• Nenhum resultado encontrado

A Fonte de Hécate - Tradução dos 2 Primeiros Capítulos (Português)

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "A Fonte de Hécate - Tradução dos 2 Primeiros Capítulos (Português)"

Copied!
10
0
0

Texto

(1)

11

T

T

RADUÇÃO

RADUÇÃO DOS

DOS

D

D

OIS

OIS

P

P

RIMEIROS

RIMEIROS

C

C

APÍTULOS

APÍTULOS

DO

DO

L

L

IVRO

IVRO

H

H

ECATE

ECATE

’’

S

S

F

F

OUNTAIN

OUNTAIN

DE

DE

ENNETH

ENNETH

G

G

RANT

RANT

Tradução por Frater Lóki  Tradução por Frater Lóki 

P

P

REFÁCIO

REFÁCIO

Alt+Ctrl+f = notas de

Alt+Ctrl+f = notas de rodapérodapé

PP

areceria que quase todas as mágickas realizadas com sucesso manifestam-se como um ricochete, umareceria que quase todas as mágickas realizadas com sucesso manifestam-se como um ricochete, um reto

retorno rno parpara a o o grupo de grupo de cerimcerimôniaônias, s, rotinrotina a da loja da loja ou procedimou procedimentos templárentos templários, ou ios, ou para trabalhpara trabalhos os mágimágickosckos individuais isolados. Denomino esta peculiaridade de

individuais isolados. Denomino esta peculiaridade de tantrum tangencial tantrum tangencial . Anômalo ou não, isto não parece ter sido. Anômalo ou não, isto não parece ter sido investigado por qualquer escritor ocultista anterior do assunto. É provável que se o mecanismo do fenômeno possa investigado por qualquer escritor ocultista anterior do assunto. É provável que se o mecanismo do fenômeno possa ser surpreendido, a mágicka transformar-se-ia na última da qual seus exponentes clamaram desde seu princípio, i.e., ser surpreendido, a mágicka transformar-se-ia na última da qual seus exponentes clamaram desde seu princípio, i.e., que ela é uma ciência mais do que uma arte. A experiência, entretanto, persuadiu-me que uma surpresa jaz além do que ela é uma ciência mais do que uma arte. A experiência, entretanto, persuadiu-me que uma surpresa jaz além do reino da medida, dentro do qual embala o tipo de ocorrências ocultas aqui descritas que restarão imprevisíveis. E reino da medida, dentro do qual embala o tipo de ocorrências ocultas aqui descritas que restarão imprevisíveis. E talvez isto seja favorável!

talvez isto seja favorável!

Entre os anos de 1955-1962, eu estava envolvido com uma Ordem oculta conhecida como Loja Nova Ísis. Entre os anos de 1955-1962, eu estava envolvido com uma Ordem oculta conhecida como Loja Nova Ísis. Ela funcionava como um ramo da

Ela funcionava como um ramo da Ordo Templis OrientisOrdo Templis Orientis (O.T.O.), com sede em Londres. Eu fundei a Loja para(O.T.O.), com sede em Londres. Eu fundei a Loja para canal de transmissão de

canal de transmissão de origens transplutonianaorigens transplutoniana22, e durante seus sete anos de atividades ela transformou , e durante seus sete anos de atividades ela transformou a O.T.O. ema O.T.O. em

um veículo altamente especializado de energia mágica

um veículo altamente especializado de energia mágica que Aleister Crowley idealizou para ela que Aleister Crowley idealizou para ela desde 1945.desde 1945. Er

Era a minminha ha inintentençãção o incincluir luir aquaqui i os os ritrituaiuais s da da LoLoja, ja, mamas s cocomo mo ististo o terteria ia nenecescessarsariamiamentente e envenvolvolvidoido tecnicalidades e repetições, e como este livro não pretende ser um manual de rituais mágickos, a intenção foi tecnicalidades e repetições, e como este livro não pretende ser um manual de rituais mágickos, a intenção foi abandonada. No entanto, certas formas de

abandonada. No entanto, certas formas de tantra tantra tangencitangencial al lançados por ritos particulares tem sido extraídos doslançados por ritos particulares tem sido extraídos dos Registros da Loja e

Registros da Loja e editados, onde necessário, para preservar a continuidade textual.editados, onde necessário, para preservar a continuidade textual.

Acima e além disto, o livro esforça-se para seguir os trabalhos deste fenômeno em dimensões que os Acima e além disto, o livro esforça-se para seguir os trabalhos deste fenômeno em dimensões que os cientistas estão apenas começando a explorar. Estas dimensões, as quais podem ser consideradas como existentes cientistas estão apenas começando a explorar. Estas dimensões, as quais podem ser consideradas como existentes além ou entre os dois estados adormecido e desperto, chamo-as de

além ou entre os dois estados adormecido e desperto, chamo-as de  Zona M Zona Malvaalva. Ela inclui e exclui ambos . Ela inclui e exclui ambos os estadosos estados simu

simultaneltaneamentamente. e. A A desidesignaçgnação ão comcomporta porta implimplicaçõicações es ocuocultas ltas não não necnecessiessitando tando de de explexplanaçanações ões para para aqueaquelesles familiarizados com a função de Daäth como o Portal de Ingresso e Egresso para o outro lado da Árvore da Vida familiarizados com a função de Daäth como o Portal de Ingresso e Egresso para o outro lado da Árvore da Vida 33..

Para aqueles não tão familiarizados, a

Para aqueles não tão familiarizados, a  Zona  Zona MalvaMalva pode-se  pode-se dizer dizer que que tem tem uma uma analogia analogia mítica mítica no no símbolo símbolo dodo  Desert

 Desertoo VermelhoVermelhodos Árabes, o qual, de acordo com Lovecraft, era o equivalente antigo dodos Árabes, o qual, de acordo com Lovecraft, era o equivalente antigo do Roba el Khaliy Roba el Khaliyeheh, uma, uma zona supostamente assombrada pelos maus espíritos e monstros

zona supostamente assombrada pelos maus espíritos e monstros da morte.da morte.

A Parte I deste livro não necessita de comentário. A Parte II requer algumas explanações porque ela A Parte I deste livro não necessita de comentário. A Parte II requer algumas explanações porque ela  pretende

 pretende iluminar iluminar um um texto texto especifico – especifico – oo Livro da  Livro da LeiLeide Crowley (de Crowley ( Liber AL vel  Liber AL vel LegisLegis))44– o qual interpretei aqui– o qual interpretei aqui com referência, não às suas implicações mundanas, mas à sua proveniência extraterrestre. Como é a primeira vez com referência, não às suas implicações mundanas, mas à sua proveniência extraterrestre. Como é a primeira vez que isto é tentado, é rogado aos leitores exercitarem sua paciência à medida que o esqueleto é gradualmente que isto é tentado, é rogado aos leitores exercitarem sua paciência à medida que o esqueleto é gradualmente desnudado de sua aparência deceptivelmente humana. Isto será recompensado quando ele passar à Parte III, onde os desnudado de sua aparência deceptivelmente humana. Isto será recompensado quando ele passar à Parte III, onde os  processos ocultos do traba

 processos ocultos do trabalho na fabricação da Parte II são mais complelho na fabricação da Parte II são mais completamente revelados.tamente revelados. Com a publicação deste volume a roda fecha seu ciclo.

