Fusões e Aquisições no Brasil

Texto

(1)

Fusões e Aquisições no Brasil

Setembro de 2015

(2)

395

337

415 389

573

722

645 644

799

752 771

812

879

318

246 281 265

395

521 522

442

578 560 594 597

640

565

2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015

Jan-Dez Jan-Set

O mês de setembro chega ao fim com 52 transações (redução de 40% em relação ao mesmo período de 2014 – 87 transações), sendo o terceiro mês do ano com redução no volume de transações em comparação ao mesmo período de 2014 (agosto com 53 transações em 2015 x 88 em 2014 e julho com 54 transações em 2015 x 71 em 2014).

No período acumulado de janeiro a setembro, foram concluídas 565 transações (redução de 12% em relação ao mesmo período de 2014 – 640 transações).

Analisando o volume transacionado desde o ano de 2010 (ano que marca a mudança no patamar de transações – totais anuais superiores a 750 transações), o acumulado até setembro mostra-se 4% inferior a média dos últimos 5 anos.

Com 52 transações realizadas em setembro, o período acumulado desde janeiro totaliza 565 transações

Média de 589 transações

até setembro Média de 470 transações

até setembro

Média de 278 transações até setembro

Nota: Transações divulgadas na imprensa. Não inclui acordos.

(3)

32 25

38

28

44 50

59 60 62 66

58

68

87

52

2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015

Transações anunciadas em setembro (2002 a 2015)

Setembro

Média de 66 transações em setembro

63

43 83

61 68

73

57 68

62 58 68

95

56 53 65

70 72

49 58

71 66

57 57

77

58 60 62

62 88

72 71 62

58 61

57 59

53 60

71 74 74 66

65 66

68 67

67 81

60 68

63 69

61 72

71 88 87

77 74

88

60 54 75

79

66 72

54 53 52

jan/10 fev/10 mar/10 abr/10 mai/10 jun/10 jul/10 ago/10 set/10 out/10 nov/10 dez/10 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12 dez/12 jan/13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13 jan/14 fev/14 mar/14 abr/14 mai/14 jun/14 jul/14 ago/14 set/14 out/14 nov/14 dez/14 jan/15 fev/15 mar/15 abr/15 mai/15 jun/15 jul/15 ago/15 set/15

Transações por mês 2010-2015

Transações

Nota: Transações divulgadas na imprensa. Não inclui acordos.

(4)

73%

12%

4%

3% 1% 7%

Sudeste Sul Nordeste Centro-Oeste Norte

Estrangeiros

Com 73% do total transacionado em 2015, a região Sudeste permanece como preferência para investimentos no país

Nordeste

1%

Norte

Centro- oeste

Sul

3%

12%

4%

SP 56%

RJ 10%

MG 7%

ES 0,1%

No período acumulado entre janeiro e setembro, a Região Sudeste concentrou o interesse de 73% com 409

transações. Em comparação ao mesmo período de 2014, nota-se uma redução de 12% no volume transacionado (463 transações).

São Paulo lidera com 56% do total acumulado em 2015, com 314 transações e 17% inferior ao mesmo período de 2014 (377 transações)

Na Região Sul, foram concretizadas 69 negociações, 3%

superior ao mesmo período de 2014 (67 transações).

Transações fora do Brasil representam 7% do total de transações (38 negócios concluídos), sendo 24% inferior ao mesmo período de 2014 (50 transações).

Transações por região – janeiro a setembro 2015

Nota: Não inclui acordos.Fonte PwC

(5)

36 36

53 60

96

40

55 60

63

107

Serv. Públicos Varejo Financeiro Serv. Auxiliares TI

2014 2015 17%

11%

9%

6%

5% 6%

5%

4%

4%

33%

TI Serv. Auxiliares

Financeiro Varejo

Serv. Públicos Alimentos

Quím/Petroquím. Serv. Imobiliários

Educação Outros

Preferência dos investimentos realizados no mercado de M&A

brasileiro, o setor de TI mantem-se na liderança desde janeiro/2014

Participação dos setores em M&A Brasil TI – O setor com maior interesse desde jan/2014 96 Transações, redução de 10% em relação a 2014 (107

transações)

17% do total transacionado Serviços Auxiliares

60 Transações, redução de 5% em relação a 2014 (63 transações) 11% do total transacionado

Setor Financeiro

53 Transações, redução de 12% em relação a 2014 (60 transações)

9% do total transacionado

1

2

3

Top 5 setores (2014 e 2015)

Nota: Transações divulgadas na imprensa. Não inclui acordos.

