• Nenhum resultado encontrado

ALEXANDRE MARTINS DOS ANJOS

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "ALEXANDRE MARTINS DOS ANJOS"

Copied!
29
0
0

Texto

(1)

ALEXANDRE MARTINS DOS ANJOS

RELATÓRIO FINAL DO PROJETO:

PLATAFORMAS DE RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS

(REA) E MASSIVE OPEN ONLINE COURSES (MOOC) NO

CONTEXTO DE INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE EDUCAÇÃO

SUPERIOR

Professor Dr. Alexandre M. dos Anjos

Cuiabá - MT

2017

(2)

1. INTRODUÇÃO E JUSTIFICATIVA

O uso de Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVA) em cenários educacionais, tem

despontado como um recurso possível para se atingir novos preceitos educacionais de caráter

inovador e criativo, uma vez que perpassa às diversas dimensões pedagógicas, tais como a

didática e a aprendizagem.

Os AVA promovem contributos significativos para a educação, na medida em que em

dinamizam o processo de ensinar e aprender, e ainda visam possibilitar o desenvolvimento de

diversas habilidades no espaço virtual.

Com a evolução da internet, aplicações de tecnologias de Realidade Virtual e de

gestão de conhecimento em banco de dados, incorporadas a diversos tipos de ambientes, em

especial aos AVA, é perceptível que tais recursos têm sido, frequentemente, utilizados como

alternativas para o processo de mediação educacional.

Entre um dos mais populares AVA do Brasil, encontra-se o que fora adotado pela

Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), o Moodle – software livre e de apoio à

aprendizagem – que, em alguns contextos, é executado como um AVA para atendimento das

modalidades de educação presencial e a distância.

A instituição utiliza o Moodle nos processos de educação presencial, por meio de um

trabalho desenvolvido no período de 2012 a 2016. A Secretaria de Tecnologia da Informação

da UFMT desenvolveu ações e atividades de modo intenso para integrar o AVA aos sistemas

acadêmicos da instituição. Atualmente todos os cursos de graduação tem a prerrogativa de

acesso ao AVA de modo integrado com o sistema acadêmico, sendo possível desenvolver o

plano de ensino, lançar notas, trabalhar com repositórios de materiais e utilizar-se de mídias e

recursos eletrônicos para desenvolver estratégias de ensino aprendizagem no contexto da

Universidade.

Ademais, a UFMT desenvolve parcerias com outras instituições para a oferta de

cursos virtuais. Pode-se citar como parceiro da UFMT e deste projeto de pesquisa, o Tribunal

de Contas do Estado de Mato Grosso (TCE-MT), que é um dos apoiadores desse objeto, e que

poderá reverter-se em inovação tecnológica para os cursos que são desenvolvidos para o TCE

em parceria com a Secretaria de Tecnologia Educacional (SETEC) – UFMT.

Desse modo, atividades de pesquisas inerentes a estudos e customizações de

ambienteis virtuais e suas inovações tecnológicas, situam-se como ações apoiadas pelo

TCE-MT, de modo articulado com a SETEC/UFTCE-MT, sendo que esse contexto de ações conjuntivas

entre as instituições, propicia à UFMT conhecimentos e saberes por meio desta pesquisa

(3)

proposta, como ainda, possibilita incrementos e melhorias nas soluções tecnológicas

existentes atualmente na UFMT.

Assim, ao passo em que os AVA são incorporados a cultura das instituições

educacionais, observa-se também o surgimento de novos desafios, como o extenso acervo

digital que é gerado por processos de aprendizagem online e novos formatos de cursos que

são disponibilizados em diferentes tipos de plataformas virtuais voltadas para o ensino e

aprendizagem.

Nesse cenário, o presente projeto é elaborado com o objetivo de investigar as

concepções e estado da arte em plataformas de Recursos Educacionais Abertos (REA) e

Massive Open Online Courses (MOOC) no contexto de instituições públicas de educação

superior, conforme objetivos delineados nas próximas seções.

2.

OBJETIVO

Investigar as concepções e estado da arte em plataformas de Recursos Educacionais

Abertos (REA) e Massive Open Online Courses (MOOC) no contexto de instituições públicas

de educação superior.

Para o alcance do objetivo proposto, pretende-se desenvolver a execução de um plano

de trabalho contemplando os seguintes objetivos específicos:

i)

Investigar as diferentes concepções sobre REA e MOOC disponíveis na

literatura;

ii)

Analisar plataformas MOOC e repositórios para REA disponíveis para

instituições públicas (gratuitas e aberta);

iii)

Verificar o estado da arte em plataformas de MOOC e repositórios de REA;

iv)

Desenvolver estudo de caso “in loco” em instituições nacionais ou

internacionais que possuem experiências com tecnologias educacionais;

v)

Customizar ou desenvolver plataformas de MOOC ou repositórios de REA de

modo articulado com um estudo de Ambientes Virtuais de Aprendizagem

bidimensionais ou tridimensionais (Realidade Virtual).

(4)

3. METODOLOGIA E INFRAESTRUTURA LABORATORIAL

Foi disponibilizado para o trabalho em questão a infraestrutura tecnológica da

SETEC/UFMT. Para tal, vale dizer que a SETEC conta com laboratórios de produção

multimídia e audiovisual, estúdios, auditórios e sistemas de vídeo conferência.

