Reforma Protestante. 1. Contexto histórico da Igreja; 2. Pré Reforma; 3. Martinho Lutero e a Reforma; 4. O termo Protestante; 5.

38 

Loading.... (view fulltext now)

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Texto

(1)

Reforma Protestante

1. Contexto histórico da Igreja;

2. Pré Reforma;

3. Martinho Lutero e a Reforma;

4. O termo Protestante;

5. Contra Reforma;

(2)

1. Contexto Histórico (Séculos XIV e XV)

1.1. Igreja prostituida

“Os cardeais que residiam em Roma não procuravam resguardar as amantes das vistas do publico. A paixão do jogo os envolvia na perda e no ganho de somas enormes, em uma só noitada. Os papas assistiam a sujas comédias, representadas no Vaticano. Seus filhos se casavam nas próprias câmaras do Vaticano e os cardeais se misturavam às senhoras que acorriam como convidadas, as brilhantes diversões que os papas arranjavam”

(3)

1.2. Inquisição

O papa Inocêncio III organizou a força policial da Igreja. Esta foi a mais terrível estratégia da Igreja. Qualquer divergência contra ela era tratada como se fosse crime, cuja punição não estava reservada apenas neste mundo, com prisões, tortura e morte, mas também no mundo vindouro, onde o insubmisso queimaria no inferno. Esta policia chamava-se Inquisição.

(4)

1.3. Poder corrupto da igreja

O poder foi usado para favorecer os oficiais da Igreja e seus parentes. Papas nomeavam sobrinhos e familiares próximos, alguns deles na idade de adolescência, para assumirem bispados e arcebispados por todo o império. Ser líder da Igreja era um grande negocio.

(5)

1.4. Interferência da igreja nos Estados

O papa poderia também fazer uso do interdito, com uma espécie de intervenção da igreja nos reinados do Império, quando o chefe da Igreja assumia o lugar do rei, como aconteceu com o Rei John da Inglaterra em 1213. Foram muitos os abusos e perseguições nesta época. Seres humanos sem direitos, sem liberdade e sendo terrivelmente explorados e censurados quando a sua liberdade de consciência.

(6)

1.5.

Construção da Basílica de São Pedro

(1506-1626) – Venda das Indulgências

(7)

2. Os primeiros reformadores

2.1 – França (Os Valdenses) - Pedro Valdo, françês (1140 –1218) - enfatizaram o estudo e a pregação da Bíblia. Traduziram o Novo Testamento para a língua comum do povo, rejeitaram as doutrinas católicas do sacerdócio e purgatório, e defenderam à volta às Escrituras como a única autoridade na religião.

2.2 – Inglaterra (John Wycliffe) foi professor da

Universidade de Oxford, teólogo precursor das reformas religiosas que sacudiram a Europa nos séculos XV e XVI. Trabalhou na primeira tradução da Bíblia para o idioma inglês, que ficou conhecida como a Bíblia de Wycliffe.

(8)

2.3 – República Checa - Jan Hus (1369-1415). Ele iniciou um movimento religioso baseado nas ideias de John Wycliffe. Os seus seguidores ficaram conhecidos como os hussitas. A Igreja Católica não perdoou tais rebeliões e ele foi excomungado em 1410. Condenado pelo Concílio de Constança, foi queimado vivo e morreu cantando um cântico.

2.4 – Alemanha - Martinho Lutero – Estudaremos mais a frente.

(9)

2.5 – França - João Calvino (1509-1564) foi um teólogo cristão francês. Calvino teve uma influência muito grande durante a Reforma Protestante, uma influência que continua até hoje. Portanto, a forma de Protestantismo que ele ensinou e viveu é conhecida por alguns pelo nome Calvinismo.

2.6 – Suíça - Ulrico Zuínglio, (1484 — 1531) foi um teólogo suíço e principal líder da Reforma Protestante na Suíça.

(10)

3 - Martinho Lutero

(Martin Luther)

(11)

3.1 - Histórico

• Martinho Lutero nasceu a 10 de novembro de

1483 no centro da Alemanha, em Eisleben, Turíngia/Alemanha. Seus pais, João e Margarida, eram pobres João era mineiro e lenhador -porém não iletrado, de modo que puderam dar-lhe boa orientação educacional.

