Análise Econômico-Financeira e do Desempenho Gerencial Auditoria e Perícia Contábeis. Rio de Janeiro (RJ), 19 de março de 2009.

19 

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Texto

(1)

23/01/2009 23/01/2009 05/01/2009 06/01/2009 09/01/2009 09/01/2009

As contas bancárias das demais instituições financeiras não apresentaram quaisquer fatos relevantes, nem pendências que justificassem o preenchimento de formulário próprio de conciliação.

Na relação de cheques emitidos, de 05-01-09, o valor de R$ 225,78, repassado à Maria S. Verly, através do cheque nº 13281, o documento que suporta a operação não foi encontrado por esta auditoria na pasta da documentação de janeiro/09.

2 - Ausência de documentação de suporte contábil

13270 225,78 29/12/2008

Emitido no mês sob exame, ficou pendente de compensação o cheque a seguir, conforme Mapa de Conciliação e extrato da folha do "Razão" respectivo.

CHEQUE Nº VALOR EM R$ DATA DA EMISSÃO

13233 17/12/2008 DATA DA COMPENSAÇÃO 13254 650,48 22/12/2008 17/12/2008 1 - Conciliações Bancárias 13255 430,00 22/12/2008

1.1 - Banco Bradesco S.A. - Agência Acre

Na conciliação efetuada, os cheques pendentes de compensação, oriundos da conciliação anterior, tiveram as seguintes soluções:

CHEQUE Nº

2.000,00

13234 2.000,00

VALOR EM R$ DATA DA EMISSÃO Rio de Janeiro (RJ), 19 de março de 2009. À

Administração do Sindicato dos Despachantes Aduaneiros do Estado do Rio de Janeiro Rua Mayrink Veiga, 4 - 3º Andar - Centro - Rio de Janeiro - RJ

Ilmos. Senhores

Examinamos os documentos contábeis de janeiro de 2009, bem como o balancete mensal correspondente, elaborado sob essa administração.

Relativamente às eventuais irregularidades encontradas, esta auditoria vem procurando, sempre que possível, saná-las no curso dos trabalhos que antecedem as entregas das cartas-relatórios mensais, objetivando, com isso, minimizar as pertinentes tratativas posteriores, bem como possíveis equívocos nas abordagens de algumas irregularidades.

À vista da documentação apresentada, apresentamos o que segue.

1.2 - Outras instituições financeiras

13260 789,28 22/12/2008

13233 2.000,00 17/12/2008

Observamos que, por um equívoco na confecção do Item 1 da Carta-Relatório referente à auditagem nas contas de dezembro/08, esta auditoria citou não ter havido pendências de compensação dentre os cheques emitidos naquele mês.

(2)

DATA DESCRIÇÃO VALOR EM R$

16-11-08 NF 26.808 Gollog (frete Gol + entrega) 165,77

27-11-08 NF 054.202 Arcos Dourados Com de Alim Ltda

(almoços Érika e Paula) 25,50

28-11-08 NF's 25.640 e 25.641 Hotéis Othon (refrigerantes

para os Srs. Álvaro e Lauri) 13,50

30-11-08 NF 11.938 Hotéis Hthon (refrigerante + 4 cafés) 18,50

30-11-08 Gorjetas 50,00

02-12-08 Pgto à Érika Oliveira, ref. Ao trabalho no evento 400,00 05-12-08 Pgto à Márcia C. Souza Ferreira, idem, idem 300,00

05-12-08 Pgto à Paulo Ávila, idem, idem 200,00

Soma ... 1.173,27 set/08 09/01/2009 4 out/08 23/01/2009 2 nov/08 04/02/2009 2 dez/08 18/03/2009 3 dez/08 18/03/2009 4.1 dez/08 18/03/2009 4.2 MÊS/ANO

3 - Prestação de contas dos gastos na ASAPRA

Não obstante as despesas da espécie tenham sido suportadas por depósitos efetuados pelos participantes do evento, a crédito da Conta "2.1.6.01.86 - Evento ASAPRA RJ", no que pertine à prestação de contas pelos valores recebidos pelo Sr. Jorge Kralik, inserida no movimento do dia 13-01-09, faltam alguns comprovantes de despesas, como segue.

Neste segmento, obtivemos os respectivos esclarecimentos pela Critério, sobre a situação de cada uma das pendências relacionadas, resumidos no quadro a seguir, na coluna "Situação Atual".

C. RELAT. ITEM ASSUNTO

4 - Pendências de meses anteriores

Ausência de comprovantes para as despesas de viagem da Sra. Márcia Ferreira, nos valores

respetivos de R$ 26,90 e R$28,00.

