Sendo ético num mundo sem Deus!!!

36 

Texto

(1)

Sendo

Sendo

é

é

tico num

tico num

mundo sem Deus!!!

mundo sem Deus!!!

por Lourenço Stelio Rega©

Faculdade Teológica Batista de São Paulo

Uni dade de São Mateus – I. B. S. Mateus

O grande desafio

Filipenses 2.15,16

Para que vos tornei irrepreens

Para que vos tornei irrepreens

í

í

veis e sinceros,

veis e sinceros,

filhos de Deus, inculp

filhos de Deus, inculp

á

á

veis no meio de uma

veis no meio de uma

gera

gera

ç

ç

ão pervertida e corrupta, na qual

ão pervertida e corrupta, na qual

resplandeceis como luzeiros do mundo,

resplandeceis como luzeiros do mundo,

preservando a palavra da vida,, para que, no

preservando a palavra da vida,, para que, no

dia de Cristo, eu me glorie de que não tenha

dia de Cristo, eu me glorie de que não tenha

trabalhado em vão, nem me esforcei

trabalhado em vão, nem me esforcei

inutilmente.

inutilmente.

Referenciais para a vida

(2)

“É

“É

tica

tica

é

é

uma das

uma das

palavras mais

palavras mais

utilizadas no

utilizadas no

vocabul

vocabul

á

á

rio do

rio do

brasileiro no

brasileiro no

momento

momento

A

(3)

A ponta do Iceberg

A ponta do Iceberg

É

É

poss

poss

í

í

vel ser

vel ser

é

é

tico e

tico e

brasileiro ao mesmo

brasileiro ao mesmo

tempo?

(4)

Os paradoxos de nosso tempo

Os paradoxos de nosso tempo

Hoje te mos edif

Hoje te mos edifíício s m ais altos, ma s pavios mai s curto s. cio s m ais altos, ma s pavios mai s curto s. Auto

Auto--e str adas mai s larg as, m as pontos de vista mai s es treito s. e str adas mai s larg as, m as pontos de vista mai s es treito s. Gast amo s mai s, ma s te mos menos.

Gast amo s mai s, ma s te mos menos. N

Nóós co mpr amo s mai s, ma s de sfrut amo s meno s.s co mpr amo s mai s, ma s de sfrut amo s meno s. Temos ca sa s m aiore s e fa m

Temos ca sa s m aiore s e fa míílias menor es. lias menor es. Mais conh ecim ento e m enos pode r de julgam ento. Mais conh ecim ento e m enos pode r de julgam ento. Mais m edicina, m as meno s sa

Mais m edicina, m as meno s saúúd e. d e.

Bebe mos d em ais, fum amo s dem ais, ga sta mos de fo rm a perdul

Bebe mos d em ais, fum amo s dem ais, ga sta mos de fo rm a perduláária, ri mos de m enos, dirigimos rria, ri mos de m enos, dirigimos ráápido dem ais, nos pido dem ais, nos irrita mos fa cilm ente.

irrita mos fa cilm ente. Ficamo s aco rdados at

Ficamo s aco rdados atéét ard e, acord amo s c ansado s de mais...t ard e, acord amo s c ansado s de mais... Multiplicamos nos sa s poss es, ma s reduzi mos nos sos v alore s. Multiplicamos nos sa s poss es, ma s reduzi mos nos sos v alore s. Falamo s dem ais, a ma mos ra ra ment e e odiamo s co m muita f req Falamo s dem ais, a ma mos ra ra ment e e odiamo s co m muita f reqüüên cia.ên cia. Aprend emo s como g anhar a vida, m as não vi ve mos ess a vida. Aprend emo s como g anhar a vida, m as não vi ve mos ess a vida. Fizemos coisa s m aiore s, ma s não cois as melhor es. Fizemos coisa s m aiore s, ma s não cois as melhor es. Limpamo s o ar, m as polu

Limpamo s o ar, m as poluíímos a alm a. mos a alm a. Esc re ve mos mais, m as apr endemo s m enos. Esc re ve mos mais, m as apr endemo s m enos. Planeja mos mais, m as re aliza mos m enos. Planeja mos mais, m as re aliza mos m enos.

Aprend emo s a co rre r cont ra o te mpo, ma s não a e spe ra r com pa ciên Aprend emo s a co rre r cont ra o te mpo, ma s não a e spe ra r com pa ciência.cia. Temos maior es rendim entos, m as menor p adrão mor al.