Pesquisas poderão ser realizadas também nos laboratórios do Instituto de Educação,

em conjunto com as equipes do LêTece e da SETEC/UFMT. Com isso, será constituído um

plano de trabalho contemplando os itens apresentados nesse projeto com base nos seguintes

pilares/eixos e métodos de investigação:

i)

Inicialmente serão realizados estudos exploratórios para compreensão de temas

envolvendo a discussão de Tecnologias Educacionais e em especial, REA e

MOOC, por meio de revisões bibliográficas. Para esse propósito, pretende-se

desenvolver uma sequência de seminários, com encontros presenciais e no

mínimo, um dia da semana na área destinada a tecnologia educacional na

SETEC;

ii)

Serão desenvolvidos também, estudos de Revisão Sistemática (RS) com o

objetivo de analisar o estado da arte em materiais desenvolvidos no campo dos

repositórios educacionais e cursos massivos online. A justificativa de utilização

do método de RS, é poder utilizar-se de técnica e instrumentos avançados de

recuperação de informações na grande rede mundial de computadores (portal

de periódicos da CAPES, google acadêmico e revistas eletrônicas

especializadas) provendo um processo de gestão e monitoramento eficiente na

auditoria das atividades de pesquisa acerca do objeto de investigação, que será

compartilhado com diferentes pesquisadores. A ideia é manter o registro em

um banco de dados compartilhado, acerca do que os membros estão

investigando, sem perder o controle do processo das informações sobre o

estado da arte que é desenvolvido de forma colaborativa, e, ao mesmo tempo,

evitando a redundância de trabalho de pesquisa, especialmente quando se

observa diferentes pessoas ou equipes trabalhando no mesmo objeto de

investigação;

iii)

Pretende-se também, desenvolver estudo de caso sobre objeto investigado.

Para isso, na medida em que o estado da arte identificar centros de excelência

na área objeto de investigação, será elaborado um roteiro de visita técnica a

essas instituições. A partir disso, desenvolver um plano de trabalho para visitas

(5)

ou estágio nessas instituições, de modo a conhecer a tecnologia que utilizam e

coletar as experiências que podem contribuir para os estudos do presente

projeto;

iv)

Pesquisa quantitativa também será utilizada, a partir de elaboração de

instrumentos específicos, no qual será desenvolvido um levantamento de dados

sobre as principais ferramentas eletrônicas utilizadas por instituições públicas

nessa área. Esse levantamento permitirá conhecer e categorizar ferramentas

eletrônicas utilizadas por Instituições Públicas de Educação superior;

v)

Estudos qualitativos também serão utilizados em procedimentos de entrevistas,

análise de informações levantadas, visitas técnica e estágio in loco nas

instituições que possuem excelência nesse campo de conhecimento.

vi)

Quando os ambientes ou plataformas em estudo envolverem análise de

aquisição de conhecimentos ou Realidade Virtual, pretende-se utilizar métodos

criados nas teses de doutorado de Nunes (2014) e Anjos (2014). Utilizando-se

a integração de AVA com sistemas de Realidade Virtual (RV). A infraestrutura

dos laboratórios da SETEC é atualmente dotada de tecnologias inovadoras que

podem auxiliar em experimentos com técnicas de captura de dados sobre

processos de aprendizagem, incluindo tecnologias para captura de movimentos

em Realidade Virtual e Ampliada. Além disso, será possível contar com

dispositivos hápticos, de Realidade Virtual, adquiridos para o apoio de captura

e estudo de movimentos, softwares de análise de interação de ambientes

virtuais e, framework para simulação de corpo humano em conjunto com o

sistema de mundos virtuais implementado nas teses de Anjos (2014) e Nunes

(2014).

(6)

4. RESULTADOS DO PROJETO DE PESQUISA.

O projeto de pesquisa foi realizado no período de 09/05/2017 a 30/04/2019, consolidando resultados em duas etapas a seguir:

Em uma PRIMEIRA ETAPA - compreendendo o período de 09/05/2017 a 06/04/2018, foram alcançados os resultados, homologado previamente no primeiro relatório parcial:

4.1 - Realização de estudos exploratórios para compreensão de temas envolvendo a discussão de Tecnologias Educacionais e, em especial, REA e MOOC, por meio de revisões

bibliográficas.

Como metodologia de estudos o projeto iniciou com o estabelecimento de um cronograma de reuniões semanais e uma agenda de estudos/apresentação de trabalhos.

Essas reuniões aconteceram mensalmente nas dependências da Secretaria de Tecnologia Educacional da UFMT e durante eventos relacionados á área investigada.

A partir dos temas eleitos, os pesquisadores se subdividiram nos seguintes grupos de trabalho:

- MOOCs – fundamentos e concepções - REAS – fundamentos e concepções - Plataformas MOOCs

- Plataformas REAS

O grupo de pesquisa contou com a participação também de convidados externos. No mês de setembro de 2017, foi realizada uma oficina com o especialista do Instituto Brasileiro de Ciência e Tecnologia (IBICT) - Ronnie Fagundes de Brito sobre repositórios de cursos, com foco em ferramentas como Dspace e as alternativas orientadas pelo Public Knowledge Project, (https://pkp.sfu.ca/) que muito contribuiu com o conhecimento de alternativas em repositórios institucionais. Houve também participação das equipes de pesquisa na organização e apresentação de trabalhos dos XIV e XV Congresso Brasileiro de Ensino Superior a Distância (Esud) e o III e IV Congresso Internacional de Educação Superior a Distância (CIESUD).

Os eventos são realizados pela Associação Universidade em Rede (UniRede). Maiores informações podem ser obtidas nos sites – Ano de 2018: https://esud2018.ufrn.br/ e Ano de 2017: https://esud2017.furg.br/.

(7)

Após a etapa de estudos exploratórios, foram conduzidos 4 protocolos de Revisão Sistemática por cada grupo de trabalho, conforme resultados a serem apresentados nos próximos parágrafos.

