• Nenhum resultado encontrado

desenvolvimento: um olhar ao panorama dos saberes tradicionais da comunidade de Ekovongo-Bié/Angola

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "desenvolvimento: um olhar ao panorama dos saberes tradicionais da comunidade de Ekovongo-Bié/Angola"

Copied!
19
0
0

Texto

(1)

desenvolvimento: um olhar ao

panorama dos saberes tradicionais da

comunidade de Ekovongo-Bié/Angola

Environmental Education as a development Factor:

A Glance over the Panorama of the Ekovongo

Community traditional Values-Bié/Angola

José Capitango.

Resumo

um dos grandes problemas que afetam o seu desenvolvimento nas últimas décadas prende-se com o baixo rendimento que a terra vem evidenciando em termos de resultados da atividade produtiva,

de carvão vegetal que se destina a comercialização na cidade. Como parte de um estudo realizado em uma comunidade rural sobre Educação e Desenvolvimento nas Comunidades Ovimbundu de

se à problemática ambiental. Pretendeu-se, por um lado, esmiuçar alguns fundamentos

teórico-o mteórico-odelteórico-o neteórico-oliberal de desenvteórico-olvimentteórico-o, que na sua glteórico-obalidade leva as pessteórico-oas a enveredarem por ações agressivas contra o meio ambiente em busca de meios de sobrevivência, e a exploração excessiva de recursos naturais pelas empresas em nome do crescimento económico e consumo.

entre humanos e outros seres da natureza enquanto fator de desenvolvimento.

Astract

communities in general are traditionally dedicated to agriculture. As farmers, one of the major

to produce vegetal coal that is aimed at commercialization in town. As a part of a body of research on “Education and Development in the Ovimbundu Communities of Angola: Ethnographic Study

the environment, in the search of means for survival, as well as the excessive exploration of natural resources by companies in the name of economic growth and consumption. On the

(2)

Introdução

Como parte de um estudo realizado em uma comunidade rural sobre Educação e Desenvolvimento nas Comunidades

presente trabalho dedica-se à problemá-tica ambiental.

Desde o seu aparecimento na terra o ho-com a qual estabelece relações múltiplas pelas quais realiza o seu desígnio de obter -pio, tais relações não perturbavam a har-monia natural, na medida em que os danos ocasionados ao meio ambiente eram

insig -cipalmente na Era Moderna, período em que tiveram lugar as revoluções que im-pulsionaram o crescimento da população

-gico, processos que implicaram em grande medida a exploração indiscriminada de re-cursos naturais e a consequente crise am-biental. Desde então, a humanidade vem registando processos de urbanização e

in-e da contaminação, acin-elin-eram o in-

esgota-de terra, causando a perda da fertilidaesgota-de dos solos e a extinção de uma quantidade -ambiental à escala planetária, impulsio-nada pelo desenvolvimento económico e industrial assente na visão antropocêntrica da relação homem-natureza, materializada -cursos e de outras práticas irracionais que têm causado impactos negativos como a poluição dos rios e a poluição transfron-aquecimento global, entre outros.

Com o presente trabalho pretendeu-se, por um lado, esmiuçar alguns funda-mentos teórico-conceituais da relação homem-natureza para a compreensão da modelo neoliberal de desenvolvimento, que na sua globalidade leva as pessoas a enveredarem por ações agressivas contra o meio ambiente em busca de meios de sobrevivência, e a exploração excessiva de recursos naturais pelas empresas em

within the environmental problem to discern their traditional values in the existing relations between the

Palabras chave

Educação Ambiental, Saberes Tradicionais

Key-words

(3)

nome do crescimento económico e consu-mo. Por outro, analisar as representações sociais dos habitantes da comunidade de Ekovongo, em torno da problemática -dicionais à respeito da relação que existe entre humanos e outros seres da nature-za enquanto fator de desenvolvimento. E,

-tiva de reforço à consciencialização dos habitantes da comunidade e dos cidadãos em geral para terem uma atitude respon-sável com o meio ambiente, com vista a sua conservação e preservação. Com esta

-biental “ (…) refere-se à formação de uma população mundial consciente e preocu-pada com o ambiente, uma população que possua conhecimentos, competências, estado de espírito, motivações e sentido de empenhamento que lhe permitam tra-balhar individual e coletivamente para a re-solução dos problemas atuais e para evitar que se repitam”.

Como parte dos resultados do aludido estudo, elaborou-se a presente comuni-cação que se estrutura em duas secções: a primeira, de índole teórico-conceitual na qual tratamos das perspetivas teóricas da relação homem-natureza: Antropocentris-mo, biocentrisAntropocentris-mo, ecocentrismo e suas implicações na educação ambiental bem a segunda, empírica, que trata de saberes

tradicionais dos habitantes de Ekovongo à respeito da relação entre o homem e a na-tureza e dos problemas ambientais dessa comunidade.

