Manual do utilizador ND 720 ND 760. Visualizadores de cotas para fresadoras

72 

Texto

(1)

Português (pt) 7/2004

Visualizadores de

cotas para fresadoras

Manual do utilizador

ND 720

(2)

HEIDENHAIN Visualizador de cotas (ND 720 só dois eixos) ∆ = Visualização de curso restante R+/– = Correcção do RAIO Introdução numérica • Modificar sinal

• Chamar o último diálogo • Na lista de parâmetros:

Modificar parâmetros

Chamar correcções do raio da ferramenta actual

• Seleccionar funções especiais • Na lista das funções especiais

passar páginas à frente • Interromper introdução • Repor o modo de

funcionamento

• Anular o eixo seleccionado (se activado com P80) • Seleccionar parâmetro(s):

CL mais número de dois dígitos Visualização de estados: SCL = factor de escala ->❘❘<- = Apalpar aresta/ linha central R = RAIO/Visualização do diâmetro

• Seleccionar ponto de referência 1 ou 2 • Passar página atrás na lista das

funções especiais

• Passar página atrás na lista dos parâmetros

1 2 ponto de referência 1 ou 2 SET = Memorizar o ponto

de referência REF = intermitente: Passar pontos de referência Aceso: Foram passados pontos de referência

Visualização Inch = polegadas

• Seleccionar eixo de coordenada (ND 720 só X e Y)

• Seleccionar parâmetro de funcionamento referido ao eixo

• Aceitar a introdução • Na lista de parâmetros

(3)

Parte I Instruções do utilizador

3

Este manual destina-se aos visualizadores de cotas ND a partir dos seguintes números de software: ND 720 para dois eixos 246 271-07 ND 760 para três eixos 246 271-07

Utilizar correctamente o manual!

Este manual é composto por duas partes: Parte I: Instruções do utilizador

• Princípios básicos para indicações de posição

• Funções ND

Parte II: Colocação em funcionamento e dados técnicos

• Montagem do visualizador de posição ND na máquina

• Descrição dos parâmetros de operação • Entradas de comutação, saídas de

comutação

Parte I Instruções do utilizador

Princípios básicos 4

Ligar, passar pontos de referência 9

Memorização do ponto de referência 10 Memorização do ponto de referência com

a ferramenta 11

Memorização do ponto de referência com

o apalpador de arestas KT 13

Correcções da ferramenta 20

Deslocar eixos com visualizador

de curso restante 21

Círculo de furos/segmento de círculo de furos 23

Séries de furos 26

Trabalhar com " factor de escala" 29

Avisos de erro 30

Parte II

Colocação em funcionamento e

(4)

4

Y

X

Z

+Y

+X

+Z

–Z

–Y

–X

Ponto zero ou origem Divisão

Princípios básicos

Princípios básicos

Se já estiver à vontade com os termos sistema de

coordenadas, medida incremental, medida absoluta, posição nominal, posição real e curso restante, pode avançar para o capítulo seguinte.

Sistema de coordenadas

Para a descrição da geometria duma peça, servimo-nos dum sistema de coordenadas cartesiano ( 1) ). O sistema de coordenadas é

composto pelos três eixos de coordenadas X, Y e Z, perpendiculares entre si e que se intersectam num ponto. Este ponto chama-se ponto zero do sistema de coordenadas.

Nos eixos das coordenadas encontra-se uma divisão (a unidade da divisão é em regra mm), através da qual podem ser determinados pontos no espaço – referentes ao ponto zero.

Para determinar posições na peça, coloque o sistema de coordenadas mentalmente sobre a peça.

Os eixos da máquina correm no sentido dos eixos do sistema de coordenadas, onde o eixo Z normalmente é o eixo da ferramenta.

1) segundo o matemático e filósofo francês René

(5)

5

Memorização do ponto de referência

O princípio básico para a maquinação duma peça é o desenho da peça. Para poderem ser convertidas as indicações de medida do desenho em deslocações - dos eixos da máquina X, Y e Z , é necessário para cada indicação de medida um ponto de referência sobre a peça, pois em princípio você pode indicar uma posição só em relação a uma outra posição .

O desenho da peça simula sempre um "ponto de referência absoluto" (= ponto de referência para medidas absolutas) ; além disso, podem estar simulados "pontos de referência relativos“.

Ao trabalhar-se com visualizadores de cotas numéricos,

"memorização do ponto de referência" significa que você junta a peça e a ferramenta numa posição definida e que memoriza depois os visualizadores de eixos no valor a que corresponde esta posição. Assim, você obtém uma atribuição fixa entre a posição efectiva do eixo e o valor de cota visualizado.

Com o visualizador de cotas ND você pode memorizar 9 pontos de referência absolutos à prova de falha de corrente eléctrica.

0 325 450 700 900 950 0 320 750 1225 300±0,1 0 150 -150 0 0 216,5 250 -250 -125 -216,5 0 -125 -216,5 -250 250 125 216,5 125 Pontos de referência relativos

Princípios básicos

Ponto de referência absoluto

(6)

6

Posições absolutas da peça

Cada posição sobre a peça está determinada nitidamente por meio das suas coordenadas absolutas.

Exemplo: Coordenadas absolutas da posição 1:

X = 10 mm

Y = 5 mm

Z = 0 mm

Quando trabalhar segundo o desenho duma peça com coordenadas absolutas, desloque a ferramenta sobre as coordenadas.

Y

X

Z

10 5 1

Princípios básicos

1

Y

X

Z

10 5 10 10 1 2 Posições relativas da peça

Uma posição também pode estar referente à posição nominal anterior. O ponto zero para o dimensionamento situa-se na posição nominal anterior. Fala-se então de coordenadas relativas e/ou duma medida incremental. As coordenadas incrementais são caracterizadas com I .

Exemplo: Coordenadas relativas da posição 2 referentes a Posição 1:

IX = 10 mm IY = 10 mm

Quando trabalhar a partir do desenho duma peça com cota incremental, desloque a ferramenta segundo a medida. Sinal em caso de cota incremental

Uma indicação de medida relativa tem sinal positivo se é deslocada em sentido positivo do eixo, e um sinal negativo se é deslocada em sentido negativo do eixo.

(7)

7

Posição nominal, posição real e curso restante

As respectivas posições para as quais é preciso deslocar a ferramenta, chamam-se posição nominal (S); a posição onde se encontra efectivamente a ferramenta chama-se posição real ( I ). O curso desde a posição nominal para a posição real é o curso restante(R).

Sinal no caso de curso restante

A posição nominal, em deslocação com visualizador de curso restante transforma-se em "ponto de referência relativo" (valor de visualização 0). O curso restante tem portanto sinal negativo quando você tem que deslocar em sentido positivo do eixo, e sinal positivo quando você tem que deslocar em sentido negativo do eixo.

Princípios básicos

Y

X

Z

I S R

(8)

8

Sistemas de medição do curso

Os sistemas de medição do curso convertem os movimentos dos eixos da máquina em sinais eléctricos. O visualizador de cotas ND avalia os sinais, calcula a posição real dos eixos da máquina e visualiza a posição sob a forma de valor numérico no visualizador. Se houver interrupção de corrente elécrica, perde-se a atribuição entre a posição do carro da máquina e a posição real calculada. Com as marcas de referência dos sistemas de medida e a função automática REF do visualizadore de cotas ND você pode restabelecer sem problemas esta atribuição depois da ligação.

Marcas de referência

Nas réguas dos sistemas de medição do curso encontram-se uma ou mais marcas de referência. Ao serem passadas, as marcas de referência produzem um sinal que identifica para o visualizador de cotas ND esta posição de réguas como ponto de referência ( ponto de referência de régua = ponto de referência fixo da máquina).

