ACTA N.º 14. A reunião foi secretariada e a acta redigida por Dr. SÉRGIO CARVALHO JORGE DA SILVA Director do Departamento de Administração Geral.

26 

Loading.... (view fulltext now)

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Texto

(1)

ACTA N.º 14

Aos sete dias do mês de Abril do ano de mil novecentos e noventa e nove, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, sito no Largo da República desta cidade, reuniu a Câmara Municipal de Leiria, tendo estado presentes os Excelentíssimos Senhores:

VEREADORES: RAUL MIGUEL DE CASTRO

ANTÓNIO JOSÉ DE ALMEIDA SEQUEIRA DR. VITOR MANUEL DOMINGUES LOURENÇO DR. JOSÉ DA SILVA ALVES

ENGº. FERNANDO BRITES CARVALHO

DR. ACÁCIO FERNANDO DOS SANTOS LOPES DE SOUSA

DR. PAULO JORGE RABAÇA SARAIVA

**

A reunião foi secretariada e a acta redigida por Dr. SÉRGIO CARVALHO JORGE DA SILVA Director do Departamento de Administração Geral.

**

Estiveram presentes: - por parte do Departamento de Obras Particulares, a ARQT.ª MARIA GABRIELA GUERREIRO ROCHA para apresentação dos processos de obras particulares; por parte do Departamento de Urbanismo, o ARQTº. ANTÓNIO VEIGA MOREIRA DE FIGUEIREDO para apresentação dos processos de loteamento.

**

Por motivos devidamente justificados, a Senhora Presidente Dra. ISABEL DAMASCENO VIEIRA DE CAMPOS COSTA, não pode estar presente, tendo sido a reunião presidida pelo Senhor Vereador Substituto da Senhora Presidente da Câmara, DR. VITOR MANUEL DOMINGUES LOURENÇO.

Por motivos devidamente justificados o Senhor Vereador ENG. PEDRO LOPES PEREIRA DE FARIA não pode estar presente.

**

APROVAÇÃO DA ACTA

Presente a Acta da reunião de 99.03.31., cuja leitura foi dispensada por ter sido previamente distribuída, tendo a Câmara, por unanimidade, aprovado a sua redacção final.

**

ABERTURA OFICIAL DA REUNIÃO

Pela Senhora Presidente foi a reunião declarada aberta eram catorze horas e quarenta e cinco minutos, com a seguinte Ordem de Trabalhos:

(2)

PONTO NÚMERO UM

- ANÁLISE DOS SEGUINTES PROCESSOS DE OBRAS PARTICULARES N.º S.:

1494/90 MARIA DO ROSÁRIO RODRIGUES FERREIRA RUIVO E OUTRA

241/92 ILDA PIRES MONTEIRO FERREIRA

46/97 JACINTA MARIA ALEXANDRE MIRA MONTEIRO

639/97 IMOPOUSOS - IMOBILIÁRIA E GESTÃO, LD.ª

758/98 DIONISIA DE SÃO JOSÉ PEREIRA SANTOS

877/98 JOSÉ VIEIRA PIRES E OUTRO

943/98 TELEPIZZA PORTUGAL, S.A.

1425/98 VASCO MANUEL MARTINS A. COSTA E OUTRA

107/99 HABINEVES CONSTRUÇÕES, LD.ª

122/99 JOSÉ DE JESUS OLIVEIRA PERPÉTUA

126/99 GABRIEL FERREIRA CARREIRA

191/99 EDEN DO TERREIRO - PASTELARIA CONFEITARIA, LD.ª

PONTO NÚMERO DOIS

- ANÁLISE DOS SEGUINTES PROCESSOS DE LOTEAMENTO NºS.:

36/79 CONSTRUÇÕES IMOBILIÁRIAS DO CENTRO, LD.ª

29/96 ANTÓNIO DE SOUSA FADIGAS E OUTROS

4/98 JUNTA DE FREGUESIA DE BAROSA

12/98 ADRIANO DE JESUS MALÍCIA

PONTO NÚMERO TRÊS

- ANÁLISE DOS SEGUINTES PROCESSOS DE OBRAS MUNICIPAIS N.º S.:

T 223/98 DRENAGEM PLUVIAL DA BACIA DE S. ROMÃO - POUSOS -

INFORMAÇÃO SOBRE ADJUDICAÇÃO DEFINITIVA

T 284/88-A CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA A ESCOLA C+S DE LEIRIA (PAULO

VI) - PERMUTAS PONTO NÚMERO QUATRO

- RENDAS EM ATRASO - MARIA AURORA DE OLIVEIRA DA SILVA DO NASCIMENTO - BAIRRO SOCIAL DA INTEGRAÇÃO, N.º 13, LEIRIA

PONTO NÚMERO CINCO - BALANCETE

PONTO NÚMERO SEIS

- PROCESSO DE INQUÉRITO PONTO NÚMERO SETE

- ABERTURA DE CONCURSO PARA CHEFE DE DIVISÃO ADMINISTRATIVA - ABERTURA DE CONCURSO PARA CHEFE DE DIVISÃO DE EDUCAÇÃO PONTO NÚMERO OITO

- ESCOLA PROFISSIONAL DE LEIRIA - ACTA N.º 283 DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

- AGRUPAMENTO DE CRUZ D’AREIA - REFEITÓRIO

- ESCOLA EB 1,2,3 DE COLMEIAS - PEDIDO DE CEDÊNCIA GRATUITA DO AUTOCARRO DA CML

PONTO NÚMERO NOVE

- ACESSO DOS VEÍCULOS DA STL PARA RECOLHA DE R.S.U. PONTO NÚMERO DEZ

- I FESTIVAL DE TEATRO DA ALTA ESTREMADURA - CONTRATO PROGRAMA COM O ORFEÃO DE LEIRIA

(3)

PEDIDOS DE ESCLARECIMENTO (1)

N.º0852/99 Pelo Senhor Vereador RAUL CASTRO, foram apresentadas as seguintes questões:

1.º Em aditamento ao assunto da “Pizzaria di Roma” foi informado que a DRAC oficiou (ofício n.º 3235) a Câmara a solicitar a intervenção no sentido serem tomadas as medidas correctivas adequadas à regularização da situação, pois a reclamação é procedente porque o ruído ultrapassa o limite máximo admissível, que é de 10 (dB).

2.º Foi deliberado por este executivo dar direito de superfície ao Grupo de Danças e Cantares de S. Romão, mas já passou um ano e ainda não foi feita a escritura, pelo que queria saber o que se passava.

3.º Perguntou se tinha havido alguma reunião com dirigentes do UDL e se foi falado novamente sobre a questão do terreno para a instalação de bombas de gasolina.

Foi-lhe transmitido que nessa reunião o Senhor Vereador Paulo Rabaça disse que o Vereador Raul Castro é que impedia a cedência do terreno.

O Senhor Vereador DR. PAULO RABAÇA respondeu, confirmando, que por solicitação do UDL, houve uma reunião, em que estava presente além dele a Senhora Presidente, e que nunca houve conversas sobre esse assunto, nunca foi afirmado que o Senhor Vereador Raul Castro era o responsável, pelo que não sabe quem poderia fazer tal afirmação.

O Senhor Vereador RAUL CASTRO, informou que quem lhe transmitiu, foi o Senhor António Bastos e ao qual tinha respondido que havia uma maioria que poderia por si só resolver o assunto.

O Senhor Vereador DR. PAULO RABAÇA, disse que nunca tinha falado com esse Senhor, pelo que gostava de ouvir essa afirmação do próprio.

O Senhor Vereador RAUL CASTRO irá chamá-lo para vir a reunião de Câmara assumir o que disse.

