• Nenhum resultado encontrado

Perfil antropométrico de idosos residentes no município de Lindóia. Anthropometric profile among elderly who lived in Lindoia

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "Perfil antropométrico de idosos residentes no município de Lindóia. Anthropometric profile among elderly who lived in Lindoia"

Copied!
13
0
0

Texto

(1)

Perfil antropométrico de idosos residentes no município de Lindóia

Anthropometric profile among elderly who lived in Lindoia

Mariana Pirani FISCHER

1

, Maria Fernanda Petroli FRUTUOSO

2

1

Acadêmica, Curso de Nutrição, Universidade São Francisco, Bragança Paulista, São Paulo, SP, Brasil.

2

Nutricionista, Doutora pela Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo, Professora da Universidade São Francisco, Bragança Paulista, SP, Brasil.

Correspondência:

Mariana Pirani Fischer

Rua Lourenço Lourençoni, 476 - Centro 13.950-000 / São Paulo, SP, Brasil E-mail: marifischer@hotmail.com

(2)

RESUMO

O objetivo deste trabalho foi descrever o perfil antropométrico de idosos residentes no município de Lindóia. Trata-se de um estudo transversal, com 200 idosos de ambos os sexos, residentes no município de Lindóia, São Paulo. Foram questionadas informações sobre sexo, idade e zona de residência e as variáveis antropométricas mensuradas foram peso, estatura, circunferência da cintura e dobra cutânea triciptal. Foi calculado o índice de massa corporal para avaliação do estado nutricional O estudo foi constituído em sua maioria por idosos do sexo feminino (60,0%). As variáveis peso, estatura e circunferência da cintura apresentaram valores médios superiores aos homens em relação as mulheres, sendo o inverso observado para índice de massa corporal e dobra cutânea triciptal. Foi possível observar o predomínio de excesso de peso no sexo feminino em relação ao masculino e em relação a DCT foi possível observar que as mulheres apresentaram excesso de gordura subcutânea e os homens risco de baixa quantidade de gordura. Conclui-se que os idosos moradores do município de Lindóia encontram-se com excesso de peso, independente do sexo, idade, nível sócio-econômico e zona de residência.

Termos de Indexação: antropometria, idosos, estado nutricional. ABSTRACT

The objetive of this study was describe the anthropometric profile among elderly who lived in Lindoia, São Paulo. It was a transversal study with two-hundred elderly of both genders living in Lindoia, São Paulo. We asked the gender, age, residence place and measured body weight, stature, waist circumference and triciptal skinfold. We calculated the body mass index to nutritional evaluation. This study had more women than men (60.0%). The mean of weight, stature and waist circumference was higher in men and the opposity was found to body mass index and triciptal skinfold. There was more overweight among women. In ispite of trciptal skinfold, womem show excess of subcutaneal fat and men show low subcutaneal fat. We concluded that elderly who lived in Lindoia was overweight independent of gender, age, socioeconomic level and place of residence.

(3)

INTRODUÇÃO

Os países desenvolvidos e em desenvolvimento passam por um processo de envelhecimento populacional rápido e intenso. Estima-se que, no período de 1980 a 2025, a população mundial total aumentará 80%, enquanto que, na população idosa, este aumento corresponderá a 160%. Desta forma, a população acima de 60 anos terá dobrado, em média, pelo menos uma vez, sendo o Brasil o sexto país do mundo com o maior número de pessoas idosas1-2-3-4-5.

O envelhecimento populacional é uma resposta à mudança de alguns indicadores de saúde, principalmente a queda da fecundidade e da mortalidade, acarretando em aumento

da longevidade e maior número de indivíduos idosos6-7-8.

O processo de envelhecimento afeta o estado nutricional do indivíduo devido a inúmeras alterações que ocorrem no organismo, incluindo diminuição dos botões gustativos, redução do olfato e visão, diminuição da secreção salivar e gástrica, problemas de mastigação, constipação intestinal, prejudicando assim a ingestão e/ou absorção de

alimentos em alguns idosos, afetando significativamente a nutrição desse grupo9-10.

Adicionalmente, no processo de envelhecimento surgem alterações corporais que podem interferir no estado nutricional, como a perda de massa muscular e modificações na distribuição da gordura corporal. Desta forma, surge a necessidade de identificar alterações comuns ao envelhecimento ou decorrentes de doenças que acometem o idoso para possível tratamento11-12.

