Fundo de Investimento Imobiliário Fechado BONANÇA I

Texto

(1)

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado BONANÇA I

RELATÓRIO & CONTAS 2006

ÍNDICE

Actividade do Fundo ...2

Balanço...5

Demonstração de Resultados...5

Demonstração dos Fluxos Monetários ...6

Anexo às Demonstrações Financeiras...7

(2)

AACCTTIIVVIIDDAADDEE DDOO FFUUNNDDOO

De acordo com o que tinha sido referido no relatório de 2005, o Fundo de Investimento Imobiliário Bonança I, passou a partir de Novembro de 2006, a ser gerido pela Fundimo – Sociedade Gestora de Fundos de Investimento Imobiliário, S.A.

Quando este Fundo foi recebido, encontrava-se o mesmo em incumprimento do estabelecido nas alíneas a) e d) do artigo 9º do Regulamento de Gestão, situação da qual a CMVM tem conhecimento tendo sido solicitado e aceite como prazo de restabelecimento dos mesmos até ao final de Fevereiro de 2007. Ao longo de 2006 e face ao facto de se estar a preparar a mudança de Sociedade Gestora, não foi tomada nenhuma medida em relação ao investimento ou desinvestimento em imóveis conforme vinha a ser praticado nos anos anteriores.

A carteira imobiliária do Fundo, no final de 2006, era de € 8.441.300,87, igual ao valor de final de 2005.

Em 31 de Dezembro de 2006 o Valor Líquido Global do Fundo era de € 14.745.457,95, tendo-se verificado um crescimento em relação ao período homólogo de 3,39%

As disponibilidades, constituídas por Depósitos à Ordem no valor de € 4.284.498,07 e por Depósitos a Prazo no valor de € 2.100.000,00, apresentavam no final do ano um total de € 6.384.498,07, superior em comparação com o ano anterior em 6.60%.

No final de Dezembro, o total dos proveitos era de € 765.117,85, composto, essencialmente, por Rendimentos de Activos Imobiliários e por Juros e Proveitos Equiparados. Por outro lado, o total dos custos, no mesmo período, foi de € 281.592,23. Como consequência desse movimento o Resultado Líquido em 31 de Dezembro de 2006 foi de € 483.525,62.

Lisboa, 17 de Fevereiro de 2007

O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Filipe Raimond da Silva Amado (Presidente) Nomeado por Caixa-Participações, S.G.P.S., SA

Maria José Marrafinha Pardana Constâncio Nomeada por Caixa Geral de Depósitos, SA

(3)

Fernando Manuel Domingos Maximiano Nomeado por Caixa – Gestão de Activos, SGPS, SA

Jorge Fernando Alves Ferreira Guimarães

Paulo Alexandre Duarte Sousa

(4)

Composição Discriminada da Carteira de Aplicações em 2006/12/31

(em euros) Valor Global 1 - IMÓVEIS SITUADOS EM PORTUGAL

1.4. Construções Acabadas 1.4.1. Arrendadas

1 Habitação C.B.Pinh. 88 - Lisboa 39.315,34

1 Habitação José Ricardo - Lisboa 114.086,08

1 Habitação Rua Palma - Lisboa 581.170,16

1 Habitação Ponta Delgada - Lisboa 360.870,61

1 Loja José Ricardo - Lisboa 87.190,39

1 Loja Rua Palma - Lisboa 568.456,79

1 Escritório Ponta Delgada - Lisboa 669.707,69

1 Fracção p/Armazém em Edifício Matinha - Lisboa 5.447.918,38 1.4.2. Não Arrendadas

1 Habitação - C.B.Pinh. 88 - Lisboa 37.246,11

1 Habitação Rua Palma - Lisboa 394.880,58

1 Habitação Ponta Delgada - Lisboa 140.458,24

7 - LIQUIDEZ 7.1. À vista

7.1.2. Depósitos à Ordem 4.284.498,07

7.2.1. Depósitos à Ordem 2.100.000,00

9 - OUTROS VALORES A REGULARIZAR

9.1. Valores activos 137.745,38

9.1.2. Outros 137.745,38

9.2. Valores passivos -218.085,87

9.2.2. Outros -218.085,87

VALOR LIQUIDO GLOBAL DO FUNDO (VLGF) 14.745.457,95

(5)