**

N.º0853/99 Pelo Senhor Vereador DR. ACÁCIO DE SOUSA, foram apresentadas as seguintes questões:

1.º Queria saber se a Torre de Menagem estava ou não aberta ao público

O Senhor Vereador DR. VITOR LOURENÇO disse que está fechada porque não tem ainda exposições, pelo que é aberta quando exista solicitação de visitas em grupos organizados.

O Senhor Vereador DR. ACÁCIO DE SOUSA acrescentou que lhe tinham chegado reclamações de diversas pessoas.

O Senhor Vereador DR. VITOR LOURENÇO, respondeu que à Câmara não têm chegado reclamações, de acordo com o que tem conhecimento.

2.º Quanto à Feira do Livro, e conforme o solicitado desejava a acta da ultima reunião da Comissão Executiva.

O Senhor Vereador DR. VITOR LOURENÇO, disse que já tinha falado com a Dr. Ângela sobre esse assunto, mas que por esquecimento, não as tinha trazido, mas que vai tratar do assunto, de imediato.

(4)

N.º0854/99 Pelo Senhor Vereador ANTÓNIO SEQUEIRA, foi apresentada a seguinte questão:

Desejava saber se o Senhor Vereador ENG. FERNANDO CARVALHO, conhecia a situação do prédio no Outeiro da Fonte, porque segundo informação estão a trabalhar na obra , pelo que queria saber se o embargo continua.

O Senhor Vereador ENG. FERNANDO CARVALHO, vai ver o processo e na próxima reunião informará.

**

INFORMAÇÕES

N.º0855/99 Para conhecimento da Câmara o Senhor Vereador DR. VITOR LOURENÇO, informou que no âmbito das comemorações do 25 de Abril, se iria realizar no dia 10 de Abril (sábado à noite) na Sé um Concerto de órgão de tubos e trompete, a pedido do Centro Cénico da Cela, com os apoios da Câmara de Leiria, Paróquia da Sé de Leiria, Paróquia de St.º André da Cela, Junta de Freguesia da Cela.

Informou ainda que no mesmo âmbito no dia 12 de Abril pelas 18H30 serão inauguradas as exposições, “Graffiti de Abril” e Leiria - Imagens de Abril”

**

PONTO NÚMERO UM

N.º0856/99 PROC.º N.º 1494/90 (fl - 140)

De MARIA DO ROSÁRIO RODRIGUES FERREIRA RUIVO E OUTRA, residente na Rua do Lavadouro, n.º 307 - Caxieira, freguesia de Santa Eufêmea, acompanhado de uma exposição referente ao pedido de reanálise do projecto de arquitectura de uma moradia, a levar a efeito no lote 13 - Urbanização Cruz de S. Tomé, freguesia Azoia.

A Câmara, tendo em conta que a exposição apresentada não vem alterar os motivos que estiveram na origem do indeferimento, delibera, por unanimidade, manter o indeferimento da pretensão ao abrigo do disposto nas alíneas a) e b) do nº 1 do artigo 63º do Decreto-Lei nº 445/91, de 20 de Novembro, com a redacção dada pelo Decreto-Lei nº 250/94, de 15 de Outubro, por:

1º A área de construção não se encontrar de acordo com o previsto no alvará de loteamento;

2º O projecto apresentado não cumprir ainda, com os afastamentos previstos no regulamento do loteamento, nomeadamente na frente do lote;

3º Não apresentou termo de responsabilidade tal como anteriormente referido, não indicando o cumprimento do alvará de loteamento;

4º Não apresentou corte transversal abrangendo a via pública, com indicação das cotas altimétricas e afastamentos ao limite do lote;

5º Não apresentou memória descritiva com a caracterização dos materiais, de acordo com o disposto no Decreto Lei n.º 64/90, de 21 de Fevereiro;

6º Não reformulou o projecto de arquitectura no que se refere aos degraus da escada, não devendo o número de degraus ser inferior a três, de acordo com o disposto nos art.ºs 15º e 45º do Regulamento Geral das Edificações Urbanas.

(5)

N.º0857/99 PROC.º N.º 241/92 (fl - 556)

De ILDA PIRES MONTEIRO FERREIRA, residente na Estrada dos Pinheiros, n.º 987 - Brejo, freguesia de Marrazes, referente ao pedido de reanálise do projecto de arquitectura de alterações a levar a efeito num estabelecimento comercial, sito no Lote n.º 44 R/c - Porta A - Valverde, freguesia de Marrazes, para estabelecimento de restauração e bebidas com sala de jogos.

A Câmara, depois de analisar o assunto e tendo em conta que os elementos apresentados não vêm dar resposta eficaz aos motivos que estiveram na origem do indeferimento, delibera, por unanimidade, manter o indeferimento da pretensão ao abrigo do disposto na alínea b) do nº 1 do artigo 63º do Decreto-Lei n.º 445/91, de 20 de Novembro, com a redacção dada pelo Decreto-Lei n.º 250/94, de 15 de Outubro, uma vez que:

1º Não apresentou projecto devidamente autenticado pelo Serviço Nacional de Bombeiros, afim de se aferir da conformidade do mesmo com os elementos constantes no presente processo;

2º O projecto de sobreposição de vermelhos e amarelos não se encontra de acordo com o projecto aprovado para o presente edifício, nomeadamente no que se refere ao WC existente;

3º Não foi rectificado o pormenor 1, tal como referido na informação destes serviços de 11/1/99, transmitida através do oficio n.º 651, de 21/01/99.

**

N.º0858/99 PROC.º N.º 46/97

De JACINTA MARIA ALEXANDRE MIRA MURTEIRA, residente na Rua Capitão Henriques Peres Brandão, n.º 174, Barreiros, freguesia de Amor.

Retirado.

**

N.º0859/99 PROC.º N.º 639/97 (fl - 65)

De IMOPOUSOS - IMOBILIÁRIA E GESTÃO LDA, com sede no lugar e freguesia de Pousos, referente ao pedido de reanálise do projecto de arquitectura de um pavilhão destinado a armazém, a levar a efeito no lote 7, freguesia de Pousos.

A Câmara, depois de analisar o assunto e tendo em conta que os elementos apresentados não vêm dar resposta eficaz aos motivos que estiveram na origem do indeferimento, delibera, por unanimidade, manter o indeferimento da pretensão ao abrigo do disposto nas alíneas a) e b) do nº 1 do artigo 63º do Decreto-Lei n.º 445/91, de 20 de Novembro, com a redacção dada pelo Decreto-Decreto-Lei nº 250/94, de 15 de Outubro, uma vez que:

1º O projecto apresentado não se encontra de acordo com o alvará de loteamento, nomeadamente aditamento de 19/5/97, relativamente à área do lote;

2º Não cumpre igualmente com o disposto no regulamento do loteamento, relativamente à faixa arbórea;

3º Falta corte a esclarecer a cota de soleira em relação à rua;

4º Mais se refere que o aditamento n.º 3 ao alvará de loteamento é de 19/5/97, tendo as respectivas alterações ao loteamento sido aprovadas em deliberação de 26/6/96, sendo portanto anterior à apresentação do presente projecto.

(6)

N.º0860/99 PROC.º N.º 758/98 - (fl - 76)

De DIONÍSIA DE SÃO JOSÉ PEREIRA SANTOS, residente na Rua Martingil, n.º 60, freguesia de Marrazes, referente ao pedido de reanálise do projecto de arquitectura de remodelação de uma moradia, situada na rua e freguesia acima referidas.

