GMKUtaRXMl Mjk. ACITI I A?"» & 1 dous nllimos "raids" Ir.iuslorinada cm um monte do rninas. A linda

Texto

(1)

AnrnrYTIT íl

— ¦¦ *-, '-.-»-r ¦ t—pt*-^»';, ?TS7r,?':r**Kí!

—-=-. ¦_- ¦ ——--tf

HOJE

i, 1'EMPO ma 21,0

— Máxima, 23.0: mini-

f Ri™ oé Janeira<*

;...*.-¦ Jtrwji -, --

hj

2-iimts Pmssp^fW»-

.SpMBjl Hjngfl hHMm___ _t

HOJE

OU MERCAU^S — Utinblo, 13 ri. 3 13 1,'32. Café, 6Ç800 ,-, CS900.

í;:'-'

'

;<

H

.'.':¦

:.'.:S

ASSI(,.\.\llll.\S

Foi iiinio 2iiÇ00U

Por semestre 1I5ÜÜ0

M.Ml.KO AVDIjSO lOO KKIS

ninai

Keüaccão, Largo da Carioca 14, sobrado—(ifíicínas, rua M\o Cezar (Carmo), 29 e 3J TELEPHONES: REDACÇÃO, cbntrai. 523, 5285 e oppicial-GERENCIA, central 4918—OFFICINAS, cENTB*t.a52 e 5284

ASSIGNATURAS

Por aimo ..., — .. 268000

JPor ecmestrc tlii'000

KÜMKI(I>AVDJ.SU lOO liilIS OBmmwamBaamsBmaÊsaaamtmm

n

As hypotheses scientificas em iornodo obuz do canhão monstro

sa--.—^wMMaiwigB_agiwoM--W_-t-iiaw-BM ¦—¦ n ¦¦ ——¦ —im111 wminamÊmaemBeaaKmmasaamxmwn i—i i <w_wa iiumih nu—

ft/iit fvx&rr(i- e/.« culot Õbus rCàfí/no 230 Ohus de 2)'õ fusèe fisrcutânU ii nlm: Ktjiijoijiie prestes <> partir Oijbuz de '210

dentro do iAuiz de 210 l;. jornaes de Paris (|iio acabam de ehe-

ar. trazem minuciosas o interessantes de- rripçòes iln- nttrnludus allemães i).. l nl.id<

U7 pelo lorrivel canhão ministro, ii "Kx-

fragmento do iibu: de 210 m. m.: pbo»

loijruphiu redu: ú/u

relsior", após uma narraliva cinncionnnle da explosão do um dus projeelis do "inons- lio" em uniu egreja, narra a discussão cm 1orno desse canhão de longo aloanee, Ira- ,v;.il;i entro personalidades de responsabili- (lado seierililioa.

iii/ ii "líxcclsior":

"d bouibardeiii de Paris provoca innu- lucras cnritroversias scieiilifirns o dá logar a hypolhesos variadas, M. Kling, dn Laiio- ratorio Municipal, uiantein-se formal, con- clnindo pelo lir.i directo. com um projeclil

de 210. o reprova a ihcoria do "obús g!jo- gne" inbiiz reoheiido).

Kitlrelanlii, ii ni nffieial de artilharia, col- locado in. plano de tiro, a coroa do dous ti (vir. dn Iruçado supposVn, nos escrevi"

"llcfiistri uma detonação intermediária, H-.- Ia dolonaçiiu c demasiado forte para ser u de piirUdii. disluneiiida do .Su ki Io metros, e donla.si.ido surda para si r a de chegada,

;i iutcíi de li) liiloniotros Verificou-se cru direcção oppostii a Paris e coincide com os tempos eonslalndos enlre eudn puniu do ipic- (Ia do projeclil. Finfiin, a detonação não vem do solo. Kllii é ouvida cin i.ni angulo de .'!H . liiiilo (piaulo se podo avaliar com os apparolliiis ludiinenliircs iiouslicos".

Siibmolleiiios estas observações i uni of fieiiil siiperior i';- iirlilharia, (|ue durante muilo lempo exerceu o cargo de dirretoi da Kscnlii o.1 P.vroleehnia de Honrges

-¦•• Alô o momento actual — disse-nos clle

•— on estava pursumlUlo (le (|iie os allemães enviavam direi-la men to obtizes dn 210 m|m snhre a região parisiense. As indicações que me são presonles. todavia, consliluein i'a- elos novos, que merecem uni estudei parti- ciliar. Xão r preciso demonstrar rpie n do- lonnção intermediária ouvida por seu cor- respondente não podo ler sido produzida sinán por uma explosão de urna parto do projeclil cm uni ponto da Irain tnrii nin- Iheiiiatieiimonte determinado. Assim, aipii oslú o s.vsleina do nbuz de cpie hineiim mão os allemães: 1". uni canhão de '.1H0 mi 21o mini, dr fabricação muilo niusiudii e raiada: 2", uma primeira carga propulsi- vi: :i ', unia carga explosiva (une fusée fu- sanle de oulol): 1", um obuz-oanbão, raia- do. com segunda carga explosiva; ,">", um ohuz raiado de L'lll m ni, carregado de "tro- lyl" (explosivo), com unia cspnleta do por- clissão.

