A Importancia Da Contacao de Historias Para o Processo de Alfabetizacao e Na Formacao de Leitores

Texto

(1)

A IMPORTÂNCIA DA “CONTAÇÃO” DE HISTÓRIAS

A IMPORTÂNCIA DA “CONTAÇÃO” DE HISTÓRIAS PARA O PROCESSO DE PARA O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃ

ALFABETIZAÇÃO E NA FO E NA FORMAÇÃO DE LEITORESORMAÇÃO DE LEITORES

Mariana Carbonero Pastorello Mariana Carbonero Pastorello11

 Aline Aparecida Angelo  Aline Aparecida Angelo22

Simone Pádua Torres Simone Pádua Torres33

RESUMO RESUMO  A

 A arte arte de de contar contar histórias histórias é é uma uma prática prática muito muito antiga antiga utilizada utilizada por por povos povos ancestraisancestrais como forma de difundirem seus rituais, seus mitos e conhecimentos. A prática da como forma de difundirem seus rituais, seus mitos e conhecimentos. A prática da contação de histórias deve ser um convite ao aluno para adentrar o mundo da contação de histórias deve ser um convite ao aluno para adentrar o mundo da imaginação, e por isso tem sido resgatada em muitas escolas e pela sociedade civil imaginação, e por isso tem sido resgatada em muitas escolas e pela sociedade civil através de projetos de estímulo a leitura. O presente trabalho aborda o tema da através de projetos de estímulo a leitura. O presente trabalho aborda o tema da

Contação de Histórias no

Contação de Histórias no Processo de AlfabetizaçãoProcesso de Alfabetização e tem como objetivo analisar a e tem como objetivo analisar a

importância da “contação” de histórias em salas de aula

importância da “contação” de histórias em salas de aula nas práticas educativas comnas práticas educativas com alunos em fase de alfabetização. Esse trabalho foi desenvolvido sob a perspectiva da alunos em fase de alfabetização. Esse trabalho foi desenvolvido sob a perspectiva da pesquisa qualitativa, tendo a pesquisa bibliográfica como instrumento de coleta de pesquisa qualitativa, tendo a pesquisa bibliográfica como instrumento de coleta de dados para uma revisão teórica

dados para uma revisão teórica visando a intersessão entre os temas “contação” devisando a intersessão entre os temas “contação” de história, formação de leitor e alfabetização e letramento. Para isso, realizamos um história, formação de leitor e alfabetização e letramento. Para isso, realizamos um diálogo com pesquisas realizadas por Dohme (2001), Ramos (2011), Siqueira (2008) diálogo com pesquisas realizadas por Dohme (2001), Ramos (2011), Siqueira (2008) e outros autores. A partir dessas leituras concluímos que o uso da estratégia da e outros autores. A partir dessas leituras concluímos que o uso da estratégia da “contação de histórias” possibilita o aprendizado da escuta e outras aprendizagens. “contação de histórias” possibilita o aprendizado da escuta e outras aprendizagens. Portanto é necessária a valorização das narrativas orais

Portanto é necessária a valorização das narrativas orais no contexto escolar.no contexto escolar. Palavras-chaves:

Palavras-chaves: ““ContaçãoContação”” de histórias, alfabetização e letramento,de histórias, alfabetização e letramento, desenvolvimento de leitores.

desenvolvimento de leitores. INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO

O presente trabalho emerge de uma pesquisa desenvolvida no curso de O presente trabalho emerge de uma pesquisa desenvolvida no curso de especialização em

especialização em Práticas de Letramento e Práticas de Letramento e AlfabetizaAlfabetização,ção, da Universidade Federal da Universidade Federal

1

1Professora na E. E Senador César LacProfessora na E. E Senador César Lac erda de Vergueiro, especialista em Práticaerda de Vergueiro, especialista em Prática s de Letramento es de Letramento e

Alfabetização. Alfabetização.

2

2 11Professora na Universidade do Estado de Minas Professora na Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), Mestre em Educação pela UFSJ e doutorandaGerais (UEMG), Mestre em Educação pela UFSJ e doutoranda

em educação pela USP-SP. em educação pela USP-SP.