Perspetivas teóricas da

relação homem-natureza:

antropocentrismo,

biocentrismo, ecocentrismo

e suas implicações na

problemática ambiental

-bre a relação homem-natureza nos

situa-trata do bem e do mal e que se desenvol

-individuo, coletivo ou sociedade considera os sentimentos e as emoções, mas não se limita a esses, pois tem uma base racional. -tal trata dos problemas morais relaciona-dos com o meio ambiente.

Assim, ao longo da historia, e no limiar do -vidual e/ou coletiva sobre a problemática ambiental tem levado pessoas,

(4)

organiza-outorgar-lhe o estatuto de senhor absoluto de si mesmo desprezando os demais se-res que integram a natureza.

-que o homem deve encontrar uma nova forma de relacionar-se com a natureza. A

da capacidade do imaginário do homem em criar símbolos, as sociedades humanas -gos culturais, que expressam as formas “imprimindo ao meio que habitam, com base na sua percepção de mundo, toda a sorte de transformações. Tais representa-ções (…) são decisivas para a modelagem do espaço habitado e a ordenação do tempo social”.

2006:2-3) esclarece que “O meio natural é percebido então através do conjunto de símbolos que integram essas representa-ções em cada sociedade. Toda sociedade cria uma forma de se relacionar com a

na -forme seus valores”.

à medida que o ser humano se desenvolve intelectualmente, reconhece-se como indi-viduo e como integrante da sociedade, “ (…) ele formula conceitos de natureza, para que possa elaborar um sistema de relacio-namento entre ambos”.

-que de forma pouco satisfatória, na busca

de uma racionalidade que oriente a rela -secução de tal desígnio foram formuladas teorias capazes de explicar qual deve ser a atitude e o comportamento do ser hu-mano, na relação com a natureza e o meio ambiente. Assim surgiu uma variedade de teorias entre as quais se destacam o an-tropocentrismo, o biocentrismo e o eco-centrismo.

Antropocentrismo

uma visão instrumental da natureza. De centro em torno do qual gravita o universo com todos os componentes que o inte-gram, devido a sua capacidade de abs-tem possibilidades de conservar e preser -perior pela sua capacidade de raciocínio a partir da qual adquire a capacidade de

re -conhecer a existência do outro, aprender e transmitir hábitos, comportamentos e co-nhecimentos, diferenciando-se de outros seres da natureza e possibilitando a cons-trução da cultura. Ao considerar o homem como um ser superior, dotado de razão e capacidade para apropriar-se da natureza e dominá-la para a satisfação das suas ne-cessidades, o antropocentrismo tratou de

(5)

custos, e ocorre o conhecido processo de externalização dos custos ambientais que passam a ser suportados pela sociedade e não pelas empresas que os provocam”. Cabe, contudo, salientar, que o antropo-centrismo se materializa de duas formas principais: a primeira, de raiz economicista e está associada ao modelo tecno-indus-trial da sociedade ocidental, pois, o seu vantagens económicas que ela

proporcio -ta ancorada na racionalidade económica orientada para a acumulação de capital, que sobrevaloriza o domínio da nature-za pelo homem, com vista a exploração ilimitada dos seus recursos e dependen-obstante, apresenta uma certa tendência reformista que aponta para a necessidade de transformações sociais no sentido de uma gestão precavida de recursos, para que deles venham a usufruir futuras gera-ções.

-ção que este modelo advoga em rela-ção forma de gestão dos recursos que garanta a sua continuação ou substituição se ne-cessário. Para este autor,

“ (…) o conhecimento ecológico encer-ra um potencial utilitário enorme por contribuir para a gestão dos recursos naturais renováveis, perpetuando a

via-mando que “Toda sociedade possui uma teoria da natureza que lhe é própria, que se -ais, senão igualmente em complexos de símbolos, de instrumentos e de práticas”. A noção de natureza que permeia a cos-movisão das comunidades humanas se do conceito de meio ambiente.

os clássicos do pensamento económico ocidental, mormente o de Adam ao advogar a ideia da competição entre de desenvolvimento, os quais agiriam para interesse próprio, tornando o progresso -mento da produtividade e do acúmulo da riqueza material. Deste modo, legitimou--se um princípio que norteia a cultura pre-datória que se cristaliza na ideologia do crescente dos recursos naturais atende à esta lógica do capitalismo neoliberal que se materializa na busca incessante do lucro, criação de novos mercados e estimulo ao consumo, impulsionados por um contínuo processo de inovações

tec-e produção dtec-e rtec-esíduos tóxicos qutec-e dtec-e- de-gradam o meio ambiente. A este respeito,

“A de-gradação ambiental que decorre dos pro-cessos produtivos não é incluída nos seus

(6)

-ção para aventuras voltadas contra outros

-cies, ainda que os mesmos se revelem de baixa utilidade ou sem qualquer utilidade humana.