A Critério, em sua Dir 141/2009, de 09-03-09 solicitou regularização. Códigos de barras divergentes entre boleto

bancário e boleto da Net Empresa.

Ausência de documentação de suporte.

Em visita à Critério, verificou-se que os nomes e valores respectivos encontram-se no interior da listagem de créditos

pagos aos beneficiários, sanando a pendência.

Ausência no mapa do "Controle do Caixinha" das NF's de Casa Cruz Papelaria (R$ 0,55) e

Ferragens Lindório Ltda. (R$ 33,70).

Item a ser solucionado pelo Banco, conforme Carta SDA/548/08, de 30-10-08. Divergência entre valores, gerada pelo Banco

Bradesco, devendo o mesmo ser instado a regularizar o valor de R$ 128,61 para R$ 128,60.

Em visita à Critério, apurou-se que dos Valores de R$ 26,90 e R$ 28,00, apenas

este não continha o comprovante, permanecendo não solucionado. Valor do reembolso do plano de saúde Unimed,

com o valor de R$ 511,71 no "Diário" e de R$ 561,07 na Relação de Cheques Emitidos.

A Critério, em sua Dir 141/2009, de 09-03-09 solicitou regularização.

SITUAÇÃO ATUAL

A Critério, em sua Dir 141/2009, de 09-03-09 solicitou regularização.

(3)

dez/08 18/03/2009 4.2

dez/08 18/03/2009 5

dez/08 18/03/2009 6

dez/08 18/03/2009 7

Outro requisito de segurança, como citado, é a identificação da procedência, ou seja, identificar a pessoa e indicar que a mesma aprovou a informação contida no documento.

Em visita à Critério, verificou-se que os nomes e valores respectivos encontram-se no interior da listagem de créditos

pagos aos beneficiários, sanando a pendência.

A Resolução CFC 838/99 menciona a mudança na Demonstração de Resultado

do Exercício, o que foi atendido pela Contabilidade.

Em visita à Critério, abordou-se assunto sobre a validade de documentos referentes a algumas despesas, elaborados e assinados por dirigentes do Sindicato.

Assim é que a NBC T 16.5, Anexo da Resolução CFC nº 1.132, de 21-11-08 (D.O.U. de 25-11-08), cita, para efeito daquela norma, como documento de suporte: qualquer documento hábil, físico ou eletrônico que comprove a transação na entidade, utilizado para sustentação ou comprovação do registro contábil.

Mudança de nomenclatura de contas, para atendimento à Resolução nº 838/99. Ausência de documentação de suporte.

Entende-se que toda informação contida em um suporte material que contenha a propriedade de ser comunicada é um documento. É qualquer base de conhecimento, fixada materialmente e disposta de maneira que se possa utilizar para consulta, estudo, prova, etc., como o definem os dicionários.

Por oportuno, reportamo-nos às questões de geração de documentos de suportes contábeis, citando a inserção, cada vez mais presente no cotidiano das empresas, de processos informatizados, aos quais as contabilidades das empresas não poderiam furtar-se.

Pendência solucionada.

Divergência entre o valor de R$ 784,56 (na relação anexa) e R$ 784,11 (debitado em conta) e códigos

de barras.

A Critério, no item E da sua Carta Dir 141/2009, de 09-0309, cita que foi

solicitada a devida regularização, permanecendo no aguardo da solução. Falta da folha de extrado do Diário, de 12-12-08, na

pasta da documentação contábil.

MÊS/ANO C. RELAT. ITEM ASSUNTO SITUAÇÃO ATUAL

Observa-se que esta forma tradicional parte da premissa de que qualquer alteração do documento em papel pode ser identificada e que a assinatura manuscrita é única e de difícil reprodução por outrem, a não ser pelo próprio emissor do documento.

A forma usual da verificação da autenticidade de um documento está fundamentada na segurança da consistência original de seu conteúdo e na identificação da procedência. Para garantir se um documento é original, deve-se verificar a materialidade, ou seja, o suporte em que está inserida a informação. Por sua vez, a procedência pode ser verificada através da identificação da assinatura manuscrita.

No rol das lliteraturas especializadas, especificamente a Revista Contabilidade & Finanças FIPECAFI - FEA - USP - v. 14 n. 25 p. 72/83 - janeiro/abril/2001, encontramos alguns esclarecimentos sobre as características da documentação contábil, explanadas resumidamente a seguir.

(4)

Alberto Soares de Andrade Junior Contador

CRC-RJ nº 023937/O-2

Seus breves comentários não pretendem esgotar a análise, mas, sim, oferecer, de pronto, subsídios que possam colaborar nas decisões gerenciais tomadas por essa administração, na condução dos atos e fatos administrativos do Sindicato.