(6)

Exemplos de transações - Top 5 setores mensal

A empresa brasileira de softwares, Linx, realizou a aquisição das companhias de software para varejo, a catarinense Chaordic e a

amazonense Neemu, pelo valor de R$ 78,6 milhões.

O grupo britânico WPP realizou a aquisição da agência ConceptPR,

especializada em relações públicas e conteúdo digital, sem valores anunciados.

A WEG SA realizou a aquisição da

companhia espanhola Autrial S.L, fabricante de painéis elétricos para equipamentos e instalações industriais, sem valores anunciados.

O grupo sueco VBG AB, de

equipamentos de caminhões e maquinário de manufatura,

realizou a aquisição da Henfel Indústria Metalúrgica, sem valores anunciados.

A Horizonte Minerals, empresa de desenvolvimento de projetos de níquel com foco no Brasil, realizou a aquisição do projeto de níquel Araguaia da Glencore no Brasil, pelo valor de US$ 8 milhões.

TI Auxiliares Serv. Mecânico Metalúrgico Mineração

Nota: Transações divulgadas na imprensa. Não inclui acordos.

(7)

Exemplos de transações - Top 5 setores anual

1º 2º 3º 4º 5º

TI Auxiliares Serviços Financeiro Varejo Serviços Públicos

• A Viasoft, empresa de software para agronegócios de Pato Branco, no Paraná, realizou a aquisição da Prodix.

• A empresa de

consultoria e serviços de marketing, Elemidia realizou a aquisição da companhia do mesmo segmento Aki Midia.

• A empresa americana de soluções de

pagamentos WEX, realizou a compra dos 49% restantes de participação da companhia brasileira do mesmo segmento Unik.

• A Furnas Centrais Elétricas, empresa do grupo

Eletrobrás, realizou a aquisição das usinas do Complexo Itaguaçu da Bahia.

• A Labbo, empresa de programação e design de sites realizou a aquisição da Lobigue Agência Digital;

• O grupo britânico WPP realizou a aquisição da fatia majoritária da agência de relações públicas Ideal Comunicação;

• A Inversiones

Suramericana realizou a aquisição das

operações na América Latina da RSA

Insurance, pelo valor de US$ 614 milhões ;

• O Garnero Group Acquisition Company, realizou uma fusão com o Grupo Colombo, que controla a varejista Camisaria Colombo;

• As ações da Terminais Portuários da Ponta do Félix foram adquiridas pelas Fortesolo e Agritter;

• A Hortifruti, varejista de frutas, legumes e verduras, realizou a aquisição da

concorrente Natural da Terra.

Nota: Transações divulgadas na imprensa. Não inclui acordos.

(8)

Investidores nacionais e estrangeiros empatam nas participações das transações entre janeiro e setembro de 2015

Número de negócios acumulados no período de janeiro a setembro (2002 a 2015)*

* Não inclui Joint-Ventures , fusões e cisões

Investidores nacionais e estrangeiros, que desde o início do ano vêm mantendo-se alinhados no total de participações em transações no mercado de M&A brasileiro, chegam ao final do período compreendido entre janeiro e setembro com 50% de participação (256 transações, cada).

Para os investidores nacionais, isso mostra uma redução de 23% em relação ao mesmo período de 2014 (332 transações) e, para os investidores estrangeiros, também para o mesmo período, aumento de 3% (248 transações)

158

129 114 109 150

278

312

223

297 285 284

303

332

256

79

61

86 90

121 131

120

140

195 194

236 231 248 256

2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015

Nacionais Estrangeiros

Nota: Transações divulgadas na imprensa. Não inclui acordos.

(9)

Investidores estrangeiros mantém-se interessados nos ativos brasileiros. Destaques para: Estados Unidos, Reino Unido e Alemanha

Com 268 negociações envolvendo capital estrangeiro (aumento de 4%

em relação a 2014 - 256 transações), países como EUA, Reino Unido e Alemanha representam 50% do interesse em ativos brasileiros.

Em setembro foram concluídas 26 transações com investidores estrangeiros, redução de 32% em comparação ao mesmo período de 2014 (38 transações).

EUA: 36% do total das transações - 97 negociações (2014 - 103 transações) e 8 transações em setembro (set/2014 - 10 transações);

Reino Unido: 7% do total das transações – 20 transações (2014 – 22 transações) e 4 transações em setembro (set/2014 – 6 transações);

Alemanha: 6% do total das transações – 17 transações (2014 – 13) e 4 transações em setembro (set/2014 – 2 transações).

