RELATÓRIO E CONTAS 2011

230 

Texto

(1)

RELATÓRIO E CONTAS

2011

(2)

______________________________________________________________________________________________ Relatório e Contas 2011 1

Índice

Pág. I - VALORES CARACTERÍSTICOS ... 3 II – MENSAGEM DO PRESIDENTE ... 4

III – RELATÓRIO, PROPOSTA DE APLICAÇÃO DE RESULTADOS E CONTAS CONSOLIDADAS ... 6

III.A–RELATÓRIOCONSOLIDADODEGESTÃO–SEGMENTOELETRICIDADE ... 7

1 - COMERCIAL ... 8

Faturação de energia elétrica ... 10

Indisponibilidades ... 11

2 - SISTEMAS ELETROPRODUTORES ... 12

3 - A REGULAÇÃO ECONÓMICA ... 16

PPEC – Plano de Promoção da Eficiência no Consumo ... 18

PPDA - Plano de Promoção do Desempenho Ambiental ... 18

4 - INVESTIMENTO ... 19

5 - RECURSOS HUMANOS ... 24

Evolução dos efetivos ... 24

Formação ... 24 Prevenção e Segurança... 25 Medicina do Trabalho ... 27 6 - SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ... 28 7 – COMUNICAÇÃO ... 29 8 – QUALIDADE E AMBIENTE ... 30 Qualidade ... 30 Ambiente ... 31

III.B–RELATÓRIOCONSOLIDADODEGESTÃO–OUTROS ... 36

GLOBALEDA, S.A. ... 36

SEGMA, Lda. ... 38

NORMAAÇORES ... 41

ONIAÇORES, S.A. ... 43

CONTROLAUTO AÇORES, Lda. ... 45

NOVABASE ATLÂNTICO ... 46

III.C-EVOLUÇÃOECONÓMICAEFINANCEIRA ... 47

Demonstração dos resultados consolidada ... 47

Evolução do Balanço consolidado ... 49

Resultados do Exercício ... 50

Gestão Financeira ... 52

Dívida Financeira ... 53

Gestão dos Riscos Operacionais Seguráveis ... 56

Fundo de Pensões ... 56

Gestão dos Ativos de Carbono ... 57

III.D-UNIVERSODACONSOLIDAÇÃO ... 58

III.E-PROPOSTADEAPLICAÇÃODOSRESULTADOS ... 60

III.F-CONTASCONSOLIDADAS ... 61

1 - Índice das demonstrações financeiras consolidadas ... 62

Demonstração da posição financeira consolidada ... 65

Demonstração do rendimento integral consolidado ... 66

Demonstração da alteração dos capitais próprios ... 67

(3)

______________________________________________________________________________________________

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS ... 69

2 - Declaração prevista na alínea c) do n.º 1 do artigo 245º do Código dos Valores Mobiliários ... 136

3 - Apreciação e certificação de contas consolidadas ... 138

RELATÓRIO E PARECER DO CONSELHO FISCAL ... 139

CERTIFICAÇÃO LEGAL E RELATÓRIO DE AUDITORIA DAS CONTAS CONSOLIDADAS ... 141

RELATÓRIO DE AUDITORIA ... 144

IV – DEMONSTRAÇÕES INDIVIDUAIS – ELECTRICIDADE DOS AÇORES S.A. ... 146

1-ÍNDICE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS ...147

Balanço ... 150

Demonstração dos Resultados... 151

Demonstração das alterações no capital próprio ... 152

Demonstração de fluxos de caixa ... 153

2 - Apreciação e certificação de contas individuais ... 204

RELATÓRIO E PARECER DO CONSELHO FISCAL ... 205

CERTIFICAÇÃO LEGAL DAS CONTAS ... 207

RELATÓRIO DE AUDITORIA ... 210

V – INFORMAÇÕES SOBRE OS ÓRGÃOS SOCIAIS ... 212

VI - INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES – SEGMENTO ELETRICIDADE ... 221

Santa Maria ... 221 São Miguel... 222 Terceira ... 223 Graciosa ... 224 São Jorge ... 225 Pico ... 226 Faial ... 227 Flores ... 228 Corvo ... 229

(4)

______________________________________________________________________________________________ Relatório e Contas 2011 3

I - VALORES CARACTERÍSTICOS

2007 2008 2009 2010 2011 COMERCIAL Nº de Clientes – Eletricidade (1) 115.539 117.413 119.356 121.164 121.715 Consumo de Energia (GWh): 728 754 757 779 771 Doméstico 248 254 256 271 267 Comércio e Serviços 240 252 251 256 254 Serviços Públicos 84 89 88 90 88 Industriais 125 126 127 127 127 Iluminação Pública 31 33 34 34 35 PRODUÇÃO

Produção Total Eletricidade (GWh) 805 824 829 850 840

Produção Térmica (GWh) 580 606 614 611 588

EQUIPAMENTO

Centrais Térmicas a Fuel (nº) 3 3 3 2 3

Centrais Térm. Gasóleo (nº) (2) 9 8 8 7 6 Centrais Térm. Fuel e Gás. (nº) 1 1 1 2 1 Centrais Geotérmicas (nº) 2 2 2 2 2 Centrais Hídricas (nº) 12 12 12 12 12 Parques Eólicos (nº) 6 7 7 7 8

Potência Instalada em Centrais (MW) 259 254 255 263 274

Redes Transporte e Distribuição MT (km) 1.659 1.727 1.727 1.777 1.805

Postos de Transformação (nº) (3) 1.718 1.750 1.801 1.830 1.863

Potência Instalada em PT (MVA) 477 489 514 528 534

ECONÓMICO-FINANCEIROS

Volume de Negócios (mil euros) - 162.446 177.885 199.362 213.781

Resultado Operacional - EBIT (mil euros) - 25.359 32.131 40.027 27.057

EBITDA (mil euros) - 49.556 58.061 67.539 69.918

Ativo Líquido (mil euros) - 511.165 557.047 585.701 598.300

Investimento – Segmento Energia (mil euros) 46.677 53.611 66.823 58.980 49.161

(1) – Inclui instalações de Média Tensão, Baixa Tensão, Iluminação Pública e Consumos próprios (2) - Inclui centrais comunitárias

(5)

______________________________________________________________________________________________

II – MENSAGEM DO PRESIDENTE

Senhores Acionistas,

O ano de 2011 ficou, indelevelmente, marcado pelo recrudescimento intenso da crise da dívida soberana na zona Euro e pelas condições gravosas de acesso aos mercados de financiamento internacionais que obrigaram ao reajustamento forçado, com ou sem auxílio externo, de alguns Países da União Europeia.

A economia portuguesa, devido ao seu elevado nível de endividamento externo e ao baixo crescimento económico, em conjugação com níveis do défice e da dívida pública relativamente altos, foi duramente atingida pelas condições de financiamento externo.

O pedido de assistência financeira internacional, concretizado no início de Abril de 2011, foi a consequência deste processo de degradação das condições de financiamento do País. Esta assistência financeira obrigou Portugal ao cumprimento de um Programa de ajustamento económico e financeiro acordado com a Comissão Europeia e com o Fundo Monetário Internacional.

Este Programa de ajustamento afetou as famílias, as empresas e a economia de uma forma geral. A Banca portuguesa foi sujeita a um conjunto de testes de “stress” e obrigada a reforçar o seu capital, o que originou uma forte retração no crédito concedido. Com a retração do investimento público, com a redução do consumo e com a falta de liquidez do mercado financeiro, criaram-se as condições para uma forte recessão económica que originou falências, aumento do desemprego e insolvência de muitas famílias.

Por outro lado, o País viu o seu “rating” ser degradado pelas principais agências da especialidade. As empresas de capitais maioritariamente públicos foram também contaminadas pelo “rating” da República. O custo com o financiamento, no curto prazo, da EDA praticamente duplicou face a 2010. Os encargos financeiros associados ao serviço da dívida consolidada totalizaram, em 2011, 12,4 milhões de euros, mais 5 milhões de euros que o total dos juros suportados no exercício de 2010. A taxa de juro ponderada para o Grupo EDA foi, em 2011, de 3,44%, enquanto em 2010 foi de apenas 2,52%. Este agravamento dos custos financeiros foi uma consequência direta da crise financeira que se instalou no País e na Europa e nada teve a ver com os indicadores económicos e financeiros do Grupo. Para além disto, assistiu-se a uma cada vez maior dificuldade em renovar os empréstimos obtidos, mesmo em condições substancialmente mais gravosas.

