A UTILIZAÇÃO DA CORRENTE RUSSA NO TRATAMENTO DA FLACIDEZ MUSCULAR ABDOMINAL

Texto

(1)

A UTILIZAÇÃO DA CORRENTE RUSSA NO TRATAMENTO DA FLACIDEZ

MUSCULAR ABDOMINAL

1

LOPES, S.C.

2

BRONGHOLI, K.

RESUMO

A flacidez muscular refere-se a diminuição do tônus muscular, estando o músculo pouco consistente. A flacidez muscular abdominal é comumente encontrada no sexo feminino, sendo um fator prejudicial para a estética corporal da mulher. Desta forma, este estudo objetivou avaliar os efeitos da corrente russa na estética da musculatura abdominal, utilizando a corrente russa como recurso de forma isolada.A eletroestimulação que o aparelho promove é capaz de agir tanto sobre as fibras brancas responsáveis pela velocidade, quanto sobre as vermelhas, de sustentação, e ainda sobre as intermediárias. A amostra foi composta por dois pacientes do sexo feminino, residentes na cidade de Tubarão – SC. As pacientes se submeteram a uma ficha de avaliação constituída de dados gerais relacionados a patologia, perimetria abdominal, graduação da força muscular da região em questão e palpação do tônus abdominal. As sessões de tratamento foram realizadas na Clínica Escola de Fisioterapia da Unisul – campus de Tubarão. Foram realizadas 20 sessões no período de abril / maio de 2004, cinco vezes por semana com duração de 20 minutos. Como resultados, obteve-se aumento de força muscular na paciente 1 , na paciente 2 a força muscular não foi alterada permanecendo grau 4. A perimetria permaneceu inalterada em ambas as pacientes. Diante disso, torna-se necessário que outras formas de aplicação da eletroestimulação, associadas ao exercício físico, por exemplo, sejam pesquisadas.

Palavras-chave: flacidez, corrente russa.

ABSTRACT

The muscular flaccidness is related to the reduction of the muscular tonus, being the muscle less consistent. The abdominal muscular flaccidness is found in the feminine sex, being an unpleasant factor to the womans corporal aesthetic. This way, this study analyzes the effects of the Russian Chain in the abdominal musculature, using the Russian Chain as an isolated resource. The electric stimulation that the device promotes is capable to act in the white fibers, responsible for the speed, in the red fibers, responsible for the sustentation, and also in the mixed fibers. Two patients of the feminine sex, residents in the city of Tubarão-SC, composed the sample. The patients passed through an evaluation that consisted in the pathologys general data, in the abdominal measurement, in the touching of the abdominal muscular tonus and in the graduation of the muscular strength of the region in question. The treatment sessions were carried in the Unisul Clínica Escola de Fisioterapia - campus Tubarão-SC. Twenty sessions were carried through the period of April and May of 2004, five times per week, with the duration of 20 minutes. As results, there was an increase of the muscular force in the patient 1, which also presented an improvement in the muscular tonus. In the patient 2, the muscular force remained degree 4. The measurement remained the same in both of the patients and the weight only varied in patient 1. Facing this, it is necessary to search other forms of application of the electric stimulation, associated with the physical exercise, for example.

1

Acadêmica do curso de Fisioterapia da Unisul – SC

2

(2)

Key words: flaccidness, Russian Chain.

INTRODUÇÃO

A flacidez muscular é um problema comum encontrado em mulheres. Esta flacidez pode apresenta-se de duas formas distintas: a flacidez muscular e a de pele. É muito comum que os dois tipos de flacidez apareçam associados, dando um aspecto ainda pior às partes do corpo afetadas pelo problema. Os músculos ficam flácidos principalmente por causa da falta de exercícios físicos. Se eles não são solicitados, as fibras musculares ficam hipoatrofiadas e flácidas.

O termo flacidez refere-se à qualidade ou estado de flácido, ou seja: mole, frouxo, lânguido. Na estética o termo é utilizado com o mesmo significado, não definindo as estruturas que podem apresentar tal comportamento.

A flacidez muscular é uma patologia comumente encontrada em mulheres. Sendo que é considerada uma grande “inimiga” feminina, que compromete a beleza de pernas, braços, seios, e abdômen. Tratar a flacidez é possível, mas requer empenho, já que os tratamentos são lentos. No entanto, os resultados podem ser muito satisfatórios.

