RELATÓRIO DE GESTÃO CONSOLIDADO 2016

20 

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Texto

(1)

DE GESTÃO

CONSOLIDADO

(2)
(3)

ÍNDICE

INTRODUÇÃO 4 GRUPO MUNICIPAL 5 ENTIDADES A CONSOLIDAR 6 INFRAQUINTA 6 INFRALOBO 7 INFRAMOURA 7

LOULÉ CONCELHO GLOBAL 7

ESCOLA PROFISSIONAL DE ALTE 8

RECURSOS HUMANOS DO GRUPO MUNICIPAL 9

EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE TRABALHADORES 9

DISTRIBUIÇÃO DO NÚMERO DE TRABALHADORES POR GÉNERO 9

MAPA DE FLUXOS DE CAIXA CONSOLIDADO 10

BALANÇO CONSOLIDADO A 31-12-2016 11

EVOLUÇÃO DA DÍVIDA 13

EVOLUÇÃO DO PASSIVO EXIGÍVEL 13

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADA 14

EVOLUÇÃO DOS PROVEITOS E CUSTOS 16

IMPOSTOS E TAXAS VS PROVEITOS TOTAIS 16

CUSTOS COM PESSOAL VS CUSTOS TOTAIS 17

CUSTOS COM PESSOAL E FSE VS IMPOSTOS E TAXAS 17

(4)

INTRODUÇÃO

Com a aprovação da anterior Lei das Finanças Locais, em Fevereiro de 2007, e com a publicação da Lei nº 73/2013 de 3 de Setembro, os municípios que detenham o controlo, de forma directa ou in-directa, sobre entidades de natureza empresarial, serviços municipalizados ou de outra natureza, são obrigados a apresentar demonstrações financeiras consolidadas.

A apresentação das contas individuais do Município não permite uma visão global da situação fi-nanceira do grupo municipal. Desta forma a apresentação das contas consolidadas permite uma avaliação integrada do conjunto das atividades desenvolvidas e aumenta a transparência da infor-mação.

O perímetro de consolidação, conforme definido no artigo 75º da Lei nº 73/2013, de 3 de Setembro, é constituído pelo município e todas as entidades, que o município tenha controlo, de forma directa ou indirecta, de natureza empresarial, serviços municipalizados ou de outra natureza.

Tendo em conta que o Município de Loulé detém a totalidade ou parte do capital de empresas lo-cais, deve apresentar e fornecer uma imagem mais verdadeira e apropriada da situação financei-ra, apresentando, para além das suas contas individuais, demonstrações financeiras com base na técnica de consolidação de contas, que se revela indispensável para a apresentação de demons-trações financeiras que sirvam o propósito de obter informação agregada das diversas entidades, como se de uma única entidade se tratasse.

MUNICÍPIO

DE LOULÉ

(5)

GRUPO MUNICIPAL

O Município de Loulé tem participação no capital das seguintes sociedades:

ENTIDADE PARTICIPADA

TIPO DE

ENTIDADE CAE CAPITAL

PARTICIPAÇÃO NO FINAL DO EXERCÍCIO

OBS.

DENOMINAÇÃO N.I.P.C NOMINAL VALOR

SUBSCRITO % VALOR NOMINAL REALIZADO 1 2 3 4 5 6 7 8 9 INFRAQUINTA - EMPRESA DE INFRAESTRUTURAS DA QUINTA DO LAGO, E.M., S.A. 503830704 Empresa Local 38112 250 000,00 127 500,00 51,00% 127 500,00 INFRALOBO-EMPRESA DE INFRAESTRUTURAS DE VALE DO LOBO, EM, SA 504041193 Empresa Local 38112 240 000,00 122 400,00 51,00% 122 400,00 INFRAMOURA-EMPRESA DE INFRAESTRUTURAS DE VILAMOURA, EM, SA 503830704 Empresa Local 38112 250 000,00 127 500,00 51,00% 127 500,00 LOULÉ CONCELHO

GLOBAL, EM, SA 505493870 Empresa Local 68322 624 000,00 624 000,00 100,00% 624 000,00

MUNICÍPIA, EM, SA 504475606 Empresa Local 71120 3 236 678,67 24 950,00 0,77% 24 950,00