Ao serem passados estes pontos de referência, o visualizador de cotas ND verifica outra vez com a função automática REF as atribuições entre a última posição do carro dos eixos e os últimos valores de visualização que você tiver determinado. Em sistemas de medição de longitudes com marcas de referência com código de distância, você só precisa de deslocar os eixos da máquina apenas no máximo 20 mm. Y X Z Peça Sistema de medição do curso

Régua no sistema de medição Marcas de

de longitude referência com

código de distância

Marca de referência

(9)

9

Ligar, passar pontos de referência

E N T . . . C L

Ligar o ND no lado de trás da caixa. Na visualização de estados fica a piscar REF.

Confirmar a aproximação ao ponto de referência. Acende REF. Ficam a piscar os pontos decimais.

Passar pontos de referência em todos os eixos numa sequência qualquer. A visualização começa a contar quando se tiver passado o ponto de referência.

0

è 1

ENT

Se tiver passado os pontos de referência, é memorizada com garantia contra falha de corrente de rede para o ponto de referência 1 e 2 a última atribuição determinada entre posição do carro dos eixos e valores de visualização.

Se não tiver passado os pontos de referência (apagar o diálogo ENT ... CL com a tecla CL ), em caso de interrupção de corrente eléctrica ou de a rede ficar desligada, perde-se esta atribuição!

Ligar, passar pontos de referência

Se não quiser usar a correcção não linear de erro de eixo, tem que passar os pontos de referência (ver “correcção não linear de erro de eixo“)!

(10)

10

Memorização do ponto de referência

Se quiser memorizar pontos de referência com garantia contra falha de rede eléctrica, tem primeiro que passar os pontos de referência!

Premir a tecla de ponto de referência ("d" intermitente).

Memorização do ponto de referência

Com P70 você pode seleccionar:

• Dois pontos de referência: visualização do ponto de referência seleccionadocom 1 ou 2

• Nove pontos de referência: visualização do ponto de ref. selecc. no eixo mais baixo de todos com d1 até d9.

Aproximação ao lado da peça com a ferramenta e a seguir memorizar como linha de referência a memorização do ponto de referência que se pretende (ver exemplo), ou a

aproximação a duas arestas e à linha central. Os respectivos dados da ferramenta utilizada são então considerados automaticamente (ver “Correcções da ferramenta")

Apalpação da aresta da peça com o apalpador de arestas e a seguir memorizar o ponto de referência pretendido ou fazer a aproximação a duas arestas e linha central como linha de referência (ver exemplo). O raio e a longitude da haste de apalpação são considerados automaticamente quando estiverem registados os valores nos parâmetros P25 e P26 (ver “Parâmetros de funcionamento“).

Introduzir o número de ponto de referência (1 a 9).

1

ENT

Depois da deslocação REF, pode-se voltar a memorizar os pontos de referência ou activar os já existentes.

Para a memorização dos pontos de referência, há várias alternativas:

Um ponto de referência memorizado uma vez, chama-se da seguinte forma:

Com P70 estão ajustados dois pontos de referência: Seleccionar ponto de referência 1 ou 2.

(11)

11

Memorização do ponto de referência

Seleccionar o número do ponto de referência (ver página 10).

Seleccionar a função especial.

SPEC FCT

A P A L P . L A D O

ENT Aceitar "apalpar lado" .

X

Se necessário, seleccionar eixo X.Acende SET.

Fica a piscar a visualização de estados. •

• •

seleccionar "função de apalpação".

F U N Ç . A P A L P .

ENT Aceitar "função de apalpação".

SPEC FCT ou

Y

X

2

1

Z

R=5mm

Memorização do ponto de referência com a ferramenta Exemplo:

Plano de maquinação X / Y Eixo da ferramenta Z

Raio da ferramenta R = 5 mm Sequência de eixos ao X – Y – Z memorizar os pontos de referência

(12)

12

Introduzir no eixo Z o valor de posição para o ponto de referência.

Memorização do ponto de referência

Z

Seleccionar o eixo Z. Acende SET.Visualização de estados fica a piscar x<-.

Fazer a aproximação à superfície da peça.

ENT

É alcançada a posição Z. É visualizado por pouco tempo "SET lado“. Fica a piscar SET.

Afastar a ferramenta da peça.

Acende a visualização de estados ❘<- .

0

ENT

Depois da memorização do ponto de referência, sair das funções de apalpação.

APALPAR Z (só é visualizado durante pouco tempo)

SPEC FCT ou

CL

1) 1) 1) 1) 1) só no ND 760 • • •

ENT É alcançada a posição Y. É visualizado por pouco tempo "SET lado“. Fica a pis-car SET. Afastar a ferramenta da peça. Acende a visualização de estados ❘<- .

Introduzir no eixo Y o valor de posição para o ponto de referência. É auto-maticamente considerada a correcção do raio da ferramenta.

0

ENT

• • •

ENT É alcançada a posição X. É visualizado por pouco tempo "SET lado ". Fica a pis-car SET. Afastar a ferramenta da peça. Acende a visualização de estados ❘<-.

Introduzir o valor de posição para o ponto de referência. É automaticamente con-siderada a correcção do raio da ferramenta.

0

Y

Seleccionar o eixo Y. Acende SET.

Visualização de estados fica a piscar x<-ENT

Fazer a aproxi ação à peça no lado 2. APALPAR Y (só é visualizado durante pouco tempo)

Fazer a aproxiação à peça no lado 1. APALPAR X (só é visualizado durante pouco tempo)

(13)

13

Memorização do ponto de referência

Memorização do ponto de referência com o apalpador

de arestas KT

Os visualizadores de cotas ND põem à disposição as seguintes funções de apalpação:

“APALPAR LADO" Memorizar lado da peça como linha de referência

“APALPAR MEIO" Memorizar a linha central entre dois lados da peça como linha de referência

"APALPAR CÍRCULO“Memorizar o ponto central do círculo como ponto de referência setzen. As funções de apalpação encontram-se no modo de funcionamento SPEC FCT.

Antes de o apalpador de arestas poder ser utilizado, tem que ser introduzido no parâmetros P25 e P26 o diâmetro e a longitude do apalpador (ver "Parâmetros de funcionamento").

O visualizador de cotas ND considera em todas as funções de apalpação as medidas do apalpador introduzidas. As funções "APALPAR LADO", "APALPAR MEIO" e "APALPAR CÍRCULO" estão descritas nas páginas seguintes.

(14)

14

Apalpar lado da peça e memorizar como linha de referência

O lado apalpado está paralelo ao eixo Y. Para todas as coordenadas dum ponto de referências, você pode apalpar arestas e superfícies como descrito a seguir e memorizar como linhas de referência.

Memorização do ponto de referência

Y

X

Z

X? Seleccionar o número do ponto de

referência (ver página 10).

Seleccionar a função especial.

SPEC FCT

• • •

Seleccionar "Função de apalpação".

F U N Ç . A P A L P .

ENT Aceitar "Função de apalpação".

SPEC FCT

ENT Aceitar "Apalpar lado".

(15)

15

Memorização do ponto de referência

X

Se necessário, seleccionar o eixo X.Acende SET. Visualização de estados fica a piscar x<-.

Deslocar o apalpador de arestas de encontro ao lado da peça, até acender uma luzinha situada no apalpador. Fica a piscar SET. O ND visualiza a posição do lado.

Acende a visualização de estados x<- .

Afastar o apalpador de arestas para longe da peça.

5

2

Memorizar o valor de posição sobre este lado,p.ex. 52.

SPEC FCT

Sair das funções de apalpação.

ENT

CL

ou

(16)

16

Apalpar lados da peça e memorizar o meio como linha de referência

Os lados apalpados têm aqui que estar paralelos ao eixo Y. Para todas as linhas centrais de dois lados você pode proceder da

forma aqui descrita.

Y

X

2

1

Z

M

X?

Memorização do ponto de referência

Seleccionar a função especial.

