NDITE PROPRIEDADE DA COMPANHIA JORNALÍSTICA CASTELAR

Texto

(1)

«¦**"-< i* if**twimv&miwrm w»ww»*mi9mfyms,l » - »^^»1^^l•»-'r^l••, *»»*

Flamengo Tirou o Vasco do Rio-São Paulo: 3 x 1

ANO Llt — RIO DE JANEIRO, 6.° FEIRA, 22 DE FEVEREIRO DE

rWtWSTP*?. '

'H» *\fl ¦

NDITE

PROPRIEDADE DA COMPANHIA JORNALÍSTICA CASTELAR

Carnaval Até Debaixo D'água A

VERÔNICA EM BUSCA DO IRONO

-,•' '.^ ¦¦r^r-Jr-.-rí':":

( ¦• ¦-:.:.x:,.:.\:;:-yv..|- :v,: ;...?;;. «;...., i-^0

^^^M^i^^^^t^-' ¦- ¦'¦';%'

f PREÇO ^^

fiyWÊÊÊ*

•• *..' ''•""-*

-^^^^9^m^^^mÊSM^Ê^^smk^mÊ^^Ê

¦ *• «BS» c^-r » v.. •¦' wBJmSBaíí^M^t-maaeiatMihlMIMBMBSX ' *^^R^^*r^M^^*^ ^^MW^^^^^SS^ÇiTfSMSjsxSBsK ^^ fa^'*i-^y5

im^pJlilháHr;!' B^^^ ? ;: * :-U <:¦ > ..' * * * W V-'

, JfefáÊÊMMMwm < "SWhW ;# vfllinffer

¦»^^^^?W^^WfeP#lits ¦'*' ^iHHÍaiMriá^^i^^Pl^W^í^iâ^fsMgfvm

wShHK': ** r í ^v1 * v **»* ' !

«f ¦:' ¦ xí.Vv.-, ggai^f*' . 4MliiÉltliiMiBBiii^'«â^r^-^-.-ai..¦..¦¦¦ ?...,** 1T^**>w"***BK?',~~i»-/iagB

¦M ^'»K}aülI!USaWaKulS . *" ic-V vtSHHHHHflflBBBSfiaEi-&,aa&l^^

Esse era o ctspetfo'djj onlem, na Praça Marechal Floriano, durante o tempo-»

ral que desabou sobre a cidadle'que recebia suas últimas roupagens para o CarncT- vai de 63, que está prometendo marcar época na cronologia da Guanabara.

Verônica Olsen, artista do teatro rebolado e. da televisão, pretende ganhar .o titulo e o trono rie Rainha das Vedetas.

Aflo lhe faltam qualidades para lauto, como podemos apre- ciar-pelo «babg-dolh (foto) quc está usando c pela sua hc-

terra morena. (P, 4).

I ÂS GREVES CONTINUAM...

CHEGAM OS TURISTAS

. SALVADOR, 21 {Asapress)

— Cvrca de 1.500 turistas estrangeiros e. nacionais esta- rão participando dos festejos , carnavalescos nesta Capital.

Em alguns hotéis já está ha- vendo dificuldades- para con- seguir um apartameiüo, en- quanto a maioria destes, não mais são encontrados, navios estão sendo aguardados nestes dois dias. procedente ão * Rio de Janeiro, chegará o pa- -k quète "Princesa Isabel", com X 550 turistas, -mali ainda o pa- X quête sueco "Glipshólm". Há hipótese dc què o carnaval disto ano, seja o mais vwvi-

mentado dos últimos tempos. ^+*wx+w*+***w*****W*****+*+****>f.*-i*>f+*.-t ¦'

i' V.-V»VV»^^.V-.V%-»«VVn"*VV».V.%»»A"A%-.V»W-^

Vários v*****************-***************

Polícia Não Permitirá Excesso de Lotação no Copa e no pa.

(Página 2)

POVO INGLÊS RECUSA A INGLATERRA NO MCE

Brasil conquistou vários títulóg inte rnaci.nais.

Vm dêlos, o mai..; pupu- lar, ê o de bicampeão mun- wal de futebol. Agora, nosso Pús está buscando uma láu- rea a mais — a de supar- 'wnipeão

das greves, a pro- pósito de tudo, como pode- üioi ver pelo noticiário abai- .rico:

TELEFONES Os telefones da Guanaba- ta. do Grupo Light, perdi;- tam com ameaça do greve, tontando, inclusive, com um memorial assinado por 1-283

asaociados, no qual foi sòll»

citada a convocação de as- sembléia geral, com a 1'inall- dade especifica de deflagra- ç5o da greve.

GAKÇÕES

Os garções estão com tudo pronto para deflagrar greve geral. Logo mais. às 16h. à cídsse dos cozinheiros e gar- ções de hotéis estará reuni- da na sede do Sindicato do3 Empregados no Comércio Hoteleiro, a fim de deliberai-, de forma docisiva, a defla- gração geral do movimento grevista, a partir de ama- nha.

,' A maioria do povo inglês c contrária ao -ingresso 'j do País no Mercado Comum ir" Europeu — declarou, ontem,

\ ao retornar de uma Confe- Ji rência de Solidariedade aos

? Povos Afro-Asiáticos, realiza- ij da em Tanganika, o Sr. Va.

"i lerio Konder, que represen- J" tou a Secção brasileira do

¦' Conselho Mundial da Paz Ji naquele certame. Afirmou o Sr Konder, que se demorou duas semanas em Londres, f. cm seu regresso, que a poli J fica inaugurada por Dc Gaul-

?

:

le na aproximação quc fez com Adenaucr, representa para o povo inglês «uma sé- ria ameaça aos brios de in- dependência dos britânicos, quc não se dispõem a tolerar uma liderança politica em que a Commomvealth seja caudatáría, ao invés de co.

mandar como de tradição.

ANO DA 1NDEPEN- DÊNCIA

Informou o Sr. Valcrlo Konder que na Conferência

•J".~JVJ»^J^JVJ, b-.'

dc Tanganika foram forinu- J»

ladas importantes recomen- ¦' dações, com a declaração «J dc quc o uno dc 1963, seja \ o Ano da Independência dos J"

Povos da Ásia, África c da r America Latina, conclamai!- '!

do os povos daquelas conti. J»

nentes à luta incessante pela f consecussão daquele objetivo. ¦[

O QUE A EXPERIÊNCIA >,"

MOSTRA J.

Finalizando, declarou o rc- ,'¦

presentante brasileiro quc, ,' como ponto pacífico, apro «, vou a reunião de Tanganika Ji as soluções até então conse- / guidan pelas jovens nações i*

africanas em obter sua in- », dependência econômica sem J>

luta armada. «'

iVV^iWWVyVA%WAWrtíWVVVW,VA» %

PLANO DECENAL NA BOLÍVIA PREVÊ

' 600 ESCOLAS

jjJIA um "deficit" de 600 «co- las em meu pais, quo deve- rà desaparecer dentro de dez anos, com a execução do Plano Deçenál dc Governo, utilixan- do recursos a serem fornecidos pela Aliama para o Progresso

— declarou, ontem, ao chegar co Galeão o Ministro da Edu- cação da Bolívia, Sr Mário Gucman Gularsa. para uma breve, estada rio Rio, em trân- sito para Buenos Aires.

Acrescentou o Ministro que va zona rural, leva a efeito o Governo intensa campanha dc álfabetieáção, recebendo das Forças Armadas substancial ajuda com a construção de et- colas modestas e formação dn professorado técnico.

Para receber o Min\stro Gal- larga estive no Galeão o Em- baixador da Bolívia, Sr. Renan Castrillo.