O Grupo EDA não poderia ficar indiferente a toda esta conjuntura desfavorável. As condições de financiamento mudaram e como tal havia que adequar o Plano aprovado para 2011 à nova realidade.

Assim, procedeu-se a uma profunda reanálise de todos os investimentos inscritos no Plano de Atividades. Foi dada prioridade aos investimentos que estavam em curso e que, pela sua natureza, não podiam ser adiados, prosseguiu-se com todos os investimentos necessários à segurança e manutenção de equipamentos e de redes, continuou-se com todas as ações no âmbito dos estudos e de projetos relativos a investimentos considerados estratégicos, nomeadamente na área das energias renováveis, e procedeu-se a uma redução substantiva das diversas despesas de funcionamento.

O ano de 2011 ficou também caracterizado por uma forte subida dos combustíveis fósseis, nomeadamente do fuelóleo e do gasóleo. O custo médio com os combustíveis para a produção de 1 MWh térmico nos Açores subiu 23.5%, face a 2010. Esta realidade veio demonstrar, mais uma vez, a correção da aposta da EDA na produção de energia elétrica a partir de fontes de energias renováveis.

(6)

______________________________________________________________________________________________

Relatório e Contas 2011 5

A SOGEO e a EEG foram responsáveis pela produção de 30% da energia elétrica dos Açores em 2011. Com efeito, a geotermia foi responsável pela produção de 185.6 GWh em São Miguel, o que correspondeu a cerca de 42.2% da produção de eletricidade desta ilha.

Em 2011, procedeu-se à ampliação do Parque Eólico da Serra do Cume, na ilha Terceira, à construção do Parque Eólico dos Graminhais, em São Miguel, adquiriram-se os aerogeradores para a construção do novo Parque Eólico do Salão, no Faial, prepararam-se os projetos e lançaram-se os concursos para que em 2012 se venha a concretizar, não só a construção do Parque Eólico do Salão, como a ampliação dos Parques Eólicos do Pico, de São Jorge e de Santa Maria.

Em 2011, registou-se, pela primeira vez, uma redução de 1% no consumo de eletricidade. Esta queda no consumo acentuou-se a partir do mês de Outubro.

Nesta conjuntura desfavorável, foi importante iniciar os trabalhos necessários a uma restruturação do Grupo, alienando participações que não faziam parte dos interesses nucleares da EDA ou fundindo empresas que que apresentassem sinergias e objetivos comuns.

Em termos de regulação, no ano de 2011 a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos promoveu a revisão de diversos regulamentos, com destaque para o tarifário e o de relações comerciais, tendo a EDA contribuído ativamente no processo, através de comentários e propostas.

Os tempos que vivemos são difíceis. O País está a passar por uma das maiores crises da sua história. É neste período de mudança que o Grupo EDA tem de encontrar a melhor estratégia para continuar a investir no futuro, mantendo um serviço de qualidade a todos os seus clientes. O Relatório e Contas de 2011 espelha bem que é possível continuar a prosseguir este caminho.

Por último gostaria de endereçar uma palavra de agradecimento aos senhores acionistas pelo apoio e pelo estímulo imprescindível na prossecução dos objetivos estabelecidos para 2011. Gostaria também de manifestar o apreço que é devido a todos os colaboradores, quadros técnicos, dirigentes e administradores do Grupo EDA pelo empenho e dedicação que demonstraram ao longo de 2011.

(7)

______________________________________________________________________________________________

III – RELATÓRIO, PROPOSTA DE APLICAÇÃO DE RESULTADOS E CONTAS

CONSOLIDADAS

(8)

______________________________________________________________________________________________

Relatório e Contas 2011 7

(9)

______________________________________________________________________________________________

1 -

COMERCIAL

No ano de 2011, a procura de eletricidade referida ao consumo ascendeu a 771 GWh, resultando num decréscimo global de -1,0% relativamente ao ano anterior, verificando-se uma diminuição da procura em ambos os níveis de tensão, que correspondeu a -0,7% na média tensão e -1,2% na baixa tensão.

No mesmo ano, a rede de distribuição abasteceu 121 715 clientes, correspondendo a um aumento de 0,5%.

Var.% 2007 2008 2009 2010 2011 2010/11 Nº de Clientes 115 539 117 413 119 356 121 164 121 715 0,5 Baixa Tensão 114 908 116 763 118 692 120 485 121 025 0,4 Média Tensão 631 650 664 679 690 1,6 Consumo de Energia (GWh): 753,7 756,7 756,7 778,6 770,8 -1,0 Doméstico 253,5 256,5 256,5 271,3 266,8 -1,7 Comérc. e Serviços 252,3 251,0 251,0 256,4 254,5 -0,8 Serviços Públicos 89,0 87,8 87,8 89,6 87,5 -2,4 Industriais 125,6 127,3 127,3 127,5 127,2 -0,2 Ilumin. Pública 33,4 34,2 34,2 33,7 34,8 3,0

O mercado da Região caracteriza-se pela sua reduzida dimensão e grande dispersão, predominando o consumo do comércio e serviços (incluindo serviços públicos), com 44,4% da estrutura de consumos, seguido dos usos domésticos e industriais, com 34,6% e 16,5%, respetivamente. É ainda de salientar que as ilhas de S. Miguel e Terceira foram responsáveis por 79,0% do fornecimento de energia elétrica e 73,3% dos contratos com clientes.

O consumo anual “per capita”* tem revelado um aumento sucessivo nos últimos anos, apresentando taxas de crescimento nos últimos cinco anos que, em média, se situaram na ordem dos 3,1%, sendo, no total da Região e em 2011, de 3 132 kWh/habitante. Neste ano, o valor mais elevado verificou-se na ilha de Santa Maria, com 3 520 kWh/habitante, e o mais baixo na ilha do Corvo, com 2 699 kWh/habitante.

(10)

______________________________________________________________________________________________

Relatório e Contas 2011 9

* - Consumo de 2011 e estimativa do número de habitantes de 2010

Inclui instalações de Média Tensão, Baixa Tensão, Iluminação Pública e Consumos próprios 1 500 2 000 2 500 3 000 3 500 4 000

SMA SMG TER GRA SJG PIC FAI FLO COR

k W h /h a b

Capitação (consumo/hab)

2006 2007 2008 2009 2010 2011 * 0 50 100 150 200 250 300 350 400 450 0 10 20 30 40 50 60 70

SMA SMG TER GRA SJG PIC FAI FLO COR

C on su mo N º de i ns talaçõe s

Consumo e Nº de instalações

(11)

______________________________________________________________________________________________

Faturação de energia elétrica

A faturação de energia elétrica atingiu, em 2011, o montante de 104 280 mil euros, dos quais 74 615 mil euros correspondem a fornecimentos de energia em Baixa Tensão, e os restantes 29 665 mil euros a fornecimentos em Média Tensão. É de realçar que estes últimos representam 28,4% do valor total, embora concentrados em apenas 0,57% do número de contratos de fornecimento de energia elétrica.

Face a 2010, a faturação cresceu cerca de 3,6%, em resultado por um lado de uma contração na procura de eletricidade de 1% e do acréscimo do preço médio de venda em 4,7%.

2007 2008 2009 2010 2011 Faturação * (mil €) 86.405 91.687 96. 355 102.044 104.280 Média Tensão 26.150 27.170 27. 767 28.250 29.665 Baixa Tensão 60.255 64.518 68. 588 73.793 74.615 Energia Faturada ** (GWh) 726,4 751,7 754,8 777,0 769,2 Média Tensão 275,1 283,0 281,9 287,8 286,0 Baixa Tensão 451,3 468,7 473,0 489,2 483,2

Preço Médio Venda 2007 2008 2009 2010 2011

(c€/kWh) 11,90 12,20 12,77 13,13 13,56

Média Tensão 9,51 9,60 9,85 9,82 10,37

Baixa Tensão 13,35 13,76 14,50 15,09 15,44

* Não inclui energia em contadores e compensação tarifária. ** Não inclui consumos próprios

9,00 10,00 11,00 12,00 13,00 14,00 15,00 16,00 17,00 2007 2008 2009 2010 2011

cent€/kWh

Evolução do preço médio de venda 2007/2011

PMV EDA PMV MT PMV BT

(12)

______________________________________________________________________________________________

Relatório e Contas 2011 11

Indisponibilidades

O indicador geral de continuidade de serviço TIEPI (Tempo de Interrupção Equivalente da Potência Instalada) encontra-se evidenciado no gráfico seguinte. Os valores apresentados incluem indisponibilidades dos sistemas eletroprodutores, das redes e instalações de clientes, para interrupções curtas e longas (≤ 3 minutos e > 3 minutos), para todo o tipo de causas. O ano de 2011 apresenta uma melhoria generalizada do indicador TIEPI em várias das ilhas da Região. As exceções verificadas são maioritariamente justificadas pelo aumento de interrupções previstas, para efeitos de manutenção e intervenções nas redes.