• Em 1501 ingressava na Universidade de Erfurt,

cidade conhecida como "Roma Alemã" pelo número de suas igrejas e mosteiros. Obteve ali os graus de Bacharel (1502) e Mestre em Arte (1505). No mesmo ano ingressou no curso de Direito.

(12)

• 02 de julho de 1505, regressando da casa paterna,

teve sua vida seriamente ameaçada por uma tempestade que, por pouco, lhe tirara a vida. Fez, nesta oportunidade, um voto a Sant’ana que, se lhe fosse dado viver, ingressaria no mosteiro para tornar-se monge. No dia 17 de julho de 1505 as portas do convento da Ordem dos Agostinhos fechavam-se atrás dele.

• Em fevereiro de 1507 foi ordenado sacerdote.

Vivia, no entanto, em completo desespero, buscando, dias e noites a fio, em tremendos tormentos espirituais, resposta à pergunta: "De

que maneira conseguirei um Deus

(13)

• Por indicação de João de Staupitz, que reconhecia

em Lutero urna erudição e inteligência incomuns, Lutero foi designado professor na Universidade de Wittenberg. Ocupou ali a cadeira de Teologia. Continuou também seus estudos, instruindo-se principalmente nas línguas gregas e hebraica.

• Em outubro de 1512, recebia, das mãos do decano

da faculdade de Teologia, o grau de Doutor em Teologia.

(14)

• As suas preleções eram tão concorridas que a elas

acorriam estudantes de todas as partes e países vizinhos. Os professores assistentes também aumentavam. O reitor da Universidade chegou a declarar, como que em antevisão: "Este frade derrotará todos os doutores; introduzirá uma nova doutrina e reformará toda a igreja; pois ele se funda sobre a palavra de Cristo, e ninguém no mundo pode combater nem destruir esta Palavra..." (Melchior, Adam. Vita Lutheri, p. 104).

(15)

• Em 1511, então com 28 anos, foi enviado em missão

diplomática a Roma, para solucionar uma divergência entre sete conventos de sua Ordem e o vigário geral da mesma. A corrupção, imoralidade, as zombarias, o desrespeito do clero e da cúpula da igreja para com as coisas sagradas marcaram nele uma profunda decepção. Embora profundamente entristecido, as esmagadoras desilusões sofridas não o levaram a descrer de sua igreja.

(16)

• Venda de indulgências - A doutrina de indulgências,

inicialmente formulada no século XIII, era associada com o sacramento de penitência e a doutrina do purgatório. Enquanto acreditava-se que o sacramento fornecia perdão dos pecado e do castigo eterno, acreditava-se que havia uma satisfação temporal que o pecador arrependido teria que cumprir nesta vida ou no purgatório. A indulgência era um documento que a pessoa podia comprar por uma certa quantia de dinheiro que a livraria da punição temporal do pecado. Acreditava-se que os méritos excedentes de Cristo e dos santos seriam guardados numa “tesouraria de mérito” celestial da qual o papa podia tirar méritos para o benefício dos vivos.

(17)

• Em 1517 o dominicano Johann Tetzel estava

vendendo uma indulgência plena especial (prometendo o perdão completo dos pecados) para conseguir dinheiro para a igreja, para financiar o término da catedral de São Pedro em Roma. O protesto de Lutero inicialmente era contra o que via como o abuso do sistema de indulgências. Também era um desafio à autoridade papal que tornava tais abusos possíveis.

(18)

• Quando pregou à porta da Igreja do Castelo de

Wittenberg, em 31 de outubro de 1517, o pergaminho com as 95 teses em latim para serem debatidas entre os acadêmicos, conforme o costume da época, não desejava desencadear um movimento na história da igreja.

(19)

• (Tese I) - Pregam futilidades humanas quantos

alegam que no momento em que a moeda soa ao cair na caixa, a alma se vai do purgatório.

(Tese 27) - Todo o cristão que se arrepende verdadeiramente dos seus pecados e sente pesar por ter pecado, tem pleno perdão da pena e da dívida, perdão esse que lhe pertence mesmo sem breve de indulgência.