ATMOSFERA política brasileira, vivendo num ambiente de permanente confusão, tem apre- sentado fenômenos os mais paradoxais. Nem a Igreja tem tido condição para se manter afãs- tada das polêmicas. E a verdade é que entre numerosos eclesiásticos que defendem a doutrina de Cristo procurando cumprir sua determinação de ajudar a todos os necessitados a encontrar os caminhos certos, vez por outra somos surpreendi- dos com atitudes que contrariam fundamenta!- mente as idéias do cristianismo partindo exata- mente de onde só deveriam partir as atitudes no- bres. «A NOITE» recebeu de um aluno da Pon- tifícia Universidade Católica um artigo que, pela sua leitura, contém graves acusações a um revê- rendo daquela Universidade que, entre outras coisas não coerentes com a doutrina cristã, de- fende a legalidade do Partido Comunista — o que é altamente estranhável. Sem tomar partido, tão semente damos publicidade ao que foi es- crito. O julgamento será do-leitor e dos inferes- sados. (Pág. 5)., .... rA,'-Í_,l

TRAJES DEÂDÃi

Samuel Levi, com seus companheiros de aventura, não foi felis ao pretender atingir a .Üuécia em um pequeno barco. Em com- pensação, conseguiu esca.

par do naufrágio cm que se viu envolvido, regres- sàndo ao fírasil com outros projetos. (Leia na P, 3).

ASSALTANTES AR- MADOS DE METRA- LHADORAS BOTA- RAM RIO BONITO EM. PÂNICO: QUA-

TRO MORTOS (P. 5 ] í1 ! ^ * li

^3 fiffy ^"ra ' F

o "Ano

da Educação 99 ii

IS&&. 'milm-dm

Aquático na Maraeunu.

E^ üllül «Mp»»'*»» "<*-v>mmm

Jogando debaixo dc chuva intermitente o Flamengo der- ratou na noite de ontem, no Maracanã, por 3x1 o Vasco da Gama. em partida vali- da pelo Rio-São Paulo. Air- ton c Gérson marcaram pa- ra o Flamengo, enquanto Sa- bará consignava o gol do Vasco. A arbitragem dc Ar- mand» Marques não compro- meteu e a renda atingiu a casa dos Cr-Ü 6.130.398,00. — (ilíaiorrs detalhes na página

esportiva).

ftülitares e Funcionários,

as Vítimas

(Artigo de Vieira de Melo, à Página Dois)

O titular da Educação, Sr. Monteiro dc Bar ros, em sua. primeira entrevista coletiva à in.

prensa, concedida ontem, (foto), declarou que o MEC, convocará Secretários de Educação para fazer rio ano corrente algo excepcional, bolsas de estudos, ampliação da faixa de as- sistência cor estudantes pobres, desburocrati zação do Ministério e muitas outras medidas

rie grande interesse para o ensino no P aJs, tornando 1963 o Ano da Educação.

Lacerda Toma Providências Efetivas Para Colocar Telefones na Guanabara (P- 2)

(2)

Página 2

A NOITE 22/2/1963

MILITARES E FUNCIONÁRIOS, AS VÍTIMAS | IMPOSTO SOBRE A FORTUNA

NÃO É UMA TESE COMUNISTA

0 Governo ando alarmado • duro com os militares e os funcionários por causa dos pedidos de aumento. Eles 6 que são responsabilizados pela Infla- ção a ser combatida pelos Drs. Jango, San Tiago, Bclblno e os outros donos da enchente

£' o caso de perguntar a esses pre- claros estadistas se os servidores da burocracia o das Forças Armadas tôm ai- guina culpa dos erros administrativos e de política econômica que transforma, ram seus salários e saldos em remunera- ção de fome.

A política econômica da Nação é da responsabilidade do pessoal dirigente, ou seja, do Governo, do Congresso, e tam- bém da indústria, do comércio e da la- voura que influenciam nos bastidores a confecção das leis. dos tratados interna- cionais, dos financiamentos, dos acôr dos comerciais. Os servidores públicos « as Forças Armadas vivem de vencimen- tos fixos para pagar contas mutáveis, que crescem todas as semanas nos ar- mazéns, nos colégios, nas lojas, nos trans- porte-.

Não são ouvidos nem cheirados sõ- bre os rumos da politica financeira. For- qu© iriam arear com os ônus da desva- lorização da moeda, sacrificando «ua família e sua própria saúde?

O pior é que eles, como em geral, a pequena classe média, são obrigados a uma aparência de roupa e de ambiente muito mais despendiosp que o opera-

riado. E o operariado ganha mais.

Por outro lado, vemos a ostentação acintosa da minoria, cujas esposas com-

pram vestidos na Ccnadâ, dão circula- das todos os anos pelo, mundo com dó*

lar de õitocentos cruzeiros è refulgem de jóias nas paradas da moda.

O casamento da f'.lha de um desses marajás do regime provocou umo feste de mais de cinqüenta milhões de ga»

tos. Os cavalos de corrida de outro con- somem mais cruzeiros que uma centena de lares de trabalhadores. As gorjetas que as damas do «society» largam paro as manicures e os cabeleireiros r-iimn dois ou trôs ordenados do um c" » e-de- seção ou de um major do Exército, Tudo Isso está cavando um ressentimento Çte- nerallzado e. em muitos casos, revolto e desespero nas classes que são a es- trutura mesma do Estado. Os recursos paraaçudir às necessidades destas cias- ses devem sair do pessoal do dinheiro, da gente rica, que tem duas contabllida- des, uma para os lucros extraordinários e clandestinos e outra para fraudar o imposto de renda. Há gente que contrata especialistas para furtar 0 fisco e subor- nar a fiscalização para roubar impune- mente o povo.

Condenar o serviço público à penU- ria não é nem nunca foi meio de salvar a ordem pública.

E não há caminho mais certo e mais rápido de anarquizar um país — mais que a própria inflação — do que dar às classes armadas a sensação de que es- tão injustiçadas e não passam de Ja- . nlzaros ou. pretorianos '

incumbidos de assegurar a tranqüilidade dos festins de Baltazar.

Nessa hora, aparecem na parede as trêg letras da maldição bíblica: pesei, medi, contri.

ANTÔNIO VIEIRA DE MELO

!»?"*«

O Sr. Eugênio Doln Viei.

yn, Secretário da Fazenda do Estado dc Santa Catarina, disse, quo dentro de 60 dias, técnicos do Ministério da Fazenda estarão estudando a tese apresentada por seu Es.

tado e que, na ocasiáo, tóc nicos catarinenses acompa.

nhnrão os trabalhos.

Após a tose catarinense ter criado um «suspenso- pela sua originalidade, — imposto súbre a fortuna — foram prestados à imprensa maiores esclarecimentos pe.

Io Secretário da Fazenda da- quelc Estado da União que disse:

O imposto sóbre a Fortuna

«poderá proporeloiar uma receita anual do Cr§ 200 bl.

ihões aos cofres públicos», e, esclarecendo, que a taxa «náo

Incidirá na elovaçáo do custo de vida, em conscqUên- cia da transferência dos ca.

pitais para os setores de produção, que será determl.

nada pelo Imposto».

Féz- questão dc frisar o Sr. Eugênio Doln Vieira, quc o Imposto sôbrc a fortuna está em fase inicial, sendo necessário um processo de preparação técnica e psicu.

lógica, devendo o povo ser bem esclarecido a respeito, para que não haja o menor mal entendido entre uma medida puramente social^

com uma medida esquerdt- zante. Esclareceu mais ain- da, quc alguns Secretários dc inicio apresentaram res.

trlções às sugestões catarl.

nenses, afirmando porém, que após os esclarecimentos

TRABALHO

CONSOLIDAÇÃO EM BRASÍLIA

O Plenário da Confurên- cia de Secretários da Fazen.

da aprovou hoje, por unanL midade, proposição do Depu- \ tado José Monteiro de Cas- tro, Secretário de Finanças elo Estado de Minas Gerais, preconizando uma série de providências visando ã con-

«olldação de Brasília.

