FACULDADE DE HISTÓRIA PPG HISTÓRIA DISCIPLINA: HISTÓRIA, TEORIA E METODOLOGIAS DE PESQUISA EM HISTÓRIA DA

Texto

(1)

FACULDADE DE HISTÓRIA

PPG HISTÓRIA

DISCIPLINA:

HISTÓRIA, TEORIA E METODOLOGIAS DE PESQUISA EM HISTÓRIA DA

ARTE II: relações história da arte e psicanálise.

DOCENTE:

PROF. DR. MARCIO PIZARRO NORONHA.

EMENTA

Partindo das relações inauguradas por Freud e desdobradas no pensamento de Lacan (e

pós-Lacan em Deleuze e Guattari, Derrida etc.) a disciplina investiga as relações entre

o programa da psicanálise em suas relações com a arte - sua epistemologia, as inversões

das posições sujeito-objeto, a passagem da problemática do artista para o conceito de

arte, as relações história da arte, estética e filosofia da arte etc. - e observa seus efeitos

no campo da historiografia recente das artes, com ênfase para a abordagem de

historiadores da arte que produzem a revisão conceitual dos períodos estilísticos, como

é o caso de Georges Didi-Huberman (e Sarduy, Wollheim, etc.), e, para os historiadores

da arte que abordam esta relação do ponto de vista de uma inclusão das noções de corpo

e sexo no objeto artístico, tal como nos estudos da história do corpo, da história queer

da arte bem como das leituras da história feminista da arte (no cruzamento entre a

metapsicologia freudiana e lacaniana e os estudos visuais estudos culturais, cultura

audiovisual e televisual, estudos de cinema, gamestudies, embodiment theory etc.),

investigando as relações ético-estéticas do ponto de vista de uma abordagem

epistemológica corpórea (embodiment theory) e psicanalítica (corpo-subjetividade e

subjetivação, corpo obra de arte etc.).

SEM PRÉ-REQUISITOS.

QUARTAS-FEIRAS

14H-18H

OBJETIVOS

 Interrogar o campo da História da Arte a partir do viés filosófico e psicanalítico.

 Estudar, analisar, interpretar e compreender textos teóricos presentes na reflexão

e na formação do historiador da arte.

 Estudar, analisar, interpretar e compreender relações implicadas pelo saber

psicanalítico e o saber artístico em suas práticas no campo epistemológico e no

pensamento e produção historiográfica.

 Desenvolver textos críticos que situem o historiador como pesquisador e

receptor-fruidor de arte.

(2)

JUSTIFICATIVA

Fornecer instrumental teórico-metodológico para a pesquisa em História da Arte como

sendo transdisciplinar, interartístico e transmidial.

Pensar o papel do historiador enquanto crítico e receptor-fruidor de arte.

Pensar as relações entre ética e estética, ética do desejo e estética do desejo.

AVALIAÇÃO

SEMINÁRIOS, PRODUÇÃO TEXTUAL, TEXTO ENSAÍSTICO OU ARTIGO

FINAL.

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS:

1. INTRODUÇÃO.

2. JACQUES LACAN. OS TEXTOS CANÔNICOS.

3. DESDOBRAMENTOS. Roland Barthes, Severo Sarduy.

4. CONTRAPONTOS E NOVAS VIAS FREUDIANAS. Sarah Kofman,

Jean-François Lyotard, Jacques Derrida.

5. LACAN PENSADO COM GEORGES DIDI-HUBERMAN.

6. TENSÕES. GILLES DELEUZE E FÉLIX GUATTARI.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS (BÁSICAS):

AGAMBEN, G. Image et mémoire – écrits sur l’image, la danse et Le cinéma. Paris: Desclée de Brouwer, 2004.

ARAUJO, H. R. DE (ORG.) Tecnociência e cultura: ensaios sobre o tempo presente. São Paulo: Estação Liberdad, 1998.

ARNHEIM, R. Art and visual perception. California: The Regents of the University of California, 1954. BARTHES, R. Como viver junto. São Paulo: Martins Fontes. 2004.

