o anglo resolve a prova de Português da UNESP

Texto

(1)

É trabalho pioneiro.

Prestação de serviços com tradição de confiabilidade.

Construtivo, procura colaborar com as Bancas Examinadoras em sua tare- fa de não cometer injustiças.

Didático, mais do que um simples gabarito, auxilia o estudante no processo de aprendizagem, graças a seu formato: reprodução de cada questão, seguida da resolução elaborada pelos professores do Anglo.

No final, um comentário sobre as disciplinas.

A Universidade Estadual Paulista — Unesp — tem unidades instaladas em várias cidades do estado de São Paulo: Araçatuba, Araraquara, Assis, Bauru, Botucatu, Franca, Guaratinguetá, Ilha Solteira, Jaboticabal, Marília, Presi- dente Prudente, Rio Claro, São José dos Campos, São José do Rio Preto e São Paulo.

Seu vestibular é realizado pela Fundação Vunesp, em uma única fase.

São 3 provas (cada uma valendo 100 pontos), a serem realizadas em até 4 horas, em dias consecutivos, assim constituídas:

dia: Prova de Conhecimentos Gerais (peso 1), comum para todas as áreas, com 84 testes de múltipla escolha divididos igualmente entre Matemática, Física, Química, Biologia, Geografia, História e Língua Es- trangeira (Inglês ou Francês).

dia: Prova de Conhecimentos Específicos (peso 2), com 25 questões discursivas. As disciplinas que compõem essa prova variam conforme a área pela qual o candidato optou:

Área de Ciências Biológicas — Biologia (10 questões), Química (6 ques- tões), Física (5 questões) e Matemática (4 questões).

Área de Ciências Exatas — Matemática (10 questões), Física (9 questões) e Química (6 questões).

Área de Humanidades— História (10 questões), Geografia (9 questões) e Língua Portuguesa (6 questões).

dia: Prova de Língua Portuguesa (peso 2), comum para todas as áreas, constando de 10 questões discursivas e uma redação.

A nota final é a média ponderada das provas.

Observação: A Unesp utiliza a nota dos testes do ENEM, aplicando-a se- gundo esta fórmula: , em que CG é a nota da prova de Co- nhecimentos Gerais e E é a nota do ENEM. O resultado só é levado em conta quando favorece o candidato.

4 CG 1E

× +5

o anglo resolve

a prova de Português da UNESP

A cobertura dos vestibulares de 2003 está sendo feita pe- lo Anglo em parceria com a Folha Online.

(2)

INSTRUÇÃO: As questões de números 01a 03tomam por base um fragmento da crônica Conversa de Bastidores, do fic- cionista brasileiro Graciliano Ramos (1892-1953), e um trecho da narrativa O Burrinho Pedrês, do ficcionista brasileiro João Guimarães Rosa (1908-1967).

Conversa de Bastidores […]

Em fim de 1944, Ildefonso Falcão, aqui de passagem, apresentou-me J. Guimarães Rosa, secretário de embaixada, recém-chegado da Europa.

— O senhor figurou num júri que julgou um livro meu em 1938.

— Como era o seu pseudônimo?

— Viator.

— Ah! O senhor é o médico mineiro que andei procurando.

Ildefonso Falcão ignorava que Rosa fosse médico, mineiro e literato. Fiz camaradagem rápida com o secretário de embaixada.

— Sabe que votei contra o seu livro?

— Sei, respondeu-me sem nenhum ressentimento.

Achando-me diante de uma inteligência livre de mesquinhez, estendi-me sobre os defeitos que guardara na memória.

Rosa concordou comigo. Havia suprimido os contos mais fracos. E emendara os restantes, vagaroso, alheio aos futuros leitores e à crítica. […]

Vejo agora, relendo Sagarana(Editora Universal — Rio — 1946), que o volume de quinhentas páginas emagreceu bas- tante e muita consistência ganhou em longa e paciente depuração. Eliminaram-se três histórias, capinaram-se diversas coisas nocivas. As partes boas se aperfeiçoaram:O Burrinho Pedrês, A Volta do Marido Pródigo, Duelo, Corpo Fechado, sobretudo Hora e Vez de Augusto Matraga, que me faz desejar ver Rosa dedicar-se ao romance. Achariam aí campo mais vasto as suas admiráveis qualidades: a vigilância na observação, que o leva a não desprezar minúcias na aparência insignificante, uma honestidade quase mórbida ao reproduzir os fatos. Já em 1938 eu havia atentado nesse rigor, indicara a Prudente de Morais numerosos versos para efeito onomatopaico intercalados na prosa. […]

A arte de Rosa é terrivelmente difícil. Esse antimodernista repele o improviso. Com imenso esforço escolhe palavras simples e nos dá impressão de vida numa nesga de caatinga, num gesto de caboclo, uma conversa cheia de provérbios matu- tos. O seu diálogo é rebuscadamente natural: desdenha o recurso ingênuo de cortar ss,lle rrfinais, deturpar flexões, e aproximar-se, tanto quanto possível, da língua do interior.