3

(2)

de São João Del-Rei, como Trabalho de Conclusão de Curso. A partir do trabalho desenvolvido, as autoras sentiram necessidade de ampliar o estudo e aprofundar nas discussões sobre as possibilidades de aprendizagem e de desenvolvimento do imaginário oportunizadas pelas histórias contadas por professores de séries iniciais.

O interesse em discutir a importância da contação de histórias para o processo de alfabetização e letramento surge da experiência das pesquisadoras, sendo a primeira professora de séries iniciais que sempre conciliou a arte de contar histórias à sua prática pedagógica, e as demais enquanto professoras universitárias interessadas por essa discussão. Diante dessa experiência, algumas questões foram surgindo no exercício da docência da primeira: De que maneira a história narrada contribui para a alfabetização e o letramento do aluno? Qual o efeito das histórias narradas nos alunos? Qual a aceitação da prática de “contação” de histórias pelos próprios professores alfabetizadores e pelos alunos? Por que alguns alunos “recebem” as histórias com mais facilidade/sensibilidade que outros?

Essa pesquisa foi realizada sob o aporte da pesquisa qualitativa, que tem como pressuposto o estímulo de pesquisadores a pensarem mais autonomamente sobre temas, objetos e/ou conceitos, trabalhando com a dimensão subjetiva no processo de investigação (ANDRADE et al, 2012). A pesquisa bibliográfica foi utilizada como técnica de coleta de trabalhos de pesquisas sobre o tema, visando à realização de uma revisão teórica.

Tendo em vista que esse texto permeia a discussão sobre alfabetização e letramento, trazemos aqui uma breve explanação sobre o entendimento que passamos quando nos referimos aos termos “alfabetização” e “letramento”.  O termo “alfabetização”, segundo Albuquerque (2007), pode ser definido facilmente por qualquer pessoa como a ação de ensinar a ler e a escrever. Mas essas ações, ao longo dos anos, foram tornando-se mais complexas até passarem a envolver, a partir da década de 1990, o novo termo “letramento”. Assim, a alfabetização deixou de ser considerada apenas como a habilidade de “codificar” e “decodificar” textos, como era antes definida. A leitura e seu ensino se tornaram temática e objeto de estudo de muitos pesquisadores de diversas áreas que buscaram redefinir esses conceitos.

Para Carvalho e Mendonça (2006), o letramento pode ser considerado um processo complexo, que quase sempre é visto como associado à alfabetização. Contudo, existem letramentos de natureza variada, inclusive, sem a presença da

(3)

alfabetização. Em suma, pode-se dizer que o letramento é um processo histórico-social. Tal conhecimento é adquirido pelo fato de que estamos inseridos numa sociedade letrada e as práticas letradas influenciam todos os indivíduos. Por esta razão, pessoas que vivem em sociedades letradas não podem ser chamadas de iletradas, mesmo que sejam não alfabetizadas.

Nesse texto, objetivamos apresentar como importantes pesquisas do campo da literatura infantil contribuem para se pensar o processo de alfabetização e letramento numa concepção lúdica e exitosa para a aprendizagem de crianças através do uso de histórias contadas. Estruturamos o texto em uma breve revisão da literatura sobre o histórico da literatura infantil e da arte de contar histórias.

REVISÃO DE LITERATURA

Histórico da literatura infantil e da arte de contar história

 A arte de contar histórias é uma prática muito antiga utilizada por povos ancestrais para difundirem seus rituais, seus mitos e conhecimentos. Campbell (2005) afirma que essa prática servia como meio de sintonizar o sistema mental com o sistema corporal, levando essas populações a viver e a sobreviver, além de servirem para justificar e interpretar fenômenos naturais que vivenciavam.

 A transmissão oral foi à solução encontrada pelas civilizações que não possuíam escrita para transmitir seus valores, crenças e saberes de geração em geração, sendo os contadores de histórias figuras de destaque nas comunidades. E essa prática se estendeu ao longo da história, passando por muitas civilizações.

Segundo Abílio e Mattos (2006), no século VI a.C., na Grécia antiga, Esopo introduziu as fábulas na tradição escrita. As fábulas são narrativas curtas que expressam o senso comum através de uma moralidade ao final e, de modo geral, as personagens são animais que assumem comportamento humano, revelando questões relacionadas às relações éticas, políticas ou questões de comportamento. São exemplos de fábulas de Esopo: A cigarra e a formiga, A raposa e a cegonha e A assembleia dos ratos.