ALGAR - VALOR. E TRATAM. DE RESIDUOS SOLIDOS, S.A. 503600270 Sociedade Anónima 38212 7 500 000,00 437 025,00 5,83% 437 025,00 AGUAS DO ALGARVE,

SA. 505176300 Sociedade Anónima 36001 29 825 000,00 1 693 985,00 5,68% 1 693 985,00

GLOBALGARVE - COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO,

SA

503420360 Sociedade Anónima 74842 279 500,00 15 000,00 5,37% 15 000,00 processo de Em

insolvência SOCIEDADE POLIS LITORAL RIA FORMOSA, SA 508683424 Sociedade Anónima 70220 22 500 000,00 675 000,00 3,00% 675 000,00 EPA - ESCOLA PROFISSIONAL DE ALTE, CIPRL 504612328 Empresa Local (Cooperativa) 85320 56 000,00 30 940,00 55,25% 30 940,00 MATADOURO REGIONAL DO ALGARVE, SA 501459170 Sociedade Anónima 1 409 747,89 30 027,63 2,13% 30 027,63 Em processo de insolvência

(6)

ENTIDADES A CONSOLIDAR

Conforme definido no artigo 75º da Lei nº 73/2013, de 3 de Setembro, o grupo autárquico é cons-tituído pelo município e todas as entidades, que o município tenha controlo, de forma directa ou indirecta, de natureza empresarial, serviços municipalizados ou de outra natureza. Desta forma as entidades do grupo público municipal a consolidar são as seguintes:

INFRAQUINTA - Empresa de Infraestruturas da Quinta do Lago E.M.,S.A. INFRALOBO - Empresa de Infraestruturas de Vale do Lobo E.M.,S.A. INFRAMOURA - Empresa Infraestruturas de Vilamoura E.M.,S.A., LOULÉ Concelho Global EM, SA

EPA – Escola Profissional de Alte CIPRL

As empresas INFRAQUINTA, INFRALOBO e INFRAMOURA têm por objeto social a exploração de atividades de interesse geral e de promoção do desenvolvimento local, na sua área de intervenção e áreas adjacentes, nomeadamente, a gestão e prestação do sistema de adução e distribuição de água para consumo público; a gestão e prestação do sistema de saneamento básico; a gestão e prestação do sistema de recolha de resíduos sólidos urbanos e resíduos verdes; a construção, ges-tão e manutenção das infraestruturas públicas municipais.

A LOULÉ Concelho Global tem como objeto social a promoção, gestão e fiscalização do estaciona-mento público urbano, transportes de passageiros equipaestaciona-mentos coletivos, exploração, manuten-ção e promomanuten-ção comercial do Mercado Municipal de Loulé, assim como a prestamanuten-ção de serviços na área da educação, cultura e desporto.

A EPA – Escola Profissional de Alte CIPRL tem como objeto social o ensino secundário, tecnológico, artístico e profissional.

INFRAQUINTA

A Infraquinta tem por missão gerir os sistemas de serviços básicos de interesse económico geral, da sua área de intervenção que abrange a Quinta do Lago e de outros empreendimentos contíguos, missão que resulta do Contrato de Gestão Delegada celebrado com a Câmara Municipal de Loulé. A Infraquinta E.M tem mantido ao longo dos 20 anos, que celebra este ano, uma atuação de excelência, em pleno respeito dos motivos que levaram à sua criação e na procura incessante da modernização e apetrechamento tecnológico. Esta situação permite, hoje, ter uma gestão otimizada e know how pronto a responder às demais solicitações, quer no terreno, quer técnicas, correspondendo aos pedidos de cooperação de instituições na partilha de conhecimentos. Assim, tem participado em projetos nacionais de otimização de procedimentos, contribuindo assim para uma efetiva gestão eficiente dos seus recursos

(7)

INFRALOBO

O ano de 2016 foi um ano de enormes desafios. Foi um ano de consolidação da INFRALOBO, mas acima de tudo um ano em que mudámos o paradigma na gestão da empresa. Consolidação, porque continuou com a aposta em remodelações/construções de infraestruturas estruturantes para a zona de intervenção da empresa.