A Câmara, depois de analisar o assunto, considerando que os elementos apresentados vêm dar resposta aos motivos que estiveram na origem do indeferimento, e concordando com a informação prestada pelo Departamento de Obras Particulares em 30/03/99, delibera, por unanimidade, aprovar o projecto de arquitectura de remodelação da moradia acima referida, condicionado ao seguinte:

1º Reduzir o pé direito da cobertura para 2,00m em relação à laje de cobertura do r/chão, não devendo o vão de cobertura ser utilizado com fins habitacionais;

2º Apresentar termo de responsabilidade elaborado de acordo com a alínea g) do anexo IV da Portaria n.º 1115-A/94, de 15 de Dezembro, devendo referir nomeadamente o cumprimento das disposições do alvará de loteamento;

3º Apresentar planta de implantação á escala 1/1000 actualizada;

4º Apresentar pormenorização relativa ao sistema de ventilação dos wc interiores, de acordo com o art.º 87º do Regulamento Geral das Edificações Urbanas;

5º A memória descritiva deverá referir a caracterização dos materiais de acordo com o disposto no Decreto Lei n.º 64/90, de 21 de Fevereiro;

6º Assegurar o cumprimento do art.º 1360º do Código Civil, nomeadamente quanto à varanda exterior junto ao limite da propriedade do lado nascente;

7º Apresentar projectos de especialidade no prazo de 180 dias, devendo os mesmos cumprir com o disposto no Decreto Lei n.º 64/90, de 21 de Fevereiro;

8º Apresentar, no acto do levantamento do Alvará de Licença de construção, Garantia Bancária no valor de 120.000$00, a fim de garantir a reposição de infraestruturas públicas susceptíveis de virem a ser deterioradas com a construção e, de acordo com o estabelecido no art.º 64º do Regulamento Municipal de Obras Particulares, na qual deve constar a seguinte cláusula: “a garantia apresentada não cessará em caso algum, sem autorização expressa da Câmara Municipal.”

**

N.º0861/99 PROC.º N.º 877/98 - (fl - 31)

De JOSÉ VIEIRA PIRES E OUTRO, residente em Santo Antão - Batalha, referente ao projecto de arquitectura de um armazém a levar a efeito numa parcela de terreno a destacar, de uma propriedade situada em Quinta do Pisão, freguesia Parceiros.

A Câmara, depois de analisar o assunto e tendo em conta a informação prestada pelo Departamento de Obras Particulares em 05/04/99, cujo teor abaixo se transcreve e que propõe o indeferimento da pretensão pelos motivos nela indicados, delibera, por unanimidade, notificar o requerente nos termos dos artigos 100º e 101º do Código de Procedimento Administrativo:

“Analisado o processo ao abrigo do disposto no art.º 41º do Decreto-Lei n.º 445/91, de 20 de Novembro, com a redacção dada pelo Decreto-Lei n.º 250/94, de 15 de Outubro, conclui-se que a arquitectura não está devidamente elaborada, pelo que se propõe o indeferimento ao abrigo do disposto nas alíneas a) e b) do n.º 1 do art.º 63º do diploma legal acima referido, por:

1º Não ter regularizado a autoria/responsabilidade pelo projecto, uma vez que face ao falecimento do técnico, o mesmo não se poder considerar válido;

2º O pedido dever ser instruído com memória descritiva da adequabilidade do projecto com a política de ordenamento do território, nomeadamente quanto a áreas contabilizáveis e tipo de utilização;

(7)

3º Falta de esclarecimento quanto ao número de lugares de estacionamento, dimensões e espaços de circulação, de acordo com o anexo II do Regulamento do Plano Director Municipal;

4º Não respeitar o número de lugares exigíveis, de acordo com o art.º 71º Regulamento do PDM;

5º Falta de esclarecimento quanto ao cumprimento do Capítulo IV do Regulamento do PDM, nomeadamente espaço para cargas e descargas (n.º 4 do art.º71);

6º Deverá prever a pré definição da estrutura na cave, a fim de não interferir com a circulação nem com os estacionamentos necessários face ao Regulamento do PDM;

7º Deverá apresentar corte pela serventia, no qual conste esclarecimento quanto às cotas (do piso abaixo da cota de soleira e r/chão), relacionamento com a topografia do terreno e confinantes;

8º Não ter apresentado autorização do usufrutuário/direito de superfície; 9º Não ser possível autorizar-se destaque, uma vez que não cumpre os requisitos do art.º 5º do Decreto Lei n.º 448/91, de 29 de Novembro, com a redacção dada pelo Decreto Lei n.º 334/95, de 28 de Dezembro, nomeadamente quanto à necessidade de confrontação com arruamentos públicos;

10º Não esclarecer o tipo de utilização face ao Despacho Conjunto dos Ministérios da Administração Interna e do Comércio e Turismo de 18/9/92, publicado no Diário da República - II Série, n.º 226 de 30/9/92;

11º Caso pretenda muros de vedação, deverão ser devidamente adaptados à topografia do terreno, devendo apresentar alçados de conformidade.”

**

N.º0862/99 PROC.º N.º 943/98 - (fl - 152)

De TELEPIZZA PORTUGAL - COMÉRCIO DE PRODUTOS ALIMENTARES, S.A., com sede na Avª. Duque D’Ávila, n.º 193 - 5º - 1050 Lisboa, acompanhado de elementos dando resposta à notificação efectuada nos termos do CPA, e referente ao projecto de arquitectura da legalização de alterações levadas a efeito no estabelecimento de restauração e bebidas, sito no Lote 15 - R/C Dt.º da Avª. Nossa Senhora de Fátima, freguesia de Leiria.

A Câmara, depois de analisar o assunto, considerando que os elementos apresentados vêm dar resposta aos motivos que estiveram na origem da proposta de indeferimento, e concordando com a informação prestada pelo Departamento de Obras Particulares em 30/03/99, delibera, por maioria, com a abstenção dos Senhores Vereadores do PS aprovar o projecto de arquitectura da legalização das alterações levadas a efeito no estabelecimento acima referido, condicionado ao seguinte:

1º Cumprir com o disposto no n.º 7 do art.º 12º do Decreto Regulamentar n.º 38/97, de 25 de Setembro, devendo instalar lavatório junto à entrada da cozinha destinado ao pessoal;

2º Apresentar projectos de especialidade no prazo de 180 dias incluindo, projecto de isolamento acústico, drenagem de águas residuais da cave e electromecânico de exaustão de fumos;

3º Os projectos de especialidade a apresentar, deverão cumprir com o disposto no Decreto Lei n.º 64/90, de 21 de Fevereiro e Decreto Regulamentar n.º 38/97, de 25 de Setembro.

(8)

N.º0863/99 PROC.º N.º 1425/98 - (fl - 21)

De VASCO MANUEL MARTINS ALMEIDA COSTA E OUTRA, residente na Rua dos Marques, n.º 12 - Andrinos, freguesia de Pousos, referente ao projecto de arquitectura de uma moradia e muros de vedação, a levar a efeito em Andrinos, freguesia de Pousos.