Os problemas de saúde e o uso de serviços de saúde aumentam com a idade,

principalmente nas últimas décadas de vida13. Segundo Travassos & Viacava14, o

envelhecimento associa-se a maior prevalência de doenças e incapacidades, caracterizando-se por uma fase da vida onde a utilização dos serviços de saúde tende a aumentar. O padrão geral de utilização de serviços de saúde é marcado pelo maior uso nos primeiros anos de vida e pelos idosos, sendo estas, etapas de maior vulnerabilidade biológica.

As patologias mais presentes na terceira idade que oneram o sistema de saúde são diabetes, hipertensão, osteoporose, entre outras, sendo estas doenças crônicas não

transmissíveis e passíveis de prevenção e tratamento com o auxílio da nutrição15.

Ressalta-se que todas as maiores causas de morbi-mortalidade atual apreRessalta-sentam associação com o estado nutricional16.

Desta forma, pode-se concluir que envelhecer é um processo natural que se caracteriza por mudanças físicas, psicológicas e sociais que acometem de forma particular

(4)

cada indivíduo, podendo torná-lo vulnerável, especialmente nas questões de saúde, incluindo nutrição17.

Neste contexto, este estudo visa a descrever o perfil antropométrico de idosos residentes no município de Lindóia, São Paulo.

(5)

MATERIAIS E MÉTODOS

Este estudo caracteriza-se por ser transversal, com coleta de dados primários.

Foram analisados idosos de ambos os sexos, com idade maior ou igual a 60 anos, residentes na zona urbana e rural do município de Lindóia, São Paulo, por meio de visitas domiciliares. Os nomes e endereços dos idosos residentes no município foram fornecidos pela Secretaria Municipal de Saúde com base no cadastro do Programa Saúde da Família.

Os idosos acamados e impossibilitados de se manterem em pé foram excluídos do estudo, bem como aqueles que não estavam em casa no momento da visita.

Foram questionadas informações sobre sexo, idade e zona de residência. As variáveis antropométricas mensuradas foram peso, estatura, circunferência da cintura e dobra cutânea tricipital, mensuradas por profissional treinado e registradas em formulário.

As medidas antropométricas foram realizadas com base nas técnicas propostas por

Lohman et al 18. O peso foi aferido somente uma vez, a estatura duas vezes e as dobras e

circunferências três vezes, com o intuito de diminuir erros de medida.

Para mensuração do peso foi utilizada balança eletrônica digital portátil, tipo

plataforma, marca PLENNA®, com capacidade máxima para 150 quilos e sensibilidade para

100 gramas. O peso foi verificado com o indivíduo descalço e utilizando roupas leves.

A mensuração da estatura foi realizada utilizando um estadiômetro portátil da marca

STANDARD®. A estatura foi medida com o indivíduo em pé, com os calcanhares juntos,

costas eretas e braços estendidos ao lado do corpo, estando a linha dos olhos de acordo com o plano de Frankfurt.

A circunferência da cintura foi mensurada utilizando fita métrica inelástica com precisão de 1 mm, sendo aferida na medida da cintura natural, ou seja, entre as costelas inferiores e as cristas ilíacas. A leitura foi feita no momento da expiração.

A dobra cutânea tricipital foi mensurada utilizando um adipômetro da marca LANGE®.

Esta medida foi aferida no ponto médio entre o processo acromial da escápula e do olécrano, na região posterior do braço. O indivíduo permaneceu com o braço relaxado, estendido e ligeiramente afastado do corpo e sua determinação foi realizada seguindo o eixo longitudinal do membro.

A partir das variáveis peso e estatura foi calculado o IMC (índice de massa corporal), que consiste na medida do peso corporal (kg), dividido pela estatura (m) elevada ao

quadrado (P/E2), segundo classificação do SISVAN19.

(6)

Tabela 1 - Pontos de corte para índice de massa corporal

Classificação IMC (kg/m2)

Baixo Peso - Risco ≤ 22

Normalidade 22-27

Excesso de Peso - Risco ≥ 27

Fonte: SISVAN (2004)

A medida da circunferência da cintura é indicativo para o desenvolvimento do risco de

problemas cardiovasculares, segundo a classificação da World Health Organization20.

Tabela 2 - Pontos de corte para circunferência da cintura

Risco Circunferência (cm) Homens Circunferência (cm) Mulheres Sem Risco <94 <80 Risco Aumentado ≥94 ≥80 Substancialmente Aumentado ≥102 ≥88 Fonte: WHO (1998)

A medida da dobra cutânea tricipital indica a quantidade de gordura subcutânea, a

partir da classificação da World Health Organization20.