Devo acrescentar que Rosa é um animalista notável: fervilham bichos no livro, não convenções de apólogo, mas irra- cionais, direitos exibidos com peladuras, esparavões e os necessários movimentos de orelha e de rabos. Talvez o hábito de examinar essas criaturas haja aconselhado o meu amigo a trabalhar com lentidão bovina.

Certamente ele fará um romance, romance que não lerei, pois, se for começado agora, estará pronto em 1956, quando os meus ossos começarem a esfarelar-se.

(Graciliano Ramos, Conversa de bastidores. In:Linhas tortas)

O Burrinho Pedrês […]

Nenhum perigo, por ora, com os dois lados da estrada tapados pelas cercas. Mas o gado gordo, na marcha contraída, se desordena em turbulências. Ainda não abaixaram as cabeças, e o trote é duro, sob vez de aguilhoadas e gritos.

— Mais depressa, é para esmoer?! — ralha o Major. — Boiada boa!...

Galhudos, gaiolos, estrelos, espácios, combucos, cubetos, lobunos, lompardos, caldeiros, cambraias, chamurros, churria- dos, corombos, cornetos, bocalvos, borralhos, chumbados, chitados, vareiros, silveiros… E os tocos da testa do mocho ma- cheado, e as armas antigas do boi cornalão…

— P’ra trás, boi-vaca!

— Repele Juca… Viu a brabeza dos olhos? Vai com sangue no cangote…

— Só ruindade e mais ruindade, de em-desde o redemunhoda testa até na volta da pá! Este eu não vou perder de olho, que ele é boi espirrador…

Apuram o passo, por entre campinas ricas, onde pastam ou ruminam outros mil e mais bois. Mas os vaqueiros não es- morecem nos eias e cantigas, porque a boiada ainda tem passagens inquietantes: alarga-se e recomprime-se, sem motivo, e mesmo dentro da multidão movediça há giros estranhos, que não os deslocamentos normais do gado em marcha — quando sempre alguns disputam a colocação na vanguarda, outros procuram o centro, e muitos se deixam levar, empurrados, sobre- nadando quase, com os mais fracos rolando para os lados e os mais pesados tardando para trás, no coice da procissão.

U U P U

P

P

OOORRR

T T T G G G

UUU ÊÊÊ

S S S

(3)

— Eh, boi lá!… Eh-ê-ê-eh, boi!... Tou! Tou! Tou…

As ancas balançam, e as vagas de dorsos, das vacas e touros, batendo com as caudas, mugindo no meio, na massa embolada, com atritos de couros, estralos de guampas, estrondos e baques, e o berro queixoso do gado junqueira, de chifres imensos, com muita tristeza, saudade dos campos, querência dos pastos de lá do sertão…

“Um boi preto, um boi pintado, cada um tem sua cor.

Cada coração um jeito de mostrar o seu amor.”

Boi bem bravo, bate baixo, bota baba, boi berrando… Dança doido, dá de duro, dá de dentro, dá direito… Vai, vem, volta, vem na vara, vai não volta, vai varando…

“Todo passarinh’ do mato tem seu pio diferente.

Cantiga de amor doído não carece ter rompante…”.

Pouco a pouco, porém, os rostos se desempanam e os homens tomam gesto de repouso nas selas, satisfeitos. Que de trinta, trezen- tos ou três mil, só está quase pronta a boiada quando as alimárias se aglutinam em bicho inteiro — centopeia —, mesmo prestes assim para surpresas más.

(João Guimarães Rosa, O burrinho pedrês. In:Sagarana)

No artigo Conversa de Bastidores, publicado em 1946, Graciliano Ramos revela haver votado em Maria Perigosa, de Luís Jardim, e não em Contos, de Viator (pseudônimo de Guimarães Rosa), no desempate final de um concurso promovido em 1938 pela Editora José Olympio. Sem desanimar com a derrota, Guimarães Rosa veio a publicar seu livro, com modificações, em 1946, sob o título de Sagarana, que o revelou como um dos maiores escritores da modernidade no Brasil. Releia as duas pas- sagens e, a seguir,

a) interprete o que quer dizer Graciliano, no contexto, com a expressão “achando-me diante de uma inteligência livre de mesquinhez”;

b) localize, numa das cinco falas de personagens do fragmento de Guimarães Rosa, um exemplo que confirme a observação de Graciliano, de que o autor de Sagarana, ao representar tais falas, “desdenha o recurso ingênuo de cortar ss,lle rr finais”.

Resolução:

a) Graciliano Ramos quer dizer que Guimarães Rosa era uma pessoa generosa, sem pobreza de espírito, pois não ma- nifestou ressentimento pelo voto contrário ao livro Sagarananum concurso literário.

b) Na tentativa de representar a fala popular, é muito comum “cortar ss,lle rr” no final das palavras. Rosa desdenha esse “recurso ingênuo”, como se percebe, por exemplo, em:

“— Mais depressa, é para esmoer?!”

Note-se que Rosa não escreve “esmoê”, como seria esperado.