4.2 – Participação como professor responsável do seminário temático – LêTece, do programa

de pós-graduação em educação do instituto de educação, ministrando palestras com a temática de REA e MOOC.

Para atingir esses objetivos foram realizados estudos, seminários e apresentações que aconteceram em reuniões mensais realizadas com as equipes de pesquisadores.

Um dos eventos de extrema importância para a compreensão sobre Recursos Educacionais Abertos e Cursos Massivos Online, foi realizado em parceria com o Programa de Pós-graduação em Educação no Seminário temático intitulado: “Ensino Médio: São Paulo e Mato

Grosso – Recursos Educacionais Abertos” – realizado na Universidade Federal de Mato

Grosso no dia 24 de abril do ano de 2018.

No seminário foi possível discutir aspectos relacionados ao Estado da Arte em plataformas de recursos educacionais abertos e de Cursos Massivos Online, momento em que participaram os integrantes do projeto de pesquisa e a comunidade de pesquisadores da UFMT.

Foi realizado também em parceria com o Instituto de Educação da UFMT – Programa de Pós-Graduação, um seminário temático internacional intitulado: “Multiculturalidade, Gestão e

Formação Online”, momento em que participaram os integrantes do projeto de pesquisa e a

comunidade de pesquisadores da UFMT e professores visitantes da Universidade Aberta de Tokay e Universidade Aberta do Japão.

Para além da compreensão de ambientes de formação online em uma perspectiva multicultural, foram realizadas visitas técnicas a Universidade Aberta do Japão, momento em que houveram reuniões, debates com a finalidade de discutir possíveis programas e projetos de formação online entre a UFMT e a aquelas instituições.

A certificação dos dois seminários realizados, encontram-se anexas aos arquivos submetidos no sistema de gestão de projetos de pesquisa da Pró-reitoria de Pesquisa – UFMT.

(8)

4.3 -Customização de plataforma e espaço para gestão de materiais originados a partir dos encontros semanais, com a finalidade de aprimorar a área destinada a tecnologia educacional na Secretaria de Tecnologia Educacional da UFMT

Para o fiel cumprimento das atividades inerentes ao projeto de pesquisa, se fez necessário organizar uma agenda periódica de encontros e reuniões semanais entre os colaboradores do projeto, com o objetivo de socializar resultados, definir novas atividades, compartilhar conhecimentos, bem como definir novas entregas. Para isso, o grupo de trabalho teve à disposição uma sala de pesquisa, equipada com computadores e softwares especializados, a qual possibilitou os encontros semanais do grupo, como ainda desenvolvimento de ações técnicas no tocante aos estudos e customizações das plataformas online.

Ademais, um ambiente virtual foi customizado, com o propósito de convergir os materiais de estudos localizados e estratificados, com permissão de livre acesso e esses conteúdos para os colaboradores do grupo, o que propiciou maior dinamicidade no percurso da pesquisa. Esse ambiente virtual encontra-se disponível no endereço: https://portal.setec.ufmt.br/escola/

Figura 1 – Interface do ambiente customizado para o projeto.

O ambiente foi utilizado como ferramenta de gestão do projeto de pesquisa, bem como espaço para fóruns e debates, postagem de materiais e vídeos sobre os temas de pesquisa.

4.4 - Realização de atividades de planejamento, condução e extração de Revisão Sistemática

(RS); estudos sobre a técnica de pesquisa; socialização com o grupo de estudo; pesquisa sobre softwares especializados em RS, definições do protocolo de RS, instalação e configuração de software para RS, início da coleta de dados.

(9)

Foram realizadas várias reuniões com o grupo de pesquisa com a finalidade estudos e orientação sobre o processo de Revisão Sistemática.

Entre os processos de estudos e orientações, houve destaque para unidades temáticas pontuais, tais como: o que é Revisão Sistemática? Quais são seus objetivos e características? Como surge? Processos, critérios de inclusão e exclusão, Fases e Procedimentos, Protocolo de Revisão, Métodos de buscas e seleção, Procedimentos de Seleção, Extração e de Análise. Nestas reuniões também foram definidos os membros de cada grupo e o tema a ser

pesquisado, bem como:

a) Definições do protocolo de revisão para início da coleta de dados

b) Implementação do protocolo na ferramenta Start e geração de arquivos de dados c) Condução – leitura e estratificação (apenas resumo quando o artigo for grande) d) Elaboração do formulário de estratificação (variáveis).

e) Definição dos campos candidatos a estratificação.

f) Início da organização dos dados coletados, afim de se investigar o estado da arte sobre concepções e plataformas de REAs e MOOCS

Para auxiliar na realização das pesquisas, foram considerados os seguintes softwares gerenciadores de revisão sistemática de literatura: StArt, Covidence e DistillerSR.

A ferramenta Covidence, ligada à organização internacional de pesquisadores da área da saúde Cochrane, e a ferramenta DistillerSR, criada pela companhia canadense Evidence Partners, apresentam limitações nas suas versões de demonstração, como recursos de colaboração indisponíveis e limite no número de colaboradores de uma mesma revisão sistemática.

A ferramenta StArt, desenvolvida pelo Laboratório de Pesquisa em Engenharia de Software da Universidade Federal de São Carlos foi a escolhida por ser gratuita, estar em português e ser muito utilizada por pesquisadores brasileiros, contando com atualizações e correções feitas pela própria equipe da UFSCar. Possui interface contendo todas as etapas necessárias para realização da revisão, como listas dos artigos separados por bases, gerenciamento dos artigos pesquisados, classificação dos arquivos e geração de relatório contendo o protocolo e as estatísticas da revisão sistemática.