Tabela 3 - Pontos de corte para dobra cutânea tricipital

Estado Nutricional Classificação

Baixa Quantidade de Gordura ≤P5

Risco de Baixa Quantidade de Gordura P5-P10

Excesso de Gordura >P90

Fonte: WHO (1998)

Para a descrição das variáveis foram utilizadas medidas de tendência central e dispersão. O teste t de Student foi aplicado para comparação entre as médias dos grupos e os testes de associações entre as variáveis foram obtidos segundo a distribuição qui-quadrado e por meio do teste exato de Fischer. Foi estabelecido nível de significância de 5%

(7)

para os testes estatísticos. Os cálculos estatísticos foram realizados com o auxílio do programa Stata 9.0.

O presente estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade São Francisco de Bragança Paulista. Os idosos participantes assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, segundo Resolução nº 196, de 10 de outubro de 1996 do Conselho Regional Nacional de Saúde, que regulamento pesquisa envolvendo seres humanos.

A Secretaria de Saúde do Município de Lindóia está ciente e autorizou o desenvolvimento do trabalho no município.

(8)

RESULTADOS

Do total de idosos estudados (200 idosos), 60% são do sexo feminino. A idade dos idosos estudados variou de 60 a 97 anos e a média etária (desvio padrão) foi 70,6 anos (8,19), sendo 68,5 anos (7,16) para mulheres e 73,6 anos (8,72) para homens, sem diferença estatisticamente significativa. Eram residentes em zona urbana 59% dos idosos.

Na tabela 4, nota-se que, nas faixas etárias mais baixas (60 a 70 anos) há predomínio do sexo feminino e, nas faixas etárias maiores (70 anos e mais), o masculino.

Tabela 4 - Distribuição dos idosos segundo sexo e idade

Idade Feminino Masculino Total

n % n % n % 60-65 51 25,5 17 8,5 68 34,0 65-70 33 16,5 14 7,0 47 23,5 70-75 21 10,5 16 8,0 37 18,5 75-80 9 4,5 14 7,0 23 11,5 > 80 6 3,0 19 9,5 25 12,5 Total 120 60,0 80 40,0 200 100,0 Observa-se que, indivíduos do sexo masculino apresentaram peso, estatura e CC superiores às mulheres (Tabela 5). A média do peso (desvio padrão) foi de 70,6 kg (13,8) e da estatura, 1,56 m (0,09). Quanto ao IMC e DCT, maiores no sexo feminino em relação ao

masculino, a média (desvio padrão) foi de 29,1 Kg/m2 (8,6) e 25,0mm (13,2). Houve

diferença estatisticamente significante entre os sexos somente para peso e DCT.

Tabela 5 - Distribuição dos valores médios (DP) das variáveis antropométricas dos idosos segundo sexo

Variáveis Feminino Masculino

Média DP Média DP Peso (kg)* 68,8 13,8 73,4 13,2 Estatura (m) 1,52 0,07 1,62 0,07 IMC (Kg/m2) 29,4 5,4 28,6 11,9 CC (cm) 0,94 0,12 1,09 1,08 DCT (mm)* 31,1 11,5 17,5 11,3 *p<0,05

(9)

Na tabela 6, observa-se o predomínio de excesso de peso na população estudada, maior no sexo feminino em relação ao masculino. Sendo possível também observar que a diferença entre eutrofia e excesso de peso no sexo masculino foi pequena em relação ao sexo feminino.

Tabela 6 - Distribuição dos idosos segundo sexo e estado nutricional

Estado nutricional Feminino Masculino Total

n % n % n % Baixo Peso 7 5,8 4 5,0 11 5,5

Eutrofia 40 33,4 36 45,0 76 38,0

Excesso de Peso 73 60,8 40 50,0 113 56,5

Total 120 100,0 80 100,0 200 100,0

De acordo com a classificação da WHO20 as mulheres apresentaram maior excesso de

gordura subcutânea (>P90) e os homens risco de baixa quantidade de gordura (P5-P10) para DCT.

O correspondente a 12,5% da população estudada apresentava falta de dentição e não faziam uso de prótese dentária.

(10)

DISCUSSÃO

A população analisada constitui-se em maior parte por idosos do sexo feminino (60%) e, assim como na população brasileira, de modo geral, a cidade de Lindóia apresenta predominância de indivíduos do sexo feminino. Tal fato, pode também ser justificado pelo horário das visitas domiciliares (13:30 às 17:00 horas), quando os homens geralmente estão fora de casa, para jogar baralho, conversar com os amigos, enquanto as mulheres permanecem em casa assistindo televisão, cuidando da casa, preparando a comida.