Tomando do lápis, o nosso interlocutor traçou rapidamente o scliemu diste "oblis gigogne", (|iio reproduzimos. Depois, ar- ereseonlou :

l*m único ponto me deixn perplexo: a adaptação da espoleta. 15 depois imagino- se qual será a aliara do vértice da trajo- rloria. làiloúlo em liO" o iingulo de partida o em Sil o de ehogiidíl.

Depois, apertaiiilo-nos a mão, concluiu :

• - Paciência. Aliás, a balistica ainda não di-.se. em frança, a sua ultima palavra."

A missão uru|uaya

Aspectos da sua chegada na manhã de hoje

Ponluíil, ás 7 horas d.i inaiihã, chegou "

trem paulista, deixando ua "gare'' da Leu- Irai o Sr. Dr. Justino limeniv Arcchaga.

ininislro da Industria dn Urugiiay. S. F.x., por um gesto ile gentileza puni coinuosco, vem offieialinento assistir á 2' Fxposição de (lado, Aeompanhain-11'o o inspcclor piorai d.' "gaiiilderia" do Urugiiay. ,. Sr. Albino liamos Montoro, um loe.linieo que vem eu- nhecer "de visif" o dosonvolvinienln da pe- enaria nn 'Brasil,

para julgar dn nosso v:i- lor coiun pai/ criador ao lado do seu. que.

em criação, o uni dos mais riu.., do tlon- tinente, e o depulailo Kniilin Carlos, cpn- representará na Fxposição as nssuoiações rurues da s.vmpalhica Kepuhliea. Além dos- tes dous ropresonlaiiles. existo o Sr. Carlos Oaslillo, alio funcoiiinarin do Ministério das jIndustrias. |

F.speruvn-o na Central o Sr. ininislro Pe- reira Lima, aeniiipaiihado dos Drs. (•„••• irn .Menezes, seu secretario; Cuslro llarbosa, .loão l.ouzada o Cyro Cordeiro, do gabinete. I

llepresoiilaviiiii o iiiisso {¦overno os Srs. He- gis de Oliveira e llelio Lobo. Aeliavaiu-^o

¦pivseiili-s, cnirt» milr.is possrtíis, n Sr. ini- nislro do Crugiiii.v e seu secretario, o cônsul ilo oiesino pai/, o Sr. Miguel Calmou, da Soeiedade Nacional de Agricultura, liem eu- mo o Sr. .Inlio (iltoni. Fizerain-se repre- sentar o Centro Industrial e a Associação Commcrcial, sendo que esta por intermédio d" Sr. Ilerborl Moses. Viam-se ainda os Srs. Aloides Miranda, Dias Martins e Ailhur iMosos, da Seeção de Veterinária do Minis- t. rio da Agricultura.

1'nia ooiiipanliia do Kxeieilo preslon as continências do eslylo ao ininislro uni- gunyo, havendo a bunda do musica exc- culndo o liymno do paiz amigo.

O Sr. .1 nstino Arcchaga é nm ministro moço; faz parlo do numero dos jovens es- ladistas nrugiiayos, (pie, por sua conipelen- chi o trahallio fecundo, cngrandccein dia n dia a sua pequenina pátria, li' unia li- gura de muita syinpnthia o distiucção. e ca- pliva (h' promplo Saiu da Universidade de Montevidéu e, depois de militar algum Um- po na pnlitira, foi elevado ao posto (pio ora oeeupa.

Na conversa com ipie nos distinguiu S. Ex.

ninslrou (|ue, desde o momento ein quo po/

pé em terra brasileira, só leve olhos para admiral-a.

Durante sua viagem polo sul, recebeu ma- infestações (pie o seiisiliilisarain. quer por parle do povo. quer por parto do governo o das autoridades estaduacs.

12 S. Cx. narra a sua primeira impres- são. recebida cm SanPAuna do Livramento,

"lide apreciou a installação do um grande frigorífico, tendo oceasião do ver como em derredor daqucllo centro industrial se ini- provisou nina nova cidade, tão forte i uli a attrarçãn do trabalho prodnctivo. Outro tanto aconteceu em S. Paulo.

