Alimento: como produzir para atender as necesidades

Texto

(1)

“Alimento: como produzir para p p atender as necesidades”

Sílvio Isopo Porto

Brasília (DF), junho de 2011

(2)

Fatores Críticos para Agricultura

1. Crescente demanda dos países emergentes

2 Utili ã d d t í l A b l

2. Utilização de produtos agrícolas para Agrocombustível

3. Secas prolongadas, invernos rigorosos e chuvas torrenciais 4. Especulação do mercado de commodities no mundo

5 Infra-estrutura de logística no Brasil

5. Infra-estrutura de logística no Brasil

6. Concentração econômica

(3)

Fatores Críticos para Agricultura

1- Crescente demanda dos países emergentes p g

(4)

Ampliação do Consumo em Países Desenvolvidos, Emergentes e

Subdesenvolvidos - Kcal/pessoa/dia -

3400 para 3500

3000 para 3200

2800 para 3200 2900 para 3300

p

2800 para 3200

2400 para 3000

2200 para 2800

Desenvolvidos E t Sub desenvolvidos

Desenvolvidos Emergentes Sub desenvolvidos

Fonte: FMI e ONU

(5)

Famintos + Subnutridos no Mundo

Período Em milhões % População mundial

Famintos + Subnutridos no Mundo

1995 825 14 4

Período Em milhões % População mundial

1995 825 14,4 2005 873 13,4

2010 1.020 14,8

Fonte: OCDE/ FAO, 2010 ,

(6)
(7)
(8)

Fluxo do comércio mundial de trigo, milho e soja

Soja Milho Trigo

(9)

Fatores Críticos para Agricultura

2. Utilização de produtos agrícolas para Agrocombustível ç p g p g

(10)

Projeção de Crescimento Etanol e Biodiesel – 2005-2018

160 140 120

100 80 80 60 40

2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 20

0

(11)

Utilização de colza e soja colza e soja

Milho

Área de maior produtividade Palma

Milho

p

da cana de açúcar

Fonte: Casa Civil e Conab

(12)

Em construção

Planejada

(13)
(14)

Fatores Críticos do Agronegócio

3. Secas prolongadas, invernos rigorosos e chuvas torrenciais

(15)

Situação Climática no Mundo

Ano: 2009 e 2010

Inverno Rigoroso

Seca prolongada Chuvas

torrenciais

Ano: 2009 e 2010

Seca prolongada

Chuvas torrenciais

Chuvas torrenciais Chuvas Chuvas

torrenciais

Chuvas torrenciais

Seca prolongada

torrenciais / seca Seca

prolongada

Chuvas torrenciais

Seca prolongada e

Chuvas torrenciais

(16)

Fatores Críticos para Agricultura

4 Especulação do mercado de commodities no mundo

4. Especulação do mercado de commodities no mundo

(17)

Algodão g

100000

80000 90000 100000

Posição dos Fundos Especuladores na Bolsa de Algodão de NY

60000

70000

Long (comprado)

Short (vendido) Diferença (long-short)

30000 40000 50000

10000 20000 30000

0

ab r-09 ab r-09

m ai -0 9 m ai -0 9

ju n- 09 ju n- 09

ju n-0 9 ju l-0 9

ju l-09 ag o- 09

ag o- 09 se t-0 9

se t-0 9 ou t-0 9

out -0 9

no v-0 9 nov

-0 9 de z-0 9

de z-1 0 ja n- 10

ja n- 10 fe v- 10

fev -1 0 ma r-1 0

ma r-1 0 abr

-1 0 abr

-1 0 m ai -1 0

m ai -1 0 ju n-1

0 ju n-1

0 ju n- 10

ju l-10 ju l-1 0

ag o- 10 ag o- 10

se t-1 0 se t-1 0

out -1 0

ou t-1 0 nov

-1 0 nov

-1 0 nov

-1 0 de z-1 0

de z-1 1

Mês e Ano

(18)

EVOLUÇÃO DAS COTAÇÕES DE CAFÉ EM NOVA YORK E DOS PREÇOS PAGOS AO PRODUTOR MÉDIA MENSAL

Valor Relação

30,0 35,0

260,00 310,00

20,0 25,0 210,00

10,0 15,0 110,00

160,00

5,0 10,0

60,00

0,0 10,00

Nova York Preço Pago ao Produtor Nova York/Produtor

(19)