(10)

Participaram das reuniões do grupo LabTera Alexandre Martins dos Anjos, Rosana Abutakka, Lídia Martins da Silva, Fátima Pires, Cláudia Moreira, Rafael Almeida, Juber Marrafão, Tatiane Hirata, Evaldo Klock, Wesley, Bruno Abdalla e Wellington Sales.

Para investigar as definições sobre Recursos Educacionais Abertos e Curso Massivos Online foram implementados dois protocolos de Revisão Sistemática, conforme publicado no endereço eletrônico http://www.setec.ufmt.br/pesquisa

Todo o processo foi conduzido por meio da ferramenta Start (Ver ilustração na Figura 2 abaixo), que permite para além das atividades de planejamento, um processo de condução da revisão e estratificação, por meio do cadastro de artigos coletados em base de dados e chaves de busca (Strings) em diferentes etapas.

Figura 2 – Ferramenta Start utilizada no processo de revisão sistemática.

No endereço eletrônico http://setec.ufmt.br/pesquisa, é possível observar os arquivos resultantes do processo de Revisão Sistemática, compilando análises de 3 protocolos distintos. Os resultados do processo de revisão possibilitaram as equipes da SETEC conhecer melhor sobre as plataformas disponíveis no mercado para utilização enquanto repositórios de informação e ambientes para a oferta de cursos massivos online.

Com os resultados do processo de revisão sistemática, para além da compreensão sobre as concepções e definições da área, foi possível também compreender as principais ferramentas eletrônicas utilizadas por instituições públicas nessa área e possíveis soluções educacionais, quando se observou para além de concepções, um detalhado processo de

(11)

Revisão Sistemática sobre plataformas de REAS e MOOCS, conforme 4 estudos enunciados a seguir:

a) PROTOCOLO 1: ESTUDO DE CONCEPÇÕES E O ESTADO DA ARTE EM RECURSOS

EDUCACIONAIS ABERTOS – Protocolo de RS realizado com o Objetivo e Investigar as

definições de REAs existentes na literatura.

Para isso, houve a formulação da seguinte questão de Pesquisa: “Quais as diferentes concepções/definições sobre REAs estão disponíveis na literatura no período de 2104 a 2018 e quais os pontos de divergência e convergência entre os autores”

Como critérios de inclusão de artigos optou-se por 1 - Artigos científicos que tenham conceitos/definições de REAs; 2 - Artigos com comparações conceituais entre diferentes autores. Foram excluídos artigos com os seguintes critérios: 1- Trabalhos ou Artigos que não traz conceitos sobre REA; 2 - Artigos duplicados na mesma base; 3 - Artigo já encontrado e considerado para análise em outra base; 4- Matérias de jornais, blogs e revistas não científicos, resumos, folders; 5- Artigos com 6 anos ou mais de publicação. 6 - Artigos não encontrados para baixar/pago e 7 - Artigo com idioma diferente do definido no protocolo (português e inglês).

b) PROTOCOLO 2: ESTUDO DE PLATAFORMAS DE RECURSOS EDUCACIONAIS ABERTOS – Protocolo estabelecido com objetivo de investigar quais são plataformas utilizadas para REAS no contexto das instituições de ensino superior. Para isso, houve a formulação da seguinte questão de Pesquisa: Quais são plataformas utilizadas para REAS no contexto das instituições de ensino superior?

Como critérios de exclusão optou-se por: 1 - Trabalhos que apresentam comparações e/ou relatos de experiências com a utilização de plataformas de REAS e como critérios de exclusão: 1 - Trabalhos ou Artigos que não apresentam comparações e/ou relatos de experiências com a utilização de plataformas de REAS; 2 - Matérias de jornais e revistas não científicos; e Trabalhos ou artigos que não estejam na língua portuguesa ou inglesa.

c) PROTOCOLO 3: ESTUDO DE CONCEPÇÕES E O ESTADO DA ARTE EM CURSOS MASSIVOS

ONLINE – Protocolo de RS realizado com o Objetivo e Investigar as definições de MOOCs

(12)

Para isso, houve a formulação da seguinte questão de Pesquisa: “Quais as diferentes concepções/definições sobre MOOCs estão disponíveis na literatura no período de 2104 a 2018 e quais os pontos de divergência e convergência entre os autores”

Como critérios de inclusão de artigos optou-se por 1 - Artigos científicos que tenham conceitos/definições de MOOCs; 2 - Artigos com comparações conceituais entre diferentes autores. Foram excluídos artigos com os seguintes critérios: 1- Trabalhos ou Artigos que não traz conceitos sobre MOOCs; 2 - Artigos duplicados na mesma base; 3 - Artigo já encontrado e considerado para análise em outra base; 4- Matérias de jornais, blogs e revistas não científicos, resumos, folders; 5- Artigos com 6 anos ou mais de publicação. 6 - Artigos não encontrados para baixar/pago e 7 - Artigo com idioma diferente do definido no protocolo (português e inglês).

d) PROTOCOLO 4: ESTUDO SOBRE PLATAFORMAS DE RECURSOS MOOCs – Protocolo estabelecido com objetivo de investigar quais são plataformas utilizadas para MOOCs no contexto das instituições de ensino superior. Para isso, houve a formulação da seguinte questão de Pesquisa: Quais são plataformas utilizadas para MOOCs no contexto das instituições de ensino superior?

Como critérios de exclusão optou-se por: 1 - Trabalhos que apresentam comparações e/ou relatos de experiências com a utilização de plataformas de MOOCs e como critérios de exclusão: 1 - Trabalhos ou Artigos que não apresentam comparações e/ou relatos de experiências com a utilização de plataformas de MOOCs; 2 - Matérias de jornais e revistas não científicos; e Trabalhos ou artigos que não estejam na língua portuguesa ou inglesa.

