morrido e no inferno eu fui parar

Eu era tão temido que de lá me expulsaram,

Pior que o Diabo eu era sanguinário Então eu fui mandado lá pra Normandia

Lá eu matava mais de mil por dia. Mais de mil por dia

VOU INVADIR TUA MENTE Vou invadir tua mente

Não vou deixar tu dormir E nas infiltrações,

Tu vai lembrar de mim Sou cão de guerra maldito E já matei muita gente Deixando eu seus corpos A marca dos meus dentes VIDA NA SELVA

No Guerra na Selva vim para aprender

Para me testar treinar e combater Aqui tem muito peixe pra gente pescar Tem o matrinxã, o jaraqui e o cará Tem o tambaqui, tucunaré, pacu E no igarapé tem o candiru Tem o cuiu-cuiu, mapará , bodó De cipó titica, envira e o timbó Tem o tucumã pra gente comer Também tem o buriti pra dar e vender

Toda palmeira nova bom palmito dá Tem o açaí, pupunha e o patauá

Tem a palha branca, preta e inajá Tem a bacabinha e o marajá

Tem o tapiri pra gente torar Rabo de jacu e pra caçar o mutá Toda madeira oca tucandeira tem Tem a jiquitaia e o tachi também Tem onça pintada, preta ,parda tem Tem cutia, paca e o jabuti também Tem o carapanã para me picar Espinho da mombaca para me furar Aqui tem muita planta que dá um bom chá

A carapanauba e o xexuá

Tem o socavão pra subir e descer Eu vou contar de novo o que eu vim fazer

QUANDO AINDA SONHAVA Há muito tempo quando ainda sonhava

Uma voz veio me dizer, Você precisa fazer algo

Para que eu me orgulhe de você Eu não sei o que está pensando Nem tampouco quero saber Eu só quero que você me traga Uma onça em forma de brevet Mas não serve qualquer brevet Essa parece religião

Só quem usa esse brevet

São os guerras na selva da nossa nação.

EU VOU PRA SELVA

Eu vou pra selva e você não vai me ver

Eu vou pra selva e vou tocar o fuzuê Onça pintada sai daqui e Hurra pra Lá Vou arrancar a sua pele e sua carne eu vou fritar

Cobra cascavel tu não tem boca não Vou arrancar seu guizo e vou botar no meu sopão

Porco cateto sai daqui seu postulão Vou arrancar sua presa e vou fazer um medalhão

NO ALTO DO AMAZONAS No alto

Do Amazonas

Eu avistei uma linda fortaleza Mas que beleza

Chegou a hora

Guerra na selva é minha certezaz Eu vou voltar pro Solimões

(5)

Para rever o meu bom Batalhão Para rever aquela gente amiga Que traz no peito a consagração LÁ VEM O PRECURSOR

Precede, Guia, Lidera E lá vem o precursor Precedeu e liderou Mobiliou uma ZL

Seus painéis e letras e códigos O avião vem da final

Para fazer suas correções Esquerda 5, 7 após

Tudo OK para o lançamento IRMÃO DO CONDOR Quem és tu?

Que desce do céu?

Com asas de prata por sob o Brasil Guerreiro alado

Que não sente dor

Paraquedista, irmão do condor Sua missão,

É destruir

A tropa inimiga que tenta invadir CÃES DE GUERRA

Cães, cães, malditos cães de guerra Cães, cães, cães, malditos cães de guerra

Cães de guerra preparar Preparar para saltar Salto livre a comandar, E na mata se infiltrar Você pode até tentar Tentar me capturar

Mas no caminhos vou deixar Brinquedinhos pra você Estacas punjis vão rolar E o seu corpo perfurar Muito sangue irá jorrar E gargalhadas eu vou dar Iahá Rá rá rááááá. Rá rá rá MULHER RENDEIRA Olê mulher rendeira Olê mulher rendá

Ô tu me ensina a fazer renda Que eu te ensino a patrulhar A noite é minha amiga, A chuva minha companheira É nesse solo em que tu pisas Que eu patrulhei a noite inteira Eu vibro com o NPOR (1 cia, pelotão caveira),