Com efeito, um documento em papel tem diversas funções, tais como: garantir uma tangível evidência da existência da vontade contratual das partes; providenciar para que possa ser lido por todos; possibilitar que permaneça inalterado ao longo do tempo e fornecer um permanente registro da transação, permitindo sua reprodução por meio da extração de cópias; permitir a autenticação por meio de uma assinatura; permitir o fácil arquivamento dos dados em forma tangível e facilitar o controle e auditagem para fins de contabilidade. Assim, a exigência da apresentação de documento em papel na forma escrita, que pode ser combinada com outros requisitos, como assinatura e apresentação na forma original, ou ainda a autenticação legal do ato, visam a emprestar maior confiabilidade e segurança jurídica ao documento.

A seguir, nas folhas 4 a 18, apresentamos alguns aspectos de natureza gerencial pertinentes ao mês sob exame, comparativamente ao mesmo período do ano de 2008.

Finalmente, para atender à solicitação contida na DAS/PRES/229/04, de 09-11-04, estaremos anexando a uma mensagem eletrônica, arquivo, em Adobe Reader, correspondente à Carta-Relatório desta auditagem, a ser enviado em seguida ao endereço de "e-mail" <pres@sda-rj.com.br>.

Os segmentos abordados objetivam tão somente colaborar nas análises de suas posições estáticas e na interpretação das respectivas tendências, estando, por vezes, contemplados por conclusões elaboradas por esta auditoria.

Nesse contexto, se insere também o documento eletrônico. Esta alteração do suporte material do papel para o meio eletrônico oferece rapidez e agilidade no trânsito de informações, pois estas, em forma de bits poderão trafegar praticamente na velocidade de luz, reduzindo os espaços e os custos na sua conservação.

Um dos requisitos básicos é a exigência de que a informação contida no documento eletrônico esteja acessíval para consulta posterior. O termo "acessível" focaliza a necessidade indispensável de que a informação possa ser reproduzida e lida, do mesmo modo como ocorre com um documento em papel, ou seja, em uma forma universal possibilitando a democratização da informação.

Guilherme de Souza Contador

(5)

TÍTULO

I - Resultados Mensais

6

II - Comprometimento do Patrimônio Social

7

III - Ponto de Equilíbrio Monetário - PEM (comparativo)

8

IV - Composição das Receitas Obtidas

10

V - Depósitos de Comissões Aduaneiras

11

VI - Composição das Despesas Incorridas

12

VII - Oscilações mensais das Contas Redituais - Comparações

14

VIII - Situação Econômico-Financeira

15

A - Balancete Sintético - Ajustado

15

B - Situação Econômica

16

C - Situação Financeira

16

D - Rentabilidade do Patrimônio Social (PS)

17

IX - Conclusão

18

ANÁLISE GERENCIAL

SINDICATO DOS DESPACHANTES ADUANEIROS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

§ § § § §

-AUDITAGEM DE JANEIRO DE 2009

Í N D I C E

(6)

No exercício de 2008 No exercício de 2009

PARTICIPAÇÃO SUPERAVIT PARTICIPAÇÃO SUPERAVIT

DESP. NA REC.

% OU (DEFICIT) DESP. NA REC. OU (DEFICIT)

JAN 177.519,92 151.135,00 85,14 26.384,92 JAN 168.860,43 162.406,26 96,18 6.454,17 FEV 169.395,20 154.651,30 91,30 14.743,90 FEV MAR 164.227,65 173.878,02 105,88 (9.650,37) MAR ABR 145.458,78 162.065,55 111,42 (16.606,77) ABR MAI 182.805,35 163.814,88 89,61 18.990,47 MAI JUN 185.932,90 171.928,54 92,47 14.004,36 JUN JUL 182.578,47 169.788,18 92,99 12.790,29 JUL AGO 203.068,83 179.174,02 88,23 23.894,81 AGO SET 187.189,72 170.457,83 91,06 16.731,89 SET OUT 201.977,94 182.594,96 90,40 19.382,98 OUT NOV 191.573,99 179.927,88 93,92 11.646,11 NOV DEZ 188.848,72 189.343,27 100,26 (494,55) DEZ S O M A 2.180.577,47 2.048.759,43 131.818,04 S O M A 168.860,43 162.406,26 6.454,17 RECEITAS RECEITAS DESPESAS MÊS

I - Resultados Mensais

MÊS DESPESAS § § § § §

-São exibidas, nesta planilha, as despesas mensais com seus valores absolutos positivos, nas colunas de "Receitas" e de "Despesas", objetivando adequar as curvas do gráfico respectivo, no título "IX - Conclusão".