BBAALLAANNÇÇOO

(valores em euros) 2006/12/31

ACTIVO PASSIVO

Código Designação 2005 Código Designação

Bruto Mv/Af mv/ad Líquido Líquido 2006 2005

ACTIVOS IMOBILIÁRIOS CAPITAL DO FUNDO

32 Construções 8.441.300,37 0,00 0,00 8.441.300,37 8.441.301,10 61 Unidades de Participação 18.455.522,19 18.455.522,19

TOTAL DE ACTIVOS IMOBILIÁRIOS 8.441.300,37 0,00 0,00 8.441.300,37 8.441.301,10 62 Variações Patrimoniais 4.329.530,60 4.329.530,60

CONTAS DE TERCEIROS 64 Resultados Transitados -8.523.120,46 -9.369.208,50

412 Devedores por rendas vencidas 132.265,38 132.265,38 86.410,65 66 Resultados Líquidos do Período 483.525,62 846.088,04

TOTAL DOS VALORES A RECEBER 132.265,38 132.265,38 86.410,65 TOTAL DO CAPITAL DO FUNDO 14.745.457,95 14.261.932,33

DISPONIBILIDADES AJUSTAMENTOS E PROVISÕES

12 Depósitos à ordem 4.284.498,07 4.284.498,07 289.209,72 47 Ajustamentos de dívidas a receber 84.337,94 84.337,94

13 Depósitos a prazo e com pré-aviso 2.100.000,00 2.100.000,00 5.700.000,00 48 Provisões Acumuladas 24.513,58 24.513,58

TOTAL DAS DISPONIBILIDADES 6.384.498,07 6.384.498,07 5.989.209,72 TOTAL PROVISÕES ACUMULADAS 108.851,52 108.851,52

ACRÉSCIMOS E DIFERIMENTOS CONTAS DE TERCEIROS

51 Acréscimos de Proveitos 4.429,32 4.429,32 5.118,68 423 Comissões e outros encargos a Pagar 9.989,09 5.221,24

52 Despesas com Custo Diferido 0,00 0,00 2,04 424+...+429 Outra Contas de Credores 97.522,61 106.992,94

58 Outros Acréscimos e Diferimentos 1.050,68 1.050,68 1.107,67 TOTAL DOS VALORES A PAGAR 107.511,70 112.214,18

TOTAL dos ACRÉSC. E DIFERIM. ACTIVOS 5.480,00 5.480,00 6.228,39 ACRÉSCIMOS E DIFERIMENTOS

53 Acréscimos de Custos 1.722,65 1.722,52

58 Outros Acréscimos e Diferimentos 0,00 38.429,31

TOTAL dos ACRÉSC. E DIFERIM. PASSIVOS 1.722,65 40.151,83 TOTAL DO ACTIVO 14.963.543,82 0,00 0,00 14.963.543,82 14.523.149,86 TOTAL DO PASSIVO 14.963.543,82 14.523.149,86

2006

D

DEEMMOONNSSTTRRAAÇÇÃÃOO DDEE RREESSUULLTTAADDOOSS

(valores em euros) 2006/12/31

CUSTOS E PERDAS PROVEITOS E GANHOS

Código Designação Código Designação

2006 2005 2006 2005

CUSTOS E PERDAS CORRENTES PROVEITOS E GANHOS CORRENTES

COMISSÕES JUROS E PROVEITOS EQUIPARADOS

723 Em Activos Imobiliários 5.265,01 185.211,00 811+818 Outros, de Operações Correntes 163.962,11 85.435,95

724+..+728 Outras, de Operações Correntes 65.112,45 60.762,22 GANHOS EM OPER. FINAN. E ACT. IMOBILIÁRIOS

PERDAS OPER. FINAN. E ACT. IMOBILIÁRIOS 833 Em Activos Imobiliários 0,00 837.188,73

733 Em Activos Imobiliários 0,00 188.601,90 REVERSÕES DE AJUSTAMENTOS E DE PROVISÕES

IMPOSTOS 851 De Ajustamentos de Dívidas a Receber 0,00 87.210,80

7411 Impostos sobre o rendimento 96.636,75 123.944,20 852 De Provisões para Encargos 0,00 27.689,70

7412 Impostos Indirectos 0,00 5,00 86 RENDIMENTOS DE ACTIVOS IMOBILIÁRIOS 561.880,56 492.768,07

7418 Outros impostos 32.423,41 0,00 TOTAL DOS PROVEITOS E GANHOS CORRENTES 725.842,67 1.530.293,25

PROVISÕES DO EXERCÍCIO PROVEITOS E GANHOS EVENTUAIS

751 Ajustamentos de Dívida a Receber 7.619,87 882 Ganhos Extraordinários 0,00 16.508,83

752 Provisões para Encargos 17.800,18 883 Ganhos de Exercícios Anteriores 39.275,18 1.346,78

76 FORNECIMENTOS E SERVIÇOS EXTERNOS 81.439,97 118.017,32 TOTAL DOS PROVEITOS E GANHOS EVENTUAIS 39.275,18 17.855,61 TOTAL DOS CUSTOS E PERDAS CORRENTES 280.877,59 701.961,69

