Hermenêutica O termo hermenêutica provém do verbo grego hermeneuein e significa declarar, anunciar, interpretar, esclarecer e, por último, traduzir.

15 

Loading.... (view fulltext now)

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Texto

(1)
(2)

AULA 2

(3)

Hermenêutica

O termo “hermenêutica” provém do verbo

grego “hermeneuein” e significa “declarar”,

“anunciar”, “interpretar”, “esclarecer” e,

por último, “traduzir”. Significa que alguma

coisa é “tornada compreensível” ou “levada

à compreensão”.

(4)

 Exegese

É a interpretação profunda de um texto bíblico, jurídico ou literário. A exegese como todo saber, tem práticas implícitas e intuitivas. A tarefa da exegese dos textos sagrados da Bíblia tem uma prioridade e anterioridade em relação a outros textos. Isto é, os textos sagrados são os primeiros dos quais se ocuparam os exegetas na tarefa de interpretar e dar seu significado. A palavra exegese deriva do grego exegeomai, exegesis; ex tem o sentido de ex-trair, ex-ternar, ex-teriorizar, ex-por; quer dizer, no caso, conduzir, guiar. Ex.: Daniel faz a exegese das palavras escritas na parede em Dn 5.25-28. A Exegese Bíblica aplica-se na correta interpretação dos manuscritos sagrados, tendo como princípio básico a correta interpretação de uma palavra a partir da língua original em que a mesma foi escrita, abrangendo inúmeras vertentes e variantes de uma mesma palavra em seus variados sentidos e aplicação.

(5)

 Eisegese

Por eisegese, compreendermos todo movimento feito a partir de um texto bíblico, indo na direção contrária da proposta pela exegese. Em outras palavras, se a exegese dedica-se a revelar ao leitor o que o texto diz, extraindo dele, o texto, seu significado original, a eisesege, por sua vez, dedica-se a indedica-serir no texto algum significado que o leitor acha que este possui, ou meramente quer que possua. Mas a Bíblia diz “À lei e ao testemunho! Se eles não falarem desta maneira, jamais verão a alva”, em Is 8.20 (ARA). Na exegese o leitor extrai da Bíblia o sentido pretendido pelo autor enquanto na eisegese, o leitor injeta na Bíblia o sentido que ele considera ser o correto. Enquanto a exegese busca o sentido real do texto, a eisegese infere no texto um significado já pré-concebido pelo intérprete. É a ferramenta mais utilizada por seitas para criarem heresias. Lembre-se: eXegese eXtrai, eIsegese Introduz.

(6)
(7)
(8)

Crendo que a Bíblia é a Palavra de Deus: 1Tm

3.16, 17;

Orando e meditando: Sl 1 e 119.15;

Lendo repetidamente o texto: Fp 3.1;

Respeitando a literalidade do texto, exceto

se o mesmo assim o permitir: Is 8.20;

Respeitando suas próprias limitações: Pv 3.5

e Jr 9.23, 24;

(9)

 Negligenciando o texto

 Não lendo o suficiente para entender o que o texto

realmente diz;

 Lendo-o com desinteresse, desatenção;  Desrespeitando o texto

 Deturpação: atribuindo ao texto aquilo que ele não

diz, ex.: Jr 28;

 Adição: colocando palavras no texto que não estão lá,

ex.: Pv 30.6 e Ap 22.18;

 Omissão: suprimindo palavras do texto, seja por não

entendê-las, seja por não gostar do que o texto diz, ex.: Jr 23.30 e Ap 22.18;

 Superestimando sua própria capacidade de

interpretação. Ex: Moisés estava certo de que seria o libertador do povo, mas errou o tempo e a forma que o Senhor faria isso por meio dele, em At 7.22-27.

(10)

Comparando passagens paralelas em versões

diferentes; - Mesma passagem em Almeida

Corrigida e Atualizada, p. ex. com o intuito de

expandir o texto com palavras diferentes, mas

com mesmo sentido;

Contextualizando a passagem bíblica;

Historicamente: quando aconteceu e em que

circunstâncias, possíveis causas;

Geograficamente: onde ocorreu e no meio de

qual povo ou cultura, possíveis influências.