Com a publicação deste volume a roda fecha seu ciclo. The Magical Revival The Magical Revival contém uma lista na qual oscontém uma lista na qual os nome

nomes s de de certacertas s entientidades menciondades mencionadas adas nono  AL  AL vel vel LegisLegis de de CroCrowlewley y sãsão o comcomparparadaadas s cocom m aquaquelaelas s que sãoque são apresentadas no

apresentadas no AL Az AL Azif (O Nif (O Necronoecronomicommicom)), o qual posteriormente, de acordo com Lovecraft, era completamente um, o qual posteriormente, de acordo com Lovecraft, era completamente um  produto de fantasia. Mais de uma década atrás, em um artigo em

 produto de fantasia. Mais de uma década atrás, em um artigo em Man, M Man, Myth & Myth & Magicagic, eu sugiro uma origem comum, eu sugiro uma origem comum  para ambos estes livros.

 para ambos estes livros. A idéia foi A idéia foi assimilada por vários editores assimilada por vários editores e compiladores dee compiladores de  grimo grimoiresirese não menos do quee não menos do que quatro versões do

quatro versões do Necro Necronomiconomicommforam publicadas desde então! Não é portanto de surpreender que o presente livroforam publicadas desde então! Não é portanto de surpreender que o presente livro toca novamente, e explora mais adiante, as afinidades e identidades que espreitam além das máscaras sombrias toca novamente, e explora mais adiante, as afinidades e identidades que espreitam além das máscaras sombrias destas duas esfinges. Isto também indica algumas das mais pertinentes pesquisas de Ufólogos que sugerem – talvez destas duas esfinges. Isto também indica algumas das mais pertinentes pesquisas de Ufólogos que sugerem – talvez com mais probabilidade do que eles, até mesmo, podem preocuparem-se em admitir – que as entidades visualizadas com mais probabilidade do que eles, até mesmo, podem preocuparem-se em admitir – que as entidades visualizadas

11

22O corpo destas transmissões formam as bases da Trilogia Typhoniana ( ver bibliografia). Durante o transcurso de obtenção delas, todas as sortes deO corpo destas transmissões formam as bases da Trilogia Typhoniana ( ver bibliografia). Durante o transcurso de obtenção delas, todas as sortes de

fenômenos inexplicáveis racionalmente foram experimentados pelos membros da Loja. Algumas destas experiências estão aqui descritas. fenômenos inexplicáveis racionalmente foram experimentados pelos membros da Loja. Algumas destas experiências estão aqui descritas.

33O assunto tem sido tratado extensivamente emO assunto tem sido tratado extensivamente em Nights Nightside of Edide of Eden.en. 44Posteriormente refere-se à ele como AL.Posteriormente refere-se à ele como AL.

(2)

 por Crowley, Lovecraft, Castañeda, Bertiaux, e outros, realmente existem em algum lugar e alguma época, e que eles ocasionalmente aparecem aqui sobre a terra.

Obs.: é importante mostrar aos leitores brasileiros que a Loja Nova Ísis não é a Loja que se situa na Tijuca no Rio de Janeiro aqui no Brasil, e sim uma Loja de origem inglesa fundada muitas décadas antes da Loja brasileira e encabeçada por Kenneth Grant. A versão brasileira é apenas charlatanismo barato.

 P 

 ARTE 

 M 

 M 

 ÁGICKA  DA

ONA

 ALVA

1

‘O

BJETOS D

’A

RTE

N

OIR 

U

m grande número de noções errôneas prevalecem hoje sobre talismãs, fetiches, objetos carregados com  prana, ojas, vhril , mana – ou apenas evidente poder mágico. Parece necessário esclarecer o fundamento e eu não encontro melhor caminho do que basear minhas observações sobre objetos atualmente preservados no museu mágico da Loja Nova Ísis. Um deles é um fragmento de um envoltório-de-embalsamar Egípcio, pretensamente de uma sacerdotisa Egípcia da 26ª Dinastia. Restos da múmia que havia sido embalsamada ainda aderiam à sua superfície interna5. As imagens do Macaco de Thoth e do sagrado chacal de Anúbis são claramente discerníveis.

Logo após a virada do presente século o fragmento era utilizado como um foco psíquico por alguém do grupo cindido da Golden Dawn dirigido pela Sóror S.S.D.D.6. Seu pequeno livro Magia Egípcia, formou parte da

série ‘Collectanea Hermetica’ editada pelo Dr. Wynn Westcott e publicado pela Sociedade Teosófica de Londres em 1896. A Loja Nova Ísis veio a ter posse do fragmento através da generosidade de um colecionador que a apresentou em 1948. Durante a década de cinqüenta ele foi psicometrado por uma talentosa clarividente que recusou comentar  sobre ele, se por conhecimento ou ignorância não se sabe. Ao redor deste período uma mulher chamada Mira uniu-se a Loja. Ela foi imediatamente atraída pela relíquia embora ela não tivesuniu-se mais conhecimento de suas recentes associações do que nós tínhamos de suas antigas. Ela sugeriu, porém, que nós pudéssemos utilizá-lo para formar um ritual designado a explorar sua história mágica.

O Templo da Loja foi inteiramente mobiliado tanto quanto possível de acordo com o período da Dinastia relevante, e a sacerdotisa oficiante havia executado o ritual. Mira era uma sensitiva natural e havia demonstrado diversas vezes seus poderes peculiares.

Vestida em robes apropriados ela estava sentada diante um espelho mágico posto em um ângulo oblíquo contra o envoltório de modo que duas imagens distintas dele apareciam simultaneamente, uma sobre a outra. Alaúdes e flautas emprestaram uma atmosfera calma aos procedimentos e não havia muito tempo antes os olhos de Mira assumiram uma expressão distante e vazia.

É usual, em circunstâncias assim, apenas o clarividente ver imagens no espelho mágico. Nesta ocasião, entretanto, a sacerdotisa oficiante, sete acólitos, e um sacerdote ‘visitante’ de um coven de Gerald Gardner, viram o desvanecimento da imagem refletida e a introdução abrupta de entidades animadas encenando o seguinte drama nas  profundidades do espelho:

Um objeto longo era movido com rodas por figuras encapuzadas de preto dentro de um túnel o qual parecia distanciar-se ao infinito. Ele assemelhava-se a um divã móvel, e sobre ele uma mulher – sedutoramente branca –  reclinada sobre peles de cheeta. Patas e caudas suspensas identificadas posteriormente, mas havia atributos adicionais que não eram físicos, embora eles parecessem na refração tão substancialmente quanto os que eram. Eles  poderiam ser extrusões ectoplásmicas dos karmas passados da mulher; eles giravam em espiral como poeira

5Uma reprodução dela aparece na p.54 de Aleister Crowley and the Hidden God . 6Florence Farr, uma amiga de Bernard Shaw. Seu moto mágico na Golden Dawn era

(3)

interestelar crescendo e nevando um pó luminoso sobre os muros do túnel onde eles formavam curiosos depósitos. Quando Mira finalmente retornou a si ela descreveu-os como “um tipo de fungos fantásticos”. Eles cobriam os muros como um musgo verde saturado de vida maligna o qual aglomerou-se sobre toda superfície que se apresentou. Havia muitos porque o ângulo de visão de Mira era continuamente modificado de maneira que novas superfícies eram expostas à vista. A mulher branca sobre o carrilhão parecia mudar de cor enquanto um tentáculo fungóide saía do muro e explorava seu corpo. Ela se assemelhava a uma ampola de carne transparente inflada continuamente com vapores de verde, escarlate, malva, e finalmente com um fluído tingido de índigo. O objeto de execução restava obscuro. Ninguém podia alcançar o propósito de tal orgasmo colorido.