O documento firmado pe- lo representante de Minas Gerais, após fundamentar a jmatéria através de oito con- Oiderandos, concluiu reco- mondando se oficiasse, aos Ministros da Fazenda e do Planejamento, fazendo.se-lhes veemente apelo no sentido (ua imeditita adoção das se.

guintes'medidas:

a) — inclusão do proble- ma da conclusão de Brasília no Plano Trlenal e na pio.

gramação global financeira, ora cm elaboração, em têr.

mos objetivos; b) liberação dos recursos financeiros;

destinados à Nova Capital cm parcelas mensais, paga- veis. em dias predetermina, dos, a íim de evitar solução de continuidade nas oüras em andamento e naquelas, .já programadas; c) concos.

eão no programa geral de mudança de repartições pa- .ra Brasília, de propriedade, absoluta aos Ministérios do Exterior e da Fazenda c ao Banco do Brasil.

0 LÓIDE E PORTUGAL

Entre as declarações re- cen temente feitas sóbre o aperfeiçoamento dos servi- ços .do Lóide Brasileiro, des- tat-sm-se, no que interessa ao Intercâmbio comercial luso- brasileiro, as que expressou o Sr. Alves Pinheiro, agente daquela'Companhia em Lis- Roferiu-se à crescente. - .re- gularidade co/n que òs navios do Eólde passam pelos portos portugueses 'e

aos esforços que-continuam ascr empre- gados no senüdo cio ser dada Ir teira satisfação às conve-*

nlênclas do comércio.

a£ certo que nos últimos meses êsse serviço melhorou, mas perduram algumas dlfi- leuldades que conviria elimi- 'nar.

Diz o ácôrdo comercial en- tre Portugal e o Brasil:

«As mercadorias compre- endldas no presente Acordo dtverüo «er transportadas preferentemente em embar- cnçjes de bandeira brasilei- ra e portuguesa, em partes iguais.

o) Na impossibilidade de ter efetuado pelas embarca-

$8es de um dos dois países o transporte de parte da carga que lhe couber, poderá o mesmo ser efetuado pelas embarcações do outro pais, ou, na falta destas, por em- Marcações de outras bandei- Tfcs.

b) A presente disposição nfto deverá redundar em en- eareelmento do frete, nem re' tardar o transporte dns mor-

«idorias de modo a prejudl- tter o. interesse de qualquer dos dois países»,

!Ê exatamente no transpor-

te das mercadorias estacio- nais, como sejain os artigos tíP Natal que tradicionalmen- to Portugal exporta, para o Brasil, que o retardamento d0 transporte tem por yêzes causado os maiores prejül- eos. Os Consulados do Brasil em Portugal, não eoneordan-

tio com o embarque daquela mercadoria em navios dc ter- Céira bandeira. >para isso sc recusando a visar os reçpec- tivos documentos, deixam in- teiramente sujeltM às eon- tlngências do Lóide Brasilei- ro mercadorias quo necessà- rlamente têm de chegar ao Brasil a tempo de serem vendidas.

Essas contingências não dependem apenas da instabi- . lidade das datas . da passa- gem dos barcos pelos portos portugueses. Especialmente ee verificam, à chegada dos navios ao primeiro porto brasileiro, onde a viagem, to- mando o aspecto de cabota- gem passa a ser feita sem s anterior. rapidez, em altera- ções de roteiro, demorando na costa do Brasil multo mais tempo do que o levado no percurso \dcsde Lisboa.

- As mercadorias deátinadás aos portos de Santos e Rio de Janeiro sofram assim consideráveis atrasos.

Há portanto que encarar esto problema com objètiv-- dade e reconhecer-se quc oi intrèsses do comérc;n '' esi-•

gem uma mais culditdo»a- aplicação das disposições do acordo comercial no aue sc refere a0 retardamento das datas da chegada das merca- dorias aos dois portos acima citados.

NOVOS CRITÉRIOS PARA DISTRIBUIÇÃO

DA RENDA , A reunião do.s Secreta-

- rios dc Finanças de todos os Estados, que se reali--' zou nesta cidade, entre 18 e 20 últimos, modificou substancialmente os crité- rios d0 distribuição, aos Estados, das parcelas que lhes cabe, dos impostos de renda e consumo, arre- cadados pela União. A modificação a p r o v ada, que vem reparar as lnjus- tiças cometidas pelos cri- térios anteriores, foi con- seguida com a proposição do Secretário de Finanças do Rio Grande do Norte, sr. Ângelo Varela, e que recebeu apoio dos delega- dos dé Pernambuco, Minas e Paraná. A proposição aprovada determina que trinta por cento dessas pai-celas será distribuída inversamente p r oporcio- nal â renda interna de ca- da Estado. Outra parcela de trinta por cento obedo- cera ao critério da pro- porcionalidade, da popula- ção de cada unidade da Federação, enquanto qua- renta por cento será dis- tribu Ido em quantias iguais, a todos os Estados.

O Critério aprovado já ha- via sido aprovado na reu- riião dos go\ernadores de ArãSsa p em outra reunião nue se relizou em Brasi- Ua.

MOINHO FAZ PRESSÃO CONTRA

COAP

SALVADOR, 21 (Asapreas>

— Em declarações prestadas à reportagem, o Sr. Otávio Ca- tarino, funcionário responsa- vel pelo expediente da COAP, afimitiu que o Moinho da Bahia, o único estabelecimen- to què ainda dispõe de trigo

•jin Salvador, está fazendo pressão conta a determinação da COAP, no sentido de só fornecer o produto aos pani- ficadores indicados pelo órgão costrolador ds preços.

Ministro AA Soprou o Apito

O Ministro do Trabalho e Previdência Social, Deputado A1-:

mino Afonso, determinou ao DNPS que «dote providencias no sentido de que o IAPFESP rescinda, de imediato, todos osy»n- tratos de construção em Brasília, com as f Jrmas Ima*o, Industria Material e Construção S/A, Anahanguera S/A, Engenharia e Comércio, Imobiliária, Construtora Cnrvas S/A, Sociedade de Estudos e Planejamentos.

Invocando atribuições que lhe são conferidas, na. qualidade de titular do MTPS, de orientar c fiscalizar os órgãos da Pre- videncia Social, acrescenta, o; Ministro Almino Afonso que, dado o interesse do Presidente da República, ouvidos os órgãos com- petentes de prosseguir as obras, que o IAPFESP abra concor- rencia pública entre as firmas idôneas registradas no Instituto, para execução da estrutura de concreto das obras de Brasília.

Especifica dispositivos que deverão ser observados na empreita- da dc tais obras, como, sindicância sobre idoneidade das fir- mas, preços unitários para os diversos serviços, critério para

reajustamento dc preços, pagamentos de serviços ja executados etc.

Em suas instruções diz o Ministro Almino Afonso que as empresas administradoras — Severo e Vilares, do Rio de Janel- ro, c Ecisa, Engenharia Comércio e Indústria S.A., além de há- verem cometido graves Irregularidades na conclusão de suas ta- refas especificas de administradores, ainda não souberam, na exercício da confiança quc lhes foi delegada, zelar pelos legíti- mos interesses do Instituto, impedindo que se concretizassem gravames irreparáveis acorrentes dos contratos referidos.

Finalmente determina o Ministro do Trabalho ao DNPS quo no prazo de 15 dias conclua os trabalhos da Comissão de Sindicância, que apura as irregularidades dos referidos contra- tos, a fim de que se promova a reposição dos dlnheiros publl- cos que tenham sido recebidos, indevidamente, pelas referidas firmas, bem como seja o Instituto indenizado pelos eventuais prejuízos decorrentes da desídla com quo se houveram, na exe- cução das tarefas contratadas, sem esquecer a ação penal ca- bivel em cada caso. O DNPS, em 24 h, deverá informar-se da situação dos inquéritos já instaurados, como decorrência: das conclusões da Comissão de Sindicância. .