— Conhecia muilo bem o seu paiz. atra- Vis de livros — disse-nos S Kx. — mas çoni essa viagem vi como a expectativa da imaginação do leilor é pallida deante da realidade, 'Lm S Paulo, por exemplo, não vi apenas n grande produclor de café. do que fala tndo o inundo, mas um grande centro de polyciiltura. u'n "ronde íeducto

•»#! = lr!'l

A mesma impressão llio nin do traves- si.-i por Santa Catliariua e Paraná, on- (u- a natureza esteve sempre a llio arroba- t;ip ns sentidos.

füiiigiava .i nosso pai/, o não talava do seu Qiioriuinos nolicias do Cruguay. S. Ex.

respondeu-nos, então, que por lã tudo ia bem, sendo crescentes ".. esforços do go- verno por iulonsilioar ainda mais as suas criações o aperfeiçoar nas raças. Todos tra- balhavam, eram recompensados o estavam felizes.

A palcslra não podia se prolongar. S. Ex.

0 dia «Ia embai-

xada inglsia

O Sr. Emílio Carlos, deputado, e. o Sr.

ininislro Jiuiene:

lomoii o aulnmovcl ao lado do seu collo-.

ga Pereira Lima. e acompanhado dos Srs, tenente-coronel Pederneiras, posto á sua dis- posição, c Castro Menezes. Seguiam-se mais Ires automóveis, levando o primeiro os Srs.

Hegis de Oliveira, ininislro Manoel Hernar- dez o ser secretario; o segundo conduzia os Srs. Adalberto do Campos, do Exterior; o deputado Kmilio Carlos c o Sr. Gustavo Panloja, lambem posto á disposição do Sr, Arcchaga; finalmente, no terceiro automóvel tomaram assento os Srs. liamos Monturo, Parreiras Ihirla faddido á missão), Carlos Ciislillo e Cuslro llarbosa.

Todos seguiram para o hotel dos Kslran- geiros, onde a missão se hospeda por conta d.i nosso governo.

Depois de nm ligeiro repouso, o Sr. mi- nislro .Manoel Bcrnardez foz um passeio pola cidade com o Sr. Arcchaga o demais membros da missão.

Os Sr--. Alfredo Rumos Mnnlero, inspcclor nacional de (íanndcria y Agricultura: Carlos dei Castilln, Justino E. .limcnez Arcchaga. mi- ni-.lro da Industria, o Kmilio I. Calo, niem- bros da emihaixada iiruguaya. estiveram boje, im companhia dos Srs Manoel Bcrnardez o Vmerico Sanipognaro. nn palácio da Prcfeilu- ra. om visita ao Sr prefeito

A's .'t horas da tarde o Sr. prefeito dei- vou a Prefeitura, afim do visitar o embaixa- dor urucuavo

0 almoço à Assoriuvão Com- mercial - Declarações do Sr.

Btinsen

(' 'rrcii miiil" arr.l 'uso o almoço quo o em- haixatlor JUnist.il oftiTOCou ;'i Associação Com*

mercial, represent; 'a nos Srs. l-ranoisoo lúi- gênio Leal, llrrbcrt Moses. Américo Cuuto e e. Malliozon.

Desde i. "inenn". que so revelou a gentileza d., nosso eminente hospede, que confirma en- Irr nós :i r,'ijnii 'If pnssuir tndos es sc^iv:los da arle de agradai', \o lado di "mayonaise"

í uni";v,',m n inliaiíilui o ;i íVi ;;i nb hrnsiloirn, na., faltando siquer nesta o clássico cálice de paraly .'. sulirninosa foj de frutas nacionaes, do goiabada o (|uoiio.lii)vcndn Iodou esses frutos proporoionail» a Sii liunsen o aos wik onin- panheiros do embaixadii oceasião do gabar as oonsas do paiz

No circulo anif.nadn da palestra, quo logo so er.tabolooeu. teve .. Sr. Bunsc-n ensejo de pe- dir au Sr llerbert Moses que inteirasse o com- meroio o a-, industrias brasileiras, em seu no- mo, de quo a Inglaterra, depois da guerra, ain- da estará mais uppurelliüdu para produzir, por isso que a sua capacidade so lern desenvolvido extraordinariaiiieiiti' nesses nllimos annos, não se podendo apenas ua npparcncia verificar tal verdade pela eirciiiustniioiii d.- oslai'em Iodas as ui.ssas energias eoiioinlradas nas industria.'', hcllieas. Disse mais S. ICx. que não ha razão para se Idnier a falia de navios para o comi- meroio; csles serão abundantes depois da guerra, lendo a Inglaterra,lodo o interesse cm vir s*u\ buscar maiorias primas, dando-nos em troca os produetos de suas fabricas.