Que cumpre sua missão No ar, no mar, na terra

De viatura ou de avião NÃO É DE SELVA

Quem não é de selva já dizia o manitu Sente muito medo quando enfrenta o catitu

ONÇA PINTADA

Onça pintada, quem foi que te pintou? Foi um infante louco, louco como eu sou

Onça pintada, que tanto me orgulha, Serás o estandarte, da minha patrulha Olha a onça dele no chapéu

Olha que essa onça é o seu troféu Olha a onça dele no seu gorro Olha que essa onça é o seu tesouro Olha que essa onça não é fácil de se ter

Se rala e se sofre pra valer

Eu quero essa onça no meu peito como eu quero

Eu quero essa onça toda em preto e amarelo

Eu tinha um pitbull antes de entrar no EB

Agora que entrei uma onça eu quero ter MOCHILA PESADA Mochila, Pesada Para-FAL Granada A cara Pintada A noite Escura A água Gelada O gorro É preto O curso COMANDOS COMANDOS

Se comandos querem ser Ouça bem o que eu vou dizer Tem que ralar, tem que sofrer Ousar lutar, querer vencer Nosso lema há de ser Quando o frio for intenso E o calor for de rachar

Não se esqueça um só momento Que o comandos nunca pode parar Que o comandos nunca vai parar

(6)

FUI AO INFERNO Eu já fui lá ao inferno E cheguei a uma conclusão No inferno não tem fogo

Lá tem muita água e enche o meu pulmão

A fé remove montanhas Mas não flutua o afogado A GENTE EQUIPA A gente equipa Embarca a tropa

Verifica equipamento, serra a frente vai a porta

E na luz verde À porta já

O velame está aberto E a Brigada está no ar Olê lê á

A Brigada está no ar Olê lê á

Eu também quero saltar SGT EUGÊNIO

Daquele momento eu não gosto de lembrar

Do seu capacete que voava pelo ar Antes de cair ao solo já estava desmaiado

Pelo vento forte ele foi arrastado Traumatismo craniano, o médico alegou

Perdeu muito sangue e não se salvou Sgt Eugenio da Engenharia

Morreu no salto junto com a infantaria Sua esposa estava grávida, esperando a sua volta

E ele lá casa de misericórdia O SENHOR DO BONÉ

O senhor do boné entrou na chaminé Dizendo que ia escalar, escalar Mas o tempo passou e o senhor do boné

Não saiu nem se quer do lugar, do lugar

Instrutor competente capaz como é Resolveu ajudar o senhor do boné Troca mão, troca pé, troca pé, troca mão

É assim que se faz, pustulão, pustulão Troca pé, troca mão, troca mão, troca pé

É assim que se faz seu mané, seu mané

SE ESTIVER COM FOME Se você estiver com fome E não tem o que comer Preste muita atenção No que agora eu vou dizer Pegue sua baioneta

E fique só na espera Ao passar o inimigo Baioneta em sua guela Vai escorrer um caldo quente Parecido com melado

É o sangue do inimigo Que está sendo derramado Esse sangue é muito bom Já provei e não há perigo É melhor do que café É o sangue do inimigo FACA DE COMBATE Tenho a faca de combate E a pedra de amolar Mantenho a faca afiada Para o inimigo degolar

CÉU TOMADO POR VELAME Levante

O seu olhar

O céu está tomado por velame Você sonhou

Em lá chegar

E se tornar um audaz Paraquedista Para manter

Acesa a mística

Do combatente aeroterrestre do Brasil Boinas vermelhas

Só podem vir

Da Formação Básica Paraquedista MEUS CURSOS

Subindo as paredes, eu pareço o homem-aranha

Meu 1º curso, foi Guia de Montanha Brigando com a onça e bebendo jurubeba

Meu 2

º curso, foi Guerra na Selva Passando muita sede, carregando mochilão

Meu 3º curso, Caatinga-Sertão Em busca do boot, e querendo um brevet

O meu 4º curso foi o PQDT

Tomando porrada aguentei com muita fé

(7)

CANSADO DE SOFRER

O meu coração está cansado de sofrer Sofrer pela garota que o EB me fez perder

Mas lá eu conheci alguém muito especial

O 7,62, mas conhecido como FAL Nossa relação foi ficando diferente Dou tiro de rajada, dou tiro intermitente

NA PAZ E NA GUERRA

Na paz ou na guerra sempre há Um comandos preparado pra lutar Quando a pátria lhe pedir está pronto Pra partir não importa o lugar