A flacidez muscular acontece quando os músculos estão pouco tonificados. A musculatura em geral precisa manter uma certa tensão o tempo inteiro, e é assim que nossas formas ficam mais definidas e o nosso corpo fica mais firme. A flacidez muscular é aquela que faz com que os músculos fiquem hipotônicos, menos firmes do que deveriam ser, e ataca mulheres jovens, mais velhas, magras e obesas. Quem está com a musculatura flácida também fica com a aparência comprometida – músculo balançando sob a pele não ajudam em nada a aparência.

A eletroestimulação russa é um recurso bastante utilizado no tratamento da estética corporal. Entre as patologias englobadas a esse meio estético, a flacidez muscular é uma que pode obter resultados proveitosos através do recurso anteriormente citado.

A corrente russa é uma corrente de média freqüência que está sendo muito utilizada na prevenção e no tratamento da flacidez. Esta consiste numa corrente de média freqüência homogeneamente alternada de 2.500Hz, aplicada como uma série de disparos separados, utilizada com o objetivo de produzir a potencialização muscular intensa reduzindo ao máximo a percepção sensitiva do paciente.

Sabendo-se a importância de um tratamento eficaz para melhora da estética corporal destas pacientes , associada ao desconhecimento de estudos relacionados a eletroestimulação russa no tratamento da flacidez, esta pesquisa serve como desafio para busca de novas informações e aperfeiçoamento de pesquisas já publicadas.

Desta forma, o objetivo geral deste trabalho visa avaliar a eficiência do recurso fisioterápico eletro terapêutico no tratamento da flacidez muscular. Para tal foram desenvolvidos objetivos específicos como: através do tônus muscular, verificar o nível de flacidez muscular encontrado nas pacientes avaliadas; verificar o grau de força muscular, e a perimetria da região abdominal antes e após o tratamento; identificar o grau de satisfação das pacientes com o tratamento utilizado.

Dessa forma, há uma necessidade constante da melhora do condicionamento muscular assim como do aspecto estético de toda região abdominal, tornando-se fundamental a implementação de novos protocolos para o tratamento da flacidez.

A metodologia empregada foi realizada com bases na pesquisa quase experimental. Os dados foram analisados quantitativa e qualitativamente, através de gráficos e tabelas.

MATERIAIS E MÉTODOS

A pesquisa teve como participantes pacientes do sexo feminino residentes da cidade de Tubarão – SC. E contemplou com uma amostra de duas voluntárias, moradoras da cidade de Tubarão-SC, na faixa etária entre 40 e 50 anos, no período da menacne que apresentaram flacidez muscular abdominal.

(3)

senoidal. Fita métrica da marca Corrente Ficha de avaliação adaptada para flacidez muscular elaborada pela pesquisadora e validada por sete fisioterapeutas.

As pacientes foram selecionadas de forma aleatória, onde assinaram um termo de consentimento, aceitando participar da pesquisa.

A avaliação e o tratamento das voluntárias foram realizados na Clínica Escola de Fisioterapia da Universidade do Sul de Santa Catarina – UNISUL/Tubarão, no período de abril e maio de 2004. As pacientes realizaram um total de 20 atendimentos com 20 minutos de duração 5 vezes por semana.

Para realização do tratamento as pacientes foram posicionadas em uma maca, em decúbito dorsal, onde foi realizada assepsia prévia da região do abdômen com álcool e algodão para fixação dos eletrodos. Estes foram fixados com gel ultrassônico e esparadrapo.

Foram utilizado dois canais, sendo um canal colocado na porção proximal das duas faixas musculares do reto-abdominal, outro canal na porção distal do mesmo músculo.

O protocolo de tratamento utilizado foi: Freqüência média. : 2500Hz/ Freqüência modulada 30Hz / ciclo 50% /Sustentação: 13´´ / Repouso: 13´´. Este protocolo foi de acordo com o artigo “Estudo comparativo do uso da eletroestimulação na mulher associada com atividade física visando à melhora da performance muscular e redução do perímetro abdominal” publicado na revista Fisioterapia Brasil no mês de Fevereiro/Março de 2003.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

As pessoas que apresentam uma flacidez muscular abdominal significativa, muitas vezes se enquadram no grupo de indivíduos sedentários, obtendo como qualidade de vida hábitos não sadios. Segundo AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE, (1994), “a atividade física pode ser um adjunto útil na eliminação ou controle de outros fatores de risco, tais como à obesidade, intolerância a glicose, insensibilidade à insulina e hipertensão leve, melhorando a qualidade de vida do indivíduo.”