Sir liunsen referiu-se por varias vezes ás impressões agrndnbilissimns qne tem recebido do Brasil, o mostra-se sensível ás pressurosas rnanilVslflçncs do cotninoiTio.

(I Sr Francisco Leal. a., "desscrl", leu nm poipieno discurso, que puhlicauins cm outro logar.

A v;si(a íi Ornara

A"s 2 1!2 da tardo a embaixada visitou a Câmara dos Deputados, sondo recebida no ali., da escadaria pelo Sr. \milonr Marche sini, secretario dn commissão de diplomacia o tratados.

Chegados ao gabinete da presidência lo- ram os illnstres rcprcsentanles da Ingluler- ra apresentados no presidente da Cumaru, o Sr. Vespncio d.. Abreu. Momentos depois este lhoi apresentava ns enllegas du com- missão do diplonincia, êstnb"lerendo-so on- Irr Iodos uin-i palestra leve e cordial, em (pie

^o distinguiram os Srs. Vespiifin. Nabuco de Abreu. Alberto Sarmento o p.lírio Coim bra .

Os addidns militares, como cslivessom do hora mareada pai':) assistir aos exercícios do Batalhão Naval, lia ilha das Cobras, pe d Iram licença e so retiraram um pouca nu- los do Si . liunsen .

A' saída foi observada u mesma cerimo- ni.i da entrada. Acompanharam a cinbaixa- da o Sr. minislro liegis de Oliveira e os nossos offieiiies addidns ã mesma. E' pro.

vavol (pio ua segiinda-feira, ás 2 horas da lanle, a presidência da Câmara retribua esta visita.

Um discurso do presidenfo da A.'Commcrcial

Fui o seguinte o pequeno discurso pronnn- ciado pelo Sr Francisco Leal, uo almoço do hoje, no Cuaiiabara, de ((lie uos ocupamos om Olllro logar:¦'Exílio, senhor ¦•- Permitia V. Ex. qus, cm nome do connnercio desta praça, venha a As- socíação CnMinercial do ltio de .l.inoiro ira- zer as suas saudações e os seus mais sinceros agradecimentos pela honrosa visita que a il- lustre embaixada chefiada por V. Ex. vem fazer a este paiz. Compreliendendo nitidamente os seus devores como Nação nlliudu, o Brasil avalia a importância excepcional da missão de que foi V. Ux. incumbido pelo governo do suas majesladcs briliiiiniens; c da mesma for- ma que o povo brasileiro eslá prompto a dar o seu concurso, mesmo pequeno, á causa sagrada (pie os alliados defendem, nos campos do ha- talha, lambem o conunercio brasileiro eslá prompto a concorrer, ao lado dos que dotou- dein o direito' e a justiça, para a victoria nes- sa outra grande guerra que se vae descnvol- ver: — a guerra econômica."

Os membros da embaixada inglcza eslive- ram bojo. novanicnle. ua Prefeitura, onde con- fercneiniTrtn com o Dr. Amaro Cavalcanti.

O embaixador especial resolveu comparecer ás II 12 da lardc do próximo dia Kl á lesla da Quinta da Boa Vista, numa demonstração ,'antivanle de sympathia pela imprensa brasi- loira. Aules. porém, e nosso mesmo dia, os il- lustres hospedes visitarão a Exposição Po- enaria. certanieu pela qual tiveram oceasião de moslrnr bojo muilo interesse no decorrer do almoço offereeido pelo Sr. liunsen á Asso- elação Comincrcial.

A GUERRA

raid inalez ds costa

expectativa m frente

^m* ^*» ^eSnt- •3&W V ¦ ^P« " ^B ^W

GMKUtaRXMl Mjk

fraííco-belga=

ACITI I A ?"» & -—* ' ' «-"^<n'/HV-' 1 dous nllimos um inagnifioo exemplo da eoiniioteiioin o ...i-"raids" á costa belga, que dão A situação ciintiniui u ser d.' expectativa rm rngein da esiiuadiii hiilauiiiea."

Ioda .. fronte oocidiilal. Em iienhuttj dos I LOXDHES, 11 ,ll.,vasj - Comiiiuniciido do dous isiiniiii: de halalha, n» da Piandreslni da I cscreilo belga :

Picarúiu. nada suoooden digno dr nola ale ás "Durante u "raid" britaiinien ao poilo de II horas da tardo O ciiimiumiiMdo do mancha! Osleudo o inimigo canlioilcou as no,,a-, :- Haig refero-se apenas a "raids" felizes, reali- j JlIlilS."