O primeiro mês de 2009 apresentou um resultado positivo, porém quatro vezes menor que o de janeiro/08. (50.000,00) (30.000,00) (10.000,00) 10.000,00 30.000,00 50.000,00

JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Resultados Mensais em 2009 (50.000,00) (30.000,00) (10.000,00) 10.000,00 30.000,00 50.000,00

JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ Resultados Mensais em 2008

(7)

2009 (até o mês)

(a) 2.234.103,99 2.234.103,99 2.234.103,99 2.234.103,99

Deficits de Exercícios Findos (891.651,96) (922.226,49) (750.002,17) (618.184,13)

Estorno de provisão - jan-07 1.500,00

Estorno de provisão - fev-07 11,25

Superavits/Deficits de jan a dez (30.575,53) 170.713,07 131.818,04 6.454,17

Soma dos resultados totais... (b) (922.227,49) (750.002,17) (618.184,13) (611.729,96)

Valorização ou Comprometimento do PS (b) / (a) -41,279524% -33,570603% -27,670338% -27,381445%

Comprometimento do Patrimônio Social

Título 2006 2007 2008

Objetivando dinamizar o acompanhamento do fluxo do Patrimônio Social (PS) real, tendo em vista o valor dos resultados acumulados negativos, passaremos a atualizar, mensalmente, os números do quadro a seguir, especificamente os da última coluna da direita (ano corrente), considerando como base o valor do Patrimônio Social inicial do terceiro exercício, contado regressivamente.

Patrimônio Social (PS)

(b)

§ § § § §

-II - Comprometimento do Patrimônio Líquido

(PS + Reservas + Incorporações)

Alterando a redação da NBC T 3, o Conselho Federal de Contabilidade, através da Resolução CFC nº 1.049, de 07-10-05, publicada no D.O.U. de 08-11-07-10-05, determina que "o patrimônio líquido compreende os recursos próprios da entidade, e seu valor é a diferença positiva entre o valor do Ativo e o valor do Passivo. Quando o valor do Passivo for maior que o valor do Ativo, o resultado é denominado Passivo a Descoberto. Portanto, nesse momento, a expressão Patrimônio Líquido deverá ser substituída por Passivo a Descoberto".

Nos anos de 2006, 2007 e 2008, observa-se gradativa diminuição do comprometimento do Patrimônio Social.

Os resultados líquidos mensais positivos, apurados na quase totalidade dos meses de 2007 (exceções para fevereiro/07 e setembro/07) e em 2008 (exceções para março, abril e dezembro), foram providenciais para a sensível redução do comprometimento do Patrimônio Social, de 41,28%, em 2006, para 33,57% em 2007, 27,67% em 2008 e 27,38% em janeiro de 2009. 2006 2007 2008 2009 -50,00% -40,00% -30,00% -20,00% -10,00% 0,00%

Comprometimento do Patrimônio Social

(8)

Valores em R$ 1,00 Custos Fixos:

4.1.1 - Administração

4.1.2 - Gastos com Encargos Diversos 4.1.3.01.03 - Luz e Força 4.1.3.01.09 - Consertos e Conservação 4.1.3.02.01 - Luz e Força 4.1.3.02.02 - Consertos e Conservação 4.1.4 - Propaganda/Marketing/Imprensa 4.1.7.01.05 - Seguro do Prédio 4.1.7.01.07 - Seguro-Pecúlio 4.1.7.01.11 - Seguro de Vida 4.1.7.01.17 - Assessoria Jurídica 4.1.7.01.18 - Serviços de Auditoria 4.1.7.01.19 - Serviços de Contabilidade 4.1.7.01.25 - Consultoria de Informática % da RT % da RT Receita Total (RT) Custos Fixos (CF) 64,562281% 87,049008% Custos Variáveis (CV) 21,022683% 9,128799% Despesa Total Lucro Líquido (LL) 14,415036% 3,822192%

Ponto de Equilíbrio Monetário (PEM) Em porcentuais ... (X% da RT) 25.589,56 Ponto de Equilíbrio RUBRICAS 6.454,17 15.414,93 JAN 2008 JAN 2009 2.689,50 44.707,07 0,00 151.930,36 162.406,26 3.015,45 0,00 4.727,75 10.926,32 37.319,45 114.610,91 0,00 161.757,88 95,793836% 145.118,77 81,747879% 44.555,14 146.991,33 3.590,46 1.700,00 0,00 Neste segmento do Ponto de Equilíbrio Monetário Comparativo, cotejamos o ponto de equilíbrio entre períodos iguais, relativamente aos exercícios anterior e atual, para constatar, na comparação, se houve melhora no desempenho operacional.

JAN 2009

10.198,64

ITENS

III - Ponto de Equilíbrio Monetário - PEM (Comparativo)

Os resultados a seguir foram gerados por planilha eletrônica de processamento de dados, a qual trabalha com um grande número de casas decimais nos seus cálculos, podendo, portanto, tais resultados, exibirem pequenas diferenças quando, eventualmente, feitos por calculadoras financeiras de bolso.