Aqui uma ligeira divagação parece necessária. É possível que estes kalas tenham sido ejaculados pelas entidades alienígenas e transmitidos a terra via sacerdotisa quem, em seu sono mágico, estava apta a conduzir a semente do Exterior. Tendo desprendido seus venenos, os tentáculos então lançaram um véu impenetrável que obscureceu a visão. Os únicos objetos que emergiram da névoa foram as duas reflexões originais do fragmento do envoltório.

Mira mergulhou em um profundo transe e nós aguardamos por manifestações adicionais. As visões tão distantes haviam nos confundido. Elas sugeriam que ela havia contatado – através de uma antiga sacerdotisa Egípcia  – um estrato infinitamente mais remoto do que aquele pertencente à Dinastia na qual ela havia vivido. Era possível apenas que Mira houvesse esbarrado em linhas entrelaçadas. Havia elementos transplutonianos na visão e eles  pareciam ter revelado, em um modo literal, regiões a partir das quais Lovecraft havia concebido o  Fungi from

Yuggoth7 

.Era uma visão de um período mais fechado a vida da sacerdotisa mumificada do que o período o qual se seguiu.

O espelho então ficou nublado como se as partículas de poeira tivessem se acumulado sobre o pára-brisa da ‘astronave’ de Mira. Padrões estranhos de cristais de gelo apresentaram-se em um rápido caleidoscópio. Era no  princípio reconciliar uma impressão de neve ártica com o cáustico calor e poeira associada com o velho Egito.

Sendo interpretado, porém, o fenômeno simboliza de um lado a austera virgindade da sacerdotisa, e, de outro, o terreno tórrido o qual karmaordenou como a cena de seu enterro. O período era identificável como aquele da 13ª Dinastia, sob o reinado da Rainha Sebek-nefer-Ra, uma dos grandes exponentes da Tradição Draconiana em épocas históricas.

Para antecipar os eventos: havia-se tornado aparente que a hierarquia do envoltório havia sido também uma Grã-Sacerdotisa no Templo de Set fundado pela Rainha Sebek-nefer-Ra. O templo sobreviveu a devastações e depredações pelos seguidores de Osíris, quem, por séculos haviam buscado destruir todos os traços do ‘odioso’ Culto Typhoniano.

A próxima figura a aparecer no espelho estava também reclinada, e em processo de sofrer tratamento de uma espécie mágica reminiscente de uma visão experimentada por Joan Grant, com a diferença de que a placa colocada sobre os genitais da sacerdotisa possuía o hieróglifo de uma deidade desconhecida para a história, talvez de um daqueles ‘Deuses da Sombra’ que Beatty sugere .8

 Novamente a série de múltiplos orgasmos, mas desta vez uma explanação prontamente sugere-se. A placa torna-se brilhantemente incandescente à medida que cada um dos orgasmos surge carregando seu metal com vívidas cores. O kalas real poderia ser visto como halos de arco-íris lançados como anéis graduando do ultravioleta a um indescritível matiz invisível à visão humana. Mas era registrado pelo espelho e transmitido ao templo da Loja onde causava um avivamento dos olhos e uma curiosa sensação de leveza. Uma acólita disse, após a sessão, que ela havia sido fisicamente levitada algumas polegadas acima do solo.

A cena novamente modificou-se abruptamente e o espelho pareceu ser envolvido por chamas. Uma  procissão de figuras encapuzada emergiu de um túnel. Seus robes eram negros mas ornados com sigilos incandescentes que emanavam uma radiância esverdeada. A parte extraordinária disto era que, à medida que a  procissão emergia, chovia um vapor esverdeado dentro da Loja; o espelho emanava uma onda de kalas os quais

lentamente envolvia Mira até ela assemelhar-se a uma estátua de pedra com líquen. Não havia nenhum motivo, fisicamente falando, para estas sutis radiações, nem foi encontrado qualquer traço deles sobre a mobília da Loja. É inteiramente difícil distinguir tais visões de conteúdos oníricos irracionais e confusos.

Se a cor caísse do espaço, ela cairia como a do espelho mágico no qual Mira e outros membros da loja olhavam.

7O fato do livro de Lovecraft deste nome ser uma coleção de poemas sem referências diretas relacionadas as visões de Mira não é argumento contra

uma sugestão assim. Poemas, como visões e antigos hieroglifos, tem sido interpretados por recurso para seu plano de origem, não em termos de sua final “terrificação”. Interpretadas nesta luz, as visões de Mira mostram sinais inequívocos de terem saltado de um período vastamente anterior para a vida da sacerdotisa Egípcia.

8Ver 

(4)

Outro objeto, de nenhuma forma tão antigo quanto o envoltório mas tão fortemente carregado com poder, é o lustre de candeia que era utilizado como um bastão destruidor por Allan Bennett9. Ele era também um membro da

Golden Dawn e era instrumental em estabelecer o Sangha Budista no Oeste. Ele também instruiu Crowley em muitas técnicas orientais de meditação e mágicka. Olhando-o é um lustre muito ordinário, agora montado sobre uma trípode ornada e dourada. Bennett utilizou-o como uma extensão de seu bastão mágico. Não há necessidade para mim de descrever seu poder nas mãos de Bennett porque Crowley já o fez em seu Confessions.10

Uma arma até mesmo mais potente é a adaga utilizada por Crowley em sua invocação de Choronzon 11. Isto

ocorreu no deserto próximo a Bou Saad em 1909 onde, com Frater Lampada Tradam (Victor Neuburg), Crowley sofreu uma série de iniciações em aethyrs parcialmente explorados dois séculos antes por Dee e Kelley. Foi-me dito  por indivíduos psiquicamente ativos que a adaga tem uma aura decididamente sinistra, e eu não a entregaria para um  psicômetra, uma pessoa vendada ou qualquer outra pessoa.

Mas o mais misterioso objeto mágico na coleção é indubitavelmente um retrato original de LAM, uma entidade extraterrestre, o qual eu selecionei – a convite de Crowley – de um de seus portfólios. O desenho 12 de

alguma forma projeta-se adiante e pode-se dizer sem exageros que Lam escolheu-me mais do que ao contrário. O retrato estava sendo mostrado em Greenwich Village, Nova York, por volta de 1919 em uma exibição chamada “Almas Mortas”. Esta era uma designação certa porque Lam saiu diretamente do  Necronomicon, o tão falado. Apenas olhar nos olhos desta entidade é um convite para um potente contato. Há em seguida uma imediata sensação de lucidez, leveza, e então uma sensação de queda. Uma das reações iniciais é resistir a ser sugado para dentro do vórtice de um funil astral infernal. Todas as quais confirmam as opiniões daqueles que consideram Lam algo, ou alguém, não desta terra.