“ao contrário do antropocentrismo, o biocen-trismo rompe com a perspetiva da mera atribuição de valor instrumental aos seres vivos, e reconhece e existência de deve-res da humanidade perante as diferentes formas de vida, independentes dos que temos para com os seres humanos” senda desta corrente, alguns críticos do

antropocentrismo como e

RE-extensiva a todos os seres sencientes, a -por situar de fora a consideração moral direta daqueles seres vivos que são inca-pazes de sofrimento e frustrações. Eles

-com todos os problemas ambientais e uma nova visão de bem-estar. Esta postura dos biocentristas radicais transcende, de -ca ambiental para se converter numa nova

-ideias biocêntricas podem ser sintetizadas

bilidade económica dos mesmos. Mas uma vez que o próprio modelo tecno--industrial desencadeou a presente crise ambiental, gerou no seu seio um

de implementação do desenvolvimento de uma forma sustentável e a evocação do princípio da precaução” (ALMEIDA, 2005:48).

-nomicista assenta na evocação dos be-nefícios que decorrem do usufruto da natureza. Quase todas as capacidades humanas, mormente aquelas que articu-lam as nossas vivências e a própria racio-desenvolvem-se em contacto com a natu-reza. Por tal facto, a evocação da relevân-cia da natureza para o ser humano pode contribuir para a superação do pensamen-to antropocêntrico.

Biocentrismo

-corrente que reivindica o valor primordial da vida e advoga a tese segundo a qual todos os seres vivos têm direito a existir e -da relevância moral aos seres distintos

-riores e todos os seres viventes. A perspe-tiva biocêntrica surge como alternaperspe-tiva ao

(7)

facilmente enfrentar com sucesso as in -vindas do meio ambiente e garantir a sua

-leção dos mais aptos, ou mesmo fator de

-cie que se encontra na condição de presa.

destaque quando se trata da educação ambiental, que pode ter aplicabilidade na gestão dos ecossistemas no que tange a neles presentes, evitando deste modo a vulnerabilidade e a consequente extinção daquelas que se acham mais ameaçadas de igual modo, servir para acautelar a ação predadora dos seres humanos nas suas aventuras em busca de meios de so-brevivência, particularmente daqueles que habitam nas comunidades rurais.

Ecocentrismo

-ção da natureza ocorre em fun-ção dela mesma e não em razão do homem. Para -loração própria, independente dos interes -da seguinte maneira: a) desenvolver uma

das entidades naturais vivas e não apenas reverência pela vida como atitude correta, um dever moral do ser humano para com outros seres da natureza, com vista a sua conservação e preservação.

Entretanto, considerando a multiplicidade de biocentrismos (centrado na senciência, centrado nos direitos, extensivo e igualitá-rio, extensivo e hierárquico, centrado nas

-que, pensamos, ainda assim, dar alguma ênfase às ideias defendidas pelo biocen-das implicações que tem para a educação ambiental.

Biocentrismo centrado nas espécies

-cies, esta corrente se baseia em argumen-tos que a aproxima das teses ecocêntricas como condição indispensável à manu-tenção da biodiversidade. Um dos aspe-tos importantes a considerar nas análises desta corrente prende-se com a competi-rivais que pode levar a uma escalada de

-produz em quantidade satisfatória pode

(8)

estatuto ontológico das espécies, dos ecossistemas, dos processos e das

re-epistemologia que tem que afrontar o problema da transição do descritivo para o normativo, porquanto uma éti-ca baseada em uma ciência como a ecologia, tem que saber dar resposta à -tética que contribua ao reconhecimento do valor intrínseco de certas entidades

-gitimidade de atuações a favor das en-tidades naturais e à justiça ambiental” (MARCOS, 2001:132).

responsabilizam o homem e o modelo de desenvolvimento por ele construído pela crise ambiental que se vive atualmente no horizontes a serem seguidos para a cons-trução de uma nova cosmovisão, capaz de situar os seres humanos em harmonia com a natureza.

Educação ambiental no

contexto atual

-ambiental passou por um longo processo atribui valores não instrumentais aos

ecos-sistemas, geradoras da biodiversidade bi-ótica e fundamentais ao funcionamento da que esta corrente apresenta a humanidade coloca a necessidade de repensarmos as nossas relações não apenas com os

se -mentos da natureza como a água, o solo, as rochas, etc. A lógica economicista do progresso, o individualismo exacerbado, -do, são construções sociais associadas à racionalidade modernista orientada para a acumulação de capital. As sociedades contemporâneas com todos os seus apa-profundamente abaladas em seus funda-à tecnologia na relação homem-natureza dominador do mundo, esquecendo-se da -trismo busca ultrapassar as fronteiras da visão antropocêntrica, substituindo-a por valores que esta corrente atribui aos seres dos valores materialistas ou economicis-tas defendidos pela racionalidade moder-nista.