• (Tese 36) - Esperar ser salvo mediante breves de

indulgência é vaidade e mentira, mesmo se o comissário de indulgências e o próprio papa oferecessem sua alma como garantia.

(20)

• (Tese 52) Aos olhos de Deus, não há na criatura

senão concupiscências; - Ninguém se salva senão pela graça de Deus através da fé.

• O efeito dessas teses foi tão inesperado, que elas

não ficaram entre os letrados; traduzidas ao alemão, em poucas semanas se espalharam por toda a Alemanha e outras partes da Europa, chegando ao conhecimento do povo em geral.

(21)

• Em 1518, Roma tratou de liquidar o caso do

monge de Wittenberg. Lutero foi chamado para responder processo em Roma, dentro de sessenta dias. Mas, por interferência de Frederico, o Sábio, Príncipe da Saxônia (considerava muito Lutero e a “sua” palavra) , o Papa consentiu que a questão fosse tratada em Augsburgo, pelo Cardeal Cajetano. Este exigia simplesmente que Lutero se retratasse, o que este, naturalmente, não fez.

(22)

• Em 1520 escreveu três livros fundamentais mostrando o antagonismo do sistema de salvação papal e o ensino bíblico: "À Sua Majestade Imperial e à Nobreza Cristã sobre a Renovação da Vida Cristã",- "Sobre a Escravidão Babilônica da Igreja" e "Da Liberdade Cristã" ' Alguns de seus pensamentos-chave aí registrados são estes: - “O cristão é um livre senhor sobre todas as coisas e não submisso a ninguém - pela fé"; "o cristão é servidor de todas as coisas e submisso a todos -pelo amor". "Não fazem as boas obras um bom cristão, mas um bom cristão faz boas obras".

(23)

• A resposta do Papa foi a bula de excomunhão

Exsurge Domine tinha ainda 60 dias para

retratar-se do que havia escrito e ensinado. Em 03 de janeiro de 1521 esgotou-se o prazo dado na bula, sendo então proferido o anátema definitivo, pela bula Decet Romanum Pontificem.

Em 1521 reunia-se a primeira Dieta ou Assembléia do império (Dieta - do grego díaita, "modo de viver“ - de Worms - Alemanhã), presidida pelo jovem imperador Carlos V, eleito em 1520. Lutero, intimado, compareceu diante da assembleia em 17 de abril de 1521.

(24)

• Na assembleia mostrou-se a Lutero uma mesa

cheia de cópias de seus escritos. Perguntou-lhe, então, se os livros eram seus e se ele acreditava naquilo que as obras diziam. Lutero pediu um tempo para pensar em sua resposta, o que lhe foi concedido. Este, então, isolou-se em oração

(25)

• No dia seguinte reinicia-se a assembleia com a

seguinte pergunta:

“Lutero, repeles seus livros e os erros que eles

contêm?”

Respondeu: "Não posso, nem quero retratar-me, a menos que seja convencido do erro por meio da palavra bíblica ou por outros argumentos claros. Aqui estou; não posso de outra maneira! Que Deus me ajude. Amém".

(26)

• Escondido no Castelo de Wartburg, nas proximidades de Eisenach (sua cidade natal). Sua principal realização nesse período foi a tradução do Novo Testamento grego para um alemão fluente de grande aceitação popular. Os primeiros 5 mil exemplares esgotaram-se em 3 meses. Em cerca de dez anos houve 58 edições. Em 1522, com risco de vida, reassumiu as funções de professor em Wittenberg.

(27)

• O Imperador (Carlos V) redigiu o Édito de Worms

(Alemanha) a 25 de maio de 1521, declarando Martinho Lutero fugitivo e herege, proibindo os seus escritos e o rotulou como inimigo do Estado.

• Não houve, assim, apesar dos esforços, uma

maneira de restabelecer a unidade na igreja e no império. Em 1534 Lutero terminava uma tarefa em que havia trabalhado mais de 10 anos: a tradução do Antigo Testamento para o alemão. No mesmo ano pode-se publicar, então, a Bíblia completa.