SPEC FCT

• • •

Seleccionar "Função de apalpação".

F U N Ç . A P A L P .

ENT Aceitar "Função de apalpação".

SPEC FCT ou

Seleccionar o número do ponto de referência (ver página 10).

A P A L P A R C E N T R OSeleccionar "Função de apalpação linha central".

A P A L P . L A D O ou

(17)

17

Memorização do ponto de referência

X

Se necessário, seleccionar o eixo X eAceitar com ENT. Fica a piscar a visualização de estados ->x.

Deslocar o apalpador de arestas de encontrao lado 1 da peça, até acender a luzinha situada no apalpador de arestas. Afastar o apalpador de arestas para longe da peça.

Deslocar o apalpador de arestas de encontrao lado 2 da peça, até acender a luzinha situada no apalpador de arestas. É visualizado durante pouco tempo "SET CENTRO". Fica a piscar SET. Afastar o apalpador de arestas para longe da peça. Fica a piscar a visualização de estados ->x.

2

6

Memorizar o valor de posição para alinha central dos lados, p.ex. 26.

Sair das funções de apalpação ENT

SPEC

FCT ou

CL

1ª POS X (só é visualizado durante pouco tempo)

2ª POS X (só é visualizado durante pouco tempo)

• •

ENT Aceitar "Apalpar linha central".

Acende SET. A P A L P . C E N T R O

(18)

18

Apalpar por dentro da parede de um círculo e memorizar o ponto central do círculo como ponto de referência

Para a determinação do ponto central do círculo, é preciso apalpar 4 pontos. Os pontos devem estar no plano X/Y.

Memorização do ponto de referência

Seleccionar a função especial.

SPEC FCT

• • •

Seleccionar "Função de apalpação".

F U N Ç . A P A L P .

ENT Aceitar "Função de apalpação".

SPEC FCT ou

Seleccionar o número do ponto de referência (ver página 10).

A P A L P A R C E N T R OSeleccionar "Função de apalpação círculo".

A P A L P . C Í R C U L O ou

(19)

19

Memorização do ponto de referência

Deslocar o apalpador de arestas de encontrà posição 1, até acender a luzinha situada no apalpador de arestas. Afastar o apalpador de arestas para longe da peça.

Deslocar o apalpador de arestas de encontrà posição 2, até acender a luzinha situada no apalpador de arestas. Afastar o apalpador de arestas para longe da peça.

2

6

Introduzir o valor de posição para a coordenada X do ponto central do círculo, p.ex. 26. "CENTRO Y" É visualizado por pouco tempo. Fica a piscar SET no eixo Y.

Sair das funções de apalpação. ENT

ENT

A P A L P . C Í R C U L O

SPEC

FCT ou

CL

1ª POS X (só é visualizado durante pouco tempo)

2ª POS X (só é visualizado durante pouco tempo)

• •

Aceitar "Apalpar Círculo".

Deslocar o apalpador de arestas de encontrà posição 3, até acender a luzinha situada no apalpador de arestas. Afastar o apalpador de arestas para longe da peça.

3ª POS Y (só é visualizado durante pouco tempo)

Deslocar o apalpador de arestas de encontro à posição 4 , até acender uma luzinha situada no apalpador de arestas. "CENTRO X" É visualizado por pouco tempo. Fica a piscar SET no eixo X.

4ª POS Y (só é visualizado durante pouco tempo)

Introduzir o valor de posição para a coordenada Y do ponto central do círculo p.ex. 0.

(20)

20

Correcções da ferramenta

Correcções da ferramenta

Para a ferramenta actual, você pode introduzir o eixo da ferramenta, a longitude da ferramenta e o diâmetro da ferramenta.

Seleccionar a função especial.

D I Â M E T R O D A F E R R . T A .

2

0

Introduzir o diâmetro da ferramenta,p.ex. 20 mm, e confirmar com ENT.

EIXO DA FERR.TA

Z

Determinar o eixo da ferramenta.

SPEC FCT

ENT

D A D O S D A F E R R . T A

ENT Aceitar a introdução dos dados da ferramenta.

Seleccionar os "Dados da ferramenta".

SPEC FCT L O N G . D A F E R R . T A

0

ENT

5

EIXO DA FERR.TA

Sair da função especial.

• • • SPEC FCT ou

CL

ou 1) 1) só no ND 760

Introduzir a longitude da ferramenta, p.ex. 50 mm, e confirmar com ENT.

(21)

21

Deslocar eixos com visualizador de curso restante

Seleccionar a função especial.

Deslocar eixos com visualização de curso restante

De forma standard, está na visualização a posição real da ferramenta. Mas a maior parte das vezes é melhor se você mandar visualizar o curso restante até à posição nominal . Depois, basta você posicionar com deslocação para o valor de visualização zero.

Na visualização do curso restante, você pode introduzir coordenadas absolutas. É considerada uma correcção activa do raio.

Exemplo de aplicação: fresar escalão com "deslocação para zero"

R+

-Seleccionar o eixo, introduzir o valor nominal, p.ex. 20 mm, seleccionar correcção do raio R+, confirmar com ENT.

ENT

Y

2

0

Aceitar curso restante, acende ∆ . ENT C U R S O R E S T A N T E SPEC FCT • • •

Seleccionar "Curso restante"

SPEC FCT ou

(22)

22

Y

0

Seleccionar o eixo, introduzir o valornominal, p.ex. 70 mm, seleccionar correcção do raio R+, confirmar com ENT.

ENT R+

-Deslocar eixos com visualizador de curso restante

X

3

0

Seleccionar o eixo, introduzir o valornominal, p.ex. 30 mm, correcção do

raio R–, confirmar com ENT. ENT

Deslocar o eixo da máquina sobre zero 2.

R+

-Deslocar o eixo da máquina sobre zero 1.

Deslocar o eixo da máquina sobre zero 3

Se necessário, desligar a visualização de curso restante. SPEC FCT ENT

CL

ou R+

(23)

-23

Círculo de furos/segmento de círculo de furos

Com os visualizadores de cotas ND, podem fazer-se círculos de furos ou segmentos de círculos de furos de forma rápida e simples. Os valores que se pretende introduzir são pedidos pelas frases de aviso. Cada furo pode ser posicionado através de “deslocação para zero”. Para isso, é preciso introduzir os seguintes valores:

• Quantidade de furos (máx. 999) • Ponto central do círculo • Raio do círculo

• Ângulo inicial para primeiro furo

• Passo angular entre os furos (só para segmento do círculo de furos) • Profundidade de furo

Exemplo:

Quantidade de furos 8

Coordenadas do ponto central X = 50 mm Y = 50 mm Raio do círculo de furos 20 mm

Ângulo inicial 30 Grad

Profundidade de furo Z = –5 mm

Círculo de furos/segmento de círculo de furos

Y

X

30° R20 50 50 0 0

(24)

24

Círculo de furos/segmento de círculo de furos

Seleccionar a função especial.

SPEC FCT

C Í R C U L O C O M P L E T O

ENT Aceitar "Círculo completo".

Q U A N T I D A D E D E F U R O S

8

Introduzir a quantidade de furos, p.ex.8, confirmar com ENT. • • • C E N T R O Y

5

0

C E N T R O X

5

0

0

2

R A I O Â N G . I N I C I A L

0

3

Introduzir rario do círculo de furos, p.ex. 20 mm, confirmar com ENT.

Introduzir o ângulo inicial para o primeiro furo, p.ex. 30° , confirmar com ENT. • • • ENT ENT ENT ENT ENT Seleccionar "Círculo de furos".

SPEC FCT

C Í R C U L O D E F U R O S

ENT Aceitar "Círculo de furos". ou

Introduzir a coordenada X para o ponto central do círculo, p.ex. 50 mm, confirmar com ENT.