A Câmara, depois de analisar o assunto e concordando com a informação prestada pelo Departamento de Obras Particulares em 05/04/99, delibera, por unanimidade, aprovar o projecto de arquitectura da moradia e muros acima referidos, devendo na fase de licenciamento e no prazo de 180 dias, cumprir com o seguinte:

1º Apresentar termo de responsabilidade correcto, face a não discriminar, designadamente, as normas técnicas, os instrumentos de planeamento, o alvará de loteamento ou a informação prévia aplicáveis, de acordo com a alínea g) do anexo IV da Portaria n.º 1115-A/94, de 15 de Dezembro;

2º Prever a estrutura na cave, de modo a não interferir com a circulação nem com os estacionamentos necessários, face ao Regulamento do Plano Director Municipal;

3º Garantir em obra o cumprimento do n.º 3 do art.º 77º (janelas da cave) do Regulamento Geral das Edificações Urbanas;

4º Art.º 22º (disponibilidades de água) do Decreto Lei n.º 64/90, de 21 de Fevereiro;

5º Garantir que o acesso à cave seja efectuado de nível com a rua dentro da sua propriedade a partir do alinhamento do muro, sem que implique interrupção da circulação pedonal em espaço público;

6º Garantir em obra o cumprimento das condições do parecer da CENEL - Electricidade do Centro, S.A. (do qual deverá ser dado conhecimento ao requerente);

7º Apresentar os alçados dos muros incluindo portões, que deverão ser devidamente adaptados à topografia do terreno e distar 5,00m ao eixo do caminho;

8º As fundações dos muros a apresentar, não deverão exceder os limites da propriedade;

9º Apresentar os projectos de especialidade, que deverão também contemplar nomeadamente, o cumprimento do Decreto Lei n.º 64/90, de 21 de Fevereiro;

10º Apresentar, no acto do levantamento do Alvará de Licença de construção, Garantia Bancária no valor de 120.000$00, a fim de garantir a reposição de infraestruturas públicas susceptíveis de virem a ser deterioradas com a construção e a execução da pavimentação do espaço a ceder ao domínio público, de acordo com o estabelecido no art.º 64º do Regulamento Municipal de Obras Particulares, na qual deve constar a seguinte cláusula: “a garantia apresentada não cessará em caso algum, sem autorização expressa da Câmara Municipal.”

**

N.º0864/99 PROC.º N.º 107/99 - (fl - 32)

De HABINEVES - CONSTRUÇÕES LDA, com sede na Avª. 11 de Julho, n.º 759, freguesia de Memória, referente ao projecto de arquitectura de uma moradia e muro, a levar a efeito no Lote n.º 17 - Urbanização Vale da Fonte, freguesia de Marrazes.

A Câmara, depois de analisar o assunto e concordando com a informação prestada pelo Departamento de Obras Particulares em 29/03/99, delibera, por unanimidade, aprovar o projecto de arquitectura da moradia acima referida, condicionado ao seguinte:

1º A cota de soleira não deverá exceder 1,00m em relação à via pública; 2º A porta de saída da garagem junto à escada, deverá abrir no sentido da saída da cave;

3º Apresentar a totalidade dos alçados dos muros a executar para posterior licenciamento, devendo estes acompanhar a topografia do terreno;

(9)

4º Apresentar projectos de especialidade no prazo de 180 dias, devendo os mesmos cumprir com o disposto no Decreto Lei n.º 64/90, de 21 de Fevereiro;

5º Apresentar, no acto do levantamento do Alvará de Licença de construção, Garantia Bancária no valor de 120.000$00, a fim de garantir a reposição de infraestruturas públicas susceptíveis de virem a ser deterioradas com a construção e, de acordo com o estabelecido no art.º 64º do Regulamento Municipal de Obras Particulares, na qual deve constar a seguinte cláusula: “a garantia apresentada não cessará em caso algum, sem autorização expressa da Câmara Municipal.”

**

N.º0865/99 PROC.º N.º 122/99 - (fl - 26)

De JOSÉ DE JESUS OLIVEIRA PERPÉTUA, residente na Rua Dr. Joaquim José de Sousa, n.º 71 - R/C Dt.º, freguesia de Marrazes, referente ao projecto de arquitectura de uma moradia, a levar a efeito no Lote n.º 4 - Valverde, freguesia de Marrazes.

A Câmara, depois de analisar o assunto e tendo em conta a informação prestada pelo Departamento de Obras Particulares em 31/03/99, cujo teor abaixo se transcreve e que propõe o indeferimento da pretensão pelos motivos nela indicados, delibera, por unanimidade, notificar o requerente nos termos dos artigos 100º e 101º do Código de Procedimento Administrativo:

“1º Deverá apresentar novo termo de responsabilidade elaborado de acordo com a alínea g) do anexo IV da Portaria n.º 1115-A/94, de 15 de Dezembro, devendo referir nomeadamente o cumprimento das disposições do alvará de loteamento;

2º Apresentar corte “AB” abrangendo a via pública e os limites da propriedade, com indicação dos respectivos afastamentos e cotas altimétricas;

2.1 - A cota de soleira não poderá exceder 1,00m em relação à via pública; 3º Garantir um afastamento de 15,0m da construção ao eixo da via, devendo este medir-se a partir da parte mais avançada da construção;

4º O projecto apresentado excede a área de implantação prevista no loteamento, nomeadamente na zona da garagem e alpendre do r/chão;

5º Deverá prever patamar no r/chão devidamente dimensionado junto ao acesso à cave e por questões de segurança, nos termos do disposto nos art.ºs 15º e 45º do Regulamento Geral das Edificações Urbanas;

Assim, em face do exposto emite-se parecer desfavorável, propondo-se o indeferimento do pedido ao abrigo do disposto nas alíneas a) e b) do n.º 1 do art.º 63º do Decreto-Lei n.º 445/91, de 20 de Novembro, com a redacção dada pelo Decreto-Lei n.º 250/94, de 15 de Outubro.”

**

N.º0866/99 PROC.º N.º 126/99 - (fl - 23)

De GABRIEL FERREIRA CARREIRA, residente na Rua do Monte, n.º 6 - Lameiras, freguesia de Caranguejeira, referente ao projecto de arquitectura de uma moradia, a levar a efeito no Lote n.º 17 - Casal do Ralha, freguesia de Parceiros.

A Câmara, depois de analisar o assunto e tendo em conta a informação prestada pelo Departamento de Obras Particulares em 29/03/99, cujo teor abaixo se transcreve e que propõe o indeferimento da pretensão pelos motivos nela indicados, delibera, por unanimidade, notificar o requerente nos termos dos artigos 100º e 101º do Código de Procedimento Administrativo:

“1º A área indicada no documento de posse não se encontra de acordo com o indicado nos elementos gráficos, não sendo as cotas indicadas na planta de implantação coincidentes;

(10)

2º A planta de implantação apresentada não se encontra de acordo com a prevista no loteamento (largura do passeio);

3º O projecto apresentado não cumpre com o alvará de loteamento, já que não se encontra prevista a construção de caves;

4º Não cumpre com o afastamento previsto à via pública, devendo este medir-se a partir da parte mais avançada da construção;

5º A cota de soleira não deverá exceder 1,0m em relação à via pública; 6º As escadas de acesso à cave, deverão ser dotadas de patamar intermédio de acordo com os art.ºs 15º e 45º do Regulamento Geral das Edificações Urbanas;

7º Deverá prever antecâmara entre a zona de garagem e o piso habitacional, a fim de se garantirem as devidas condições de higiene e salubridade de acordo com o previsto no art.º 15º do RGEU;

8º O projecto não cumpre com o disposto no art.º 18º do Decreto Lei n.º 64/90, de 21 de Fevereiro (as escadas entre pisos não podem ser efectuadas exclusivamente por escadas em caracol).

Assim, em face do exposto emite-se parecer desfavorável, propondo-se o indeferimento do pedido ao abrigo do disposto nas alíneas a) e b) do n.º 1 do art.º 63º do Decreto-Lei n.º 445/91, de 20 de Novembro, com a redacção dada pelo Decreto-Lei n.º 250/94, de 15 de Outubro.”

**

N.º0867/99 PROC.º N.º 191/99 - (fl - 36)

De EDEN DO TERREIRO - PASTELARIA E CONFEITARIA LDA, com sede no Largo Cândido dos Reis, n.º 16, freguesia de Leiria, referente ao projecto de arquitectura de adaptação de duas lojas situadas no Largo Cândido dos Reis, n.º 16, freguesia de Leiria, para estabelecimento de bebidas.