Falar de extraterrestres inevitavelmente evoca, se não o Grande Antigo, então Seus emissários ou servos. Eles algumas vezes mascaram-se, como Machen’s Jervase Craddock,13em formas humanas deficientes. Foi de uma

tal procedência que eu adquiri um jogo de ‘manequins’14mágicos os quais inegavelmente facilitavam o contato com

O Grande Antigo.

As relíquias descritas acima são artefatos mágicos de poder oculto. Alguns deles, como o retrato de Lam, são mais do que isto por eles serem também Portais para outras dimensões, outros mundos ou aethyrs. Algumas vezes são formados cultos ao redor deles como Culto de Lam com o qual os leitores desta trilogia estão familiarizados.

Poderosas máquinas podem manifestar-se em todos os objetos aparentemente inocentes. Em um moderno grimoire15 o qual faz associações com números da sorte, jogo, sistemas esotéricos de corrida de cavalos, e o mais

 profundo aspecto da feitiçaria, o autor faz referências às caixas de madeira pintadas as quais ele chama de  Atua. Ornados sobre elas em cores apropriadas estão os sigilos e selos dos loa ou espíritos aos quais eles foram consagrados. Eu tenho em minha posse muitos de tais domicílios de espíritos.

O grimoire diz que “nos Templos de Lucky Hoodoo e nas casas daqueles mais favorecidos pelos espíritos são encontradas as caixas de espíritos pintadas”.

Uma das minhas foi pintada por Zos vel Thanatos16de quem o toque mágico era o bastante para consagrar 

uma caixa à quase qualquer espírito que você pudesse nomear. As outras foram embelezadas por Soror Ilyarun de quem os desenhos mágicos e pinturas são tão bem conhecidas quanto de Spare. O incidente aqui relatado concerne a uma das caixas pintadas por Ilyarun.

 No período em questão17 a caixa continha quatro pequenas figuras de madeira dedicadas a um serviçal

elemental do Grande Antigo – uma ao Fogo, uma a Água, as outras duas ao Ar e a Terra respectivamente. Os manequins eram nutridos periodicamente pela visão sagrada mencionada no grimoire, e sendo regularmente recarregadas elas estavam mui altamente carregadas com mana mágico, e excessivamente ativas no nível astral. Elas

9O bastão é reproduzido emOutside the Circles of Time, gravura 12. 10Capítulo 21.

11

Outside the Circles of Time, gravura 13.

12Ele foi publicado primeiramente por Crowley em

The blue Equinox(1919). Mais recentemente ele aparece noThe Magical Revival eOutside the Circle of Times. Até mais recentemente, Robert Anton Wilson publicou o retrato de Lam em seu Masks of the Illuminati(1981). Ele aceitou como

extraterrestre a proveniência de Lam mas também declarou que Crowley invocou a entidade pelas Chaves Enochianas. Não há, porém, concretização deste chamado em qualquer manuscritos ou diários sobreviventes de Crowley.

13EmThe Novel of the Black Seal. 14Ver, em particular,

Cults of the Shadow, cap.10,Outside the Circles of Time, cap.12, e a Revista Mezla, nº’s 12, 13.

15

 Lucky Hoodoo– Uma curta viagem nos poderes secretos do vodu, por Dr. Bacalou Baca (Michael Bertiaux), publicado em Chicago por Absolute

Science Institute, 1977.

16O moto mágico de Austin Osman Spare. 17Por volta de 1958.

(5)

dormiam em seus atua como o morto mumificado dormia em seu silencioso sarcófago embelezado ou não com hieróglifos apropriados.

Um dos manequins havia sido dedicado ao Duplo Espaço18 no Culto de Hastur, Senhor do Ar, ou, mais

 propriamente, Senhor dos Ventos Espaciais. O domicílio de Hastur é o profundo Espaço Exterior o qual é representado na esfera mundana pelo elemento ar, e, quando próximo a terra, como um vento rápido.

Uma noite, durante o terceiro ano de atividades esotéricas da Loja Nova Ísis, este manequim – o qual havia desaparecido por muitas semanas – reapareceu de uma maneira inesperada.

Os membros da Loja estavam performando um ritual de Lua Cheia o qual envolvia a utilização de chandrakalas19. Eles haviam obtido sucesso na evocação e estavam manifestando ao ritmo e vibração de vários

instrumentos de madeira de sopro, principalmente flautas. A Deusa nesta ocasião era representada por uma Grã Sacerdotisa Asiática chamada Lî que era quase que totalmente ignorante do Inglês embora seu corpo correspondesse  perfeitamente à linguagem das flautas. Ela era lânguida, tinha olhos-de-lótus, e de cor de marfim cintilado de âmbar. Uma de suas duas assistentes no ritual era Clanda que o nome será familiar aos leitores que se lembram do episódio da ‘Water-Witch’.20 Sua afinidade oculta com a água fez Clanda uma escolha desafortunada, à medida que a noite

avançava isto seria provado. Ela perdeu a consciência no clímax do ritual, caiu contra a plataforma de metal entalhado sobre a qual Lî estava sentada, e bateu sua cabeça contra os alto-relevos, monstros fantásticos das  profundezas mais apropriados ao Culto de Cthullu do que de Hastur. Porém, estas considerações não fazem parte do assunto e não tem referência sobre os eventos os quais são puramente procedimentos de rotina – até Clanda golpear  a plataforma.

Uma gota de sangue de seu lóbulo da orelha – lacerado pela cauda saliente do monstro marinho – conduziu ao encontro de meu manequim perdido o qual havia evidentemente caído de sua atua e rolado para trás da  plataforma. Eu estava a ponto de recuperá-lo quando Lî retornou de um estado de imobilidade de quase-desmaio.

Ela implorou-me para não recolocar o manequim em sua caixa. Ela não sabia Inglês, como eu disse, mas seus gestos eram repletos de imperiosos comandos. Eu instintivamente obedeci.

Por esse momento a lua havia perdido sua plenitude e o objeto do ritual, que requereu o enfrascamento de kalas, havia sido cumprido. Lî aproximou-se do altar e removeu a caixa tomando cuidado para não abrir a tampa. Eu não pude entender a razão para suas manobras mas consenti a elas porque ela havia estado, até recentemente, em um  poderoso humor oracular e exibido completa e perfeitamente a fase final do rito lunar. Mas não até Clanda ‘voltar’

que eu soube que algo estava seriamente errado, e que uma inegável força poderosa estava crescendo no templo da loja.

Após muitos dos celebrantes terem deixado as premissas, e eu ainda podia ouvir, fracamente, algumas trocas de despedidas subindo do térreo dois andares abaixo, preparei-me para uma possível manifestação de ‘nervos’  pós-ritual a qual eu tinha esperado acontecer através das sacerdotisas exaustas.

O que realmente ocorreu envolveu um ataque furioso tão concentrado em sua fúria que, se houvesse corrido seu curso desenfreado, poderia indubitavelmente ter derrubado o edifício e, possivelmente, a vizinhança inteira por  milhas ao redor. Ele partiu daquele mais inócuo objeto – a caixa pintada.

Cinco de nós, ao todo, testemunharam a manifestação resultante. A caixa tombou neglicenciada sobre a  plataforma onde Lî havia colocado-a. Ela havia sucumbido ao sono após seus esforços, e alguém que havia

retornado desadvertido do andar de baixo totalmente despropositadamente deslizou a tampa para trás – e todo o inferno correu solto.