Temos maior es rendim entos, m as menor p adrão mor al. Tivemo s av an

Tivemo s av ançço s na quantidad e, ma s não e m qualidade.o s na quantidad e, ma s não e m qualidade. Ess es s ão te mpos de ref ei

Ess es s ão te mpos de ref eiççõe s rõe s ráápidas e dige stão lent a, de homen s altos e ca rpidas e dige stão lent a, de homen s altos e ca ráát er b aixo, lucros expr es sivo s, ma s t er b aixo, lucros expr es sivo s, ma s rela cionam entos r aso s. Mais l aze r, ma s m enos dive rs ão. Maior v ar

rela cionam entos r aso s. Mais l aze r, ma s m enos dive rs ão. Maior v ari edade d e tipos de co mida, ma s m enos i edade d e tipos de co mida, ma s m enos nutri

nutriçção. ão. São dias de viagen s r

São dias de viagen s ráápida s, frald as de sc artpida s, frald as de sc artááv eis e mor alidade ta mbv eis e mor alidade ta mbéém de sc artm de sc artááv el e pv el e píílulas que faz em de tudo: lulas que faz em de tudo: alegr ar, aquiet ar, m ata r.

alegr ar, aquiet ar, m ata r.

Fonte:

Fonte:httphttp://www.://www.jovempanjovempan.co m..co m.brbr/index 2./index 2.htm htm

Um pouco da realidade

Um pouco da realidade

brasileira

(5)

Um pouco da realidade

Um pouco da realidade

brasileira

brasileira

Esta

Esta

é

é

a

a

ú

ú

ltima seca que assola o Nordeste.

ltima seca que assola o Nordeste.

Juscelino K ubitschek

Diz

Diz-

-se em Bras

se em Brasí

ília que a internet pegou no pa

lia que a internet pegou no paí

ís

s

porque aqui todo mundo @ e fica por isso mesmo!

porque aqui todo mundo @ e fica por isso mesmo!

Tutty Vasques

A situa

A situa

ç

ç

ão brasileira não est

ão brasileira não est

á

á

ruim ... para ficar

ruim ... para ficar

ruim ainda tem de melhorar muito.

ruim ainda tem de melhorar muito.

Rogério E kberg

No abacaxi da CPI, os bananas perguntam, os laranjas

No abacaxi da CPI, os bananas perguntam, os laranjas

respondem e, no final, um mamão lava o outro.

respondem e, no final, um mamão lava o outro.

Tutty Vasq ues

O Minist

O Minist

é

é

rio da Sa

rio da Sa

ú

ú

de adverte:

de adverte:

o sal

o sal

á

á

rio m

rio m

í

í

nimo

nimo

é

é

prejudicial

prejudicial

à

à

sa

sa

ú

ú

de.

de.

Brasil: o jeito

Brasil: o jeito

é

é

reformatar

reformatar

..

..

.

.

(s em usar o W indows!!!)

(s em usar o W indows!!!)

Sonia de Aguiar

O que

(6)

É

É

tica e a razão da vida

tica e a razão da vida

ü

ü

Perguntas essenciais da vida:

Perguntas essenciais da vida:

por que nasci?

por que nasci?

para que nasci? p/ que estou aqui?

para que nasci? p/ que estou aqui?

para onde vou?

para onde vou?

ü

ü

Ser

Ser

á

á

que a vida não tem sentido?

que a vida não tem sentido?

ü

ü

Ser

Ser

á

á

que vale a pena viver?

que vale a pena viver?

ü

ü

Ser

Ser

á

á

que fa

que fa

ç

ç

o falta no mundo?

o falta no mundo?

Todo dia

(7)

É

É

tica e decisões!!!

tica e decisões!!!

ü

ü

A pessoa

A pessoa

é

é

um ser que decide

um ser que decide

ü

ü

Sempre decidimos

Sempre decidimos

a

a

não

não

decisão

decisão

é

é

uma decisão

uma decisão

à

à

a de

a de

não decidir

não decidir

ü

ü

Somos seres respons

Somos seres respons

á

á

veis pela

veis pela

nossa vida

nossa vida

ü

ü

Sofremos influências

Sofremos influências

diversas na tomada de

diversas na tomada de

decisões

decisões

O que

O que

é

é

é

é

tica afinal???

tica afinal???