A Câmara, depois de analisar o assunto e tendo em conta a informação prestada pelo Departamento de Obras Particulares em 05/04/99, cujo teor abaixo se transcreve e que propõe o indeferimento da pretensão pelos motivos nela indicados, delibera, por unanimidade, notificar o requerente nos termos dos artigos 100º e 101º do Código de Procedimento Administrativo:

“1º Não são apresentados elementos de sobreposição a vermelho e amarelo de acordo com o estabelecido no art.º 26º do Regulamento Municipal de Obras Particulares, já que os elementos apresentados e indicados como existente não correspondem aos existentes nestes serviços e constantes do processo 1131/80 (07 - cafetaria, 05 - copa), devendo ainda efectuar os trabalhos necessários, de modo a que o estabelecimento proposto cumpra com o disposto no Decreto Regulamentar n.º 38/97, de 25 de Setembro, nomeadamente quanto a materiais a aplicar, revestimentos de parede e tectos;

1.1 - Deverá ainda apresentar a respectiva memória descritiva, estimativa de custo e calendarização, relativamente aos trabalhos a efectuar;

2º Não é apresentada declaração do técnico responsável do projecto anteriormente licenciado para o local, bem como a respectiva autorização do proprietário para as obras a levar a efeito;

3º Não é apresentado projecto devidamente autenticado pelo Serviço Nacional de Bombeiros, afim de se aferir da conformidade do mesmo com os elementos constantes no presente processo;

4º Deverá esclarecer nos elementos gráficos, o modo de evacuação de fumos, bem como ventilação de WC;

5º Considera-se ainda que nos termos do disposto no art.º 41º do Decreto-Lei n.º 250/94, de 15 de Outubro, o prazo para a Câmara Municipal deliberar sobre o projecto de arquitectura, é de 30 dias contados a partir da data da recepção dos pareceres das entidades consultadas;

(11)

5.1 - Considerando-se que a data da recepção do parecer do Centro de Saúde é de 15/3/99 (do qual deverá ser dado conhecimento ao requerente), constata-se que o referido prazo não constata-se encontra ainda ultrapassado, pelo que não constata-se reconhece o pedido de deferimento tácito apresentado;

6º O projecto apresentado não retracta com fidelidade a definição do edifício sobre a Rua Alfredo Keil, quer em alçado quer em planta, pelo que deverão os levantamentos ser corrigidos (conforme parecer do Gabinete de Reabilitação Urbana).

Assim, em face do exposto emite-se parecer desfavorável, propondo-se o indeferimento do pedido ao abrigo do disposto na alínea b) do n.º 1 do art.º 63º do Decreto-Lei n.º 445/91, de 20 de Novembro, com a redacção dada pelo Decreto-Lei n.º 250/94, de 15 de Outubro.”

**

PONTO NÚMERO DOIS

N.º0868/99 PROC.º LOT. N.º 36/79 (fl.484)

De FRANCISCO MIRANTE FERREIRA E OUTROS, acompanhado de um requerimento da firma C.I.C. – CONSTRUTORA IMOBILIÁRIA DO CENTRO LDª, com sede em Amieira – Urqueira, concelho de Ourém, referente à alteração ao lote nº 2, do loteamento sito em Casais – Cruz da Areia, freguesia de Leiria, do qual é proprietária, e que consta do aumento de 1 para 7 fogos, previsão da cave para estacionamento e arrecadação, aumento da área de implantação, redução da área do lote (e consequente cedência de área para estacionamento, passeio e alargamento do arruamento). A área de construção para habitação não sofre aumento.

A Câmara, depois de analisar o assunto e concordando com a informação do Departamento de Urbanismo de Urbanismo de 5.4.99 delibera, por unanimidade, aprovar a alteração ao loteamento acima referido, e o projecto da pavimentação do alargamento do arruamento, dos passeios e do arruamento apresentado, cujo valor é de Esc. 1.138.610$00, nas seguintes condições:

1º Apresentar projectos das restantes infraestruturas, de acordo com os pareceres dos SMAS, Cenel e Telecom;

2º Efectuar o pagamento de Esc. 245.000$00 + IVA aos SMAS, para remodelação da rede de águas;

3º No mapa síntese comparativo devem ser rectificados os valores das áreas de cedência, devendo também nos mapas síntese e na respectiva planta anular a referência à parcela “A”, dado que se integra na área do lote 2;

4º Deverão ser cedidas as áreas de 137,7m2 para estacionamento, 169,8m2 para passeios e 26m2 para alargamento do arruamento.

**

N.º0869/99 PROC.º LOT. N.º 29/96 (fl.418)

De ANTÓNIO DE SOUSA FADIGAS E OUTROS, residente na Avª Marquês de Pombal, Lote 4 – r/c Dtº em Leiria, acompanhado de uma informação do Departamento de Urbanismo dando conhecimento que se poderá proceder à redução da Garantia prestada para caução da rede de águas e esgotos domésticos e pluviais do loteamento sito em Casais dos Matos – Pousos.

A Câmara, depois de analisar o assunto e concordando com a informação do Departamento de Urbanismo de 24.3.99 e com a indicação dos SMAS (ofício nº 1472 de 17.3.99) delibera por unanimidade, autorizar a redução da Garantia Bancária nº D000002376 de Esc. 43.344.000$00 emitida em 3.9.97 pelo BNC, ficando cativos 10% daquele valor até à recepção definitiva das infraestruturas que a mesma cauciona.

**

N.º0870/99 PROC.º LOT. N.º 4/98

Da JUNTA DE FREGUESIA DE BAROSA, referente ao loteamento de uma propriedade sita na Rua das Flores em Carreira d’Água, freguesia de Barosa requerendo:

(12)

2º - Dispensa da apresentação da Garantia Bancária mencionada na deliberação camarária de 10.2.99 a favor dos SMAS.

A Câmara, depois de analisar o assunto e concordando com a informação do Departamento de Urbanismo de 5.4.99, delibera por unanimidade, aprovar os projectos de infraestruturas do loteamento acima referido e autorizar a emissão do respectivo alvará, condicionado ao seguinte:

1º Ceder as seguintes áreas:

a) 4.453,1m2 para arruamentos;

b) 1.308,5m2 para passeios;

c) 994,2m2 para estacionamento;

d) 775m2 para equipamento;

e) 179,7m2 para zonas verdes;

f) 346,5m2 para domínio público para passagem do colector de

saneamento.

2º Cumprir com o indicado na informação do DOM (melhoramento do acesso à E.N.242.

3º As obras de infraestruturas deverão ser executadas no prazo de um ano e, de acordo com os pareceres das respectivas entidades.

4º Apresentar 10 cópias das plantas anexo I e anexo II, devidamente legendadas e pintadas.

Quanto ao solicitado no 2º ponto a Câmara delibera, por unanimidade, dispensar a apresentação da Garantia Bancária mencionada na deliberação camarária de 10.02.99., a favor dos SMAS.

**

N.º0871/99 PROC.º LOT. N.º 12/98 (fl.18)

De ADRIANO DE JESUS MALÍCIA, residente Rua Principal – Mata do Milagres, freguesia de Milagres, referente ao loteamento de uma propriedade sita no lugar e freguesia de Milagres.

A Câmara, depois de analisar o assunto e concordando com a informação do Departamento de Urbanismo de delibera, por maioria com o voto conta do Senhor Vereador do PS, Dr. José Alves aprovar o projecto de loteamento acima referido para constituição de 5 lotes destinados a moradias, condicionado ao seguinte:

1º Ceder a área de 1.054m2 para arruamento, passeios e estacionamento;

2º Efectuar o pagamento de:

a) Esc. 951.825$00 à Câmara Municipal, como compensação por área não cedida para equipamento;

b) Esc. 424.956$00 acrescido de 72.243$00 de IVA à Cenel-Electricidade do Centro S.A.;

c) Esc. 125.000$00 acrescido de IVA aos S.M.A.S. para reforço da rede; 3º Apresentar Garantia Bancária a favor da Câmara Municipal de Leiria, no valor de Esc. 2.666.000$00, referente à pavimentação do arruamento , estacionamentos e passeios;

4º As caves devem destinar-se a estacionamento e arrumos;

5º A emissão do respectivo alvará fica condicionada a apresentação do projecto das infraestruturas telefónicas, de acordo com o ofício da Portugal Telecom S.A. de 24.6.98.