De salientar que este indicador inclui todas as interrupções verificadas, intrínsecas aos sistemas da EDA ou devido a problemas nas instalações dos clientes.

0 4 9 14 19 24 28 33 38 43 48

Santa Maria São Miguel Terceira Graciosa São Jorge Pico Faial Flores Corvo

horas

Indisponibilidades Totais

(13)

______________________________________________________________________________________________

2 - SISTEMAS ELETROPRODUTORES

Em 2011, o sistema eletroprodutor explorado diretamente pela EDA era constituído por nove Centrais Termoelétricas com uma potência total instalada de 217MW. Explorados pela EEG, empresa participada pela EDA, existiam oito Parques Eólicos nas ilhas de Santa Maria, São Miguel, Terceira, Graciosa, São Jorge, Pico, Faial e Flores, com uma potência total instalada de 25,0 MW, doze Centrais Hídricas, com uma potência total de 8,2 MW, e ainda duas Centrais Geotérmicas, pertencentes à SOGEO, com uma potência de 23,0 MW. A EDA deu ainda apoio à exploração de duas Centrais Comunitárias, na ilha de São Jorge, tendo uma sido desativada no início do ano em questão.

A produção anual de eletricidade atingiu os 840,0 GWh, correspondendo a um decréscimo de 1,1% relativamente ao ano anterior. Dessa produção, o parque termoelétrico contribuiu com 70,0%, com preponderância da produção a fuel, com 61,5%. De realçar, ainda, que a produção termoelétrica sofreu uma redução de 9,5% nos últimos seis anos, passando de 650 GWh em 2006 para 588 GWh em 2011, fruto do incremento da produção com origem em fontes renováveis, a qual foi suficiente para fazer face ao crescimento da procura.

No âmbito das energias renováveis, destaca-se a emissão de energia de origem geotérmica, que contribuiu com 22,1% do total e 41,6% do total da ilha de São Miguel, tendo aumentado 7,0% em relação a 2010. As energias de origem hídrica, eólica e outras apresentaram, face ao ano transato, variações de 5,3%, -2,3% e 90,4% respetivamente. O crescimento verificado nas outras renováveis é justificado pela entrada em exploração de novos produtores independentes (fotovoltaica, eólica) e micro produtores (fotovoltaica).

Emissão de energia (GWh) - Açores

2007 2008 2009 2010 2011 Var.% 10/11 Térmica 563,1 587,7 595,5 592,5 570,2 -3,7 Fuel 504,2 525,4 525,4 523,4 501,2 -4,2 Gasóleo 58,8 62,3 70,1 69,1 69,0 0,0 Hídrica 31,3 25,3 22,4 31,3 33,0 5,3 Geotérmica 177,5 170,3 161,7 173,6 185,6 7,0 Eólica 15,6 21,9 31,1 33,7 33,0 -2,3 Outras 0,2 0,0 0,1 0,3 0,4 45,0 Total 787,6 805,2 810,9 831,4 822,3 -1,1

Térmica Gasóleo:Inclui Centrais Comunitárias

(14)

______________________________________________________________________________________________

Relatório e Contas 2011 13

As ilhas de São Miguel e Terceira contribuíram com 53,54% e 25,34%, respetivamente, do total da energia emitida para as redes. Realça-se o facto das centrais do Caldeirão, em São Miguel, e do Belo Jardim, na Terceira, terem uma produção correspondente a cerca de 52% do total da energia emitida na região, o que é elucidativo da dificuldade na obtenção dos benefícios das economias de escala, face à descontinuidade geográfica da Região.

Emissão de energia elétrica por ilha (GWh) 2007 2008 2009 2010 2011 Var.% 10/11 Santa Maria 19,1 19,7 20,4 21,5 21,0 -2,2 São Miguel 424,1 435,3 437,1 447,6 440,2 -1,7 Terceira 201,6 203,5 204,2 208,2 208,3 0,1 Graciosa 12,7 13,3 13,3 13,7 13,3 -3,3 São Jorge 26,1 27,3 28,8 30,3 30,5 0,3 Pico 41,7 42,9 43,9 46,1 46,5 0,8 Faial 50,1 50,6 50,2 50,7 49,6 -2,1 Flores 11,1 11,4 11,7 11,9 11,5 -2,8 Corvo 1,2 1,2 1,3 1,3 1,3 0,9 787,6 805,2 810,9 831,4 822,3 -1,1 0,0 100,0 200,0 300,0 400,0 500,0 600,0 700,0 800,0 900,0 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Emissão Energia (GWh)

(15)

______________________________________________________________________________________________ 2010 2011

Santa Maria

3100 3200 3300 3400 3500 3600 3700 3800 3900 2006 2007 2008 2009 2010 2011 kW A n o

As pontas máximas em cada uma das ilhas nos últimos cinco anos ocorreram, maioritariamente, no 2º semestre de cada ano. Verificaram-se exceções em 2008 para o Corvo, em 2010 para as ilhas do Faial, Flores e Corvo e, em 2011 para as ilhas da Terceira, São Jorge, Pico e Flores que ocorreram no 1º semestre. No que respeita à evolução da ponta em 2011, relativamente a 2010, verificou-se uma quebra generalizada da mesma, verificando-se que a maior quebra foi registada na ilha da Terceira, com -9,8%, seguida pelas ilhas de São Jorge e do Faial, com -4,9% e -4,8%, respetivamente.

Ponta máxima anual (kW)

2010 2011 Data da ocorrência em 2011

Santa Maria 3 775 3 724 16 de Agosto

São Miguel 74 250 73 150 16 de Agosto

Terceira 40 321 36 360 06 de Janeiro

Graciosa 2 450 2 400 11 de Agosto

São Jorge 5 153 4 900 14 de Janeiro

Pico 8 388 8 091 20 de Janeiro

Faial 9 422 8 969 16 de Agosto

Flores 2 142 1 981 19 de Fevereiro

Corvo 248 246 29 de Dezembro

EVOLUÇÃO DA PONTA POR ILHA (2006-2011)

2010 2011

São Miguel

68 000 69 000 70 000 71 000 72 000 73 000 74 000 75 000 2006 2007 2008 2009 2010 2011 kW A n o

(16)

______________________________________________________________________________________________ Relatório e Contas 2011 15 2010 2011

Terceira

34000 35000 36000 37000 38000 39000 40000 41000 2006 2007 2008 2009 2010 2011 kW A n o 2010 2011

Graciosa

2100 2150 2200 2250 2300 2350 2400 2450 2500 2006 2007 2008 2009 2010 2011 kW A n o 2010 2011

S. Jorge

4 000 4 200 4 400 4 600 4 800 5 000 5 200 5 400 2006 2007 2008 2009 2010 2011 kW A n o 2010 2011

Pico

6500 7000 7500 8000 8500 2006 2007 2008 2009 2010 2011 kW A n o 2010 2011

Faial

8 600 8 800 9 000 9 200 9 400 9 600 2006 2007 2008 2009 2010 2011 kW A n o 2010 2011

Flores

1 700 1 800 1 900 2 000 2 100 2 200 2006 2007 2008 2009 2010 2011 kW A n o 2010 2011

Corvo

210 220 230 240 250 260 2006 2007 2008 2009 2010 2011 kW A n o

(17)

______________________________________________________________________________________________

3 - A REGULAÇÃO ECONÓMICA

As tarifas de eletricidade a cobrar aos consumidores são fixadas anualmente pela ERSE - Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos, em função da regulamentação constante do Regulamento Tarifário, onde, para além da metodologia de determinação do nível de proveitos a proporcionar por cada tarifa, se caracteriza a metodologia de cálculo tarifário e a forma de determinação da estrutura das tarifas.

A estrutura das tarifas de Venda a Clientes Finais, tanto no Continente como nas Regiões Autónomas, resultou, até 2011, da aplicação do princípio da aditividade tarifária que consiste na definição de tarifas de Venda a Clientes Finais com preços que resultam da adição dos preços das tarifas por atividade aplicáveis em cada nível de tensão e opção tarifária aos clientes do comercializador de último recurso, nomeadamente: tarifas de Energia, Uso da Rede de Transporte, Uso da Rede de Distribuição, Comercialização e Uso Global do Sistema.