.s.ulos pelos francezes nas proximidades do J.OMillhS, 11 (Havas) - Sabe-se do fonte Lucre e pelos inglc7.es a ocSte de Merville. Fm digna de Indo o eredilo que o cruzador "Viu- ataque de surpresa dos allemãcs, ,, leste de dielive" jaz eiioalnado a entrada do porln de

Vpres. fracassou. | Osleude lormanilo um augtiio de oorea do

Xo campo de halalha da Picardia aceentuon se a calma. (,)s allemãcs conliniiain, porem, a bombardear intensamente Amiens, já hoje Ir.iuslorinada cm um monte do rninas. A lin- da capital da Picardia, quo cri unia das tli.iis populosas do norle da França, grande centro de producção e distribuição, soffreu ,i mesma sorle i\e Iteinis o de Compiégue. Como não puderam oonquislal-a, os allemãcs vingaram- so. (lostruinclo-a,

Si a aoltial calma se prolongar por muitos dias. c fora de duvida que os allemães, quan

ode formando um angulo trinta grãos.

Eslá elarn que um navio de lre«eiilos pós de cnmpriinento, não pode. formando .. angulo citado, bloquear cffeetivumento uni e.aid de quasi tresentos o \into pés d.- largura. Enl-v..

tanto, .'deançon-sc nm resultado laoiio ;:!:!. u

"Viudktive".

nessa posição, fôrma o;o otisfa- ei:lo parcial muito importante ;-. dad.i a faeili- d.idii eom c,uo as maré.', dele:',mi as areias icsse litoral, a obstrucção tenderá ccrtanicnte :. oggravar-so.

.'•¦as condições acluaos, ninguém preteude ouc

II 1*1.1. I HMil IM IIIMIiltl MUV \'- .iii'.iinii ¦', -|ijhíi ... I .• i i . ,

do voltarem ;', olTcusivu, ali.oi.rão em p.mto .. ':''"' «titn.iaM.. impeça a saída dos stm-

«lilTerenlo dos dous anteriores eismpos de b:i- ';"' »nJ ' ! . ,"^^scon .(i-torpedotros. L,„ In- talha. A chegada de von Maclcensen .', frente 'aso, dillienltara seiisivelnionle a saída de

iccidenlal o a noticia de ter sido clle já eu- carregado do coitmiando de um grupo de oxor- oitos indicam quo o cslado-iuaior allemão e'lá disposio a experimentar, mais uma vez, as qualidades do estrategista desse velho general, considerado o mais brilhante discípulo de vou Clauscwitz. Vou M.ichonscu, que já so balou im freule necidentnl, não foi muito feliz Transferido para a llumania. conseguiu dono-

nnr os rumnicos. é cerlo, mas biilendo-se na proporção de cinco oonlra uni. A sua eslrella, porém, aitgmenloii e brilhou resplcndorosa- monte, Quem nos di/ (pio ella não empallido- cora do novo na frente oecidcnlul?

Esta mudança do alto eliminando mostra, por oulro lado, que os allemães não estão muito satisfeitos com os resultados ale agora ohli- de-;, nem muilo tranquillos qu.inln ao fnluro Basta, com e.ffeito, reparar para o bombardeio intenso (pio elles fizeram das linhas belgas, quando a esquadra hritnnnioa rcalisoii. na noi- to de anto-honlem para honlem. o seu brilhai)- te "raid" oonlra Osleude. para demonstrar qne elles se julgam .en. ae idos de uma contra- offcnsivíi por pule dos alliados Foch. pu- róin, parece que iulga não ler chegado ainda i. momento oppiiiliiuo para desfechar o seu golpe. Por eiuqu.inlo. clle espora ": do ini- migo...

- — — »-'•*•¦ » *

0 general russa Rcnnenbampf, vencedor di,s allemães na Prússia oriental, USSUS-

ninado agora au Tanuorue

0 raid

A nova legislatura

Está reconhecida toda a Câmara

A sessão do bojo na ('.amara dos Depu- lados foi presidida pelo Sr. Vespueio do Abreu, secretariado pelos Srs. Andrade lio- zorra o Juvenal Laniartinc. A acta da ves- porá foi approvada sem dobalo.

Xo expediente foi lido um telegramma do Sr. Camillo Pratos, conimtinieatido ter sido a sua ausência justificada por motivo de moléstia em pessoa de sua família.

A requerimento d,, Sr. Juvenal I.amnrli- ne prestou compromisso o Sr. Azevedo Sodré.

O Sr. .loslno de Araújo fez uma incisiva biograpliia do Dr. Fernando Lobo Leite Pe- reira. solicitando a inserção cm neta de uni voto de pesar pelfi seu fallceimento, o que foi unanimemente approvada.

A requerimento do Sr. Juvenal Laniartinc prestou compromisso o Sr. Camillo Pratos.

Pnra_ representar a Câmara nn banquete ifferccidn pelo ininislro da Agricultura ao seu eullega uruguayo, ora presente nesta ca- pilai, a mesa nomeou ns Srs Odilon de An- driido. Arislaroho Lopes o Ferreira Braga.