-centrismo constitui

(9)

-relacionados com o meio ambiente, que podem ser tanto de ordem político,

eco -vidas pelas organizações internacionais que impulsionaram a institucionalização da educação ambiental. Em 1968, reali-zou-se a reunião do Clube de Roma resultados apontaram para a necessidade urgente de conservação dos recursos na-turais, controle do crescimento da popula-ção e investimento na mudança radical na mentalidade de consumo.

A reunião de Roma inspirou a organização Primeira Confe-rência Mundial de Meio Ambiente Huma-no

Este evento produziu uma Declaração so-bre o Ambiente Humano que despertou a humanidade para a preservação do meio ambiente e reconheceu a educação am-biental como elemento crítico para o com-bate à crise ambiental no mundo.

Depois da Primeira Conferência de Estocol-mo seguiram-se outras reuniões internacio-nais importantes das quais se destacam: o Encontro de Belgrado

e no âmbito do qual foi lançado o Progra-ma Internacional de Educação Ambiental visando a sua concretização em todos os Primeira Con-ferência Inter-governamental de Educação

Ambiental,

-de sua constituição, que não cabe - descre-ver neste breve trabalho. Mas, ainda as-sim, uma breve retrospetiva nos remeteria

-tou o movimento de contestação por de-sencanto com as cidades, numa tentativa de buscar alternativas nas comunidades Conferência da União Internacional para a Conservação da Natureza e seus Recursos -como um processo que consiste em

ad-e atitudad-es indispad-ensávad-eis para a comprad-e- compre-ensão e a valorização das relações recí-procas que podem existir entre o homem, a sua cultura e o seu meio biofísico.

-a educ-ação -ambient-al como um meio de ambiente. Para tanto, não constitui em si mesmo um ramo separado da ciência nem um tema para estudo, pois, deveria apli-car-se em conformidade com o princípio da educação integral permanente. Antes do aludido seminário, a Conferência da Or-ganização dos estados Americanos sobre Educação e Meio Ambiente em América, uma educação que implica a formação de forma clara sobre problemas complexos

(10)

“(…) um processo de aprendizagem permanente, baseado no respeito a to-das as formas de vida (…) tal educação

à transformação humana e social e à preservação ecológica. Ela estimula a formação de sociedades socialmente justas e ecologicamente equilibradas, que conservem entre si uma relação de interdependência e diversidade”

2012:80-91).

A partir destes delineamentos, a educação ambiental passou a ter um carácter inter-disciplinar e a ser concebida como um ato político baseado em valores para a trans-ambiental se fundamenta em uma visão

-mentos, aptidões, atitudes e hábitos não consumistas orientadas à manutenção e preservação do meio ambiente, incorpora saúde, direitos humanos, democracia, qualidade de vida e bem-estar social das educação ambiental se fundamentava no princípio de educar a partir da natureza, agora ela passa a ser concebida como uma educação de e para a natureza, mas, tornam possível enfrentar os problemas gerados pela relação homem-natureza e questionar o modelo de desenvolvimento do qual decorre essa relação, assim como a concepção de vida que os sustenta. resultou uma Declaração sobre Educação

-Segundo Congresso de Educação Ambiental,

91), foram delineados aspetos importantes da educação ambiental tais como “informa-ção, investiga“informa-ção, experimentação de con-teúdos e métodos, formação de pessoal e cooperação regional e internacional, ques-tões estas concebidas no seu conjunto e não como ações isoladas”.

como descentralização, limitação, equida -educação ambiental, dando ênfase à ques-tão das desigualdades que caracterizam as sociedades contemporâneas.

-a ECO/92 e o Forúm Glob-al re-aliz-ado p-a- pa --Governamentais, dedicaram atenção à educação ambiental, mas, na perspetiva da sua relação com o desenvolvimento internacionais surgiram várias

conceptu-foi sobretudo na conferência paralela das ser concebida como

(11)

e aprendizes, entre sexos e idades, e

1994 citados por FREITAS, 2012:80-91).

Como se pode constatar em todos estes eventos, a degradação do meio ambien-te causada principalmenambien-te pelo protago-nismo que o homem exerce sobre ele e pelos efeitos negativos da tecnologia, da atividade económica, etc., se converteram envolvendo tanto países desenvolvidos como aqueles em via de desenvolvimen-to, o que torna necessário e urgente a im-plementação de programas de educação ambiental de amplo alcance, no âmbito local, regional, nacional e internacional, para a sensibilização e consciencialização de todos os cidadãos a tomarem atitudes e comportamentos responsáveis diante de complexos problemas que esta problemá-tica apresenta às sociedades contempo-râneas.

Portanto, uma educação ambiental con-cebida com esta perspetiva e orientada para o desenvolvimento sustentável não deve circunscrever-se somente no âmbito escolar, mas sim, transcender para outros espaços (instituições, comunidades urba-nas e rurais) e buscar uma maior envolvên-adultos, políticos, associações, grupos, coletivos ou organizações de âmbito fa-miliar.