As tarifas são estabelecidas por forma a proporcionar à entidade concessionária da RNT e aos detentores de licença vinculada de distribuição um montante de proveitos calculados de acordo com as disposições constantes no Regulamento Tarifário, sendo construídas com base em estimativas de vendas de energia, custos operacionais e de investimento entregues pelas empresas reguladas, sendo previamente sujeitas a um processo de aceitação pelo regulador. Dado que as tarifas fixadas têm por base estimativas de venda de energia e custos aceites, existe um mecanismo de ajustamento que permite incluir nas tarifas do ano n+2 o valor do respetivo ajustamento e, desta forma, a empresa pode recuperar ou devolver aos consumidores o montante que resulta da aplicação deste mecanismo, referente ao ano n.

Os sobrecustos das Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira são incluídos na Tarifa de Uso Global do Sistema que é aplicada pelos distribuidores vinculados aos fornecimentos a clientes do comercializador de último recurso e às entregas a clientes no mercado liberalizado.

Desde 2003, primeiro ano da fixação pela ERSE das tarifas praticadas pela empresa concessionária do transporte e distribuição da RAA, à EDA – Electricidade dos Açores, S.A., até 2008, foi aplicada uma metodologia de regulação por custos aceites para todas as atividades reguladas da empresa. A partir de 2009, a ERSE alterou a forma de regulação das atividades de Distribuição de energia elétrica e de Comercialização de energia elétrica, que passou a ser efetuada por price cap, com o objetivo de incentivar a empresa a obter maiores ganhos de eficiência naquelas atividades.

Quanto à atividade de Aquisição de Energia Elétrica e Gestão do Sistema, manteve-se o mesmo tipo de regulação baseada em custos aceites e na aplicação de uma taxa de remuneração sobre os ativos líquidos.

Para o período de regulação 2012-2014, a ERSE, através do Regulamento Tarifário publicado em Julho de 2011, reviu as metodologias de regulação das atividades desenvolvidas pela Empresa.

A atividade de Aquisição de Energia Elétrica e Gestão do Sistema terá uma regulação por incentivos, com a definição de metas de eficiência para o OPEX, mediante a aplicação da metodologia de regulação por revenue cap ao nível destes custos, com exceção dos custos com operação e manutenção de equipamentos produtivos afetos a esta atividade.

Para as atividades de Distribuição e Comercialização de Energia Elétrica, manter-se-á a regulação por price cap.

Na atividade de Distribuição de Energia Elétrica, os custos de exploração resultarão do mix entre os custos fixos e os custos variáveis, que dependerão dos respetivos drivers de custos e das metas de eficiência a aplicar, enquanto que na atividade

(18)

______________________________________________________________________________________________

Relatório e Contas 2011 17

de Comercialização, os custos de exploração serão o resultado do somatório dos custos aderentes e não aderentes aos custos de referência do Continente e dos respetivos parâmetros de eficiência2.

Para todas as atividades reguladas, o CAPEX terá uma regulação por custos aceites.

A EDA desenvolve assim as suas atividades de produção, distribuição e comercialização de energia elétrica num contexto regulado pela legislação em vigor e pela regulamentação emitida pela Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos. Os parâmetros do atual período regulatório (2009-2011) foram fixados em 2008. Relativamente à remuneração dos ativos, destacam-se os seguintes parâmetros que vigoraram no período regulatório que terminou em 2011:

 A taxa de remuneração do ativo fixo afeto à atividade de Aquisição de Energia Elétrica e Gestão do Sistema foi indexada à rendibilidade média diária das OT a 10 anos, acrescida de 300 pontos percentuais, valor que ascende a 400 pontos percentuais para a atividade de Distribuição de energia elétrica.

Refira-se que apenas recentemente foram fixados os parâmetros referentes ao fator de eficiência associado aos custos com a descarga, armazenamento, transporte e comercialização do fuelóleo. A fixação destes parâmetros, assim como o custo unitário do fuelóleo para a produção de energia elétrica praticado no mercado primário de referência, previsto no Regulamento Tarifário, ficou dependente de um estudo realizado por um consultor externo, concluído no início de 2011. Relativamente aos custos com combustíveis, destaca-se o Acordo celebrado, em Dezembro de 2009, entre a Região Autónoma dos Açores e a EDA, S.A., onde se prevê que: “ A RAA obriga-se a suportar o eventual diferencial que se verificar entre o custo real suportado pela EDA na aquisição de fuelóleo e o custo de aquisição de fuelóleo para a produção de energia elétrica aceite pela ERSE em conformidade com o disposto no seu Regulamento Tarifário”.

Em 2011, prosseguiu-se com o processo de convergência das tarifas da Região para com as do Continente, constatando-se que o processo de convergência, em termos médios e por tipo de fornecimento, se encontra concluído. O atual mecanismo de convergência tarifária, estabelecido no Regulamento Tarifário, tem como referencial os preços das Tarifas de Venda a Clientes Finais (TVCF) em vigor em Portugal continental, assegurando, por um lado, a igualdade de preços médios praticados por grupo de clientes e, por outro lado, a convergência individual dos preços da região para os preços das tarifas em Portugal continental.

Com a extinção das tarifas de venda a clientes finais acima de 41,4 kW (MAT, AT, MT e BTE), decorrentes da publicação do Decreto-Lei nº. 104/2010, de 29 de Setembro, o mecanismo de convergência necessita de ser ajustado à nova realidade legislativa, tendo a ERSE proposto que o referencial de preços para o qual devem convergir as TVCF de MT e BTE nos Açores e na Madeira seja determinado tendo em conta: (i) os resultados da monitorização dos preços de eletricidade praticados no mercado (ii) as variações das tarifas de acesso às redes e (iii) as variações dos preços de energia.

Para o exercício de 2011, a compensação financeira previsional atribuída à EDA ascendeu a 43,1 milhões de euros.

Refira-se, porém, que, através do Despacho de 3 de Outubro de 2008, o Ministro da Economia e da Inovação determinou que o montante de 50 milhões de Euros, relativo ao valor de equilíbrio económico-financeiro previsto no Artigo 92º. do Decreto-Lei nº. 226 – A/2007, de 31 de Maio, fosse afetado à estabilização das tarifas mediante a redução do financiamento dos custos com a convergência tarifária de 2009 entre as Regiões Autónomas e o Continente. A componente correspondente à Electricidade dos Açores S.A. não foi transferida pela REN, conforme determinado pela ERSE aquando da

(19)

______________________________________________________________________________________________

publicação das tarifas de 2009, pelo facto da REN não ter recebido qualquer valor previsto no Despacho anteriormente referenciado.

Refira-se também que a Lei 12/2008, de 26 de Fevereiro, relativa aos serviços públicos essenciais, determinou que os custos com contadores deixam de ser considerados no cálculo das tarifas de energia elétrica, em resultado da proibição da cobrança aos utentes de qualquer importância a título de preço, aluguer, amortização ou inspeção periódica de contadores ou qualquer outra taxa de efeito equivalente independentemente da designação utilizada. Esta Lei teve como consequências a diminuição da base de ativos a amortizar e a remunerar a partir de 2009, no âmbito da determinação do sobrecusto da atividade de distribuição de energia elétrica.

PPEC – Plano de Promoção da Eficiência no Consumo

A medida “Auditoria Energética a Edifícios Escolares”, de carácter intangível, desenvolvida ao abrigo do Plano de Promoção da Eficiência no Consumo, para o período 2009-2010, visou a realização de uma auditoria energética num estabelecimento de ensino público na Região Autónoma dos Açores (Escola Básica Integrada dos Arrifes).

O principal objetivo desta medida é, através da auditoria, identificar oportunidades de melhoria do desempenho energético que potencie a redução dos respetivos consumos, bem como avaliar técnica e economicamente os benefícios da implementação de soluções mais eficientes do ponto de vista energético nas instalações escolares do território açoriano. Um segundo objetivo é a divulgação posterior das medidas de eficiência energética propostas junto dos restantes estabelecimentos de ensino e dos serviços regionais de educação. Pretende-se, assim, desenvolver um legado de conteúdos sobre os resultados obtidos na auditoria energética e sobre a importância e necessidade de poupar energia elétrica como estratégia para estimular a mudança de comportamentos da população escolar para a redução do consumo de eletricidade e seus impactos na redução das emissões de Gases com Efeito de Estufa (GEE).