(11)

 À realidade dos ouvintes: situações específicas que ocorrem

com pessoas da comunidade ou fatos bem conhecidos da audiência, demonstrando como o texto bíblico pode ser útil ao ouvinte;

 Às situações cotidianas: eventos genéricos que podem acontecer

com qualquer pessoa ou e qualquer lugar, servindo o texto bíblico de orientação no proceder.

 Por meio de analogias (sinonímia)

Substituindo palavras por outras com significado semelhante, para enriquecer a interpretação;

 Por meio de antíteses (antinonímia)

Substituindo palavras por seus antônimos (palavras contrárias), para descobrir o que o texto proíbe ou censura;

 Por meio de omissões (palavras não ditas – esse recurso deve ser

usado com cautela, pois pode levar a interpretações equivocadas)

 Refletir sobre aquilo que o texto deixa de mencionar, tentando

(12)

Texto: Tiago 5.16b “A oração de um justo

pode muito em seus efeitos”.

Ler em versões diferentes para expandir o

entendimento:

ARC: a oração feita por um justo pode muito

em seus efeitos.

ARA: Muito pode, por sua eficácia, a súplica

do justo.

(13)

 Explorar o contexto histórico-geográfico da época de Tiago,

procurando entender o texto como se fosse seu contemporâneo, demonstrando que os crentes da época tinham poucas opções de justiça, amparo à saúde e segurança, mas recorriam à oração constantemente. Se orar não desse resultado, por que continuariam a orar e incentivar os outros a tal? Contextualizar é o mesmo que aproximar os ouvintes do texto;

 Aplicar o texto à realidade dos ouvintes, ou seja,

aproximando o texto dos ouvintes, tornando-o fácil de ser assimilado, e a melhor forma de fazer isso é por meio de ilustrações, tal como Jesus fazia utilizando-se das parábolas, como a do semeador, por exemplo;

 Explorar os sinônimos de oração: súplica (pedir com

humildade, reverência), clamor (gritar);

 justo: justificado, íntegro, sem folgas (apertado). Esse

recurso deve obedecer o seguinte: identificar o pré-requisito (oração), verificar o atendimento a esse pré-requisito (orar) e o resultado esperado (resposta), ou seja: fez como o texto diz, espere o resultado que ele promete;

(14)

 Explorar os antônimos de oração: exigência, irreverência

(arrogância), ordem;

 justo: injusto, faltante, folgado. Esse recurso expressa o

seguinte entendimento: identificar o pré-requisito (oração), demonstre o não-atendimento a esse requisito (não orar) e revele o resultado inesperado (sem resposta ou resposta contrária), ou seja: faça o contrário do que o texto diz, e colha as conseqüências dessa desobediência, que é o contrário do que foi prometido.

 Omissões do texto, que é um recurso que nem todo texto

aceita e deve ser usado com discernimento e cautela.

Exemplo: por que a oração de apenas UM (01) justo produz efeito? Jesus não prometeu estar no meio de dois (02) ou três (03) em Seu nome, então por que não dois ou três justos deveriam orar? Será que é porque a oração é tão poderosa que apenas UM já consegue fazer diferença? Veja os exemplos de orações solitárias que mudaram a história: Abraão e Sodoma, Elias e os profetas de Baal, Ezequiel e os ossos secos, e de Davi e Golias.

(15)

Interpretar o texto ou passagem bíblica corretamente

é um dever de todo líder à frente do rebanho, não

apenas para prover um crescimento sadio das ovelhas

como para vaciná-los de heresias e falsas doutrinas

que proliferam no universo religioso, para o qual a

maioria não está preparada. Além disso, o obreiro

deve saber interpretar a Bíblia corretamente para que

sua vida seja moldada à vontade de Deus, e essa

vontade seja aplicada às situações cotidianas e

orientando suas decisões nas mais diversas áreas.

Grandes

heresias

surgiram

por

pessoas

bem-intencionadas que interpretaram mal a Palavra de

Deus, e a ensinaram como se fosse uma revelação dos

céus.

Imagem

Referências

temas relacionados :