O valor do ponto de equilíbrio é tão exato quanto maior for o número de casas decimais considerado nos seus cálculos.

SOMAS...

Indica o nível em que a receita total deveria ficar situada para que, após balanceada com a despesa total, o resultado fosse nulo. O desejável é que o ponto de equilíbrio permaneça predominantemente abaixo de 100,00% e tanto melhor quanto mais próximo de 1%.

146.991,33 0,00 0,00 4.107,16 1.560,00 3.400,00 4.842,11 114.610,91 JAN 2008

Na transposição para esta carta-relatório, foram, propositadamente, exibidas seis casas decimais nas células dos porcentuais, alternativa que minimiza as pequenas diferenças, quando, para esses mesmos cálculos, forem utilizadas ditas calculadoras financeiras de bolso.

0,00 128,61 177.519,92 10.919,92 3.406,50 36.837,91 42.381,10 7.156,21 20.752,39 0,00 168.860,43

(9)

Receita Total (RT) vezes Custos Fixos (CF)

Custos Variáveis (CV) vezes

Despesa Total

Lucro Líquido do Exercício (LL)

PERÍODO 2008 2009 jan 81,75% 95,79% fev 84,92% mar 91,85% abr 96,97% mai 94,62% jun 93,73% jul 93,17% ago 91,82% set 91,38% out 90,94% nov 90,34% dez 92,66% Legenda: Em 2008 Em 2009 161.757,88 95,793836%

RT menos Despesa Total 0,00

JAN 2009 COMPROVAÇÃO DO PONTO DE EQUILÍBRIO DO PERÍODO DE

INALTERADOS 9,128799%

146.991,33 14.766,55 161.757,88

O ponto de equilíbrio nos anos de 2007 e 2008 vem se posicionado em patamares significativamente elevados, como se vê da planilha e respectivo gráfico a seguir.

161.757,88

(Considerados os saldos acumulados)

§ § § § § -Histórico do Ponto de Equilíbrio

CF mais CV 168.860,43

81,7

5%

95,7

9%

0,00% 25,00% 50,00% 75,00% 100,00% 125,00% 150,00% JAN 2008 JAN 2009

Ponto de Equilíbrio Monetário (comparativo) (situação considerada crítica quando índice superior a 100%)

Evolução do Ponto de Equilíbrio

70,00% 75,00% 80,00% 85,00% 90,00% 95,00% 100,00%

(10)

Particip. Particip. no total no total Renda de Comissão 74,35% 72,27% Mensalidades de Associados 6,51% 6,13% Contribuição Sindical 0,05% 0,00% Recuperação de Despesas 10,52% 12,95% Renda Patrimonial 8,21% 8,62%

Receitas Financeiras e outras 0,36% 0,03%

S O M A S 100,00% 100,00%

PARA

Receitas Financeiras e outras

Variação das Receitas Totais

JAN 2009 R$ Título R$ 122.055,70 -7,53% 14.547,96 18.676,03 635,17 42,28 131.990,12 21.864,49 168.860,43 10.350,00

Considerando que o desejável é a evolução das receitas, no quadro vemos que a única rubrica que apresentou evolução foi "Recuperação de Despesas".

JAN 2009 Renda de Comissão Contribuição Sindical Renda Patrimonial -4,88% 0,00 JAN 2008

IV - Composição das Receitas Obtidas

11.550,00 Recuperação de Despesas 14.579,00 89,60 JAN 2008 -0,21% 17,07% -93,34% 177.519,92 Mensalidades de Associados -10,39% § § § § §

-VARIAÇÕES DAS RECEITAS DO PERÍODO DE

-100,00% Composição das Receitas - Jan a Dez 2008

74,35% 6,51%0,05%10,52% 8,21%0,36%

Composição das Receitas - Jan 2009

72,27% 6,13%0,00%

12,95% 8,62%0,03%

(11)

PARTICIP. VARIAÇÃO PARTICIP. VARIAÇÃO

RELAÇÃO RELAÇÃO RELAÇÃO RELAÇÃO

AO TOTAL MÊS ANT. AO TOTAL MÊS ANT.

