U NI V E R S I D A D E N O V A DE L I S B O A NO V A M E DI C A L S C H O O L

Texto

(1)

RELATÓRIO FINAL

E

STÁGIO

P

ROFISSIONALIZANTE

SAULO MIGUEL ESTEVES SARAIVA | Nº 2009309 | ANO LECTIVO 2014/2015

(2)

Í

NDICE

Introdução ... 1

Estágio Clínico Profissionalizante

Cirurgia ... 2

Medicina ... 2

Saúde Mental ... 3

Medicina Geral e Familiar ... 4

Pediatria ... 4

Ginecologia e Obstetrícia ... 5

Estágio Opcional

Cirurgia Plástica e Reconstrutiva ... 5

Actividades Extracurriculares... 6

Reflexão Crítica ... 7

(3)

I

NTRODUÇÃO

O Mestrado Integrado em Medicina (MIM) tem por objectivo a formação de jovens médicos,

conferindo-lhes uma formação clínica vasta e sólida, que os habilite a exercer com excelência a

sua profissão. O Estágio Profissionalizante (EP) é parte fundamental desta formação, sendo

realizado no 6º Ano do MIM pela NMS|FCM. Decorreu entre 15 de Setembro de 2014 e 22 de Maio

de 2015, sendo complementado pelo Estágio Opcional (EO) que se realizou entre os dias 25 de

Maio e 05 de Junho de 2015.

São vários os objectivos traçados à partida para este derradeiro ano cujo destaque considero

pertinente: a consolidação dos conhecimentos teóricos previamente adquiridos assim como a

aquisição de novas competências específicas às demais especialidades; o desenvolvimento da

capacidade de comunicação; o aprimoramento das capacidades de raciocínio e decisão clínica e

terapêutica e a capacidade de integração em equipas de trabalho.

Serve o presente relatório para reunir de forma concisa e prática todos os elementos considerados

representativos do Estágio Profissionalizante (EP) com vista à sua avaliação final. O relatório

encontra-se estruturado em cinco partes: Introdução, onde apresento os objectivos da elaboração

deste relatório; seguida da descrição sumária das actividades realizadas no âmbito dos diferentes

estágios parcelares no Estágio Clínico Profissionalizante; a enumeração das Actividades

Extracurriculares realizadas durante o ano lectivo; a Reflexão Crítica referente ao respectivo EP

(4)

E

STÁGIO

C

LÍNICO

P

ROFISSIONALIZANTE

CIRURGIA

O estágio parcelar de Cirurgia, regido pelo Prof. Doutor Rui Maio, decorreu de 15 de Setembro a 7

de Novembro de 2014, num total de 8 semanas, e teve lugar no Serviço de Cirurgia Geral do

Hospital das Forças Armadas (HFAR), sob a tutela do Dr. Pedro Campos e Dr. Bruno Ferreira. Este

estágio teve como objectivos o reconhecimento das principais patologias cirúrgicas, a sua clínica e

orientação terapêutica, bem como a aquisição de competências básicas cirúrgicas através da

observação e participação em procedimentos cirúrgicos.

Durante o estágio pude passar pelo internamento, bloco operatório, consultas externas, pequena

cirurgia, reuniões de serviço, de decisão terapêutica e sessões clínicas, assim como pelos serviços

de urgência (SU) do HFAR, Hospital de São Francisco Xavier e HPP Cascais. Destaco as várias

oportunidades que nos foram dadas de poder participar enquanto 2º e 1º ajudantes nos mais

diversos procedimentos cirúrgicos.

No final do estágio apresentei no congresso realizado no Hospital de Loures a comunicação oral

intitulada ‘Incidentaloma supra-renal de 10cm: o tamanho importa?’ sob a forma de case report,

realizado conjuntamente com as colegas Sarah do Amaral e Vitória Pires.