Na Idade Média, os contadores de histórias se valiam do cenário habitado pela crença em fadas, gigantes, anões, bruxas, castelos encantados, elixires de todo o tipo, tesouros, fontes de juventude, quebrantos e lugares mágicos para disseminarem suas histórias. Não havia uma separação nítida entre o real e o fantástico, crianças e

(4)

adultos sentavam-se juntos para escutar os contadores de histórias em praças públicas (GUIMARÃES e ANDRADE, 2012).

Cademartori (1986) nos conta que o francês Charles Perrault foi pioneiro na elaboração da literatura infantil. No século XVII, Perrault coletava narrativas populares e contos da idade média, adaptava-as com valores comportamentais da sociedade burguesa europeia e editava-as retirando as passagens obscenas de conteúdo incestuoso e canibalismo, construindo os chamados contos de fada.  A Bela adormecida, Chapeuzinho Vermelho e o Gato de Botas são exemplos famosos de

obras desse autor.

Os irmãos Jacob e Wilhelm Grimm também influenciaram a origem da literatura infantil. No século XIX, realizaram uma coleta de contos na Alemanha e as transformaram em literatura infantil (CADEMARTORI, 1986). Em Contos de Grimm,

coletânea de contos de fadas e outros contos publicados em 1812, os i rmãos reuniram 170 contos, entre eles Rapunzel , João e Maria e Cinderela.

Siqueira (2008) afirma que nesse período, século XIX, houve a ascensão da família burguesa por conta da expansão industrial e a escola e a literatura se voltaram para uma educação normativa, com o objetivo de formar o fut uro adulto que, enquanto criança, deveria comportar-se à imagem e semelhança dos adultos. Os hábitos, costumes e padrões da sociedade deveriam ser seguidos.

Nas palavras de Siqueira (2008), Zilberman (2003) entende que os ideais burgueses estavam diretamente ligados à expansão da indústria e que, por isso, foi imposto um aperfeiçoamento do ensino escolar, por meio de uma pedagogia controladora, para cumprir as expectativas burguesas nos novos modos e meios de produção. Ao nascer, a criança tinha a própria história “pré -escrita” pela família, e para isso, deveria passar, etapa por etapa, pelos moldes impostos que a tornasse o adulto idealizado nos modos de ser, pensar e fazer dos familiares que a concebeu ao mundo. O ensino foi enquadrado ao comportamento social da época, cujo foco era somente a imposição de normas, condutas e preceitos. A literatura infantil, inicialmente, tinha a finalidade apenas de moldar a criança de acordo com os valores da sociedade vigente (SIQUEIRA, 2008).

 A literatura infantil no Brasil surgiu no século XIX, quando se publicava obras traduzidas e adaptadas de obras portuguesas. Até esse momento, as crianças

(5)

brasileiras liam textos não literários escritos por pedagogos com intenções didáticas e/ou moralizantes (RODRIGUES et al, 2013).

Contudo, segundo Abílio e Mattos (2006) tivemos também os contos populares que foram considerados o primeiro “leite intelectual”, pois através deles se expressam costumes, ideias, mentalidades, julgamentos e revelam a memória e a imaginação do povo brasileiro. Os autores afirmam que os contos populares brasileiros trazem influências e elementos das culturas europeia, indígena e africana, permitindo a apreensão de certas marcas e de certo caráter de brasilidade presentes nessas narrativas.

De acordo com Siqueira (2008), citando Cunha (2004), no Brasil, é Monteiro Lobato quem abre as portas da verdadeira literatura infantil. Lobato criou obras destinadas às crianças, retratando o Brasil de sua época, o sistema social vigente, seus valores, comportamentos, organização política e funções. Lobato4 rompeu com um tipo de literatura ideológica até então consumida pelas crianças brasileiras, em sua minoria, visto que a maioria estava privada do acesso aos livros. Em suas obras este autor sempre deixava espaço para a interlocução com seu destinatário, estimulando a formação da consciência crítica (SIQUEIRA, 2008).

