Correio. Fundador-EDjküNDO, BII1ENCOUHTManhã. t^_l m-mmw I mmyzkm ESt IMM M %%%**»% J*M K *^_^B MMlM _B^ '-tlmx/ T/W mmmt btmmw*

Texto

(1)

II ¦ .f-*

UlMVUJt

M. PAULO FILHO

t.

tUmmfM*» i Ofletnaa -. Av. Gomes Freire, 81/8S. Correio da

KTOATOR^HETE

COSTA REOQ

Fundador-EDjküNDO, BII1ENCOUHT Manhã

¦Sa. SEÇÃO—d F

"

' ' - v^&^tmér- Pr«s- Wilco./-.;- 22-46 ABAIXADA A«ERl|NA

DIRKTOR • O ERCCTB

M A RI O ALVE S

Administração — Av. Comes Krrlr*. 81/83*

RIO DE JANEIRO, QUINTA-FEIRA', Í9.DE SETEMBRO DE 1946

N. 15.91*1

A N O X I. V I

PROMULGADA, ONTEM, SOLENEMENTE, A NOVA CONSTITUIÇÃO

NO MUNDO POLÍTICO

«COMPOSIÇÃO DO MINISTÉRIO - PRESIDÊNCIA DA CÂMARA

- CASO DE MINAS ti™hÍ&Ü ontem m PaMdo S™i^lM,que ° *tner*> Dutra resolvera fazer mesmo a recom- Pwlçâo do ministório. Aceiterá a demissão solicitada poF todos os atuais ministros. , .... SUB %***íco I1"* desfruta de sua inümidadt declara o uwàil dente da Republica „;°,X Çipio. pensara em fizer apenas h2 ?iS*u demíssoes e deixando í«ac"''ari outras. Depois, p™

rem, modificou seu nlano. dot

^« «oUvos, inclusl^p-?!

SK '5? de*no*Mtr-iria preferen- cias, nâo multo adequadas. Mi- «Ustroa que eram ti_oe, e ainda, ÍkZlhi? ¦iK!'m a *-stM horas Tr?h.fíSl?luÍa^?/lt€Lí*nn«!|. o dó h-ftlhfíií ' da ViV&0< terão su- estatutos na remodelação.

O ministro da Justiça, ir.

Carlos Lm, qUe desejava sair ontem mesmo, permanecerá na So ««?'? rÍgu'ns dias- a ***>

•do general Dutra, enquanto êste pensa nos nomes que devem en-

»» Çar? o, novo ministério.

Mais tardei o discurso publi-

«o,?»d.0sg*en<!r?* Du>ra <*onflr-

mava totalmente a noticia. AH

«e fala em "recomposição dos orgaos governamentais".

O SR. OCTAVIO MANGABEI- RA E' CANDIDATO DO

GENERAL DUTRA Promulgada, ontem, a Consti- tuiçSo, para cujo trabalho con- vergiam todas as atenções e energias da Assembléia, esta, ainda sob o efeito das ultimas semanas de atividade constitu- cional, elegerá hoje o vice-t _>- sidente da Republica. Estes dois fatos nao permitiram até aqui uma demarche positiva no sen- ,.° da composição da Mesa da futura Câmara dos Demitado».

O unico nome articulado, até agora, é o do sr. Octavio Man- gabeira para a presidência da mesma,

O lider da Minoria é cândida- to cio próprio general Dutra, que assim desviou em sentido opôs-, to o movimento de uma pode- rosa ala do P. S. D. inclinada á indicação dos srs. Arthur de Souza Costa ou Benedito Vala- dares.

Essa^ mesma ala, acatando as simpatias demonstradas pelo presidente da Republica para comosr. Octavio Mangabelra.

parece que não regateará o seu voto.ap nome: do lider da Mino-

?a* Sef*5 KBÜio, o sr. Bene- oito Valadares procurou recen- temente i o ar., Octavio Manga-

'-^W*ft'WC9^

^'^pbíitò de vista dõ *.er.erai Dutra, tipos recusar o sr. Octa- vio Mangabeira a pasta das Re- laçSw.gtferidteg, 6 de que ne-

«Britava de^ua presença em outro alto poito da Republica, de modo a qUe o povo sentisse a evidencia do necessário e as- siduo contacto entre êle eoli- der da U. D. N., fator que de muito contribuirá para o bom êxito da chamada politica de coalizão. , -

MOMENTOS DÉ INTENSA VIBRAÇÃO E CRANDES~EXPANSÓES CÍVICAS NA ASSEMBLÉIA .lEIW hoje, do vice

PRESIDENTE DA REPÚBLICA

Aoraesino tempo, estando o sr. Mangabeira na presidência aa câmara, essa circunstancia, por si só, exprimirá aos olhos da

£?çr£/ ¦"?«UI*.a!-5*! e dignidade do Poder Legislativo, que está nos cuidados do presidente da -Republica prestigiar em toda a Jinna.

