Juiz de paz na roça (Martins Pena)

Texto

(1)

Juiz de paz na roça (Martins Pena)

Comédia de costumes: crítica e sátira Diálogo coloquial

Momento histórico: revolução farroupilha Contraste: roça e cidade

Personagens:

Família de Manoel João: esposa e filha Aninha

Manoel João: convocado para levar José para ser recruta na guerra.

José (convocação militar) – veste sempre branco: sonhador (em contraste com o ambiente no qual vive, a roça)

Juiz de paz (autoridade máxima: “Estão conciliados”)

Enredo básico:

(2)

Revolução Farroupilha. Após algumas deliberações sobre as disputas locais entre os lavradores, o juiz ordena Manuel João, pai de Aninha, a levar José a manter-lhe em casa por um dia e levá-lo quartel a seguir (ninguém sabe do amor do casal). No meio da noite Aninha e José fogem e casam-se em segredo. Após descobrirem o fato consumado os pais perdoam a jovem e vão até o juiz esclarecer o caso. O rapaz fica assim desobrigado de servir e a peça acaba com todos comemorando.

JOSÉ Vamos para a Corte, que você verá o que é bom.

ANINHA Mas então o que é que há lá tão bonito? JOSÉ Eu te digo. Há três teatros, e um deles maior que o engenho do capitão-mor.

ANINHA Oh, como é grande!

JOSÉ Representa-se todas as noites. Pois uma mágica... Oh, isto é cousa grande!

(3)

JOSÉ Mágica é uma peça de muito maquinismo. ANINHA Maquinismo?

JOSÉ Sim, maquinismo. Eu te explico. Uma árvore se vira em uma barraca; paus viram-se em cobras, e um homem vira-se em macaco.

ANINHA Em macaco! Coitado do homem! JOSÉ Mas não é de verdade.

ANINHA Ah, como deve ser bonito! E tem rabo? JOSÉ Tem rabo, tem.

Crítica:

Às convenções sociais: status, poder, aparência. Ao casamento: amor por interesse (ir à corte) À família: tradicionalidade.

Ao governo: guerra, descaso, injustiça.

Sátira:

(4)

Linguagem da narrativa:

Cenas curtas, diálogos curtos, rubricas curtas: apenas o essencial para contar-se a história.

Casos:

1 (embigada) Gregório, Inácio José e sua esposa Josefa Joaquina

2 (divisa de terras) Manuel André e o suborno: cacho de bananas

(5)

3 (o leitão) João de Sampaio e Tomás

JUIZ — É verdade, Sr. Tomás, o que o Sr. Sampaio diz?

TOMÁS — É verdade que o leitão era dele, porém agora é meu.

SAMPAIO — Mas se era meu, e o senhor nem mo comprou, nem eu lho dei, como pode ser seu?

TOMÁS — É meu, tenho dito.

SAMPAIO — Pois não é, não senhor. (Agarram ambos no leitão e puxam, cada um para sua banda.) JUIZ (levantando-se) — Larguem o pobre animal, não o matem!

TOMÁS — Deixe-me, senhor!

(6)

TOMÁS — Lembra Vossa Senhoria bem. Peço licença a Vossa Senhoria para lhe oferecer.

JUIZ — Muito obrigado. É o senhor um homem de bem, que não gosta de demandas. E que diz o Sr. Sampaio?

SAMPAIO — Vou a respeito de dizer que se Vossa Senhoria aceita, fico contente.

Questões:

1. Leia o fragmento abaixo, extraído da peça O Juiz de Paz na roça, de Martins Pena:

(7)

que eu mandarei hoje à tarde. Mas, como ia dizendo, o dito sítio foi comprado com o dinheiro que minha mulher ganhou nas costuras e outras cousas mais; e, vai senão quando, um meu vizinho, homem da raça do Judas, diz que metade do sítio é dele. E então, que lhe parece, Sr. Juiz, não é desaforo? Mas, como ia dizendo, peço a V. Sª. para assistir à marcação do sítio. Manuel André. E.R.M.

JUIZ – Não posso deferir por estar muito atravancado com um roçado; portanto, requeira ao suplente, que é o meu compadre Pantaleão.

MANUEL ANDRÉ – Mas, Sr. Juiz, ele também está ocupado com uma plantação.

JUIZ – Você replica? Olhe que o mando para a cadeia.

MANUEL ANDRÉ – Vossa Senhoria não pode prender-me à toa; a Constituição não manda.

(8)

Escrivão, tome termo que a Constituição está derrogada, e mande-me prender este homem.

(PENA, Martins. O Juiz de Paz na roça. Rio de Janeiro: Ediouro, 1998, p.28)

Analisando o fragmento acima, como você definiria a imagem do Juiz de Paz?

2. Leia este outro fragmento da mesma peça de Martins Pena:

(9)

Nesta cena, Aninha demonstra ter passado por uma transformação comportamental. Explique.

3. A peça Juiz de paz na roça, de Martins Pena, pertencente ao Romantismo brasileiro, adapta-se às circunstâncias históricas do Brasil, caracterizando-se principalmente por ser uma:

a) comédia de costumes que traz personagens populares.

b) sátira do modo como se estabeleciam as relações entre avós, pais e filhos.

c) tragédia em que as filhas se submetem às vontades paternas.

d) comédia que ressalta a oposição entre hábitos citadinos e rurais.

e) tragédia que ressalta as tendências abolicionistas muito presentes no Romantismo.

(10)

1. Um juiz injusto, arbitrário, distante da verdadeira ética que se espera encontrar em uma pessoa pertencente ao meio jurídico.

Imagem

Referências

temas relacionados :