31%

15%

15%

7%

4%

4%

4%

4%

4%

4%

4% 4%

Investidores estrangeiros do mês de setembro 2015

EUA Alemanha Reino Unido Dinamarca Canadá França Suécia Colômbia Austrália Espanha Japão Peru 103

22 13 13 7 8 8 7 7 4

97

20 17 14 12 10 9 7 7 7

EUA Reino Unido Alemanha França Japão Suíça Argentina Cingapura Espanha China Top 10 Investidores Estrangeiros de 2014 a 2015

(janeiro a setembro)

2014 2015 50% do interesse em ativos brasileiros

Nota: Transações divulgadas na imprensa. Não inclui acordos.

(10)

0 50 100 150 200 250 300 350 400

2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015

Aquisições Compras Joint ventures Fusões Incorporações

Sétimo mês consecutivo com a mudança no perfil dos investimentos realizados no mercado de M&A brasileiro, com maior interesse

pelas compras de participações minoritárias

Nota: Transações divulgadas na imprensa. Não inclui acordos.

Evolução das modalidades no período entre janeiro a setembro (2002 a 2015)

44%

47%

2% 4% 3%

Perfil de transação janeiro a setembro de 2015

Aquisições Compras Joint ventures Fusão

Incorporações Perfil de

Transação Total

2014 2015 Variação % 2014-2015

Aquisições 321 246 -23%

Compras 259 266 3%

Joint Ventures 25 12 -52%

Fusão 18 21 17%

Incorporação 15 20 33%

(11)

23 22

26

32

19

25

22 22 23

8

14

24

18 19

23

12

28

24

18 16

26

34

26 26

13 14

6 Transações envolvendo P.E.

(2013 a 2015)

2013 2014 2015

Private Equity

TI com 46 transações

26% de participação do mercado total (44% superior a 2014 - 32 transações até setembro)

Varejo com 19 transações (27%

superior a 2014 - 15 transações) O período acumulado entre janeiro e setembro, teve

a participação de investidores financeiros em 179 transações, aumento de 6% em relação a 2014 (169 transações).

Das 179 transações 52% foram de investidores nacionais e 48% de investidores estrangeiros.

No mês de setembro foram concluídas 6 transações com Private Equities, número 74% inferior ao volume transacionado em setembro de 2014 (24 transações).

20

32

46

23

15 19

23

30

19 5

12 14

10 6

14

2013 2014 2015

Top 5 setores mais investidos janeiro a setembro (2013 a 2015)

TI Varejo Financeiro Serv. Imob. Serv.Públ.

Serviços Financeiros com 19 transações (redução de 37%

em relação a 2014 - 30 transações)

Nota: Transações divulgadas na imprensa. Não inclui acordos.

(12)

• A Graña Montero SAA realizou a compra de 20% da

Concesionaria Gasoduto Sur Peruano SA, pelo valor de US$

215 milhões, anteriormente da Odebrecht SA;

• A Valid Espanha realizou a aquisição da empresa dinamarquesa Fundamenture;

• A Ebara Corporation realizou a aquisição da empresa brasileira Thete Bombas Hidráulicas, pelo valor de R$ 84 milhões;

• A Fandango, subsidiária da companhia de mídia e

entretenimento NBC Universal, realizou a aquisição do portal Ingresso.com, anteriormente da B2W, pelo valor de R$ 280 milhões;

• O BTG Pactual realizou a compra de 14,27% do Grupo Empresas Navieras SA (GEN) do grupo chileno Bethia, pelo valor de $14.753 milhões de pesos chilenos;

• A Eurofarma realizou a aquisição da planta de produção da francesa Sanofi, pelo valor de US$ 18 milhões;

• A Rise do Brasil Participações realizou a aquisição da empresa Cruzeiro do Sul Medicina Diagnóstica pelo valor de R$ 16 milhões;

• A Innovative realizou a aquisição do Portal Cloud Solutions, empresa desenvolvedora de soluções digitais, sem valores anunciados.

Casos selecionados; não é uma lista exaustiva. Não representa necessariamente as maiores transações anunciadas, mas uma abordagem combinada de relevância e tamanho da operação anunciada. Algumas transações sujeitas a análise e aprovação por parte de órgãos reguladores.