No ano 2016 mudou o paradigma de gestão da empresa, porque paralelamente, avançou para a modernização tecnológica ao nível do controlo e gestão de infraestruturas, através de um sistema integrado, denominado “SMART RESORT”, que engloba investimentos em áreas como a teleme-tria, na eficiência energética do edifício Sede, na telegestão, na monitorização de águas residuais e ecopontos, na desmaterialização documental, na gestão de frotas e na resolução de ocorrências com especial foco no Cliente através da App “INFRALOBO SMART MANAGEMENT”. Com este novo modelo, pretende-se ter uma interação maior com o Cliente, cumprir as obrigações de uma forma mais célere, eficaz, eficiente e transparente, para além de dotar a Administração de ferramentas de gestão em tempo útil.

INFRAMOURA

A Inframoura tem por missão prestar um serviço de excelência na gestão, conservação e manuten-ção de todos os espaços públicos, num registo de qualidade e de sustentabilidade económico-finan-ceira, que garanta elevados padrões de vida no território de Vilamoura e Vila Sol.

Pode-se afirmar que o ano 2016 foi um ano de consolidação da atividade desenvolvida pela Infra-moura, numa perspetiva de contínua melhoria dos serviços prestados. A utilização de novos softwa-res informáticos de apoio à técnica, administrativa e operacional, permitiu identificar problemas, monitorizar atuações e encontrar soluções mais rápidas para colmatar alguns constrangimentos detetados na território de Vilamoura e Vila Sol.

LOULÉ CONCELHO GLOBAL

A Loulé Concelho Global tem por missão gerar valor social, económico e ambiental através da pres-tação de serviços aos cidadãos, que contribuam para o desenvolvimento económico local, para o crescimento da qualidade de vida e para o desenvolvimento sustentável do concelho de Loulé. O modelo de gestão para o ano de 2016 seguiu por coerência os mesmos pressupostos dos 2 anos iniciais do atual mandato do Conselho de Administração, designadamente na opção de privilegiar sempre uma gestão criteriosa, económica-financeiramente sustentada e necessariamente cons-ciente dos principais objetivos a atingir, nomeadamente na apresentação de um resultado financeiro equilibrado, garantindo um prazo médio de pagamento a fornecedores não superior a 60 dias e ainda conseguir uma redução anual do endividamento líquido acima de 5%. No entanto, importa, também neste momento fazer referência ao facto do Conselho de Administração não prescindir do valor social associado ao seu modelo de gestão, o qual se considera, desejavelmente e sempre que possível, paralelo ao necessário interesse económico-financeiro.

(8)

ESCOLA PROFISSIONAL DE ALTE

Em termos funcionais e relativamente à atividade desenvolvida no ano 2016, foi prioridade dar con-tinuidade à regularização e à autonomização do processo administrativo e pedagógico da Escola Profissional Cândido Guerreiro. Em termos sucintos, além da atividade curricular normal calen-darizada, deu-se continuidade ao desenvolvimento de atividades diversas, dentro do leque das já habituais, tendo em vista em primeiro lugar, os alunos.

DADOS / INDICADORES FINANCEIROS DAS EMPRESAS DO GRUPO AUTÁRQUICO

O seguinte quadro apresenta alguns dados / indicadores financeiros do ano 2016. DADOS

FINANCEIROS INFRAQUINTA INFRALOBO INFRAMOURA LCGLOBAL ESCOLA DE ALTE

Vendas e Serviços

Prestados 5 824 261 € 4 411 181 € 8 521 106 € 1 193 276 € 48 473 €

Subsídios à exploração 48 080 € 91 491 € 393 600 € 430 406 € 796 325 €

Custo das mercadorias vendidas e das matérias

consumidas 815 705 € 723 632 € 1 701 067 € 0 € 26 524 €

Fornecimentos e serviços

externos 2 015 293 € 2 147 471 € 3 456 867 € 900 438 € 181 459 €

Gastos com pessoal 1 635 662 € 1 550 510 € 2 392 120 € 702 162 € 623 262 €

Amortizações / Depreciações 421 657 € 264 093 € 680 120 € 181 160 € 107 216 € Resultado operacional 943 941 € 176 374 € 229 725 € 24 392 € 5 069 € Resultado líquido do exercício 747 727 € 156 481 € 116 159 € 16 566 € 3 115 € Passivo total 2 910 025 € 2 086 332 € 3 175 715 € 1 504 781 € 116 241 € INDICADORES