Introduzir a coordenada Y para o ponto central do círculo, p.ex. 50 mm, confirmar com ENT.

(25)

25

Círculo de furos/segmento de círculo de furos

Introduzir a profundidade de furo, p.ex. –5 mm, confirmar com ENT.

P R O F U N D I D A D E D E F U R O

5

I N I C I A R

ENT Iniciar a visualização das posições dos furos.

Após o início, está activado o funcionamento de curso restante (acende o símbolo D). O número do furo é visualizado por pouco tempo no eixo X. Deslocando-se para zero, faz-se a

aproximação a cada furo.

Os furos podem ser seleccionados com a tecla ENT ou 1 2. A tecla - visualiza de novo o número do furo.

ENT

ENT

Sair da função de círculo de furos.

SPEC

FCT ou

CL

1)

(26)

26

Séries de furos

Com os visualizadores de cotas ND também se pode produzir séries de furos de forma rápida e simples. Os valores que se pretende introduzir são pedidos pelas frases de aviso.

Cada furo pode ser posicionado por meio de "deslocação para zero". Para isso, há que introduzir os seguintes valores:

• Coordenadas do 1.º furo

• Quantidade de furos na série (máx. 999) • Distância entre os furos

• Ângulo entre série de furos e eixo de referência • Profundidade de furo

• Quantidade de séries de furos (máx. 999) • Distância entre as séries de furos

Exemplo:

Coordenadas do 1.º furo X = 20 mm Y = 15 mm Quantidade de furos 4

Distância entre os furos 16 mm

Ângulo 15 graus

Profundidade de furo Z = –30 mm Quantidade de séries de furos 3

Distância entre as séries de furos 20 mm

Séries de furos

Y

X

20 15 1 16 2 3 4 5 6 7 8 15° 20 9 12 0 0

(27)

27

Seleccionar a função especial.

SPEC FCT

SÉRIES DE FUROS

ENT Aceitar "Séries de furos".

1º FURO X

Introduzir a coordenada X do 1.º furo, p.ex.20, confirmar com ENT.

Q U A N T . F U R O S

Introduzir a quantidade de furos na série, p.ex. 4, confirmar com ENT.

0

2

1º FURO Y

Introduzir a coordenada Y do 1.º furo, p.ex.15, confirmar com ENT.

• • •

5

1

4

D I S T F U R O S

Introduzir a distância entre os furos na série, confirmar com ENT.

 N G U L O

P R O F U N D I D A D E D E F U R O

Introduzir a posição angular, p.ex. 15 graus, confirmar com ENT.

Introduzir a profundidade de furo, p.ex. –30 mm, confirmar com ENT.

• • •

6

1

1

5

3

0

Séries de furos

ENT ENT ENT ENT ENT ENT Seleccionar "Séries de furos“.

SPEC FCT

1)

1) só no ND 760 ou

(28)

28

Q U A N T . S É R I E S

3

D I S T . S É R I E S

Introduzir a distância entre séries, p.ex. 20, confirmar com ENT.

Introduzir a quantidade de séries, p.ex. 3, confirmar com ENT.

Séries de furos

0

2

I N I C I A R

ENT Iniciar a visualização das posições de furos.

Depois do início, está activado o funcionamento de curso restante (Acende o símbolo D).

O número do furo é visualizado poρ pouco tempo no eixo X. Deslocando-se para zero faz-se a aproximação a cada furo. Os furos podem ser seleccionados com a tecla ENT ou 1 2. A tecla -visualiza de novo o número do furo.

ENT

ENT

ENT

Sair da função de séries de furos.

SPEC

(29)

29

Y

X

0 0 1 2 ∗ 3.03.5

Quando está activado um factor de escala, acende SCL no estado!

Trabalhar com " factor de escala"

Com a função factor de escala, pode ampliar-se ou reduzir-se o valor visualizado referente ao segmento de deslocação efectivo.

Os valores de visualização são modificados centralmente ao ponto zero.

O factor de escala é determinado no parâmetro 12 para cada eixo e no parâmetro 11 é activado ou inactivado para todos os eixos (ver "parâmetros de funcionamento").

Exemplo para a ampliação duma peça:

P12.1 3.5

P12.2 3.0

P11 “Ligar“

Obtém-se assim uma ampliação da peça como representa a figura ao lado :

1 indica o tamanho original, 2 teve ampliação específica do eixo.

(30)

30

Apagar avisos de erro:

Quando tiver eliminado a causa de erro: ➤ Premir a tecla CL.

Avisos de erro

Aviso Causa e Efeito

V.24 VELOC. Dois comandos para a emissão de valor de medição chegam demasiado rápido um após outro.

SINAL X Sinal do sistema de medição é demasiado pequeno,

p.ex. quando o sistema de medição está sujo.

E R R O A P R O X . Antes da aproximação, é preciso percorrer um segmento mínimo de 0,2 mm erro de aproximação. F A L T A D S R O aparelho conectado não envia

nenhum sinal DSR.

ERRO. Distância definida em P43 das marcas REF. X de referência não coincide com a

distância efectiva das marcas de referência .

FORMAT. FEHL. Formato de dados, velocidade Baud, etc., não coincidem. FRQ. X Frequência de entrada demasiado

elevada para entrada de sistema de medição, p.ex. quando a velocidade de deslocação é excessiva.

Avisos de erro

Aviso Causa e Efeito

MEMÓRIA F. Erro de soma de ensaio: verificar ponto de referência, parâmetro de funciona-mento e valores de correcção para correcção não linear de erro do eixo. Se acaso se repetir: informar o serviço de assistência a clientes!

ERRO DE RECEPÇ.Erro de recepção em caso de listas de parâmetros ou valores de correcção.

(31)

31

Parte II Colocação em funcionamento e dados técnicos

Introdução e emissão de listas de parâmetros 54 e de valores de correcção

Forma de emissão da lista de parâmetros 56 Forma de emissão da tabela de valores de

correcção 62

Funcionamento externo por

conexão de dados V.24/RS-232-C 66 Dados técnicos 70 Dimensões ND 720/ND 760 71

Parte II Colocação em

funcionamento e dados

técnicos

Gama de fornecimento 32

Conexões no lado de trás do aparelho 33

Montagem e fixação 34

Conexão à rede 34

Conexão dos sistemas de medição 35

Parâmetros de funcionamento 36

Introduzir/modificar parâmetros de funcionamento 36 Lista de parâmetros de funcionamento 37

Sistemas de medição longitudinal 40

Seleccionar passo de visualização em sistemas

de medição longitudinal 40

Seleccionar passo de visualização em sistemas de medição longitudinal , passo de visualização, período de sinal e subdivisão para sistemas de

medição longitudinal 40

Sistemas de medição longitudinal da HEIDENHAIN

conectáveis 41

Correcção não linear de erro do eixo 43

Ocupação das fichas X10 46

Conexão de dados V.24/RS-232-C 47

(32)

32

Gama de fornecimento

Gama de fornecimento

• ND 720 para 2 eixos ou • ND 760 para 3 eixos

• Acoplamento à rede N.º Ident. 257 811-01 • Manual do utilizador

Acessórios por opção

• Base giratória para montagem sobre o lado inferior da caixa N.º Ident. 281 619-01

(33)

33

Interruptor Chapa de tipo

Conexões no lado de trás do aparelho

Protecção por ligação à terra Entradas X1 a X3 do Pés em borracha sistema de medição com roscas M4

Conexões no lado de trás do aparelho

Entrada de rede

As interfaces X1, X2, X3 e X10 satisfazem a "Separação Segura da Rede" segundo a norma EN 50 178! • Entrada "Apalpador

de arestas" • Conexão de dados V.24/RS-232-C

(34)

34

Conexão à rede/Montar e fixar

Montar e fixar

ND 720/ND 760

Para fixar com parafusos sobre uma consola o visualizador de cotas, utilize a rosca M4 no interior dos pés de borrachas no lado inferior da caixa. Também pode montar o visualizador de cotas sobre uma base giratória, que pode ser fornecida como acessório.