Na selva na montanha ou no mar Onde seja necessário atuar Surge no céu seu braço forte se Preciso enfrento a morte sua estrela Há de brilhar

O céu é seu amigo O solo o seu colchão Na retaguarda do inimigo

Levo a morte e a grande confusão Surpresa e sorte natural

Acompanham a caveira e o punhal Quando a chuva for intensa e a escuridão imensa é a hora ideal O rosto dos comandos ninguém vê Suas garras quem sentir não viverá O combate é mortal com destruição Total a missão se cumprirá

O céu é seu amigo O solo o seu colchão Na retaguarda do inimigo

Levo a morte e a grande confusão FOI NO CINEMA

Foi no cinema que a menina aprendeu a namorar

Alisando o preto velho que estava a cochilar

E o preto velho falou O tira a mão do meu FAL

O tira a mão do meu Fuzil Automático Leve

A mancha no tapete parecia mingau Mas não era mingau

Era óleo de FAL

Era óleo de Fuzil Automático Leve

MINHA VIDA EM CASA Ai ai mamãe

Que que eu to fazendo aqui? A minha vida lá em casa Era comer beber e dormir CARRO CHOQUE

Educado eu sei que sou Mas dou soco e pontapé Sei que um dia servirei Numa Cia de PE É carro choque Em posição Pra dispersar A multidão É carro choque Em movimento Pra dispersar O elemento DONA MAG

Olha a Dona “MAG” no terreno camuflada

Pronta para ser a qualquer hora empregada

Olha o seu morteiro lá no morro escondido

Pronto pra abater a posição do inimigo

Eu já não corro mais Só executo lanços

Cobertas e abrigos assim eu faço meus avanços

BICHO

A tropa avança enquanto o bicho berra

É Deus no céu e o infante aqui na terra

EXISTEM Existem, Aqueles,

Que querem mas não podem Existem,

Aqueles

Que podem mas não querem Eu quero,

Eu posso, Eu vou, Vencer

INFANTARIA

A infantaria não é pra quem quer Só quem pode já é tradição

Na INFANTARIA quando cai, cai de pé Mas logo se levanta pela vibração

(8)

PENDURADO NO RAPEL Quando vi a infantaria Pendurada no rapel

Eu perguntei ao Coronel se o infante veio do céu

O coronel me respondeu

Que o infante domina a terra,e o PQD domina o céu

FESTA DE PARAQUEDISTA Fui numa festa de paraquedista Um MS quem me convidou Tinha DOMPSA e Precursores

Salto enganchado foi o que mais rolou Senti na pele aquela ventania

Quando cheguei na porta do avião A luz vermelha se apaga num segundo

E á luz verde haja coração Eu me lancei no espaço Agrupei e preparei pra aterrar O salto foi perfeito

Minha missão agora vou começar há há XAMBIOÁ Brasil! 1973! No Araguaia Operações Contra-Guerrilha Missões reais Xambioá

Foi em Xambioá, foi em Xambioá No Araguaia, Xambioá

Quem nunca ouviu falar que fique agora a escutar

Contos de glórias que agora eu vou contar

Quando eu era pequeno ouvi meu pai a me contar

“Ei meu filho lá estive a atuar Vi guerrilheiro na selva a tombar E pra casa nunca mais voltar...” A guerrilha não era brincadeira Era patrulha, patrulha a noite inteira Alguns de nós era faca na caveira O perigo a todo canto a rondar Pára-quedistas chegavam pelo ar A todo momento um sinal de congelar Cabo mateiro lá na frente a avisar Tem guerrilheiro de tocaia a emboscar Ordem à Patrulha na mata se infiltrar A fadiga, a sede e a fome

Carapanã, muito charco e lamaçal

Mas mesmo assim eu sustentei meu Para-FAL

Ouvi os guerrilheiros lá de Xambioá Durante muitas noites meu nome a gritar

No intuito de me amedrontar Não gostei e logo revidei

Dei rajadas pro inimigo perfurar Fiz emboscadas para eliminar, Vi o inimigo com medo a me olhar E o desespero em sua alma a reinar Lá havia mulher guerrilheira, havia a Dina, Dina guerrilheira