Primeiro uma leve brisa penetrou no templo. Ela subiu para uma corrente de ar forte e espalhou alguns documentos esparramados sobre uma mesa no canto da sala. Então sem qualquer aviso surgiu um vento incrivelmente forte e balançou as cortinas pesadas em seus anéis de metal e logo alcançou o impulso de um furacão. Tornou-se virtualmente impossível de respirar, e o pânico aterrador fundiu-se com a violente corrente de ar. A lanterna central, suspensa por uma pesada corrente sobre o altar ameaçou chocar-se contra o teto enquanto era levantada na tempestade. Olhando por uma minúscula janela no alto da parede norte eu notei que nem uma única folha balançava no jardim exterior; a noite estava totalmente calma. Na parte de dentro, o vento batia sugando para dentro de seu vórtice todos os objetos que se encontravam em seu caminho. Clanda, histérica, foi literalmente soprada para a plataforma. Ela teve a presença mental, entretanto, para agarrar a caixa, retornar aos seus confins o manequim mágico, e forçar a tampa de volta. Somente a vontade demoníaca da mulher, protegida sem dúvida pelas energias evocadas pelo rito, habilitou-a para fechar a caixa. Imediatamente – quietude perfeita, e um silêncio que  parecia terrivelmente artificial .

18Toda idéia projetada carregada magicamente pela mente na dimensão terrestre (estado acordado) tem um duplo no espaço que é refletido em

infinitas dimensões.

19Essência Lunar ou ‘medicinas’.

20Ver  Man, Myth & Magic, Nº65; Imagens &Oracles of Austin Osman Spare, por Kenneth Grant; Encyclopedia of Witchcraft & Demonology, por 

(6)

Julgando a partir do tom geral das cartas que eu recebi de ocultistas do mundo inteiro, eu imagino que eu devo ser informado que isto é tudo facilmente explicável. Desta forma eu quero advertir o imprudente (se houver  algum!) que há uma seqüela para este incidente. Clanda, como foi registrado em outro lugar 21, morreu no mar,

reivindicada talvez pelo Senhor das Profundezas. Alguns meses após o episódio aqui descrito, Lî caiu do ar quando um avião carregando ela chocou-se sobre a Ásia Central contra montanhas. Ela também foi reinvindicada pelos servos elementais?

Mas houve o seguinte incidente que fez com que os membros começassem a referirem-se a tais episódios com os ‘Anais da Loja Negra’. Este incidente também originou-se como um efeito colateral ou tantrum tangencial da rotina ritual.

Os membros da Loja Nova Ísis encontravam-se toda sétima Sexta-feira, e parte do preâmbulo consistia na troca de experiências nos vários campos da cultura mágica, mística e espiritual. Nós tinhamos como uma convidado de honra nesta esta ocasião particular um indivíduo realmente notável conhecido somente por alguns no mais reservado dos círculos ocultos. Ele era uma daquelas raras almas que havia devotado a maior parte de sua vida ao estudo da alquimia.

Este homem havia me apresentado alguns anos antes a um Tantrika do Sul da Índia profundamente versado na arte do Srividya.22Um dos candidatos do Círculo Kaula de Aquimistas era a ‘Water-Witch’, Clanda. Seu glamour  havia alcançado até mesmo ele, a uma tal extensão que seu juramento original de bramacharya,23 tomado na  presença de seu gurumuitos anos antes, pareceu estar em perigo. Ele pediu-me para agir como um ‘pára-raio’, para

agüentar o ímpeto de possíveis curto-circuitos.

O edifício da Loja havia sido equipado com uma extensa rede de apartamentos que formavam a base de uma loja comercial deceptivelmente pequena em uma das ruas laterais à rua principal do Fim Oeste. O Alquimista, que era também o proprietário da loja comercial, era um iniciado do Gômaya Diksha24 que o havia feito elegível

 para sua iminente iniciação no círculo interno do Kaula Chakra, um avançado grau envolvendo a prática da lambika  yoga.25Clanda, com sua personalidade hiper-sensual havia – através da participação em vários trabalhos mágicos – 

uma idéia bastante astuta das vantagens ocultas inerentes à tal iniciação. É desnecessário extender-se sobre este aspecto do episódio além de mencionar o fato de que o Alquimista sem dúvida representou uma garantia em uma de suas tramas.

A Loja foi preparada para a performance de um tipo de ritual de licantropia e necromancia associado com dois túneis específicos de Set.26 Imagine, portanto, uma miniatura em versão ainda mais complexa das cavernas de

Dashwood com – em lieude várias grutas preparadas para carícias sensuais – uma série celas em forma de concha, como vórtices petrificados, criados com o único propósito de atrair em suas convoluções as energias ocultas de Yuggoth, e de focalizá-las através dos kalas da Nova-Ísis, representados por um prisma gigante de forma vésica. A decoração foi misteriosa ao extremo, a iluminação astutamente arranjada para dar um jogo sinistro e mutável de luz e sombra combinada com sons sugestivos de água corrente e ventos astrais silvantes; uma atmosfera completamente misteriosa criada por alguns toques inteligentes de suprema arte.27O lugar foi a epítome do crepúsculo e daqueles

estados equívocos de consciência peculiar para o lobisomem, o vampiro e o espectro, de quem a sutil presença foi sugerida por vários dispositivos engenhosos. Nesta ilusória atmosfera Clanda parecia com um ser escamoso nadando em um mar árido de substâncias etéricas sanguinolentas pululando com as correntes insalubres de qliphot.

O Alquimista, reclinado sobre uma laje de pedra adornada com emblemas do Grande Antigo tinha assumido a ‘postura da morte’28 e aguardou o beijo da Deusa, quem ele havia evocado pelo modo peculiar de sua

‘morte’;29ele havia peticionado-A a aparecer para ele e conferir sobre ele em seu sono mágico os supremos  siddhis.30

Assim prosseguiu o ritual, e os vários participantes foram adequadamente preenchendo seus respectivos  papéis. Mas as coisas não procederam tão calmamente. Clanda havia inconscientemente abrigado em sua aura os restos do contato com questionáveis entidades engendradas por sua associação passada com um Culto de Bruxas. 31

21Ver o artigo ‘Water – Witch’,

 Man, Myth & Magic, Nº65.

22A ciência dos kalas; o equivalente oriental da alquimia. 23Neste contexto, real abstinência sexual, mental e física.

24Uma iniciação altamente secreta nos mistérios doskalaslunares da metade escura. Ela possui certas afinidades com o XIº O.T.O. como

compreendido na Tradição Typhoniana.

25Uma forma de yoga que envolve a imbibição de

kalas.

26Veja Nightside of Eden, pp204 – 206.

27Aquela de Zos vel Thanatos (A.O.Spare), quem criou o fundo e outros equipamentos ritualísticos da Loja Nova-Ísis. 28Ver 

 Images & Oracles of Austin Osman Spare, andThe Magical Revival , ch. 12.

29Ele havia previamente performado um rito necrofilico e indentificado-se com o cadáver, interpretando este ato como moralmente compatível com

seu voto de castidade!

30Poderes Mágicos.

