• Nenhum resultado encontrado

CLAREAMENTO DE DENTES VITAIS COM TIRAS CLAREADORAS,

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2019

Share "CLAREAMENTO DE DENTES VITAIS COM TIRAS CLAREADORAS,"

Copied!
33
0
0

Texto

(1)

NADJA MACHADO JABÓR

CLAREAMENTO DE DENTES VITAIS COM TIRAS CLAREADORAS, VERNIZES CLAREADORES E LED

FLORIANÓPOLIS - SC

(2)

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA - UFSC CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE

DEPARTAMENTO DE ESTOMATOLOGIA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DENTISTICA

CLAREAMENTO DE DENTES 'VITAIS COM TIRAS CLAREADORAS, VERNIZES CLAREADORES E LED

NADJA MACHADO JABÔR

(3)

NADJA MACHADO JABÓR

CLAREAMENTO DE DENTES VITAIS COM TIRAS CLAREADORAS, VERNIZES CLAREADORES E LED

Monografia apresentada ao Curso de Odontologia do Centro de Ciências da Saúde da Universidade Federal de Santa Catariana — UFSC, como requisito para obtenção do titilo de Especialista em Dentistica sob orientação do Professor Orientação Prof. Dr. Luis Clovis Cardoso Vieira

(4)

NADJA MACHADO JAI3611

CLAREAMENTO DE DENTES VITAIS COM TIRAS CLAREADORAS, VERNIZES CLAREADORES E LED

Esta monografia foi julgada adequada para obtenção do titulo de ESPECIALISTA EM DENTiSTICA aprovada em forma final pela coordenação do Curso de Especialização em Dentistica.

Universidade Federal de Santa Catarina

Florianópolis, 09 de dezembro de 2005.

Prof. Dr. Luis Clóvis Cardoso Vieira Membro

Prof. Dr. tlito Araújo Membro

Prof Dr. Edson Medeiros de Araújo Jr.

(5)

Quero agradecer aos meus pais (tdio e Maria Ignez) pelo apoio, amor e compreensão que me foram dados ao longo de toda vida.

Aos meus tios (Saulo e Márcia), pelo apoio e acolhida. A todos os meus familiares, por eu poder sempre contar com eles. Ao Prof Luis Clóvis Cardoso Vieira, que, através do seu conhecimento e sua paciência, me orientou e incentivou na realização deste trabalho.

(6)

RESUMO

CLAREAMENTO DE DENTES VITAIS COM TIRAS CLAREADORAS, VERNIZES CLAREADORES E LED

Nadja Machado Jab&

Prof. Orientador Msc. Luis Clóvis Cardoso Vieira Dezembro 2005

Ultimamente, o clareamento de dentes vitais tem alcançado grande popularidade devido à exaltação da estética feita pela mídia através de jornais, revistas, programas de TV e Internet. A presente monografia faz uma abordagem sobre técnicas clareadoras de dentes vitais lançadas recentemente no mercado, tais como: as tiras clareadoras, os vernizes clareadores e o clareamento em consultório com LED, destacando suas principais indicações, contra-indicações, vantagens e desvantagens. Além disso, discutiu-se a eficácia e os possíveis efeitos adversos que essas técnicas clareadoras apresentam. Ao final do trabalho concluiu-se que todos os sistemas clareadores citados promovem o clareamento de dentes vitais e que antes se escolher a técnica que será utilizada, é necessário que se faça um correto diagnóstico da etiologia da alteração de cor dos dentes para que o profissional tenha condições de escolher com coerência o tratamento clareador que será mais efetivo para cada caso.

(7)

ABSTRACT

VITAL BLEACHING WITH WHITENING STRIPS, PAINT-ON WHITENING GEL AND LED

Nadja Machado Jabôr

Prof. Orientador Msc. Luis Clóvis Cardoso Vieira Dezember 2005

Vital bleaching has become one of the most required dental procedures in Dentistry and its popularity is due to exaltation of esthetic made by the media through magazines. TV programs and Internet. The objective of this monograph is to approach vital bleaching techniques which have been introduced recently into the market, like strip-based peroxide systems, paint-on peroxide systems and in- office bleaching technique with LED, stand out their principal indications, advantages and disadvantages. Moreover, this monograph discusses the efficacy and the possible side effects of these bleaching techniques. All of these bleaching techniques have been considerate efficient to vital bleaching. The Dentist must use the most appropriate technique verifying the indications, taking in consideration the color change and the patients desire and expectations.

(8)

SUMÁRIO

INTRODUÇÃO 7

1 REVISÃO DE LITERATURA 9

1.1 Clareamento de Dentes Vitais 9

1.1.1 Sistemas de tiras de clareamento 10

1.1.2 Clareamento de dentes vitais com LED 13

1.1.3 Vernizes Clareadores 15

2 DISCUSSÃO 18

2.1 Sistemas de Tiras de Clareamento 18

2.2 Clareamento de Dentes Vitais com LED 13

2.3 Verniz Clareador 75

CONCLUSÃO 28

(9)

INTRODUÇÃO

O clareamento de dentes vitais tem sido um dos tratamentos odontológicos mais requisitados nos consultórios nos dias de hoje. Esse fato .pode ser explicado pela exaltação cada vez maior da estética feita pela mídia através de revistas, jornais e programas de TV. 4

A possibilidade de se alterar significativamente a cor dos dentes com uma técnica menos invasiva, praticamente indolor, sem desgaste da estrutura dental, que devolve uma aparência natural, mais jovem e harmônica a face e sorriso do paciente, faz do clareamento um tratamento atrativo e desejado.23

Apesar de o clareamento dental ter sido descrito primeiramente por Chapple em 1877, a técnica não obteve uma boa aceitação até a introdução formal do clareamento dental caseiro descrito por Haywood & Heymann em 1989. 31

O clareamento caseiro é uma técnica em que uma moldeira personalizada é preenchida com o material clareador (10 a 20% de per6xido de Carbamida que resulta em 3,5% a 7% de peróxido de Hidrogênio) e que é utilizada por 2/8 horas por dia, no período que varia de 2 a 6 semanas aproximadamente. I9 Quando indicado e aplicado corretamente, o clareamento caseiro proporciona resultados previsíveis e seguros, com mínimos efeitos colaterais. 31

Recentemente, porém, surgiram no mercado novas opções para o clareamento de dentes vitais. Existe hoje, os produtos clareadores comercializados diretamente ao consumidor. 5 São os chamados "over-the-counter" ou simplesmente "OTC". Sao produtos vendidos livremente como cosméticos em lojas, farmácias ou pela Internet. Esses produtos clareadores contém, geralmente, baixas concentrações de peróxido de Hidrogênio e se apresentam na forma de tiras ou verniz. 32

