• Nenhum resultado encontrado

Rev. esc. enferm. USP vol.50 número6

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2018

Share "Rev. esc. enferm. USP vol.50 número6"

Copied!
1
0
0

Texto

(1)

887

www.ee.usp.br/reeusp

EDITORIAL

DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420160000700001

O ano turbulento que se encerra pode nos ensinar muito!

O ano de 2016, que ora se encerra, foi especialmente difícil e turbulento, principalmente para os brasileiros. Há nesta frase inicial certo otimismo, pois enseja que as diiculdades e as turbulências já tenham passado. Mais que oti-mismo, encerra esperança: de que possamos aprender com os reveses, cultivar a resiliência e continuar a coniar na humanidade, apesar de tudo.

Mas o que as crises políticas e econômicas do País dizem respeito a periódi-cos cientíiperiódi-cos?

Dizem muito aos periódicos de instituições públicas. A Universidade de São Paulo, à qual pertence nossa Escola de Enfermagem, publisher da Revista da

Escola de Enfermagem da USP (REEUSP), é inanciada por parte do imposto de circulação de mercadorias, altamente regressivo, pois atinge principalmente os mais pobres e que por isso mesmo deveria ser aplicado prioritariamente em benefício daqueles que mais necessitam.

O conhecimento gerado nas pesquisas em Enfermagem que a REEUSP veicula tem esse sentido ou direcionalidade política. Visa trazer soluções para os problemas de saúde de nosso povo, principalmente no âmbito do Sistema Único de Saúde, ao divulgar avanços que podem ser incorporados à assistência de Enfermagem.

Os avanços no conhecimento gerados em pesquisas cientíicas e nos melho-res veículos de divulgação cientíica da Enfermagem dependem principalmente da dedicação e da qualidade do ensino das escolas de Enfermagem.

Se mirarmos as conquistas da Enfermagem, quer brasileira, quer mundial, veremos que predominam a ética no cuidado e no trato com os seres humanos, a solidariedade para com os que mais sofrem ou que são mais vulneráveis e a defesa inconteste de que todo o ser humano é merecedor do cuidado de Enfermagem!

Acreditamos que estes valores cultivados por nossa proissão podem ser espraiados. Por isso devem ser construídos intencionalmente nas escolas de Enfermagem, nos campos de prática e também no desenvolvimento e na divul-gação dos resultados de pesquisas.

Recentemente os principais veículos de imprensa noticiaram que as enfer-meiras foram as mais citadas em um inquérito realizado no Reino Unido sobre os proissionais em que as pessoas mais coniavam. Parabéns às enfermeiras britânicas! Sua histórica dedicação ao cuidado à saúde da população, princi-palmente à dos mais vulneráveis, é sobejamente conhecida e honra o nome de Florence Nightingale, fundadora da Enfermagem moderna.

Parabéns às enfermeiras e aos enfermeiros do mundo todo! Parabéns a todos que lidam com a saúde e que lutam por imprimir a ética na proissão!

Feliz Natal a todos! Boas Festas! Que o ano de 2017 possa nos trazer mais solidariedade, compaixão e humanidade!

Prof.a Dr.a Maria Amélia

de Campos Oliveira

Prof.a Dr.a Emiko

Yoshikawa Egry

Presidente da Revista da Escola

de Enfermagem da USP Editora Cientíica da Revista da Escola de Enfermagem da USP

Diretora da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo

2015-2019

Coordenadora do Comitê de Assessoramento da Área

Enfermagem do CNPq 2015-2018

Referências

Documentos relacionados

Objective: his study was conducted to understand the experiences of intimate partner violence among women from Portuguese-speaking countries living in the Greater Toronto

Há relações com proissionais que se perpetuam na tra- jetória de vida da família e criança estruturadas na demons- tração de interesse e preocupação por parte do proissional

(Un)receptiveness in interactions with professionals: experiences of parents of children with retinopathy of prematurity in that period of ive months and twenty days inside

Em relação ao descarte de medicamentos, o local mais frequentemente adotado foi a caixa descartável para per- furocortante com saco de lixo amarelo, porém um achado relevante foi

After necessary adjustments, the instrument used included variables related to the study site (clinical, surgi- cal, infectious disease and ICU units); Medication or solu- tion

Conclusão: Débito cardíaco diminuído esteve mais prevalente em pacientes com insuiciência cardíaca hospitalizados, sendo as características deinidoras associadas determinantes

his study aimed to identify the Nursing Diagnoses of fatigue, activity intolerance and decreased cardiac output in hospitalized patients with heart failure and to verify the

A prescrição de um tratamento de acordo com o recomendado pelas diretrizes por parte dos espe- cialistas também pode ser uma das justiicativas para essa diferença a favor