Vender ou Alugar Residências dos IAPs

Eni conseqüência do telegrama recebido oo Comandante do 1" Exército, General Osvino Alves, o Ministro do Trabalho, deu entem instruções aos IAPs para que tomem providências neces- siu-ias ã venda ou locação dos conjuntos residenciais, imediata- mente, se acabados e logo que possível, sa porliçicaba-. Solicita, ainda, o titulai- do MTPS, que lhe sejam dadas prontas infor- mações sóbre as providências adotadas para o cumprimento de suas determinações.

Diretor do SIP

Ainda não foi marcada a posse do novo diretor d» Serviço de Identificação Profissional, Sr. Artur Seixas dos Anjos, no- meado em substituição ao Sr. Estácio Coimbra Neto. O novo diretor do SIP, c funcionário do Ministério da Saúde e antigo jornalista.

Ministro do Trabalho

O Ministro do Trabalho, Deputado Almino Afonso, que' se encontra há dias em Brasília, somente hoje ou amanhã, estará

no Rio dc Janeiro.

Cessou Greve em Paulista

O diretor-geral do DNT, Sr. Lúcio Gusmão Lobo, recebeu mensagens telegráficas do Recife, comunicando ter cessado a greve das trabalhadores na indústria de fiação e teleeelagem da cidade de Paulista, com o atendimento de suas reivindicações e assinatura do respectivo acordo.

CARIOCA REPÓRTER

TEL: 31-2185

SÍNTESE DO PLANO QÜINQÜENAL DE DESENVOLVIMENTO DA SUDENE

I

RECIFE, 21 (Agência Nacional) —'A SUDENE forneceu a Agência Nacional a síntese de seu Plano Qülqüenal, que já está sendo posto em execução.

O conjunto de programas estruturados pela autarquia está assim consubstanciado:

a) criação de uma infraestrutura eco- nõmica como pré-requesito para o desen- volvlmento;

b) transformação da estrutura agra- ria tle forma a abrir novos horizontes pn- ra a Imensa maioria da população que vive nos campos;

c) execução simultânea de um con- junto de projetos do tipo social, visr.ndo n possibilitar uma mudança sensível nas con- dlções de vida das populações urbanas, a prazo relativamente curto e condicionur umr. rápida modificação nas expectativas da população com respeito à ação do Go- vêmo;

d) aumento da melhoria da qualidade do pessoal técnico para condução do pro- cesso de desenvolvimento econômico;

e) intensificação dos investimentos in- dustriais, com vistas a transformar per- manentemente a estrutura de emprego com

elevação geral da produtividade.

OUTROS PLANOS

A quase totalidade desses programas M eoncebida para execução num periodo

de cinco anos. Em casos especiais, entre- tanto, a execução deverá estar concluída em dois ou três anos. E' o caso de estudos integrados de vales e reeq.ulpamontos da indústria .têxtil. Contudo, a conclusão dês- sos estudos significará apenas o início da realização das obras definitivas ligadas ao desenvolvimento. Nesse sentido, o Plano Qüinqüenal constitui tão somente primeira fase de outro'plano, possivelmente ainda mais amplo, que o irá substituindo na me- didíj em que o permitam a ampliação dos quadros da SUDENE e o amadurecimento dos estudos em curso. Cabe também refo- lir que alguns setores dr. atividade da SUDENE não foram incluídos no Plano Qüinqüenal. São aqueles em que, princi- palmenlc por motivos administrativos, ain- da não foi possivel submeter a ação go- verno^i-ntal a um adequado plr.nejamen- to. E' o caso dos investimentos portuários e ferroviários.

Em outros casos, «orno as pesquisrs minerais, a fase de estudos ainda so pro- longarA por algum tempo, Asses estudos são atendidos com recursos correntes dit SUDENE. Naqueles casos em que os pro- jetos já estruturados abrangem períodos maiores que cinco mos — povoamento dn Maranhão fdoz anos) e irrigação da zona açucareira (sete anos) — na síntese fo- ram incluídos apenas os gastos previstos para os próximos cinco anos.

Paralisação da CMTI (São Paulo)

O Chefe de Gabinete do Ministro do Trabalho, Sr. Eduardo Tessc e o dlretor-geral do DNT, Sr. Lúcio Gusmão Lobo, man- tiveram ontem, contatos telefônicos com a capital de São Paulo, face os rumores de um movimento dc paralisação da CMTC.

Aumento Dos Trabalhado!» s da Telefônica

O diretor-geral do DNT, Sr. Lúcio Gusmão Lobo. encami- nhou ontem ao Ministério da Viação e Obras Públicas, documen- tos e pareceres solicitados pelo Ministro Hélio de Almeida, a fim de que essa Secretaria de Estado, possa decidir sóbre as reivindicações de aumento salarial dos trabalhadores da Companhia Telefônica Brasileira. Na tarde de hoje, no ga- binetc do diretor-geral do DNT, deverão estar reunidos os dire- tores da CTB e os representantes sindicais dos trabalhadores dessa categoria profissional, para dar ciência da solução relati- va ao problema tarifário.

Greve Nos Hotéis do Recife

Os empregados no Comércio Hoteleiro do Recife estão com suas atividades profissionais paralisadas há dias, O diretor- geral do DNT, Sr, Lúcio Gusmão Lobo, telegrafou ao Delegado

Regional do Trabalho pedindo informações e sua intervenção nesse caso.

Super-Mercados

O SAPS inaugurou dois novos super-mercados, sendo um na Av. Presidente Vargas, junto à Central do Brasil e outro na Rua Voluntários da Pátria, 128-B, em Botafogo, colaborando- dessa forma com o plano de abastecimento. Está programado para dentro de poucos dias inaugurar outros supermercados em outros pontos da cidade.

necessários* dados pelos téc.

nicos quc o acompanhavam iodos aprovaram a tese, ln.

cluslvo o Secretário de Fa.

zenda do Estado dc São Pau.

lo, Sr. Humberto Monteiro representante do Estado da União quc mnis seria onera- trás unidades federalivasaso do em beneficio das outras unidades federativas subae.

«envolvidas.

Prosseguindo eni suas ex.

plannçõcs, quis o Secretário da Fazenda catarinense, es- clarccer como serão cobra das as taxas desse imposto;

Exemplificando que o possui, dor dc um late propriedade improdutiva terá que pagar

A POLICIA NÃO PERMITIRÁ EXCESSO DE LOTAÇÃO NO COPA

- E MUNICIPAL

O Secretário de Segurança Pública, coronel da Reserva Gustavo Borges, assinou a por- taria de n. 131, tornando sem efeito a Portaria de Carnaval, recentemente assinada polo Superintendente da Polícia Ju- diciárla Newton Marques Cruz, e cancelando todos os atos anteriores relacionados com os festejos de Momo. A nova portaria do Coon.el Bor- ges apresenta um item inédl- to, ou soja a proibição de ex- cesso de lotação nas casas ou recintos onde se realizam fes- tejos carnavalescos o que atln gira, fatalmente, os famosos bailes do Teatro Municipal <¦

Copacabana Pálace, evitando que se repitam êste ano os la- mentáVftts ocorrências dos anos anteriores, quando os mesmos funcionaram superlo tados.