Em torno dela a mistificação De boa mulher para a população Sua astúcia era de invejar E sua liderança de admirar Conquistou o povo de Xambioá Informes sobre ela ninguém queria dar

Mas pegadas para a morte ela deixou Seu vulto traiçoeiro na mata nos enganou

E um preço alto a Dina pagou Ó meu filho se alguém te perguntar Se o seu pai esteve em Xambioá Responda com orgulho que eu estive lá

Foi em Xambioá que cumpri nobre missão

De defender com orgulho essa nação E vinguei o sangue do meu irmão Que tombou em defesa desse chão Ó meu filho choro agora de emoção E lhe peço: prossiga na missão De manter a integridade deste chão Seja no Norte, no Sul ou no Sertão Velho guerreiro vá agora descansar Deixe seu filho na missão continuar Pois se a guerrilha voltar a ameaçar. Tenha certeza que estarei por lá. FORTE EMOÇÃO

Senti um dia no meu coração Uma estranha e forte emoção De combater saltando do avião E defender com orgulho essa nação E lá de baixo todos vão me ver Então me vendo todos, vão dizer Sentimos muito orgulho de você Guerreiro que traz no peito um querer PQD PIONEIRO

Ilalaêêê Ilalaêêa E o PDQ

(9)

Em matéria de avião Pqd é pioneiro

Vai a porta do avião E vê o Rio de Janeiro E se duvidar

Vê o Brasil inteiro FORÇA DE URSO

Tenho a força do urso e a coragem do leão

Olhos de lince, veneno de escorpião Em nossas veias corre sangue frio como o gelo

Somos indiferentes a qualquer fustigação

Pode preparando a nossa estrela de metal

Ou pode ir rezando para o nosso funeral BRINCADEIRA E muitos pensam Que é brincadeira Quando falamos O que passamos Mas só estando Nessa carcaça Pra saber O que serei

Serei um combatente audaz E não vacilarei jamais

Estando em guerra ou na paz Com o meu fuzil ai ai

CAMPO DE CONCENTRAÇÃO Foi no campo de concentração Que eu vi o capeta com a lamba na mão

Entre varas de porcos grinhavam uma canção:

Camarada Boris, Boris Skalovski

Na selva ele é quem manda Com a sua lamba

Me disse que era amigo Me deu muita porrada Me deu tapa na cara Lá tem o anjinho Tem pau-argentino Tem o pau-de-arara Tem soco no olho Tem o esticador Tem o tanque tático E tem o saco plástico Gás lacrimogênio Câmara de gás Choque na língua

E o choque elétrico Uuu choque elétrico

INFANTE E GUERRILHEIRO O Infante e o guerrilheiro tiveram uma discussão

Pra ver quem é o melhor na selva da região

Os dois se propuseram a conquistar objetivos

Quem chegasse primeiro era mesmo invencível

Entraram na selva e logo escureceu Agora eu vou contar tudo o que aconteceu

Infante se adianta na frente do guerrilheiro

Mostrando sua fibra sua moral de guerreiro

Porém não teve sorte uma cobra lhe mordeu

Agora eu vou contar tudo o que aconteceu

Disseram que o veneno dessa cobra era forte

E que levaria o nobre infante até a morte

Porém o veneno da cobra se inverteu Ao invés de morrer o infante foi a cobra que morreu

Ficou comprovado infante é combatente

Não teme guerrilheiro muito menos a serpente

Infante macetoso com sua bússola venceu

Enquanto guerrilheiro lá na selva se perdeu

Ficou comprovado infante é destemido Deixou o guerrilheiro dentro da selva perdido

NOSSA AMAZÔNIA

Para para para para para papa Para para para para para papa A nossa Amazônia é ruim de invadir Os Guerra na Selva vão se divertir Porque lá na selva eu vou dizer como é que é

É tropa de elite, você pode botar fé Porque lá na selva até os fortes tremem

Por falta de comida eles choram, eles gemem

Agora eu dou um conselho Para uns amigos meus

(10)

Pra ser Guerra na Selva tem que ter fé em Deus

Tem que ter moral E um bom preparo

A selva quando cobra, você paga muito caro

Tem onça pintada e cobra coral Tem picos de jaca, muito charco e lamaçal

Mas se você quiser conquistar o seu brevê

Agora eu vou dizer o que você tem que fazer

Limpe o seu fuzil Amole o seu facão

Cuide bem dos seus pés, senão você fica na mão

Tendo sempre em mente as leis da selva e a oração:

Senhor,

Tu que ordenaste...

