Edição 19-13/maio/2016

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Texto

(1)

Muitas pessoas visitam exposições de animais mas não imaginam como é o preparo e todo o procedimento até chegar no grande dia do julgamento.

Em uma série de matérias vamos mostrar como funciona o julgamento, o preparo dos animais e a premiação. Nesta primeira oportunidade, vamos conhecer uma propriedade que se dedica ao cuidado com os animais para exposições.

Vamos falar sobre o manejo, dieta e treinamento.

GENÉTICA PRIVILEGIADA

Na Fazenda Recanto das Paineiras, do cooperado Pedro Elgersma, a seleção dos animais já começa com o uso de genética avançada, usando sêmen selecionado e de procedência garantida.

Além dos animais que já tem excelente linhagem, podem nascer vacas de excelente estrutura, e assim que percebida essa característica, o animal passa a ter cuidados especiais.

Neste sentido, o também criador e treinador que presta assistência na propriedade, Alessandro Dekkers, explica que a escolha é no olhar. “Quem já está acostumado percebe no primeiro olhar se o animal tem corpo para exposição. Vale lembrar que a beleza avaliada nestes casos é sempre relacionada com a funcionalidade. Teoricamente um animal com estrutura corpórea padrão tem também excelente

MANEJO

O manejo das vacas selecionadas é todo especial. Elas ficam amarradas em um local reservado e recebem cuidados exclusivos, como tosquia, medicação, banhos diários, tratamento de cascos e o treinamento para o desfile. Além disso, as vacas recebem alimentação diferenciada, com balanceamento nutricional.

“Todos os dias nossos funcionários fazem o treinamento do desfile com as vacas, para que elas se acostumem com os passos e as paradas”, explica Edson Marques, que acompanha os trabalhos na propriedade.

Estes animais são ordenhados separadamente também, e assim acostumam-se com a rotina parecida com a das feiras.

(2)

A família Elgersma participa de feiras há mais de dez anos e acumula diversas premiações importantes. Na última edição da Expo Frísia, por exemplo, garantiu o primeiro lugar nas categorias 2 nos Júnior, 2 anos sênior, 3 anos sênior e conjunto família, e o segundo lugar no conjunto de vacas leiteiras. Pedro Elgersma também conquistou o título de 3° Melhor Criador e Melhor Expositor na raça holandesa PB.

DESTAQUES DA EXPO FRÍSIA NO GADO VERMELHO E BRANCO

Adriaan Frederik Kok

Melhor Criador E Melhor Expositor HVB

Segundo e terceiro lugar - 2 anos júnior

Segundo lugar – 2 anos sênior

Segundo e terceiro lugar – Progenie de mãe

Primeiro lugar – conjunto de vacas leiteiras

Korstiaan Bronkhorst

5° Melhor Criador E Melhor Expositor HVB

Primeiro e terceiro lugar bezerra intermediária

Primeiro lugar – 2 anos sênior

Henri Martinus Kool

Primeiro lugar novilha sênior

Nicolaas Arian Bronkhorst

(3)

VENDA

Uno Mille Way Celebration, 13/13, completo, branco, 4 portas, R$ 21.000,00. Tratar com Marcelo – 43 9148 8596 – Wenceslau Braz

CLASSIFICADOS

VENDA

LOJA AGROPECUÁRIA

VACINAÇÃO CONTRA A FEBRE AFTOSA

Devem ser vacinados os animais que tenham até 24 meses.

Associados do Paraná - Para comprar a vacina deve ser apresentado o CARTÃO DO PRODUTOR RURAL.

Vacinas serão vendidas somente com caixas térmicas.

Não deixe para o final do mês, programe já a sua compra e proteja seu rebanho.

COLETES CAPAL

Garanta o seu!

Colete em microfibra, com zíper, dupla face

(verde musgo/azul marinho)

Tamanhos - PP ao GG

Disponível nas lojas Capal (filiais somente por

encomenda)

(4)

REUNIÃO COM PECUARISTAS EM CURIÚVA

Na filial Curiúva foi realizado em 10 de maio um encontro com associados pecuaristas para apresentação da ração Capal. O veterinário Rodrigo Navarro falou sobre as características dos produtos e seus benefícios para os animais de leite. Também explicou sobre o controle de qualidade e processos industriais na fábrica de ração da Capal. Cerca de 30 produtores estiveram presentes.

PALESTRA PARA PECUARISTAS EM JOAQUIM TÁVORA

Cerca de 45 pessoas participaram da palestra sobre controle estratégico de verminoses em Joaquim Távora, no dia 5 de maio. O palestrante Pedro Hespanha, gerente de produtos da Biogénesis Bago, abordou

temas de grande interesse para pecuária de corte e leite como perdas econômicas causadas por verminoses, controle estratégico de ecto e endoparasitas, manejo e aplicação correta de vermífugos e vacinas. Após a palestra os produtores participaram de um jantar, onde além de poder tirar maiores dúvidas com o palestrante, também puderam aproveitar para adquirir produtos em condições promocionais .