: ATRASADO O \ : PAGAMENTO j I DO PESSOAL j

! DA COFAP

Segundo noticias dc Bra- J: sília, o pocesso referente ao i quadro de pessoal da J i.y COFAP- foi. entregue anite- • vniaa (& presidente João J Goulart. " As" injormações J não adiantam, todavia,- o ; despacho ou ¦ decisão do ;

Chefe da Nação. •

Enquanto isso, os servi- ;

•'¦ dores das COARs (Esta- • des) não recebem há meses ••

(desde novembro) seus ven- j ctwiwfòs e os antigos fun- ; ciondrios não enquadradas ; que continuam com "refe- • i^ncias» até esta data não ; receberam os vencimentos •

de janeiro. ;

EMBAIXADOR ARGENTINO

Chegou ontem', ao Rio, o nò- vo Embaixador a República Argentina no x>raoU, br. Cai- los Alberto Fernandc-z, qu« até recentemente ocupou idêntico posto Junto a RAü, no Cairu, tendo sido designado, poste- riormente, para o cargu ue Di- retor do Departamento Puii- tico do Ministério de Relações Exteriores. O novo Embaixa- dor substituirá o atual Minis- tro Conselheio Sr. Francisco de La Vega, que exercia o pôs- W em caráter provisório e que acaba de ser transferido para Roma,

CREDENCIAIS APÔS O CARNAVAL

Au õsembarcar no Galeão, tnlormuu o Sr. Carlos Alber- tu Fernández qu^., so após o carnaval, apresentará suas ore}

uencials ao Presidente da Re- pública, uma vez que, antes, pretende aclimata-se um pou- uo". .

•— Iniciarei meu programa de trabalho revendo aspectos ue interú;;s<; em nossas rola- çut-s comérçíáià, com onjetivu de incrementar u intercâmbio entre as duas nações.

O Sr. Cartas Aioertu Fer- nandez an.unciou para os pró- ximos dias uma encrevisúa co- letiva á imprensa, ocasião em que fará uma i-ecapltuiaçãu das relações diplomáticas «u- tre o Brasil e a Argentina, analisando o trabalho do seus antecessores, como Panúero, Roca, Caicano, Eopil e Carlos Muniz.

Em nome do Itamaratl fòt

• novo Embaixador recepcio- nado pelo Ministro Lauo Mül- ler, comparecendo ao Galeão ninda todo o corpo diploma- tico da nação vizinha acredl- tado no pais além dc grande número da membros da colo- nla argentina radicada no Rio.

imposto daquele bem, o mes.

nio acontecendo no proprle.

tário dc uma residência sun.

tuosa, Igualmente improduti- va.

Ressaltou ainda que os pe.

quenos proprietários ostão Isentos desse novo Imposto, fiscal do ISF, seria o exem- pio dc um fazendeiro resi.

dente numa capital c quc adquire terras por êsse inte.

rlor afora, deixando.ns im- produtivas à espera de que a Inflação so Incumba dc sua va..

lorlzaçáo astronômica. Tais modalidades sofrerão taxas elevadas, que variam de 2 ou 3 por cento, enquanto os capitais aplicados na indús.

trla ou outros setores de pro.

dullvldade, pagarão unia mé- dia de 1 ou 0,5 por cento.

Dessa forma obrigaria o capital explorador n mudar

de.rumo para outras alivia.

tícs no campo industrial 0 que representaria um málor desenvolvimento e maior cm prego de gente, criando noi vas riquezas e renda.

Quanto à aprovação desta nova tese, esclarecvèu 0 Sr Eugênio Doin Vieira, está na dependência dt estudos mnis acurados, porér* 0 prin.

clplo que Inspirou a tese ti tá lançado num espirito hu.

mano e soclnl, que nunca eni tempo algum, pçderá ser in' torpretada r0nio |i;so jnj j querdisln

Finalizando, disse mais"

«seria melhor concordasse!

ritos, agora, em proporcionar um pouco do muito que te.

mos em beneficio dns quj nada têm, do que, mais tari de, como muito bem pregou João XXIII sermos forçados a isto».

DECISÃO DO GOVERNO FRANCÊS AFETARÁ AS RELAÇÕES ENTRE BRASIL E A FRANÇA

BRASÍLIA, 21 (AN) — A propósito dc atividades dc na- vlos-pesqueiros franceses em águas territoriais do Nordeste, o Af mistério das Relações Ex- teriores distribuiu a seguinte nota oficial:

"O Embaixador francês co- municou oficialmente ao Ila-

marati, que o Governo dc seu pais decidiu dar ordem a um navio da Marinha de Guerra da França, para garantir quc ns lagostriras franceses con- tinuem pescando no Nordeste do Brasil, além do prazo con- cedido pelo Govfrno brasilrt- ro. prazo que se esgotou 6s Coze horas dc ontem.

O (iovirno brasileiro lamcn- ia e«a decisão do Governo lra»ic'is, que reputa de extre- ma gravidade, por considera- Ia capaz de levar a tensão das relações entre os dois palies a conseqüências imprevisl- veis".

TRAIÇÃO EM MARCHA NA UNIVERSIDADE CATÓLICA

E' preciso esclarecer equívocos e desfazer mentiras Os equívocos sempre nascem da boa-fé, mas as mentlrassttà gem das traições e deserções.

E* o que vemos hoje na PUC, onde a traição está i>m marcha. Mais do que os equívocos, mais do quP as menti- ras convencionais, quo todos dizem o poucos desmascarai está a traição do ainda recente e já desenganado MSU, cujo chefe é um sacerdote da Universidade, o Padre Francisco Machado S. J.

O MSU vem a ser o neutralismo ativo perfeitament»

identificado em teoria com as saladas russas do Padre. Le- bret e na prática com o benefício aos comunistas; e porque os solidp.ristas dizem coisas certas e erradas mas agem sempre errado fingindo que é certo, todos acreditam nesse solirjarismo de mentira, cuja primeira preocupação foi de- clarar, como fêz o Sr. Fábio Celso antes das eleições, que preferia ver o DCE nas mãos dos comunistas a vê-lo com a ADU de, Valter Maciel. Foi na base dessa suspeita soli- dariedade que o MSU foi as urnas com Mário Brockmann, personificando todo o triunfo da mediocridade da PUC, e mais do que isso, do medo. da covardia e do pavor de ser chamado de «Reacionário»,-

Essr. é a filosofia- oficial que irige, o solidarismo do DCE e de mais meia dúzia de diretórios. O Sr. Flavio Miragaia Perry, cuja aflição pelo estado das massas subdesenvolvi- das nao justifica o «Sinca» quc possui, pôde votar em Vi- nicius para a UNE e. expressar perfeitamente os interessei do partido comunista. Nem por isso o MSU se sentiu ve- xado de escrever a «O Globos depois das eleições para avi- sar que êle não exa comunista. E quando o Sr, Luis Cláu- dio Marinho, para agrr.dar a Julião e a seus chefes do MRT, usou do dinheiro do CAEL para imprimir mentiras e in- íámias.contra a Universidade, o Sr. Mário Brockmann engu- liu em seco, na certa imaginando que. não era solidário com o delito que o outro cometia. E por trás do silêncio veio o medo de intervir e a falada autodeterminação na qual êle acredita.

Mas o mais lamentável de tudo é que o MSU seja (li- rigldo desde junho pelo Pe. Machado. As aparências em qu;

a mentira toma forma e as conveniências do cio eleitoral .fizeram o Pe. Machado ae escoder, e só depois das elei- ções a rçvelar quem era e o que fazia. Êste homem que tem

o PTB como partido, que é janista e seguidor da «Política externa independente», que viu na nomeação do Sr. San Tiago Dantas para Primeiro-Ministro a Salvação do Brasil, é o dono e chefe absoluto do MSU. Este homem, que de- vota ódio incrível a Carlos Lacerda, a quem chama de

«Gangster Americano», e que prega a legalidade do Par- tido Comunista, tem a direção intelectual e moral do Mo- vimento que teve 1300 votos para o DCE da PUC! Custa a cre/ que em tão pouco tempo se pôde levar tal massa ,parr. as chamadas esquerdas e o mais sensacional é.(esta) ser completamente inocente teleguiada. Nem mesmo as comunas budistas de Mao-Tse-Tung teriam tido tais resul- tados. Na PUC isso é fácil quando ae diz que o vicio è vir- tude, a mentira é verdade e os erros são vestidos de critãoa para vencer as ingênuas suscetibilicíades dos falso» cato- licos.