Conexão à rede

Conectar à rede ao contacto e ,

encostar ao contacto a protecção por ligação à terra! • Perigo de choque eléctrico!

Conectar o condutor de protecção !

O condutor de protecção nunca pode estar intermitente! • Antes de abrir o aparelho, puxar a ficha da rede!

Para aumentar a resistência a interferências, juntar a conexão de ligação à rede existente no lado de trás da caixa com o ponto central de ligação à rede da máquina (secção transversal mínima 6 mm2)!

L N

HEIDENHAIN Base giratória

(35)

35

Conexão dos sistemas de medição

Conexão dos sistemas de medição

Você pode conectar todos os sistemas de medição longitudinal da HEIDENHAIN com sinais de corrente sinusoidais (7 µASS a 16 µASS) e marcas de referência codificadas em distância ou individuais. Atribuição dos sistemas de medição para os visualizadores de cotas:

Entrada do sistema de medição X1 para eixo X Entrada do sistema de medição X2 para eixo Y

Entrada do sistema de medição X3 para eixo Z (só ND 760) Supervisionamento do sistema de medição

Os visualizadores dispõem de um supervisionamento do sistema de medição que verifica a amplitude e a frequência dos sinais. Se necessário, é emitido um dos seguintes avisos de erro: SINAL X

FRQ. X

Você activa o supervisionamento com o parâmetro P45.

Se utilizar sistemas de medição longitudinal com marcas de referência de distância codificada, é verificado se a distância determinada no parâmetro P43 coincide com a distância efectiva das marcas de referência. Se necessário, é emitido o seguinte aviso de erro: ERRO REF. X

(36)

36

Parâmetros de funcionamento

Parâmetros de funcionamento

Com os parâmetros de funcionamento, você determina como se comporta o visualizador de cotas ND e como são avaliados os sinais do sistema de medição. Os parâmetros de funcionamento que vão ser modificados pelo operador da máquina, podem ser chamados com a tecla SPEC FCT e o diálogo "PARÂMETROS" (estão assinalados na lista de parâmetros). Para seleccionar a lista dos parâmetros completa, você só pode fazê-lo com o diálogo "CÓDIGO" e introdução de 9 51 48.

Os parâmetros de funcionamento estão designados com a letra P e um número de parâmetro, p.ex. P11. Ao fazer-se a selecção do parâmetro com as teclas PONTO DE

REFERÊNCIA e ENT, a designação do parâmetro é visualizada na visualização X. Na visualização Y está o ajuste do

parâmetro.

Alguns parâmetros de funcionamento são introduzidos de forma específica do eixo. No ND 760 estes parâmetros estão assinalados com um índice de um a três, e no

ND 720 com um índice de um a dois.Com as teclas de eixos, você pode seleccionar os parâmetros de funcionamento indiciados.

Exemplo: P12.1 factor de escala eixo X P12.2 factor de escala eixo Y

P12.3 factor de escala eixo Z (só ND 760) Por ocasião da entrega, os parâmetros de funcionamento do visualizador ND estão previamente ajustados. Os valores deste ajuste básico estão escritos a cheio na lista de parâmetros.

Introduzir/modificar parâmetros de funcionamento

Chamar parâmetros de funcionamento ➤ Prima a tecla SPEC FCT.

➤ Prima a tecla SPEC FCT ou 1 2, até se visualizar "PARÂMETRO" na visualização X .

➤ Confirme com a tecla "ENT".

Selecionar parâmetros de funcionamento protegidos ➤ Seleccione com a tecla 1 2 o parâmetro de cliente

P00 CÓDIGO.

➤ Introduza o código 9 51 48. ➤ Confirme com a tecla ENT.

Passar páginas na lista dos parâmetros de funcionamento ➤ Passe páginas para a frente: prima a tecla ENT.

➤ Passe páginas para trás: prima a tecla 1 2 . Modificar o ajuste de parâmetros

➤ Prima a tecla MENOS ou introduza o respectivo valor e confirme com ENT.

Corrigir introduções

➤ Prima a tecla CL: aparece o último valor activado na frase de introdução, estando outra vez activado. Sair de parâmetros de funcionamento

(37)

37

Parâmetros de funcionamento

P25 Diâmetro do apalpador 1) Campo de introdução (mm): 0.000 a 999.999 Ajuste básico: 6 P26 Longitude do apalpador 1) Campo de introdução (mm): 0.000 a 999.999 P30.1 a P30.3 sentido da contagem

Sentido da contagem positivo com

sentido de deslocação positivo SENT. CONT. POS Sentido da contagem negativo com

sentido de deslocação positivo SENT. CONT. NEG P31.1 a P31.3 período de sinal do sistema de medição Campo de introdução: 0.00000001 a 99999.9999 µm Ajuste básico: 20 µm P33.1 a P33.3 modo de contagem 0 - 1 - 2 - 3 - 4 - 5 - 6 - 7 - 8 - 9 0 - 2 - 4 - 6 - 8 0 - 5

P38.1 a P38.3 posições depois da vírgula 2 / 3 / 4 / 5 / 6 / 7 / 8

1) Parâmetros do utilizador Lista de parâmetros de funcionamento

P00 CÓDIGO Introduzir o código numérico

9 51 48: Modificação dos parâmetros de funcionamento protegidos

66 55 44: Visualizar a versão de software (no eixo X) Visualizar a data de emisão (no eixo Y) 10 52 96: Correcção não linear de erro do eixo

48 61 53: Introdução e emissão de listas de parâmetros e de valores de correcção.

P01 Sistema de medida 1)

Visualização em milímetros MM Visualização em polegadas INCH P03.1 a P03.3 Visualização de raio/diâmetro1) Visualizar o valor de cota como "raio" RAIO Visualizar o valor de cota como

"diâmetro" DIÂMETRO P11 Activar a função factor de escala1)

Factor de escala activado FACTOR DE ESCALA LIGADO Factor de escala inactivado FACTOR DE ESCALA DESLIGADO P12.1 a P12.3 Determinar factor de escala1)

Introduzir factor de escala específico do eixo: Valor > 1: A peça é ampliada

Valor = 1: A peça não é modificada Valor < 1: A peça é reduzida

Campo de introdução: 0.100000 a 9.999999

(38)

38

Parâmetros de funcionamento

P40.1 a P40.3 Seleccionar correcções de erro de eixo Correcção de erro de eixo inactivada CORRECÇ.

DESLIGADA Correcção de erro de eixo linear activada,

correcção não linear inactivada CORRECÇ. LIN Correcção de erro de eixo não linear activada,

correcção linear inactivada CORRECÇ. DIST P41.1 a P41.3 Correcção de erro linear de eixo

Campo de introdução (µm): −99999 a +99999

Ajuste básico: 0

Exemplo: Longitude visualizada La = 620,000 mm Longitude efectiva (obtida p.ex. com o sistema de comparação VM 101 da HEIDENHAIN) Lt = 619,876 mm Diferença de longitude ∆L = Lt – La = – 124 µm Factor de correcção k: k = ∆L/La = – 124 µm/0,62 m = – 200 [µm/m] P42.1 a P42.3 Compensação de folga Campo de introdução (mm): +9.999 a –9.999

Ajuste básico: 0.000 = sem

compensação de folga Numa modificação de sentido, pode surgir uma folga entre o emissor de rotação e a mesa.

Folga positiva: o emissor de rotação avança a mesa , a mesa desloca-se de menos (introdução de valor positiva).

Folga negativa: o emissor de rotação retarda a mesa, a mesa desloca-se demasiado (introdução de valor negativa).