(7)

A conecção havia sido novamente reativada e isto causou um súbito e violento conflito em sua psiquê. Eu senti o choque disto mas estava totalmente despreparado para a erupção de energia negra que acompanhou o seu despertar.

Emergindo do transe no qual o ritual havia lançado ela, Clanda gritou, correndo em desvario pela Loja e agarrou um punhal que estava em uma parte do aposento em desuso então. Sua ação pode ter meramente resultado em uma disrupção temporária do ritual, mas a arma em questão aconteceu de ser a arma mágica utilizada por  Aleister Crowley em sua invocação, anos antes, de Choronzon, quem Crowley uma vez descreveu como “o primeiro e mais mortal de todos os poderes do mal”.32Desperto para o perigo da situação eu tentei agarrar a arma, percebendo

enquanto eu assim procedia, que o Alquimista estava apertando o peito e contorcendo-se na laje como se ele sofresse a agonia de uma excruciante imolação. Clanda tropeçou e caiu a medida que o punhal – agora desembainhado – caiu sobre a laje. O Alquimista contou-me posteriormente que ele havia naquele momento visto uma forma encapuzada pairando sobre ele, próximo de injetar em seu coração o veneno que fluía de seus olhos em um jato de malva.

Esta foi minha primeira introdução às Necromancias em Malva que ocorreram persistentemente através da história da Loja Nova Ísis. Malva é uma das cores descritas para a ‘falsa’ sephira, Daath. Sua emanação como um kala, em um rito tendo sobretons de necrofilia, foi a prova significante para capacitar-me, em um período posterior,  para penetrar a Gnose Lovecraftiana com referência especial aos Mistérios do “abominável Platô de Lêng”. Isto

também deu-me insights na função mágica dos três maiores fantasmas noturnos: o lobisomem, que transforma os kalasdo dia nos da noite;33o vampiro, que bebeoskalas; e o espectro, que comea substância etérica destes kalasem sua forma de tornar-se carne, desta forma inibindo a completa revificação na luz do dia. Isto sugere o triunfo dos sonhos, ou irracionalidade, sobre a ‘razão’ ou estado de consciência desperta. Houve muitos anos, entretanto, antes que eu fosse capaz de desenvolver a partir destes insights a fórmula sistematizada de controle-onírico esquematizada em Nightside of Eden34 e sub-adicionar ao sistema de graus na O.T.O.. Pois escondida por detrás destas imagens

demoníacas jaz uma suprema zona de poder de energia mágica. Crowley indicou-a em seus escritos; Lovecraft escondeu-se dela, atemorizado.35

Como o morcego – o totem supremo desta corrente noturna – o sistema parece de cabeça para baixo para aqueles que não estão familiarizados com os modos da reversão protoplasmática peculiar a esses Mistérios, pois o Mago da Necromancia Malva é, em sua forma, como o sábio Hindu; o que é dia para o homem comum, é noite para o sábio, evice-versa.

É importante noter que na gama completa de kalas (ou cores) listados no Liber 777 ,36 malva em vários tons aparece apenas em conecção com os caminhos 17 e 28 da Árvore Sephirótica. O simbolismo destes caminhos esta  por sua vez conectado com a letra Zain e com Aquário, respectivamente. Estes são glifos do aeon ou era atual

(Aquárius), e do Aeon Sem Palavra ao qual referências já foram feitas. Note também 17 como 71 ao contrário, 71 sendo o número de LAM, o Caminho Silencioso ou Sem Palavra.3717 e 28 juntos perfazem 45, o número de ADM,

‘Homem’,38 de quem a perfeita manifestação é esperada ocorrer entre estes dois aeons. Mas há um significado

anterior de ADM que significa o ‘homem vermelho’ e que aplica-se à fêmea, sendo idêntica com a corrente lunar  manifestando-se como o kalasmenstrual.39

---==oooOO0OOooo==---1

O C

ULTO DE

Û

A

sacerdotisa Lî foi a minha conecção com o curioso Culto de Kû que originou-se no Sul da Ásia

Oriental. Seu interesse no presente contexto mora no fato de que o coração do culto possui um sistema análogo ao Vodu Mystéredos 256 venenos, ou kalas, da Deusa.

32Ver The Vision & the Voice(Crowley, 1909), um informe das explorações de Crowley dos espaços ou aethyrs ocultos além do Universo

conhecido, primeiro mapeado por Dee and Kelley. O punhal caracterizado ‘acidentalmente’ em outros rituais da Loja Nova Ísis. Ver Parte III, ch. 5, e outros lugares.

33Compreendendo, assim, ambos brilho e escuridão das metades.

34Págs. 204 – 206, em particular, e em muitos outros lugares através das trilogias. 35Em suas cartas ele negou-a; em seus contos ele exultou no conhecimento dela. 36Ver  Magick (edição RKP) p.388, e Liber 777 , colunas XV, XVI, XVII e XVIII.

37Este assunto foi explorado emOutside the Circles of Timee em outras partes; é necessário aqui meramente recordar as implicações. 38A espécie, não o ‘primeiro’ homem.

39Ver 

(8)

 No Culto os kalas são ostensivamente utilizados para adquirir riquezas e/ou promover vinganças, mas eles também possuem utilizações profundas e mágicas . O hieróglifo Kû comporta muitos significados, o primeiro dos quais é ‘magia negra’, em contraste à variedade branca conhecida como Wû. Como um ideograma Kû tem ao menos a idade de 3.000 anos. Ele denota um princípio mágico gerado por licenciosidade, um princípio que controla os espíritos daqueles tiveram uma morte violenta ou que tenham sido moralmente degenerados através de uma excessiva sensualidade. Ele é em alguns aspectos o equivalente Chinês do  Mystére du Zombeeisme.40 Seu instrumento mágico é uma bacia, tigela ou vaso d’água, e seu totem zoomórfico são os seguintes: inseto, verme, cobra, sapo, centopéia, etc. Enquanto que o comentário de Tsou Chuanrevela: “Vasos e vermes fazem o kû, causado  pela licenciosidade. Aqueles que tiveram morte violenta também são kû”.

O conceito básico de Kû é preservado no Yî King onde ele aparece como o décimo oitavo hexagrama. O comentário textual provido por Legge e outros é geralmente obscuro, mas os dois trigramas elementais que formam o hexagrama são aqueles os da terra e do ar, e portanto de acordo com o significado de Kû quando causa uma perda de alma ou sôpro.41 Isto vai bem de acordo com os antigos textos Chineses onde Kû é identificado com condições

atmosféricas malignas tais como aquelas geradas, fisicamente, por regiões subterrâneas sulfurosas e pantanosas, ou  psiquicamente, por eflúvios miásmicos de condições cadavéricas. Kû também indica a presença de maus espíritos e

as auras insalubres de entidades artificiais criadas por meio de magia negra.