®

®

É

É

tica

tica

é

é

um conjunto de princ

um conjunto de princ

í

í

pios que

pios que

norteiam nossas decisões di

norteiam nossas decisões di

á

á

rias

rias

®

®

Esses

Esses

princ

princ

í

í

pios

pios

são como que sinais de

são como que sinais de

trânsito indicando nossa conduta na vida

trânsito indicando nossa conduta na vida

®

®

A

A

é

é

tica tem a ver com praticamente

tica tem a ver com praticamente

todas as

todas as

esferas

esferas

de nossa vida:

de nossa vida:

à

à

pessoal

pessoal

consigo mesmo

consigo mesmo

à

à

social

social

com o pr

com o pr

ó

ó

ximo (amigos, fam

ximo (amigos, fam

í

í

lia, etc)

lia, etc)

à

à

profissional

profissional

como funcion

como funcion

á

á

rio ou patrão

rio ou patrão

à

(8)

É

É

tica e moralidade

tica e moralidade

®

®

É

É

tica

tica

O que deve ser

O que deve ser

Normativa

Normativa

Determinativa

Determinativa

®

®

Moralidade

Moralidade

O que

O que

é

é

Descritiva

Descritiva

Explicativa

Explicativa

A

A

é

é

tica como op

tica como op

ç

ç

ão pessoal ...

ão pessoal ...

Passado

Passado

Presente

Presente

Futuro

Futuro

DECISÃO

DECISÃO

Situacionismo

Situacionismo

Teleologismo

Teleologismo

Absolutismo

Absolutismo

Legalismo

Legalismo

Hierarquismo

Hierarquismo

Ontologismo

Ontologismo

Principeismo

Principeismo

É

(9)

Qual a for

Qual a for

ç

ç

a de modelagem,

a de modelagem,

de resistência e de participa

de resistência e de participa

ç

ç

ão

ão

que a f

que a f

é

é

cristã oferece numa

cristã oferece numa

situa

situa

ç

ç

ão cultural caracterizada

ão cultural caracterizada

por palavras

por palavras

-

-

chave como

chave como

globaliza

globaliza

ç

ç

ão, diferencia

ão, diferencia

ç

ç

ão,

ão,

individualiza

individualiza

ç

ç

ão e orienta

ão e orienta

ç

ç

ão

ão

para a vivência da

para a vivência da

satisfa

satisfaç

ção

ão

imediata

imediata?

?

Como ser cristão autêntico num

Como ser cristão autêntico num

cen

cen

á

á

rio com essas

rio com essas

caracter

caracter

í

í

sticas?

sticas?

Mundo desencantado

Mundo desencantado

No passado o mundo foi desencantado

para dar lugar à razão.

Depois para dar lugar à funcionalidade.

Mais adiante à existência.

Hoje o desencantamento do mundo

Hoje o desencantamento do mundo é

é

para dar lugar

para dar lugar à

às paixões, aos instintos

s paixões, aos instintos

individuais em que est

individuais em que está

á

havendo a perda

havendo a perda

do sentido da constru

(10)

O SUB SOLO DA VIDA CONTEMPORÂNEA

uma leitura ética

Vocabulário do cotidiano

fiz o que estava a fim de fazer ... meu

coração mandou ... eu fiz

Zeca Pagodinho: Deixa a vida me

levar

O SUB SOLO DA VIDA CONTEMPORÂNEA

uma leitura ética

Reality shows

: espelham os ideais éticos

contemporâneos

Big

Big

Brother

Brother

Brasil

Brasil

: intrigas, paixões e

polêmicas (que ressaltam os instintos

incontrolados do “eu”)

Acorrentados

Acorrentados

: um rapaz acorrentado a seis

moças por 24 horas (que buscam os extremos

(11)

O SUB SOLO DA VIDA CONTEMPORÂNEA

uma leitura ética

Erotização – sodomização coletiva

Incertezas no campo político, social

e econômico

Textos de auto-ajuda à indicam o

desespero humano em busca de

socorro

Matrizes

Matrizes

é

é

ticas

ticas

ou chaves de leitura da

ou chaves de leitura da

sociedade contemporânea

sociedade contemporânea

Sociedade de Gratifica

Sociedade de Gratifica

ç

ç

ão Imediata

ão Imediata

Paixão e impulsos internos como

Paixão e impulsos internos como

paradigma

paradigma

é

é

tico irresist

tico irresist

í

í

vel

vel

Filosofia e

(12)

Gratifica

Gratifica

ç

ç

ão Imediata

ão Imediata

A gratificação imediata tem sido

a chave global para a interpretação

do homem contemporâneo.

A m

A m

á

á

xima da sociedade da gratifica

xima da sociedade da gratifica

ç

ç

ão imediata

ão imediata

é

é

produzir experiências constitutivas do ser

produzir experiências constitutivas do ser

-

-pessoa que importa alcan

pessoa que importa alcan

ç

ç

ar

ar

tamb

tamb

é

é

m nessa

m nessa

sociedade que

sociedade que

é

é

comprometida com o

comprometida com o

projeto

projeto

de uma vida boa

de uma vida boa

.

.