(10)

8

0 objetivo deste trabalho 6, portanto, fazer uma revisão de literatura dando ênfase as recentes técnicas clareadoras lançadas no mercado assim como suas indicações,

(11)

1 REVISÃO DE LITERATURA

1.1 Clareamento de Dentes Vitais

O clareamento de dentes vitalizados pode ser realizado por diferentes métodos:

• Clareamento no consultório, com ou sem moldeira;

• Clareamento caseiro com ou sem moldeira;

• Clareamento caseiro auto-administrado;

A escolha da técnica vai depender do tipo de alteração de cor dos dentes e da preferência do profissional e do paciente. Por ser um procedimento conservador, o clareamento dental não inviabiliza outras opções de tratamento, o que o torna a primeira escolha nos casos de dentes com alteração de cor. Dentes pigmentados de forma moderada ou severa devem ser clareados antes da realização de qualquer tratamento restaurador. O tratamento clareador pode não dispensar a confecção de facetas ou coroas. Entretanto, o clareamento do remanescente dental ajuda a alcançar o resultado estético desejado. Independentemente da técnica escolhida, o clareamento só pode ser considerado se o paciente possuir uma boa higiene oral, ou seja, na ausência de carie ou doença periodontal, na medida em que o tratamento dessas doenças sempre é prioritário a um procedimento estético/clareador. 3

Abordaremos a seguir as técnicas de clareamento caseiro sem moldeira (sistema de

(12)

10

1.1.1 Sistemas de tiras de clareamento

Muitas mudanças ocorreram os últimos anos pelo desenvolvimento de novas técnicas, buscando sempre a simplificação e efetividade do tratamento clareador.

Recentemente, Sagel et al descreveram um método alternativo de clareamento de dentes vitais usando tiras flexíveis que contêm o gel clareador. Segundo o mesmo autor, o sistema de tiras possue algumas vantagens sobre o sistema clareador caseiro com moldeira. Primeiro, a tira se adapta diretamente ao dente e mantém intimo contato do dente ao material clareador, eliminando a necessidade de fabricação de uma moldeira. Segundo, o sistema contém uma quantidade especifica de gel, assegurando uma dosagem ótima e uma aplicação uniforme. E, por último, o sistema de tiras é descartável, assim o paciente simplesmente descarta a tira após o uso, eliminando a necessidade de limpeza da moldeira e também sua armazenagem e manutenção. 28

0 sistema de tiras baseia-se na utilização de uma tira de polietileno fina e flexível, coberta por pequenos reservatórios que contêm o gel clareador. O peróxido de Hidrogênio é o produto clareador utilizado e pode se apresentar sob variadas concentrações. 23

As tiras clareadoras de baixa concentração (5,3% de peróxido de Hidrogênio) foram lançadas no mercado em 2000 e, por possuírem menor concentração, são recomendadas para o uso sem a supervisão de um profissional e podem ser vendidas em lojas, farmácias, supermercados ou pela Internet. 1 '3 Apesar do clareamento dental com acompanhamento de um profissional oferecer várias vantagens quando comparado ao clareamento -OTC", o clareamento auto-administrado agrada pelo baixo custo e conveniência. 31

As tiras com maiores concentrações (6,5%, 10% , e 14% de peróxido de Hidrogênio) são vendidas exclusivamente para os dentistas e o clareamento é feito sob a supervisão dos mesmos.3

Como se notou que havia uma baixa incidência de sensibilidade dental quando do uso das tiras de 5,3% de peróxido de Hidrogênio, estudou-se a possibilidade de aumentar a concentração do peróxido a fim de se obter resultados mais rápidos. 28 Por isso, em 2001, foi introduzido no mercado um sistema de tiras com concentração profissional (6,5% de peróxido de Hidrogênio). Combinando uma maior concentração de peróxido com o sistema de clareamento caseiro sem moldeira, surgiu talvez o primeiro sistema profissional "easy-

lo-use" ou "fácil de usar", que possibilita um tratamento clareador sem necessidade de visitas ao

(13)

11

Estudos continuos levaram à introdução, em 2004, de tiras clareadoras com menor espessura de gel e com o gel em maiores concentrações (10% e 14% de peróxido de Hidrogênio), sem o uso de qualquer proteção aos tecidos moles. 0 fato de a tira possuir uma menor espessura, faz com que o uso dela seja mais estético e confortável, melhorando assim, a aceitação e a colaboração do paciente. Além disso, a maior concentração do gel proporciona um clareamento melhor e mais efetivo. 15

As tiras dos sistemas clareadores são aderentes e possuem formato apropriado para a adaptação independente nas arcadas superior (formato retangular com 6,5 cm x 1,5 cm) e inferior (formato trapezoidal com 5 cm x 2 cm). 3'23 Sua espessura pode variar de 0,1mm a 0,2mm. 14

Esta técnica inovadora possui a vantagem de eliminar a necessidade de confecção de uma moldeira individual, constituindo-se, desta forma, uma manobra simples e econômica que proporciona resultados rápidos. 23

A tabela seguinte mostrará o regime clareador de alguns sistemas de tiras que existe no mercado: 3' 14 ' 15

Tabela 1: Regime clareador de alguns sistemas de tiras existentes no mercado

Produto Regime clareador . Fabricante

Whitestrips (5,3%)

2x/dia 30 minutos

14 dias

Procter & Gamble

Professional Whitestrips (6,5%)

2x/dia 30 minutos

21 dias

Procter & Gamble

Whitestrips Premium (10%)

2x/dia 30 minutos

7 dias

Procter & Gamble

Whitestrips Supreme

(14%)

lx/dia 30 minutos

21 dias

(14)

12

Indicações:

Praticamente todas as indicações do clareamento caseiro de dentes vitais feito com moldeira também são indicações do clareamento com

o

sistema de tiras, podendo-se destacar: 3

• Dentes vitais naturalmente escurecidos;

• Dentes vitais escurecidos por corante (dieta, fumo, etc...)