Passando-se á ordem dn dia e havendo nn- mero para votações, o Sr. Aslolpho Dutra requercu urgência pnrn a immediata dis- cussão o votação dos pnrceeres sobre as ciei- ções de Alagoas e do Sergipe.

Approvados esses requerimentos foram ap- provados os pareecres. respectivamente por

!)7 votos a favor c illl contra, e 121 a favor e 7 contra. Antes o Sr. Gomercindo Itilias ro- tirou ii sua emenda ;in parecer de Sergipe e o Sr. Astnlpho Dutra declarou a questão de Alagoas aberta no seio de sua bancada

Prestaram compromisso ns recem-reconhe- ridos, a requerimento do Sr Juvenal La- marline. com cxccpçiio dos Srs Natálicio Camboim o Miguel Palmeira.

Passou-se em seguida ã cloirâo das com- missões permanentes.

inpz a usienoe

<s u^iusiasoio em Londres

— Os resultados dessa fa- çanha e os seus porme-

nores

NOVA vome. li (A, NOITE) — Telegra-

pluiin do Londres ;"O audacioso e feliz "raid" quo a froln bri- taiinicn levou a effeito oonlra Osleude oooupa, como é natural, o primeiro logar na nttenção publica. Não se fala de outra cousâ e os jor- nãos fazem a respeito os mais cntliusiasticos conimenlarios.

Os críticos nnvaos acredilam, cm geral, quo a entrada do porto do Ostcndc eslã inulilisiidil para os allemães polo menos durante unia quinzena o, por tempo indefinido, caso o mar forme ali em dous dias, como ãs vezes sueco- do. um banco do areia.

O mar continua muito agilado e balido pelos ventos, o quo faz com que os allemãcs não possam dragar desde já as areias que se juntam na parte do canal do entrado de Os- tendo, que ficou livre. Quanto ú destruição do easeo do "Vindictive" pela d.vnninile, não pa- reco que ns allemães a tentem, nois as cargas a empregar seriam tá.j grandes, que abalariam, si não destruíssem, us paredes do canal.

Os offieiiies e marinheiros qne tomaram pnlc no "raid" foram elogiados, em ordem especial do Alniiraiilado."

I.UNDKES, II (Havas) — A imprensa init- drina moslra-so satisfeita eoiu o resultado do novo "raid" hrilalinicn ã costa belga. Todos os jornaes elogiam o trabalho silencioso da esquadra inglcza. trabalho de que o publico não faz uma idéa perfeita o de que os dous

"raids" são uni brilhante exemplo. O "Daily Tclegrapli" observa :

"Depois do primeiro ''raid", o inimigo pnm- posamente antitincion qne o ataque fracassara.

A. marinha brilannioa acaba de provar que Icin o habito de não sómculo maltratar o ini- lídgo. como ainda o de lhe tapar a boca.

Do mesmo'mo,Io que uo "raid" anterior, desla voz foi ainda completa a surpresa dn ini- migo, Esse '•raid" representa um nino passo dado pura o completo bloqueio do inimigo, que, dentro de alguns dias, tora quo se haver com um grande campo do minas no mar do Xmle.

A marinha inglcza, infligindo perdas aos ai- loinãcs, moslrou á nação hrilnunien de (pio modo pode o domínio dos maios ser aprovei- tado. Os nossos marinheiros tinham já no seu iielivo audaciosas incursões á balda de lleli- goland. acções no Dugger Bank, .lutlandia o ilhas Falklanil. I" preciso, porém, não esqui:- cer a esplendida luta contra os submarinos (pie arruina as esperanças inimigas de levar a tomo :i (irã-lírolaiili.i, o a maneira por que a esquadra britannica, tornando-os muito custosos, tem tirado ã frota inimiga o nppctl- te dos "raids" em que atirava algumas balas de canhão sobro as costas d.i Inglaterra, ou procurava cortar as eommunioaçõcs m.iriti- mas com a França.

Prezemos, porém, particularmente, esses

navios ue-ev gênero e o que é muilo impor laute o (pie os navios ligeiro; allemães, quan- do perseguidos pelas forcas navais loitanui- cas, não poderão, como danlcs, alcançai abri- go :i tudo vapor,

Ao que se sabe alé agora, as perdas brita!!- nicas foram muito leves ,.. ,, piano seguido foi quasi o mesmo posto éni execução por oceasião do primeiro "raid" idêntico a Zee- bnigge A proeza desenvolveu-se enlre a meia noite de quinta-feira o as quatro horas da madrugada do hoje, sol) condições bastante favoráveis em determinados momentos, por não estar a noite muito clara o reinar espesso nevoeiro, Navios prnteetores o o estratagema da "cortina do fumaça" 1'oiam egiiatinontc empregados, lendo havido um muilo intenso liouiliinicio di artilhai ia.