CUSTOS E PERDAS EVENTUAIS

782 Perdas Extraordinárias 89,47 98,93

783 Perdas de exercícios Anteriores 625,17 0,20

TOTAL DOS CUSTOS E PERDAS EVENTUAIS 714,64 99,13 66 RESULTADO LÍQUIDO DO PERÍODO 483.525,62 846.088,04

TOTAL 765.117,85 1.548.148,86 TOTAL 765.117,85 1.548.148,86

Resultados Eventuais 38.560,54 17.756,48

Resultados de Activos Imobiliários 513.825,59 839.473,16 Resultados Antes de Impostos s/ Rendimento 612.585,78 970.037,24

Resultados Correntes 444.965,08 828.331,56 Resultados Líquidos do Período 483.525,62 846.088,04

(6)

DDEEMMOONNSSTTRRAAÇÇÃÃOO DDOOSS FFLLUUXXOOSS MMOONNEETTÁÁRRIIOOSS

(em euros) DISCRIMINAÇÃO DOS FLUXOS

OPERAÇÕES COM ACTIVOS IMOBILIÁRIOS RECEBIMENTOS:

Alienação de activos imobiliários 0,00 8.256.175,50

Rendimentos de activos imobiliários 516.032,16 579.798,68

Adiantamentos por conta de venda de act. Imob. 0,00 -3.119.999,99

Outros recebimentos de activos imobiliários 96.826,31 612.858,47 0,00 5.715.974,19 PAGAMENTOS:

Despesas correntes (FSE) com activos imobiliários 81.439,97 118.017,32

Outros pagamentos de activos imobiliários 43.635,60 125.075,57 200.498,60 318.515,92 Fluxo das operações sobre valores imobiliários 487.782,90 5.397.458,27 OPERAÇÕES A PRAZO E DE DIVISAS

PAGAMENTOS:

Pagamento em operações de taxa de juro 2.100.000,00 2.100.000,00 5.700.000,00 5.700.000,00 Fluxo das operações a prazo e de divisas -2.100.000,00 -5.700.000,00 OPERAÇÕES GESTÃO CORRENTE

RECEBIMENTOS:

Juros de depósitos bancários 133.113,92 66.070,10

Outros recebimentos correntes 67.600.000,00 67.733.113,92 55.000.000,00 55.066.070,10 PAGAMENTOS:

Comissão de gestão 36.245,34 37.515,71

Comissão de depósito 19.908,93 22.508,56

Impostos e taxas 208.056,42 141.935,67

Outros pagamentos correntes 65.500.000,00 65.764.210,69 49.300.000,00 49.501.959,94 Fluxo das operações de gestão corrente 1.968.903,23 5.564.110,16 OPERAÇÕES EVENTUAIS

RECEBIMENTOS:

Outros recebimentos de operações eventuais 39.275,28 39.275,28 17.855,61 17.855,61 PAGAMENTOS:

Outros pagamentos de operações eventuais 673,06 673,06 99,13 99,13

Fluxo das operações eventuais 38.602,22 17.756,48

Saldo dos fluxos monetários do período 395.288,35 5.279.324,91

Disponibilidades no início do período 5.989.209,72 709.884,81

Disponibilidades no fim do período 6.384.498,07 5.989.209,72

2006 2005

(7)

AANNEEXXOO ÀÀSS DDEEMMOONNSSTTRRAÇÕÕEESS FFIINNAANNCCEEIIRRAASS

As demonstrações financeiras, compostas pelo Balanço, Demonstração de Resultados e a Demonstração dos Fluxos Monetários estão preparadas de acordo com as normas que estão regulamentadas no Plano Contabilistico dos Fundos de Investimento Imobiliário, conforme o Regulamento nº. 2/2005 da CMVM.

Esse Regulamento impõe a divulgação de informação que se destina não só a desenvolver e a comentar os valores incluídos nas referidas Demonstrações Financeiras, mas também informações consideradas úteis para os participantes do fundo de investimento.