Para uma maior eficácia desta divulgação, foi impressa uma brochura informativa com os resultados e medidas da auditoria energética, bem como criado um manual de eficiência energética em estabelecimentos escolares.

Foi lançado um concurso de ideias interescolar para alunos, organizados em grupos, com vista à apresentação de soluções no âmbito da promoção da eficiência energética e da redução de consumos, tendo em vista a sua implementação no curto prazo nos próprios estabelecimentos de ensino. Para a melhor ideia foi atribuído um prémio ao grupo vencedor, da responsabilidade do Promotor: uma viagem a Lisboa com visita ao Museu da Eletricidade que teve lugar no dia 13 de Abril de 2011.

Os resultados finais do concurso foram divulgados no workshop com apresentação pública no dia 26 de Novembro de 2010, na Escola EB1 dos Arrifes, em Ponta Delgada e foi dirigida a toda a comunidade educativa.

PPDA - Plano de Promoção do Desempenho Ambiental

Na continuidade do Plano de Promoção de Desempenho Ambiental (PPDA) da EDA, referente ao período regulatório 2009-2011, procedeu-se ao acompanhamento das medidas dos projetos afetos ao PPDA 2009-2011.

(20)

______________________________________________________________________________________________

Relatório e Contas 2011 19

4 - INVESTIMENTO

Em 2011, o investimento, a custos totais, realizado no segmento de eletricidade atingiu cerca de 52 milhões de euros. Do investimento realizado, cerca de 51,9% foram utilizados no reforço do sistema electroprodutor, enquanto 37,9% corresponderam ao investimento na rede de transporte e distribuição, numa ótica de garantia da continuidade e qualidade do fornecimento de energia elétrica. O investimento efetuado pela EEG diz respeito aos montantes despendidos na construção/ampliação de parques eólicos e aproveitamentos hidrelétricos. Decorrente da atividade da SOGEO e GEOTERCEIRA, foram investidos, em 2011, cerca de 5 milhões de euros no aproveitamento dos recursos geotérmicos.

A evolução dos montantes investidos nas atividades de produção, transporte e distribuição de energia elétrica, a preços correntes, nos últimos exercícios, é apresentada nos gráficos seguintes.

Investimento (103 euros) Actividade Custos Técnicos Encargos Financeiros Total Centros Produtores 25 213 1 852 27 065 Centrais Termoeléctricas 3 354 616 3 970

Parques Eólicos e Aproveitamentos Hidroeléctricos 18 028 78 18 106

Aproveitamento Recursos Geotérmicos 3 832 1 157 4 989

Rede Transporte e Grande Distribuição 9 832 414 10 246

Rede Pequena Distribuição 8 778 244 9 022

Outros 5 339 30 5 369 Total 49 161 2 540 51 701 0 10 000 20 000 30 000 40 000 50 000 60 000 70 000 80 000 2007 2008 2009 2010 2011

10³ euros Investimento Total (preços correntes)

(21)

______________________________________________________________________________________________

Relativamente aos projetos de investimento realizados em 2011, destacam-se como mais significativos os seguintes:

Produção - EDA

 Ampliação da central termoelétrica do Aeroporto, em Santa Maria, com a finalização da instalação dos grupos VIII e XIX, conclusão da remodelação do sistema SCADA e da sala de comando;

 Na ilha de São Miguel, atualização do sistema de comando e controlo da central termoelétrica do Caldeirão, conservação e obras de beneficiação dos tanques de combustíveis da central;

 Obras de beneficiação das instalações da central termoelétrica de Belo Jardim, na ilha da Terceira;

 Remodelação e ampliação do sistema de combate a incêndios da central termoelétrica do Caminho Novo, em São Jorge;

 Na ilha do Pico, a substituição da cobertura do edifício da central termoelétrica do Pico;

 Ampliação da central termoelétrica de Santa Bárbara, no Faial, com a continuação da instalação do grupo VIII e a revitalização do edifício da portaria da central;

 Continuação da construção da nova central termoelétrica da Ribeira Além Fazenda, na ilha das Flores.  Ampliação da central termoelétrica do Corvo, com a continuação da instalação do grupo V.

Produção – EEG

 Início da execução da obra de construção civil do Parque Eólico nos Graminhais, na ilha de S. Miguel, com a execução da empreitada a decorrer entre janeiro e junho. A instalação dos aerogeradores ocorreu nos meses de julho e agosto tendo, a partir de setembro, decorrido a empreitada de montagem dos equipamentos de média tensão. 0 10 000 20 000 30 000 40 000 50 000 60 000 70 000 2007 2008 2009 2010 2011

10³ euros Investimento a Custos Técnicos (preços correntes)

Centrais Termoeléctricas Parques Eólicos e Aproveitam. Hidroeléctricos Aproveitamento Recursos Geotérmicos Transp. Grande Distr.

(22)

______________________________________________________________________________________________

Relatório e Contas 2011 21

 Entre os meses de maio e agosto decorreu também a empreitada de construção civil para ampliação do parque eólico da Serra do Cume, a que se seguiu a montagem dos aerogeradores e de ligação elétrica nos meses de setembro e outubro, data a partir da qual se pode já contar com a produção de energia elétrica a partir das novas unidades.

 Em relação ao novo parque eólico da ilha do Faial, na freguesia do Salão, durante o ano decorreu o processo de seleção do fornecedor dos aerogeradores e elaborou-se o projeto de execução final para os trabalhos de construção civil, tendo-se procedido também à seleção do empreiteiro para essa realização.

 As obras de investimento relacionadas com as ampliações dos parques eólicos das ilhas de S. Maria, S. Jorge e Pico prosseguiram com a realização do levantamento topográfico atualizado e com os estudos necessários à alteração de configuração das instalações elétricas existentes face ao previsto aumento de potência eólica.

Produção – SOGEO

 Beneficiação dos poços geotérmicos CL2 e CL4.  Projeto de execução do poço geotérmico CL8.

 Com o intuito de expansão da central do Pico Vermelho, foi construído um sistema hidráulico, de caráter definitivo, que permite a derivação e a condução dos caudais provenientes desta central para injeção nos novos poços geotérmicos PV9, PV10 e PV11, executados em 2009.

 Aumento da capacidade de transporte e separação do poço PV4.

 Avaliação do potencial de produção no campo geotérmico da Ribeira Grande., através de ensaios que contemplaram a estimulação da injetividade do poço PV10 e a caracterização da produtividade dos poços geotérmicos PV9, PV11 e RG5.

 Finalização da execução dos poços geotérmicos PV9, PV10 e PV11 da central do Pico Vermelho (CGPV), com a relocalização da zona de injeção do fluido geotérmico proveniente da CGPV.

 Interligação dos poços geotérmicos PV9, PV10 e PV11.

 Estudo de reconhecimento do potencial geotérmico nas ilhas Graciosa, São Jorge e Pico.

Produção – GEOTERCEIRA

 Conclusão dos ensaios dos poços geotérmicos (PA1 a PA4 e PA8) e serviços de consultoria no âmbito da determinação da viabilidade técnica e económica do recurso geotérmico.

Transporte e Grande Distribuição

Na Ilha de Santa Maria, e ao nível das linhas de distribuição, a remodelação da rede subterrânea 6/10 kV do aeroporto. Na Ilha de São Miguel, ao nível das linhas de transporte em alta tensão (AT), continuação da construção das linhas de transporte de 60 kV dos troços subestação da Lagoa (SELG) – 30 Reis I (1ª Fase), 30 Reis I - subestação da Lagoa de Congro (SELC) (1ª Fase) e parque eólico dos Graminhais (PEGR) – SELC (1ª Fase). Ao nível das subestações, o início da

(23)

______________________________________________________________________________________________

reformulação da subestação de Ponta Delgada (1ª Fase) e a finalização da montagem do painel de linha AT 60 kV na subestação da Lagoa (SELG).

Nas linhas de distribuição, a continuação da remodelação da rede 10 kV da cidade de Ponta Delgada (3ª Fase), das linhas 10/30 kV do Cabouco (3º troço) e da rede MT 30 kV das Capelas, reforço da secção da linha Sul - posto de seccionamento Areias – subestação das Furnas (SEFU), construção do ramal MT 30 kV do PT R. Amaro Dias, desdobramento da linha MT 30 kV – Arrifes e ampliação de diversas redes MT.