FINANCEIROS INFRAQUINTA INFRALOBO INFRAMOURA LCGLOBAL ESCOLA DE ALTE

Liquidez Geral = Ativo

Corrente / Passivo Corrente 196,7% 107,3% 56,2% 135,9% 633,9%

Liquidez Imediata = Meios Financeiros Líquidos /

Passivo Corrente 157,5% 46,3% 21,0% 114,3% 618,3%

Endividamento = Passivo /

Ativo Líquido 46,7% 62,8% 76,1% 41,6% 7,0%

Autonomia Financeira = Capitais Próprios / Ativo

Líquido 53,3% 37,2% 23,9% 58,4% 92,8% Solvabilidade = Capitais Próprios / Passivo 114,2% 59,2% 31,5% 140,3% 1322,0% Capacidade de Endividamento = Capitais Próprios / Capitais Permanentes 75,3% 100,0% 80,9% 65,0% 100,0% Estrutura de Endividamento = Passivo Corrente / Passivo

Total 62,6% 100,0% 92,6% 24,6% 100,0%

Rentabilidade do Ativo = (Resultados Antes de Impostos + Encargos Financeiros) /Ativo Total

15,2% 5,4% 5,5% 0,7% 0,3%

Rotação do Ativo = Vendas

/ Ativo 93,4% 132,8% 204,1% 33,0% 2,9%

(Vendas + Prestações de Serviços) / Gastos Totais -

alínea a) do nº 1 da Lei nº 50/2012, de 31/08 116,2% 93,8% 95,7% 64,2% N/A Subsídios à exploração da CML / Receitas - alínea b) do nº 1 da Lei nº 50/2012, de 31/08 0,5% 1,9% 4,3% 22,9% 8,9%

(9)

RECURSOS HUMANOS DO GRUPO MUNICIPAL

1 871 1 911 1 836 1 815 2016 EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE TRABALHADORES

No final do ano 2016, o núme-ro de trabalhadores ascendia a 1.871, o que representa um crescimento de 56 trabalhado-res (+3,1%).

DISTRIBUIÇÃO DO NÚMERO DE TRABALHADORES POR GÉNERO No final do ano 2016, a

distri-2016

Homens

Mulheres

46%

(10)

RECEBIMENTOS 2016 2015 Saldo da Gerência anterior 48 768 619,80 27 448 682,89 Execução Orçamental 42 774 552,33 21 121 980,08 Operações de Tesouraria 5 994 067,47 6 326 702,81 Total de Receitas Orçamentais 137 367 235,87 127 770 074,86 Receitas Correntes 125 312 092,24 119 003 446,02 Receitas Capital 12 055 143,63 8 766 628,84 Receitas Outras 0,00 0,00 Operação de Tesouraria 8 480 094,10 9 843 125,43 Total… 194 615 949,77 165 061 883,18 PAGAMENTOS 2016 2015 Total das Despesas Orçamentais 111 136 063,12 106 117 502,61 Despesas Correntes 86 663 829,70 81 198 166,31 Despesas Capital 24 472 233,42 24 919 336,30 Despesas Outras 0,00 0,00 Operações de Tesouraria 8 596 871,30 10 175 760,77 Saldo para a Gerência Seguinte 74 883 015,35 48 768 619,80 Execução Orçamental 69 005 725,08 42 774 552,33 Operações de Tesouraria 5 877 290,27 5 994 067,47 Total… 194 615 949,77 165 061 883,18

MAPA DE FLUXOS DE CAIXA CONSOLIDADO

No ano 2016 o grupo municipal apresentou um crescimento das receitas em 9,6 milhões de euros, ou seja um acréscimo de 7,5%.