Os principais critérios contabilisticos seguidos foram os seguintes:

na preparação das contas foram respeitados todos os princípios contabilísticos referenciados no Regulamento atrás indicado;

os imóveis estão valorizados pelo seu valor venal contabilistico.

As referidas informações constam das notas seguintes, apresentadas pela ordem sequencial exigida, sendo de referir que os números não indicados neste Anexo não têm aplicação.

NOTA 1

Valor Contabilístico versus Valor Médio das Avaliações (em euros)

IMÓVEIS Valor Contabilístico em

31/12/2006 (A)

Média dos Valores de

Avaliação (B) Diferença (B) - (A)

1 Habitação C.B.Pinh. 88 - Lisboa 39.315,34 60.061,50 20.746,16

1 Habitação José Ricardo - Lisboa 114.086,08 160.441,00 46.354,92

1 Loja José Ricardo - Lisboa 87.190,39 118.444,00 31.253,61

1 Loja Rua Palma - Lisboa 568.456,79 594.312,50 25.855,71

1 Habitação Rua Palma - Lisboa 581.170,16 607.588,50 26.418,34

1 Habitação Ponta Delgada - Lisboa 360.870,61 530.845,50 169.974,89 1 Escritório Ponta Delgada - Lisboa 669.707,69 872.191,00 202.483,31 1 Fracção p/Armazém em Edifício Matinha - Lisboa 5.447.918,38 5.474.060,00 26.141,62

1 Habitação - C.B.Pinh. 88 - Lisboa 37.246,11 95.782,00 58.535,89

1 Habitação Rua Palma - Lisboa 394.880,58 519.594,00 124.713,42

1 Habitação Ponta Delgada - Lisboa 140.458,24 157.108,00 16.649,76

TOTAL 8.441.300,37 9.190.428,00 749.127,63

(8)

NOTA 2

Unidades de Participação e Valor Global do Fundo

(em euros)

Descrição No inicio Subs. Resgates Dist.Res. Outros Res.Per. No Fim

Valor Base 18.455.522,19 - - - - - 18.455.522,19

Diferença em Sub. Resgates 4.329.530,60 - - - - - 4.329.530,60

Resultados Distribuídos - - - - - - -

Resultados Transitados -8.523.120,46 - - - - - -8.523.120,46

Resultados do Período - - - - - 483.525,62 483.525,62

SOMA 14.261.932,33 - - - - 483.525,62 14.745.457,95

Nº. de Unidades de Participação

Valor Unidade Participação (unitário) 370.000

38,5458 370.000

39,8526

NOTA 3

Inventário das Aplicações em Imóveis: (em euros)

Área Data da Valor da Data da Valor da Valor do (m 2) Avaliação 1 Avaliação 1 Avaliação 2 Avaliação 2 Imóvel 1 - IMÓVEIS SITUADOS EM PORTUGAL

1.4. Construções Acabadas 1.4.1. Arrendadas

Habitação

1 Habitação C.B.Pinh. 88 - Lisboa 87 20061130 59.623,00 20061130 60.500,00 39.315,34 1 Habitação José Ricardo - Lisboa 264 20061130 148.582,00 20061130 172.300,00 114.086,08 1 Habitação Rua Palma - Lisboa 1348 20061130 584.077,00 20061130 631.100,00 581.170,16 1 Habitação Ponta Delgada - Lisboa 851 20061130 493.191,00 20061130 568.500,00 360.870,61

Comércio

1 Loja José Ricardo - Lisboa 233 20061130 108.488,00 20061130 128.400,00 87.190,39 1 Loja Rua Palma - Lisboa 565 20061130 578.025,00 20061130 610.600,00 568.456,79

Serviço

1 Escritório Ponta Delgada - Lisboa 2241 20061130 804.382,00 20061130 940.000,00 669.707,69 1 Fracção p/Armazém em Edifício Matinha - Lisboa 4500 20061130 5.098.120,00 20061130 5.850.000,00 5.447.918,38 1.4.2. Não Arrendadas

Habitação

1 Habitação - C.B.Pinh. 88 - Lisboa 87 20061130 88.800,00 20061130 102.764,00 37.246,11 1 Habitação Rua Palma - Lisboa 732 20061130 489.188,00 20061130 550.000,00 394.880,58 1 Habitação Ponta Delgada - Lisboa 130 20061130 144.216,00 20061130 170.000,00 140.458,24

TOTAL 8.441.300,37

NOTA 7 Discriminação da liquidez do Fundo.