O estilo narrativo de Guimarães Rosa, como o próprio Graciliano lembra em seu artigo, é caracterizado, entre outros aspec- tos, pelo alto índice de musicalidade, pelo recurso a procedimentos rítmicos e rímicos característicos da poesia, como por exemplo no nono parágrafo, que pode ser lido como uma seqüência de 16 versos de cinco sílabas (As ancas balançam, / e as vagas de dorsos, / das vacas e touros, / batendo com as caudas, /etc.) ou de 8 versos de onze sílabas (As ancas balançam, e as vagas de dorsos, / das vacas e touros, batendo com as caudas, / etc.). Depois de observar atentamente este comentário e os exemplos,

a) indique, no trecho de O Burrinho Pedrês, outro parágrafo que possa ser integralmente lido sob a forma de versos regulares;

b) estabeleça, com base em sua leitura, o número de sílabas de cada verso e o número de versos que tal parágrafo contém.

Resolução:

a) Além do parágrafo exemplificado na pergunta, outros dois podem ser lidos integralmente sob a forma de versos regulares: o 3ºparágrafo e aquele iniciado por “Boi bem bravo...”

b) O 3ºparágrafo pode ser dividido em 7 versos de 11 sílabas, ou 14 versos de 5 sílabas:

▼▼ Questão 01

▼▼ Questão 02

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11

Ga lhu dos gai o los es tre los es cios

com bu cos cu be tos lo bu nos lom par dos

cal dei ros cam brai as cha mu rros chu rria dos

(4)

ou

O outro parágrafo pode ser dividido em 6 versos de 7 sílabas:

Muitas palavras podem atuar nas frases como representantes de diferentes classes e exercer, portanto, diferentes funções sintáticas. Tendo em mente esta informação,

a) determine, com base em características formais da frase em que se encontra, a classe de palavras em que se enquadra a palavra eias, empregada por Guimarães Rosa no sétimo parágrafo do trecho citado;

b) considerando que, no quarto período do antepenúltimo parágrafo de seu texto, Graciliano Ramos representou três palavras visualmente por meio das letras dobradas rr,lle ss, reescreva esse período, substituindo tais letras dobradas pelas palavras correspondentes.

Resolução:

a) Normalmente usada na língua como interjeição expressiva de encorajamento, a palavra eia, no contexto em que é empregada por Guimarães Rosa, se enquadra na classe dos substantivos.

Com efeito, além de estar determinada pelo artigo definido, é colocada no plural, o que não é próprio da interjeição.

Além disso, a palavra vem coordenada com o substantivo cantigas. Sabe-se que a coordenação só se dá entre elementos de mesma natureza.

Logo, em “os vaqueiros não esmorecem nos eias e cantigas”, a palavra eiasrepresenta a classe dos substantivos.

É como se disséssemos: os vaqueiros não esmorecem nos bradose cantigas.

b) Feitas as substituições solicitadas, o período ganha a seguinte redação:

O seu diálogo é rebuscadamente natural: desdenha o recurso ingênuo de cortar esses,eles e erresfinais, deturpar flexões, e aproximar-se, tanto quanto possível, da língua do interior.

INSTRUÇÃO: As questões de números 04a 07tomam por base o poema Soneto, do poeta romântico brasileiro José Bonifácio, o Moço (1827-1886), e o poema Visita à Casa Paterna, do poeta parnasiano brasileiro Luís Guimarães Júnior (1845-1898).

Soneto

Deserta a casa está… Entrei chorando, De quarto em quarto, em busca de ilusões!

Por toda a parte as pálidas visões!

Por toda a parte as lágrimas falando!

05 Vejo meu pai na sala, caminhando, Da luz da tarde aos tépidos clarões, De minha mãe escuto as orações Na alcova, aonde ajoelhei rezando.

Brincam minhas irmãs (doce lembrança!…), 10 Na sala de jantar… Ai! mocidade,

És tão veloz, e o tempo não descansa!

Oh! sonhos, sonhos meus de claridade!

Como é tardia a última esperança!…

Meu Deus, como é tamanha esta saudade!…

(José Bonifácio, o Moço.Poesias. São Paulo:

Conselho Estadual de Cultura, 1962)

1 2 3 4 5 6 7

Boi bem bra vo ba te bai xo

bo ta ba ba boi be rran do

Dan ça doi do de du ro

1 2 3 4 5

Ga lhu dos gai o lo

es tre los es cios

com bu cos cu be tos

▼▼ Questão 03

(5)

Visita à Casa Paterna

Como a ave que volta ao ninho antigo, Depois de um longo e tenebroso inverno, Eu quis também rever o lar paterno, O meu primeiro e virginal abrigo:

05 Entrei. Um Gênio carinhoso e amigo, O fantasma, talvez, do amor materno,

Tomou-me as mãos, — olhou-me, grave e terno, E, passo a passo, caminhou comigo.

Era esta a sala… (Oh! se me lembro! e quanto!) 10 Em que da luz noturna à claridade,

Minhas irmãs e minha mãe… O pranto Jorrou-me em ondas… Resistir quem há-de?