P.S: já começa a oração do guerreiro de selva

CHARCOS, ESPINHOS

Tempestades, chavascais, charcos e espinhos

Perigo à espreita na mata tão voraz Sombras e silêncio pelas trilhas e caminhos

Guerra na Selva, um teste eficaz, A fraterna convivência nos ensina O valor de uma sã camaradagem Com justiça, liberdade, com estima Sempre alerta, com bravura e coragem

Nós somos uma tropa de vanguarda Para quem o perigo não existe Com orgulho usamos esta farda Investindo com as armas sempre em riste

À Amazônia inconquistável o nosso preito

A nossa vida por tua integridade A nossa luta pela força do direito Com o direito da força em validade Se a Selva não pertence ao mais forte Mas ao sóbrio habilidoso e resistente Temos tudo pra lutar até a morte No perigo nossa força está presente Nós somos uma tropa de vanguarda Para quem o perigo não existe

Com orgulho usamos esta farda Investindo com as armas sempre em riste

LUGAR BOM DE MORAR Selva, selva

O lugar bom de se morar Carapanã pra todo lado Borrachudos a picar Selva, selva

Eu gritarei até morrer

Guerra na selva será o meu brevê Quem não é de selva já dizia o MANITU

Sente muito medo quando enfrenta o catitu

Eu vou pra selva e você não vai me ver

Eu vou pra selva vou buscar o meu brevê

VIDA DE PAISANO

Todo munda anda dizendo que a formação é de ferro

O playboy não acredita e vem conhecer o inferno

Coitado desse menino, nunca conheceu a dor

Bola de gude no tapete, pipa no ventilador

Internet, vídeo game, celular, computador

E com apenas 15 anos um importado ele ganhou

Usava brinco na orelha e tinha o cabelo grande

Coitado desse menino quando vim pra Infantaria

Mas se quiser pode vim Se quiser pode vim

E se vier pra Infantaria, se prepare pra sofrer

Porque aqui é um inferno, e o tenente vai te sugar até morrer

VOCÊ QUE ESTÁ OLHANDO Ei você que está me olhando, Eu não gosto de você

Se continuar me olhando Vou ai quebrar você Ei você que está olhando Com o corpo arrepiado Se tiver 18 anos

Já pode ficar preparado Ei você que está me olhando Com essa cara de assustado

(11)

Quer saber de onde eu venho? Do castelo assombrado

Onde o tenente é maluco E aluno aloprado

GRANADA NO MORTEIRO

Explode granada no tubo de morteiro Vamos patrulhando e vibrando no terreno

Para o combate o meu fuzil eu vou levar

Também a baioneta pro inimigo eu degolar

Se na floresta esse brado surgir Desista guerrilheiro sua morte está por vir

Tropa de elite, soldados avançar Não tente me deter pelo Brasil eu vou sangrar CAMPOS DE BATALHA Na paz Na guerra No campo de batalha O dedo no gatilho O fogo da metralha Perigo é alegria

Vontade é meu prazer O sangue pela PÁTRIA A glória de VENCER CHUVA DE VELAME

O salto é de mochila e para-fal Hoje vai ter chuva de velame C-130 já tá na final

O MS vai lançar o infante

O vento forte não vai ser problema A gente vai parar em Guadalupe Se cair na pedreira tá no esquema Se é bom PQD que se agrupe RAIO-X

Fui bater um raio-x olha só que confusão

Tinha dois fuzis cruzados dentro do meu coração

E no meio dos fuzis uma granada de mão

É mentira, é mentira, dizem que sou violento

É verdade, é verdade eu sou infante até por dentro

SOS SOS

O Rio nos chama

O Rio precisa de uma tropa especial Chama os alunos pra acabar com o marginal

SOS

O Rio nos chama

O Rio precisa de uma tropa de infante Chama os alunos pra acabar com o traficante

NOITE QUENTE

Noite quente, noite quente Noite quente de verão Casamata na colina Morte e destruição

Muitos corpos espalhados Muito sangue pelo chão Você sabe quem sou? Sou maldito cão de guerra Preparado para matar