DESENVOLVIMENTO

 A partir de uma revisão nas pesquisas de Dohme (2001), Ramos (2011), Siqueira (2008) e de outros autores aqui descritos, apresentamos o debate sobre a “contação” de histórias e sua contribuição para a formação da criança a partir de duas vertentes: as histórias, o processo educacional e a formação de valores; perspectivas didáticas e a atuação do educador.

Como vimos, a trajetória das histórias e da literatura infantil nos mostra a grande influência que os contos populares tiveram na formação do imaginário social, nas crenças e nos modos de educabilidade e formação moral. Com a chegada do século XXI, Ramos (2011) afirma que, devido à individualização manifestada nas sociedades modernas, estas estão perdendo os momentos de familiaridade e intimidade que o

4Alguns exemplos de obras desse autor são O sítio do pica-pau amarelo, A menina do nariz arrebitado, Fábulas

(6)

universo das histórias possibilita, fazendo com que as experiências compartilhadas deixem de existir.

AS HISTÓRIAS, O PROCESSO EDUCACIONAL E A FORMAÇÃO DE VALORES

Muitas vezes, não nos damos conta da forma como as crianças estão observando o mundo. Consequentemente, não percebemos como elas estão formando os seus conceitos sobre a vida, sobre os adultos ou sobre o que é certo e o que é errado. Parte-se do pressuposto de que a criança absorve somente aquilo que lhe é ensinado nos momentos “formais” de educação: na escola, na igreja ou em casa, em momentos que os pais ou professores transmitem conceitos que julgam importantes. Mas a aprendizagem não acontece exatamente desta forma, pois as crianças observam tudo ao seu redor. Elas estão aprendendo com as conversas entre os adultos, dos amigos, com os meios de comunicação, com a observação das atitudes dos pais e professores.

O reduzido tempo que as crianças passam com os pais, a padronização dos costumes, o consumo homogêneo e as mudanças da estrutura familiar, sob a influência da comunicação baseada em interesses capitalistas, são fatos que caracterizam nossa sociedade atual (SIQUEIRA, 2008).

De acordo com Dohme (2003) a atenção da criança se volta para a mensagem mais acessível, bem humorada, acompanhada de ação, música, desenhos engraçados e de cores vistosas, bichinhos e seres fantásticos. Assim, a criança tende a prestar mais atenção às mensagens apresentadas dessa forma, do que aquelas apresentadas formalmente pelos adultos responsáveis pela sua educação.

 A adoção de um conjunto de valores que norteie a vida de uma pessoa é algo absolutamente íntimo, não se força e nem se obriga. Esse processo encerra uma escolha, que deve ser livre e fruto do entendimento de que a decisão de adotar determinado valor é uma forma de conduta que lhe trará satisfação e poderá conduzi-la a boas realizações. (DOHME, 2001).

 Assim, é necessário que se apresente exemplos de conduta, de modo de vida, de adoção de atitudes e valores que levem a resultados satisfatórios. Uma estratégia interessante para essa formação da criança é através da contação de histórias às crianças, em que esses valores sejam trabalhados e que possibilite o despertar da

(7)

criatividade e sensibilidade nas crianças. Siqueira (2008) defende que a criança (ou leitor em formação) terá mais estímulo imaginativo com a ficção do que na recepção de postulados que devam ser decorados.

 As crianças estão mais abertas a mensagens alegres, que falem sua linguagem simples e se as histórias são capazes de fornecer referências para a formação do caráter da criança, pode-se concluir que as histórias são uma excelente forma de educar, conforme nos mostra Dohme (2003):

Ler ou estimular a leitura para uma criança é como plantar uma semente em terreno fértil. A leitura estimula o desenvolvimento do senso crítico e do raciocínio lógico, faz com que a criança acredite mais em si e tenha mais imaginação e criatividade. Assim, a leitur a contribui para a formação de cidadãos conscientes, sonhadores e, principalmente, realizadores (p. 03).

 Autoras como Ansolin e Oliveira (2013) defendem a importância das histórias no sentido de que estas ampliam as possibilidades de construção de linguagem e de desenvolvimento integral, intelectual e social da criança. Estas autoras, ainda afirmam que muitos estudos indicam que ouvir histórias é um dos principais meios para o desenvolvimento da linguagem e para a formação do leitor, pois incentiva a ampliação do vocabulário e a estruturação de enunciados, além de despertar no ouvinte o interesse pela leitura.