MEDICINA

O estágio parcelar de Medicina, regido pelo Prof. Doutor Fernando Nolasco, decorreu de 10 de

Novembro de 2014 a 16 de Janeiro de 2015, num total de 8 semanas, e teve também lugar no

HFAR, tendo seguido um esquema de rotação por diferentes serviços com diferentes tutores:

Serviço de Medicina Interna (4 semanas) – Dr. Alípio Araújo; Serviço de Cardiologia (1 semana) –

Dra. Conceição Silveira; Serviço de Pneumologia (1 semana) Dra. Manuela Tatá; Unidade de

(5)

de todo o estágio) Dra. Ruth Correia. Este estágio teve como objectivos o reconhecimento das

principais patologias médicas com a particularidade de as poder observar também do ponto de vista

de outras especialidades, e também a aquisição de capacidades de reconhecimento de situações

urgentes e emergentes, bem como a correcta actuação perante as mesmas em contexto de serviço

de urgência.

Na enfermaria de Medicina foi-me atribuída uma ala, onde pude seguir diariamente e de forma

tutorada os doentes ali internados. Acompanhei e participei também em actividades de prestação

de cuidados de enfermagem assim como na articulação da equipa de Medicina Interna com outras

especialidades médicas e cirúrgicas. Da mesma forma, o estágio no SU permitiu que pudesse

adquirir um certo grau confiança, ao ser-nos atribuída a tarefa de observar em balcão, doentes

triados com pulseiras verdes e amarelas, de forma parcialmente autónoma.

Este estágio foi concluído com a apresentação de um case report intitulado ‘Um Caso Clínico de

Perda Ponderal’ sobre um doente com tirotoxicose de tipo II induzida por amiodarona, realizado

conjuntamente com as colegas Sarah do Amaral e Vitória Pires.

SAÚDE MENTAL

O estágio parcelar de Saúde Mental, regido pelo Prof. Doutor Miguel Xavier, decorreu de 26 de

Janeiro a 20 de Fevereiro de 2015, num total de 4 semanas, e teve lugar no Hospital de Dia do

Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa, sob a tutela do Dr. Rui Durval. Os objectivos do estágio

prendem-se com o desenvolvimento das capacidades de diagnóstico diferencial das principais

psicopatologias e sua actuação terapêutica, assim como o desenvolvimento de algumas técnicas

particulares, como a entrevista clínica.

Durante o estágio tive não só a oportunidade de acompanhar o meu tutor nas suas actividades

(6)

pude estagiar no Serviço de Estabilização e Triagem de Agudos (SETA) onde assisti a diversas

triagens e reuniões de decisão terapêutica relativas a doentes agudos.

MEDICINA GERAL E FAMILIAR

O estágio parcelar de Medicina Geral e Familiar, regido pela Prof. Doutora Isabel Santos, decorreu

de 23 de Fevereiro a 20 de Março de 2015, num total de 4 semanas, e teve lugar na Unidade de

Saúde Familiar da Venda Nova, sob a tutela da Dra. Teresa Alves. Este estágio teve como

objectivos proporcionar um contacto com a realidade dos cuidados de saúde primários e o seu

vasto campo de acção, compreender os padrões de doença mais frequentes neste contexto, e

também permitir ao aluno ganhar autonomia e confiança na abordagem ao doente em contexto de

consulta.

Graças à disponibilidade da tutora, foi-me dada a liberdade de poder rodar pelas várias estações

de trabalho existentes e as diferentes tipologias de consultas – de Seguimento (DM, HTA,

dislipidémias), Saúde Materna, Planeamento Familiar, Saúde Infantil e Consultas de Doença Aguda

– e realizar alguns procedimentos práticos assim como efectuar algumas consultas acompanhado.

No final do estágio, foi discutido o Diário do Exercício Orientado com um júri seleccionado, onde

foram abordados vários temas relacionados com a minha experiência ao longo deste estágio.