• Dentes vitais escurecidos pela idade (escurecimento fisiológico); • Dentes vitais escurecidos após trauma;

• Dentes vitais manchados por tetracielina;

• Dentes vitais manchados por fluorose, juntamente com a microabrasão; • Caninos vitais mais escuros que os demais dentes que incomodem

o

paciente;

0 profissional deve empregar sempre a melhor técnica de clareamento, caso haja a indicação ao tratamento, levando-se em conta

o

diagnóstico da alteração de cor

e

a

conservação da integridade das estruturas dentais, discutindo

e

explicando ao paciente

o

que se pode ser feito, considerando suas expectativas. 0 profissional deve ainda orientar

o

paciente corretamente, especialmente em casos de sensibilidade durante

o

tratamento

e

ensinar uma correta manutenção da

saúde

bucal.27

Contra-indicações:

A técnica está contra-indicada para pacientes que possuem sorriso muito largo, pois a

extensão

das tiras não

é

suficiente para recobrir todos os dentes posteriores. A melhor opção,

nesse caso,

é o

clareamento convencional com moldeira.3' 23

Vantagens:

3

' 23 ' 28

• Acessibilidade:

o

fácil acesso, principalmente das tiras de concentração 5,3% onde a venda

é

feita livremente, pode se transformar numa desvantagem, pois existe a possibilidade do abuso na utilização do produto, além do fato da descoloração não ter sido diagnosticada;

• Fácil utilização; • Confortável; • Custo reduzido; • Menor tempo de uso;

• Dose predeterminada do clareador: evita a superdosagem;

(15)

13

• Não requer confecção de uma moldeira individual;

Desvantagens:

3

• Não clareia os dentes posteriores (no caso dos pacientes de sorriso largo); • Não recobre totalmente a face lingual dos dentes superiores;

• Pode provocar efeitos adversos como a sensibilidade dental

e

irritação

gengival;

• Venda livre (quando na concentração 5,3%);

1.1.2 Clareamento de dentes vitais com LED

O

clareamento realizado em consultório, ou ambulatorial como também pode ser denominado, faz uso de elevadas concentrações de peróxido de Hidrogênio ou peróxido de Carbamida. 7 0 procedimento

é

realizado com

o

acompanhamento direto do dentista,

o

que pode ser considerada uma vantagem em relação aos sistemas clareadores caseiros. Como

o

per6xido

é

utilizado em elevadas concentrações, a técnica requer uma cuidadosa proteção dos tecidos moles

e

mucosa adjacente aos dentes a serem clareados. 3

Comumente, durante a realização do clareamento ambulatorial, emprega-se uma fonte de calor ou luz para potencializar os efeitos do produto clareador. E muito importante esclarecer que essas fontes não clareiam os dentes, elas incrementam a ativação do produto clareador que

é o

responsável pela ação do clareamento. 35

Essas fontes podem ser:

Calor:

esta técnica emprega

o

peróxido de Hidrogênio na forma liquida. Seu emprego para dentes vitais não

é

a primeira escolha, em decorrência da possibilidade de uma acentuada sensibilidade dental

e

irritação gengival devido A. maior possibilidade do produto, por ser liquido, infiltrar pelo

lençol

de borracha. 3

Laser:

existem vários tipos de sistema laser, mas apenas alguns têm aplicação no clareamento dental, que são: laser de Argõnio, laser de dióxido de Carbono, laser de Diodo. 0 alto custo de uma fonte de laser ainda

é

uma limitação para seu uso no clareamento dental. 3

Fotopolimerizadores: estes aparelhos possuem luz halógena do tipo difusa, incoerente e

(16)

14

grande em seus componentes ópticos como o bulbo, refletores e filtro, fazendo com que esse perca sua eficiência em até 80%, sem que seja perceptível a olho nu. 0 tempo de vida (nil de uma lâmpada halógena é de 50 a 100 horas de uso. 26 A principal fin-10o do aparelho de fotopolimerização para a técnica de clareamento em consultório é gerar o calor necessário para ativação e potencialização dos agentes clareadores. 25

LED: os LEDs são aparelhos cuja luz apresenta uma faixa de emissão estreita (450-490 nm), com o pico máximo próximo a 470nm. A tecnologia LED difere bastante do convencional em relação a potencia, pois os aparelhos fotopolimerizadores emitem alta densidade de potencia para que consiga polimerizar adequadamente uma porção de resina composta. No entanto, os aparelhos na base de LED apresentam uma baixa densidade de potência, especialmente os de primeira geração; a diferença se encontra na eficiência quanto aos comprimentos de onda da luz emitida por estes aparelhos. Os LEDs, portanto, emitem toda a luz dentro do espectro de absorção máxima da canforoquinona (470nm) que pode ser um dos fotoiniciadores do processo de clareamento. 2° É nesse aspecto que se encontra a diferença dos LEDs para os fotopolimerizadores, onde esses últimos produzem luz fora do espectro de absorção dos fotoiniciadores, ou seja, uma energia que não é útil para a fotoativação do produto de clareamento. Os LEDs possuem uma luz que não é gerada por filamento e sim por diodos que quando unidos em seus diferentes níveis, sob um estimulo elétrico, produzem luminosidade por diferença de polaridade. 6 Esses aparelhos não alteram a emissão de luz com o tempo, sua vida ¡Ail é de 100.000 horas pois não apresentam filtros que poderiam ser degradados. 22

Indicações: 3' 33 Para se indicar um tratamento adequado, deve-se necessariamente diagnosticar correta e minuciosamente cada caso. Além disso, deve-se sempre considerar as expectativas do paciente em relação ao tratamento. As indicações mais comuns do clareamento em consultório são:

• Quando se desejam resultados mais rápidos;

Estudos têm mostrado que produtos em altas concentrações podem clarear os dentes com maior velocidade. Esses produtos agem tão rápido, que já na primeira sessão se conseguem resultados visíveis.

• Pacientes que não desejam se submeter ao tratamento caseiro; • Em casos de dentes isolados;

• Clareamento da arcada inferior (associado ao caseiro na arcada superior). • Pacientes que reclamam do gosto desagradável do produto usado no

(17)

15

• Dentes manchados por tetraciclina com

o

objetivo de conseguir um

clareamento inicial mais rápido para motivar

o

paciente;

Vantagens: 3

• Supervisão direta do cirurgião-dentista (maior controle); • Rapidez (resultado imediato);

Desvantagens:

• Podem provocar maior sensibilidade dental;

Acredita-se que

o

uso de altas concentrações de peróxido para melhorar a eficácia

do clareamento de dentes vitais provocam uma diminuição na

tolerância

do paciente.