• A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) realizou a compra de 15% do capital da Armco;

• A Superior Industries realizou a aquisição da companhia brasileira de metalurgia, Parcan sem valores anunciados;

• A Omni Financeira, especializada na concessão de crédito para a compra de veículos usados, realizou a aquisição de duas carteiras de crédito;

• A plataforma para pedidos de táxi Vá de Taxi, realizou uma fusão com a plataforma do mesmo segmento Taxijá da UOL;

• A Invesco realizou a compra de 5,33% do total das ações ordinárias da companhia brasileira de aluguel de carro, Localiza Rent a Car;

• A Serede realizou a aquisição da Telemont;

• As empresas Trend Operadora e CNT - Central de Negócios Turísticos realizaram uma joint venture criando a empresa consolidadora de viagens TC World;

• A DuSolo Fertilizers realizou a aquisição de 70% do projeto de fosfato São Roque, em São Roque de Minas (MG), anteriormente da companhia Mineração Batalha e Participações, sem valores anunciados.

Transações de setembro

(13)

• A China Three Gorges Brasil Energia realizou a compra de participações nas controladas Rio Verde Energia, Rio Canoas Energia e Triunfo Negócios de Energia;

• A SunEdison realizou a compra da carteira de 2,2 mil megawatts (MW) já vendidos em leilão para a TerraForm Global;

• A Menvia realizou a aquisição da companhia AppStartup;

• O grupo colombiano Casino realizou a venda de metade de suas ações do Grupo Pão de Açúcar (GPA) para a sua subsidiária, o grupo Almacenes Exito;

• A empresa brasileira produtora de carne, JBS realizou a aquisição da unidade de frango e alimentos processados na Europa, anteriormente da Marfrig, pelo valor de US$1,5 bilhões;

• O FIP Plus II, fundo de investimentos do Bradesco BBI, realizou a compra de uma fatia minoritária da subsidiária Minerações Brasileiras Reunidas (MBR) pelo valor de R$ 4 bilhões;

• A alemã Bertelsmann, atuante no setor de mídia e o International Finance Corporation, adquiriram respectivamente 40% e 30% da empresa de educação corporativa Affero Lab.

• A JBS realizou a aquisição da companhia Scott Technology Ltd, sediada na Nova Zelândia, pelo preço total de US$42 milhões;

• O fundo de investimento argentino Kaszek Ventures realizou um aporte na empresa de e-commerce brasileiro Dress&Go;

• A Harvest Minerals, empresa australiana especializada em minerações, realizou a aquisição do projeto de potássio Sergi;

• A companhia australiana de consultoria e corretora CPS Capital Group realizou a incorporação dos ativos da australiana Cabral Resources;

• A Allnex realizou a aquisição da brasileira Águia Química, fabricantes de resina no Brasil e subsidiária da Águia Participações, sem valores anunciados;

• A rede goiana de varejo de tecnologia, Primetek, realizou a aquisição da rede de varejo de tecnologia também goiana, CTIS Digital;

• A Máxima Sistemas, empresa especializada em soluções de vendas ligadas ao ERP WinThor, da PC Sistemas, realizou a aquisição da Tecnomix;

• A marca de panificação Wickbold realizou a aquisição da sua concorrente Seven Boys.

Transações de janeiro a agosto de 2015

Casos selecionados; não é uma lista exaustiva. Não representa necessariamente as maiores transações anunciadas, mas uma abordagem combinada de relevância e tamanho da operação anunciada. Algumas transações sujeitas a análise e aprovação por parte de órgãos reguladores.

(14)

• A Nissin Foods Holding, realizou a compra de participação de 50% que a Ajinomoto detinha na empresa Nissin-Ajinomoto Alimentos Ltda, pelo valor de 32,5 bilhões de ienes;

• O Grupo Confiança, da consolidadora Confiança e da

operadora West Central, realizou a aquisição de 75% da Volare Turismo;

• O grupo Editorial Nacional (GEN) realizou a aquisição da Editora Atlas;

• A Redpoint e.Ventures, um fundo de investimento nacional, liderou uma rodada de investimentos para a startup brasileira Sophie & Juliete, sem valores anunciados;

• O grupo Bio Soja, empresa dedicada à produção de insumos de alta tecnologia para agricultura moderna, realizou a aquisição da Samaritá;

• A Rock Content recebeu um aporte de R$ 6 milhões dos investidores e.Bricks e Digital News Venture;

• A Mitsui & Co e a Omidyar Network realizaram um aporte financeiro na Geekie pelo valor total de USD 7 milhões;

• A Lupin realizou a aquisição da empresa brasileira do mesmo segmento Medquímica Farmacêutica AS.