Mesmo que custe minha vida A missão será cumprida Venho lá das profundezas Da retaguarda do inimigo Trago em minhas mãos O sangue e o perigo Chacal voraz e destemido Eu sou aquele combatente Que tem o rosto camuflado Já tive atrás das cercas Tive meu corpo mutilado Mas de lá eu escapei Do opressor me libertei SOGRA

Essa noite eu quase morro Morro de contentamento Meu barraco pegou fogo E minha sogra estava dentro Essa noite eu quase morro Morro de decepção

A minha sogra saiu viva com extintor na mão

BANHO DE LAMA

Tomo banho de lama (parãrãrãrãrã) Fico todo camuflado (parãrãrãrãrã) O fuzil é meu amigo (parãrãrãrãrã) O inimigo eu estraçalho

(parãrãrãrãrã)

A ralação é todo dia ( Brasil, Infantaria)

CASAR

Quero me casar mas não acho com quem

Casar com mulher feia, mulher feia não convém

(12)

Não quero me assustar com a feiura de ninguém

Quero me casar mas não acho com quem

Casar com mulher magra, mulher magra não convém

Não quero me espetar na ossada de ninguém

Quero me casar mas não acho com quem

Casar com mulher gorda, mulher gorda não convém

Não quero me afogar na gordura de ninguém

Quero me casar mas não acho com quem

Casar com mulher linda, mulher linda não convém

Não quero ser suporte pra galhada de ninguém

Quero me casar mas não acho com quem

Casar com mulher velha, mulher velha não convém

Não quero dividir dentadura de ninguém

Quero me casar mas não acho com quem

Casar com mulher pobre, mulher pobre não convém

Não quero bancar as despesas de ninguém

Quero me casar mas não acho com quem

Casar com mulher alta, mulher alta não convém

Não vou me pendurar no pescoço de ninguém

Quero me casar mas não acho com quem

Casar com mulher rica, mulher rica me convém

Quero dividir a herança de alguém COCA-COLA

Eu queria estar agora Lá na mesa de um barzinho Tomando uma coca-cola Ou um chopp geladinho Mas como tudo nessa vida

É pra dar moral a gente Faço essa corridinha

Que dá força ao combatente CHOPP-CHOPP Chopp chopp No verão Só faz bem Ao coração Chopp chopp No inverno Leva a gente Pro inferno OURO E PRATA

Não foi ouro não foi prata Nem tão pouco diamante Foi a fibra foi a raça Que me fez nascer infante Não foi ouro, nem foi prata Nem tão pouco foi dinheiro Foi a fibra foi a raça

Que me fez ser um bom guerreiro MARIA BONITA

Acorda maria bonita

Levanta e vem fazer o café Que o dia já ta raiando E o aluno está de pé NO INFERNO

O diabo quis dizer que no inferno era ardente

Mas ele não veio à terra, e resolveu mandar o Tenente

O diabo quis dizer que no inferno era um tormento

Mas ele não veio a terra, e resolveu mandar o Sargento

O diabo quis dizer que no inferno era brabo

Mas ele não veio a terra, e resolveu mandar o cabo

O diabo quis dizer mas como não deu resultado

Vestiu calça e coturno e veio em forma de soldado

QUANDO NASCI

Foi quando eu nasci, que tudo começou

Numa gandola de combate, minha mãe me enrolou

(13)

Já na pré-escola me chamavam de louquinho

Usava capacete e dava tiro de chumbinho

Aos 18 anos eu fui para o quartel Dar tiro de fuzil

E descer monte no rapel INTERROGATÓRIO O interrogatório É muito fácil de fazer A gente pega o animal E bate nele até dizer

E se mesmo assim se o desgraçado não falar

Pega o inimigo e da porrada até matar CORRIDINHA

Corridinha mixuruca

Que não dá nem pra cansar Nesse passo, nesse passo Volta ao mundo eu quero dar CANSADO

Tem alguém cansado?

Não senhor, aqui não tem cansaço nem tão pouco covardia, aqui só tem aluno dessa nobre infantaria, com raça, fibra, moral e vibração, todos desse curso cumprirão sua missão, Brasil, acima, de tudo.

ESPERTO

Você pensa que é esperto Lagartixa é muito mais Ela sobe as paredes Coisa que você não faz Você pensa que é esperto Jacaré é muito mais Ele dorme de olho aberto Coisa que você não faz 2ª CIA FUZ

E a 2ª?