• Requer a realização de polimento da

superfície,

produzindo desgaste

desnecessário;

• Requer longas ou varias sessões de atendimento; • Requer mais de uma sessão clinica;

• Custo elevado (comparado ao caseiro);

1.1.3 Vernizes Clareadores

Através da

última

década, vários produtos clareadores caseiros foram desenvolvidos, incluindo

o

sistema clareador com moldeira pré-fabricada, as tiras de clareamento,

o

dentifrício,

com ou sem peróxido, escovas elétricas, fio dental

e o

verniz clareador." O verniz

clareador pode ser à base de peróxido de carbamida ou Hidrogênio

e

sua forma de

apresentação

é

mais recente ainda que as tiras de clareamento

e

igualmente de fácil aplicação. 3

(18)

16

sua rotina diária normal (no caso de se realizar o tratamento durante o dia) sem interrupção e sem interferência de qualquer moldeira ou tira clareadora. Além disso, o produto pode ser aplicado em um número ilimitado de dentes, independente do seu posicionamento no arco, enquanto outros produtos 0 TC conseguem alcançar somente um número determinado de dentes e também não são indicados quando os dentes estão mal posicionados no arco. I °

A seguir a tabela mostrará a apresentação e o regime clareador de alguns vernizes clareadores disponíveis no mercado: 3' 13

Tabela 2: Apresentação e o regime clareador de alguns vernizes clareadores disponíveis no mercado

Produto Agente Regime Clareador Fabricante

Simply White Peróxido de carbamida 18% 30 minutos

2x ao dia 21 dias

Colgate

Simply White

Night

Peróxido de Hidrogênio 8,7% 6-8 horas (noite)

lx ao dia 14 dias

Colgate

MyXantia Peróxido de carbamida 30 minutos

2x ao dia 14 dias

Dexcel Pharma

Crest Night

Effects

Percabonato de Sódio 19% 6-8 horas (noite)

lx ao dia

14 dias

Procter & Gamble

Indicações: 3

• A utilização de vernizes clareadores esta indicada para clareamento de dentes vitais, como já visto nas indicações do uso de tiras de clareamento;

• Pacientes que se recusam utilizar as moldeiras ou as tiras de clareamento;

Contra-Indicações:

(19)

17

Vantagens: I I

• Facilidade e rapidez na aplicação;

• Baixo custo; • Acessibilidade;

Desvantagens:

Acessibilidade: a acessibilidade torna-se uma desvantagem quando esses produtos

são utilizados sem o diagnóstico e a supervisão dos dentistas. Danos significativos ao esmalte têm sido reportados como resultado do uso de produtos OTC. 0 uso repetido de produtos inapropriados pode levar a estragos irreversíveis ao esmalte dental. Pacientes que optam por clarear manchas causadas por cárie não diagnosticada ou clarear restaurações manchadas, podem causar outro tipo de problema. Como o

clareamento não irá corrigir essas descolorações, os usuários dos OTC podem usar

exageradamente estes produtos a fim de tentar novamente corrigir as mesmas

descolorações. As conseqüências de cáries não diagnosticadas são óbvias. 29 Segundo

SARRET29, devido as várias causas de descoloração de dentes, é necessário um eficiente exame oral feito por um profissional para que o paciente se certifique que

está se submetendo ao tratamento clareador mais efetivo para o seu problema de

(20)

2 DISCUSSÃO

Para facilitar o entendimento, dividiremos a discussão desse trabalho de acordo com os temas abordados, sendo que dentro de cada tema falaremos sobre a eficácia e os efeitos adversos mais comuns causados pelos sistemas clareadores.

A sensibilidade dental e a irritação gengival são os efeitos adversos mais comuns associados ao clareamento de dentes vitais. I ' 8' 15 Portanto, daremos mais ênfase a eles no

decorrer da discussão.

2.1 Sistemas de Tiras de Clareamento

Clinicamente, o sistema de tiras original (peróxido de Hidrogênio 5,3%) proporciona um clareamento equivalente ao do sistema com moldeira utiliz ando-se per6xido de Carbamida a 10%.Gerlach et al (2000) apud Sage1 27 demonstraram que o sistema de moldeira com 10% de peróxido de Carbamida usado 2 horas por dia durante 14 dias e a tira de 5,3% de peróxido de hidrogênio usada 1 hora por dia (30 minutos, 2 vezes ao dia) durante 14 dias foram ambos efetivos e não apresentaram diferenças estatisticamente significantes em termos de beneficio clareador.

(21)

19

utilizada como guia). Todos os três métodos alcançaram as seis unidades de clareamento. que diferiu um grupo do outro foi a média de tempo necessário para o clareamento, que foi 31.85±6.63 ciclos (958.46 ± 194 minutos) para o Grupo A, 7.15±1.86 ciclos (3043.85±982.16 minutos) no Grupo B e 3.15±0.55 ciclos (47.08±8.43 minutos) no Grupo C. Apesar da diferença de tempos e ciclos necessários para se alcançar as seis unidades de clareamento, todos os grupos atingiram o objetivo final. Com relação aos efeitos adversos, o tratamento caseiro com moldeira causou um discreto aumento da sensibilidade quando comparado com a técnica "OTC" e o clareamento no consultório (que foi realizado sem ativação por luz). Esse discreto aumento da sensibilidade pode ser explicado pelo maior tempo que o produto clareador fica em contato com os dentes na técnica de clareamento caseiro com moldeira. Porém, é importante enfatizar que essa sensibilidade não foi considerada significante e que não houve alteração na aceitação do paciente em razão dela. 0 "OTC" causou uma maior irritação gengival comparado com o sistema caseiro com moldeira e o clareamento no consultório, mas novamente, sem diferença significante entre os grupos. A irritação foi leve e sensível em cada caso e também não alterou a aceitação do paciente.0 sistema caseiro foi significantemente melhor aceito quando comparado com o clareamento no consultório. Quando perguntado aos voluntários o motivo, os mesmos responderam que o clareamento caseiro é melhor por despender de menos tempo na cadeira. Apesar disso, todos os 3 métodos foram bem aceitos e considerados recomendáveis pelos pacientes.

(22)

20

tiras apresentou uma maior sensibilidade que

o

grupo das moldeiras.Mas a sensibilidade que ocorreu em ambos os grupos foi amena.