At

(13)

É

É

tica dos instintos

tica dos instintos

Paixão e impulsos internos como

Paixão e impulsos internos como

paradigma

paradigma

é

é

tico irresist

tico irresist

í

í

vel

vel

A verdade

A verdade

é

é

tica est

tica est

á

á

centralizada no

centralizada no

intra

intra

-

-

subjetivo do

subjetivo do

eu

eu

Autonomia radical do indiv

Autonomia radical do indiv

í

í

duo!!!

duo!!!

Cada um com seu estilo !

(14)

Eu não preciso de ningu

Eu não preciso de ningu

é

é

m ...

m ...

Desd e que você fez a

Desd e que você fez a

Babalu

Babalu

de Quatro por quatro, d ez anos atr

de Quatro por quatro, d ez anos atr

á

ás, nunca

s, nunca

deix ou de s er consid er ada uma mulher atr aente, s exy. Você se v ê

deix ou de s er consid er ada uma mulher atr aente, s exy. Você se v ê des sa

des sa

maneir a?

maneir a?

T em hor as em que não me acho nad a diss o.

T em hor as em que não me acho nad a diss o. É

É

algo que tem muito a

algo que tem muito a

ver com o met abolismo, com ess a coisa hormonal, pr

ver com o met abolismo, com ess a coisa hormonal, pr

é

é-

-menstrual. Mas h

menstrual. Mas h

á

á

horas em que fico com muito tes ão em mim mesma, em que me olh o n

horas em que fico com muito tes ão em mim mesma, em que me olh o no espelh o

o espelh o

e pens o:

e pens o: “

“U au

U au, que del

, que delí

ícia, eu não precis o d e ningu

cia, eu não precis o d e ningué

ém, s

m, s

ó

ó

de mim

de mim”

”.

.

Sigo meus

Sigo meus

instintos ...

(15)

Vida orientada por situa

Vida orientada por situa

ç

ç

ões/impulsos

ões/impulsos

ou por princ

ou por princ

í

í

pios???

pios???

"Não posso dizer que

nunca ficarei com uma

mulher. Não sei. Nunca

pensei sobre isso. Até

agora, os homens

sempre me

satisfizeram."

(Giselle Iti é, a Julia da novel a Começar de Novo, em entrevista à Revista Oi)

Publicado na sessã o “Vej a Ess a” in: Revist a Vej a, 23/02/2005, pg. 36

Ningu

(16)

Moral dos Fracos

Moral dos Fracos

e Moral dos Fortes

e Moral dos Fortes

(Nietzsche)

(Nietzsche)

al

al

é

é

m do bem e do mal

m do bem e do mal

escravidão dentro de um

escravidão dentro de um

sistema

sistema

é

é

tico

tico

glorifica

glorifica

ç

ç

ão de si mesmo

ão de si mesmo

nega

nega

ç

ç

ão de si mesmo

ão de si mesmo

moral dos aristocratas

moral dos aristocratas

moral de escravos

moral de escravos

agir como manda o

agir como manda o

cora

cora

ç

ç

ão

ão

piedade, paciência

piedade, paciência

valoriza o belo e o est

valoriza o belo e o est

é

é

tico

tico

humildade, bondade

humildade, bondade

Moral dos Fortes

Moral dos Fortes

Moral dos Fracos

Moral dos Fracos

Nietzsche &

Nietzsche &

Cristianismo

Cristianismo

j

j

á

á

e agora

e agora

j

j

á

á

, mas ainda não

, mas ainda não

Nietzsche

Nietzsche

Cristianismo

(17)

A

A

irresistibilidade

irresistibilidade

das decisões ...

das decisões ...

sentimentos

pervertidos ou

perversos

(vs 28)

AFEIÇÃO

coisas inconvenientes,

iniqüidade, violência,

prostituição, malícia,

avareza, maldade,

inveja, homicídio,

contenda, engano,

malignidade, etc.

paixões infames

(vs 26)

IMPULSOS

desvios sexuais

(homossexualidade)

desejos dos

corações

(vs 24)

VONTADE

adoração à criação e não

ao Criador

Entregas

Área da vida

Ação

As entregas de Deus

As entregas de Deus

Roma nos 1.19ss

(18)

Conclusão

Conclusão

Buscar o sentido da vida

Buscar o sentido da vida

Viktor

Viktor

Frankl

Frankl

Sentido na vida (reali zação)

Prision eiros no ca mpo

de con cen tração

Fracasso

Sucesso

Estudandes

Desespero

de Idaho

(19)

Não vivemos

Não vivemos

sozinhos e ...

sozinhos e ...

o relativismo

o relativismo

leva ao caos,

leva ao caos,

à

à

anarquia

anarquia

Cristianismo

Cristianismo

sentido da vida

sentido da vida

§

Leitura teleológica da vida: O Evangelho

indica que o

sentido de nossa vida está em

vivermos para a alegria e glória de Deus

-objetivo para o qual fomos criados.