Diante de múltiplas interpretações em tor-no da problemática ambiental, advogamos abrangente espelhado no Manual Latino--Americano elaborado em 1994 que con-sidera que,

“Educação ambiental é, na verdade,

resgata valores éticos, estéticos, demo-cráticos e humanistas. Ela parte de um princípio de respeito pela diversidade -cidade de classe, de etnia e de género. Por isso, uma das suas características é a defesa da descentralização em to-dos os níveis e a distribuição social do poder, reconhecendo também como formas de poder, o acesso à informação e ao conhecimento. A educação que -tre a sociedade e a natureza em função da melhoria da qualidade de vida, como esta é percebida pelas comunidades. Ela propõe a transformação do sistema produtivo e do consumismo em uma so-ciedade baseada na solidariedade, afe-tividade e cooperação, visando a justa distribuição de seus frutos entre todos. Uma educação holística propõe a busca de novos valores e práticas, baseados em uma postura ética que, aliados à sa-bedoria acumulada pela humanidade e

-sem todas as ações das comunidades, de órgãos governamentais, partidos políticos e de ONGs. É também uma educação democrática que propicia oportunidades para que as pessoas e grupos desenvolvam sua criatividade, reaprendendo o mundo, sem

(12)

estabele -tros seres da natureza com os quais os ha-bitantes da comunidade se relacionam no dia-a-dia. Em ambos casos, os comunários consideram a relação entre o homem e a natureza como fator de desenvolvimento e a baixa produtividade da terra como uma das causas da pobreza que assola a região.

Metodologia

Para a efetivação do estudo optou-se pela para aproximar-se da realidade em estudo.

-“um processo, uma forma de estudar

requer estratégias de investigação que conduzam à reconstrução cultural. Pri-meiro, as estratégias utilizadas

propor-representam a concepção de mundo dos participantes que estão sendo in-vestigados, de forma que as suas cons-truções se utilizem para estruturar a investigação. Segundo, as estratégias -ricas e naturalistas. Se recorrem da ob-servação participante e não participante para obter dados empíricos de primeira mão dos fenómenos tal como se dão nos cenários do mundo real, procuran-do os investigaprocuran-dores evitar a manipula-ção intencional das variáveis do estudo.

um carácter holista. Pretende construir descrições de fenómenos globais em seus diversos contextos e determinar, a

Educação Ambiental e

Saberes Tradicionais da

Comunidade de Ekovongo

empírico levado à cabo em uma

comuni-tese doutoral em andamento sobre: Educa-ção e desenvolvimento nas Comunidades

da Comunidade de .

As comunidades ovimbundu constituem um grupo etnolinguístico autóctone e secu-lar que habita um vasto território angolano que se estende desde o litoral de Benguela,

semelhança de outras comunidades autóc-tones de Angola, estas se dedicam tradicio-agrárias, um dos grandes problemas que afetam o seu desenvolvimento nas últimas que a terra vem proporcionando em termos de resultados da atividade produtiva. Para alguns habitantes da região, esta situação de baixa produtividade que a terra eviden-cia decorre da guerra que se prolongou durante muitos anos, no âmbito da qual ti-veram lugar ações de derrube de grandes carvão vegetal, transformando-as em áreas

(13)

-gundo foi constituído por adultos de ambos sexos com idades compreendidas entre os 35 e 55 anos. Ambos grupos debateram te-mas sobre a educação, a pobreza e o de-senvolvimento.

-dos consideram a relação homem-natureza como um fator de desenvolvimento. Por ou-tro, analisar as representações sociais dos habitantes da comunidade expressam atra-relação homem-natureza. Com esta pers-petiva, os entrevistados foram solicitados a responder às seguintes questões:

1. Que relações os seres humanos estabe-lecem com o meio ambiente e com ou-tros seres que habitam na natureza? 2. Que problemas ambientais a

comunida-A relação entre humanos e a

natureza

Ao longo da sua história os habitantes de têm demonstrado capacidades de elaborar conhecimentos, experiências e crenças para dar sentido à vida e à própria -ências e as crenças resultam da relação

partir delas, as complexas conexões de causas e consequências que afetam ao comportamento e às crenças em rela-ção com ditos fenómenos”.

que leva à descoberta de construções cul-turais de um grupo ou dos membros de uma comunidade, que o investigador trata de descrevê-los e interpretá-los para atribuir-investigador deve permanecer durante um certo período de tempo no local onde se de estudo e manter uma interação constan-te com os participanconstan-tes nele envolvidos. Em obediência a este princípio, partiu-se

para a imersão na comunidade de

-go, onde realizou-se durante nove meses a observação participante, vinte e quatro entrevistas em profundidade semi-estru-incluíram questões abertas, semi-abertas e fechadas, dirigidas aos informantes-chave selecionados para o efeito, aos agentes

externos1

-comunidades rurais. Para cruzar os dados da observação participante, e as informa-profundidade organizou-se dois grupos de discussão: o primeiro grupo foi constituído