P43.1 a P43.3 Marcas de referência

Uma marca de referência UMA MARCA REF. Codificada em distância com 500 • SP 500 SP

Codificada em distância com 1000 • SP 1000 SP Codificada em distância com 2000 • SP 2000 SP Codificada em distância com 5000 • SP 5000 SP (SP: período de sinal)

P44.1 a P44.3 Avaliação de marcas de referência Avaliação activada REF. X LIGADA Avaliação inactivada REF. X DESIGADA P45.1 a P45.3 Supervisionamento do sistema de medição Supervisionamento de amplitudes e frequência activado

ALARME LIGADO Supervisionamento de amplitudes e frequência não activado

ALARME DESLIGADO P48.1 a P48.3 Activar visualização de eixo

Visualização de eixo activada EIXO LIGADO Visualização de eixo inactivada EIXO DESLIGADO P49.1 a P49.3 Designação de eixo para emissão de valor medido 1)

Para a emissão de valor medido, pode-se determinar uma designação de eixo com o número do sinal ASCII. É emitida a designação de eixo juntamente com o valor medido.

Campo de introdução: 0 a 127 Emissão de valor medido bloqueada 0 Sinal ASCII a partir da tabela ASCIIe 1 a 127

Ajuste básico: P49.1 88 P49.3 90 P49.2 89

(39)

39

Parâmetros de funcionamento

P50 Velocidade Baud 1)

110 / 150 / 300 / 600 / 1200 / 2 400 / 4 800 / 9 600 / 19 200 / 38 400

P51 Linha vazia para a emissão de valor medido 1) Campo de introdução: 0 a 99

Ajuste básico: 1

P70 Quantidade de pontos de referência

2 Pontos de referência 2 PONTOS REF 9 Pontos de referência 9 PONTOS REF P80 Função da tecla CL

Anular com CL CL...ANULAR

Não anular com CL CL...DESLIGAR P81 Função da tecla

R+/-Divisão por dois do valor real com

tecla R+/- R+/- 1/2 LIGADO

Sem divisão por dois do valor real com

Tecla R+/- R+/- 1/2

DESLIGADO P96 Emissão de valor medido ao apalpar

Emissão de valor medido activada APALPAR. LIGADO Emissão de valor medido não activada

APALPAR.DESLIGADO

1) Parâmetros do utilizador

P97 Sinal identificador para valores medidos Sinal ASCII para a identificação dos valores medidos na emissão de valor medido por apalpar, contacto ou impulso Campo de introdução: 0 a 127

Sem sinal ASCII 0

Sinal ASCII proveniente da tabela ASCII 1 a 127 P98 Idioma de diálogo 1) Alemão IDIOMA DE Inglês IDIOMA EN Francês IDIOMA FR Italiano IDIOMA IT Holandês IDIOMA NL Espanhol IDIOMA ES Dinamarquês IDIOMA DA Sueco IDIOMA SV Finlandês IDIOMA FI Checo IDIOMA CS Polaco IDIOMA PL Úngaro IDIOMA HU Português IDIOMA PT

(40)

40

Sistemas de medição longitudinal

Sistemas de medição longitudinal

Seleccionar o passo de visualização em sistemas de medição longitudinal

Se quiser ter um determinado passo de visualização, tem que adaptar os seguintes parâmetros de funcionamento:

• Período de sinal (P31) • Modo de contagem (P33) • Posições depois da vírgula (P38) Exemplo

Sistema de medição longitudinal com período de sinal de 20 µm

Passo de visualização

pretendido ... 0,000 5 mm Período de sinal (P31) ... 20

Modo de contagem (P33) ... 5 Posições depois da vírgula (P38) ... 4

Os quadros nesta página e nas páginas seguintes ajudam-no na escolha dos parâmetros.

(41)

41

Sistemas de medição longitudinal

Ajustes de parâmetro para sistemas de medição longitudinal 11 µASS

Milímetros

Polegadas

P e ríod o de sign a l em µm Marcas de referência Mo do de conta g em Núme ro de cima s Mo do de conta g em Núme ro de cima s Tipo P 31 P 43 Passo de visualizção em mm P 33 P 38 Passo de visualizção em polegadas P 33 P 38 CT MT xx01 single 0,0005 0,0002 0,0001 0,00005 5 2 1 5 4 4 4 5 0,00002 0,00001 0,000005 0,000002 2 1 5 2 5 5 6 6

Recomendado só para LIP 401

LIP 401A/401R 2 single 0,00002 0,00001 0,000005 2 1 5 5 5 6 0,000001 0,0000005 0,0000002 1 5 2 6 7 7 LF 103/103C LF 401/401C LIF 101/101C LIP 501/501C single/5000 0,001 0,0005 0,0002 0,0001 0,00005 1 5 2 1 5 3 4 4 4 5 0,00005 0,00002 0,00001 0,000005 0,000002 5 2 1 5 2 5 5 5 6 6

Recomendado só para LIP 101

LIP 101 4 single 0,00002 0,00001 2 1 5 5 0,000001 0,0000005 1 5 6 7 MT xx 10 single 0,0005 0,0002 0,0001 5 2 1 4 4 4 0,00002 0,00001 0,000005 2 1 5 5 5 6 LS 303/303C LS 603/603C 20 single/1000 0,01 0,005 1 5 2 3 0,0005 0,0002 5 2 4 4 Ajustes de parâmetros para sistemas de medição longitudinal da HEIDENHAIN 11 mAss

(42)

42

Sistemas de medição longitudinal

Ajustes de parâmetros recomendados para los sistemas de medição longitudinal da HEIDENHAIN 11 µASS

Milímetros

Poleg

Períod o d e s inal em µm Marcas de referência Mod o de c o ntag em Núme ro de ci m a s Mod o de c o ntag em Núme ro de ci m a s Tipo P 31 P 43 Passo de medida em mm P 33 P 38 Passo de medida em poleg P 33 P 38 LS 106/106C LS 406/406C LS 706/706C uma / 1000 ST 1201 20 - 0,001 0,0005 1 5 3 4 0,00005 0,00002 5 2 5 5 0,005 0,002 0,001 0,0005 5 2 1 5 3 3 3 4 0,0002 0,0001 0,00005 0,00002 2 1 5 2 4 4 5 5 Recomendado só pra LB 302 LB 302/302C LIDA 10x/10xC 40 uma / 2000 0,0002 0,0001 2 1 4 4 0,000001 0,0000005 1 5 5 6 LB 301/301C 100 uma / 1000 0,005 0,002 0,001 5 2 1 3 3 3 0,0002 0,0001 0,00005 2 1 5 4 4 5 LIM 501 10240 uma 0,1 0,01 0,05 1 1 5 1 2 2 0,005 0,0005 0,002 5 5 2 3 4 3

(43)

43

Correcção não linear de erro do eixo

Se quiser trabalhar com a correcção não linear de erro de eixo, tem que fazer o seguinte:

• Activar a função de correcção não linear de erro do eixo através do parâmetro de funcionamento 40 (ver "parâmetros de funcionamento")

• Depois de ligar o visualizador ND, passar os pontos de referência!

• Introduzir a tabela de valores de correcção

Introduções na tabela de valores de correcção • Eixo que se pretende corrigir: X, Y ou Z (Z só ND760) • Eixo causador de erro: X, Y ou Z (Z só ND760) • Ponto de referência para o eixo que se pretende corrigir:

Aqui é preciso introduzir o ponto a partir do qual deve ser corrigido o eixo com erro. Este eixo indica a distância absoluta ao ponto de referência.

Entre a medição e a introdução do erro de eixo na tabela de valores de correcção, você não pode modificar o ponto de referência!