Uma SEGUNDA ETAPA – compreendendo o período de 06/04/2018 a 30/04/2019, foram possíveis os seguintes resultados adicionais:

4.5 – Desenvolvimento de estudo de caso sobre objeto investigado – visita técnica em instituições de modo a conhecer a tecnologia que utilizam e coletar as experiências que podem contribuir para os estudos do presente projeto.

a) Experiência - Escola de Contas do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso – Customização de AVAs convencionais (Moodle) para a utilização em estratégias de formação online massiva:

(13)

De maneira articulada com TCE-MT, reuniões e visitas técnicas foram realizadas, com intento de conhecer as tecnologias utilizadas pela instituição, como ainda conhecer suas experiências vivenciadas concernentes às práticas de capacitação e formação por intermédios de plataformas online e demais tecnologias adjacentes. Essa troca de experiência entre o TCE e os colaboradores da UFMT, valorou ainda mais a pesquisa ao vislumbrar novas perspectivas de incremento de tecnologias inovadoras, como potenciais para uma educação aberta. A imagem a seguir ilustra uma das visitas/reuniões entre as equipes de pesquisadores da UFMT e do TCE.

Fotografia 1 – Reunião com as equipes pedagógicas da Escola Superior de Contas/TCE - MT

b) Experiência com a Universidade Aberta do Japão – UAJ - Customização de Plataformas convencionais para ambientes de formação multicultural online – Parceria Brasil – Japão.

No computo das atividades de pesquisa, é salutar ainda evidenciar o desenvolvimento do AVA Multicultural Basil/Japão, cuja tecnologia desenvolvida pelos colaboradores da pesquisa.

Entre os meses de abril a maio de 2018, foram realizadas visitas técnicas a Universidade Aberta do Japão (UAJ) e Universidade de Tokai de professores do LêteCê - UFMT – Professor Dr. Alexandre M. dos Anjos – IE/UFMT e Professora Dra Kátia Morosov Alonso. Na ocasião foi possível conhecer os ambientes de produção de cursos abertos da UAJ, e em especial, a oferta de cursos pela modalidade aberta, quando se considera a facilidade dos alunos escolherem a modalidade educacional – plataformas online, aulas presenciais, por correio (material impresso) e por vídeo, e ao final, comprovar o seu conhecimento por meio de um programa estruturado de ensino.

(14)

Durante a visita técnica, foi firmado um acordo de cooperação técnica entre a UAJ e a UFMT, o que possibilitou a oferta em parceria de um curso de formação multicultural, envolvendo alunos da comunidade brasileira e japonesa.

Para essa experiência, foi necessário um trabalho de customização no AVA Moodle, de forma a possibilitar incremento de uma plataforma multicultural que convergiu três idiomas de modo simultâneo, o português, o inglês e o japonês. Nesse ambiente, recursos, atividades e conteúdos foram disponibilizados nos respectivos idiomas de modo dinâmico, sendo que o usuário possuía a prerrogativa de selecionar aquele idioma mais adequado para à sua realidade (endereço do AVA: https://setec.ufmt.br/ava/extensao/japao2/). Vale destacar que essa ação resultou na compilação de dados que geraram informações estratificadas passíveis de análise para posterior pesquisa, e estão disponíveis no endereço:

https://app.powerbi.com/view?r=eyJrIjoiODJmYzZlZWEtNDliOC00Yzg5LWE4ZTUtNWFjY mNlNWY5MWQzIiwidCI6ImE5NWQwZDIyLTQwMmYtNGNjNy1iNTIwLTUzMjk1OWRjOGY zMCJ9.

(15)

Para além da plataforma, observa-se a produção de material didático em 3 idiomas, possibilitando que cursistas japoneses, brasileiros e falantes de língua inglesa pudessem participar do curso. Resultados detalhados do projeto, podem ser encontrados em http://www.setec.br/pesquisa.

4.6 Customização ou adequação de plataformas de MOOC ou repositórios de REA.

a) Adequação de Plataforma MOODLE para simulação de ambientes para a oferta de cursos em EaD para ambientes com recursos voltados para Cursos Massivos Online.

Grande parte dos cursos ofertados pela Universidade Federal de Mato Grosso, por meio da modalidade a distância, contavam até a presente iniciativa de pesquisa, com AVAs convencionais, e em grande parte o AVA MOODLE.

A partir da pesquisa sobre plataformas de MOOCs, e recursos automatizados, as equipes definiram objetivos de customização de ferramentas automatizadas, para prestar melhor apoio aos cursistas independente do processo de intervenção humana (tutoria).

Nesse sentido, foi desenvolvido um trabalho de customização do Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso, que se consolidou pelo incremento de funcionalidades inovadoras no tocante a disponibilização de conteúdo, elementos de gamificação, formulário de avaliação de curso, e módulo de acessibilidade, sendo esses feitos realizados pelos colaboradores partícipes do projeto de pesquisam, conforme ilustra-se nas figuras abaixo:

Na sequência seguem algumas imagens desse ambiente virtual, sendo seu endereço de acesso: https://ead.tce.mt.gov.br/ - tela inicial do AVA MOODLE adaptado para novas funcionalidades comuns em plataformas de MOOCs.

(16)

Figura 4 – Plataforma MOODLE customizada para cursos online – parceria TCE - UFMT

Na interface a seguir, observa-se a customização de uma sala de aula virtual, com sequenciamento de lições, tarefas e atividades automatizadas, muito comuns em cursos massivos online.