Quanto às variáveis antropométricas, é possível observar que os homens

apresentaram média estatural superior à das mulheres. Estudo realizado por Suriah et al 21

verificou a diminuição significativa da estatura dos idosos com idade mais avançada. Essa

diminuição, também observada nos estudos de Frisancho22 e Velázquez-Alva et al 23

deve-se, principalmente, à diminuição do arco plantar, achatamento dos discos intervertebrais e aumento das curvaturas da coluna.

O valor médio do peso dos homens mostrou-se superior ao das mulheres. A diminuição do peso, característica do envelhecimento é mais pronunciada nos idosos mais velhos.

Constatou-se que o IMC no grupo estudado é superior aos valores de referência do

SISVAN19, no sexo masculino a média do índice de massa corporal achado foi igual a 28,6

Kg/m2 e no sexo feminino foi igual a 29,4 kg/m2, sendo o valor de referência para eutrofia

IMC entre 22 e 27 kg/m2.

De acordo com as variáveis antropométricas, observa-se que a média da DCT das mulheres foi significativamente maior em relação à dos homens. No Brasil, Marucci e

Barbosa24, em estudo populacional com idosos residentes em São Paulo, encontraram

média de DCT das mulheres (25,2 mm) superior à dos homens (13,7 mm), cuja diferença mostrou-se estatisticamente significativa. Neste estudo, realizado com os idosos residentes no município de Lindóia, a média da DCT para mulheres foi de 31,1 mm e para homens foi

de 17,5 mm, tendo assim grande significância. Estudo de Menezes e Marucci11 afirma que os

valores da DCT são congruentes às informações na literatura que indicam maior acúmulo de gordura nas extremidades das mulheres, quando comparadas aos homens.

Os valores médios da circunferência da cintura foram 0,94 cm e 1,09, respectivamente.

De acordo com os padrões de referência da WHO20 adotados para desenvolver este

trabalho, os valores para mulheres e homens indicam risco substancialmente aumentado para desenvolvimento de doença cardiovascular.

Diante de todas as variáveis apresentadas, é possível que o valor médio dos homens é superior ao das mulheres somente em peso, estatura e circunferência da cintura. De acordo

(11)

com Falciglia et al 25, o declínio dos valores das variáveis antropométricas com a idade é consideravelmente maior nas mulheres que nos homens, com exceção da DCT.

Diferente dos estudos realizados com idosos no Brasil onde estes se encontram com baixo peso, a população deste estudo mostrou-se acima do peso segundo seu estado nutricional.

Conclui-se que os idosos moradores do município de Lindóia encontram-se com excesso de peso, independente do sexo, idade, nível sócio-econômico e zona de residência.

(12)

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Campos M F S, Monteiro J B R, Ornelas A P R C. Fatores que afetam o consumo alimentar e a nutrição do idoso. Rev Nutr. 2000; 13(3):157-165.

2. Barbosa AR, Santarém JM, Filho WJ, Marucci MFN. Composição corporal e consumo alimentar de idosas submetidas a treinamento contra resistência. Rev Nutr. 2001; 14(3):177-183.

3. Azevedo LC, Fenilli M, Neves L, Almeida CB, Farias MB, Breitkopf T, Silva AA, Esmeraldino R. Principais Fatores da mini-avaliação nutricional associada a alterações nutricionais de idosos hospitalizados. Arq Cat Med. 2007; 36(1):1806-4280.

4. Garcia ANM, Romani SAM, Lira PIC. Indicadores antropométricos na avaliação nutricional de idosos: um estudo comparativo. Rev Nutr. 2007; 20(4):371-378.

5. Ramírez ALB, Hernánde RAH, Mogollón HAH. Composición corporal de mujeres mayores de 60 años fisicamente activas. Rev Bras Cineantrop e Desemp Hum. 2007; 9(3):231-237.

6. Organización Mundial de la Salud. El Estado Físico: Uso e Interpretación de la Antropometría. Ginebra, 1995 (OMS, Serie de Informes Técnicos, 854).

7. Ministério da Saúde. Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa. Cadernos de

Atenção Básica, Brasília, no19, 2006.

8. Wong LLR, Carvalho JA. O rápido processo de envelhecimento populacional do Brasil: sérios desafios para as políticas públicas. Rev Bras Estat Popul. 2006; 23(1)5-26.