• Distância entre os pontos de correcção:

A distância dos pontos de correcção obtém-se a partir da fórmula: Distância = 2 x [µm], onde é introduzido o valor do expoente x na tabela de valores de correcção. Valor de introdução mínimo: 6 (= 0,064 mm) Valor de introdução máximo: 20 (= 1048,576 mm) Valor de introdução máximo: 23 (= 8388,608 mm) Exemplo: 900 mm curso de deslocação com 15

pontos de correcção ==> 60,000 mm distância

potência de dois seguinte: 216 = 65,536 mm Valor de introdução na tabela: 16

• Valor de correcção

É preciso introduzir o valor de correcção em mm relativo à posição de correcção que se pretende visualizar. O ponto de correcção 0 tem sempre o valor 0 e não pode ser modificado.

Correcção não linear de erro do eixo

Devido à estrutura da máquina (p.ex. flexão,

erro de ferramenta, etc.) pode surgir um erro de eixo não linear. Este erro de eixo não linear determina-se geralmente com um aparelho de medição de compensação (p.ex. VM101).

Este aparelho pode, p.ex., calcular para o eixo X o erro de passo da ferramenta X=F(X).

Só pode ser sempre corrigido um eixo dependente de um eixo causador de erro.

Para cada eixo pode ser criada uma tabela de valores de correcção, cada uma com 16 valores de correcção.

A tabela de valores de correcção é seleccionada com a tecla SPEC FCT e o diálogo "PARÂMETROS/CÓDIGO".

Para calcular os valores de correcção (p.ex. com um VM 101), depois da selecção da tabela de valores de correcção, você tem que seleccionar a visualização REF.

Seleccionar visualização REF.

R+

-O ponto decimal no campo de visualização esquerdo mostra que os valores visualizados se referem ao ponto de

(44)

44

Correcção não linear de erro do eixo

Seleccionar a tabela de valores de correcção, introduzir erro do eixo

PONTO REF. X

Introduzir o ponto de referência no eixo com erro, p.ex. 27 mm, confirmar a introdução com ENT

DIST. PONTOS X

Introduzir a distância entre os pontos de correcção sobre o eixo com erro, p.ex. 210µm (corresponde a 1,024 mm), confirmar a introdução com ENT. 27.000

É visualizado o valor de correcção N.º 1. Introduzir o valor de correcção

respectivo, p.ex. 0.01 mm, confirmar a introdução com ENT.

Seleccionar a função especial.

PARÂMETRO

Seleccionar o diálogo para a introdução do código.

CÓDIGO

Introduzir o código 10 52 96, confirmar com ENT.

EIXO X

Seleccionar o eixo que se pretende corrigir , p.ex. X, confirmar a introdução com ENT.

X FUNÇ. X

Introduzir o eixo causador de erro, p.ex. X (erro de passo da ferramenta), Confirmar a introdução com ENT.

SPEC FCT ENT ENT ENT ENT ENT ENT

Seleccionar "Parâmetro”, se necessário, premindo várias vezes a tecla 1 2.

SPEC FCT ou

(45)

45

Correcção não linear de erro do eixo

EIXO X

Seleccionar a tabela de valores de cor-recção p.ex. para eixo Z,apagar a tabela. LOESCHE Z

Confirmar com ENT, ou interromper com CL

Terminar a introdução. Apagar uma tabela de valores de correcção

Seleccionar a função especial.

PARÂMETRO

Seleccionar diálogo para a introdução do código.

CÓDIGO

Introduzir o código 10 52 96, confirmar com ENT. SPEC FCT Seleccionar "Parâmetro". SPEC FCT ou 28.024

Introduzir todos os outros pontos de correcção Se você premir a tecla MENOS, é visualizado o número do ponto de correcção actual na visualização X.

Selecção directa dos pontos de correcção: Prima a tecla MENOS e ao mesmo tempo o número pretendido do ponto de correcção (de 2 dígitos).

Terminar a introdução. ou

(46)

46

Distribuição dos conectores X10 para apalpador de arestas KT 130 e conexão de dados

Pin Sinal Função

1 Écran interior

2 Operacionalidade

3 RXD Dados de recepção

4 RTS Pedido de envio

5 CTS Operacionalidade para envio

6 UP +5 V

7 SIGN. GND Ligação de funcionamento à terra

8 UP 0 V

9 TXD Dados de envio

10 DSR Operacionalidade para

funcionamento

11 DTR Aparelho final pronto

12 Emissão de valor medido

Contacto

13 Sinal de comutação

14 Emissão de valor medido Impulso

15 CHASSIS Carcaça

GND

(47)

47

15 GND 9 3 4 5 10 11 7 TXD RXD RTS CTS DSR GND SIGNAL DTR CHASSIS GND TXD RXD RTS CTS DSR GND SIGNAL DTR CHASSIS Cablagem simples Cablagem completa

Conexão de dados V.24/RS-232-C

Na ficha X10 está também disponível para a conexão do apalpador de arestas uma conexão de dados V.24/RS-232-C.

Na conexão de dados do visualizador de cotas ND, para a emissão do valor medido ou de um programa, pode conectar-se uma impressora ou PC .

A conexão de dados está ajustada de forma fixa no seguinte formato de dados:

1 bit de arranque 7 bits de dados Bit de paridade par 2 Stop-bits

A velocidade Baud é ajustável com o parâmetro P50 .

Para a conexão dos aparelhos periféricos, é possível utilizar-se um cabo com cablagem completa (figura em cima, à direita) ou com cablagem simples (figura em baixo, à direita).

Conexão de dados V.24/RS-232-C

15 GND 9 3 4 5 10 11 7 TXD RXD RTS CTS DSR GND SIGNAL DTR CHASSIS GND TXD RXD RTS CTS DSR GND SIGNAL DTR CHASSIS Nível para TXD e RXD

Nível de lógica Nível de tensão

"1" – 3V a – 15V

"0" + 3V a +15V

Nível para RTS, CTS, DSR e DTR

Nível de lógica Nível de tensão

"1" + 3V a +15V

„0” – 3V a – 15V

ND X10 ND X10

(48)

48

Emissão de valor medido

Com a conexão de dados V.24/RS-232-C, pode emitir-se valores medidos.

É possível uma emissão de valor medido através das seguintes funções:

Emissão de valor medido por apalpação com o apalpador de arestas KT Emissão de valor medido por entrada "Contacto" sobre X10

Emissão de valor medido por entrada "Impulso” sobre X10 Emissão de valor medido por CTRL B com conexão de dados V.24 Sinal identificador antes da emissão dum valor medido

Com o parâmetro P97, pode-se determinar uma letra identificadora que é emitida por ocasião da emissão de valor medido por meio de "Apalpação", "Contacto", ou "Impulso". O número decimal introduzido no parâmetro corresponde ao sinal ASCII da tabela ASCII.

Se for introduzido o valor 0 , não é emitido nenhum sinal caracterizador.

Graças às letras identificadoras, pode-se distinguir se o valor medido foi emitido por CTRL B ou por um sinal externo.

Identificação do eixo para a emissão de valor medido Com o parâmetro P49 pode-se determinar um sinal qualquer identificador de eixo para cada valor medido emitido.

O número decimal introduzido no parâmetro corresponde ao número do sinal ASCII da tabela ASCII.

Se for introduzido o valor 0 , não é emitido nenhum sinal caracterizador.

Exemplo para emissão de valor medido: Ajuste de parâmetros:

P49.1 = 88 („X”) P49.2 = 89 („Y”) P49.3 = 90 („Z”)

P51 = 0 (sem linhas vazias ) P97 = 69 („E”) Emissão: E (CR)(LF) X=...(CR)(LF) Y=...(CR)(LF) Z=...(CR)(LF)

(49)

49

Tempos de retardamento com a emissão de dados

Duração do sinal de memorização te ≥ 4 µs Retardamento de memorização t1≤ 4,5 ms Emissão de dados após tempo t2 ≤ 50 ms

de regeneração t3 ≥ 0

Duração de tempo para emissão de dados [s]:

209 • Quantidade de eixos + 11 • Quantidade de linhas vazias tD =

Velocidade Baud Emissão de valor medido por apalpação

Com o parâmetro P96, pode autorizar-se a emissão de valor medido por apalpação com o apalpador de arestas KT .