BENJAMIN, W. Obras escolhidas I: Magia e técnica, arte e política. Trad. S. P. Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1985.

BESANÇON, Alain. L’histoire psychanalytique. Paris: Mouton, 1974.

BOURGEOIS, L. Destruição do pai/reconstrução do pai: escritos e entrevistas. 1923-1997. São Paulo: Cosac & Naif. 2000.

BRUNETTE, P.; WILLS, D.. Desconstruction and the visual-arts art media, architecture. Cambridge: Cambridge University Press, (1994).

CERTEAU, Michel de. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense, 2000.

COHEN, Renato. Work in progress na cena contemporânea. São Paulo Perspectiva, 2004. COURTINE, Jean-François. A tragédia e o tempo da história. São Paulo: Ed. 34, 2006. DELEUZE, Gilles. Lógica do sentido. São Paulo: Perspectiva, 1974.

_____________. Francis Bacon: logique de la sensation. Paris: Différence, 1981. _____________. Conversações. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992.

DERRIDA, Jacques. Gramatologia. São Paulo: Perspectiva, 1973.

_______________. A escritura e a diferença. São Paulo: Perspectiva, 1971.

(3)

______ O que vemos, o que nos olha. Campinas: Editora 34, 1998. ______ Devant le Temps, Paris: Minuit, 2000. (Critique)

DIDI-HUBERMAN, Georges. A imagem sobrevivente: história da arte e tempo dos fantasmas segundo Aby Warburg. Rio de Janeiro: Contraponto, 2013.

DOSSE, François. A História em migalhas. São Paulo: EDUSC, 2003. DOSSE, François. História e ciências sociais. Bauru, SP: EDUSC, 2004.

FÉDIDA, Pierre. Nome, figura, memória: a linguagem na situação psicanalítica. São Paulo: Escuta, 1991. FOSTER, H. The return of the real. The avant-garde at the end of the century. London/ Cambridge: MIT

Press, 1996.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

FRANÇA, Maria Inês. Psicanálise, estética e ética do desejo. São Paulo: Perspectiva, 1997.

FRANÇA NETO, O. Freud e a sublimação: arte, ciência, amor e política. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2007.

FRAYZE-PEREIRA, J. A. Arte, dor: inquietudes entre estética e psicanálise. São Paulo: Ateliê, 2006. FREUD, S. Obras completas, vol. XXI. Rio de Janeiro: Imago, 1974.

GOMBRICH, E. Meditações sobre um cavalinho de pau e outros ensaios sobre a teoria da arte. São Paulo: EDUSP, 1999.

GOMBRICH, E.H. A Psicanálise e a História da arte. In: Meditações sobre um cavalinho de pau e outros ensaios sobre a teoria da arte. São Paulo: Edusp, 1999

GREEN, André. Le temps éclaté. Paris:Minuit, 2000.

GREEN, André. La diachronie en psychanalyse. Paris: Minuit, 2000. ____________. Revelações do inacabado. Rio de Janeiro: Imago, 1994.

GUATTARI, F; ROLNIK, R. Micropolítica. Cartografias do desejo. 5a. ed. Petrópolis, Vozes, 1999. KIRCHOF, Edgar Roberto (org.) Novos horizontes para a teoria da literatura e das mídias: concretismo, ciberliteratura e intermidialidade. Canoas: EdULBRA, 2012.

KOFMAN, S. A infância da arte. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1995. KRACAUER, Siegfried. O ornamento da massa. São Paulo: Cosac Naify, 2009. KRIS, E. Psicanálise da arte. São Paulo: Brasiliense, 1968.

KRIS, E. e FURZ O. Lenda, mito e magia na imagem do artista. Lisboa, Presença, 1988.

LACAN, Jacques. O seminário, livro 7: a ética da psicanálise (1959-1960). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1991. 2a. edição.

LACAN, Jacques. O seminário, livro 11: os quatro conceitos fundamentais da psicanálise (1964). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

LARA, Larissa Michelle (org.) Dança: dilemas e desafios na contemporaneidade. Maringá: EdUEM, 2013.