 Após a realização de um trabalho de análise dos efeitos da “contação” de histórias em uma escola de ensino fundamental no Paraná, Ansolin e Oliveira (2013) perceberam que o contador da história fornece elementos de estruturação e organização das histórias, o que pode possibilitar ou favorecer o desenvolvimento da consciência metatextual das crianças, o que é fundamental em relação ao processo de elaboração textual. Citando Lins, Silva e Spinillo (2000), as autoras definem consciência metatextual como a capacidade de reflexão sobre a estrutura do texto, o que permite que o indivíduo trate o texto como objeto de análise. Além disso, verificaram também que é possível usar a “contação de histórias” como prática pedagógica em auxílio à aquisição da leitura e da escrita das crianças em processo de alfabetização e ainda despertar na criança o interesse pela literatura.

Perspectivas didáticas e a atuação do educador na arte de contar

histórias

(8)

Compreendemos que a leitura possui um efeito libertador, pois aquele que lê, mergulha no livro, envolve-se a ele e o único limite será a imaginação do próprio leitor. É por meio da leitura que se têm uma visão do mundo, que se formulam hipóteses, formam-se o senso crítico e constroem-se conhecimentos.

Segundo Mollier (2009) o ato de ler ou ouvir um texto está relacionado às condições socioculturais e pessoais presentes nos alunos. A maneira como se lê e o sentido que se atribui a um texto depende do lugar e época que o leitor (ou ouvinte) realiza (ou escuta) a leitura.

 A qualidade da história está relacionada com a mensagem que ela transmite. É necessário que a história seja um meio eficiente de transmissão de uma mensagem educacional. Por isso a importância da escolha de uma boa história se dá pelo fato de que a história é uma boa maneira de se transmitir conceitos. O tipo de conceito que se deseja transmitir e o tipo de ação transformadora que se deseja desencadear também são relevantes. É preciso um comprometimento do educador para que o conteúdo educacional de uma história seja transmitido de forma f iel (DOHME, 2003). É preciso que o educador motive a história, crie expectativa sobre o conteúdo, acompanhe a forma como a criança está absorvendo cada uma de suas páginas e ensine a criança a caminhar no local onde a história estiver se desenrolando. Dohme (2003) diz que, no momento da leitura, tudo estará sendo absorvido pela criança e nem sempre será possível controlar a intensidade com que isso acontece; assim é importante que o educador fique atento a todos os tipos de mensagem que a história pode transmitir. Aos educadores compete a sensibilidade de que as histórias contribuem com o desenvolvimento da criança em vários aspectos como: afetividade, raciocínio, senso crítico, imaginação e criatividade.

É possível potencializar o efeito de uma história promovendo atividades que usem os seus diversos elementos. Pode-se fazer a dramatização das histórias por meio de mímica, música, quadros parados, fantoches, teatro. Pode-se ainda fazer com que as crianças continuem a história com um enredo criado por elas mesmas. O enredo e as mensagens educacionais de uma história também podem ser usados como tema para reflexão em diversas dinâmicas de grupo.

Dohme (2003) ressalta que a história deve ser apresentada de forma alegre, leve, colorida e com jeito de criança. O contador da história deve ser encantador, ter

(9)

graça, prender a atenção da plateia. O uso da voz, as posturas facial e corporal e recursos auxiliares como o uso de fantoches, brinquedos, marionetes, fantasias, dentre outros são exemplos de técnicas que facilitam o entendimento da história e aumentam o efeito da história sobre a criança.

Segundo Dohme (2003), o enredo das historias incita o raciocínio e a reflexão, pois, à medida que a criança vai lendo ou ouvindo uma história, ela vai acompanhando-a mentalmente. Ela procurará antecipar o final, e quando este chegar, irá compará-lo com aquilo que pensou. De acordo com Moreno (1999) para a criança, acompanhar o enredo de uma história força uma análise, um posicionamento. Este processo pode acontecer espontaneamente ou suscitado pelo professor, através de discussões em grupo, jogos e outras atividades lúdicas.