§

Os

dois mandamentos

máximos do

Evangelho se centralizam no

amor

– a Deus

e ao próximo (a si-mesmo) – indicando que

fomos criados para um ambiente de amor,

solidariedade e responsabilidade.

§

Amor é o que

Deus tem para nos conceder

,

quando vivemos para a sua glória.

(20)

Um exemplo de Jesus

Um exemplo de Jesus

o amor, a solidariedade

o amor, a solidariedade

Evangelho segundo Marcos 12.30

Evangelho segundo Marcos 12.30

-

-

31

31

Marcos 12:30

Marcos 12:30

O primeiro mandamento

O primeiro mandamento

é

é

:

:

Amar

Amar

á

á

s, pois, ao Senhor teu Deus de todo

s, pois, ao Senhor teu Deus de todo

o teu cora

o teu cora

ç

ç

ão, de toda a tua alma, de

ão, de toda a tua alma, de

todo o teu entendimento e de todas as

todo o teu entendimento e de todas as

tuas for

tuas for

ç

ç

as.

as.

Marcos 12:31

Marcos 12:31

E o segundo

E o segundo

é

é

este:

este:

Amar

Amar

á

á

s ao

s ao

teu pr

teu pr

ó

ó

ximo como a ti mesmo.

ximo como a ti mesmo.

Não h

Não h

á

á

outro mandamento maior do que esses.

outro mandamento maior do que esses.

Amor e solidariedade

Amor e solidariedade

Evangelho segundo Marcos 12.30

Evangelho segundo Marcos 12.30

-

-

33

33

dois mandamentos = Deus e o próximo

três níveis = Deus – eu - próximo

(21)

É

É

tica relacional

tica relacional

-

-

duas possibilidades de leituras

duas possibilidades de leituras

Posse ou marginalização

Convivência

Contestação

Diálogo

Exclusão

União na diversidade

Autoritarismo, exclusão

Participação

Hipocrisia - segundas

intenções

Sinceridade

Maldade

Bondade

Individualismo

Interdependência

Amor interesseiro

Amor incondicional

Homem – Deus

Deus – Homem

EU

EU

ISTO

ISTO

EU

EU

TU

TU

Adaptado de Matin Buber

O custo de se assumir uma

O custo de se assumir uma

posi

posi

ç

ç

ão

ão

é

é

tica

tica

®

®

Modelo de vida e lideran

Modelo de vida e lideran

ç

ç

a

a

®

®

Assumir decisões dif

Assumir decisões dif

í

í

ceis

ceis

®

®

Romper ciclo vicioso

Romper ciclo vicioso

®

®

Investimento no futuro

Investimento no futuro

®

®

Paciência e saber esperar o momento

Paciência e saber esperar o momento

certo

certo

®

®

Solidariedade

Solidariedade

®

®

Pol

Pol

í

í

tica de trabalho

tica de trabalho

®

(22)

Vocabul

Vocabul

á

á

rio

rio

é

é

tico para hoje ...

tico para hoje ...

®

®

Honestidade / lealdade

Honestidade / lealdade

à

à

verdade

verdade

®

®

Car

Cará

áter

ter

à

à

levar vantagem

levar vantagem

,

,

ego

ego

í

í

smo

smo

®

®

Princ

Princí

í

pios

pios

à

à

vida orientada por ...

vida orientada por ...

®

®

Investimento no futuro

Investimento no futuro

à

à

fuga do

fuga do

imediatismo

imediatismo

®

®

Pr

Pró

óximo

ximo

à

à

solidariedade ...

solidariedade ...

®

®

Pagar o custo

Pagar o custo

à

à

não esperar por

não esperar por

recompensas ...

recompensas ...

Devemos buscar uma

Devemos buscar uma

é

é

tica poss

tica poss

í

í

vel.

vel.

Se o homem

Se o homem é

é

criatura colocada num mundo

criatura colocada num mundo

imperfeito e numa hist

imperfeito e numa histó

ória caracterizada pelo

ria caracterizada pelo

pecado e pela reden

pecado e pela redenç

ção, não se espera dele que

ão, não se espera dele que

tome decisões perfeitas, mas tão somente que

tome decisões perfeitas, mas tão somente que

fa

faç

ça o que melhor puder fazer no seu esfor

a o que melhor puder fazer no seu esforç

ço de

o de

auto

auto-

-realiza

realizaç

ção e de constru

ão e de construç

ção de um mundo

ão de um mundo

melhor.

melhor.