A onça, ataca, massacra, impõe o seu valor, não tem medo da morte ao inimigo causa horror, nós somos da 2ª e nosso lema é vibração, estamos sempre prontos pra cumprir qualquer missão, Brasil, acima, de tudo, ONÇAAA..

PÉ PRETO

Sou pé preto e não temo ninguém Deito, rolo e atiro muito bem Rolo, deito e torno a rolar

Infante sem poeira é transgressão disciplinar

APALPANDO

Apalpando e apalpando Apalpei a sua testa Ela disse, ela disse

Mais pra baixo é uma festa Apalpando e apalpando Apalpei o seu pescoço Ela disse, ela disse

Mais pra baixo é um colosso Apalpando e apalpando Apalpei o seu peitinho Ela disse, ela disse

Mais pra baixo é com carinho Apalpando e apalpando Apalpei a sua cintura Ela disse, ela disse

Mais pra baixo é uma loucura Apalpando e apalpando Apalpei o seu umbigo Ela disse, ela disse Mais pra baixo é o perigo Apalpando e apalpando Apalpei o seu joelho Ela disse, ela disse

Mais pra cima um palmo e meio Apalpando e apalpando

Apalpei a sua coxa Ela disse, ela disse

Mais cima você não é trouxa Apalpando e apalpando Apalpei a sua virilha Ela disse, ela disse

Mais pro lado é a maravilha Apalpando e apalpando Eu levei um tapa na cara Ela disse, o mocorongo Tira o dedo e mete a vara. Apalpando e apalpando Apalpei a sua etiqueta Ela disse, ela disse... FUI CHAMADO

Fui chamado para guerrear Mas na hora quem diria Meu fuzil, resolveu falhar

Com a faca entre os dentes a ordem era atacar

E a pele do inimigo no mastro pendurar

A pele do inimigo eu pus no mastro na bandeira

Por todos fui chamado de faca na caveira

(14)

É faca na caveira Patrulha patrulha Patrulha a noite inteira Esquece esquece Esquece a namorada Patrulha patrulha Patrulha de emboscada Esquece esquece Esquece a cervejinha Patrulha patrulha Patrulha ribeirinha CRITICAR

Tem gente que me critica porque não sabe fazer

Tem gente que admira e até para para ver

Você que me critica vem fazer o que eu faço

No meio do caminho tu vai sentir cansaço PISCINA Quero banhar-me Numa piscina Cheia de sangue Sangue do inimigo

Quero banhar-me numa piscina

Com a Sheila Melo e a Dani bananinha CHORA MULHERADA

Chora mulherada, mulherada chora Chora mulherada sexta eu não vou embora

Quando entrei aqui eu não sabia o que era isso

Chora mulherada sábado tô de serviço ROMEU

Ôôôôôô romeu cadê a sua julieta? Tá ali é só olhar para a direita (esquerda) MENDANHA Sede na caatinga Frio na montanha No calor da selva Porrada no medanha Olha esse curso

Só tem guerreiro alado Audaz guerra na selva Guerreiros adestrado AVIÃO

O avião está na pista

Logo mais vai decolar, vai decolar

PQD está a bordo,

Logo mais vai se lançar, vai se lançar Venha ver como é bonito

Venha ver como é bom, como é bom De ver o Rio de Janeiro

Da porta do avião, do avião PARAQUEDISTA

Um paraquedista... é um cavalheiro Dois paraquedistas... andam no passo certo

Três paraquedistas... fazem um guerra

Quatro paraquedistas... conquistam o universo

PUXA GUIA

Puxa guia, que eu quero correr Nesse passinho não pode ser Puxa guia se não eu vou para Nesse passinho não dá nem pra cansar

JAPONÊS

Fui certa vez na casa do japonês E o japonês tacô cigarro no chão A mulher do japonês começou a reclamar

I cata aqui, i cata aqui

Cata aqui tu que tu que tacô no chão TFM

Oba oba oba, TFM é só lazer

Quem nunca viu, bate palma quando vê

Mas pra correr com a gente tem que ter uma canção

Chama o (soldado, sgt, tenente) “fulaninho” pra cumprir essa missão

Imagem

Referências

temas relacionados :