**

PROCESSOS DE OBRAS SUBMETIDOS A DESPACHO

Conforme delegação da Câmara, para despacho dos processos de obras, a Senhora Presidente apresentou a seguinte relação:

(13)
(14)
(15)
(16)
(17)
(18)

PONTO NÚMERO TRÊS

DRENAGEM PLUVIAL DA BACIA DE S. ROMÃO (9) T - 223/98

N.º0872/99 Na sequência da deliberação tomada em reunião de 99/02/24 e em resultado da audiência prévia dos interessados efectuada nos termos dos Art.º.s 100.º e 101.º do Código do Procedimento Administrativo, foi presente o processo respeitante ao assunto em epígrafe acompanhado de uma informação da Secretaria da D.O.M., que é do seguinte teor:

“Em conformidade com os Artigos 100.º e 101.º do Código do Procedimento Administrativo, foram notificados os interessados para se pronunciarem no prazo de 10 dias sobre a decisão final que iria ser tomada quanto à adjudicação da empreitada em epígrafe.

Esgotado o prazo estabelecido, verifica-se que nenhum dos interessados se pronunciou sobre o assunto que lhes foi exposto pelo ofício N.º 2798, de 05/03/99, e restante documentação a ele anexa.

Assim, face ao atrás referido entende-se que estão reunidas as condições para a Câmara Municipal proceder à adjudicação da empreitada em epígrafe nos termos do Art.º 102.º do Dec.Lei N.º 405/93, de 10 de Dezembro, ao concorrente CVML – CONSTRUÇÕES VIEIRA MENDES, Ld.ª., pelo valor de 28.571.507$00 + IVA.“

A Câmara tomou conhecimento e face à informação acima transcrita delibera, por unanimidade, adjudicar definitivamente a obra supra ao concorrente CVML – Construções Vieira Mendes, Ld.ª., Pelo valor de 28.571.507$00 + IVA, devendo celebrar-se o respectivo contrato de adjudicação.

**

CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA A ESCOLA C+S DE LEIRIA (PAULO VI ) (9) T – 284/88-A

N.º0873/99 Presente uma informação da Sr.ª Dr.ª Ana Carujo, Advogada da Câmara Municipal de Leiria, datada de 99-02-24, no sentido de se proceder à elaboração das escrituras de permutas dos terrenos cedidos para a construção da escola supra, de acordo com o protocolo existente e nas seguintes condições:

a) – José Rodrigues Ribeiro, cede 1/12 de parte indivisa do prédio rústico, inscrito na 2.ª Conservatória do Registo Predial de Leiria sob o número 2658 e inscrito na respectiva matriz sob o número 4382 na 2.ª Repartição de Finanças de Leiria em troca de ½ do lote n.º 30 no loteamento situado em Vale do Mocho, freguesia de Pousos, cujo valor patrimonial é de 12.977.500$00;

b) - Manuel de Jesus Pascoal, cede 1/12 de parte indivisa do prédio rústico, inscrito na 2.ª Conservatória do Registo Predial de Leiria sob o número 2658 e inscrito na respectiva matriz sob o número 4382 na 2.ª Repartição de Finanças de Leiria, em troca de ½ do lote N.º 30, no loteamento situado em Vale do Mocho, freguesia de Pousos, cujo valor patrimonial é de 12.977.500$00;

c) - Viúva e Herdeiros de Adelino dos Santos Serrador, cedem 1/8 de parte indivisa do prédio rústico, inscrito na 2.ª Conservatória do Registo Predial de Leiria sob o número 2658 e inscrito na respectiva matriz sob o número 4382 na 2.ª Repartição de Finanças de Leiria, em troca do lote n.º 28, no loteamento situado em Vale do Mocho, freguesia de Pousos cujo valor patrimonial é de 12.977.500$00;

d) - Maria Helena Inácio dos Santos Serrador e Adelino Manuel Pereira dos Santos Serrador, cedem 1/8 de parte indivisa do prédio rústico, inscrito na 2.ª Conservatória do Registo Predial de Leiria sob o número 2658 e inscrito na respectiva matriz sob o número 4382 na 2.ª Repartição de Finanças de Leiria, em troca do lote n.º 29, no loteamento situado em Vale do Mocho, freguesia de Pousos cujo valor patrimonial é de 12.977.500$00;

(19)

e) - António Mendes Ferreira, cede 1/8 de parte indivisa do prédio rústico, inscrito na 2.ª Conservatória do Registo Predial de Leiria sob o número 2658 e inscrito na respectiva matriz sob o número 4382 na 2.ª Repartição de Finanças de Leiria, em troca de do lote N.º 31, no loteamento situado em Vale do Mocho, freguesia de Pousos; cujo valor patrimonial de 12.977.500$00

A Câmara depois de analisar o assunto, delibera, por unanimidade, mandar celebrar as respectivas escrituras de permutas, as quais são efectuadas no interesse do Município de Leiria, não havendo diferença de valores dos bens permutados e conferir poderes à Senhora Presidente para as outorgar e remeter o processo ao 2.º Cartório Notarial de Leiria para os devidos efeitos.

**

PONTO NÚMERO QUATRO

RENDAS EM ATRASO - MARIA AURORA DE OLIVEIRA DA SILVA DO NASCIMENTO - BAIRRO SOCIAL DA INTEGRAÇÃO, N.º 13, LEIRIA (1) N-29-2

N.º0874/99 Presente o processo mencionado em epígrafe, do qual consta informação Jurídica acerca da falta de pagamento das rendas mensais por parte da arrendatária Maria Aurora de Oliveira da Silva do Nascimento.

A Câmara, concordando com a informação Jurídica, delibera, por unanimidade, manifestar a intenção de resolver judicialmente o contrato, através da competente acção de despejo, bem como exigir o pagamento das rendas em atraso e os respectivos juros de mora.

Mais delibera, nos termos e para os efeitos constantes dos artigos 100º e 101º do Código de Procedimento Administrativo, ordenar que Maria Aurora de Oliveira da Silva do Nascimento seja notificada para, no prazo de quinze dias a contar da data em que for notificada, se pronunciar sobre o teor desta deliberação.

**

PONTO NÚMERO CINCO BALANCETE (2)

N.º0875/99 Presente o Balancete da tesouraria relativo a sete de Abril de 1999, apresentando um total de disponibilidade de 166.737.619$00 sendo de Operações Orçamentais 107.444.268$00 e de Operações de Tesouraria 59.293.351$00.

A Câmara tomou conhecimento.

**

PONTO NÚMERO SEIS PROCESSO DE INQUÉRITO

N.º0876/99 Presente uma informação prestada pelo Encarregado do Mercado, em 23 de Novembro de 1998, dando conta do desaparecimento de determinada quantia em dinheiro, referente à venda de bilhetes dos balneários e do serviço de telefone do Estádio Municipal.

A Câmara, depois de analisar o assunto delibera, por unanimidade, ordenar a realização de um inquérito para apuramento dos factos relatados na mencionada informação, ao abrigo do disposto nos n.º 2 e 3 do Estatuto Disciplinar dos Funcionários e Agentes da Administração Central, Regional e Local, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 24/84, de 16 de Janeiro.

Mais delibera nomear inquiridora a Senhora Dra. Maria Leonor da Silva Correia Lourenço, ao abrigo do n.º 4 do mesmo artigo.