Uma ilusão gemia em cada canto, Chorava em cada canto uma saudade.

(Luís Guimarães Junior,Sonetos e Rimas)

Em nota de rodapé ao Sonetode José Bonifácio, o Moço, os organizadores da edição mencionada, Alfredo Bosi e Nilo Scalzo, fazem o seguinte comentário: “Talvez tenha-se inspirado neste soneto o parnasiano Luís Guimarães Jr., ao compor o famoso

‘Visita à casa paterna’.” Releia os poemas atentamente e, em seguida, a) enuncie o tema comum aos dois textos;

b) indique dois aspectos da forma poemática (versificação, rimas, estrofes) em que haja identidade entre os dois poemas.

Resolução:

a) O tema de ambos os textos é a saudade do convívio familiar, despertada por uma visita à casa onde o eu lírico passara a juventude. Trata-se de uma tópica largamente praticada no Romantismo, em que a infância feliz do passado é contraposta ao presente da vida madura, marcada pela melancolia e pelo sentimento de perda.

b) Os dois textos são organizados na forma fixa do soneto, cuja estrutura é determinada pela disposição de 14 versos, agrupados em duas estrofes de quatro versos (quartetos), seguidas por outras duas de três versos (tercetos). Ambos são compostos com versos decassílabos e com a mesma disposição de rimas, que pode ser representada pelo esquema ABBA/ABBA/CDC/DCD.

Uma das semelhanças mais notáveis entre os dois poemas está justamente nas personagens evocadas: pai, mãe, irmãs. Com base nesta informação,

a) estabeleça a diferença entre Sonetoe Visita à Casa Paternaquanto ao modo de aludirem ao pai de família;

b) aponte, no poema de Luís Guimarães Jr., uma personagem que não é referida no de José Bonifácio.

Resolução:

a) No “Soneto”, de José Bonifácio, o Moço, a figura do pai de família é evocada diretamente, por meio da expressão “meu pai”. No soneto de Luís Guimarães Junior, a mesma figura é evocada indiretamente, por meio da expressão “lar paterno”.

Em outras palavras, no primeiro caso, de modo substantivo; no segundo, adjetivo.

b) A personagem que está presente no poema de Luís Guimarães Junior e ausente do “Soneto”, de José Bonifácio, o Moço, é o “Gênio carinhoso e amigo”, que toma o eu lírico pela mão e o acompanha na visita à casa.

Para atender a necessidades de ritmo e de rima, os poetas praticam com naturalidade e freqüência inversões e deslocamentos no padrão de disposição dos termos na oração (sujeito, verbo, complementos). Partindo desta constatação, analise a estrutura sintática das frases “Brincam minhas irmãs na sala de jantar” e “Chorava em cada canto uma saudade” e, logo após, a) reescreva-as na ordem que seus termos apresentariam de acordo com o padrão mencionado;

b) demonstre as identidades que há entre as duas orações no que diz respeito às funções sintáticas dos termos que as cons- tituem.

▼▼ Questão 04

▼▼ Questão 05

▼▼ Questão 06

(6)

Resolução:

a) Minhas irmãs brincam na sala de jantar.

Uma saudade chorava em cada canto.

b) Ambas as orações são constituídas por um sujeito simples e um predicado verbal (com um verbo intransitivo e um adjunto adverbial de lugar):

Portanto as duas orações têm a mesma estrutura sintática.

José Bonifácio, o Moço, era um poeta romântico, enquanto Luís Guimarães Jr. era um parnasiano com raízes românticas. Os dois poemas apresentam características que servem de exemplo para tais observações. Levando em conta esse comentário, a) identifique um traço típico da poética romântica presente nos dois poemas;

b) aponte, em Visita à Casa Paterna, um aspecto característico da concepção parnasiana de poesia.

Resolução:

a) A estética romântica apresenta-se, em ambos os poemas, de maneira bastante evidente. Poder-se-iam arrolar os seguintes traços:

• A exacerbação do sentimentalismo: “Entrei chorando / De quarto em quarto, em busca de ilusões!”, exclama o eu lírico de Soneto, enquanto em Visita à Casa Paternase lê: “O pranto / Jorrou-me em ondas...”

• O apelo à infância como paraíso perdido de um eu lírico agora (na maturidade) entristecido, que ecoa os versos do

“poeta da infância”, Casimiro de Abreu: em José Bonifácio, “Ai! mocidade, / És tão veloz, e o tempo não descansa!”;

em Luís Guimarães Junior, “Depois de um longo e tenebroso inverno, / Eu quis também rever o lar paterno, / O meu primeiro e virginal abrigo:”

• A projeção da subjetividadedo eu lírico sobre todas as coisas que o rodeiam — nos dois poemas, especificamente sobre a casa paterna: no Soneto, “Por toda a parte as pálidas visões! / Por toda parte as lágrimas falando!”; em Visita à Casa Paterna: “Uma ilusão gemia em cada canto, / Chorava em cada canto uma saudade.”