(

(23)

Devemos buscar uma

Devemos buscar uma

é

é

tica poss

tica poss

í

í

vel.

vel.

ortodoxia

ortodoxia

não

não

-

-

presen

presen

ç

ç

a

a

dever

dever

-

-

ser

ser

ortopraxia

ortopraxia

presen

presen

ç

ç

a

a

querer

querer

-

-

ser

ser

Gr

Gr

á

á

fico extra

fico extra

í

í

do do livro

do do livro

Dando um jeito no jeitinho, de Louren

Dando um jeito no jeitinho, de Louren

ç

ç

o Stelio Rega

o Stelio Rega

Devemos buscar uma

(24)

Devemos buscar uma

Devemos buscar uma

é

é

tica poss

tica poss

í

í

vel.

vel.

Gr

Gr

á

á

fico extra

fico extra

í

í

do do livro

do do livro

Dando um jeito no jeitinho, de Louren

Dando um jeito no jeitinho, de Louren

ç

ç

o Stelio Rega

o Stelio Rega

Cristianismo

Cristianismo

sentido da vida

sentido da vida

Vivemos a vida

uma só vez

.

A vida

não é sem sentido

(nihilismo) se

a referenciarmos em Deus – no infinito.

Não estamos

sozinhos

– sem o próximo

e sem o transcendente.

Deus estabeleceu

propósitos

para nossa

vida desde a Criação.

(25)

Cristianismo

Cristianismo

sentido da vida

sentido da vida

B – C – D = dizemos que é o TODO do Evangelho

A – Z = na verdade, este é o TODO

B – C – D = é apenas parte

Z

Vivermos para

a glória de Deus

1 Co 10.31

D

A

B

2 Co 5.15

Deus nos criou

G n 3

para ... (Z)

G n 1,2

C

Rm 3.23

Esse d ia gra ma fo i ins pir ad o em DeV er n Fromk e, O supr em o

pro pós ito, Sã o Pa ul o: ELO, 19 80.

Recuperando o centro do Evangelho

Recuperando o centro do Evangelho

Por muito te mpo

o centro foi a cruz

– seria

isso um humanis mo disfarçado?

Jesus foi declarado Filho de Deus pela

ressurreição

(Rm 1.1).

A vida no Evangelho se completa pelo poder

da ressurreição

. Somente assim

conseguiremos vencer as tendências

perniciosas de nossos instintos. Rm 6

O Evangelho

não nega

a existência dos

instintos e impulsos humanos, mas determina

a sua gestão. Cl 2.23

(26)

Não podemos mais ser consumidores

Não podemos mais ser consumidores

da realidade, mas instrumentos de

da realidade, mas instrumentos de

sua transforma

sua transformaç

ção e constru

ão e construç

ção

ão.

.

Em vez de sermos esponja ou

Em vez de sermos esponja ou ó

óleo,

leo,

vamos ser um tempero para a vida,

vamos ser um tempero para a vida,

como o

como o sal

sal

... Vamos ser uma

... Vamos ser uma luz para

luz para

nosso ambiente

nosso ambiente

.

.

O grande desafio

Filipenses 2.15,16

Para que vos tornei irrepreens

Para que vos tornei irrepreens

í

í

veis e sinceros,

veis e sinceros,

filhos de Deus, inculp

filhos de Deus, inculp

á

á

veis no meio de uma

veis no meio de uma

gera

gera

ç

ç

ão pervertida e corrupta, na qual

ão pervertida e corrupta, na qual

resplandeceis como luzeiros do mundo,

resplandeceis como luzeiros do mundo,

preservando a palavra da vida,, para que, no

preservando a palavra da vida,, para que, no

dia de Cristo, eu me glorie de que não tenha

dia de Cristo, eu me glorie de que não tenha

trabalhado em vão, nem me esforcei

trabalhado em vão, nem me esforcei

inutilmente.

inutilmente.