9. Tavares EL, Anjos LA. Perfil antropométrico da população idosa brasileira. Resultados da Pesquisa Nacional sobre Saúde e Nutrição. Cad Saúde Pública. 1999; 15(4):759-768.

10. Sampaio LR, Figueiredo VC. Correlação entre o índice de massa corporal e os indicadores antropométricos de distribuição de gordura corporal em adultos e idosos. Rev Nutr. 2005; 18(1):53-61.

11. Menezes TN, Marucci MFN. Antropometria de idosos residentes em instituições geriátricas, Fortaleza, CE. Rev Saúde Pública. 2005; 39(2):169-175.

12. Menezes TN, Marucci MFN. Perfil dos indicadores de gordura e massa muscular corporal dos idosos de Fortaleza, Ceará, Brasil. Cad Saúde Pública. 2007; 23(12):2887-2895.

(13)

13. Costa MFL, Filho AIL, Matos DL. Tendências nas condições de saúde e uso de serviços de saúde entre idosos brasileiros: um estudo baseado na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (1998, 2003). Cad Saúde Pública. 2007; 23(10):2467-2478.

14. Travassos C, Viacava F. Acesso e uso de serviços de saúde em idosos residentes em áreas rurais, Brasil, 1998 e 2003. Cad Saúde Pública. 2007; 23(10):2490-2502. 15. Pinto RBR, Bastos LC. Abordagem das pesquisas em epidemiologia aplicada à

gerontologia no Brasil: revisão da literatura em periódicos, entre 1995 e 2005. Revista Brasileira de Epidemiologia. 2007; 10(3):361-369.

16. Cabrera MAS, Filho WJ. Obesidade em idosos: prevalência, distribuição e associação com hábitos e co-morbidades. Arq Bras Endocrinol e Metabol. 2001; 45(5): 494-501. 17. Mendes MRSSB, Gusmão JL, Faro ACM, Leite RCBO. A situação social do idoso no

Brasil: uma breve consideração. Acta Paul Enf. 2005; 18(4):422-426.

18. Lohman TG, Roche AF, Martorell R. Anthropometrics Standardization Reference Manual. Illinois: Human Kinetics Book, 1988.

19. Ministério da Saúde. Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional. 2004.

20. World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a WHO Consultation. Geneva, World Health Organization; 1998. Technical Report Series, 894.

21. Suriah AR, Zalifah MK, Zainormi MJ, Shafawi S, Mimie SS, Zarina N. Antropometric measurements of the elderly. Mal J Nutr. 1998; 19(4):55-63.

22. Frisancho G. Anthropometric standards for the assessment of growth and nutritional status. Ann Arbor: University of Michigan Press; 1990.

23. Veláquez-Alva MC, Castillo-Mastínez L, Irigoyen-Camacho E, Zepeda MA; Gutiérrez-Robledo LM, Cisneros P. Estudio antropométrico en un grupo de hombres y mujeres de la tercera edad en la Ciudad de México. Salud Publica Mex. 1996; 38(6):466-74. 24. Marucci MFN, Barbosa AR. Estado nutricional e capacidade física. 1º Ed. Brasília:

Organização Pan-Americana da Saúde; 2003; 95-117.

25. Falciglia G, O’Cornnor J, Gedling E. Upper arm anthropometric norms in elderly white subjects. J Am Diet Assoc. 1988; 88(12):569-574.

Referências

Documentos relacionados

[r]

** APÓS JULGADO O RECURSO, PARTE DO VALOR SERÁ COMPLEMENTADO COM

Opondo-se às tendências clássicas, temos as abordagens multidimensionais, que defendem existir relações de interação es- tabelecidas entre o sujeito e o ambiente no qual

Assim, pretendemos com este trabalho de cunho teórico, sistematizar algumas ideias que colaborem para reflexões sobre a pertinência da relação entre desenvolvimento rural e educação

Este artigo objetivou inicialmente situar o lugar (s) ou o não lugar que a proteção social brasileira ocupa, para assim entender particularidades da política de

Este trabalho objetivou indicar se os municípios paulistas, caracterizados pelo Índice de Responsabilidade Social Paulista (IPRS) como “municípios-polo” (grupo 1) e municípios

Identification of Ctenocephalides felis fleas as a host of Rickettsia felis, the agent of a spotted fever rickettsiosis in Yucatan, Mexico. Vector Borne Zoonotic

OPÇÃO Pão de Forma com Manteiga Pão Caprichado Pao de Cenoura com Queijo Pão Caprichado Pão Francês Integral com Requeijão. FRUTA Abacaxi Mamão Melancia Banana