Assim, os solidaristas falam de «Mater et Magistra»

sem a terem lido ou entendido. São ensinados a odiar Car- los Lacerda pelo crime deste sêr democrata. São os cris- tãos progressistas, os falsos solidaristas que fizeram do MSU a nova PUC o, do Pe. Machado o novo >è. Vaz, com a di- ferença que um trabalha para Julião e o outro para s«

a «coqueluche» dos alunos da Cf.tólica.

Entre a «direita» e a «esquerda» está o eiitreguismo des- sas duas vocações de Pierre Lavai. Um, pela traição, levou a PUC para o pr.rtido comunista. Outro, pela mentira, vai le.var, o MSU para o caminho dos que morrem inocentes depois de terem sido úteis. Ambos, pelo medo e pelo ódio, levarão o Brasil para o destino de CUBA.

Luiz C-Scar Dubeux Pinto

I A NOITE

I

I Prop. ds COMPANHIA JORNALÍSTICA CASTELAB Diretor - ANTÔNIO VIEIRA DE MELO GERENTE PAULO COSTA PEREIRA

Redator Chefe - HEITOR MONIZ Secretário - E. PILAR DRUMOND Chefe de Reportagem - BRAGA FILHO REDAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO

Francisco Senador, 2 — Sobreloja. Cineldndio — B'0, TELEFONE: 31-2185 (rede interna)

PUBLICIDADE 22-7602

Número do dia CrS 15,00

Número atrasado CrS 17'00

SUCURSAL EM SÃO PAULO Rua Manuel Dutra, 225 — Tel-: 32-5695

SUCURSAL EM BRASÍLIA

At. WS. Quadra 10, casa, 14 — Tel.: 3-3950 SUCURSAL EM NITERÓI:

Av. Amaral Peixoto, 370 — si 19 Telefone: 212»»

SUCURSAL EM PORTO ALEGRE:

At. Borges de Medeiros, 1224 — loja 8 ~ Tel.: IIP' SUCURSAL EM VITÓRIA:

At. DMexnbargadOr Santos NeTes, 1273 — sala 537

I

(3)

A NOITE 22/2/1963

««gina 1

Catumbí lüwáartí Livre tle

Enchentes eni Três Meses 11

i pcntfu tle 80 dlaa, Catumbl

¦ai ficar livro das onchontes:

«s obras de canalização do rio papa-Couvc terminam no pró- Klmo mè.s dc maio e em JU- nho ns ruas do bairro Já es- jarão calçadas c pavimentadas.

Hoje de mtuihe o Oovorna- ior Carlos Lacerda, em com- panlila do Secretário de Obras Publicas, Enaldo Cravo Pelxo- to c do Diretor do Doparta- menti de Urbanização, Ral- mundo dc Paula Soares, vlsi Wu o Catumbl, moatrando-se Kitlsiclto com o ritmo accle rado tias obras do rio Papa-

A CANALIZAÇÃO A ooiulllzaçáo do rio Papa- Couve, Iniciada liá cerca dt»

um ano, vai acabar com as enchentes de Catumbl. Grau do parto do serviço Já está concluído, faltando apenas 3

trechos para concluir a obra:

uo entroncamento com a rua Salvador do Sá c om dois tre- chos onde /oram encontradas rocha o uma rèdo coletora de

esgotos., • -

O rio corria por uma tubu Iiv.-iin de 80 celUlmctros de

diâmetro, quc era insuilcieii

\i> para contur as águas nos rilns do chuva. Agora, o Esta- do construiu uma galeria, d"

cêrca do seis metros dc lar- gtirn, quc leva a água do riu pelos seus '--150 metros d«,vx- tensão,

\r

•>%v^Avt,v_\*.%v^rtv. •- -•••• av>vww »%vFvr^w%%vwv'^vvhS.v*_<%^_ff^.vl«v*-j*w^iV^,yvff

Nos Quatro Cantos da Guanabara

Internacionais i

(ANSA)

Sonegadores Fuzilados na URSS: Desvio Gêneros

MOSCOU,, ül —O jornal tSovielskaya Rossiya» in:

fôrma esta manhã que cinco cidadãos soviéticos, acusados de lerem sonegado c vendi.

i0 ilegalmento '

gpneros de Uso corrente, -Xorani conde.

nados a morte mediante íu- jilamento pela Corte supre.

nia russa. Outros cinco indi- yíduos, envolvidos no mesmo Comércio ilegal, íoram. con.

denados a 15- anos de reclu- pão. O chefe da quadrilha, que íoi condenado a morte,

«a dirigente de prodUção de nma fábrica de Leningrado.

Éandidcrto t»0 «Osíar»

«Pagador ele Promessas»

'•HOLLYWOOD,

21' — O Knie brasileiro «O Pagador it Promessas» é um dos cin- co candidatos ao «Oscar» pa.

ya o melhor filme estrangei.

io. Os demais candidatos são:

«As quatro jornadas dc Nã.

polcsi (Itália), <:Electra»

ÍGrécia), «Tlayucan» (Mé- jtiro) e «Os domingos da vila Pavray» (França).

A proclamação do filme Vencedor terá lugar em S de abril próximo, durante a cerimônia de entrega dos prêmios «Oscar».

Walt Disney: Premiado WASHINGTON, 21 — Foi outorgado a Walt Disney o prêmio «George Washing- ton•, o máximo reconheci.

mento da «American Fre-

#üom Foundatton», que é presidida pelo ex-presidente íhviglit Eisenhower.

O prêmio (uma medalha e um cheque de cinco mil dólares) foi entregue ao fa- moso animador por sua ação do «Embaixador da Liber- dade- para os Estados Uni- dos.

Manobras da OTAN « PARIS, 21 — A Marinha militar francesa comunicou 3ue uma manobra aéro.naval as forças da OTAN terá lu.

gar nos próximos dias no Oceano Atlântico. Tomarão parte nessa manobra unida.

íes e tropas alemãs, inglesas francesas, canadenses, ho- íãndesas norueguesas e por- tuguêsas. .

lançado: «Minuteman»

CABO CANAVERAL, 21

— Um foguete «Minuteman»

JU lançado com êxito desta base. O foguete alcançou o llvo, situado' em pleno Atlân- tico, a 3 mil milhas dc dis.

lância. O alcance máximo th» «Minuteman» é de 6. 500 milhas.

Hollstein: EUA

BRUXELAS, 21 — O pre- itilelite da Comissão Executi- n da Comunidade Econôml- ti Européia, Walter Halls-

?lin, irá a Nova Iorque em 9 de março próximo.

«Premier» Fi landes

•m Moscou: Kruchev .MOSCOU, 21 — Chegou

«Ia manhã à capital sovié- gea o Primeiro Ministro da Finlândia, Ahti Karjalainon.

0 estadista finlandês, foi aco.

Hiido na estação ferroviária moscovita pelo Primeiro Mi- listro Nikita Kruchev e por íutras altas presonalidades ío Governo e do Partido.

Atebou «Guerra da - logosta»

PARIS, 21 — «Pompidou í5o declarará guerra ao Bra.

tll> escreve hoje pilherica- mente o jornal «Paris Pres-

•*», ao dar noticia tia res- Posta do Primeiro Ministro francês à Sra. Suzanne Ploux Deputada gaullista de Finls.

terra, a qual solicitava o en ylo de um navio ;de guerra

*m socorro dos pescadores krelões de lagostas que se tnpnntram em apuros no li-

«oral do Brasil.

Madame Ploux, durante y.nin reunião da bancada da UNPi, havia perguntado a 'ornpidou o que estava es-, Uprando para enviar um na-

¦V'o da Marinha nacional em ytida os pescadores bretões.

Pompidou, irritado, respon-

*f\i: »-Há duas semanas es- 'ou dedicando meia hora por

•'a a êstc caso dos pescado.

'es flç lagostas. O Brasil não possui bombas atômicas, nós ttmos muito poucas. Não que- rmos certamente declarar a

•"orra. De qualquer forma, J*11 íruarda.ostas francês,

•malmente- cm Dakar, ru.

mafa para o Brasil*.