Figura 5 – Ambiente de formação online (Sala de aula virtual customizada) – parceria

(17)

Uma das ações mais importantes no processo de customização, foi o desenvolvimento de ferramentas inteligente para apoio ao processo de avaliação dos cursistas e de acessibilidade.

A automatização de parâmetros de avaliação foi resultado de um processo de discussão junto com as equipes do TCE, que permitiram maior agilidade na análise do desempenho dos cursistas do AVA adaptado, a partir de diretrizes previamente delineadas com as equipes pedagógicas da UFMT e do TCE. A seguir, apresentamos ilustrações na interface de avaliação automatizada e da interface com recursos de acessibilidade.

Figura 6 – Formulário de avaliação online – integrado no AVA convencional – parceria

(18)

Figura 7 – Módulo de acessibilidade – parceria UFMT-TCE

b) Customização de um repositório institucional – REA/RI – UFMT

Resultante dos processos de Revisão Sistemática, as equipes de pesquisa selecionaram uma ferramenta para atender a formatação de um repositório de informações institucional.

Uma vez que as equipes compreenderam a concepção de Recursos Educacionais Abertos, houve a necessidade de customizar um repositório que não fosse necessariamente para recursos abertos e sim, houvesse a possibilidade para armazenar arquivos e trabalhos para além dos formatos abertos.

A justificativa para essa ação, foi quando se observou que o acervo institucional, embora produzido com recursos públicos, nem sempre apresenta termos de licenciamento, o que nesse momento, sugere a publicação de um repositório com artefatos abertos, e outros que ainda estão em processo de autorização para o seu respectivo licenciamento aberto.

Nesse sentido, houve a customização do Repositório Institucional (RI) da SETEC, utilizando que está disponível no endereço: https://setec.ufmt.br/ri, conforme interface ilustrada abaixo:

(19)

Figura 8 – Repositório institucional – SETEC

Após análise de plataformas sugeridas nos estudos de revisão sistemática, optou-se pela escolha do repositório Dspace, que consiste em uma plataforma gratuita e de código aberto que permite o armazenamento de documentos em qualquer formato (arquivo de texto, vídeo, áudio e dados) hospedada na grande rede mundial de computadores. Como destaque para fatores de relevância que influenciaram na escolha, pode-se citar: - Facilidade no armazenamento e a gestão dos documentos e dos respectivos metadados;

- Facilidade no acesso aos documentos através de listas e pesquisas; - Facilidade na preservação a longo prazo dos documentos.

- Mecanismos customizados para catalogação e registro de produção científica de universidades;

- Vinculação eletrônica dos conteúdos a motores de pesquisa mais comuns, indexando os resultados nas pesquisas feitas pelos usuários, aumentando a visibilidade;

(20)

- Facilidade de gestão dos documentos publicados e seu controle de versões com suporte a uma comunidade de técnicos e pesquisadores voluntários na ferramenta.

c) Customização de um AVA MOODLE para um sistema de cursos online multicultural.

Proveniente de acordos realizados durante a visita técnica no Japão, foi necessário promover a customização de uma plataforma para cursos online, em uma perspectiva multicultural. Para isso, elaborou-se um projeto de Aperfeiçoamento em Gestão Pública e Educação em uma Perspectiva de Formação Multicultural do Programa Nacional de Administração Pública. O curso foi realizado na modalidade a distância (online), teve duração de 2 meses e utilizou o software Moodle para criar um ambiente virtual de aprendizagem, capaz de prover recursos de forma remota aos envolvidos.

O Moodle, considerado um software livre, portanto é gratuito e pode ser baixado, utilizado e modificado por qualquer pessoa no mundo todo, é um ambiente virtual de aprendizagem (AVA) muito utilizado na educação a distância. A versão do Moodle utilizado para o curso de Gestão Pública foi a 3.1.10+ (Build: 20180209) e pode ser baixada no endereço https://download.moodle.org/.

A inovação desenvolvida pelos pesquisadores, consistiu na customização do Moodle, quando se considera na educação a distância uma ferramenta com excelentes resultados, possibilitando a interação entre as partes envolvidas com o uso de fóruns, chat, diários e entre outras possibilidades que o tornam dinâmico.

Abaixo, é apresentado a ilustração da página principal do AVA do curso de Gestão Pública. O processo de customização consistiu em um estudo de interfaces, e a adequação de pacotes de linguagens em 3 idiomas, possibilitando o acesso de alunos falantes de língua inglesa, japonesa e portuguesa, conforme se observa na ilustração a seguir:

(21)

Figura 9 – Interface do projeto de formação online – ambientes multiculturais.

A possibilidade de personalizar o Moodle trouxe algumas vantagens para o curso de Gestão Pública, onde é possível destacar a possibilidade de utilizar mais de um idioma para o conteúdo publicado, facilitando o uso do AVA pelos alunos e professores uma vez que se tratou de um curso ofertado por uma parceria entre dois países com idiomas totalmente diferentes.

Abaixo, uma ilustração da edição do conteúdo em três idiomas de uma página utilizando o plugin Multi-Language Content.

Figura 10 – Interface – customização de idiomas

Com o plugin Multi-Language Content é possível que o conteúdo seja visualizado com base no idioma escolhido pelo usuário. Para tanto, basta que no editor, o conteúdo de

(22)

determinado idioma fique entre o par de tags {mlang XX} onde XX é a abreviação para o idioma escolhido.

O plugin Multi-Language Content utilizado no processo de customização, pode ser encontrado no endereço https://moodle.org/plugins/filter_multilang2 , que possui instruções da instalação e uso.