PEDIATRIA

O estágio parcelar de Pediatria, regido pelo Prof. Doutor Luís Varandas, decorreu de 23 de Março

a 24 de Abril de 2015, num total de 4 semanas, e teve lugar na Unidade de Infecciologia Pediátrica

do Hospital Dona Estefânia, sob a tutela da Dra. Flora Candeias. Teve como objectivos permitir um

contacto com a patologia pediátrica mais frequente tanto em contexto de internamento como em

(7)

Fui rapidamente integrado nas rotinas da equipa que me acolheu, tendo cumprido um papel activo

no desempenho das tarefas clínicas diárias. Frequentei também semanalmente as Consultas de

Imunodeficiências, o SU e também as sessões clínicas organizadas pela Pediatria Médica.

No final do estágio foi organizada uma sessão de apresentação de vários temas pertinentes

decorrentes da nossa passagem pela especialidade, onde apresentei juntamente com as colegas

Sarah do Amaral e Vitória Pires o case report intitulado ‘Um Exantema Súbito Revelador’, onde a

abordagem e investigação de um Exantema Súbito permitiu o diagnóstico incidental de Esclerose

Tuberosa.

GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA

O estágio parcelar de Ginecologia & Obstetrícia, regido pela Prof. Doutora Teresa Ventura,

decorreu de 27 de Abril a 22 de Maio de 2015, num total de 4 semanas, e teve lugar no Serviço de

Ginecologia e Obstetrícia do Hospital Beatriz Ângelo, sob a tutela da Dra. Amália Martins. Este

estágio teve como objectivo adquirir competências no reconhecimento e abordagem das patologias

ginecológicas mais comuns, assim como de outras situações obstétricas.

Nas duas semanas dedicadas à Obstetrícia frequentei as consultas e a enfermaria, enquanto nas

restantes semanas passei pelas consultas de ginecologia, senologia e uroginecologia, assisti à

realização de exames ginecológicos e pude participar em diversas cirurgias de patologia da mama.

Paralelamente frequentei uma vez por semana o SU onde se encontrava o Bloco de Partos.

No último dia, apresentei com a colega Vitória Pires uma comunicação oral sob a forma de journal

clubsobre o artigo ‘Breast Cancer Screening: An Evidence-Based Update’ recentemente publicado.

ESTÁGIO OPCIONAL

CIRURGIA PLÁSTICA E RECONSTRUTIVA

Dado o meu gosto particular pela área cirúrgica e dada a ausência de contacto prévio com a

(8)

estágio decorreu de 25 de Maio a 5 de Junho de 2015, e teve lugar no Serviço de CPR do HSJ,

sob a tutela do Dr. Videira e Castro. Ao longo das duas semanas participei rotativamente nas várias

actividades do serviço, a destacar: Consulta de Obesidade, Consulta de Cirurgia da Mão, Bloco

Operatório, Pequena Cirurgia e Unidade de Queimados. Frequentei também as diversas reuniões

de serviço e sessões clínicas e destaco ainda a oportunidade concedida de poder participar

enquanto 2º e 1º ajudante em diversos procedimentos cirúrgicos.

A

CTIVIDADES

E

XTRACURRICULARES

Ao longo deste ano, assim como o tinha feito regularmente ao longo do curso, procurei

complementar a minha formação com a participação em diversas actividades extracurriculares:

Curso de Técnica Cirúrgica Básica no HFF (09/14); 3º Curso de Abordagem ao Doente Urgente:

Introdução à Abordagem do Trauma no HBA (12/14); I Jornadas de Psiquiatria do CHPL (02/15);

EndoHFAR 2015 (03/15); Curso de Formação Profissional - Cirurgia Vaginal no HBA (05/15) e 7as

Jornadas de Pediatria do Hospital da Luz (05/15).

Considero também relevante enumerar algumas outras actividades que realizei ao longo do curso:

Vogal Suplente na AEFCML no mandato de 2009/2010; Vogal na AEFCML no mandato de

2010/2011; Estágio CEMEF’s em Cirurgia Geral no IPO Lisboa em Agosto 2013; Professional

Exchange IFMSA em Cirurgia Geral no AKH Wien em Viena, Áustria, em Agosto de 2014.