A equipe Capal de Curiúva está à disposição dos associados para programação de pedidos de ração e para esclarecimento de dúvidas.

No dia 6 de maio produtores se reuniram em uma tarde de campo em Arapoti para conversar sobre silagem.

A palestra “Fatores importantes para escolha de um bom híbrido para silagem” foi apresentado por Sérgio Sfredo, representante Pioneer, para pecuaristas de médio e pequeno porte da região.

REUNIÃO COM PECUARISTAS EM ARAPOTI

Para este grupo a silagem entra como único volumoso na dieta dos animais, e se contar com boa quantidade de grãos, sanidade e digestibilidade, pode diminuir muito o custo do litro de leite produzido, aumentando consideravelmente os lucros para o produtor.

“O tema é de grande importância para que os produtores possam otimizar a produção de silagem de milho, visto que o preço do milho tem sofrido altas constantes”, explica Lucas Belarmino, zootecnista da Capal.

CONVITE – PALESTRA EM ARAPOTI

Convidamos associados pecuaristas e seus funcionários para palestra sobre

saúde e qualidade de casco, com o veterinário Ângelo Marcelo (Urso).

24/05 – terça-feira

19h

(5)

PARANÁ MILHO Arapoti-Pr Comprador: R$ 55,00 Vendedor: R$ sem indicação W.Braz-Pr Comprador: R$ 55,00 Vendedor: R$ sem indicação SOJA

Disponível CIF Ponta Grossa R$ 83,00 Entrega abril/2017 e pagamento maio/2017 - CIF Ponta

Grossa/PR R$ 83,50 TRIGO Superior R$ 850,00 FOB Intermediário R$ 750,00 (T-2) PADRÃO R$ 680,00 (T-2) R$ 650,00 (T-3) SÃO PAULO MILHO Itararé-Sp Comprador: R$ 47,50 Vendedor: R$ 50,00 Taquarituba/Taquarivaí-Sp Comprador: R$ 48,00 Vendedor: R$ 50,30 SOJA

Disponível CIF Santos R$ 86,60 Entrega março/2017 pagamento

abril/2017 – CIF Guarujá R$ 87,00 Entrega abril/2017 pagamento

maio/2017 – CIF Guarujá R$ 87,00

TRIGO

Superior

R$ 760,00 FOB – SP (falling number mínimo de 250)

Intermediário

R$ 650,00 (T-2) PADRÃO R$ 640,00 (T-2) R$ 620,00 (T-3)

FEIJÃO – PREÇOS NA BOLSINHA – SÃO PAULO

Variedade 09/05/16 Min. Máx. 10/05/16 Min. Máx. 11/05/16 Min. Máx. 12/05/16 Min. Máx. 13/05/16 Min. Máx. Carioca Estilo 9,5 – 10 S/Cot S/Cot S/Cot S/Cot S/Cot S/Cot S/Cot 280,00 S/Cot S/Cot Carioca Estilo 9 – 9 S/Cot 265,00 S/Cot 265,00 S/Cot 273,00 S/Cot 270,00 S/Cot 300,00 Carioca Estilo 8,5 – 9 S/Cot 258,00 S/Cot 258,00 S/Cot 258,00 S/Cot 260,00 S/Cot S/Cot

MILHO

FUTURO CIF Guarujá entrega setembro/2016 e pagamento outubro/2016 Comprador: R$ 36,00 Vendedor: sem indicação

(6)

INFORMAÇÕES DO

MERCADO AGROPECUÁRIO

SUÍNOS

Mercado brasileiro de suínos apresentou preços acomodados tanto para o quilo vivo como para os principais cortes do atacado no decorrer desta semana. As ofertas atenderam a demanda de maneira ajustada, o que assegurou a estabilidade das indicações. A perspectiva é de que as negociações sejam mais lentas a partir dos próximos dias, com a entrada da segunda quinzena o consumidor tende a diminuir o seu poder de compra. O quadro segue bastante complicado, preços internos não apresentam sinais claros de recuperação, ao menos no curto prazo, enquanto o custo de produção continua em movimento de alta, puxado pelo alto preço do milho e do farelo de soja. As exportações de carne suína seguem essenciais para a regulação do mercado interno, considerando que quanto maior o volume exportado, menor a disponibilidade interna.