O apalpador de arestas é conectado à conexão Sub-D, X10 .

Em cada "Apalpação de aresta" são emitidas a posição de arestas do eixo seleccionado e as posições reais dos outros eixos por meio da conduta TXD da conexão de dados V.24/RS-232-C.

Em cada "Apalpação de centro", são emitidos o ponto central calculado no eixo seleccionado e as posições reais dos outros eixos.

Com a função de apalpação activada, está bloqueada a emissão de valor medido com CTRL B .

Sinal seguinte possível para a emissão de valor medido tE = t1 + t2 + tD + t3 [s] t2 t1 t3 tD te te

Emissão de valor medido

(50)

50

Emissão de valor medido

Exemplos para a emissão de valor medido ao apalpar

Exemplo: "Apalpar aresta" eixo X

P R X : + 58541 . 2504 R <CR> <LF>

Y : − 10122 . 8660 R <CR> <LF>

Z : + 85903 . 3042 ? R <CR> <LF> Exemplo: "Apalpar centro" eixo X

C L X : + 34761 . 2504 R <CR> <LF>

Y : − 10122 . 8660 R <CR> <LF>

Z : + 85903 . 3042 R <CR> <LF>

Exemplo: "Apalpar círculo"

C C X : + 234 . 786 R <CR> <LF>

C C Y : + 452 . 816 R <CR> <LF>

Z : - 4563 . 305 R <CR> <LF>

➀ ➁ ➂ ➃ ➄ ➅ ➆ ➇ ➈ ➉

➀ Eixo apalpado <PR, CL>/outros eixos ➁ Duplo ponto

➂ Sinal

➃ 1 a 8 posições antes da vírgula ➄ Ponto decimal

➅ 1 a 8 posições depois da vírgula ➆ Unidade de medição: sinal vazio em caso

de "mm", " em caso de polegada, ? em caso de aviso de erro

➇ R em caso de visualização do raio, D em caso de visualização do diâmetro

➈ "Regresso do carro" ➉ Avanço de linha

(51)

51

t2 t1 t3 tD te te

Sinal seguinte possível para a emissão de valor medido tE = t1 + t2 + tD + t3 [s] Pin 8 (0V) Pin 12 Pin 14 Pin 8 (0V) X10 X10

Emissão de valor medido

Emissão de valor medido por meio da entrada "Contacto" e da entrada "Impulso"

Com as entradas "Contacto" (Pin 12 no X10) e "Impulso" (Pin 14 no X10) pode activar-se a emissão de valor medido , quando estas entradas forem colocadas a 0 V.

Os valores medidos são emitidos através da conduta TXD da conexão de dados V.24/R-S232-C.

Na entrada "Contacto" pode ser conectado um interruptor de comercialização vulgar (fechador) , que através de fecho de contacto contra 0 V, produz um sinal para a emissão de dados.

A entrada "Impulso" pode ser activada com componentes TTL (p.ex. SN74LSXX) .

Tempos de retardamento em emissão de dados

Duração do sinal de memorização "Impulso" te≥ 1,2 µs Duração do sinal de memorização "Contacto" te ≥ 7 ms Retardamento de memorização em caso

de "Impulso" t1≤ 0,8 µs Retardamento de memorização em caso

de "Contacto" t1≤ 4,5 ms Emissão de dados após t2 ≤ 50 ms (O tempo aumenta quando existem funções activas.)

Tempo de regeneração t3 ≥ 0

Duração de tempo para emissão de dados em [s]

187 • Quantidade de eixos + 11 • Quantidade de linhas vazias

(52)

52

Tempos de retardamento em emissão de dados

Retardamento de memorização t1 ≤ 0.5 ms Emissão de dados após t2 ≤ 30 ms

Tempo de regeneração t3 ≥ 0 ms

Duração de tempo para emissão de dados em [s]

187 • Quantidade de eixos + 11 • Quantidade de linhas vazias

tD = Velocidade Baud t2 t3 tD CTRLB CTRLB t1

Sinal seguinte possível para a emissão de valor medido tE = t1 +t2 + tD + t3 [s]

Emissão de valor medido

Programa Basic para a emissão de valor medido:

10 L%=48 20 CLS

30 PRINT "V.24/RS232"

40 OPEN "COM1:9600,E,7" AS#1 50 PRINT #1, CHR$ (2); 60 IF INKEY$<>""THEN 130 70 C%=LOC(1) 80 IF C%<L%THEN 60 90 X$=INPUT$(L%,#1) 100 LOCATE 9,1 110 PRINT X$; 120 GOTO 50 130 END * 1,08 Emissão de valor medido com CTRL B

Se for recebido pelo visualizador de cotas, por conexão de dados V.24/ RS-232, o sinal de controlo STX (CTRL B), o valor medido referido neste momento é emitido através da interface.

É recebido CTRL B por meio da conduta RXD da interface e são emitidos os valores medidos através da interface TXD. Os valores medidos podem ser recebidos por um programa de terminal (p.ex. hiper-terminal, disponível na gama de fornecimento Windows® ) e podem ser memorizados .

O programa Basic à direira mostra a estrutura básica de um pograma para a emissão de valor medido.

(53)

53

Emissão de valor medido

Exemplo para a emissão de valor medido com entrada "Contacto", entrada "Impulso" ou "CTRL B":

E <CR> <LF> X = + 58541 . 2504 R <CR> <LF> Y = - 10122 . 8660 R <CR> <LF> Z = + 85903 . 3042 R <CR> <LF> ➀ ➁ ➂ ➃ ➄ ➅ ➆ ➇ ➈ ➉ ➀ Designação de eixo ➁ Sinal de "=" ➂ Sinal

➃ 1 a 8 posições antes da vírgula ➄ Ponto decimal

➅ 1 a 8 Posições depois da vírgula

➆ Unidade de medida: sinal vazio com "mm" , com polegadas,

"?" em caso de aviso de erro

➇ R(r) com visualização de raio, D(d) de diâmetro, ( ) com visualização de curso restante

➈ "Regresso do carro" ➉ "Avanço de linha"

(54)

54

ENVIAR CORR. X Introduzir o código 48 61 53,

confirmar com ENT.

Introdução e emissão de listas de parâmetros e de

valores de correcção

Chamada da função "Transmissão de dados": Seleccionar a função especial.

SPEC FCT

Seleccionar "Parâmetro".

SPEC FCT ou

Introdução e emissão de listas de parâmetros e de valores de correcção

Seleccionar o diálogo para a introdução do código .

PARÂMETRO

ENT

CÓDIGO

Função: transmissão de dados

Continuar com tecla ENT. TRANSMITIR

ENT

Com a tecla ENT é emitida a lista de parâmetros por conexão de dados V.24/ RS-232-C. Após a emissão, de regresso ao início, para enviar ou receber mais listas. Com a tecla Menos, continuar para o menu de transmissão de dados. ENVIAR PARÂM.

ENT

se

necessário

A visualização de posição está pronta a receber uma lista de parâmetros por conexão de dados V.24/RS-232-C. Em caso de perfeita recepção da lista de parâmetros, a visualização de posição realiza uma reposição e arranca de novo. Com a tecla Menos, continuar no menu de transmissão de dados.

RECEBER PARÂM

se

necessário

ENT Com a tecla ENT é emitida a lista de valores de correcção do eixo X por meio da conexão de dados V.24/

RS-232-C. Após a emissão, regressar ao início para enviar ou receber outras listas. Com a tecla Menos, continuar no menu de transmissão de dados. se

Imagem

Referências

temas relacionados :