O que é de interesse especial aqui, é o fato de que, conforme alguns textos extremamente antigos, o Kû voa através da noite e aparece “como um meteoro”. Sua luminosidade aumenta e ele projeta uma sombra na forma humana; ele é então conhecido como t’iao-sheng-kû. A sombra pode desenvolver um grau de densidade que capacita-o a copular com mulheres, neste estágio ele é chamado chin-tsan-kû. Ele pode então ir aonde quer que ele deseje e dizem que ele espalha calamidades através da zona-rural. A crença popular encara o Kû como um maligno caçador da escuridão que arrebata as almas dos mortos. Tais crenças deram lugar à consideração de noites calmas oprimidas por pesadas nuvens42 em que irreconhecíveis objetos eram vistos reluzir e raiar como meteoros sobre o

alto dos telhados e voar para o espaço. Tais luzes foram atribuídas ao Kû, e o Kû era capaz de devorar em suas correrias noturnas os cérebros das crianças. Ele também seqüestrava espíritos humanos. Nas famílias de feiticeiros que eram conhecidas como ‘guardiões Kû’, a mulher era sempre seduzida por este espírito.

O meteoro era identificado como o Kû voador ou a serpente Kû, uma referência oblíqua à Corrente Ofídica43a qual os iniciados sabiam ter entrado na atmosfera da terá vinda do Exterior 44. O círculo de feiticeiros que

servem a este espírito ‘venenoso’45 tornam-se ricos. Esta crença é reminiscente de seu equivalente Vodu na deusa

serpente Ayida Oeddo, de quem é dito “minha deusa serpente, quando você vem é como o flash de luz”. O espírito de Ayda Oeddo é “uma grande serpente que aparece apenas quando ela quer beber. Ela então descansa sua cuda sobre a terra e afunda sua cabeça na água. Diz-se que ‘aquele que encontra excrementos desta serpente é rico para sempre’”.46

Partindo do fato de que as mulheres e meninas da família (círculo) são ditas serem seduzidas pela serpente, é evidente que a Corrente Ofídica manifesta seus venenos através dos kalasda fêmea. A serpente voa noturnamente “como um meteoro”. Quando ela alcança regiões esparsamente inabitadas ela desce e “come os cérebros de homens”. Tais mortais canibalizados tornam-se zumbis; “cérebros” significa inteligência, que, em troca, é símbolo de princípios vitais.

Um espírito similar ao chin-tsan-kû aparece na forma de um sapo ou rã. Ambas as formas, batráquia e ofídica, são familiares aos feiticeiros como totens do Senhor das Profundezas e do Grande Antigo. É interessante notar aqui que o Kû, como os OVNIs, parecem evitar as áreas populosas.Ele aterrissa ou materializa-se em regiões desertas. Outra similaridade com os relatos de OVNIs é que os ocupantes de tais engenhos algumas vezes fogem com várias partes do corpo humano.47Os antigos Chineses foram compelidos a incorporar suas observações em um

contexto ‘mágico’ para encontrarem termos para descrever o fenômeno da origem extraterrestre. A insistência sobre o simbolismo dos insetos é altamente significante em vista do som sussurrante credito por ser o arauto da  proximidade ou advento do Grande Antigo.48

Há ainda outro tipo de Kû. Ele era lendário por excretar ouro e prata e arremessa-los durante a noite, como raios. “Um grande ruído era criado por sua queda”. Também diz-se que OVNIs caem em uma grande rapidez

40Veja os escritos de Michael Bertiaux ligados ao Culto da Serpente Negra. 41A superposição do trigrama da Terra sobre o do Ar sugere sufocação. 42Representadas pelos trigramas Terra sobre Ar.

43 N.T.: Em inglês = Ophidian Current. 44 N.T.: Em Inglês = Outside.

45O espírito é o veículo dos venenos ofídicos ou

kalas.

46Ver 

Cults of the Shadow, p34.

47Ver as observações de Vallée sobre canibalismo e a morte de gado para a venda, em

 Messenger of Deception, parte III.

48Note, nesta conexão, a abelha, que é um zoótipo do Aeon de Maat. N.T.: mantenham em mente que Kenneth Grant e Michael Bertiaux dão

(9)

sonora. Além do mais, “ele pode ser uma serpente, um sapo ou qualquer outra espécie de inseto ou réptil”. É mantido por seus adoradores em uma sala secreta, e alimentado pelas mulheres. Entretanto, ele é formado de puro Yin, o qual é uma maneira figurativa de dizer que é ele é um Kû vampiro que vive do sangue menstrual. É dito também que o Kû que devora homens excretará ouro, enquanto que o Kû que devora mulheres excretará prata. A chave para estas palavras deve ser procurada no simbolismo da alquimia Chinesa e interpretada à luz da Gnose Ofídica. Lê-se então: O Kû vampiro (fêmea) que suga a semente masculina (como íncubus), emana o kalacriativo ou solar; o Kû vampiro (macho) que absorve o sangue menstrual (como succubus), emana o veneno lunar ou destrutivo. O processo divide-se naturalmente em Magick (sol) e Bruxaria (lua). Mas o kala lunar nem sempre é destrutivo ou corrosivo algo mais do que a corrente solar é invariavelmente criativa. Há gradações infinitas. Os Chineses estavam conscientes de uma sutil perichoresis, ou interpenetração de dimensões, e o Kû era talvez, uma das formas na qual eles simbolizavam-no. Ainda assim em quase todos os casos o processo envolvia um intercâmbio sexual entre mortais e extraterrestres – entre feiticeiros, meteoros ou ‘raios’.

O simbolismo do ‘pires’49 está também implícito no símbolo dual do Kû que inclui a bacia ou vaso, e o

verme ou inseto. Os espíritos lunares e solares copulam nas águas contidas no vaso, assim imbuindo o fluído com os kalasvindos do Exterior.

OYî chien chih pûlista quatro tipos de Kû: Kû serpente, chin-tsan-kû,Kû centopéia e Kû sapo. Eles podem mudar suas formas ou tornarem-se invisíveis. Cada um deles possuem suas consortes co as quais eles copulam a intervalos fixos em um vaso contendo água. Os venenos assim liberados fluem sobre a superfície da água e são coletados com uma agulha.50A infusão é conhecida como a respiração ou espírito do Yin e Yang e é então injetado,

durante uma visitação noturna51 nos genitais da vítima. O princípio vital é assim dominado e a vítima torna-se um

zumbi, seu fantasma é daqui em diante controlado pelo Kû da mesma forma que o tigre escraviza o ch’ang. 52

Esta explicação foi necessária para explicar os curiosos eventos que ocorreram em um encontro da Loja  Nova Ísis53quando Lî oficiou em um Rito de Kû interpretado de acordo com as linhas gerais do Nu-Aeon. 54

O templo da loja estava decorado com seda amarela rajada com malva. 55 Lî tomou sua posição sobre um

trono esculpido em ébano atapetado com malva. Ela usava um robe de seda negra enfeitado com uma serpente de esmeralda e rodeado com cordas de cetim, também de cor malva. As correias de sua sandália eram da forma de sapos forjadas em jade verde. No lugar do altar usual, estava um grande tanque repleto de um fluido colorido no qual aglomeravam-se muitos aparatos altamente realísticos sugestivos do Grande Antigo. Um grande gongo de  bronze era golpeado para marcar os estágios do ritual que sucedeu.

Lî afundou em profundo transe. Seu corpo balançava ritmicamente como um delicado caule de um lótus negro cauterizado contra a brilhante seda amarela. Um sussurro quase inaudível procedeu vindo do capuz através da abertura da qual os olhos de Lî cintilavam vindo de seu sono mágico. Seus dedos estavam excepcionalmente longos e inclinados co brilhante verniz que refletiam raios de irradiações luminosas advindas da lamparina adornada com  jóias que pendia, balançando lentamente na escuridão, acima do trono. Ela era uma lanterna de metal forjado de artesanato Árabe, suas janelas alternadas brilhavam com painéis multicoloridos que lançavam pesadas sombras por  todo o aposento e dirigia um brilho esmeralda nas profundezas do tanque.