8,27% 22,42% 100,00% -14,93% 7,76% -6,19% 7,36% -5,09% 6,08% -17,42% 8,43% 38,58% 8,46% 0,34% 8,54% 0,95% 9,09% 6,47% 8,71% -4,20% 9,67% 11,13% 8,64% -10,71% 8,99% 4,04% 100,00% 100,00% COMISSÃO COMISSÃO § § § § § -EM R$ No exercício de 2008

VI - Depósitos de Comissões Aduaneiras

Jan

EM R$ 123.824,73

Abr

97.055,12 MÊS 131.991,12 117.527,26

Mar

Fev

154.443,33

Jul

136.245,26

Ago

145.063,11 143.476,29 TOTAIS 1.595.962,24

Como já demonstrado no quadro do item IV, frente a janeiro de 2008, as receitas oriundas de comissões sobre despachos aduaneiros de importação e exportação apresentaram, no mês de janeiro de 2009, involução de 7,53%. Em dezembro/08, houve evolução foi de 16,75%, comparativamente a dezembro/07.

No exercício de 2009

Dez

137.909,44

Nov

Set

Out

138.972,63 122.055,70

Jun

134.957,85

Mai

134.496,10 122.055,70 0,00 20.000,00 40.000,00 60.000,00 80.000,00 100.000,00 120.000,00 140.000,00 Ja

n Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez

Comissões sobre Despachos em 2008

0 20000 40000 60000 80000 100000 120000 140000 Ja

n Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez

Comissões sobre Despachos em 2009

V - Depósitos de Comissões Aduaneiras

(12)

Particip. Particip.

no total no total

Encargos Diversos 27,90% 27,43%

Pessoal e Enc. (Administração) 24,25% 27,53%

Material 0,94% 0,67% Despesas Gerais 15,78% 18,37% Serviços de Terceiros 25,00% 13,19% Representação 6,14% 0,03% Propaganda/Marketing/Imprensa 0,00% 12,78% Processos Judiciais 0,00% 0,00%

Provisões p/Dep. Judiciais 0,00% 0,00%

S O M A 100,00% 100,00%

PARA JAN 2009 Encargos Diversos

Pessoal e Enc. (Administração) Material Despesas Gerais Serviços de Terceiros Representação Propaganda/Marketing/Imprensa Processos Judiciais

Provisões p/Dep. Judiciais

-43,58% -99,47%

JAN 2009 JAN 2008

5,13%

Considerando-se que nas despesas o desejável é a involução dos valores de suas rubricas, o quadro mostra que houve significativa involução em "Representação", seguida "Serviços de Terceiros" e "Material".

100,00%

Variação das Despesas Totais

0,00 37.982,19 9.322,07 49,58 6,90% 1.433,51 Título 44.707,07 20.752,39 36.837,91

V - Composição das Despesas Incorridas

R$ 0,00 23.973,58 1.084,11 29.830,09 21.427,88 0,00

VARIAÇÕES DAS DESPESAS DO PERÍODO DE JAN 2008 162.406,26 24,43% 151.930,36 0,00% -24,37% 21,36% 0,00% 42.381,10 44.555,14 R$ 0,00 0,00

Composição das Receitas - Jan 2009

27,43% 27,53%

0,67%

18,37% 13,19%0,03%12,78%

VI - Composição das Despesas Incorridas

Composição das Receitas - Jan 2008

27,90% 0,00% 24,25% 0,94% 15,78% 25,00% 6,14%

(13)

§ § § § §

-Sendo recomendável que as despesas subordinadas ao grupo "Despesas Gerais" não devam ultrapassar de dez por cento do total das despesas, chama a atenção o fato de que no presente caso, tais despesas já atingem 18,37% da soma total das despesas (R$ 29.830,09 de R$ 162.406,26).

O item "Propaganda/Marketing/Imprensa" indica, apenas para fins de adequação do demonstrativo, porcentual de 100,00%, em face de não ter apresentado valores no ano de 2007.

(14)

JAN -10,58% -14,23% FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ

Legenda: Receitas variando positivamente mais ou negativamente menos que as despesas.

Despesas variando positivamente mais ou negativamente menos que as receitas.

Na comparação com os resultados sequenciais, ou seja, mês a mês, a longo prazo, o crescimento das receitas totais, para ser de fato promissor, deve vir acompanhado de um crescimento menor das despesas. No caso de involução das receitas totais, as despesas têm que involuir ainda mais. Ou seja, no longo prazo, o crescimento das receitas totais, mês a mês, será benéfico quando as receitas variarem positivamente mais do que as despesas ou variarem negativamente menos que as despesas.