Referenciais para a vida

(27)

Nos tornamos espetáculo do mundo 1

Co 4.9

As pessoas andam segundo o curso

deste mundo – Ef 2.2

Não devemos “nos conformar” a este

mundo – Rm 12.2

O Evangelho é

vida

e

relacionamento

,

além de doutrina e trabalho

Referenciais para a vida

Referenciais para a vida

Somos embaixadores de Cristo em

todos os lugares - 2 Co 5.18-20

Por natureza o cristão é

pacificador – Mt 5.9

O pecado da omissão – Tg 4.17

A palavra é portadora do ser e da

vida

Referenciais para a vida

(28)

Um plano de a

Um plano de a

ç

ç

ão

ão

ü

ü

Somos enviados ao mundo (João

Somos enviados ao mundo (João

17.18) não para vivermos para

17.18) não para vivermos para

ele, mas para vivermos para

ele, mas para vivermos para

Cristo nele (2 Cor

Cristo nele (2 Corí

íntios 5.15)

ntios 5.15)

ü

ü

E como cristãos devemos viver a

E como cristãos devemos viver a

vida o mais normalmente

vida o mais normalmente

poss

poss

í

í

vel, contudo sem nos

vel, contudo sem nos

mancharmos com o pecado

mancharmos com o pecado

(G

(G

á

á

latas 5.1

latas 5.1

-

-

13)

13)

ü

ü

Este mundo (

Este mundo (

gr

gr

.

.

aion

aion

)

)

é

é

governado por

governado por

Satan

Satan

á

á

s, o pr

s, o pr

í

í

ncipe das trevas (

ncipe das trevas (

Ef

Ef

2.1

2.1

-

-10)

10)

ü

ü

O mundo inverte os valores de Deus (Is

O mundo inverte os valores de Deus (Is

5.20)

5.20)

ü

ü

Qual tem sido a influência da sociedade

Qual tem sido a influência da sociedade

presente em suas decisões pessoais, nos

presente em suas decisões pessoais, nos

padrões de conduta na vida di

padrões de conduta na vida di

á

á

ria e na

ria e na

adora

adora

ç

ç

ão?

ão?

Um plano de a

(29)

A op

A op

ç

ç

ão ser

ão ser

á

á

de cada um ...

de cada um ...

Ser humano à

ser que decide

.

Cada um de nós deverá optar se deseja

viver orientado pelos

instintos

(distorcidos pela queda) ou orientado

por

princípios

do Evangelho.

A quem seguiremos?

O desafio do

profeta Elias – optar entre impulsos,

imediatismo ou princípios de Deus – 1

Re 18.21

A quem serviremos ???

A quem serviremos ???

A Deus?

A Deus?

Ou

Ou à

às nossas paixões e instintos ???

s nossas paixões e instintos ???

A quem seguiremos? O desafio do profeta Elias –

optar entre impulsos, imediatismo ou princípios de

(30)

A op

A op

ç

ç

ão ser

ão ser

á

á

de cada um ...

de cada um ...

Desenvolver uma vida

orientada por

princípios

em vez de orientada por

impulsos

(Rm 7) através da atuação

da graça de Cristo (2 Co 12.7-10)

As

paixões são passageiras

– 1 Tm

4.12 e 2 Tm 2.22

Sabendo

como lidar com os

impulsos

– colocando-os no trono de

Deus – Rm 12.1; Lc 9.23

As

As

ferramentas

ferramentas

de Deus para a vit

de Deus para a vit

ó

ó

ria

ria

Pureza mental à pureza de caráter:

Filipenses 4.8 –

viver de modo

irrepreensível

A

renovação da mente

(Rm 12.2; 2 Tm

3.16,17) é um dos recursos para

habilitarmos a vida por princípios.

O

poder da ressurreição

e a ação da

(31)

Questões pr

Questões pr

á

á

ticas ...

ticas ...

®

®

Por que ser

Por que ser

é

é

tico, se outros não se preocupam ...

tico, se outros não se preocupam ...

®

®

É

É

tica e qualidade de vida ...

tica e qualidade de vida ...

®

®

É

É

tica e situa

tica e situa

ç

ç

ão de injusti

ão de injusti

ç

ç

a ...

a ...

®

®

Ser

Ser

é

é

tico diante das pressões e crises ...

tico diante das pressões e crises ...

®

®

Ser

Ser

é

é

tico em situa

tico em situa

ç

ç

ões de interesses e

ões de interesses e

negocia

negocia

ç

ç

ões ...

ões ...

®

®

A

A

é

é

tica pode ser male

tica pode ser male

á

á

vel, ajust

vel, ajust

á

á

vel de acordo

vel de acordo

com a situa

com a situa

ç

ç

ão ...

ão ...

A importância de se estabelecer na

A importância de se estabelecer na

vida um

vida um

pacto de a

pacto de aç

ção

ão é

ética

tica

...

...

Para pensar ...

Para pensar ...

Não

Não

é

é

triste mudar de id

triste mudar de id

é

é

ias. Triste

ias. Triste

é

é

não ter id

não ter id

é

é

ias para mudar

ias para mudar

.

.