Na versão do Moodle utilizada foi necessário incluir código personalizado para disponibilizar páginas responsivas. Isso significa que as páginas podem se adaptar aos variados tamanhos de telas, possibilitando que o AVA seja utilizado com dispositivos móveis.

A ilustração abaixo apresenta uma página do AVA docurso de Gestão Pública visualizada a partir de um dispositivo móvel.

(23)

d) Customização da plataforma para MOOCs

Após estudos de revisão sistemática sobre plataformas de MOOCs e REAs, as equipes de pesquisadores selecionaram como plataforma o Open edX. O Open EdX é uma iniciativa de software livre em que os desenvolvedores e instituições educacionais do mundo todo trabalham em conjunto para criar uma plataforma de aprendizado online extensível para oferecer educação de qualidade para "qualquer pessoa, em qualquer momento e lugar.

Após a seleção da plataforma, que neste caso foi o Open EDX, realizou-se a instalação, customização e publicação (ver endereço www.ufmtonline.ufmt.br). O resultado da interface principal customizada é apresentado a seguir. A primeira página em que os alunos tem acesso da plataforma ilustrado na figura a seguir:

Figura 12– Interface da plataforma MOOC pós processo de customização

Na medida em que a experiência do grupo com a plataforma foi desenvolvendo, foram criados diversos cursos. Na figura a seguir é apresentada uma interface com os cursos disponíveis na plataforma na próxima interface, há apresentação do detalhadamente de

(24)

conteúdo de cada curso e outras informações, tais como carga horária, os pré requisitos necessários para realizar o curso, a data de início e informações sobre um curso Massivo Online.

Figura 13–

Interface com os principais cursos ofertados pela plataforma MOOC pós processo de customização.

(25)

Figura 14–

Interface com o detalhamento dos cursos.

Por meio dos estudos sobre plataformas de MOOCs e REAs, foi possível não apenas compreender a sua utilização, como também prover a seleção de plataformas.

Mais resultados sobre o estudo de revisão sistemática podem ser encontrados em http://www.setec.ufmt.br/pesquisa

(26)

4.7 - Realização de estudos experimentais

Protótipo de curso MOOC – UFMT na plataforma EDX: Após a eleição de uma

plataforma institucional para cursos Massivos Online – endereço eletrônico –

www.ufmtonline.br, foram desenvolvidos cursos experimentais com a finalidade de avaliar eficiência da plataforma para cursos institucionais.

O primeiro projeto experimental, foi realizado a partir de uma capacitação sobre o

Sistema de Avaliação de Desempenho dos Servidores Técnico-Administrativo em

Educação da UFMT.

Na perspectiva da aprendizagem aberta, o curso foi planejado e customizado em consonância às tecnologias desenvolvidas da plataforma Open EdX. Até o presente, há 151 alunos inscritos do curso, sendo que 79 já o concluíram com êxito.

Durante a condução do projeto experimental, tornaram-se evidentes as seguintes iniciativas para a continuidade de outros cursos em fase de elaboração:

- Necessidade de implementação de um sistema de certificação online integrado

com os demais sistemas de certificação da pasta responsável na UFMT –

PROCEV, uma vez que as plataformas apresentam a sua própria solução de certificação online.

- Necessidade de estudar melhor a política de utilização, o que remeteu a novos processos de estudos em parceria com especialistas da UFMT na área de direito. - Necessidade de discussão de um processo registro de diplomas de extensão universitária da UFMT de modo dinâmico, ou seja, na medida em que novos cursistas fazem a adesão a um curso MOOC e completam a sua trajetória com aprovação, o certificado é gerado automaticamente.

b) Para além dos estudos acima, podem ser mencionadas as experiências com os

projetos de criação de plataformas para formação multicultural e a criação dos repositórios institucionais mencionados em parágrafos anteriores.

(27)

Anexos ao presente relatório, constam as seguintes publicações:

Tabela 1: Principais publicações e apresentações em eventos, originadas a partir dos estudos do projeto de pesquisa.

1 - Capítulo de Livro: EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: [IN]FORMAÇÃO EM CIDADANIA E CONTROLE SOCIAL

Em especial no Capítulo 02 – página 69 é apresentada um resumo dos principais resultados dos estudos e customização de ambientes na perspectiva dos programas e projetos de EaD – parceria UFMT – Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso.

2 - Apresentação em seminário - Ensino Médio: São Paulo e Mato Grosso – Recursos Educacionais Abertos

Seminário Temático do Programa de Mestrado em Educação com o objetivo de debater MOOCs e REAs

3 -Apresentação em Seminário Multiculturalidade, Gestão e Formação Online

Seminário Internacional do Programa de Mestrado em Educação

Com o objetivo de discutir processos de formação multicultural em ambientes online. 4 -Publicação de artigo - AMBIENTES

VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM: O USO DA SALA DE AULA VIRTUAL 3D COMO MELHORIA NO/DO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM

XIV - Congresso Brasileiro de Ensino Superior a Distância

Publicação de artigo como resultado de estudos provenientes de recursos 3D e 2D em ambientes virtuais de aprendizagem. 5 -Publicação de artigo - APRENDER

NO CONTEXTO DA CIBERCULTURA: O HIBRIDISMO EM PAUTA

XV Congresso Brasileiro de Ensino Superior a Distância e IV Congresso Internacional de Educação Superior a Distância. Experiência que destaca os estudos e trabalhos com os resultados dos estudos provenientes dos protocolos de Revisão Sistemátic. 6 -Publicação de artigo em evento

internacional- Innovating Citizenship

and Social Control Courses through Distance Education

Experiência que destaca os estudos e trabalhos com os resultados dos estudos provenientes

(28)

1. REFERÊNCIAS

ANJOS, A. M.; NUNES. E. P. S; ANJOS R. A. V. Métodos de avaliação em ambientes

virtuais tridimensionais: Aspectos cognitivos e de habilidades sensório-motoras. Revista de

Educação Pública, Cuiabá, v.25, p.283-303, 2016.