Tratou-se nesta pesquisa dos efeitos que a corrente russa proporciona na flacidez muscular abdominal de maneira isolada, ou seja, sem a intervenção de quaisquer exercícios físicos, ou de outros métodos terapêuticos associados. De acordo com a literatura “a vantagem da eletroestimulação é que o paciente toma contato com a corrente de forma suave e, além disso, o músculo é gradativamente estimulado a produzir contração mais natural, com as fibras sendo cada vez mais recrutadas, conforme o aumento da amplitude do estímulo” (GUIRRO; GUIRRO, 2002).

Neste estudo foram tratadas duas voluntárias, que apresentavam flacidez muscular abdominal, com a idade variando de 40 a 48 anos. De acordo com a literatura “Após a terceira década, inicia-se uma progressiva e contínua perda de massa muscular esquelética, e a maior parte da perda é substituída por gordura” (GUIRRO; GUIRRO, 2002).

Este trabalho reveste-se da importância de se analisar o aspecto estético das voluntárias envolvidas na pesquisa, com o objetivo de implementar uma técnica de tratamento que possibilite a melhora estética do abdômen das participantes. De acordo com Guirro e Guirro (2002) “A utilização da eletroestimulação proporciona uma maior efetividade de contração com uma sensação mais agradável”.

A voluntária 1, sendo a de menor idade apresentava flacidez muscular abdominal significativa quando avaliada com a palpação do tônus local, associada a uma flacidez de pele na mesma região. Após as 20 sessões realizadas, a área estimulada, mostrou-se mais tonificada quando palpada, variando a força muscular de grau 4 para grau 5 (gráfico 1). A perimetria abdominal manteve-se inalterada (no dia da avaliação a paciente apresentava 60,5cm e na reavaliação permaneceu a mesma medida) (gráfico 2) . Com relação ao peso da paciente este sofreu pequena variação, pois a mesma no dia da avaliação apresentava 48,5kg, e na ultima sessão a paciente foi novamente pesada e houve a perda de 1,4kg, desta forma a mesma estava pesando 47,1kg. Na visualização do quesito estético houve pouca modificação, atribuída pela flacidez de pele que a voluntária apresentava Segundo Guirro e Guirro (2002), “... no caso de flacidez de pele somente a cirurgia plástica resolverá o problema”. A voluntária referiu sensação de desconforto quando a corrente ultrapassou os 70mA, ficando o tratamento limitado a está intensidade. (Tabela1)

Tabela 1: Avaliação/reavaliação paciente 1.

Intensidade Idade Estatura Peso Força

(4)

Antes: 40 mA Depois: 70 mA 40 anos 1,50 m Antes: 48,5 kg Depois: 47,1 kg Antes: 4 Depois: 5 Antes: 60,5 cm Depois: 60,5 cm Fonte: dados coletados pela autora, 2004.

A voluntária 2, a de maior idade, também apresentava flacidez muscular abdominal, porém não apresentava flacidez de pele associada. No término de 20 sessões a região estimulada mostrou alteração quando palpada. Segundo Derek e Field (2001) “A palpação é um exame minucioso com as mãos que permite que o palpador extraia informações sobre as estruturas abaixo da pele e da fáscia”. A região mostrou-se obtendo a mesma força muscular (grau 4) do dia em que foi realizada a avaliação (gráfico 1). A perimetria também manteve-se inalterada (no dia da avaliação a paciente apresentava 80 cm e na reavaliação permaneceu com a mesma medida) (gráfico 2). O peso da paciente permaneceu o mesmo, ou seja, 63,5kg No quesito estético também não houve modificação. A voluntária 2 referiu sensação de desconforto só após a corrente ultrapassar os 90mA, ficando o tratamento desta limitado a intensidade referida. (Tabela2).

Tabela 2: Avaliação/reavaliação paciente 2.

Intensidade Idade Estatura Peso Força

Muscular Perimetria Antes: 50 mA Depois: 90 mA 48 anos 1,55 m Antes: 63,5 kg Depois: 63,4 kg Antes: 4 Depois: 4 Antes: 80 cm Depois: 80 cm Fonte: dados coletados pela autora, 2004.

0 1 2 3 4 5 Paciente 1 Paciente 2 Antes (avaliação) Depois (reavaliação)

Gráfico 1: Força muscular.

Fonte: Dados coletados pela autora, 2004.

Gráfico 2: Perimetria. Fonte: dados coletados pela autora, 2004. De acordo com os resultados obtidos, a eletroestimulação corrente russa utilizada de maneira isolada, na região abdominal, mostrou-se eficaz no ganho de força em 50% da amostra, e no aumento do tônus muscular em 100% da amostra.