• O culto do sonho e da ilusão: “Entrei chorando / De quarto em quarto, em busca de ilusões!” e “Oh! sonhos, sonhos meus de claridade!”, lê-se no poema de José Bonifácio; no de Luís Guimarães Junior: “Uma ilusão gemia em cada canto” e “Um Gênio carinhoso e amigo, / O fantasma, talvez do amor materno.”

• O culto da saudade: “Meu Deus, como é tamanha esta saudade!...” e “Chorava em cada canto uma saudade.”

• A referência à mãe e à irmã como símbolos de inocência: “Brincam minhas irmãs (doce lembrança!...)” está em Sonetoe “Minhas irmãs e minha mãe...” em Visita à Casa Paterna.

b) Em rigor, do ponto de vista do conteúdo, o poema Visita à Casa Paternaé absolutamente romântico. Há, no entanto, sutis traços parnasianos na sua estruturação poética: a insistência na rima rica(entre palavras de classes gramaticais diferentes): antigo/abrigo; inverno/paterno; amigo/comigo; quanto/pranto; e, até mesmo, na presença de uma rima pre- ciosa(uma locução com uma palavra): há-de/saudade.

Para formar a rima preciosa, Luís Guimarães Junior lança mão de um torneio lingüísticotípico do preciosismo parnasiano: “Resistir quem há-de?”

Outro traço, que não é necessariamente parnasiano, mas de predileção dessa escola, é a escolha da forma fixa do soneto, que os românticos não valorizavam tanto, embora não o desprezassem completamente, como se pode observar no poema de José Bonifácio.

As questões de números 08a 10tomam por base o poema Lisbon Revisited, do heterônimo Álvaro de Campos do poeta moder- nista português Fernando Pessoa (1888-1935), e a letra da canção Metamorfose Ambulante, do cantor e compositor brasileiro Raul Seixas (1945-1989).

Lisbon Revisited (1923) Não: não quero nada.

Já disse que não quero nada.

Não me venham com conclusões!

A única conclusão é morrer.

Minhas irmãs brincam na sala de jantar

Uma saudade chorava em cada canto

sujeito verbo adjunto adverbial

simples intransitivo de lugar

▼▼ Questão 07

(7)

05 Não me tragam estéticas!

Não me falem em moral!

Tirem-me daqui a metafísica!

Não me apregoem sistemas completos, não me enfileirem conquistas Das ciências (das ciências, Deus meu, das ciências!) —

10 Das ciências, das artes, da civilização moderna!

Que mal fiz eu aos deuses todos?

Se têm a verdade, guardem-na!

Sou um técnico, mas tenho técnica só dentro da técnica.

Fora disso sou doido, com todo o direito a sê-lo.

15 Com todo o direito a sê-lo, ouviram?

Não me macem, por amor de Deus!

Queriam-me casado, fútil, quotidiano e tributável?

Queriam-me o contrário disto, o contrário de qualquer coisa?

Se eu fosse outra pessoa, fazia-lhes, a todos, a vontade.

20 Assim, como sou, tenham paciência!

Vão para o diabo sem mim,

Ou deixem-me ir sozinho para o diabo!

Para que havemos de ir juntos?

Não me peguem no braço!

25 Não gosto que me peguem no braço. Quero ser sozinho.

Já disse que sou sozinho!

Ah, que maçada quererem que eu seja da companhia!

Ó céu azul — o mesmo da minha infância — Eterna verdade vazia e perfeita!

30 Ó macio Tejo ancestral e mudo, Pequena verdade onde o céu se reflete!

Ó mágoa revisitada, Lisboa de outrora de hoje!

Nada me dais, nada me tirais, nada sois que eu me sinta.

Deixem-me em paz! Não tardo, que eu nunca tardo...

35 E enquanto tarda o Abismo e o Silêncio quero estar sozinho!

(Fernando Pessoa,Ficções do Interlúdio/4: poesias de Álvaro de Campos)

Metamorfose Ambulante Prefiro ser essa metamorfose ambulante Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante

Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo 05 Eu quero dizer agora o oposto do que eu disse antes

Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante

Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo Sobre o que é o amor

10 Sobre que eu nem sei quem sou

Se hoje eu sou estrela amanhã já se apagou Se hoje eu te odeio amanhã lhe tenho amor Lhe tenho amor

Lhe tenho horror 15 Lhe faço amor

eu sou um ator…

É chato chegar a um objetivo num instante Eu quero viver nessa metamorfose ambulante Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo 20 Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo

Sobre o que é o amor

Sobre que eu nem sei quem sou

Se hoje eu sou estrela amanhã já se apagou Se hoje eu te odeio amanhã lhe tenho amor

(8)

25 Lhe tenho amor Lhe tenho horror Lhe faço amor eu sou um ator…

Eu vou desdizer aquilo tudo que eu lhe disse antes 30 Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante

Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo

Do que ter aquela velha velha velha velha opinião formada sobre tudo…

35 Do que ter aquela velha velha opinião formada sobre tudo…

Do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo…

(Raul Seixas,Os grandes sucessos de Raul Seixas)

O poema Lisbon Revisited(1923) e a canção Metamorfose Ambulante(1973) identificam-se por alguns aspectos formais e por focalizarem como tema a atitude de rebeldia do indivíduo aos modelos e padrões culturais que lhe são impostos. Releia-os com atenção e, a seguir,

a) servindo-se de uma escala em cujos extremos estejam atitude eufórica(sensação de bem-estar e de alegria) e atitude dis- fórica(sensação de mal-estar, ansiedade, inquietação), demonstre qual dos dois textos está mais próximo do pólo daati- tude disfórica;

b) explique em que medida o verso de número 16 de Metamorfose Ambulantesintetiza o conteúdo da canção.