(em euros) Contas Saldo Inicial Aumentos Reduções Saldo Final Depósitos à Ordem

Depósitos a Prazo

289.209,72 5.700.000,00

3.995.288,35 -

- 3.600.000,00

4.284.498,07 2.100.000,00

Total 5.989.209,72 3.995.288,35 3.600.000,00 6.384.498,07

(9)

NOTA 8

Valor das dívidas de cobrança duvidosa incluídas em cada uma das rubricas de devedores constantes no Balanço.

(em euros)

Conta Dev. P/Rendas

Vencidas

Outros Devedores

Soma Conta 412

Saldo Inicial 86.410,65 - 86.410,65

Aumento 45.854,73 - 45.854,73

Redução - - -

Saldo Final 132.265,38 - 132.265,38

NOTA 11

(em euros) Contas Saldo Inicial Aumento Redução Saldo Final 471 – Ajustamento para crédito vencido 84.337,94 - - 84.337,94

482 – Provisões para encargos 24.513,58 - - 24.513,58

NOTA 12

Os Impostos Retidos na Fonte aos Rendimentos do Fundo, conforme estabelecido no artigo 19º do Estatuto dos Benefícios Fiscais com a redacção dada pela Lei 75/93 de 20 de Dezembro, são os seguintes (em euros):

2006 2005

Imposto retido nas aplicações financeiras 32.423,41 17.087,34

O TÉCNICO DE CONTAS O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

Américo Jorge Pereira Abrantes Filipe Raimond da Silva Amado (Presidente)

(10)

Fernando Manuel Domingos Maximiano Nomeado por Caixa – Gestão de Activos, SGPS, SA

Jorge Fernando Alves Ferreira Guimarães

Paulo Alexandre Duarte Sousa

(11)

1. Nos termos do disposto na alínea c) do n.º 1 do artigo 8.º do Código dos Valores Mobiliários (CVM) e com a redacção actual do n.º 3 do artigo 31.º do Decreto-Lei n.º 60/2002, de 20 de Março, apresentamos o nosso Relatório de Auditoria sobre a informação financeira do exercício findo em 31 de Dezembro de 2006, do FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO BONANÇA I, gerido pela entidade gestora FUNDIMO - Sociedade Gestora de Fundos de Investimento, S.A., incluída no Relatório de Gestão, no Balanço (que evidencia um total de € 14 963 544 e um total de capital do fundo de € 14 745 458, incluindo um resultado líquido de € 483 526), na Demonstração dos Resultados por naturezas e na Demonstração dos Fluxos de Caixa do exercício findo naquela data e nos correspondentes Anexos.

RESPONSABILIDADES

2. É da responsabilidade do Conselho de Administração da entidade gestora FUNDIMO - - Sociedade Gestora de Fundos de Investimento, S.A.:

a) a preparação de demonstrações financeiras que apresentem de forma verdadeira e apropriada a posição financeira do fundo, o resultado das suas operações e os fluxos de caixa;

b) a preparação da informação financeira histórica, que seja preparada de acordo com os princípios contabilísticos geralmente aceites e que seja completa, verdadeira, actual, clara, objectiva e lícita, conforme exigido pelo CVM;

c) a adopção de políticas e critérios contabilísticos adequados, atentas as especificidades dos Fundos de Investimento Imobiliário;

d) a manutenção de um sistema de controlo interno apropriado; e

e) a informação de qualquer facto relevante que tenha influenciado a actividade do fundo, posição financeira ou resultados.

(12)

ÂMBITO

4. O exame a que procedemos foi efectuado de acordo com as Normas Técnicas e as Directrizes de Revisão/Auditoria emitidas pela Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, as quais exigem que o mesmo seja planeado e executado com o objectivo de obter um grau de segurança aceitável sobre se as demonstrações financeiras estão isentas de distorções materialmente relevantes. Para tanto o referido exame incluiu:

- a verificação, numa base de amostragem, do suporte das quantias e divulgações constantes das demonstrações financeiras e a avaliação das estimativas, baseadas em juízos e critérios definidos pelo Conselho de Administração, utilizadas na sua preparação;

- a verificação do adequado cumprimento do Regulamento de Gestão do fundo;

- a verificação da inscrição dos factos sujeitos a registo relativos aos imóveis do fundo;

- a verificação da adequada valorização dos valores do fundo;