MEDEIROS, M. B. Aisthesis: Estética, educação e comunidade. Chapecó: Argos, 2005. MEZAN, R. Interfaces da psicanálise. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

NORONHA, Marcio Pizarro in: http://www.festivaldearte.fafcs.ufu.br/2006/palestra-marciopizarro.htm

NORONHA, Marcio Pizarro. Teoria Interartes: “Scinestesia”, Embodied Experience [Performance? Body Art?, Paradigma Audio Visual e a arte no tempo recente. sn. 2008.

________________________. Interartes e Dança: uma pequena história entre o háptico e a scinestesia. In: ENGRUPE – DANÇA – Encontro de grupos de Pesquisa em Dança. São Paulo: UNESP, 2007a.

_________________________. Performance e audiovisual: conceito e experimento interartístico-

intercultural para o estudo da história dos objetos artísticos na contemporaneidade. In: XXVI Colóquio do CBHA. São Paulo: FAAP, 2007b.

NORONHA, Marcio Pizarro. Ensaio em torno de uma audição comentada: o que ainda se pode escrever sobre a experiência da escuta? O caso do disco Tropicália ou panis et circensis. in: KIRCHOF, Edgar Roberto (org.) Novos horizontes para a teoria da literatura e das mídias: concretismo, ciberliteratura e intermidialidade. Canoas: EdULBRA, 2012.

NORONHA, Marcio Pizarro. Reflexões em estudos de teoria da arte e dança cênica. in: LARA, Larissa Michelle (org.) Dança: dilemas e desafios na contemporaneidade. Maringá: EdUEM, 2013.

PAREYSON, L. Os problemas da estética. São Paulo: Martins Fontes, 1997. RANCIÉRE, J.. Políticas da escrita. São Paulo: Editora 34, 1995.

RANCIÉRE, J. A partilha do sensível. São Paulo: Editora 34, 2005.

RICOEUR, P. Da interpretação. Um ensaio sobre Freud. Rio de Janeiro: Imago, 1977. RICOEUR, Paul. Tempo e Narrativa (tomo I). Campinas, São Paulo: Papirus, 1994.

SELIGMANN-SILVA, M. O local da diferença – ensaios sobre memória, arte, literatura e tradução. São Paulo: Editora 34, 2005

(4)

________________. A pintura como arte. São Paulo: Cosac & Naify, 2002. CALENDÁRIO AGOSTO 28 SEMINÁRIOS LACAN. SETEMBRO 04 SEMINÁRIO LACAN. 11 SEMINÁRIO LACAN. 18 ATIVIDADE EXTRA-CLASSE. BANCA

CONCURSO DOCENTE HIST ARTE UFRGS.

25 SEMINÁRIOS

LACAN-BARTHES. OUTUBRO

02 ATIVIDADE

EXTRA-CLASSE. ENGRUPE UFPE. LEITURAS EXTRA-CLASSE: LACAN E AS TEORIAS FEMINISTAS DA ARTE.

09 ATIVIDADE

EXTRA-CLASSE. COLOQ BRASIL-FRANÇA UFBA.

LEITURA EXTRA-CLASSE: LACAN E A TEORIA QUEER.

16 ATIVIDADE EXTRA-CLASSE. SB GAMES SP. LEITURA EXTRA-CLASSE: LACAN E A EMBODIMENT THEORY. 23 SEMINÁRIOS LACAN-SARDUY. 30 ATIVIDADE INTEGRADA

NO V COLOQ INTERN HIST UFG.

TRABALHO EM GRUPOS. LEITURA EXTRA-CLASSE:

AS NOVAS VIAS

FREUDIANAS.

SARAH KOFMAN, JEAN-FRANÇOIS LYOTARD E JACQUES DERRIDA.

NOVEMBRO

06 SEMINÁRIO AS NOVAS

VIAS FREUDIANAS.

13 SEMINÁRIO GEORGES

DIDI-HUBERMAN.

20 SEMINÁRIO GEORGES

DIDI-HUBERMAN.

27 SEMINÁRIO GEORGES

(5)

Imagem

Referências

temas relacionados :