Um estudo clinico semelhante foi realizado pelo mesmo autor para comparar a eficácia de 2 sistem

as

de tiras de clareamento: Crest Whitestrips 5,3%

e

Crest Professional Whitestrips 6,5%. Ambos os grupos realizaram

o

tratamento por 2 semanas, sendo que

o

grupo que utilizou as tiras a 6,5%, prolongou

o

tratamento até completar 3 semanas, que

é o

tempo de uso recomendado pelo fabricante. As tiras de 6,5% de peróxido de Hidrogênio promoveram um clareamento mais rápido

e

melhor que as tiras de 5,3% de per6xido de Hidrogênio. A maior concentração proporcionou a maior rapidez do clareamento, assim como um clareamento mais efetivo após 2 semanas de uso. A semana adicional de uso do produto completando

o

regime de uso do sistema Crest Professional Whitestrips 6,5%, promoveu uma melhora de 52% no clareamento quando comparado com

o

sistema Crest Whitestrips 5,3%.Três particip

an

tes do grupo 5,3%

e

cinco participantes do grupo 6,5% relataram uma sensibilidade leve

e transitória

em algum ponto do processo de clareamento. Todos os participantes, porém, completaram com sucesso todo

o

regime clareador. 28

Em 2004, Gerlach et al l5 realizaram um estudo para avaliar a eficácia

e

a segurança de tan sistema de tiras de peróxido de

Hidrogênio

a 10% (Crest Whitestrips Premium), comparado a um sistema placebo sem peróxido.As tiras foram utilizadas sem a supervisão de profissionais por 30 minutos, 2 vezes ao dia durante 7 dias. No quarto

e

oitavo dia, a cor dos dentes superiores anteriores foi avaliada usando-se

o

sistema L*a*b*, onde L=brilho, a=vermelho/verde

e

b=amarelo/azul) através de imagens digitais. Após 3 dias de tratamento,

o

grupo das tiras de peróxido obteve uma signifi

cante

melhora da cor dos dentes (p<0.0001)

quando comparada com a cor original, com médias (SD) para Ab*

e

AL* de —1.57(0.42)

e

1.72(0.619) respectivamente. Continuando

o

uso das tiras do quarto ao oitavo dia, houve uma

significante melhora incremental (p<0.002) tanto na redução do amarelo quanto no aumento do brilho. Após

o

final do tratamento (oitavo dia), a média (SE) de mudança de cor entre os

(23)

21

oitavo dias, 4 participantes do grupo das tiras de peróxido e um participante do grupo das tiras placebo apresentaram leve irritação oral. A maioria (95%) dos efeitos adversos foram leves e nenhum participante modificou ou descontinuou o uso das tiras em razão deles.

Segundo Gerlach 17, o sistema de tiras profissional de peróxido de Hidrogênio a 14% foi criado para promover um clareamento efetivo através da aplicação uniforme de uma tira com gel em menor espessura e maior concentração. 0 uso desse gel mais "fino" e mais concentrado resultou num clareamento similar ou até mesmo melhor quando comparado com alguns dos sistemas clareadores caseiros com moldeira, apresentando um melhor perfil em relação aos efeitos adversos.

Em 2004, Gerlach et al l6 conduziram um estudo onde compararam a eficácia e a tolerância de dois sistemas profissionais clareadores de dentes vitais á base de peróxido de Hidrogênio: sistema de tiras de per6xido de Hidrogênio a 14% (Crest Whitestrips Supreme) e sistema de moldeira com gel per6xido de Hidrogênio 9,5% (Day White Excel). Os dois sistemas eram similares nos seguintes quesitos: período de uso (ambos usados de dia), concentração profissional, sistemas de clareamento caseiro, regime clareador de 30 minutos, duas vezes ao dia. Porém, os sistemas se diferenciavam em relação à quantidade de gel. Para a

análise da mudança de cor foi utilizado o sistema L*a*b* e imagens digitais dos casos. Para a avaliação da tolerância e efeitos adversos foram feitos entrevistas e exames orais. Comparando o resultado entre os grupos, observou-se um clareamento final maior para o grupo das tiras 14% em detrimento ao grupo das moldeiras com gel 9,5%. A média para a redução do amarelo (Ab*) no grupo das tiras foi de —2.12 e —3.35 no décimo e vigésimo

segundo dia respectivamente. A média de redução do amarelo (Ab*) no grupo das moldeiras foi de —1.68 no décimo dia (término do tratamento para o grupo) e —1.44 no vigésimo segundo dia. Isso representa, nos respectivos dias de término do tratamento, uma redução do amarelo

altamente importante (p< 0.003), talvez 2 vezes maior que a redução do amarelo observada no

(24)

21

leves

e

transitórios. Os autores

concluíram,

portanto, que ambos os sistemas clareadores profissionais testados no estudo foram eficazes

e

seguros. Ao final do tratamento,

o

sistema de tiras de 14% de peróxido de Hidrogênio proporcionou uma redução do amarelo duas vezes maior comparada ao sistema de moldeira com 9,5% de peróxido de Hidrogênio. Apesar da maior concentração do peróxido

e

do maior tempo de tratamento, as tiras foram significantemente melhor toleradas, com menos irritação oral quando comparadas ao sistema de moldeiras. Ainda segundo Gerlach I4, porém em outro estudo, como esse sistema de tiras foi desenvolvido para uso profissional,

o

seu gel clareador mais concentrado oferece vantagens significantes em relação à mudança de cor

e

a rapidez do clareamento quando comparado a outros sistemas de tiras.

Num estudo recente, Garcia-Godoy et al l2 avaliaram a eficácia

e

a segurança do uso prolongado do sistema de tiras de per6xido de Hidrogênio 14% (Crest Whitestrips Supreme) comparado a um sistema placebo.Os participantes do estudo utilizaram os sistemas de tiras 30 minutos, duas vezes por dia, durante seis semanas. As avaliações foram feitas antes do inicio do tratamento, na terceira semana

e

na sexta semana. A cada visita eram feitas entrevistas, exames intra-orais com cada um dos participantes. Além disso, eram coletadas imagens digitais dos casos. Os autores observaram ao longo do estudo que

o

clareamento foi evidente

após

três semanas de uso (p< 0.0001), comprovado pela significante melhora em todos os

parâmetros de cor considerados (L*a*b*), quando comparado a cor inicial dos dentes e ao grupo placebo.

Após

três semanas de uso, os dentes do grupo do peróxido de Hidrogênio apresentaram uma redução de 3,3 unidades do amarelo

e

2,4 unidades no aumento do brilho quando comparados com

o

grupo placebo. Da terceira à sexta semana houve ainda melhora em todos os parâmetros da cor (p< 0.0005).

Após

seis semanas de uso das tiras com peróxido

houve redução do amarelo de 4 unidades (Ab*)

e

mais 3 unidades de aumento de brilho (AL*) em relação ao placebo. Com relação à segurança, os autores observaram que a irritação oral foi similar ou até mesmo menor que a do grupo placebo. A sensibilidade dental ocorreu com maior freqüência no grupo das tiras de peróxido de Hidrogênio. Essa sensibilidade, porém, era geralmente amena na severidade

e

ao longo das seis semanas de tratamento não contribuiu para qualquer redução ou alteração do seu uso. 0 tratamento clareador através do uso do sistema de tiras de peróxido de Hidrogênio 14% foi considerado, pelos autores, seguro

e

eficaz.