ANJOS, R. V.; ALONSO, K. M; ANJOS. A. M. A implantação de ambientes virtuais de

aprendizagem para os cursos presenciais da UFMT. Revista de Educação a Distância - Em

Rede, Cuiabá, v.2, n.1, p.397-411, 2015. Disponível em:

http://esud2014.nute.ufsc.br/anais-esud2014/files/pdf/126596.pdf. Acesso em: 22 jun. 2016.

ANJOS, A. M. Um método para avaliar a aquisição de habilidades sensório-motoras em

ambientes virtuais interativos tridimensionais para treinamento médico. 2014. 240 f.

Tese (Doutorado em Engenharia de Computação) – Universidade de São Paulo, São Paulo,

2014. Disponível em:

<http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/3/3141/tde-20052015-160007/pt-br.php>. Acesso em: 22 jun. 2016.

ANJOS, A. M.; NUNES, F. L. S.; TORI, R.; OLIVEIRA, A. C. S. Statistical methods in the

evaluation of sensory-motor skills acquisition in 3D. In: SYMPOSIUM ON APPLIED

COMPUTING, 29

th

, 2014, New York (NY). Proceedings of the 29th Annual ACM

Symposium on Applied Computing. New York, NY: ACM, 2014. p.223-228.

doi>10.1145/2554850.2554985.

ATKINSON, R. C.; SHIFFRIN, R. M. Human Memory: a Proposed System and its Control

Process. In: SPENCE, K. W.; SPENCE, J. T. (Ed.). The Psychology of Learning and

Motivacion: advances in Research and Theory. New York: Academic Press, 1968. v.2,

p.89-195.

BADDELEY, A. D. The Psychology of Memory. The Essential Handbook of Memory

Disorders for Clinicians. Chichester, West Sussex: John Wiley & Sons, 2004. Chap. 1.

p.1-13.

BLOOM, B. S. et al. Taxonomy of educational objectives. New York: David Mckay, 1956.

208 p.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e

abordagens. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

KRAIGER, K.; FORD, J. K.; SALAS, E. Application of cognitive skill-based and affective

theories of learning outcomes to new methods of training evaluation. Journal of Applied

Phychology, v.78, n.2, p.311-328, 1993.

LEFRANÇOIS, G. R. Teorias da Aprendizagem. São Paulo: Cengage Learning, 2008. 479p.

MATUK, C.; LINN, M. C. Exploring a digital tool for exchanging ideas during science

inquiry. In: INTERNATIONAL CONFERENCE FOR THE LEARNING SCIENCES, 11

th

,

2014, Colorado, Proceedings of the 11th International Conference for the Learning

Sciences.

Boulder: International Society of the Learning Sciences, 2014. p.895-902. June

23-27, 2014, Colorado, USA, The University of Colorado, Boulder.

MATUK, C.; KING CHEN, J. WISE Ideas: A technology-enhanced curriculum to scaffold

students' generating data, managing evidence, and reasoning about the seasons. Teacher

design focus group presented at the Cyberlearning Tools for STEM Education Conference.

Berkeley, CA, 2011.

(29)

NEDER, M. L. C. A formação do professor a distância. Cuiabá: Editora da UFMT, 2009.

v. 1000. 253p.

NUNES, E. P. S. Um método para avaliar a aquisição de conhecimento em Ambientes

Virtuais de Aprendizagem Tridimensionais Interativos. 2014. 259 f. Tese (Doutorado em

Engenharia Elétrica) – Escola Politécnica da USP, São Paulo.

SCHMIDT, R. A.; WRISBERG, C. A. Aprendizagem e performance motora: uma

abordagem da aprendizagem baseada situação. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

TORI, R. Educação sem distância: as tecnologias interativas na redução de distâncias em

ensino e aprendizagem. São Paulo: Senac, 2010.

TORI, R.; KIRNER, C.; SISCOUTTO, R. Fundamentos e Tecnologia de Realidade Virtual e

Aumentada. In: SYMPOSIUM ON VIRTUAL REALITY, 8

th

, 2006, Belém-PA. Anais do 8°

Referências

Documentos relacionados

Nessa situação temos claramente a relação de tecnovívio apresentado por Dubatti (2012) operando, visto que nessa experiência ambos os atores tra- çam um diálogo que não se dá

Más en concreto, argumentaré que el aprendizaje de la ciencia, en contra de lo que han supuesto algunos de los modelos dominantes del cambio conceptua l a partir de la propuesta

As diferenças mais significativas de humidade do solo entre tratamentos manifestam-se no final do Inverno e início da Primavera em resultado do grau de

As questões das decisões tomadas pelo doente gravitam, pois, à volta do seu consentimento com prévia informação e esclarecimento o que, se é determinante para

A versão reduzida do Questionário de Conhecimentos da Diabetes (Sousa, McIntyre, Martins &amp; Silva. 2015), foi desenvolvido com o objectivo de avaliar o

Por meio dos registros realizados no estudo de levantamento e identificação de Felinos em um remanescente de Mata atlântica, uma região de mata secundária

João Luís Cardoso Consolado Chambel dos Santos Dissertação de Mestrado Como se pode observar no gráfico da Figura 16, a área do rectângulo a laranja claro representa a

Through the high resolution imaging of colonized surfaces, it is possible to conclude that SEM is a valuable tool to study in detail the effect of antimicrobial agents on the