O motivo do resultado da pesquisa em questão não ter obtido ganhos tão eficazes pela conduta selecionada, ou seja, quando a corrente russa foi utilizada de maneira isolada, pode ser explicado pelo tratamento citado anteriormente não ter sido associado a outro recurso terapêutico, como por exemplo, a cinesioterapia. Segundo Guirro e Guirro (2002) “o exercício também é

(5)

indicado para melhorar a função física, desenvolvendo o aumento da força muscular e da resistência a fadiga.”

Outro motivo pelo qual o resultado não tenha sido tão eficaz pode ser correlacionado com o fato de as pacientes integrantes da amostra, estarem vivenciando sua quarta década de vida, fase está onde há maior perda de massa muscular comparando-se com indivíduos que apresentam idade até 30 anos. Segundo MCARDLE, KATCH e KATCH (1998) “Uma redução de 40% a 50% na massa muscular entre os 30 e os 80 anos de idade, devida à perda de unidades motoras e a atrofia das fibras musculares, constitui o fator primário responsável pela redução associada à idade na força contrátil do músculo até mesmo em homens e mulheres sadios e ativos”. Por essa razão, poderia haver mais eficácia se o protocolo utilizado fosse mantido por um período de tempo maior.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Este estudo obteve resultado satisfatório, em apenas 1 das pacientes no que se refere à força muscular. Já no aspecto da palpação do tônus muscular, ambas as pacientes mostraram melhora. A avaliação através da perimetria, não mostrou alterações. Diante disso é importante que a partir desta pesquisa, outras surjam, correlacionando o recurso utilizado com outros recursos, como por exemplo o exercício físico, ou ainda ampliando o número das sessões realizadas.

Com este trabalho, sugere-se então que outras pesquisas sejam realizadas, associando a aplicação da eletroestimulação com a cinesioterapia, para a obtenção de melhores resultados.

A estética feminina não pode ser considerada uma forma fútil de tratamento, pois é cuidando de sua forma física, que muitas vezes a mulher cuida de sua saúde corporal obtendo assim uma vida considerada mais saudável.

REFERÊNCIAS

AMERICANCOLLEGEOFSPORTSMEDICINE. Prova de esforço e prescrição de exercício. Tradução de Ricardo Munir Nahas. Rio de Janeiro: Revinter,1994.

AZULAY, D.R. AZULAY,R.D. Dermatologia. 2.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,1999. DEREK, FIELD. Anatomia palpatória. 2.ed. Tradução de Terezinha Oppido. São Paulo: Manole, 2001.

DOMINGUES, M. R; ARAÚJO, C. L. P; GIGANTE, D. P. Conhecimento da população sobre exercício físico. FMUFP, dez. 2002.

EVANGELISTA, A. R. et al. Estudo comparativo do uso da eletroestimulação na mulher associada com atividade física visando a melhora da performance muscular e redução do perímetro

abdominal. Revista Fisioterapia do Brasil. Rio de Janeiro: n. 1. Jan/Fev. 2003. p. 49-59. v. 4. GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 4. ed. São Paulo: Atlas, 1994.

GUIRRO, E. GUIRRO.R. Fisioterapia dermato-funcional: fundamentos, recursos, patologias. 3. ed. São Paulo: Manole, 2002.

KITCHEN, S. BAZIN. S. Eletroterapia de Clayton. Tradução de Dr. Fernando Gomes do Nascimento. 10. ed. São Paulo: Manole, 1998.

(6)

MCARDLE, W.D. KATCH, F.I., KATCH, V.L. Fisiologia do Exercício. Traduzido por Giuseppe Taranto. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1998.

RAUEN, F.J. Roteiros de investigação científica. Tubarão: Unisul, 2002.

RODRIGUES, E.M. GUIMARÃES, C.S. Manual de recursos fisioterapêuticos. Rio de janeiro: Revinter, 1998.

SANTOS, N. Como tratar da flacidez que atinge muitas mulheres. 2004. Disponível em: <http://www.br.inter.net/mixirica/exibe_noticia>. Acesso em: 25 mar 2004.

SANVITO,W.L. Propedêutica neurológica básica. São Paulo: Atheneu, 1998.

SEIXAS, L. Flacidez. 2003. Disponível em: <http://www.saudenarede.com.br>. Acesso em: 20 mar 2004.

STARKEY, C. Recursos terapêuticos em fisioterapia. Tradução de Cíntia Fragoso. São Paulo: Manole, 2001.

(7)

Imagem

Referências

temas relacionados :