(11)

ACTIVO LÍQUIDO

ANO N ANO N-1

IMOBILIZADO

Bens de Domínio Público 94 943 915,24 97 234 703,31 Imobilizações Incorpóreas 2 522 536,43 2 739 983,18 Imobilizações Corpóreas 213 176 528,90 212 615 496,84 Investimentos Financeiros 8 352 463,70 8 151 063,83 Sub-total 318 995 444,27 320 741 247,16 CIRCULANTE Existêcias 640 078,17 616 325,60

Dívidas de Terceiros - C/ Prazo 4 376 233,45 3 367 220,16

Títulos Negociáveis 0,00 0,00

Depósitos em I.F. e Caixa 74 883 016,90 48 768 619,48

Sub-total 79 899 328,52 52 752 165,24

Acréscimos e Diferimentos 7 143 501,39 3 000 656,29

FUNDOS PRÓPRIOS E PASSIVO

ANO N ANO N-1

FUNDOS PRÓPRIOS

Património 74 131 406,13 70 947 298,70

Ajust. de Partes de Capital

empresas 100 741,68 0,00

Reservas 130 933 705,87 108 332 395,39

Resultados Transitados 38 082 316,89 34 379 669,85 Diferenças de Consolidação 1 075 974,55 1 176 716,23 Resul. Líquido do Exercício 25 186 971,92 24 913 080,95

Total dos Fundos

Próprios 269 511 117,04 239.749.161,13

Interesses Minoritarios 1 927 644,59 1 553 264,32 PASSIVO

Provisões para riscos e

encargos 2 938 055,37 3 586 577,23

Sub-total 2 938 055,37 3 586 577,23

DÍVIDAS A TERCEIROS M/L PRAZO

Empréstimos M/L Prazo 35 403 440,54 39 552 528,08 Fundo de Apoio Municipal 3 046 096,27 3 655 315,27

Sub-total 38 449 536,81 43 207 843,35

DÍVIDAS A TERCEIROS C/ PRAZO

Dívidas a Terceiros C/Prazo 0,00 0,00

Fornecedores 3 065 852,74 2 970 036,03

Fornecedores de Imobilizado 444 984,43 497 859,10 Garantias e Cauções 5 964 949,84 6 057 343,55 Estado e Outros Entes Públicos 725 936,47 710 136,38

Outros Credores 605 509,27 550 164,91

Sub-total 134 599 512,55 10 785 539,97

(12)

No ano 2016 o ativo líquido do grupo municipal é financiado em 67% por fundos próprios, enquanto que em 2015 repre-sentava 64%.

Total do Passivo Total dos Fundos Próprios

2016

67% 33%

2015

64% 36%

No final de 2016 o total do Ba-lanço ascende a 406 milhões de euros, o que representa um acréscimo de 7,8% relativa-mente ao ano transacto.

As Dívidas a terceiros de M/L Prazo apresenta um diminui-ção de 4,8 milhões de euros relativamente ao ano 2015, ou seja, uma redução de 11%.

(13)

EVOLUÇÃO DA DÍVIDA

No ano 2016, registou-se uma redução da dívida (orçamental) de 9,3% relativamente ao ano 2015, no valor de 4,6 milhões de euros.

EVOLUÇÃO DO PASSIVO EXIGÍVEL No ano 2016, o passivo exigível registou um decréscimo de 4,8 milhões de euros, de 62,4 mi-lhões de euros em 2015 para 57,6 milhões de euros em 2016.

(14)

CUSTOS E PERDAS

ANO N ANO N-1

CUSTOS E PERDAS OPERACIONAIS:

Custo das Merc. Vend. e Mat.

Consumidas 7 847 438,13 7 705 632,86

Fornecimentos e Serviços Externos 35 249 983,28 31 816 105,97 Custos com o Pessoal 32 606 975,00 32 338 764,29 Trans. e Subs. Correntes Concedidos 4 873 819,48 3 895 680,50

Amortizações do Exercício 15 051 941,15 15 233 465,59 Provisões do Exercício 112 010,82 665 374,91 Outros Custos e Perdas Operacionais 649 631,10 475 795,04

96 391 798,96 92 130 819,15

Custos e Perdas Financeiros 218 413,80 299 650,24

96 610 212,76 92 430 469,39

Custos e Perdas Extraordinários 5 696 303,99 3 792 685,78

102 306 516,75 96 223 155,17

Resultado Líquido do Grupo Municipal 25 186 971,92 24 913 080,95

127 493 488,67 121 136 236,13

Interesses Minoritários -501 374,49 -374 380,27

PROVEITOS E GANHOS

ANO N ANO N-1

PROVEITOS E GANHOS OPERACIONAIS:

Vendas e Prestações de Serviços 31 300 666,74 26 292 222,18 Impostos e Taxas 70 346 423,73 70 555 067,95 Variação da Produção

Proveitos Suplementares 27 690,16 12 384,12

Transferências e Subsídios Obtidos 14 020 646,71 14 346 864,07 Outros Proveitos e Ganhos Operacionais 449 320,98 274 071,06

116 144 748,32 111 480 609,38

Proveitos e Ganhos Financeiros 5 728 871,98 5 427 023,43

121 873 620,3 116 907 632,81

Proveitos e Ganhos Extraordinários 5 619 868,37 4 228 603,32

127 493 488,67 121 136 236,13

(15)

7 - Outros Custos e Perdas Operacionais 8 - Custos e Perdas Financeiros 9 - Custos e Perdas Extraordinários 1 - Custo das Merc. Vend. e Mat. Consumidas

2 - Fornecimentos e Serviços Externos 3 - Custos com o Pessoal

4 - Trans. e Subs. Correntes Concedidos 5 - Amortizações do Exercício 6 - Provisões do Exercício

10 - Resultado Líquido do Exercício 11 - TOTAL

(16)

90 312 516,91 121 136 236,13 127 493 488,67 85 918 414,53 112 934 515,44 80 168 448,61 108 020 010,83 73 747 635,14 127 493 488,67 102 306 516,75

EVOLUÇÃO DOS PROVEITOS E CUSTOS

O resultado líquido do exercício consolidado de 2016 no valor de 25.186.971,92 EUR, repre-senta um crescimento de 1,1% relativamente ao ano 2015.

IMPOSTOS, TAXAS E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS VS PROVEITOS TOTAIS

No ano 2016, as rubricas “Impos tos, Taxas e Prestação de Serviços” representam cer-ca de 71% dos proveitos totais do grupo municipal. 31 300 666,74 121 136 236,13 127 493 488,67 26 292 222,18 112 934 515,44 23 795 208,20 108 020 010,83 22 883 455,86 VENDAS E PRESTAÇÃO

DE SERVIÇOS VENDAS E PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS VS PROVEITOS TOTAIS

No ano 2016, as rubricas “Ven-das” e “Pres tação de Serviços” representa cerca de 25% dos proveitos to tais do grupo mu-nicipal.

(17)

CUSTOS COM PESSOAL VS CUSTOS TOTAIS

No ano 2016, a rubrica “custos com pessoal” representa cer-ca de 32% dos custos totais do grupo municipal.

32 606 975,00

102 306 516,75

CUSTOS COM PESSOAL E FSE VS IMPOSTOS E TAXAS

No ano 2016 os custos com pessoal e fornecimentos / ser-viços externos representam 96,5% dos proveitos provenien-tes dos impostos e taxas. No ano 2013 esta relação repre-sentava 104,7%.

67 856 958,28 70 346 423,73

(18)

INDICADORES

INDICADORES 2013 2014 2015 2016

Estrutura Endividamento = Passivo Curto Prazo / Passivo 11,9% 9,0% 8,0% 8,0% Autonomia Financeira = Fundo Patrimonial / Activo Total 55,4% 61,1% 63,7% 66,4% Rentabilidade dos Capitais Próprios = Resultado Líquido /

Capitais Próprios 8,7% 9,7% 10,4% 9,3% Cobertura Imobilizado = Capitais Permanentes /

Imobilizado Líquido 79,7% 81,8% 88,2% 96,5% Liquidez Imediata = Disponibilidades / Passivo Curto Prazo 116,2% 213,6% 452,2% 692,9% Liquidez Geral = Activo Circulante / Passivo Curto Prazo 167,4% 288,8% 489,2% 739,3% Custos com Pessoal / Custos Totais 36,6% 35,6% 33,6% 31,9% FSE / Custos Totais 31,8% 31,5% 33,1% 34,5% Vendas e Prestações de Serviços / Proveitos Totais 21,2% 21,1% 21,7% 24,6% Impostos e Taxas / Proveitos Totais 54,6% 57,5% 58,2% 55,2% Custos com Pessoal e FSE / Impostos e Taxas 104,7% 94,0% 90,9% 96,5%

(19)
(20)

Imagem

Referências

temas relacionados :