- a verificação da não realização de qualquer operação vedada (particularmente as transacções entre diferentes fundos administrados pela mesma sociedade) e da realização de operações dependentes de autorização ou não oposição da CMVM nos termos e condições definidas na lei e respectiva regulamentação;

- a verificação do registo e controlo das operações de subscrição e resgate das unidades de participação do fundo;

- a verificação do ressarcimento e divulgação dos prejuízos causados por erros ocorridos no processo de valorização e divulgação do valor da unidade de participação ou na imputação das operações de subscrição e de resgate ao património do fundo nos termos e condições regularmente previstas;

- a verificação da aplicabilidade do princípio da continuidade;

- a apreciação sobre se é adequada, em termos gerais, a apresentação das demonstrações financeiras; e

(13)

6. Entendemos que o exame efectuado proporciona uma base aceitável para a expressão da nossa opinião.

OPINIÃO

7. Em nossa opinião, as demonstrações financeiras referidas no parágrafo 1 acima apresentam de forma verdadeira e apropriada, em todos os aspectos materialmente relevantes, a posição financeira do FUNDO DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO FECHADO BONANÇA I, gerido pela entidade gestora FUNDIMO - Sociedade Gestora de Fundos de Investimento, S.A., em 31 de Dezembro de 2006, o resultado das suas operações e os fluxos de caixa no exercício findo naquela data, em conformidade com os princípios contabilísticos geralmente aceites em Portugal para os fundos de investimento imobiliário e a informação nelas constante é completa, verdadeira, actual, clara, objectiva e lícita.

ÊNFASE

8. Sem afectar a opinião expressa no parágrafo anterior, queremos chamar a atenção para o facto de se verificar que, à data de 31/12/2006, não foi cumprido o estabelecido nas alíneas a) e d) do art.º 9 do Regulamento de Gestão, situação que se entende dada a política de desinvestimento do Fundo.

Porto, 20 de Fevereiro de 2007

SANTOS CARVALHO & ASSOCIADOS, SROC, S.A.

(14)

Ex.mos Senhores

1. O presente relatório é emitido nos termos do art.º 37.º n.º 1 do Decreto Lei n.º 294/95 e do art.º 52.º n.º 1 alínea a) do Decreto-Lei n.º 487/99, de 16 de Novembro.

2. Procedemos à revisão legal desse Fundo e ao exame das suas contas relativas ao exercício findo em 31 de Dezembro de 2006, de acordo com as Normas Técnicas aprovadas pela Ordem dos Revisores Oficiais de Contas e com a profundidade considerada necessária nas circunstâncias. Em consequência do exame efectuado, emitimos o Relatório de Auditoria das contas, com data de 20 de Fevereiro de 2007, cujo conteúdo se dá aqui como integralmente reproduzido.

3. De entre outros, executámos os seguintes procedimentos:

(1) Apreciação da adequação e consistência das políticas contabilísticas adoptadas pelo Fundo.

(2) Verificação da conformidade das demonstrações financeiras, que compreendem o Balanço, a Demonstração dos resultados por naturezas, a Demonstração dos Fluxos de Caixa e os respectivos Anexos, com as normas constantes do Regulamento n.º 2/2005, de 18 de Maio de 2005.

(3) Análise da informação financeira divulgada, tendo sido efectuados os testes substantivos seguintes, que consideramos adequados em função da materialidade dos valores envolvidos:

a) Análise e teste das reconciliações bancárias preparadas pela Sociedade Gestora do Fundo;

b) Análise aos movimentos ocorridos nas rubricas do Balanço, por forma a verificar se as mesmas estão em conformidade com as disposições legais em vigor;

(15)

pela Entidade Gestora, a dois avaliadores idóneos, e que dão suporte e credibilidade aos valores por que estão registados na contabilidade.

(4) Solicitação da Declaração do Órgão de Gestão, a qual foi obtida da Sociedade Gestora do Fundo.

4. Em consequência do trabalho efectuado, e para além dos aspectos referidos no Relatório de Auditoria das contas, datado de 20 de Fevereiro de 2007, entendemos dever acrescentar que apreciámos a conformidade do relatório da Sociedade Gestora do Fundo com as contas do exercício, o qual considerámos que satisfaz os requisitos legais.

Porto, 20 de Fevereiro de 2007

SANTOS CARVALHO & ASSOCIADOS, SROC, S.A.

representada por

________________________________________________

(Armando Luís Vieira de Magalhães, R.O.C. n.º 676)

Imagem

Referências

temas relacionados :