(20)

PONTO NÚMERO SETE

ABERTURA DE CONCURSO PARA CHEFE DE DIVISÃO ADMINISTRATIVA (4)

N.º0877/99 A chefia da Divisão Administrativa do Departamento de Administração Geral ficou recentemente vaga, havendo necessidade de prover o mais rapidamente possível o seu lugar.

Pela importância, tipologia de serviços e necessidade de lhe dar mais operacionalidade e capacidade de intervenção, considera-se que a futura chefia da Divisão deve possuir Licenciatura em direito

A Câmara delibera, por unanimidade, mandar abrir concurso externo de provimento para o referido lugar ao abrigo do art.º 4º, do Decreto-Lei nº 323/89, de 26 de Setembro, na redacção dada pela Lei n.º 13/97, de 23 de Maio, conjugado com o nº 1 e 2 do art.º 5º do Decreto-Lei nº 198/91, de 29 de Maio, podendo candidatar-se indivíduos possuidores da Licenciatura em Direito.

Métodos de selecção Serão aplicados os seguintes métodos de selecção: a) Avaliação curricular

b) Entrevista profissional de selecção

Na avaliação curricular (AC) serão avaliadas as aptidões profissionais dos candidatos para o exercício de um cargo dirigente, através da ponderação dos seguintes factores:

a) Experiência profissional sendo ponderado o desempenho efectivo de funções na área de actividades para que o concurso se encontra aberto, avaliado, designadamente, pela sua natureza e duração e experiência profissional específica;

b) Formação profissional - Sendo ponderadas as acções de formação e aperfeiçoamento profissional relacionadas com a área profissional posta a concurso.

c) Habilitação académica de base - sendo ponderado o grau académico ou a sua equiparação legalmente reconhecida;

A classificação da avaliação curricular resulta da aplicação da seguinte fórmula;

AC =EP + FP + HL 3 Em que:

AC= Avaliação curricular EP = Experiência profissional FP = Formação profissional HL = Habilitações literárias

As regras a observar na valorização dos diversos elementos que integram a avaliação curricular são as seguintes:

Experiência profissional - a experiência profissional será avaliada através da seguinte fórmula:

EP = ( 1 x AFP) + (1 x ACA) + (5 x EFEA) 7

Em que:

EP = Experiência profissional;

AFP = Antiguidade na função pública; ACA = Antiguidade na carreira actual;

EFEA = Exercício de funções na área de Direito.

Cada um destes factores não poderá de per si exceder 20 pontos; Formação profissional

Acções de formação até uma semana 3 valores cada;

(21)

Acções de formação superiores a um mês 7 valores cada. Em caso de frequência de cursos de pós-graduação, mestrado ou doutoramento e não concluídos, contam como acções de formação as disciplinas concluídas devidamente certificadas.

Só serão contabilizadas as acções de formação adequadas às funções relacionadas com o desempenho do lugar colocado a concurso, não podendo a pontuação total a atribuir neste factor ser superior a 20 valores;

Habilitações literárias

Doutoramento 20 Valores

Mestrado 19 Valores

Habilitações legais exigidas 18 Valores

Entrevista profissional de selecção (EPS) será conduzida de modo a avaliar numa relação interpessoal e de forma objectiva e sistemática as aptidões profissionais e pessoais dos candidatos, para o exercício do cargo dirigente através da comparação com um perfil delineado, mediante a ponderação dos parâmetros adequados e será classificada pela aplicação da seguinte fórmula:

EPS= a+b+c+d+e+f 6

Em que:

a) = Conhecimentos do conteúdo funcional do lugar a prover; b) = Capacidade de comunicação;

c) = Capacidade de inovação; d) = Sentido de responsabilidade;

e) = Segurança demonstrada na procura de soluções perante situações problemáticas, hipoteticamente colocadas;

f) = Motivação demonstrada em relação ao desempenho do cargo a prover;

Cada um destes parâmetros será valorado de acordo com a seguinte tabela:

Favorável preferencialmente 20 Valores

Bastante favorável de 16 a 19 Valores

Favorável de 12 a 15 Valores

Favorável com reservas de 8 a 11 Valores

Não favorável menos de 8 Valores

Classificação final (CF), de 0 a 20 valores - resulta da aplicação da seguinte fórmula:

CF= (3 x AC) + (2 x EPS) 5

A falta de comparência dos concorrentes à prova de entrevista, determina a sua exclusão;

O Júri do concurso tem a seguinte constituição:

Presidente : O Vereador Dr. Vitor Manuel Domingues Lourenço

Vogais Efectivos: O Director do Departamento de Administração Geral, Dr. Sérgio Carvalho Jorge da Silva e a Chefe da Divisão Jurídica, Drª Teresa de Jesus Da Fonseca Clemente Monteiro

Vogais Suplentes: Os Vereadores Dr. Paulo Jorge Rabaça e Engº Fernando Brites Carvalho.

O Presidente do Júri será substituído nas suas faltas e impedimentos pelo primeiro vogal efectivo.

(22)

ABERTURA DE CONCURSO PARA CHEFE DE DIVISÃO DE EDUCAÇÃO (4)

N.º0878/99 Considerando a necessidade urgente de ser preenchido o lugar de Chefe de Divisão de Educação porque:

1- aos municípios estão atribuídas importantes responsabilidades em matéria de educação, nomeadamente ao nível pré-escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, cabendo-lhe também participar com a comunidade educativa, os serviços sectoriais da administração central e os agentes económicos e sociais, em tudo o que respeita às questões da educação e do ensino na área do concelho;

2- o Município tem na sua estrutura orgânica uma Divisão de Educação, unidade funcional que deve enquadrar todos os serviços ligado à educação e ensino, à qual cabe planear e concretizar os objectivos definidos ao nível da gestão estratégica do município em tudo o que respeita à Educação e Ensino;

3- até hoje a chefia da Divisão não foi provida o que traz óbvios prejuízos para o seu bom desempenho e para o aprofundamento e expansão da sua intervenção.

A Câmara delibera, por unanimidade, mandar abrir concurso externo de provimento para o referido lugar ao abrigo do art.º 4º, do, do Decreto-Lei n.º 323/89, de 26 de Setembro, na redacção dada pela Lei n.º 13/97, de 23 de Maio, conjugado com o n.º 1 do art.º 5º do Decreto-Lei n.º 198/91, de 29 de Maio, podendo candidatar-se indivíduos possuidores da Licenciatura com a variante de ensino ou Licenciatura com estágio pedagógico complementar.

Métodos de selecção - Serão aplicados os seguintes métodos de selecção:

a) Avaliação curricular

b) Entrevista profissional de selecção

Na avaliação curricular (AC) serão avaliadas as aptidões profissionais dos candidatos para o exercício de um cargo dirigente, através da ponderação dos seguintes factores:

a) Experiência profissional sendo ponderado o desempenho efectivo de funções na área de actividades para que o concurso se encontra aberto, avaliado, designadamente, pela sua natureza e duração e experiência profissional específica;

b) Formação profissional - Sendo ponderadas as acções de formação e aperfeiçoamento profissional relacionadas com a área profissional posta a concurso, bem como organização e apresentação de trabalhos relacionados com o lugar posto a concurso;

c) Habilitação académica de base - sendo ponderado o grau académico ou a sua equiparação legalmente reconhecida;

A classificação da avaliação curricular resulta da aplicação da seguinte fórmula;

AC =(2 x EP) + (2 x FP) + (1 x HL) 5

Em que:

AC= Avaliação curricular EP = Experiência profissional FP = Formação profissional HL = Habilitações literárias

As regras a observar na valorização dos diversos elementos que integram a avaliação curricular são as seguintes:

Experiência profissional - a experiência profissional será avaliada através da seguinte fórmula:

(23)

EP = ( 1 x AFP) + (1 x ACA) + (5 x EFEA) 7

Em que:

EP = Experiência profissional;

AFP = Antiguidade na função pública; ACA = Antiguidade na carreira actual;

EFEA = Exercício de funções na área de gestão da educação; Cada um destes factores não poderá de per si exceder 20 pontos; Formação profissional

Acções de formação até uma semana 3 valores cada;

Acções de formação de uma semana a um mês 5 valores cada;

Acções de formação superiores a um mês 7 valores cada.