1 Funcionários que exercem atividades na comunidade por períodos prolongados (residentes e não residentes).

(14)

teligência aos seres humanos para estu-darem e serem inteligentes no seu país, visto que, por mais que a pessoa tenha bois e outras riquezas, não consegue re-alizar grande coisa se não estudar”.

sociais dos comunários que espelham as concepções que os mesmos têm da na-tureza, pois produzem uma enorme in-comunidade e orientam a construção do conhecimento e das experiências, bem como as atitudes a ter com o meio am-biente.

sensibilidade dos comunários em interagir com a natureza e dela obterem dados que orientam a relação que estabelecem com de imaginação e criatividade das pessoas em atribuir intencionalidade educativa a outros seres, chegando ao ponto de cons-truir linguagens que articulam a comuni-cação entre esses e os seres humanos. exortação de que os seres humanos de-vem observar e estudar cuidadosamente os elementos, os dados contidos na na-tureza para estruturar os conhecimentos nos diferentes domínios da vida e orientar o seu desenvolvimento.

A observação e o estudo cuidadoso dos elementos e dos dados contidos na na-tureza constitui um processo intencional, uma atividade de seleção e interpretação que se estabelece com o meio natural e

em que se formulam ideias, se idealizam e os deveres de cada membro. Tais pro-educativas que têm, lugar no dia-a-dia das pessoas e traduzem o modo de conceber reconstrução permanentes.

A vida em não se concebe à

margem dos vínculos que cada homem estabelece com seus semelhantes, com a natureza e com outros seres que

habi

-nários de buscam compreender

a razão de ser da sua presença no mundo consubstanciada na capacidade de apre-ensão de dados oriundos da natureza e da aprendizagem mútua com outros seres, a para a construção do seu modelo de vida. Assim, relativamente à primeira pergunta sobre as relações que se estabelecem en-tre os humanos e o meio ambiente, e com outros seres que habitam na natureza, os -mando:

língua umbundu chamam de òmya. Nas suas folhas habita uma larva, que habitualmente escreve com a sua saliva branca a letra ‘ma’, depois acrescenta a letra ‘ta’ e por último a letra ‘s’. É um bi-cho que escreve para mostrar a sua

(15)

in-munidade de origem, então não se sabe se vivem ou se estão mortos. Neste caso, pode-se recorrer às formigas elei-toras procedendo da seguinte maneira: escrever os seus nomes em pequenos papéis separados, dobrar bem, ir até ao formigueiro e introduzir no respetivo buraco onde habitam essas formigas. Depois de alguns dias realiza-se uma

vi-emigrados houver elementos ainda em vida, as formigas eleitoras trazem para fora do buraco os pequenos papéis em que estão escritos os seus nomes. Se houver no seu seio indivíduos que pa-decem de enfermidades, as formigas eleitoras trazem para fora do buraco os pequenos papéis em que estão escritos os seus nomes, mas, ruídos ou furados. Se houver no seio desses emigrados in-divíduos falecidos, as formigas eleitoras trazem para fora os pequenos papéis em que estão escritos os nomes

daque-cujos papéis as formigas se recusam trazer para fora do formigueiro, são da-dos como falecida-dos”.

A atribuição da capacidade eleitora à pe -gas, revela o modo como os humanos se revela, ao mesmo tempo, a importância social que esses pequenos seres da na-tureza simbolizam no imaginário dos

habi-tantes de e dos ovimbundu em

geral, traduzindo na prática a relevância educativa que o mesmo encerra no âm-bito da educação ambiental. Como se

re-feriu atrás, os habitantes de se

dos conhecimentos proporcionados pela comunários constroem a sua própria iden-no espaço concretos. À medida que o tem-po passa tais conhecimentos se instauram no imaginário dos comunários como um costume que se vai reproduzindo por

tra-dição. Para os habitantes de e

os ovimbundu em geral, a sabedoria resi-da estreita relação que se estabelece com ela e da capacidade de conhecer minucio-samente a utilidade de cada ser. Assim, alguns seres como abelhas, formigas e 2, nos óbi-tos, etc., por serem considerados como modelos de união entre seres vivos e fonte de inspiração da inteligência humana. Esta particularidade evidencia-se no conheci-mento sobre a utilidade de certas

tipolo-“Existem formigas eleitoras que habitam

se numa família existem elementos que, por vários motivos emigraram para loca-lidades longínquas e não existe comuni

-social entre os ovimbundu. Existem duas

cate-gorias de onjango

-a educ-ação de membros do sexo m-asculino e otchiwo para a educação de membros do sexo como tribunal costumeiro.