Pagamento de Inativos e Pensionistas da AER J| A Pagudoria de Inativos íj o Pensionistas du Aer. co.

munica quc o pagamento dos proventos e pensões rc.

ferehtes, ao corrente mês, f. será feito em seus guichês

"t próprios e nas Agências da Caixa Econômica hoje, da- ta em que os interessados 'jj poderão movimentar suas J" contas-correntes, podendo

«J solicitar os contra cheques ', respectivos que servirão Ji para instruir os processos de declaração de rendlmen- t\ tos no exercício dc 1064.

!« Não há Perigo

J> de Desabamento:

jí Túnel Sá Freire

— Não há qualquer pe.

rigo de desabamento do tú- nel Sá Freire Alvim, disse

!« o.Secretário de Obrqs .Pú.

_J blicas, a respeito de noti- cias publicadas hoje num Ji matutino da cidade- ,' Acrescentou o engenhei-

¦>[ ro Enaldo Cravo Peixoto:

— «A infiltração de águas que se verifica é natural.

São as chamadas clágri- mas», decorrentes do escoa- í mento de água da chtiva».

/ O Governador Carlos La- í cerda c o Secretário ins.

pecionaram hoje dc manhã o túnel. As obras de lim- peza e recuperação da ilu- minação prosseguem om ritmo acelerado. O traba.

!• Iho deverá ficar pronto i| dentro dc 20 dias,

;« Os Portuários do Rio 'leo Imposto de Renda

!' A Lei n<? 154, dc 2S de

¦J novembro de 1962 com vi.

•I gência a partir de 1 dc fe-

^verciro de 19G3, estnbelcce em seu artigo 10, o Impôs, to a que estão sujeitos os recebimentos do trabalho.

A Ordem de Serviço n?

DIR-62-2, dc 28 dc janeiro de 1963, publicada no DO de 8-2.63, comunica a todos os serviodres quc os des- contos de Imposto tle Ren.

da na fonte serão efetua- dos na forma da Tabela 11.

anexa, (em substituição a OS DIR.632).

O. Superintendente do Porto através da Circular n? 296-63, transcreve a re.

ferida Tabela para conhe.

cimento dos servidores da

APRJ. i

Frutas Estrangeiras Consumidas Pela Popula;ão Carioca em 1962

Frescas ou secas, o ca- rioca consome milhões de ' quilos de frutas' importa, das. A maçã parece ser a fruta preferencial, pois, du.

rante — 1962, o Frigorifi- co para Frutas da APRJ - recebeu 854.317 caixas da.

quela deliciosa fruta. A se.

guir vem a p?ítfa, com ....

211.707 caixas; a uva com 67.321 caixas e 2.850 bar- ricas; a ameixa fresca, com 50.833, vindo depois a ce.

roja, o pêssego, a passa, n ameixas secas o marmelo e o damasco. Além das fru.

tas secas o armazém frigo- rificd recebe outros artigos destacando-se dentre eles o castanha-¦ No ano que íin- dou 38. 600 sacos ¦ daquele produto passaram, pelo Frigorífico da APRJ. assim como.'' 1; 238,jOÍ)ft v,f volumes foram ali '"àtirmícnados.

C -, '-.fí'"*4"!, ¦¦• ' 1».V.^V_-V.%>>JW.---n-%'V'.-»"t'

¦yy.

Carga Européia Para Guanabara

O cargueiro finlandês S

<Autora», trouxe para o- f Rio 208 bobinas do papel •' com I32.900kg; 917 fardos •, com papel, pesando 187.686 |i kg e 29 caixas com minas J eom o peso de 4.242kg. «, Enquanto isso, o vapor in. ."¦

glês «St- Thomaz», descar. J«

regará, na Guanabara, ... i|

12.740 volumes com o pe- ¦, so de 560.402kg, tlestacan. S do.se como principais mer- J eadorias: 2074 lingotes de ij alumínio com 30 toneladas; J, 740 rolos depossadeiras pa- 5 ra piso com 17,5 toneladas ^ 874 tambores com produ. \ os químicos com 105 lône- J latlas; 200 tambores com ,"

cianureto de sódio com 11 ij toneladas; 4 000 sacos com ', cloreto de potássio com 202 Ji toneladas.. 1221 sacos com tJ produtos químicos com .... :' 29.395kg. 210 sacos com 'li- topônio com 10.604kg.; J»J 2.430 sacos com material ij plástico com 62 toneladas; «, 200 sacos com goma laça J com 16 toneladas; 120 sa- f cos com bisulfito tle sódio »J com 6 toneladas; 200 vo. % lumes com pó de sapato J«

com 11 toneladas, etc. i ,f « DNS Tem Novo Diretor "¦ • Ji « Assume hoje o cargo dc j J Diretor do Departamento í J Nacional de Saúde o Sr. ¦! ; Adelmo Mendonça- A ecri St ; mônia será realizada às ,« ; 16,30 horas no Ministério t| ; da Saúde, no prédio do Clu. ¦, ; be de Engenharia, à Av. Ji « Rio Branco, 124. O novo di- / . retor substituirá o Sr.Bi- ¦, 5

chat Rodrigues, S !

:¦:

Si ^S

<:¦:¦.-¦¦¦

0 NOVO ESSO 2-T MOTOR E0SEU

Só o Novo Esso 2-T Motor Oi! dá o máximo ao seu mo- tor de 2 tempos, pois foi criado especialmente, exclusi- vãmente, para motores de 2 tempos - para o motor do seu DKW-VEMAG 1000: Belcar, Vemaguet e Candango!

Brasil-Suécia

Terminou em Trajes de Adão

Após 34 dias de viagem num pequeno barco de pesca, que deixou o cais da Praça XV, no Bio, cwn destino ao pôr- to de Narvik na Suécia, conduzindo quatro tripulantes, den- tre os' quais o brasileiro Samuel Lévi Rodrigues Nelson, terminou num melodramático desembarque a aventura do

«Sarita».

NAUFRÁGIOS...

jovem Samuel Levi, que on.tem retornou ao Rio, desem- barcando de um jato dá SAS, relatou para os jornalistas o que foram os, dias vividos a bordo da pequena eipbarcação, cuja sucessão de naufrágios (4 no Golfo às Biscáia) e 2 ao atingirem águas suecas — deixou, sem provisões — •; sem roupa, também... todos os quatro tripulantes...

— Rasgando o velame dt»

barco, e com êlo improvisando vestimentas à moda dos Vie Kings, conseguimos aportar num pequeno ancoradouro, sob ps olhares espantados dos ha- bitantes da localidade — re- lembra, agora, a sorrir o he- rói da aventura marítima,

O "SARITA"

Oonta Samuel que o "Sarl- Ia" — com 24 metros de oom- primen.lo — de propriedade de um antigo capitão sueco, cujos

ESCÂNDALOS NA COAP PAULISTA

SÃO PAULO, 21 (Asa.

press) — Mais dois escãndo- los surgiram na COAP pau- lista. O Sr. Antônio de Padua Cabral, ex-presidente do ór.

gão, acusou o seu fiiteces- sor, Ten-Cel. Alfredo Costa Júnior, de ter favorecido o mercado negro do arroz também é que dás duzentas mil sacas do produto gaúcho destinado a São Paulo, ape.

nas foram enviadas pouco mais de cem mil.

negócios não iam bem no Bra sil, e por isso resolvera re- gressar á terra natal, foi equi- pado com viveres e água po- tável para unia, viagem de 30 dias. A travessia Brasil-Cabo Verde (nas proximidades da Ilha do Sal, transcorreu sem maiores novidades. Ao rumar u "Sarita para, Las Palmas, nas Ilhas Canárias, sobreveio tuma calmaria perigosa, que, deixou por mais dc 36 horas o barco ao sabor das oiitías.