Barão de Itarar

Barão de Itarar

é

é

Pode

Pode

-

-

se avaliar uma pessoa pela

se avaliar uma pessoa pela

medida do que

medida do que

é

é

preciso fazer para

preciso fazer para

desencoraja

desencoraja

-

-

la.

la.

Robert C.

(32)

Um pouco de sabedoria

Um pouco de sabedoria

Esperteza, quando

Esperteza, quando

é

é

muita, destr

muita, destr

ó

ó

i o dono.

i o dono.

Elio Gaspari

O problema do Brasil não

O problema do Brasil não é

é

dos sem

dos sem-

-terra, sem

terra, sem-

-teto, sem

teto, sem

-

-camisa.

camisa. É

É

sim, dos sem

sim, dos sem-

-car

cará

áter e sem

ter e sem

-

-vergonha.

vergonha.

Anô nimo

Constituição brasileira: “Artigo único: todo

brasileiro fica obrigado a ter vergonha.”

Revogam-se todas as disposições em contrário ...

Capistrano de Abreu

H

H

á

á

esperan

esperan

ç

ç

a ...

a ...

Á

Á

gua mole em pedra dura tanto bate at

gua mole em pedra dura tanto bate at

é

é

que fura.

que fura.

Adágio popular

A esperan

A esperan

ç

ç

a

a

é

é

a

a

ú

ú

ltima que morre.

ltima que morre.

Adágio popular

H

H

á

á

sempre um momento no tempo em que uma porta

sempre um momento no tempo em que uma porta

se abre e deixa entrar o futuro.

se abre e deixa entrar o futuro.

Graham Greene

...

A vida

A vida é

é

um processo cont

um processo contí

ínuo de solu

nuo de soluç

ção de

ão de

problemas.

problemas.

Katsuya Hos otani

Toda for

Toda for

ç

ç

a ser

a ser

á

á

fraca se não for unida.

fraca se não for unida.

(33)

Nossa iniciativa ...

Nossa iniciativa ...

Estamos vivendo a civilização do conhecimento,

mas não da sabedoria.

A sabedoria é o conhecimento temperado pelo juízo.

André Malraux

Não podemos todos ser apóstolos, mas podemos ser

“cartas vivas”.

William A. Sunday

Quanto menos trato as plantas do pomar, mais

ampla é a invasão da erva daninha.

Anô nimo

Se cada um varrer a frente de sua casa, a rua toda

ficará limpa.

Anô nimo

Honestidade é o primeiro capítulo no livro da

sabedoria.

Thomas Jef fers on

Ore como se tudo dependesse de

Ore como se tudo dependesse de

Deus; trabalhe como se tudo

Deus; trabalhe como se tudo

dependesse de você.

dependesse de você.

(Anônimo)

(Anônimo)

O pouco se transforma em muito

O pouco se transforma em muito

quando

quando

é

é

devidamente colocado

devidamente colocado

nas mãos de Deus

nas mãos de Deus

o grande

o grande

multiplicador

(34)

Senhor

Senhor

... fa

... fa

ç

ç

a

a

-

-

me um instrumento de sua

me um instrumento de sua

paz

paz

...

...

onde houver

onde houver

ó

ó

dio, que eu semeie a paz;

dio, que eu semeie a paz;

onde houver injuria,

onde houver injuria,

perdão

perdão

;

;

onde houver d

onde houver d

ú

ú

vida,

vida,

f

f

é

é

;

;

onde houver desespero,

onde houver desespero,

esperan

esperan

ç

ç

a

a

;

;

onde houver trevas,

onde houver trevas,

luz

luz

;

;

onde houver tristeza,

onde houver tristeza,

alegria

alegria

...

...

São Fr an ci sco d e A ssi s

Não

Não

devemos

devemos

esperar por tempos

esperar por tempos

f

f

á

á

ceis, mas por

ceis, mas por

l

l

í

í

deres fortes de

deres fortes de

car

car

á

á

ter.

ter.

Não devemos esperar por

Não devemos esperar por

tarefas iguais ao nosso

tarefas iguais ao nosso

poder, mas por poder

poder, mas por poder

(35)

Web-site:

www.

www.

etica

etica

.pro.

.pro.

br

br

E-mail:

rega@

rega@

etica

etica

.pro.

.pro.

br

br

Muito Obrigado !

Muito Obrigado !

(36)

A

A

é

é

tica nossa de cada

tica nossa de cada

dia!!!

dia!!!

por Lourenço Stelio Rega ©

Autorizada pequenas citações deste material, sempre

indicando-se a fonte. Favor não reproduzir ou copiar sem

autorização expressa do autor.

rega@etica.pro.br

Imagem

Referências

temas relacionados :