Na Ilha Terceira, ao nível das subestações, a continuação da ampliação da subestação das Lajes (SELJ) e a construção do centro de distribuição de Belo Jardim (CDBJ). Nas linhas de distribuição, a conclusão da construção da saída subterrânea 15 kV da subestação das Lajes e da saída 15 kV da subestação de Vinha Brava – São Bartolomeu (nó PT 95), a remodelação da linha MT Angra II, das linhas e ramais 15 kV da subestação das Quatro Ribeiras (Serreta) e do troço PT 73 – PT 79 – Boaventura e da rede subterrânea MT 15 kV da cidade de Angra do Heroísmo.

Na Ilha Graciosa e ao nível das linhas de distribuição, a ampliação de redes MT.

Na Ilha de São Jorge, ao nível dos centros de controlo e telemedida, a montagem de teleinterruptores na rede MT de 15 kV. Nas Linhas de Distribuição, a ampliação em diversos ramais e na rede MT 15 kV.

Na Ilha do Pico, ao nível das linhas de distribuição, a remodelação 15/30 kV das linhas Madalena – Bandeiras – Santo António e Lajes – São Mateus, e diversas ampliações da rede MT.

Na Ilha do Faial, ao nível dos centros de controlo e telemedida, a montagem do sistema de teleação na rede MT, da cidade da Horta. Ao nível das linhas de distribuição, a conclusão da remodelação da linha e ramais 15 kV Horta – Cedros – PT8 – PT20.

Na Ilha das Flores, e ao nível dos postos de seccionamento, a conclusão da construção do posto de seccionamento de Santa Cruz. No que diz respeito às linhas de distribuição, a conclusão da construção das saídas 15 kV da nova central das Flores.

Pequena Distribuição

Em Santa Maria, ao nível de postos de transformação, a eletrificação e alteração de potências em diversos PT e remodelação 6/10 kV de PT públicos do Aeroporto. Ao nível das redes rurais, a continuação da ampliação de redes BT de Santa Maria.

Em São Miguel, ao nível de postos de transformação, a eletrificação e alteração de potência em diversos PT, a remodelação 10/30 kV dos PT da linha do Cabouco e da freguesia das Capelas e a construção do posto de transformação público de cabine baixa - R. Amaro Dias. Ao nível das redes urbanas, a continuação da remodelação da rede de baixa tensão da cidade de Ponta Delgada (4ª fase). Quanto às redes rurais, a conclusão da remodelação da rede BT do PT 165 (Salga), para além de diversas ampliações de rede BT.

(24)

______________________________________________________________________________________________

Relatório e Contas 2011 23

Na Terceira, ao nível de postos de transformação, a conclusão da eletrificação e de alterações nas potências de diversos PT. Ao nível das redes urbanas, a remodelação das redes BT da Estrada 25 de Abril (Praia da Vitória) e de Belo Jardim. No que diz respeito às redes rurais, a remodelação da rede BT do PT 23 C. Nova S. Carlos, assim como a ampliação e a construção de redes BT.

Na Graciosa, ao nível dos postos de transformação, a conclusão da remodelação dos PT 3 (Luz) e 25 (Igreja). Nas redes rurais, a continuação da remodelação da rede BT do PT 14 – Brasileira.

Em São Jorge, ao nível de postos de transformação, a construção do PT aéreo de 100 kVA com seccionador – Ponta Topo. Ao nível das redes urbanas, a remodelação da rede BT da Calheta. Nas redes rurais, a remodelação das redes BT do PT 69 (Bairro de Santa Catarina) e ampliação das redes BT da ilha de São Jorge.

No Pico, ao nível de postos de transformação, a continuação da remodelação 15/30 kV dos PT das linhas Madalena-Bandeiras-Santo António e Lajes-São Mateus 1. Ao nível das redes urbanas, a remodelação da rede BT das Lajes do Pico. Quanto às redes rurais, a remodelação da rede BT em diversas zonas da ilha e o prosseguimento da ampliação de redes BT.

No Faial e ao nível de postos de transformação, continuação de diversas eletrificações e alterações de potência em PT e a remodelação do PT 20 (Praça). Quanto às redes rurais, a ampliação de redes BT.

Nas Flores e ao nível das redes rurais, a ampliação de redes BT.

(25)

______________________________________________________________________________________________

5 - RECURSOS HUMANOS

As organizações que desfrutam de uma longa vida assentam em fundações sólidas. Os colaboradores do grupo EDA constituem o ativo mais valioso das empresas para a manutenção de elevados níveis de serviço, com capital humano altamente motivado e alinhado com os objetivos estratégicos, no sentido de alcançar a sustentabilidade a longo prazo, assegurar e reforçar continuamente valores como trabalho de equipa, inovação, partilha de saberes, integridade e atualização de conhecimentos.

Evolução dos efetivos

O número total de trabalhadores com vínculo ao Grupo EDA, no final de 2011, correspondeu a 947, representando assim um aumento de 0,1%, relativamente ao ano anterior.

Trabalhadores com vínculo GRUPO EDA

2010 2011 % EDA 667 675 1,2% EEG 8 7 -14,3% SOGEO 30 25 -20,0% GLOBALEDA 66 67 1,5% SEGMA 49 49 0,0% GEOTERCEIRA 5 4 -25,0% NORMAÇORES 55 57 3,5% CONTROLAUTO 13 12 -8,3%

Req./Cedidos Grupo EDA 29 27 -7,4%

Requisitados Ent. Oficiais 24 24 0,0%

Total 946 947 0,1%

Formação

Atualmente, assistimos a grandes alterações na nossa realidade quotidiana que ocorrem de uma forma contínua e num curto espaço de tempo. Estas alterações constantes implicam que as organizações estejam também em constante mudança com o objetivo de se adaptarem a estas novas exigências e a poderem responder da forma mais adequada possível. Neste contexto, a função da formação é responder às necessidades de acordo com características específicas vividas pela organização, visando dotar os sujeitos de capacidades de planeamento, diagnóstico, tratamento de informação e de decisão, bem como ajudar a empresa a ser flexível e a adaptar-se às novas tecnologias.

A qualificação dos colaboradores e o apoio à sua valorização pessoal e profissional são uma prioridade para o Grupo EDA. O Plano de Formação constitui, por isso, um referencial orientador da gestão da formação e está alinhado com a Visão, Valores, Compromissos e Desafios estratégicos da organização.

Em 2011, o total de horas de formação foi de 21.198, a que corresponde um crescimento de 38%, em relação ao ano anterior.

(26)

______________________________________________________________________________________________

Relatório e Contas 2011 25

Nas áreas temáticas abrangidas pela formação, a área de Eletricidade e Energia, com 27% das ações foi claramente a área mais assistida em 2011. Em certa medida este aumento resultou do avultado número de colaboradores que se encontram a laborar nesta área específica. Registe-se também a formação na Proteção e Ambiente e na Segurança e Higiene no Trabalho, que apesar do número reduzido de horas por ação, abrange colaboradores de quase todas as estruturas organizativas, sendo estas ações quase todas ministradas por formadores internos.

A EDA tem vindo a desenvolver uma série de dinâmicas, instrumentos e ferramentas de apoio ao exercício de liderança. Destaca-se o curso de formação “Inteligência Emocional” realizado em 2011, entre os meses de maio e setembro, tendo sido ministradas 7 Ações de Formação (6 em São Miguel e 1 na Terceira), envolvendo 73 participantes com diferentes funções de coordenação, nas diversas áreas funcionais, ao longo de 2 dias. Esta ação possibilitou uma reflexão sobre a gestão das emoções, através do reconhecimento da relevância da Inteligência Emocional, para que seja possível atingir uma liderança de excelência.

Prevenção e Segurança

No ano de 2011, foi dada continuidade ao trabalho desenvolvido nos anos anteriores, de modo a atingir os objetivos propostos para a área da Prevenção e Segurança, no que se refere a uma melhoria contínua das condições de trabalho dos trabalhadores da EDA.

Os trabalhos desenvolvidos que mereceram maior destaque, foram:

 Formação de Higiene e Segurança no Trabalho, Trabalhos em Altura, Gestão de Emergência (primeiros socorros e combate a incêndios);

(27)

______________________________________________________________________________________________

 Medidas de controlo de Higiene, através de avaliação de ruído nas centrais Termoelétricas;

 Inspeção anual aos equipamentos de trabalhos em altura utilizados pelos operacionais das Direções da Produção, Distribuição e Comercial;

 Seleção de equipamentos de proteção individual a introduzir na EDA;

 Elaboração de procedimentos de segurança das atividades da Direção de Distribuição;

 Adaptação dos Planos de Emergência Internos das Centrais Termoelétricas do Caldeirão, Aeroporto e Belo Jardim, face à legislação recentemente publicada;

 Realização de Simulacros nas Centrais Termoelétricas do Caldeirão, Belo Jardim e Aeroporto;

 Realização da reunião anual da Comissão de Segurança.