Nessa ocasião — e devido ao Intenso calor, derreteu-se o golo, arruinand oas provisões de boca. "Daí por diante, a coisa piorou — con.ta Samuel

— pois, já não mais tinhamos o que comer, a não ser bis- coitos e bolachas',

NO GOLFO

— O'pior mesmo aconteceu ao atingirmos o Golfo de Bis- cala, ao Norte da Espanha, onde tempestade sobre tempes- tade fizeram o "Sarita" 'soco- brar por várias vezes, sempre contudo com grande felicidade para nós, que conseguimos de

«ovo o seu controle, em meio

& tormenta.

Num porto ao Norte de Es- panha — e depois na Fraiv ça é Inglaterra — consegui- ram os quatro heróis renovar o estoque de viveres • de água (os travellers-cheks" fo^

ram milagrosamente salvos até então...).

FIM DE VIAGEM Relembra o jov-om que do Mar do Norte — apesar do Intenso frio — a viagem cor- reu relativamente tranqüila, ntê nue ao atingir o ''Sari-

ta" águas da Suécia, violenta' tempestade e neve arrasou por completo o quc restava da bagagem, cujas sacolas se desprenderam de vez do bar- co, perdendo-se nas águas re- voltas, e com elas as roupas de toda a tripulação...

EMPREGO

Samuel Levi, cujo pai se en- contra, no Brasil, arranjou um emprego num hospital de Es- tocolmo, onde conseguiu pos- tcrlormente recursos para re- tornar, viajando — ao que diz

— com maior rapidez e con- fôrto a bordo de um DC-8...

Chuva Atrapalhou

Festival . de Jazz

Retornou, ontem, de ¦ Mar dei Plata, o saxofo- nist.a Juarez de Araújo, após participar do Festl- vai Latino-Americano dt;

Jazz — cum do.s espeta- culos mais impressionan tes que assistiu», cujo brl- Iho, porém, foi empinado pelas incessantes chuva»

que desabaram sobre aquela cidade balneária argentina, que limitou a apena tlois o ias o progra- ma inicial cie cinco exibi- ções.

MASSA HUMAJNA Afirmou Juarez que a estréia foi dos mais aus- piciosas, perante um au- ditório calculado em ....

10.000 pessoas, disposta ao longo da famosa praia, com a multidão empolga- da com o espetáculo a aplaudir demoradamente os artistas.

BATERISTA BICOU O baterista Luiz Paulo, o pianista Tenóri0 e João Palms ficarar* em Buenos Aires, realizando algumas gravações c om o famoso Bud Shank, que foi * grande sensação do T Fes- ti vai.

aa**««•««»¦•r

¦14* -.iBiwi.; ^mWêêm m&yiÊãm

mSta/ís, <f^_______________EÍi?$5SaSl Hh^ í ....HÉ&i^ííí^l^ ÍwRÍ

m mmwÊ \\mfm WÊÊÈÈ

¦f\ Ji I"?'J m W WÊÊmÉÊz'

^j Hf**-:;y---XÍÊM MEM?1 £&¦* *v

_/v » __IJI_H..^_lf_!^$^P9!_flH.^R^_____L ^t WÈÊÊt

' .:-m ¦:¦ ^¦¦•¦^''''V:"S"y^:^'''-;í'l# 9-WÈÊ

^^%s ¦* "-

itlb yx-- wêÊf jmNU

eÊÊ , *Jí^M^^imWÊ^^mm.>Z- '^stmMMk

^--^1mmmmm\\\i*mmW\I l/HÈPm

MÊÊÊ&ÊÊmàMW í \ZèL< V fv }*&Mr7?

^s^fir^Yfen_in^:-:-: '¦¦w»li

__!_______K?l-' fit^^W^i^^f^M KHWr!?r°[__:4.r"':; MWU BBBÉ / fl

ALUNOS DO ITA FIZERAM OBSERVAÇÕES NA EUROPA Uma caravana de 10 alunos (foto), do Centro Têcnicc , de Aeronáutica de São .losé dos Campos, chefiada, pelou Professores Oswaldo Vadegas Torres v Etiene Cassigno!

regressou, ontem, ao País, viajando em avião C-5I da FAB.

após empreenderem unia. excursão de caráter técnico-cultit.

ral ao Velho Mundo, visitando as indústrias do ramo de ae- ronáutica c eletrônica, situadas na. Inglaterra, Holanda, Ale.

manha, Portugal e França, A viagem vem sendo realizada, há vários anos, graças ao apoio das nossas autoridades ae- ronáutica» e industriais brasileiros e o governo dos paises visitados. Além dc proporcionar uma visão dos grandes pro- gressos aeronáuticos, a louvável iniciativa serve de comple.

mento aos conhecimento* teóricos adquiridos pelos altínòa, nas especialidades de aeronáutica e eletrônica.

i '

Lacerda Toma Providências Efetivas Para Colocar Telefone na Guanabara

• MINISTRO ü\ EDUCAÇÃO UA tiOU.i.) /-.'.'/ VISITA AO-MEC — O. Ministro Theotônio Monteiro de Barros re- cebeu, em seu gabinete, no Palácio da Cultura, o Ministro da Educação da Bolívia. Dr. Mário Gusmán Galarja. que se fêz acompanhar do Embaixador daquele país, Na foto, um aspecto do encontro.

Santa Cruz, Jacarepáguá (parte), Ilha do Governador e Campo Grande vão ter, agora, telefones: hoje o Go- . vernador Carlos Lacerda as- j sinou decreto estabelecendo o limite da área de ação ini- ciai da Companhia Estadual de Telefones (CETEL).

A implantação dos serviços da CETEL será feita, a prih- eípio, nas áreas suburbanas

<? rurais, sem serviço auto- matizado; depois abrangerá todo o Estado.

Ficará a' cargo da CETEL a exploração tios serviços te- 'cfònicas em todo o territó-

rio da Guanabara, com ex- clusão, inicialmente, da área delimitada pela linha defi- nida no decreto assinado ho.

¦ je, pelo Governador Carlos Lacerda.

JUSTIFICAÇÃO . No decreto, diz o Govcr nador:

•— A Lei n? 2G3, dc 24 dt dezembro de 1962, autorizou o Executivo a constituir n sociedade por ações — Con:

panhia Estadual de Telefonei (CETEL), destinada ã admi.

nislrar os serviços telefónU cos a cargo do Estado.

1 m

tC>»^

O Novo Esao 2-T Motor 3!t reduz a ne- cessidade de descarbonizaçio « itmpaza periódica das velaa porque ...

... graças aos seus aditivos detergentes, diminui a formação de carvão nos cilin- dros, na câmara de combustão e nas janelas de escape.

-ÍÍÍa.>>F*LÉJfe

!ÍSSO

Siíí

m

O Novo Esso 2-T Motor Oil garante a lubrificaçSo perfeita do'eixo de manivela»

e das outras parte:; móveis do motor,..

...Smpeiíe a oxltíação e reduío dessas- te, graças aos aditivos antíoxidantes.

Seu uso continuado,..

... proporciona maior prototfão, maior ran>

dimento « maior economia, prolongando indefinidamente a vida útil do motor!

O N5vo Esso 2-T Motor Oil foi testado J

• aprovado na maior pwva da resistências doautomobilismonacional «ae"24hora»!

de Intarlagos" 1

Ò Novo Esso 2-T Motor Oil deixa uma película lubrifi- cante, permanente e protetora em todas as peças da máquina, mesmo quando o motor está parado.

NOVO ESSO 2-T MOTOR OIL

Gada lata contem milhares de horas de pesquisa

À venda nos Postos Esso, em novas embalagens práticas de 1/4,1/2 e1 litro.

m\\ (así "y*

1912 (tna) 1Ô62 __<

UNOS RO BRASIL y KMMiniiioiaÉiMntfivni

, Bueiro de PcUO^

m

.1

Imagem

Referências

temas relacionados :