MILHO

Os contratos futuros encerraram a sessão desta quinta-feira com ganhos generalizados na bolsa de Chicago em meio a movimentos de compras de barganha e ajustes técnicos. O vencimento para julho/16 subiram para os maiores níveis em mais de uma semana, por robusta demanda por exportações e preocupações de que os produtores norte-americanos podem optar por plantar mais soja em detrimento de milho. Os solos encharcados em algumas regiões do Meio Oeste dos EUA e a previsão de mais chuvas nos próximos dias deve retardar os trabalhos de plantio do cereal. Agentes também seguem de olho no andamento das lavouras de milho de segunda safra no Brasil. Cada vez mais surge novas especulações em relação à quebra na produção da safra brasileira de milho, o que pode direcionar a demanda pelo grão para os EUA via exportação. Os valores dos contratos futuros de milho negociados na BMF&Bovespa voltaram a trabalhar do lado positivo da tabela em meio a movimentos de compras de oportunidade por ocasião das altas do dólar e firmeza dos preços internacionais do cereal. O vencimento maio/16, encerrou o dia com alta de 0,87% em relação à sessão passada, cotado a R$50,98/saca, ao passo que o vencimento setembro/16, registrou ganho de 0,58%, cotado a R$41,94/saca. As altas foram ocasionadas por preocupações com o clima adverso, na região centro sul do Brasil, que tem prejudicado a capacidade produtiva das plantações de segunda safra de milho.

No mercado interno, os preços continuam firmes em praticamente todas as regiões do país, influenciados pela posição firme de vendedores e pela demanda aquecida. Além do clima seco impactar negativamente o potencial produtivo das lavouras de milho de segunda safra, produtores se retraem à espera de preços ainda maiores frente a manutenção do quadro de aperto na oferta. A oferta não será suficiente, ao menos no curtíssimo prazo, para atender com folga a demanda dos compradores do mercado interno. Neste contexto de patamares recordes de preço e de dificuldade de compra por parte dos agentes do mercado doméstico, o ritmo das importações de milho vem crescendo cada vez mais. No acumulado dos quatro primeiros meses de 2016 foram importadas 244 mil toneladas de milho, maior volume desde 2012, quando o país havia comprado 290 mil toneladas. A expectativa é de que seja importado mais de 1,5 milhão de toneladas neste ano, que virão da Argentina, Paraguai e até dos EUA.

(7)

TRIGO

A Bolsa de Mercadorias de Chicago (CBOT) encerrou as operações desta quinta-feira com preços acentuadamente mais altos. O mercado buscou suporte no bom desempenho das vendas líquidas semanais de trigo dos Estados Unidos. Segundo o USDA, as vendas referentes à temporada comercial 2015/16, que tem início em 1o de junho, ficaram em 294.900 toneladas na semana encerrada em 05 de maio. Houve elevação de 65% sobre a semana anterior e ficou 24% acima da média das últimas quatro semanas. Destinos desconhecidos lideraram as compras. O mercado brasileiro de trigo com boa liquidez, com produtores negociando os lotes com qualidade que restam no mercado. Os moinhos, atualmente, estão buscando negócios em volumes reduzidos, não satisfazendo as necessidades para importação, o que explica a redução das importações apesar do preço bem mais atrativo no âmbito internacional. Com isso, estes buscam repor os estoques, os quais apesar da recuperação na demanda pela farinha, segue com retração no ritmo da moagem. Para a safra 16/17 é esperada nova redução dos estoques finais brasileiros, bem como o que acontecerá nesta temporada, apesar da sensível recuperação no consumo industrial, bem como a produção da próxima safra. Assim é esperada também uma redução das importações.

SOJA

Os contratos futuros registraram quedas nesta quinta-feira na bolsa de Chicago após decepcionantes vendas de exportações semanais dos Estados Unidos e expectativas de que os produtores norte-americanos plantarão mais soja e menos milho do que o previsto pelo governo dos EUA. Apesar de novos relatórios apontarem cortes ainda maiores na previsão de safra de soja na Argentina ou mesmo no Brasil, o ritmo das vendas de soja dos EUA ao exterior ainda não demonstraram migrações no fluxo de compra. Outro fator é que algumas importantes regiões do Meio Oeste norte-americano continuam com solos excessivamente úmidos e a previsão de mais chuvas nos próximos dias devem prejudicar o termino do plantio de milho em tempo hábil. No Brasil, o mercado físico registrou fraca movimentação de negócios nesta quinta-feira, visto que as indicações de compra se mostraram mais fracas e em acomodação. Embora o dólar tenha ensaiado recuperação

DÓLAR

as quedas em Chicago limitaram avanços mais significativos de preço. A ponta compradora esteve menos ativa diante das oscilações na paridade, efetivando apenas algumas operações pontuais por cobertura de posições envolvendo pequenos lotes. De certa forma, quem demonstrou interesse em fixar novas compra se depara com um quadro de escassez. A oferta de grão disponível para venda além de pequena também é restrita, fator que confere firmeza. Entre as praças do Centro-Oeste, o destaque segue para praças situadas no MT e GO, onde a disputa por lotes remanescentes segue forte. No Sudeste, o mercado perdeu liquidez diante da sinalização de preços mais baixos. No Sul, os preços mais acomodados também deixou o mercado mais largado, com baixo registro de negócios. Nos portos da região, a firme demanda tem enxugado os estoques e gerando suporte aos preços. As vendas futuras, visando lote da safra 2016/17 continuam esparsas, embora as condições de preços continuem bem atraentes.

Imagem

Referências

temas relacionados :