Resolução:

a) Ao rejeitar qualquer tipo de interferência do outro (do social) no pessoal (no individual), o enunciador do texto I manifesta transparentemente sentimento de disforia diante dos valores impostos pela sociedade e de euforia diante dos valores opostos, isto é, livres das coerções sociais.

Como o texto se estrutura sobre reiteradas negações de todo e qualquer valor do universo social, fica evidente que, nele, a disforia predomina sobre a euforia.

b) O texto II se estrutura de modo diferente, apesar de também operar com a oposição entre individualidade e cole- tividade (a individualidade é vista como “dinâmica”, responsável pela mudança; a coletividade, como “estática”, respon- sável pela conservação dos valores): o enunciador não estabelece explicitamente o desacordo entre os dois universos, fazendo referência apenas a seus próprios valores, que afirma em todo o percurso da canção. Trata-se, portanto, de uma atitude eufórica, já que marcada pela afirmação do que é considerado positivo.

A idéia de mudança é bem figurativizada pelo “ator”, que deve ser lido como aquele que age, trocando incessantemente de papel nas encenações de que é parte. O “ator”, assim, é a própria encarnação da idéia de “metamorfose ambulante”.

Tanto no poema de Fernando Pessoa como na canção de Raul Seixas se observa o recurso intenso às repetições. Ciente deste fato,

a) localize o verso de Metamorfose Ambulanteque apresenta repetição insistente de uma mesma palavra e defina o efeito expressivo obtido pelo autor com essa repetição;

b) considerando que o advérbio nãoé uma das palavras mais repetidas ao longo de Lisbon Revisited, estabeleça a relação semântica que a repetição dessa palavra tem com a atitude do eu-poemático ante os padrões sociais.

Resolução:

a) O verso 34 de “Metamorfose ambulante” repete quatro vezes o adjetivo “velha”. Essa repetição produz um efeito de intensificação e reforça a posição ideológica do enunciador, que é refratário a todo tipo de opinião cristalizada. As quatro ocorrências do adjetivo “velha” enfatizam — tanto no plano da expressão quanto no do conteúdo — a idéia de que ter

“opinião formada sobre tudo” é algo antiquado, ultrapassado, censurável, disfórico.

b) O eu-poemático de “Lisbon Revisited”, por um lado, recusa o que sociedade lhe impõe e, por outro, quer o que ela não lhe pode oferecer. Assim, sua postura diante dos padrões sociais é de rebeldia, de afrontamento, de negação. A repetição do advérbio “não”, portanto, reforça o traço semântico de rejeição aos valores institucionalizados que caracteriza a atitude do eu-poemático.

▼▼ Questão 08

Questão 09

(9)

Atentando para o fato de que a função conativa da linguagem é orientada para o destinatário da mensagem,

a) identifique o modo verbal que, insistentemente empregado pelo eu-poemático, torna muito intensa a orientação para o destinatário no poema de Fernando Pessoa;

b) considerando que, no verso de número 12, Raul Seixas, adotando o uso popular, empregou os pronomes tee lhepara referir-se a uma mesma pessoa, apresente duas alternativas que teria o poeta para escrever esse verso segundo a norma culta.

Resolução:

a) Trata-se do uso reiterado do modo imperativo, que ocorre tanto na forma afirmativa (“Tirem-me daqui a metafísica!”) quanto na forma negativa (“Não me falem em moral.”).

b) A incorreção gramatical se dá pela superposição de duas pessoas gramaticais (2ªe 3ª) para indicar uma única referência: “eu teodeio” / “lhetenho amor”. Assim, o poeta poderia optar por uma das formas:

“Se hoje eu a/o odeio amanhã lhe tenho amor.”

ou

“Se hoje eu te odeio amanhã tenho-te amor.”

Observação:

Ao permutar o lhe pelo te, ocorreria um choque entre duas sílabas iguais (te tenho), o que, no Português, é sempre dissonante. Por isso preferimos a ênclise à próclise, na segunda opção.

Questão 10

(10)

INSTRUÇÃO: Leia os seguintes trechos.

Não se pode ser sem rebeldia

Eu acho que os adultos, pais e professores, deveriam compreender melhor que a rebeldia, afinal, faz parte do processo da autonomia, quer dizer, não é possível sersem rebeldia. O grande problema está em como amorosamente dar sentido produtivo, dar sentido criador ao ato rebelde e de não acabar com a rebeldia. Tem professores que acham que a única saída para a rebe- lião, para a rebeldia é a punição, é a castração. Eu confesso que tenho grandes dúvidas em torno da eficácia do castigo.