(25)

23

Gerlach et al l8 realizaram um estudo com

o

objetivo de avaliar a cinética do peróxido de Hidrogênio contido nas tiras de 6,5%

e

14%, sendo que a cinética foi avaliada na própria tira, no dente, na gengiva

e

na saliva. Um total de 17 adultos foram submetidos ao estudo (os voluntários utilizaram ambos os produtos,

e

cada produto foi utilizado 4 vezes por dia, durante 60 minutos). As concentrações de per6xido foram medidas antes de se aplicar

o

produto

e

nos tempos 5, 10, 30

e

60 minutos de uso. Os tratamentos foram comparados ao final de cada tempo (0, 5, 10, ou 60 minutos). Para as tiras de 14%, a concentração do peróxido nos dentes

e

nas próprias tiras caiu já aos 5 minutos,

e

foi diminuindo lentamente com

o

tempo. Aos 30 minutos-tempo de uso recomendado pelo fabricante-a concentração média de peróxido de Hidrogênio era de 6,2% nas tiras

e

4,4% nos dentes.Em contraste, a concentração de per6xido de hidrogênio na gengiva

e

saliva já aos 5 minutos era muito baixa

e

continuou baixa até

o

final. Os tratamentos se diferenciaram entre si com respeito A. concentração do peróxido na tira

e

nos dentes, mas não na gengiva

e

na saliva, onde ambos apresentavam baixos valores da concentração do produto. As medidas ao longo dos 60 minutos de uso demonstraram um

nível

no dente de per6xido de Hidrogênio 14%, 77% maior quando comparado à tira com concentração 6,5%. 0 estudo, portanto, demonstrou a possibilidade de clareamento de dentes vitais com uma fina espessura de gel peróxido de Hidrogênio 14%, com pequena exposição da gengiva

e

saliva ao peróxido.

2.2 Clareamento de Dentes Vitais com LED

0 ressurgimento da técnica de consultório que utiliza fonte de luz para ativação dos clareadores possibilitou a utilização de fotopolimerizadores, porém, esses aparelhos provocam

o

aumento da temperatura na câmara intrapulpar e, conseqüentemente,

o

aumento de sensibilidade durante

e

após

o

clareamento. 2 0 aumento de temperatura também ocorre corn a utilização dos aparelhos de arco de plasma. 24

(26)

24

Essa convergência de idéias fez com que o laser fosse o principal candidato a titularidade do clareamento dental, pois possue coerência e monocromaticidade, fazendo com que a luz tenha como alvo as moléculas escurecidas do gel e não a polpa dental. Porém, o alto custo do equipamento ainda é uma limitação e torna a técnica inacessível a maioria dos profissionais. As atenções, então, voltaram-se para os LEDs, que possuem um custo muito menor e características semelhantes. 6

As emissões fot6nicas como os lasers e LEDs para o clareamento dental são radiações não ionizantes e concentradas que ao serem absorvidas pelos tecidos com o qual interagem resultam em efeitos fotoquimicos e mínimos efeitos fototérmicos, tendo como alvo, moléculas escurecidas. Esses mecanismos geram um mínimo de temperatura sem dano ao tecido pulpar,

pois aquecem o produto e não a estrutura dental. Para que se alcance um efeito preciso e especifico, o ideal é utilizarmos uma fonte de emissão de energia numa faixa muito próxima ao pico de absorção do produto que vai ser utilizado.

Pesquisas mostram que uso prudente de lasers e LEDs, em geral, tem pouco ou

nenhum efeito sobre o esmalte e não causam sensibilidade.9' 35

Na técnica de clareamento os estímulos com luz de Xen6nio e Halógena podem gerar mais energia térmica que os estímulos com os lasers e LEDs. 0 aumento da temperatura pode causar o aumento da sensibilidade durante o procedimento de clareamento dental.

Assim como o laser de Argemio (488nm), a nova técnica utilizando os LEDs têm a vantagem de produzir aumento mínimo de temperatura, podendo ser usada com segurança. 33 Num trabalho clinico realizado por Brugnera & Zanin apud Zanin 33, 218 casos de clareamento foram realizados com LEDs azuis acoplados ao laser terapêutico e algumas vantagens em relação ao laser de Arg6nio foram observadas, principalmente em relação à diminuição de

sensibilidade durante e após a sessão de clareamento, isto devido A. associação de laser terapêutico para prevenção da hipersensibilidade. Os LEDs vêm como uma alternativa viável para o clareamento dental em uma sessão, pois além do conforto do paciente, é uma tecnologia de custo bem mais acessível que os lasers, estando numa faixa de emissão muito próximas a eles, o que determina um grande aproveitamento devido sua pureza espectral.

(27)

25

Em 2004, baseados nesse trabalho, Calmon et al 6 realizaram um estudo com o objetivo de avaliar o aumento de temperatura intrapulpar gerado por diferentes sistemas de fotoativação. Os resultados mostraram que o equipamento denominado LEDs B (Ultra Blue, DMC) foi o maior geração de aumento de temperatura, apresentando uma média de 5,8°C, inclusive ultrapassando os limites propostos por Zach and Cohen. 0 equipamento Fotopolimerizador (CLK-50, Kondortech) foi o segundo maior gerador de aumento de temperatura com um aumento médio de 5,19°C, apresentando-se a uma posição limítrofe aos limites propostos. 0 equipamento LEDs A (Brightness, Kondortech) apresentou menor aumento de temperatura com uma média de 0,54°C, podendo ser considerada como desprezível. A eficácia do clareamento foi clinicamente semelhante para as 3 fontes utilizadas.

Num outro trabalho clinico desenvolvido no Instituto Brugnera & Zanin 34, 300 casos de clareamento foram realizados com LEDs (Laser Light 1 e Laser Light 2 —Kondortech). Algumas vantagens foram observadas em relação As outras técnicas com laser de Argônio, principalmente no que diz respeito à diminuição de sensibilidade durante e após a sessão de clareamento, isto devido A. não indução de calor durante o processo de clareamento com o LED que vem associado a um laser terapêutico para prevenção da hipersensibilidade. Dos 300 procedimentos realizados, menos de 10% apresentaram sensibilidade leve e isolada, em um ou dois dentes no decorrer ou logo após o tratamento. Essas sensações foram curtas e desapareceram logo após o procedimento. Os resultados clínicos no tocante ao clareamento foram excelentes, evidenciando que o equipamento se mostrou eficaz na ativação do gel.

2.3 Verniz Clareador

Através dos últimos cinco anos, o clareamento caseiro se tornou mais freqüente, com ou sem a supervisão de um profissional. Vários produtos OTC estão disponíveis para a população em geral, incluindo os sistemas com moldeiras pré-fabricadas, sistemas de tiras e os vernizes. A eficácia desses produtos vem sendo largamente estudada. Aqui, daremos ênfase aos vernizes clareadores.