Sônia Kramer (2008) contribui com esse debate ao afirmar que as histórias são importantes em um processo educacional, pois as crianças gostam delas e isso aumenta a possibilidade de sucesso, pois se cria um ambiente agradável entre educador-aluno e sabe-se que boas relações permitem o diálogo, maior respeito e, consequentemente, uma relação de amor.

 Além disso, a audição de textos ou de livros permite ao ouvinte aprender e desenvolver estruturas de frases e textos, bem como ampliar seu repertório de palavras. A audição possibilita também que o ouvinte relacione a língua falada com a língua escrita, como por exemplo, o uso de pontuação e os sentidos que podem ser dados a um texto (RAMOS, 2011). É nesse aspecto que a “contação” de h istórias pode ser um importante instrumento mediador para o processo de alfabetização e letramento nas séries iniciais.

De outra forma, a “contação de histórias" também influencia a criança no plano afetivo, pois, segundo Ramos (2011), o ouvinte nutre confiança pelo leitor, seja ele um familiar ou um professor e essa relação afetiva interfere na intensidade das mudanças relacionadas aos aspectos cognitivos e linguísticos da criança.

Considerando todos os aspectos positivos da atividade de “contação de histórias”, cabe ao professor e à escola proporcionarem situações favoráveis de leitura de modo que, estes pequenos ouvintes-leitores, futuramente, busquem, por si só, seus caminhos literários e sintam prazer em apenas ler (RAMOS, 2011).

Existe um consenso entre os atores que discorrem sobre literatura infantil, alfabetização e letramento de que o contato com histórias e literatura durante a

(10)

infância possibilita a criança maiores condições de aprendizado na fase escolar, de alfabetização e letramento. As autoras Ansolin e Oliveira (2013) atribuem dificuldades de algumas crianças na fase inicial do processo de alfabetização à ausência de exposição às práticas ligadas à escrita antes da entrada da criança na escola. A falta dessa exposição pode fazer com que a criança tenha maior dificuldade em relacionar significados inicialmente expressos por gestos (linguagem corporal ou cênica) com as palavras e, posteriormente, podendo dificultar a compreensão e a expressão de conteúdos mais complexos.

Segundo Silva (2006) no Brasil há uma grande deficiência em relação à leitura, por motivos culturais ou econômicos, por exemplo, a falta de acesso a bibliotecas e instrumentos de informação. Sendo assim, os brasileiros leem pouco e os nossos alunos, geralmente, só fazem as leituras pedidas pelo professor e porque sabem que se não as fizerem terão um reflexo negativo em sua nota.

Tendo em vista esse dado, consideramos que a criança precisa ser estimulada tanto em casa pelos pais, quanto em sala de aula, onde o professor deve incentivar os alunos a descobrirem um novo mundo e soltarem a imaginação através da narração de uma boa história. Isso pressupõe não fazer uso da literatura meramente como um recurso didático e de avaliação de desempenho.

Ressaltamos isso, pois, segundo Silva (2006), na sociedade moderna grande parte das atividades intelectuais e profissionais gira em torno da língua escrita. Então, o saber ler bem garante o exercício de cidadania, o acesso aos bens culturais e a inclusão social. É sob esse aspecto, que Paulo Freire (1989) e Gimeno-Sácristan (2008) afirmam que a prática da leitura é necessária para a participação ativa e autônoma do sujeito, bem como o exercício pleno de sua cidadania.

Para essa formação crítica do leitor, temos na leitura compartilhada um importante recurso, pois essa estratégia prevê o intercâmbio de ideias, através de conversas e diálogos, sobre o que foi lido, por professores e alunos. Comentar sobre o que leu ou ouviu ajuda a atribuir sentido ao texto. Ao ouvir um conto, notícia ou lenda, o aluno o interpreta com base em seus conhecimentos de mundo e de outros textos, do que sabe e conhece do gênero ou do autor, do que antecipou durante a leitura. Além disso, a criança ou adolescente, quando ouve outras interpretações sobre o mesmo texto, passa a considerar diferentes pontos de vista e revê os seus, modificando-os, ampliando-os ou reforçando-os (DOHME, 2003). Nesse aspecto,

(11)

ouvir a compreensão que os outros colegas fizeram sobre a história ajuda o aluno a buscar sentido, a entender melhor o conteúdo e a ampliar sua própria interpretação sobre aquele texto e sobre outras leituras (PEREIRA2, 2013).