Variação relação mês anterior 0,00 Ano de 2008 Receitas 0,00 0,00 Despesas 162.406,26 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00

No mês sob análise, obteve-se uma situação considerada "desejável", eis que as receitas involuíram menos que as despesas. 0,00 0,00 168.860,43 Análise comparat. das oscilações Variação relação mês anterior

Variações em relação ao mês anterior

-15,00% -10,00% -5,00% 0,00%

JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ

2009

Receitas Despesas

VII - Oscilações Mensais das Contas Redituais - Comparações

(15)

A - BALANCETE SINTÉTICO - AJUSTADO

ATIVO Disponível Realizável

Créditos Diversos (Diferido) Realizável a Longo Prazo Permanente PASSIVO Passivo Circulante Patrimônio Social: - Patrimônio Social - Reservas - Resultado de Incorporação - Deficits de Exercícios Findos - Superavits do Exercício

R$ Caixa de Assistência da CEDAE

Carlos Moacir Carreiras

Soma parcial ... (Conta 2.1.7.02 - Provisões p/ Dep. Judiciais) I. P. T. U.

Soma parcial ... (Conta 2.1.6.05 - Processos Judiciais) Total ...

116.071,31

13.739,69

182.400,00 31.271,25

Na coluna de 2009, na parcela referente ao Passivo Circulante permanecem contidas provisões relativas a passivos contingentes, representadas por ações judiciais contra o Sindicato, assim distribuídas:

100.000,00 82.400,00

VII - Situação Econômico-Financeira

31.271,25

(750.002,17) 13.739,69 653.484,30 1.566.880,00

Reflete o comprometimento dos recursos, em relação às dívidas contraídas, em geral nas datas de extração do Balanço Patrimonial e Financeiro, ou seja, 31 de dezembro, podendo, não obstante, ser procedida quando do encerramento de cada mês, como demonstrado a seguir, desde que computados os resultados acumulados, em ambos os exercícios, de janeiro até o mês sob análise.

872.271,70 1.599.060,07 6,65 2.494.645,73 71.065,55 TOTAL DO ATIVO R$ 685.644,60 138.868,86 JAN 2009 JAN 2008 R$ 1.551.634,85 523.876,25 6,65 75.620,47 (618.184,13) 1.566.880,00 653.484,30 25.589,56 TOTAL DO ATIVO 6.454,17 2.494.645,73 § § § § §

-É imprescindível que esta auditoria esteja permanentemente informada da existência de eventuais outros passivos contingentes, concomitantemente aos seus surgimentos, bem como das baixas de valores dos atuais.

213.671,25

2.267.209,53 757.518,15 2.267.209,53

(16)

B - SITUAÇÃO ECONÔMICA

Ativo Real: Circulante + Realizável + Permanente Passivo Real: Circulante + Exigível a LP

Patrimônio Social Real

Evolução do PS nos últimos 12 meses Inflação dos 12 últimos meses - IPC-A (IBGE)

C - SITUAÇÃO FINANCEIRA ÍNDICES DE LIQUIDEZ Liquidez Imediata Quociente... Liquidez Corrente Quociente... Liquidez Geral Quociente... 7,46% 1,62% 757.518,15 2.494.645,73 2.267.209,53 1.622.374,03 5,84% 1.509.691,38

Para a condução dos negócios no curto prazo, as empresas têm necessidade de liquidez (caixa, dinheiro vivo), num processo conhecido como "Geração de Caixa".

1,03 Disponível + Realizável 715.574,68 895.585,66 872.271,70 0,94 Passivo Circulante JAN 2008 2,86 Passivo Circulante Passivo Circulante 0,79 Disponível 757.518,15 0,69 2.494.645,73

Disp. + Realiz. + Perm.

523.876,25 JAN 2009 872.271,70 757.518,15 757.518,15 2,99 2.267.209,53 872.271,70 872.271,70 A situação econômica é demonstrada pelo Patrimônio Social Real, correspondendo, portanto, ao capital próprio que realmente existe na data do balanço e/ou balancete do período analisado. O termo "Situação Econômica" refere-se ao estado patrimonial e, assim, não deve ser confundido com rentabilidade ou resultado operacional.

JAN 2009 JAN 2008

685.644,60 Evolução do PS, descontada a inflação do período:

1.509.691,38 1.622.374,03 0,00 500.000,00 1.000.000,00 1.500.000,00 2.000.000,00 R$ JAN 2008 JAN 2009 Situação Econômica

(17)

Valores para:

§ § § § §

-D - RENTABILI-DA-DE -DO PATRIMÔNIO SOCIAL (PS)

25.589,56 2008 0,40% 1,72% 6.454,17 JAN 2008

A rentabilidade do Patrimônio Social, em 2009 foi de 0,40%, contra 1,72% em 2008, mostrando ter havido melhor rentabilidade em 2008.

JAN 2009 Rentabilidades:

O índice de liquidez corrente, por sua vez, mostrou a existência, em 2009, de mais de R$ 1,00 para cada Real de dívida contraída, ao contrário do mesmo período de 2008, que foi de menos de R$ 1,00.

É obtida pela taxa de retorno dos valores investidos pelos associados, que mede a performance do "superavit" em relação ao capital próprio empregado no empreendimento.