(28)

26

indicaram que após duas

e

três semanas de tratamento, realizado à noite, diariamente, após a escovação dos dentes com

o dentifrício:

1) Houve um clareamento estatisticamente significante quando comparado com a cor do dente original. (p<0,5)

2) Houve um clareamento estatisticamente significante quando comparado com a cor do dente de pacientes que utilizaram somente

o dentifrício.

Após seis meses do término do tratamento, os participantes que utilizaram

o

verniz clareador junto com

o dentifrício

mantiveram

o

mesmo

nível

do clareamento presente na segunda

e

terceira semana de uso do produto.

No mesmo ano, Gerlach et al 13, promoveram uma pesquisa a fim de comparar a eficácia de dois vernizes clareadores de uso noturno, num

período

de 2 semanas. Os produtos utilizados foram:

• Sistema de 19% de Percabonato de Sódio

(o

que corresponde a 3% de peróxido de Hidrogênio) que

é

embalado em sachets de dose timica.Quando aplicado,

o

gel seca

e

forma sobre

o

dente um aderente filme. Marca comercial: Crest Night Effects; • Sistema à base de peróxido de Hidrogênio 8,7%. 0 produto

é

aplicado com um

pincel, semelhante ao utilizado no esmaltes de unha. Marca comercial: Colgate Simply White Night;

Ambos os grupos aplicaram os respectivos produtos na

superfície

vestibular de 6 dentes anteriores superiores por 14 noites. A eficácia foi medida através do sistema L*a*b

e

imagens digitais padronizadas. A segurança foi avaliada através de entrevistas

e

exames

clínicos.

Ao final do estudo, os autores observaram que somente

o

grupo que utilizou

o

sistema de 19% de percabonato de Sódio exibiu uma melhora na redução do amarelo (Ab*)

e

aumento do brilho (AL*). Após 2 semanas, este grupo apresentava uma média Ab* de -0.97 (0.65),

o

que representa uma significante redução do amarelo, quando comparado com a cor

inicial do dente. A média AL* foi 0.59 (0.746) após

o

uso do mesmo produto

, o

que significa

(29)

27

Mas como um produto que apresenta uma menor concentração relativa de peróxido de Hidrogênio, pode apresentar resultados melhores no que diz respeito ao clareamento?

Segundo Karpinia21 , isso se deve ao fato de alguns vernizes clareadores perderem rapidamente o poder clareador (tempo de contato do peróxido é insuficiente), fazendo com que esses produtos apresentem, em algumas situações, modestos resultados clínicos. 0 sistema de 19% de percabonato de Sódio, portanto, foi desenvolvido para liberar o peróxido por um maior período de tempo. 0 mesmo é composto por um sistema anidro, que possui peróxido aderido a uma suspensão de polimero de silicone. Após aplicada, essa suspensão forma sobre o esmalte, uma película aderente, que lentamente libera per6xido ao dente. Isso faz com que o tempo de contato do dente com o per6xido seja maior, tendo como resultado, portanto, um clareamento melhor.

Recentemente, em 2004, Garcia-Godoy et al l 1 realizaram um estudo comparando a eficácia de uma escova elétrica experimental e um verniz clareador (8,7% de peróxido de Hidrogênio-Colgate Simply White Night). Ao final do estudo, os autores observaram que a escova elétrica experimental promoveu um clareamento semelhante ao clareamento com 8,7% de peróxido de Hidrogênio. Isso fez com que os autores concluíssem que esse tipo de verniz estaria indicado somente para o clareamento extrinsico de superficie, já que a magnitude do clareamento foi considerada pequena.

Gambarini et al l° concluíram, num estudo onde avaliaram a eficácia e a segurança de um verniz clareador (5,9% de peróxido de Hidrogênio-Colgate Simply White) que o produto

promoveu uma significante melhora na cor do dente (4.48) em duas semanas (p<0.05) quando comparado a um grupo placebo. 0 clareamento foi superior ao mínimo recomendado pela ADA (2 valores abaixo da escala de cor). Com relação à segurança, o produto foi bem tolerado pelos participantes, causando efeitos adversos suaves e reversíveis.

(30)

CONCLUSÃO

Os sistemas clareadores lançados recentemente no mercado, como as tiras e vernizes clareadores e o clareamento em consultório com LED, são eficazes no clareamento de dentes vitais.Ndo existe, porém, um sistema clareador que possa ser considerado como ideal, pois todos têm indicações e contra-indicações, vantagens e desvantagens.

Por isso, é imprescindível que o profissional faça um correto e minucioso diagnóstico da alteração de cor dos dentes e, assim, poder escolher com coerência o tratamento clareador que será mais efetivo para cada caso.

(31)

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. AUSCHILL, T.M. et al. Efficacy, Side-Effects and Patients' Acceptance of Different Bleaching Techniques: OTC, in-office, at-home. Oper Dent, v.30, n.2, p.156-163, Mar./ Apr. 2005.

2. BAIK, J.W; RUEGGEBERG, F; LIEWEHR, F.R. Effects of light-enhanced bleaching on in-vitro surface and intrapulpal temperature rise. J Esthet rest Dent, v.13, p. 370- 378, 2002.

3. BARATIERI, L.N.; MAIA, E. et al. Caderno de Dentistica: Clareamento Dental. 1 ed.

Sao

Paulo: Santos, 2003.

4. BARATIERI, L.N. et al. Clareamento dental. 3. ed. São Paulo: Santos, 1996.

5. BONFIM, M.D.C. et al. Efeitos Deletérios dos Agentes Clareadores em Dentes Vitais

e

Não Vitais. JBC, Curitiba, v.2, n.9, p.25-32, mail jun. 1998.

6. CALMON, W.J. et al. Estudo do Aumento de Temperatura Intra-Pulpar Gerado Pelo Clareamento Dental: utilizando-se Como Fonte de Ativação

o

Fotopolimerizador

e

Dois Equipamentos Com Sistemas Conjugados com LED's

e

Laser. RGO, Porto Alegre, v.52, n.1, jan./ fev./ mar. 2004.

7. FARIAS, V.B. DE. et al. Clareamento dental Caseiro

e

Clareamento Dental Interno: Uma Associação Para Recuperação Estética do Sorriso. RGO, Porto Alegre, v.50, n.4, p.289-292, out. 2003.

8. FERRARI, M. et al. Clinical trial evaluating the peroxide concentration response of whitening strips over 28 days. Am J Dent, v.17, n.4, p.291-294, Aug. 2004.