• A Stefanini realizou a compra de 40% da companhia Saque e Pague;

• A ClickBus, portal brasileiro de vendas de passagens de ônibus, realizou a aquisição da Chegue.lá;

• O Global Fashion Group (GFG), controlador do portal Dafiti realizou a aquisição das empresas de e-commerce Kanui e a Tricae, sem valores anunciados;

• A empresa gaúcha Zenith Asset Management realizou uma compra minoritária da empresa de brinquedos Estrela, detendo agora 15% da companhia;

• A holding do segmento de saúde Amil, realizou a aquisição do Hospital e Maternidade Dr. Cristóvão da Gama, localizada em Santo André-SP, sem valores anunciados;

• A consultoria de imóveis LPS Brasil, por meio de sua controlada direta Lopes Erwin Maack, realizou a compra de 20% da Pronto Erwin Maack Consultoria de Imóveis;

• A empresa Encripta, especialista em soluções para distribuição de conteúdo digital, realizou um aporte na empresa E-like, da área de social commerce, sem valores anunciados;

• A empresa brasileira Manabi SA realizou a incorporação dos ativos da brasileira Maverick Logística, que atua no

segmento logístico, sem valores anunciados.

Transações de janeiro a agosto de 2015

Casos selecionados; não é uma lista exaustiva. Não representa necessariamente as maiores transações anunciadas, mas uma abordagem combinada de relevância e tamanho da operação anunciada. Algumas transações sujeitas a análise e aprovação por parte de órgãos reguladores.

(15)

Aquisição de participações controladoras são aquelas em que o comprador obtém, na transação, o controle da empresa. Enquadram-se nesta categoria as transações de compra de 100% das ações, de uma

participação majoritária (maior do que 50%, mesmo que por apenas uma ação), participações adicionais que

transferem o controle para o comprador (por exemplo, um acionista que já possui 30% ao comprar uma participação adicional de 21%), ou qualquer outra transação em que fique explícito que o controle foi transferido para o comprador.

Compra de participações não-controladoras são aquelas em que o controle da empresa não é transferido junto com as ações - tipicamente, são transações menores do que 50% do capital.

Joint venture caracteriza-se por ser um empreendimento de dois ou mais sócios em uma nova empresa, sendo que os sócios continuam a existir com suas operações

independentes. É diferente de um acordo comercial (uma representação, por exemplo), em que não existe a criação de uma nova empresa.

Fusão é quando duas empresas juntam suas operações e deixam de existir isoladamente, dando origem a uma terceira nova empresa.

Incorporação acontece quando uma empresa absorve as operações de outra, que deixa de existir.

Cisão é o tipo de transação em que uma empresa é dividida, surgindo daí uma outra empresa. É caso das empresas que querem separar os negócios em unidades independentes.

Definições aplicadas neste relatório na categorização de uma transação

(16)

Rogério Gollo

rogerio.gollo@br.pwc.com 11 3674 2435

Alessandro Ribeiro

alessandro.ribeiro@br.pwc.com 11 3674 2593

Leonardo Dell’Oso

leonardo.delloso@br.pwc.com 11 3674 2209

Humberto Tognelli

humberto.tognelli@br.pwc.com 11 3674 2593

© 2015 PricewaterhouseCoopers Brasil Ltda. Todos os direitos reservados. Neste documento, “PwC” refere-se à PricewaterhouseCoopers Brasil Ltda., a qual é uma firma membro do network da PricewaterhouseCoopers, sendo que cada firma membro constitui-se em uma pessoa jurídica totalmente separada e independente. O termo “PwC” refere-se à rede (network) de firmas membro da PricewaterhouseCoopers International Limited (PwCIL) ou, conforme o contexto determina, a cada uma das firmas membro participantes da rede da PwC. Cada firma membro da rede constitui uma pessoa jurídica separada e independente e que não atua como agente da PwCIL nem de qualquer outra firma membro. A PwCIL não presta serviços a clientes. A PwCIL não é responsável ou se obriga pelos atos ou omissões de qualquer de suas firmas membro, tampouco controla o julgamento profissional das referidas firmas ou pode obrigá-las de qualquer forma. Nenhuma firma membro é responsável pelos atos ou omissões de outra firma membro, nem controla o julgamento profissional de outra firma membro ou da PwCIL, nem pode obrigá-las de qualquer forma.

@PwCBrasil

youtube.com/PwCBrasil PwC Brasil

PwC Brasil

Imagem

Referências

temas relacionados :