50,00%

80 00 90,00

Evolução das Cotações de Açúcar em Nova York e Preços pago ao Produtor

40,00%

70,00 80,00

20,00%

30,00%

50,00 60,00

ca 50 Kg

%

10,00%

30,00 40,00

R$/sa

0,00%

10,00 20,00

-10,00%

0,00

Preço ao Produtor New York Percentual Fonte: Conab/Sugof

(20)

Soja

Soja

(21)

Fatores Críticos para Agricultura

5 Infra-estrutura de logística no Brasil

5. Infra-estrutura de logística no Brasil

(22)

As zonas de produção cada vez mais distante dos centros de consumo e dos portos marítimos

Década de 90

Década de 80

Década de 70

Década de 60

Década de 50

Década de 50

(23)

PORTOS BRASILEIROS

Milho 80%

Soja 74%

Soja 74%

Algodão 96%

Fonte: MIDC e Conab

(24)

Principais Rodovias e Situação Operacional

Fonte: CNT

(25)

Situação ruim:

Brasília - Cuiabá

Fonte: CNT

(26)

Situação péssima: Sapezal – Campo Mourão

Fonte: CNT

(27)

BR – 163 Entre Nova Mutum e Lucas do Rio Verde-MT

Da porteira pra fora

Fonte: Bungue

(28)

Evolução dos Preços do Transporte

Rodoviário de Carga do Milho e da Soja em Goiás Rodoviário de Carga, do Milho e da Soja em Goiás

Em 2000 Em 2010 Variação Em 2000 Em 2010

Preço do Transporte

V ç

Rio Verde/GO a Recife/PE R$ 100/t R$ 285/t 185%

Preço em Goiás

Milho R$ 8,40/saca R$ 21,68 /saca 158 % Soja R$ 16,24/saca R$ 44,00 /saca 170 %

Fonte: NTC, Mercosul Transportes e Conab

Nota: Base Dezembro 2000 e 2010

(29)

Informações Complementares

(30)
(31)

Soja - Brasil

Venda de Herbicidas (toneladas) e Área Plantada (Mil hectares)

250.000

233.630 226.825

200 000 250.000

219%

168.774

192.042

150 000 200.000

94%

129.603

142.169

133.289

150.000

73.302 74.690 79.697

103.648

100.000

18 475 21.376 22.749 20.687 21.313 21.743 24.156

13 970 23.301 23.468

16 386

50.000

63% 73%

18.475 13.970 16.386

0

2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010

Anos

Venda de herbicidas (mil ton) Área Plantada BR (mil ha) Fonte: Conab/SINDAG

El b ã Di i/S i f/G Venda de herbicidas (mil ton) Área Plantada -BR (mil ha)

Elaboração: Dipai/Suinf/Gecup

02/06/2011

(32)

BRASIL - Área, Grãos e Defensivos

160,0 produção de grãos (milhões t) 8,0

7,1

6,6

7,2

120 0 140,0 ,

6 0 7,0

p ç g ( ) ,

área plantada (milhões há) venda de agrotóxicos (bilhões t)

4,5

4,2

3,9

5,4 100,0

120,0

5,0 6,0

00, 3 6 ,8 1 23, 2 1 19, 1 1 14, 7 122 ,5 131 ,8 1 44, 4 1 35, 0 1 43, 0 149 ,0

2,5 2,3

2 0

3,1

3,9

60,0 80,0

3,0 4,0

1 9 6

37 ,9 40 ,2 43, 9 47, 4 49, 1 47, 9 46 ,2 47, 4 47, 7 47, 8 48 ,1

2,0

20,0 40,0

1,0 2,0

0,0

2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010

0,0

Fonte: Sindag, Conab/Ibge

(33)

BRASIL - Área, Grãos e Fertilizantes

produção de grãos (milhões t) área plantada (milhões há) entrega de fertilizantes (milhões t)

22 8 22 8

24,6

22 4 22 4

140,0 24,5 160,0

25,0 30,0

16,4 17,1

19,1

22,8 22,8

20,2 21,0

22,4 22,4

100,0 120,0

20,0

,3 12 3, 2 1 19, 1 14, 7 122, 5 131, 8 144, 4 135 ,0 143, 0 149, 0

60,0 80,0

10 0 15,0

100 , 96, 8 1 1

7, 9 4 0, 2 43, 9 47 ,4 49, 1 47, 9 46, 2 47 ,4 47, 7 47, 8 48, 1

20,0 40,0

5,0 10,0

3 4

0,0

2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010

0,0

Fonte: ANDA, Conab/Ibge

(34)