Siqueira (2008), citando Aranha (2006, p. 275) descreve que o conhecimento não está só no sujeito que o transmite e nem é dado apenas pelo objeto, mas se forma e se transforma pela interação entre ambos.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O desenvolvimento de interesses e hábitos permanentes de leitura é um processo constante, que começa no lar, aperfeiçoa-se sistematicamente na escola e continua pela vida afora, através das influências da atmosfera cultural geral e dos esforços conscientes da educação e das escolas públicas.

 Através das discussões aqui defendidas entendemos que é necessário oferecer as mais diversas possibilidades de literatura à criança. Histórias variadas, que possibilitem suscitar inúmeras emoções, sentimentos variados, exemplos distintos. Essas experiências irão se juntar com aquilo que ouviram de seus pais e professores, que viveram, experimentaram e que formarão um conjunto de experiências capazes de possibilitar as suas próprias escolhas, que nortearão as suas vidas e serão um esteio nas horas mais difíceis (DOHME, 2003).

 A prática da “contação” de histórias deve ser um convite ao aluno para adentrar o mundo da imaginação. O uso da estratégia da “contação” de histórias possibilita o aprendizado da escuta e outras aprendizagens. Portanto é necessária a valorização dessas narrativas orais.

Referências

 ANSOLIN, M., OLIVEIRA, J. P. A “contação de histórias” como elemento favorecedor do processo de aquisição da linguagem. CIEPG, 2013.

BATISTA, Antônio Augusto Gomes. Alfabetização, leitura e ensino de Português: desafios e perspectivas curriculares. Belo Horizonte: Anais do I Seminário Nacional Currículo em Movimento - Perspectivas Atuais, novembro de 2010.

CAMPBELL, J. Os primeiros contadores de histórias. História e antropologia, 2005. Disponível em:

(12)

<www.botucatu.sp.gov/Eventos/2007/contHistorioas/artigos/osPrimeirosContadores Hist.pdf>. Acesso em: 20 de fevereiro de 2014.

DOHME, V. Técnicas de contar histórias. 4ªed. São Paulo: Editora Informal, 2001. DOHME, V. Além do encantamento: Como as histórias podem ser um instrumento de aprendizagem. Fundação EDUCAR DPaschoal, 2003.

FREIRE, P. A importância do ato de ler : em três artigos que se completam. São Paulo: Autores Associados/Cortez, 1989.

GIMENO-SACRISTÁN, J. A educação que ainda é possível. Ensaios sobre a cultura para a educação. Porto: Portoed, 2008

KRAMER, M. L. Histórias e o lúdico encantam as crianças. São Paulo: Autores  Associados Ltda., 2008

MORENO, Leonel de Alencar. O lúdico e a contação de histórias na educação infantil. Florianópolis, v.10.n.97.p. 228 – 241, 1999.

MOLLIER, J.Y. A história do livro e da edição:um observatório privilegiado do mundo mental dos homens do século XVIII ao século XX. Vária história, Belo Horizonte, v.25. n.42. p. 521-537, 2009

MORAIS, J. A arte de ler . São Paulo: UNESP, 1996

PEREIRA, V. A importância da leitura em sala de aula para a fluência leitora.

Disponível em: <http://revistaescola.abril.com.br/fundamental-1/importancia-leitura-sala-aula-fluencia-leitora-748409.shtml>. Acesso em: 13 de out. de 2013.

RAMOS, A. C. Contação de histórias: Um caminho para a formação de leitores? Londrina, 2011.

SILVA, M.A.G. Leitura em sala de aula. Disponível em:

<http://www.uncnet.br/apps/pesquisa/pdf/ensinoMedio/LEITURA_EM_SALA_DE_AU LA.pdf>. Acesso em: 18 de out. de 2013.

ZILBERMAN, Regina. Leitura em Crise na Escola: As alternativas do Professor. 7ed. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1986.

Imagem

Referências

temas relacionados :