Só serão contabilizadas as acções de formação adequadas às funções relacionadas com o desempenho do lugar colocado a concurso, não podendo a pontuação total a atribuir neste factor ser superior a 20 valores;

Habilitações literárias

Doutoramento 20 Valores

Mestrado ou Pós-Graduação 19 Valores

Habilitações legais exigidas 18 Valores

Entrevista profissional de selecção (EPS) será conduzida de modo a avaliar numa relação interpessoal e de forma objectiva e sistemática as aptidões profissionais e pessoais dos candidatos, para o exercício do cargo dirigente através da comparação com um perfil delineado, mediante a ponderação dos parâmetros adequados e será classificada pela aplicação da seguinte fórmula:

EPS= a+b+c+d+e+f 6

Em que:

a) = Conhecimentos do conteúdo funcional do lugar a prover; b) = Capacidade de comunicação;

c) = Capacidade de inovação; d) = Sentido de responsabilidade;

e) = Segurança demonstrada na procura de soluções perante situações problemáticas, hipoteticamente colocadas;

f) = Motivação demonstrada em relação ao desempenho do cargo a prover;

Cada um destes parâmetros será valorado de acordo com a seguinte tabela:

Favorável preferencialmente 20 Valores

Bastante favorável de 16 a 19 Valores

Favorável de 12 a 15 Valores

Favorável com reservas de 8 a 11 Valores

Não favorável menos de 8 Valores

Classificação final (CF), de 0 a 20 valores - resulta da aplicação da seguinte fórmula:

CF= (3 x AC) + (2 x EPS) 5

A falta de comparência dos concorrentes à prova de entrevista, determina a sua exclusão;

O Júri do concurso tem a seguinte constituição:

Presidente : O Vereador Dr. Vitor Manuel Domingues Lourenço

Vogais Efectivos: O Vereador Dr. Paulo Jorge Rabaça e o Director do Departamento de Administração Geral, Dr. Sérgio Carvalho Jorge da Silva;

(24)

Vogais Suplentes: O Vereador Engº Fernando Brites Carvalho e a Chefe da Divisão Jurídica, Drª Teresa de Jesus Da Fonseca Clemente Monteiro

O Presidente do Júri será substituído nas suas faltas e impedimentos pelo primeiro vogal efectivo.

**

PONTO NÚMERO OITO

ESCOLA PROFISSIONAL DE LEIRIA – ACTA Nº 283 DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO - DE 15-4

N.º0879/99 Presente o ofício nº 249/99 da EPL, datado de 99.03.01, anexando fotocópia da Acta nº 283 do Conselho de Administração, para conhecimento da Câmara Municipal de Leiria.

A Câmara tomou conhecimento.

**

AGRUPAMENTO DE CRUZ D’AREIA - REFEITÓRIO - DE 15-4

N.º0880/99 Presente o ofício n.º 176/99 do AGRUPAMENTO DE CRUZ D’AREIA, datado de 99.03.30, solicitando a verba de 295.218$00, referente ao refeitório, durante o mês de Março/99.

A Câmara delibera, por unanimidade, transferir para a Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola n.º 6 de Leiria a verba de 295.218$00, com destino ao fornecimento das refeições dos alunos do 1.º ciclo do Ensino Básico.

**

ESCOLA EB 1,2,3 DE COLMEIAS – PEDIDO DE CEDÊNCIA GRATUITA DO AUTOCARRO DA CML - DE 18-4

N.º0881/99 Presente o Fax da ESCOLA EB 1,2,3 DE COLMEIAS, datado de 99.03.19, solicitando a cedência gratuita do autocarro desta autarquia nos dias 25, 26 e 28 de Março, para diversas deslocações com alunos vindos de uma escola francesa integrados no projecto “Euro Ecole 99” (Intercâmbio Escolar).

A Câmara delibera, por unanimidade, ratificar o despacho do Senhor Vereador da Educação e Cultura, datado de 99.03.24, que autorizou a cedência e isentar o pagamento da quilometragem do autocarro bem como o encargo com o trabalho extraordinário do motorista.

**

PONTO NÚMERO NOVE

ACESSO DOS VEÍCULOS DA STL PARA RECOLHA DE R.S.U.

N.º0882/99 Atendendo ás dificuldades causadas ao veículo de recolha da RSU da STL pelo estacionamento de viaturas automóveis, propõem-se a proibição de estacionamento de ambos os lados do acesso ao parque de estacionamento do edifício Europa. Esta proibição deverá ser reforçada com pintura de raias amarelas.

A Câmara, face à informação prestada pela 2.ª Repartição Administrativa de Apoio ao Departamento Técnico (DOM), delibera, por unanimidade, proceder à sinalização proposta.

(25)

PONTO NÚMERO DEZ

I FESTIVAL DE TEATRO DA ALTA ESTREMADURA

N.º0883/99 Pelo Senhor Vereador DR. VITOR LOURENÇO, foi presente o Programa do “I

Festival de Teatro da Alta Estremadura” organização conjunta das Câmaras Municipais

de Leiria, Marinha Grande e Pombal, que conta com o apoio do Teatro Amador de Pombal (TAP) e do Instituto Português do Livro e das Bibliotecas, e com os patrocínios da Delegação Regional do Centro, Instituto Português das Artes do Espectáculo, Região Turismo Leiria/Fátima e Governo Civil do Distrito de Leiria, assim como o respectivo Orçamento.

Depois de analisar o assunto a Câmara delibera, por unanimidade, aprovar o Programa apresentado.

Mais delibera aprovar o respectivo Orçamento para o concelho de Leiria no valor de 4.186.000$00 cabendo á CML suportar até ao valor de 2.600.000$00.

**

CONTRATO PROGRAMA COM O ORFEÃO DE LEIRIA

N.º0884/99 Pelo Senhor Vereador DR. VITOR LOURENÇO, foi presente o Contrato Programa em epígrafe

O Orfeão de Leiria - Conservatório Regional de Música e Dança de Leiria, tem vindo a desempenhar na comunidade leiriense e regional um papel cultural e educacional de grande qualidade, em continuidade, cujo espectro de práticas tem substituído em grande parte o Estado e em parte substantiva as próprias autarquias.

Retirado, agendar para a próxima reunião.

**

Nos termos do Artigo 19º, do Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto-Lei N.º 442/91, de 15 de Novembro, a Câmara delibera, por unanimidade, analisar ainda os seguintes assuntos:

- CONTA DE GERÊNCIA

**

CONTA DE GERÊNCIA DE 1998 (2)

N.º0885/99 Pelo Senhor DIRECTOR DO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO GERAL, foi presente a Conta de Gerência referente ao Ano de 1998.

A Câmara vai proceder à sua análise e posterior discussão e votação.

(26)

ENCERRAMENTO DA ACTA

E, não havendo mais assuntos a tratar, foi pela Senhora Presidente encerrada a reunião, eram dezasseis horas, e trinta minutos mandando que, de tudo para constar, se lavrasse a presente Acta que eu, SÉRGIO CARVALHO JORGE DA SILVA, Director do Departamento de Administração Geral, mandei escrever e subscrevo.

Leiria e Secretaria da Câmara Municipal, aos sete dias do mês de Abril do ano de mil novecentos e noventa e nove.

A PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL,

___________________________

O DIRECTOR DO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO GERAL,

Imagem

Referências

temas relacionados :