(16)

no decurso da observação participante constatou-se o facto de ser praticamen-te uma regra entre os comunários, abor-dar temas relacionados com as plantas medicinais em encontros ocasionais do dia-a-dia, nos óbitos e noutros contextos em que tenha lugar actos comunicativos, o que em nosso entender constitui uma modalidade de educação social orientada para a valorização do meio ambiente.

Problemas ambientais na

comunidade de Ekovongo

A crise ambiental de que muito se fala e um problema à escala planetária, que tem origem na relação desequilibrada entre o desenvolvimento económico-industrial e a preservação do meio ambiente, que cara-teriza o modelo de desenvolvimento vigen-te. Apesar disso, os problemas ambientais

-giões, se observa a poluição acentuada

-regiões e localidades que o conformam os problemas ambientais se manifestam

da comunidade de , localidade

onde realizamos o presente estudo, os consideram como integrantes da natureza

da qual dependem em grande medida. Por tal facto, a relação entre os habitantes e convivência em que as plantas e outros seres constituem a fonte que proporciona aos humanos meios necessários à vida. A

“Os seres humanos se relacionam

prin-pessoas e as plantas se relacionam

mu-no corpo e as plantas possuem a seiva.

é que, sempre que a pessoa adoece se socorre das plantas para curar a enfer-midade”. “ (…) Muitas plantas que en -tos para tratamento de doenças dos seres humanos. O caso da planta que na língua umbundu se denomina otchin-jõle, as suas raízes, uma vez fervidas tra-tam a doença de oxiúre na ausência de clorafenicol”.

ovimbundu em geral e os comunários

de em particular têm

consci-ência da importância que a natureza e as plantas representam nas suas vidas. Com relação às plantas, detêm um amplo co-nhecimento da sua utilidade e possuem

-medicina, certas plantas como a ulemba são sagradas por simbolizarem a ancestra-lidade e a longevidade do poder instituído.

(17)

que os comunários de possuem conhecimentos sobre o meio ambiente, resultantes de uma experiência construída -educativos que os comunários adquirem a consciência de que o desenvolvimento e o bem-estar dependem da capacidade de preservação da natureza e do meio am-biente. Se, por um lado, existe a consci-outro, denota-se a atitude crítica dos co-munários perante a degradação ambiental, decorrente da ação agressiva do homem, consubstanciada no derrube indiscrimina-do de árvores para a produção indiscrimina-do carvão vegetal e em queimadas que alguns habi-região. Entretanto, o derrube indiscrimi-nado de árvores para a produção de car-problemas ambientais estão associadas

-ção crítica, que ao responderem à questão relativa aos problemas ambientais que as-solam a sua comunidade, os participantes

“ Nos tempos que correm, devido a agressão

-consideravelmente”.

“Se Deus colocou vários elementos na natu-reza desde a criação do mundo é porque os mesmos têm importância para a própria vida. Existem animais pequenininhos que estão a

as queimadas, além de destruírem esses animais pequenininhos, o fumo que libertam polui o ar e cria problemas respiratórios nas pessoas”.

“ (…) Desenvolver-se é cuidar de toda a

cria -mos micro-organis-mos, que no fundo são eles que mais cuidam de nós, do que nós a eles. Por exemplo, a minhoca e o salalé cuidam de nós, visto que, eles fertilizam o

bichinhos que poderiam causar doenças aos seres humanos”.

cultivada durante vários anos não envelhece, visto que, empregam-se métodos tradicio-nais de derrube seletivo de árvores, deixando outras que fertilizam o solo com as folhas que vão caindo e apodrecendo

paulatina-derrubadas são cuidadosamente queimadas aproveitando a cinza para fertilizar o solo. Es-ses métodos permitem, que à medida que os primeiros fertilizantes vão perdendo a força, o solo seja realimentado com aquelas folhas

que caiem das árvores não derrubadas.

precocemente derrubadas e as terras estão se transformando em desertos. Onde é que vamos chegar com isso? “ (…) Atualmen-te, as pessoas regrediram nestas práticas tradicionais de organizar a economia, o que pressupõe dizer, que também regredimos na realização de práticas educativas, que capacitavam as novas gerações ao conheci-mento e aplicação deste tipo de experiências produtivas, porque tudo isto faz parte da educação”.

-peito dos problemas ambientais na

(18)

comuni-de comuni-desenvolvimento orientados às comu-nidades rurais e urbanas incluam a variá-deve circunscrever-se apenas ao âmbito mais variados contextos educativos (for-mais e infor(for-mais), conciliando os conte-údos oriundos das ciências com a sabe-doria tradicional, para capacitar e dotar as novas gerações de ferramentas que os habilite a assumirem com responsabilida-de a preservação do meio ambiente e a

-logicamente sustentável.

-plicações em Educação Ambiental. Tese de Doutoramento. Disponível em

http://www.repositorioaberto.uab.pt/hand-le/10400.2/2484.

-der: el desvio antropológico. São Paulo. Editora Senac.