A ioda belga no local da acção é forte- mente protegida e o pequena numero das per- das bril.anmcas prova ouc o inimigo foi lomii- u.' de siupies.i o. faz cesaltar o bucce-.so da operação.

Com relação ã faeiuilia da frota britannica oonlra '/celiriiggo,

o governo eslá cerlo de que as historias allemãs. de continuarem sem- pio livres a entrada o saida de navios ali, não passam de mentiras. Photoaranhias aéreas posteriores áquellas tiradas lia cerca de quin- /e dia-, demonstram el.u.imoulo ;i falsidade das asserçôes allemãs.

Ao que coiicoriic a Osteilde. julga-se que Ires ou quatro dias polo menos serão neees- s.nrlos nulos tyoc a passagem possa ser dosem- haraçadii n delimitada entre o cruzador iifun- dado e a terra, ennvindn nnlar que as condi- ções do local acima ciladas prevalecerão iam- bem por muilo tempo e riu.- se deve tomar ern consideração quo a noção das forças militares bntaniiicus pode ainda contribuir para mau- torso o feliz, resultado da ope.iaçfio agora lj-

\adii a effoilo.

Ainda sobre Zecbrugge sah:-se que o ac- cumulo da areia augmentn rapidamente, a dos- peito do trabalho das dragas émpicgadas es- peeialinenle inste serviço, pois, como não está esquecido, a draga que fazia o serviço penna- tioiilo 1'oi afundada no decorrer do "raid"

contra o referido porto. Acciesce que a posi- ção dos cruzadores velhos, que onlãii foram ali afundados <• fazem o papei de bloqueado- res. ó tal. que tentar l'azcl-03 s.dlar, cuiisti- luiria gravo perigo para as eslrucluras viji- ulias.

A pequena quantidade das perdas briíanní- oas oiii Ostcnde não indica ahsolulaiiiciilc má pontaria do inimigo. Fila se explica silfficicn- temente pelas condições almosnhcricas do momento.

0 "Vindictive" linha a bordo apenas o nu- mero de homens necessário para assegurar- a sua murcha, sondo todos recolhidos cm chalu- pa.s a vapor, ao ser afundado o velho cruza- dor.

Nola da Agencia Havas — isolo desse leio- grainma, recebida hontem :i noile. foi enviada aos joníacs da manhã, que a uã.i publicaram.

LOXDHES, 11 (Havas) — Occupando-sc da recente acção naval oonlra o porto do Ostou- do o "Daily Telegrapb" escreve:

"O segredo da segunda expedição naval foi tão bem guardado quanto o havia sido o da primeira oonlra o porto do Zoobrugge. 'Orla- monte que o publico teria desejado ir prestar a sua homenagem aos nossos marinheiros, in- do saudar á partida o velho cruzador "Vindi- ctive", já desconjuntiido pelos obiiz.es inirni- gos, mas eonsolar-se-á ao lembrar-se que as extremidades das suas ehutminés podem ser avistadas no meio do canal do porto de Os- tende, recordando aos ulle.mãcs esta nova e audaciosa façanha dos nossos marinheiros, executada com láo brilhante exilo e digna das mais bellas tradições da nossa esquadra,

Não (levemos deixar de salientar a difficul- dade da empresa roalisada -- continua o cri- tico naval do "Daily Telegrapb" — o leilmos sempre bom presente a gravidade duma. acção naval na costa belga, eriçada de. canhões de grande aloanee dos allemães, o especialmente em Osleude, que se acha admiravelmcnte pro- vida de meios de defesa; além do mais ainda Ioda a costa esta bordada de campos minados e protegida por patrulhas navaos allemãs. Do- pois de ter desafiado o fogo dos canhões ini- migos, deve ler sido um problema particular- mente delicado e que exigia a maior babilida- de o afundar o "Viiuliclivo", collocaudo-o pre- liminarmente atravessado no meio do canal, apezar das corroídos contrarias."

LONDHKS, II (Havas) — De Douvrcs tele- grapham ao "Daily Mail":

"O almirante Sir Ttogor ICeyes, ,a (piem es- lava confiada a direcção geral das operações navaos contra o porto de Osleude, decidira que o cruzador "•Vindictive" fosse tripulado por officiaes e marinheiros especialmente designa- dos pelo alinirant Brilliant pura esta noção.

l'm official niaehinista, o chefe o o segundo i^biTc das machin.is e quatro marinheiros .ma- niilistas, que. já Linhmm feito parlo da tripo- Tação do "Vindictive" dm Zoebrugge. recusa- raiu-se praticamente a deixar o navio u reivin- diearam como sendo um direito seu o partici- par da nova o perigosa operação naval. O ul- mirante Brilliant altendeu o desejo destes lira- vos marinheiros."