(28)

• Martinho Lutero faleceu aos 62 anos de idade, em

18 de fevereiro de 1546, em sua cidade natal, Eisleben, depois de solucionar um litígio entre os condes de Mansfeld. Com grande cortejo fúnebre e ao som de todos os sinos, Lutero foi sepultado sob as lajes da igreja do Castelo de Wittenberg, onde sempre pregava o evangelho.

(29)

• O termo PROTESTANTE é derivado do latim

protestari. Significa declaração pública/protesto,

referindo-se à carta de protesto por príncipes luteranos contra a decisão da Dieta de Speyer de 1529, que reafirmou o Édito de Worms de 1521, banindo as 95 teses de Martinho Lutero do protesto contra algumas crenças e práticas da Igreja Católica do século XVI.

(30)

• Liderada pela ordem dos jesuítas (atual papa

Francisco), reconquistou vários territórios que tinham aderido à Reforma;

• Concílio de Trento(1545-1563) com o objetivo de

traçar um plano de reação;

• Criação da Cia. De Jesus para catequização dos

habitantes de terras recém-descobertas(Novo Mundo);

• Retomada do Tribunal do Santo Ofício (Inquisição);

• Criação do Index – listagem de livros proibidos;

• Moralização do clero, fim das indulgências;

criação de seminários e a nomenclatura CATÓLICA (UNIVERSAL).

(31)

• O historiador Schaff diz que:

“Este (Lutero) foi o maior homem que a Alemanha produziu e um dos maiores vultos da história".

• Goethe dá o seu testemunho nestes termos:

“Dificilmente compreendemos o que devemos a Lutero e à Reforma em geral. Ficamos livres dos grilhões da estreiteza espiritual (...) compreendemos o cristianismo em sua pureza".

(32)

• Heinrich -Heine, o poeta excelso, exclama:

"Honra a Lutero, a quem devemos a reconquista dos nossos direitos mais sagrados, e de cujos benefícios vivemos hoje em dia. Através de Lutero adquirimos a liberdade religiosa. Criou a palavra para o pensamento. Criou a língua alemã, através da tradução da Bíblia“.

• Dollinger, historiador católico liberal, diz:

"Lutero deu aos alemães o que nenhum outro jamais dera a seu povo: a língua, a Bíblia, a hinologia..."

(33)

• Funck-Brentano, célebre historiador contemporâneo assim se expressa:

"Qualquer que seja o julgamento formulado em torno da

doutrina religiosa de Martinho Lutero, é preciso

reconhecer nele uma das mais poderosas personalidades que o mundo conheceu. Sua energia, seu valor, sua poderosa ação - que decorriam em grande parte da intensidade de suas convicções - estão acima de todo elogio. Calculou-se que seriam precisos a um homem dez anos de vida para simples cópia das cartas, orações e inumeráveis escritos do reformador, e Lutero não só redigiu suas obras, mas pensou-as, deu-lhes estudo e reflexões, corrigiu-as, e isso entre ocupações múltiplas, quase sempre absorventes e das mais diversas, suas prédicas, sua atividade social e política, os cuidados e o tempo que consagrou aos antigos e à família" (Martim Lutero, pág. 22, Ed Veccki).

(34)

7. Os cinco Solas da Reforma Protestante

7.1. SOLA SCRIPTURA (SOMENTE A ESCRITURA)

2Tm 3.14-17;Ne 8.5-9;Lc 24.32;Lc 4.16-21Gl 1.8-9Is 40.8;

(35)

7.2.

SOLO CHRISTUS

(SOMENTE CRISTO) • 1Pd 2.24; • 1Co 15.3; • Jo 1.29; • Mt 27.46; • Jo 19.30; • Hb 9.11-16

(36)

7.3.

SOLA GRATIA

(SOMENTE A GRAÇA)

• Ef 2.1-10; • Rm 5.8;

• Rm 5.12-15; • Rm 6.1-5;

(37)

7.4.

SOLA FIDE

(SOMENTE A FÉ)

• Rm 5.1; • Rm 1.17; • Hb 11...

(38)

7.5.

SOLI DEO GLORIA

(GLÓRIA SOMENTE A DEUS)

• Is 42.8; • Is 43.11;

• Jo 1.1 c/c v.14 • Fp 2.5-11

Imagem

Referências

temas relacionados :