Eu acho que a liberdade não se autentica sem o limite da autoridade, mas o limite que a autoridade se deve propor a si mesma, para propor ao jovem a liberdade, é um limite que necessariamente não se explicita através de castigos. Eu acho que a liberdade precisa de limites, a autoridade inclusive tem a tarefa de propor os limites, mas o que é preciso, ao propor os limites, é propor à liberdade que ela interiorize a necessidade ética do limite, jamais através do medo.

A liberdade que não faz uma coisa porque teme o castigo não está “eticizando-se”. É preciso que eu aceite a necessidade ética, aí o limite é compromisso e não mais imposição, é assunção. O castigo não faz isso. O castigo pode criar docilidade, silên- cio. Mas os silenciados não mudam o mundo.

(Paulo Freire,Pedagogia dos sonhos possíveis. Org. Ana M. A. Freire. Editora Unesp)

Autoridade em Ética

Pode-se dizer, em tese, que a essência da ética provém da pressão da comunidade sobre o indivíduo. O homem pouco tem de gregário, e nem sempre sente, instintivamente, os desejos comuns a sua grei. Esta, ansiosa para que o indivíduo aja no seu interesse, tem inventado vários artifícios com o fim de harmonizar os interesses individuais com os seus próprios. Um destes é o governo, outro é a lei e o costume, e o outro é a moral. A moral torna-se uma força eficiente de duas maneiras: primeiro, através do louvor e da censura dos que o cercam e das autoridades; e segundo, através do autolouvor e da autocensura, os quais são chamados de “consciência”. Por meio destas várias forças — governo, lei, moral — o interesse da comunidade se faz sentir sobre o indivíduo. [...]

Chego agora a meu último problema, que se relaciona com os direitos do indivíduo, em contraposição aos da sociedade. A ética, nós o dissemos, é parte de uma tentativa para tornar o homem mais gregário do que a natureza o fez. As pressões que a moral exerce sobre o indivíduo são, pode-se dizer, devidas ao gregarismo apenas parcial da espécie humana. Mas isto é uma meia verdade. Muitas de suas melhores cousas vêm do fato de não ser ela completamente gregária. O homem tem seu valor intrínseco, e os melhores indivíduos fazem contribuições para o bem geral que não são solicitadas e que, muitas vezes, chegam a sofrer reação por parte do resto da comunidade. É, pois, uma parte essencial da busca do bem geral, o permitir aos indivíduos liberdades que não sejam, evidentemente, maléficas aos outros. É isto que dá origem ao permanente conflito entre a liberdade e a autoridade, e estabelece limites ao princípio de que a autoridade é a fonte da virtude.

(Bertrand Russell.A sociedade humana na ética e na política.

Título original:Human society in Ethics and Politics.

Tradução de Oswaldo de Araujo Souza. São Paulo:

Companhia Editora Nacional, 1956)

PROPOSIÇÃO

A atuação do homem na sociedade, mediada por padrões e modelos de comportamento e sujeita a atritos e tensões entre os interesses da comunidade e os dos indivíduos, pode assumir as mais variadas formas, que vão do puro e simples enquadramen- to até à mais exacerbada rebeldia. Os dois trechos apresentados focalizam essa questão sob os pontos de vista pedagógico (Paulo Freire) e ético (Bertrand Russell).

Tomando como base de reflexão, se achar necessário, os textos mencionados, a letra de Raul Seixas e o poema de Fer- nando Pessoa (Álvaro de Campos), bem como sua própria experiência e opinião, escreva uma redação de gênero disserta- tivosobre o tema

OS PADRÕES SOCIAIS E A LIBERDADE DO INDIVÍDUO.

O O

R

O

R

R

EEE

D D D

AAÇÇÃÃÃ

(11)

Análise da proposta

Como subsídio para a dissertação sobre o tema os padrões sociais e a liberdade do indivíduo, a Vunesp propôs dois textos, além da letra de Raul Seixas e da poesia de Fernando Pessoa.

De acordo com o texto de Paulo Freire, a rebeldia é parte integrante da formação do indivíduo. No entanto, existe a neces- sidade de moldá-la, para que ela não se restrinja a ser negação da moral vigente, mas se desdobre sob forma de novos valores e como afirmação da personalidade. O texto coloca sob suspeita, ainda, o exercício exacerbado da autoridade dos professores que preconizam o controle da rebeldia por meio do castigo. Paulo Freire adverte que não é papel do educador reprimir o edu- cando pelo uso da tática do medo, mas sim o de mostrar que o limite da liberdade individual é uma necessidade social e ética.

A punição à rebeldia produz indivíduos omissos, passivos, incapazes de construir uma nova sociedade, conclui.