Fusões e Incorporações

SETOR 2010 2009 2008 2007 2006 2005 2004 2003 2002 2001 TOTAL

1º Tecnologia da Informação 72 39 63 39 33 32 13 22 10 27 350

2º Alimentos, bebidas e fumo 32 29 48 51 31 28 25 13 24 24 305

3º Telecomunicações e mídia 15 19 14 19 23 15 24 11 11 18 169

3º Telecomunicações e mídia 15 19 14 19 23 15 24 11 11 18 169

4º Instituições financeiras 22 15 17 13 14 15 10 12 15 11 144

5º Companhias Energéticas 24 10 19 17 52 9 11 10 15 22 189

8º Produtos químicos e petroquímico 15 6 13 34 16 18 5 4 4 7 122 16º Produtos químicos e farmaceutico 10 10 6 10 10 11 8 4 3 3 75

19º Supermercados 4 5 2 3 0 4 2 4 3 6 33

35º Fertilizantes 7 0 1 0 1 2 0 0 0 1 12

Fonte: KPMG Corporate Finance Ltda.

(35)

PRINCIPAIS FUSÕES EM 2009 ‐ 2010

EMPRESA Atuação FUSIONADA/ADQUIRIDA/ JOINT

Grupo Bertin S.A.  Bovinocultura de corte/lácteos Vigor / Leco

BRF ‐ Brasil Foods Processamento proteína animal Sadia/Perdigão

Casa Pão Queijo Alimentos  Melhor Bolo Chocolate

Fibria Floresta/Celulose/Madeira PVC/Aracruz

Grupo Pão de Açucar Distribuição de  Alimentos  Ponto Frio

Grupo Pão de Açucar Distribuição de Alimentos Casas Bahia

Grupo Pão de Açucar Distribuição de  Alimentos  Casas Bahia

Heineken Cervejaria Femsa (Kaiser)

JBS Processamento proteína animal Bertin

JBS Processamento proteína animal Jack Link's Beef

JBS Processamento proteína animal Grupo Toledo

JBS Processamento proteína animal Rockdale Beef

JBS Processamento proteína animal Weddel Ltd.

Louis Dreyfus Commodities y Grãos, fertilizantes, citros, açucar , , , ç Santelisa Vale

Marfrig Processamento proteína animal Doux Frangosul (perú)

Marfrig Processamento proteína animal O'Kane Poutry (Irlanda)

Marfrig Processamento proteína animal Keystone Foods

Vale Mineração e energia Fertilizantes Bunge

Fonte: Pricewaterhouse Coopers / PwC International Ltd.

(36)
(37)

O advento dos conceitos sobre O advento dos conceitos sobre agrobiodiversidade, agroecologia e agrobiodiversidade, agroecologia e

sustentabilidade sustentabilidade

Estas considerações conceituais foram e estão sendo fundamentais para equilibrar as relações entre o econômico, social e ambiental.

Sustentabilidade

Agrobiodiversidade

Todos os componentes da

Sustentabilidade

Um modelo agrícola que satisfaça as necessidades das gerações atuais, sem comprometer a capacidade das gerações futuras.

Todos os componentes da

biodiversidade que tem relevância para a agricultura e alimentação, e constituem os agroecossistemas.

gerações futuras.

Agroecologia

A Agroecologia é uma transição dos

atuais modelos de crescimento rural

atuais modelos de crescimento rural

da agricultura empresarial para o

desenvolvimento rural e de

agriculturas sustentáveis.

(38)

Evolução dos modelos agrícolas Evolução dos modelos agrícolas

Agronegócio Agricultura Familiar

Produtos diversificados/

arranjos culturais Produtos/commodities

Valoração econômica, social e ambiental

Valoração econômica

(39)

Política Agrícola de Apoio à Agricultura Familiar

PGPM PGPM

PAA Política

Agrícola PGPAF Política

Abastecimento Sociobio-

diversidade

PNAE

(40)

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

F I M

silvioport@gmail.com

Imagem

Referências

temas relacionados :