Oito figuras encapuzadas rodearam o trono e tocaram a tempo o gongo. Suas reverberações criaram um vácuo que pareceu sugar na sala um curioso lamento, como de insetos dos quais a presença invisível tornava-se inacreditavelmente palpável.

O círculo dos adoradores fechou-se sobre Lî como um mar negro invadindo uma vívida praia amarela. Seu sussurro aumentou de uma baixa e pausada repetição de duas ou três notas a um alto falsete, assemelhando-se ao grito agudo dos guinchos de morcegos. A intensidade hipnótica do gongo, combinada com a concentração crescente do incenso que espiralava de um incensório em forma de dragão, evocou uma atmosfera bizarra, onde o incidente que ocorreria pareceria – aos participantes – como uma vívida realidade.

 No clímax do rito Lî desprendeu seu robe e, como uma sombra branca, incrivelmente réptil, escorregou sobre beira do tanque. A medida que ele afundava nas águas, oito tentáculos fálicos alcançaram e prenderam-na. Eles envolveram-na em um múltiplo maithunano qual cada um dos tentáculos participava de cada vez. O cabelo de Lî, negro como a noite, formou uma ondulação lentamente arabesca, cada vívido tendão cauterizou-se contra a

zona-49 N.T.: Pires em inglês é ‘saucer’. Em inglês os discos voadores (OVNIs ou UFOs) são conhecidos como ‘flying saurcers’. 50Esta é a versão Chinesa da prática do Tantra Hindu da coleta sobre uma folha de

bhurpadoskalasda suvasini.

51Incubi e succubi.

52Uma referência à lenda Chinesa concernente ao espírito de uma pessoa devorada por um tigre.

53 N.T.: Não confundir com a Loja Nova Ísis situada no Brasil (i.e. RJ). A Loja referida no texto, é uma Loja da Typhonian O.T.O. da qual Kenneth

Grant (o autor) é o O.H.O.. Esta loja chama-se New Isis Lodge.

54 N.T.: Nu-Aeon é análogo à Novo Aeon, posto que a palavra ‘Nu’ é análoga à ‘New’ (Novo) de acordo com as correlações cabalísticas utilizadas

 por Grant ao longo de todo o livro.

(10)

malva com precisão Dalínica.56 O orgasmo óctuplo que finalmente convulsionou-a foi registrado pelos adoradores

ao redor do trono. Violentos paroxismos deslocaram os capuzes negros, revelando brilhantes cabeças calvas e os  protuberantes olhos dos servos batráquios de Cthullu. Esta transação ocorreu apenas nas profundezas da zona-malva,  pois a estática figura de Lî, ainda encapuzada, sentada mergulhada em uma poça como uma piscina de óleo sobre o  ponto de escoamento abaixo das pernas do trono.

A medida que a Imagem amontoava intensidade nas mentes dos acólitos, as sombras lançadas pela lanterna assumia sobre o chão uma animação quase tangível e ofídica. Lentamente, as ondulações oleaginosas aproximaram-se do tanque e começaram a e escalar suas paredes. A radiância malva resplandecia através delas e fazia de cada uma das formas pululantes uma pesada ampola repleta de líquido, um alongado saco de pus infuso com um veneno  peculiar. Quando as sombras alcançaram a parede do tanque elas gotejaram em suas profundezas e fundiram-se com o fluido esverdeado. Ao contato deste novo elemento a forma Kû de Lî emergiu do abraço daquele  yab-yum octópode e retornou repentinamente ao trono, descrevendo uma perfeita parábola quando o espírito penetrou a massa flácida sobre o trono e identificando-se uma vez mais com a casca vazia encapuzada. Nesse retorno repentino o Kû revelou-se como um réptil marinho ao meio termo entre uma serpente e um peixe.

A experiência de Lî confirmou algumas, se não todas, das principais descobertas de dois pesquisadores que contribuíram com um artigo sobre Magia Chinesa para o Jornal da Universidade da Pensilvânia, em 1933. A fase mais importante, entretanto, com suas implicações extraterrestres permaneceu inesperada por eles.

O resultado do rito conteve alguns elementos que sugeriram que os Chineses possuíam um conhecimento oculto particular que precedeu qualquer evidência científica assim chamada de intervenção extraterrestre nos afazeres da humanidade. A substância sombra que pareceu viva e rastejava dentro do tanque era realmente algum tipo de óleo ectoplásmico secretado dentro do robe de Lî, seu refugo réptil. Isso deixou um depósito sobre o trono e um rastro de limo sobre os muros do tanque que emitiu um ganido lânguido mas alto quando dissolvido em ácido.

Como previamente notado, o Kû foi identificado com o décimo oitavo hexagrama do Yî King . O vaso ou tanque é tipificado pelo trigrama simbolizando o elemento Terra; ele aparece como uma cobertura acima do trigrama do espaço ou ar, assim encerrando, prendendo, ou capturando aquele elemento. Nesta retenção o elemento descarrega sua vitalidade, ou semente, como o verme (corrente ofídica) dentro de um conteúdo. Crowley, que trabalhou por muitos anos com o sistema do Yî King , comparou o hexagrama dezoito com seu reflexo - hexagrama cinqüenta e três – que é composto dos trigramas de Ar-de-Terra. Isto sugere ‘voar’, enquanto que Terra-de-Ar  sugere ‘sufocar’. A conclusão posterior sugere sufocação por submersão ou gases pantanosos, e por emanações venenosas advindas de kalasmiásmicos tipificados pelos venenos da serpente Kû.

Referências

Documentos relacionados

Em São Jerônimo da Serra foram identificadas rochas pertencentes à Formação Rio do Rasto (Grupo Passa Dois) e as formações Pirambóia, Botucatu e Serra Geral (Grupo São

Então perguntou Pedro: Ananias, como você permitiu que Satanás enchesse o seu coração, ao ponto de você mentir ao Espírito Santo e guardar para si uma parte do dinheiro que

O valor da reputação dos pseudônimos é igual a 0,8 devido aos fal- sos positivos do mecanismo auxiliar, que acabam por fazer com que a reputação mesmo dos usuários que enviam

Os testes de desequilíbrio de resistência DC dentro de um par e de desequilíbrio de resistência DC entre pares se tornarão uma preocupação ainda maior à medida que mais

Assim, se do ponto de vista do desenvolvimento intelectual, entendido como a capacidade para pensar reflexivamente, não há evidências que distingam, de forma

Eles incluem os poderes legislativos do presidente e a forma centralizada de organiza- ção do Congresso Nacional (Figueiredo e Limongi, 1999); o uso estratégico da execução de

Fresamento de cantos a 90º e faceamento a altas taxas de avanço.. Passo

PESQUISA FAPESP 104 ■ OUTUBRO DE 2004 ■ 47.. Estadual da Pensilvânia, descobriu três planetas - dois com massa similar à da Terra e um terceiro com o peso da Lua - ao redor de