Os índices de liquidez imediata, tanto em 2008 quanto em 2009, revelaram situações financeiras deficitárias, mostrando a existência de menos de R$ 1,00 para cada Real de dívida contraída. Nessas situações, o equilíbrio financeiro retorna com o aporte de recursos próprios no Ativo Circulante.

O quociente de cobertura total (liquidez geral), por sua vez, em ambos os exercícios citados, exibiu situações financeiras superavitárias, representando, neste caso, respectivamente, R$ 2,99 e R$ 2,86, para cada Real de dívida contraída.

Result. Acumulado no período Média do PS ajustado, no período

2009 1.484.101,82 1.615.919,86 0,6 9 0,94

2,99

0,7 9 1,03

2,86

0,00 0,50 1,00 1,50 2,00 2,50 3,00 % JAN 2008 JAN 2009 Índices de Liquidez Imediata Corrente Geral

(18)

Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez

No quadro a seguir, temos o histórico das variações das receitas e das despesas acumuladas em 2009, frente ao mesmo período de 2008.

Variação das RECEITAS acumuladas em relação ao mesmo período do ano anterior, sendo desejável porcentual

positivo crescente.

MÊS

Comparativamente ao mesmo período de 2008, em janeiro de 2009 as receitas involuíram, enquanto que as despesas cresceram.

Em %

No que pertine ao comprometimento do Patrimônio Social (PS), considerado como base o seu valor no início do ano de 2006, observa-se uma sensível diminuição desse comprometimento, ao longo dos exercícios seguintes.

Em janeiro de 2009, o Patrimônio Social esteve com 27,38% do seu valor comprometido (considerado o seu valor histórico de 2006), por conta do deficit acumulado de exercícios anteriores, conforme quadro demonstrativo no item II. Embora esse comprometimento tenha apresentado diminuição ao longo de 2007 e 2008, ainda permanece alto em 2009. A rentabilidade do Patrimônio Social, medida em janeiro de 2009, foi de 0,40%, contra 1,72% conseguida no mesmo período de 2008. Nessa mesma comparação, já descontada a inflação, o PS teve uma evolução de 1,62%. Em dezembro/08, essa evolução foi de 2,98%.

O resultado favorável conseguido no exercício de 2008, constituiu-se num forte indicativo da tendência de melhora da "performance" operacional nos próximos exercícios. Entretanto, para isso, o porcentual de evolução mensal das receitas precisa, predominantemente, ser maior que o das despesas.

Relativamente à situação econômico-financeira, o Sindicato apresentou, em janeiro/09, boa situação econômica, com uma evolução acima da variação do IPC-A (IBGE), bem como um excelente quociente de cobertura total, ou seja, índice de liquidez geral. Apenas o índice de liquidez imediata esteve insuficiente.

Variação das DESPESAS acumuladas em relação ao mesmo período do ano anterior, sendo desejável porcentual negativo crescente.

(4,88) 6,90

VIII - Conclusão

Em %

(19)

2003 2004 2005 2006 2007 2008

1.437.104,13 1.362.538,18 1.447.897,46 1.660.142,75 1.906.077,80 2.180.577,47 1.915.066,63 1.483.169,98 1.751.190,75 1.690.718,28 1.735.364,73 2.048.759,43

(477.962,50) (120.631,80) (303.293,29) (30.575,53) 170.713,07 131.818,04

Receitas

Examinando o gráfico a seguir, relativo aos resultados líquidos anuais de 2003 a 2008, observa-se que a partir de 2005 houve uma ligeira estabilização da curva das despesas, enquanto a curva das receitas empreendeu uma razoável ascensão, conseguindo, em 2007, ultrapassar aquela.

E X E R C Í C I O S

Por sua vez, no gráfico abaixo, relativo ao exercício de 2009, encerrou-se o mês de janeiro com um resultado líquido positivo da ordem de R$ 6.454,17.

Despesas TÍTULOS

Resultados

O ponto de equilíbrio em 2008 esteve num patamar muito elevado, ou seja, em 92,66%. Em 2009, encerrou janeiro com 95,79%. Caso venha a ultrapassar o porcentual de 100,00%, configurar-se-á em situação crítica, caracterizando "Passivo a Descoberto". 0,00 500.000,00 1.000.000,00 1.500.000,00 2.000.000,00 2.500.000,00 2003 2004 2005 2006 2007 2008 Exercícios R$ Receitas Despesas 0,00 50.000,00 100.000,00 150.000,00 200.000,00 250.000,00 300.000,00 JA N FEV MAR ABR MAI JU N JUL AGO SET OUT NOV DEZ 2009 R$ Receitas Despesas

Imagem

Referências

temas relacionados :