O texto de Bertrand Russell deixa claro que a ética é uma imposição social, e não uma inclinação inata: as leis, os cos- tumes, a moral e o governo são artifícios para sobrepor os valores coletivos aos particulares. Dessa maneira, o indivíduo julga suas ações a partir dos valores impostos pela coletividade, toma consciência deles, aplica-os como regras a serem cumpridas, deixando de lado, muitas vezes, seus desejos. A oposição entre os direitos do indivíduo e os da sociedade esbar- ra numa questão delicada: há liberdades pessoais que não são maléficas ao bem-estar coletivo e que, portanto, não deve- riam ser sufocadas em nome da harmonia social.

Essa relação tensa entre padrões sociais e liberdade individual pode ser esquematizada na seguinte oposição:

A defesa do enquadramento absoluto implica a negação total da liberdade individual e, com isso, inviabiliza qualquer tipo de contribuição que o indivíduo possa trazer ao seu meio (“os silenciados não mudam o mundo”). A defesa da rebel- dia desenfreada, por sua vez, acarreta aceitar que o indivíduo dasacate todas as convenções e, com isso, promova o desba- ratamento da ordem social, imprescindível até mesmo para definir os contornos da subjetividade.

Entre esses dois extremos, o candidato poderia relativizar as posições e sustentar a tese de que a liberdade é uma questão de grau, admitindo a conveniência de uma liberdade individual circunstanciada ou de uma adesão crítica e par- cial aos padrões sociais.

Os textos apresentados pela Banca oferecem algumas considerações bastante pertinentes para a defesa desses posi- cionamentos mais matizados.

Do trecho de Paulo Freire, destacamos as seguintes idéias:

• Sem nenhum traço de rebeldia não ocorre a individualização, isto é, a rebeldia é requisito ao processo de autonomia.

Quando ela assume uma intenção criativa, contribui para a revisão dos costumes sociais e a definição da personali- dade.

• A liberdade individual só se percebe como verdadeira (só se “autentica”) por meio do contraste com a autoridade socialmente constituída.

• Também essa autoridade deve, por sua vez, assumir certos limites, abstendo-se de impor pela força e pelo medo seus modelos comportamentais. O ideal é que ela propicie o compromisso com os valores éticos universais, fazen- do o indivíduo assumi-los.

• Somente o indivíduo comprometido com os valores da sociedade pode mudá-la; não contribui para a transformação aquele que é reprimido.

Do texto de Bertrand Russell, podem ser recolhidas as seguintes idéias:

• As diversas manifestações da autoridade (governo, lei, costume, moral) constrangem o indivíduo a agir em confor- midade com os interesses coletivos, abrindo mão de seus interesses e instintos mais egoístas.

• Esse constrangimento se faz pela pressão externa, mas também pela autocensura — ou seja, os valores da cole- tividade são introjetados no indivíduo.

• Não se submeter aos padrões, apesar de não ser bem tolerado pela comunidade, freqüentemente origina importan- tes transformações que beneficiam a coletividade. Por isso, convém ao bem geral tolerar todas as liberdades indivi- duais que não sejam nocivas ao outro.

Além disso, apelando para a sua experiência, o candidato ainda poderia questionar a validade de se falar em valores so- ciais num mundo tão fraturado e desigual como o presente. Muitas vezes valores tidos como coletivos são postos a serviço de interesses de setores sociais que visam à manutenção do status quo.Na mesma linha de análise, caberia ainda denunciar o cinismo de esperar dos marginalizados a adesão aos valores morais de uma sociedade que os exclui.

Enquadramento

× Rebeldia puro e simples extremada

(12)

A qualidade que sobressai nas questões de Literatura é a orientação voltada à literariedade. A Banca soube explorar os valores que fazem de um texto uma obra artística, resultado da construção formal que opera com elementos constituintes da linguagem literária: a musicalidade, a imagética e a dança do intelecto entre as palavras, como diria Ezra Pound. Lamen- ta-se apenas que alguns textos escolhidos não apresentem a mesma excelência dos demais e da argüição, pois, do ponto de vista do gosto literário, os dois sonetos são diluições de baixa qualidade estética. O reparo não se aplica à letra de Raul Seixas, uma vez que não se trata, propriamente, de texto literário.

As questões de Gramática e Entendimento de Texto merecem elogios irrestritos por todos os méritos: seleção crite- riosa dos textos, redação clara e precisa dos enunciados, perspicácia do olhar da Banca, que centrou o foco das questões em itens relevantes dos textos.

A resposta a qualquer dos tópicos questionados não podia prescindir da leitura atenta dos textos, da depreensão do sentido de suas partes constituintes e da correlação entre elas para a construção do sentido global.

Além de questões que cobravam a decifração do sentido de partes e do todo, o exame exigiu também a descrição de pro- cedimentos lingüísticos acionados para a produção desses sentidos.

Por fim, a prova não deixou de dar atenção a relações intertextuais, que avaliam a importante capacidade de re- conhecer o diálogo entre diferentes vozes do universo cultural.

Uma prova como esta merece ser exposta como exemplo de exame de seleção.

TT NT N EN E ME M

M ÁÁÁ OOO O

O

C

O

C

C

RRRIII

Língua Portuguesa

Imagem

Referências