-cação Ambiental a partir de um contexto de múltiplas Abordagens. Rio Grande.

Re-investigación educativa. Madrid. Morata S.A.

-Práticas em Ciências e Educação Ambien-vão vegetal, não deve ser visto como uma

agressão voluntária do comunário contra o meio ambiente, porquanto o produto se destina à comercialização para obtenção -ção de carvão vegetal e a sua comercia-lização não são atos isolados, pois obe-decem às lógicas de mercado e consumo modelo neoliberal de desenvolvimento que caracteriza as sociedades contemporâne-as, e que atualmente se encontra em ple-na expansão ple-nas comunidades rurais em

-logicamente predador, socialmente per-alienado e eticamente repulsivo.

Conclusões

revelam um certo grau de conscientização ambiental e uma atitude autocrítica, ao admitirem o retrocesso na realização de práticas edu-cativas e nas práticas tradicionais de orga-nização da economia. A atitude autocrítica revela a preocupação de resgate de valo-res tradicionais e de práticas educativas susceptíveis de ampliar a compreensão dos problemas ambientais.

(19)

-tal: principais perspectivas Teóricas E a relação homem-natureza. Disponível em http://www3.pucrs.br

Manual Latino-Americano de Educação Ambiental. São Paulo. Gaia.

-dade e a Formulação de Políticas de

De-Fundação Perseu Abramo.

-em http://www.fyl.uva.es

-les Tendencias y Modelos de la Educación

-mericana de Educación. Educación

Referências

Documentos relacionados

Número de casos, intervenção neurocirúrgica, interven- ção neurorradiológica e mortalidade em doentes internados na unidade de cuidados intensivos pediátricos com lesões

Assim como a família passou por uma série de transformações, a agricultura também vem sofrendo uma série de modificações para atender cada vez mais e melhor ao

O Plano de Gestão de Logística Sustentável da CISCEA contém práticas de sustentabilidade que abrangem os seguintes temas: materiais de consumo, energia elétrica, água e

Nesse cenário, é fundamental compreender quais são os desafios e as oportunidades para a proteção, a promoção e o respeito aos direitos humanos e ao meio ambiente no PTD de

Dos docentes respondentes, 62,5% conhe- cem e se sentem atendidos pelo plano de carreira docente e pelo programa de capacitação docente da instituição (que oferece bolsas de

Número XVIII Volume I Jul-dez 2018 Trabalho 05 Páginas 83-112 http://periodicos.cesg.edu.br/index.php/gestaoeengenharia periodicoscesg@gmail.com Figura 7: Ficha técnica da

Graduando em Engenharia Mecânica pela Associação Educacional Dom Bosco – Escola de Engenharia de Resende (AEDB-FER)... Ela também se tornou um bem essencial para todos, como diz

Este trabalho tem por objetivo analisar as formas em que os direitos humanos foram movimentados e utilizados como repertorio de confrontação de projetos

Fontes Naturais Interna Radionuclídeos incorporados (radônio) Externa Raios cósmicos Radiação terrestre...

presente artigo objetiva, por um lado, ana- lisar a problemática ambiental em seus aspetos mais comuns, incluindo uma bre- ve reflexão sobre a sustentabilidade am- biental

2: Classification of economic activities in the european union – revision 2; NOPain: National observatory of pain; OECD: Organisation for Economic Co-operation and Development;

[r]

Um panorama jurisprudencial da proteção do direito humano ao meio ambiente ecologicamente equilibrado no Sistema Interamericano de Direitos Humanos. Consequência do

Objeto : Reatores eletromagnéticos para lâmpadas vapor de sódio à alta pressão e vapor metálico Familia : ALMIRANTE ILUMINAÇÃO / RVSAP / REATOR EXTERNO SELO ENCE S/BASE

aquando a análise do regime do reequilíbrio financeiro, que a prorrogação do prazo de execução seria uma das formas possíveis que aquele poderia configurar, nos termos do

No Artº.6º. do Decreto-Lei nº 382/99 são definidas as servidões administrativas e restrições de utilidade pública nas diferentes zonas de proteção às

Na última reunião da Convenção das Partes (COP 17) , da Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do clima, a Organização das Nações Unidas anunciou a

Através das demonstrações contábeis buscou-se responder a seguinte questão: como os indicadores obtidos por meio do balanço patrimonial podem ser utilizados na análise financeira e

This study aimed to assess the effect of cagaita fruit juices, clarified and non-clarified, rich in phenolic compounds including ellagitannins and proanthocyanidins, on the

a) relações internacionais de interdependência: as teorias das relações internacionais opõem-se, a grosso modo, em dois polos: realismo e liberalismo com suas

O presente relatório de projeto tem como principal objetivo abordar a banda desenhada autobiográfica como um modo expressivo de contar histórias aos quadradinhos em que

Our data from studies I and II showed that exercise training improves left ventricular function and exercise tolerance not only in heart failure patients with reduced ejection