A façanha dos aviadores alliados

Em dous dias os allemães perderam noventa e tres

aeroplanos

NOVA YOBIC, II (A N01TF.) — Tclcgr.i- l'.h.i o correspondente do "Sun" junto ao quartel-general brilannico na França:"Ftnboru

o tempo ainda não se tivesse firmado, os aviadores alliados desenvolve- ram nos nllimos dous dias actividade ver- dadcirnmcnlc assombrosa.

Secundo informações fornecidas pelo es-

tndo-mainr, foram abatidos nas nltimat quarenta e oito horas (i8 aeroplanos alie- mães, cincoenta dos quaes destruídos com- plclainentc. (ls restantes dezoito oairam gravemente avariados nas próprias linhas allemãs. Ksles números referem-se exclusi- vãmente ao Corpo de. Aviação Britannica, que perdeu apenas doze apparelhos, pois outro dado como perdido voltou ás lindas ai- liadas.

Informações du fronte franceza dii^m.qrn;

ns aviadores frnneezes destrairaio '.fezoiio apparelhos e damnificaram outros sei.'.

\n todo, foram .lançadas '13 toneladas d*

explosivos sobro os acampamentos c rtas; de cnmmunicnção do inimigo, atem tio; cnnií- ricas bombas incendiarias o do gazes sobre os abarracamentos ullemics.

Os officiaes nunlivirn-so sfi.rpFVT«C7idü?os cora ;i actividade dos aviadores aílSsiá««, A esquadrilha norte-auiecícina tem ritadiT.iilo as façanhas ioais fantásticas. Os OoTOidtorc.s italiano;:, com as seus "Caproni" de Imm- biirdeio são egiialmento dos mais crcisaiStosv, Acredita-se, no emtauto, qae os ,5«amfcu*

de aviação do lado dos ai lindos r..: (losíMiirdl.- verão dentro de dous meies de rnsneSra, as- sonibrosa, logo que chegarem as f.?qnai«áiri- lhas norte-americiiiuis.

(kmsta-me de fonte digna de t«to i~, prodi- tu que os governos alliados jicnsaia Km nat- ficar desde j;i Iodos os serviços de aviação,, devendo esse problema ser tratado e íesoi- vido ua (àuifcrcnriu de Aviação, qno esti reunida cm Paris".

O senador Jankte Itifcitcack, eleito prt.

sidente ila catmnissno de- relações rx- Icriareu do Senado

A CRISE RUSSA

A propaganda pacifista dos maximalistas.—O as- sassinato de Remienkampf

—Troca de notas entre russos e allemães. — O novo gabinete rnznaico

STOCKlKil.MO, II (Ilavas) — Chegou 5»

esta capital a lima drtegação russa, qne vem resnscit.ir o projecto da conferência pacifista, firmar as relações entre os inurti dos socialistas de Iodou os jiaizes o osd»- recel-os relativamente nos recentes iiponttei-

inentos na Hussia.

i-ONDKFS, 1! (Havas) — lie Vienna eom- municaraiu ao "Lokal Anzeigcr" qui; os ma simulistas de Taiigiirog assassinaram o pe ncral Beimcnkampí.

MOStJOU, 11 (Havas) — ilouve trocas (Ir notas enlre os governos rnr,so e aileiuüo a.

respeito da oecupação de Hcbaslopol Jielas forças allemãs. 0 barão cie Mirbncli, cm- baixador allemão, dtieliienii que essa «í- ctipação foi feita porque a esquadra russa do unir Negro atacara Chcrsoii. O governo russo respondeu que somente nlgnns envios isolados tomaram parte uo ataque c que, n-iinsequentemciitc, n arjiprehcnsão de tud»

a iiola russa do mar Negro coiislitnia omn violação do tratado de paz.

MOSCOU, 11 (Havas) —• Du novo gevor- no iikraniano fazem parle membros do pair- tido dos cadetes e du dos oulubristas. Ei- giiram. enlre outros, o Sr. líernatsky, cx- membro do gabinete Rercnsky. O Sr. Osü- niovitcb v o presidente do conselho.

Uma grande surpresa

'•.Soo em grande numero os sal- dados alistados em Santa CathaTitnt une só falam allemão, tendo side necessário nomear instruclores rs- pec.iaes, gue lambem falfín alie mão."

Official (em allemão) -- PerfilarI Em continência no presidente dr, Republicai

Soldado -- Ah! então o Icaiscr já foi dos- thronado ? Já proclamaram a r.cpuMica .2

«

Imagem

Referências

temas relacionados :