Destaco por fim, a minha participação semanal voluntária na equipa de Cirurgia Geral do SU do

(9)

R

EFLEXÃO

C

RÍTICA

A existência de um último ano de carácter profissionalizante é fundamental na estrutura do curso.

A realização de diversos estágios em especialidades nucleares permite integrar os conhecimentos

teóricos prévios numa prática clínica tutorada, conferindo já ao aluno algum grau de autonomia e

responsabilidade. De uma forma geral, a maioria dos estágios parcelares fez por cumprir esta

premissa, tendo a componente prática assumido lugar de destaque com um rácio tutor-aluno

sempre equilibrado. Fui bem recebido na grande maioria dos serviços, o que facilitou a minha

integração nas várias equipas de trabalho e me permitiu observar, praticar e expor as minhas

dúvidas.

Quero aqui salientar que os estágios realizados no HFAR (Cirurgia e Medicina) foram sem dúvida

determinantes na minha formação. São várias as variáveis que condicionaram o sucesso de ambos

os estágios, desde logo a ausência de Internos, o que automaticamente nos transferia um papel

mais activo e central nas equipas, logo com maiores responsabilidades, assim como pelo facto de

este ser um hospital pequeno, onde tínhamos um contacto facilitado com as diferentes

especialidades e restantes profissionais. Já o estágio em Saúde Mental, embora não tenha tido

uma vertente prática tão forte, permitiu-me ter contacto com um hospital orientado para a prestação

de cuidados especializados de psiquiatria e saúde mental. A rotação pelos seus diversos serviços

e valências foi a grande mais-valia. Em Medicina Geral e Familiar, acabei por realizar o meu

primeiro estágio propriamente dito num serviço extra-hospitalar cuja organização e dinâmica são

distintas. As consultas que nele realizei de forma tutorada, permitiram-me ganhar confiança nas

minhas competências de julgamento clínico e tomada de decisão, tendo sido fundamental todo o

suporte dado pela tutora e o seu interno. Em Pediatria, tive a oportunidade de voltar a estagiar num

serviço que já conhecia, onde o aluno tem um papel importante e activo nas actividades clínicas.

(10)

frequentes que por este serviço passam. Já Ginecologia e Obstetrícia foi de entre todos os estágios,

aquele cujo balanço final não poderá ser tão positivo, dadas terem sido várias as falhas na sua

organização que foram construtiva e oportunamente apontadas. Contudo, considero que os

principais objectivos do estágio não deixaram de ser cumpridos. Por fim, para a minha escolha da

Cirurgia Plástica e Reconstrutiva enquanto estágio opcional, pesou o facto de a ver como um

pertinente complemento formativo para qualquer especialidade cirúrgica. A receptividade do serviço

e a excelente capacidade organizacional proporcionaram um estágio bastante prático e

diversificado, ainda que condensado em apenas duas semanas.

Fugindo um pouco ao âmbito do EP, mas tendo por base os documentos da leitura recomendada,

convém notar de que há dois outcomes formativos que creio pecarem por defeito em termos

curriculares. Em primeiro lugar considero que existe ainda uma grande barreira no que toca ao

acesso à investigação. A parca divulgação e o desconhecimento por parte dos alunos, leva a que

o contacto com a investigação seja apenas residual durante o curso, a despeito da sua importância

basilar e transversal a qualquer Ciência. Outro aspecto menos positivo, que também é destacado

enquanto outcome é a ausência de formação e certificação em Suporte Básico de Vida ao longo

do curso, algo que foi já rectificado com a mais recente reforma curricular, mas que no entanto ficou

sem solução para os que agora terminam o curso.

Por todos os motivos anteriormente referidos, posso concluir que o carácter profissionalizante se

fez cumprir e foi determinante na execução dos objectivos gerais e específicos deste final de ciclo,

(11)

A

NEXO

I

(12)

A

NEXO

II

(13)

A

NEXO

III

(14)

A

NEXO

IV

(15)

A

NEXO

V

(16)

A

NEXO

VI

(17)

A

NEXO

VII

(18)

A

NEXO

VIII

(19)

A

NEXO

IX

Imagem

Referências