Quanto à sinistralidade laboral no ano de 2011, registaram-se 22 acidentes, sendo 17 com baixa médica, não se verificando acidentes mortais.

Ano Acidentes Dias Perdidos

2011 22 626

2010 17 500

2009 18 631

2008 10 831

2007 19 735

No ano de 2011, verifica-se que existiu maior número de acidentes de trabalho e de dias perdidos relativamente ao ano anterior. O aumento de dias perdidos motivado por acidentes de trabalho, passou de 500 para 626 dias, um aumento de aproximadamente 25%.

De referir que, relativamente ao tipo de acidentes do ano de 2011, 18% dizem respeito a “Movimentos incorretos ou sobre esforços” e 14% a acidentes de “origem elétrica”, salientando, pela negativa, o facto de se ter registado 3 acidentes de origem elétrica.

(28)

______________________________________________________________________________________________

Relatório e Contas 2011 27

SOGEO SEGMA GLOBALEDA GEOTERCEIRA TOTAL

Nº ACIDENTES 2 1 0 0 3

Nº DIAS PERDIDOS 0 165 0 0 165

Registou-se uma baixa sinistralidade e um reduzido número de dias perdidos nestas empresas, fator esse que consideramos positivo e de realçar, face à atividade laboral desenvolvida.

Medicina do Trabalho

A Medicina do Trabalho efetuou durante o ano o conjunto de atividades habituais: exames, educação para a saúde, vacinação e acompanhamento de processos de reforma.

Ao longo do ano foram realizadas 50 visitas aos postos de trabalho.

VISITAS EDA 30 EEG 2 SOGEO 4 GLOBALEDA 5 SEGMA 6 GEOTERCEIRA 1 NORMA 2

A vacinação atingiu um total de 335 colaboradores e foram realizados 1612 exames médicos, com a seguinte repartição:

EXAMES

Admissão Periódico Ocasionais TOTAL

EDA 26 380 1005 1411 EEG 0 3 0 3 SOGEO 1 19 11 31 GLOBALEDA 4 29 6 39 SEGMA 7 22 16 45 GEOTERCEIRA 0 2 2 NORMA 5 21 45 71 CONTROLAUTO 1 9 10

(29)

______________________________________________________________________________________________

6 - SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

A área de Organização e Gestão de Processos de Negócio, concluiu, em 2011, todo o processo de levantamento dos processos de negócio da área de Exploração da Produção e iniciou o levantamento da área de Exploração da Distribuição (levantamento, análise, representação, automatização, integração, monitorização e otimização dos processos ao longo de toda a cadeia de valor).

Na área dos Sistemas e Tecnologias de Informação, a monitorização sistemática das prestações a efetuar pelas empresas prestadoras de serviços em regime de outsourcing, NOVABASE e LOGICA, e avaliação de todos os aspetos conexos com a execução dos serviços, conforme previsto no modelo de relacionamento, constituiu uma das atividades que mais tempo consumiu à equipa do SITIC.

Ao longo de 2011, foi realizado o acompanhamento de projetos, nomeadamente o upgrade SIT/SIG, SAP PM, PS e Mobilidade, Sistema Comercial ClienteMais (autonomização para as aplicações EDA Online, GCOB, AGC-offline, PTArquivo (IXOS), SAP BW e SGL), Portais (Sharepoint), SAP CATS (substituição EDATIME) e VOIP e Lync.

Em Dezembro de 2010, foi feita a publicação do anúncio do Concurso Público Internacional que tem por objeto a adjudicação de uma proposta de fornecimento de serviços de desenho e implementação das soluções:

i) SAP-PS (Project System) para suporte dos processos de gestão e controlo do investimento e projetos; ii) SAP-PM (Plant Maintenance) para suporte dos processos de gestão da manutenção, no contexto das

operações das áreas de Produção e de Distribuição; e iii) Mobilidade para a área de manutenção.

Durante o primeiro trimestre de 2011, foram apresentadas e analisadas as propostas. O contrato foi adjudicado, em Julho de 2011, ao agrupamento PT PRIME – SOLUÇÕES EMPRESARIAIS DE TELECOMUNICAÇÕES E SISTEMAS, S. A. PT – SISTEMAS DE INFORMAÇÃO S.A. e INDRA SISTEMAS PORTUGAL, S.A., com um prazo de execução de 28 semanas. O início do projeto ocorreu em Setembro de 2011.

Durante o segundo trimestre concluiu-se a preparação de toda a documentação para o lançamento do procedimento Pré-Contratual para a Celebração de Contrato de Aquisição de Serviços para Desenho e Implementação de Solução SAP CATS –

Cross Application Time Sheet. Este projeto visa, entre outros, desenhar e implementar uma solução de preenchimento de folha de tempos por atividades substituindo a aplicação atual denominada “EDA Time” e que responda aos requisitos identificados neste caderno de encargos. O contrato foi adjudicado, em Setembro de 2011, à NOVABASE, com um prazo de execução de 8 semanas. O início do projeto ocorreu em Outubro de 2011.

Ainda durante o segundo trimestre, concluiu-se a preparação de toda a documentação para o lançamento do procedimento Pré-Contratual para a Celebração de Contrato de Aquisição de Serviços para Desenho e Implementação de Solução de Intranet, Internet e Colaboração baseada em MICROSOFT Sharepoint.

O projeto tem por objetivo responder à necessidade de renovação da imagem, usabilidade e da plataforma tecnológica dos atuais portais Internet, Intranet e Colaborativo, usados pela EDA e pelas empresas do GRUPOEDA que utilizam a infraestrutura partilhada. O contrato foi adjudicado, em Outubro de 2011, à UNISYS, com um prazo de execução de 23 semanas. O início do projeto ocorreu em Janeiro de 2012.

(30)

______________________________________________________________________________________________

Relatório e Contas 2011 29

7 – COMUNICAÇÃO

O ano de 2011 começou com a realização da ação “A Nossa Marca”. Foi uma obra que teve um impacto muito significativo, quer no seio da empresa, quer na sociedade, dado que cerca de 70 colaboradores do Grupo EDA, voluntariamente, fizeram uma intervenção de fundo no Patronato de São Miguel, melhorando as condições das crianças que nele habitam.

Foi uma ação de Solidariedade Social que, ao longo do ano, foi complementada com apoios financeiros a outras instituições da Região.

Paralelamente, foram atribuídos patrocínios de cariz cultural, com vista ao apoio de diversos espetáculos, sendo de realçar o Workshop de Voz e Orquestra, do qual a EDA é patrocinador oficial.

Foi ainda em 2011 que terminaram as comemorações do 20º aniversário da SOGEO. Com as fotografias e fotos recebidas no concurso “A Energia da Nossa Terra” organizou-se uma exposição, que esteve patente na Casa do Arcano, na Ribeira Grande.

No último trimestre do ano realizou-se um encontro sob o tema “Evolução a Curto Prazo do Sistema Elétrico da Ilha

de São Miguel – Perspetivas para a sua regulação.”

Este evento, promovido pela Electricidade dos Açores, contou com a presença de várias personalidades, da TPF / ALSTOM,

ORMAT, ABB e INESC do PORTO, que partilharam os seus conhecimentos com os vários quadros da EDA presentes. Ao

longo do dia, foram discutidas as soluções existentes, a possibilidade de novas alternativas, com vista ao aperfeiçoamento e rentabilidade do Sistema Elétrico.

Ao nível da Assessoria, manteve-se a mesma lógica de envio de notas aos órgãos de comunicação social, quer dos investimentos, quer de outras temáticas consideradas importantes pelo Conselho de Administração, assim como organização de conferências de imprensa e de entrevistas.

(31)

______________________________________________________________________________________________

8 – QUALIDADE E AMBIENTE

Em 2011, a EDA, S.A. deu continuidade ao projeto de Implementação do Sistema de Gestão da Qualidade e Ambiente, demonstrando a sua preocupação e empenho em garantir a SATISFAÇÃO DO CLIENTE, a sistematização das ações de MELHORIA CONTINUA e a redução dos IMPACTES AMBIENTAIS resultantes da sua atividade.