9. FREEDMAN, G; REYTO, R. Laser bleaching: a clinical survey. Dentistry Today. v.16, n.5, p.106, May. 1997.

10. GAMBARINI, G. et al. Efficacy and Safety assessment of a new liquid tooth whitening gel containing 5, 9% hydrogen peroxide. Am J Dent, v.17, n.2, p. 75-79, Apr. 2004.

11. GARCIA-GODOY, F. et al. Tooth whitening effects of an experimental power toothbrush relative to a 8, 7% hydrogen peroxide paint-on gel control. Am J Dent, v.17, spec.n, p. 25A-30A, Jan. 2004.

(32)

30

13. GERLACH, R.W.; BARKER, M.L. Randomized clinical trial comparing overnight use of two self-directed peroxide tooth whiteners.

Am

J

Dent,

v.16, spec.n, p. 17B-21B, Nov. 2003.

14. GERLACH, R.W.; SAGEL, P.A. Vital bleaching with a thin peroxide gel: The safety and efficacy of a professional-strength hydrogen peroxide whitening strip. JADA, v.135, n.1, p. 98-100, Jan. 2004.

15. GERLACH, R.W.; SAGEL, P.A.; BARKER, M.L. Placebo-Controlled Clinical Trial Evaluating a 10% Hydrogen Peroxide Whitening Strip. J Clin

Dent,

v.15, n.4, p.118-

122, 2004.

16. GERLACH, R.W.; ZHOU, X. Clinical Trial Comparing Two Daytime Hydrogen — Peroxide Professional Vital Bleaching Systems. Compend Contin Educ

Dent,

v.25, n.8 (suppl 2), Aug. 2004.

17. GERLACH, R.W. Whitening Paradigms Revisited: Introduction of a Concentrated Peroxide Gel Technology for Professional Tooth Whitening. Compend Contin Educ

Dent,

v.25, n.8 (suppl 2), Aug. 2004.

18. GERLACH, R.W. et al. In-Use Comparative Kinetics of Professional Whitening Strips: Peroxide Recovery From Strips, Teeth, Gingiva and Saliva. Compend Contin Educ

Dent,

v.25, n.8 (suppl 2), Aug. 2004.

19. HAYWOOD, V.B.; HEYMANN, H.O. Nightguard vital bleaching.

Quintessence Int.

v.20, n.3, p. 173-176, Mar. 1989.

20. JANDT, K.D. et al. Depth of cure and compressive strength of dental composites cured with blue light emitting diodes (LED'S).

Dent Mater,

v.16, p. 41-47, 2000.

21. KARPINIA, K.A. et al. Placebo-controlled clinical trial of a 19% sodium percabonate whitening film: Initial and sustained whitening.

Am

J

Dent,

v.16, spec.n, p 12B-16B, Nov. 2003.

22. MILLS, R.W. et al. Dental composite depth of cure with halogen and blue light emitting diode technology.

Brit Dent

J, v.186, p. 388-391, 1999.

23. MIRANDA, C.B. et al. Inovação no Clareamento Dental Caseiro-Crest Whitestrips: Combinação de Gel em Fitas. JBC, Curitiba, v.6, n.34, p. 291-294, jul./ago. 2002.

24. MONDELLI, R.F.L. Clareamento dental de dentes polpados. Biodonto Revista Odontológica, v.1, n.1, p. 74, jan./fev. 2003.

(33)

31

26. RUEGGEBERG, F.A. et al. Lifetime intensity profiles of 11 light curing units. J Dent Res, p 75:380, 1996.

27. RUIZ, G.A.; SÁ, F.C. de. Clareamento Caseiro em Dentes Vitais. RGO, Porto Alegre, v.51, n.1, p. 18-22, jan./fev./mar. 2003.

28. SAGEL, P.A et al. Overview of a Professional Tooth-Whitening System Containing 6,5% Hydrogen Peroxide Whitening Strips. Compend Contin Educ Dent, v.23, n. LA, 2002.

29. SARRET, D.C. Tooth whitening today. JADA, v.133, n.11, p. 1535-1538, Nov. 2002. 30. SIELSKI, C. et al. A Clinical Investigation of the Efficacy of a Tooth- Whitening Gel.

Compend Contin Educ Dent, v.24, n.8, p. 612-614, Aug. 2003.

31. TEIXEIRA, E.C. et al. Effect of tray-based and trayless tooth whitening systems on microhardness of enamel surface and subsurface. Am J Dent, v.17, n.6, p. 433-436, Dec. 2004.

32. WHITE, D.J. et al. Effects of Crest Whitestrips bleaching on surface morphology and fracture susceptibility of teeth in vitro. Journal of Clinical Dentistry, v.14, n.4, p.82- 87, 2003.

33. ZANIN, F. et al. Clareamento Dental Com Laser

e

Led. RGO, Porto Alegre, v.51, n.3, p. 143-146, jul./ago./set. 2003

34. ZANIN, F. et al. Novos Sistemas de Clareamento: Laser Light 2

e Lâmpada

ZOOM!. Arquivo Dental

Gaúcho,

p.16-21.

Imagem

Tabela 1: Regime clareador de alguns sistemas de tiras existentes no mercado  Produto  Regime clareador
Tabela 2: Apresentação  e o  regime clareador de alguns vernizes clareadores  disponíveis  no  mercado

Referências

Documentos relacionados

Ante o exposto e atendidas as formalidades regimentais, requeremos que fique constando na Ata da Sessão Ordinária, Moção de Pesar pelo passamento do JOVEM NICHOLAS BITTAR

Tendo em vista que as ITU’s constituem uma das patologias bastante comum, e partindo do princípio de que, na maioria dos casos elas são tratadas sem a realização da urocultura e

Os artigos foram analisados no que se refere ao público-alvo, ou seja, o nível de escolaridade onde as pesquisas foram realizadas, onde foram analisados se o

Destaca-se, também, a intensa utilização desse sistema de ensino pelas empresas, o que caracteriza o que se chama de Educação a Distância Corporativa. É visível o

particularismo en la filosofia de la cultura.. Em  Pauta: revista da Faculdade de Serviço Social da UERJ, Rio de Janeiro, n. Lagos andinos dão banho de beleza. Folha Turismo,

Dentre os tratamentos mais procurados pelos pacientes, o clareamento de dentes vitais realizado em consultório - também chamado de clareamento assistido - tem sido

professores; como a partir das crescentes possibilidades de introdução de componentes curriculares à Educação à Distância (EaD) no próprio Ensino presencial. A seguir,

a) AHP Priority Calculator: disponível de forma gratuita na web no endereço https://bpmsg.com/ahp/ahp-calc.php. Será utilizado para os cálculos do método AHP