O projeto teve como objetivo estender o sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9001:2008) já existente, à condução de Centrais, neste caso à Central do Caldeirão e integrar a Gestão Ambiental (ISO 14001:2004). Para além disso foi efetuada a integração de todos os Sistemas Certificados (EPROD, COMEL) e não Certificados (EDIST) passando os processos de suporte a serem transversais a todas as áreas.

No decurso do ano 2011, foram alcançados os objetivos previstos, destacando-se as seguintes atividades:

 A Manutenção da Certificação dos Sistemas de Gestão da Qualidade implementados, através do cumprimento dos requisitos definidos pelos respectivos referenciais;

 A dinamização das ações de melhorias no domínio do Ambiente.

 Integração do Sistema de Gestão da Qualidade e Ambiente

 Realização de ações de monitorização, em conformidade com os requisitos de Lei, nas áreas operacionais da EDA.

 A consolidação do Sistema Integrado de Gestão de Resíduos e a consequente disciplina de gestão de resíduos, por utilização de práticas adequadas.

 O cumprimento da política interna de diminuição do impacto das atividades da EDA no Ambiente e melhorias de Qualidade, contribuindo assim para a obtenção de melhor desempenho e consequentes resultados positivos da atividade do sector energético.

Qualidade

Em 2011 foi dada continuidade ao projeto de Implementação do Sistema de Gestão da Qualidade e Ambiente na EDA, S. A.

Com a implementação do SGQA na EDA, S.A. o Sistema de Gestão passa a ter o seguinte âmbito:

 “Produção de Energia em Sistemas Termoeléctricos. Manutenção dos Sistemas de Produção de Energia”, no âmbito da Direção de Exploração da Produção, que integra a certificação NP EN ISO 9001-2008 e NP EN ISO 14001:2004.

 “Comercialização de Energia, Potência e Serviços Conexos”, no âmbito da Direção Comercial, com certificação na NP EN ISO 9001:2008.

 “Planeamento e Execução de Manutenção de Subestações, Linhas AT/MT e Equipamentos de Manobra da Rede, Análise de Projetos para Instalações Particulares e de Serviço Público e Viabilidades para Operações Urbanísticas e Obras Particulares Não Sujeitas a Licenciamento Municipal”, no âmbito da Direção de Exploração da Distribuição, que ainda não se encontra integrado na Certificação.

(32)

______________________________________________________________________________________________

Relatório e Contas 2011 31

Ao nível do Sistema de Gestão implementado no Laboratório de Contadores de Energia Elétrica, em Fevereiro de 2011 foi realizada a Auditoria de Acreditação do Laboratório pelo IPAC, de acordo com o referencial NP EN ISO/IEC 17025:2005, tendo sido obtida a Acreditação do Laboratório em Maio de 2011.

Em 2011, foi também assegurada a manutenção da Certificação do Sistema de Gestão da Qualidade da Globaleda, de acordo com o referencial NP EN ISO 9001:2008.

Ambiente

Efluentes Gasosos

Foram efetuadas 2 campanhas de monitorização pontual dos efluentes gasosos para as fontes das centrais termoelétricas, nos parâmetros requeridos legalmente. As Centrais Termoelétricas de São Miguel e da Terceira dispõem de monitorização em contínuo, tendo sido apresentados, em 2011, à Direção Regional do Ambiente, os relatórios trimestrais com os resultados obtidos.

De um modo geral verifica-se uma diminuição das emissões de Óxidos de Azoto (NOx), Dióxido de Enxofre (SO2) e Partículas (PTS) em parte devido à diminuição da produção. Em contraponto verificou-se um ligeiro aumento das emissões de Monóxido de Carbono (CO).

Efluentes Líquidos

As Centrais Termoelétricas da EDA possuem instalações de tratamento de efluentes líquidos, que permitem assegurar uma adequada qualidade do efluente rejeitado, conforme definido no Decreto-lei 239/98 de 1 de Agosto. Todas as centrais possuem licença de descarga ao solo de efluentes líquidos e, como preconizado nestas, efetuou-se a monitorização, durante o ano 2011, das águas residuais, com a periodicidade bimestral no caso das Centrais do Caldeirão e do Belo Jardim e trimestral no caso das restantes centrais.

6.425 7.958 10.195 8.456 4.413 4.411 2.723 1.702 357 564 648 238 572 648 480 554 613.690 606.191 610.835 587.889 -7.000.000 -6.000.000 -5.000.000 -4.000.000 -3.000.000 -2.000.000 -1.000.000 0 1.000.000 2.000.000 0 2.000 4.000 6.000 8.000 10.000 12.000 14.000 2008 2009 2010 2011 NOX (ton) SO2 (ton) PTS (ton) CO (ton) Produção (MW)

(33)

______________________________________________________________________________________________

Licenciamento Ambiental (PCIP – Prevenção e Controlo Integrado da Poluição)

Foram realizadas ações de formação/sensibilização para o cumprimento das exigências ambientais, estipuladas nas Licenças Ambientais.

De acordo com o estipulado nas Licenças Ambientais, foram entregues, na Direção Regional do Ambiente (DRA), os Relatórios Ambientais Anuais (RAA) referentes a 2010 para as Centrais Termoelétricas do Caldeirão e Belo Jardim. Igualmente decorrentes das obrigações das Licenças Ambientais foram elaborados e enviados para a autoridade, os Planos de Desempenho Ambiental (PDA) para o período 2011-2013, com ações de melhoria ambiental, de forma a minimizar ou evitar efeitos adversos no ambiente.

Releva-se a participação da EDA-GQAMB no 3º Encontro Regional de Operadores PCIP-PRTR, que se realizou em Ponta Delgada, no qual efetuou uma apresentação do desempenho ambiental da Central do Caldeirão na ilha de São Miguel.

Mercado de Carbono

O Comércio Europeu de Licenças de Emissão (CELE) abrange quatro Centrais Termoelétricas da EDA e constitui um importante mecanismo de mercado no combate às alterações climáticas. O processo encontra-se presentemente no chamado período 2008-2012, no qual foram alocadas à EDA - PNALE II (Plano Nacional de Atribuição de Licenças de Emissão) em Portugal - licenças de emissão da ordem das 1,9 Mt CO2.

Na Exploração de Produção deu-se continuidade à gestão das licenças de carbono, para o período 2008-2012, sendo que a Verificação das licenças de carbono, referente ao ano de 2011, foi realizada no decurso do mês de Fevereiro de 2012, por uma entidade verificadora certificada.

Nos quadros seguintes apresenta-se o comparativo da gestão de licenças de carbono (tCO2) e os consumos específicos (kgCO2/kWh), para o período 2008-2011.

(34)

______________________________________________________________________________________________

Relatório e Contas 2011 33

Do total de licenças de carbono alocadas à EDA (477.883 tCO2), para o ano de 2011 e para as 4 centrais CELE (Central Termoelétrica do Caldeirão – S. Miguel, Central Termoelétrica do Belo Jardim – Terceira, Central Termoelétrica de S. Bárbara – Faial e Central Termoelétrica de S. Roque do Pico – Pico), apenas foram consumidas 71% das licenças (337.280 tCO2), ficando um remanescente de 140.603 tCO2.

PRTR - Pollutant Release and Transfer Register

De acordo com o Regulamento PRTR, as Centrais do Caldeirão e Belo Jardim encontram-se abrangidas por este inventário, devido à sua capacidade térmica instalada (>50 MWt). Para estas Centrais foram efetuados os devidos registos, via online no sítio da Direção Regional do Ambiente (DRA).

O preenchimento do Formulário PRTR2010 decorreu entre Março e Maio de 2010, tendo as informações reportadas pela EDA sido verificadas e aceites para ambas as Centrais.

A sigla PRTR significa “Pollutant Release and Transfer Register”, em português “Registo de Emissões e Transferências de Poluentes”.

Resíduos

A EDA realiza uma gestão de resíduos com a constante preocupação da redução da sua produção na origem e da valorização através do seu encaminhamento para os Operadores Licenciados para a gestão de resíduos (quando existentes), conforme estipulado na legislação vigente.

Nas centrais térmicas da EDA são gerados em grandes quantidades resíduos provenientes do tratamento do fuelóleo. Nos processos de operação e manutenção das redes elétricas são produzidos igualmente resíduos metálicos e de postes de betão.

Imagem

Referências

temas relacionados :