A eleição da Mesa da Câmara dos Deputados terá lugar possi- velmente segunda ou terça-fei- ra vindoura. Provavelmente antes da eleição será estudada a questão do regimento interno, Íf-T.f iendVue *_ f°rmula mais viável será a adoção do Regi- mento da Câmara anterior, ex- tinta com o golpe dé 10 de no- vembro. Eleita que esteja a Mesa, iniciará esta imediata- mente a elaboração do novo Re- gimento.

ESCLARECIMENTO DO SR VALADARES Foi ontem noticiado que o sr.

Benedito Valadares teria pro- curado o sr. Octavio Mangabei- ra para lhe declarar que nao era 'queremista"

e que estava dis- posto a retirar a tandidatura. do sr. Bias Fontes ao governo constitucional de Minas Gerais, desde que o sr. Carlos Luz pro- cedesse da mesma forma quan- to a sua.

Ontem, na Assembléia Cons- tituinte, o sr. Benedito Vaiada- res declarou em palestra, que a sua visita ao lider da U. D. N., tivera como objetivo apenas co- municar-lhes a deliberação do P. S_ D. de só tratar da orga- nizaçao das mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Fé- deral depois da eleição do vice- presidente da Republica. Acres- çentou que, naturalmente, no decorrer da palestra, houve oca- siao de falar na politica minei- ra, tendo tido, então, oporturii- dade de frisar os altos sentimen- tos do sr. Bias Fortes,,que ain- da agora não hesitaria em acei- tar uma fórmula que evitasse a luta dentro do seu partido em Minas Gerais. .

Foi só o que houve — finali- zouo sr. Valadares.

O SR. OCTAVIO MANGABEI- RA NO GUANABARA O sr. Octavio Mangabeira, lider da minoria, esteve no Pa- lacio Guanabara, ontem pela manhã, tendo . coníerenciado, durante uma hora, com o pre- sidente da Republica.

_ÉÉ__Jlik' * 4_l^s ' mmmW^í^^maammm\ KLl- *T>. Ilr*^ O

|^^_ti.'i » 1 __L l _H __£'•• fSi-ti _ji^"y

__t^_l m-MmW I

mmYZkm ESt IMM M %%%**»% J*M K *^_^B MMlM _B^__

_^B ____H *

(PH i*---^-ê"**-^i.'s---! i*----Pjw tÍ ¦*__[_ > -,_____! ____k__^^ii____ \\\\\m ^i_____________j .a\i?r'OT-1

ÍUi'a^2i.^l'.* .•*¦¦ I^K *^i.fl

HlH maiàmmrXAi MSea ¦>*-?__!_¦ BLÍr^i,-K^HIDtl«••.'?___? *4!1 H

___¦ __7____>>^'__i WmTjm ¦L_______i ^^ \W.\-- aaM mSatL^zf IV mwràmTrrmm mW^U ¦l'.<'U C ^J _P____W. K ^^L mmWWJy^^iiàammm m\Tmm% _| Trljr* K^^s*^E HV H ¦

Éi^J ___.¦_____! R,rl wV iMrl H Mm _________| i*Ht'T-E9Í,--HlkK *•&**.** ______¦ JrT HhI '

!_¦* ^^'""•¦í \\\\\\amm\\\\\\

H s^E-lfl ¦ **^n**i^iBkfl RCfl m^^9eiaT^mm mw <m .-.T" ________________________| T/W mmmT '

btmmW* '-tLmx/ » .9n mW IM

HL.-^_n3 _______P_P__P-^___________J_______^r' J_P*_______F ¦ ^¦_lA__L__^ ^.^b* *^____H _____vJ_i \\\\\ * JH ____________! __________'- ^*w^^_2-'!^K|fl Hi2w-!lw^3 Hi,---Í

HHsH______________B_______r_______PKQmI js*---fl IHed h:-:'vHI P^J PrVi] ___¦ ¦Ji^vfl Hl IH wL\ Ep BnP *c_rPB___l__i BL** iM_________i____i ¦ in g-^flÜl W^Ê W wárr^^l

lliarl -H#VikH Si "

lv'**-_i i *"__i ¦_ ____P-**__r ^sHk'T ~ *'Í!>^K^B^----B

II jí^l -«Bm B^^HWIwM tog_____L ?__1 ¦_____ __¦ _¦ __¦ _s_fe» t^ ^k Vfc**-*» -I -"f^Tv^fluÉi

Bfv^M ÜWJsB HBsI^gJMMpii ^.tA l____i ____| y^ llrs.^ i^3mm*Ám\\r^^~' L ¦ ''*____b--°'__| V__| ¦

^i^sS.!»* in>^---ud, - 'lOlft-I-Psl l-ISo K'!^! It__ll L^( ''à^fÉmm

umi Sf C-H H^^^J l-^fl '^'¦-•i_______'»í*^__P'' ^IH Iu«b ^.-1 wÊP ' _Jh Hski^>' tB^I HBUr^wV .fl B7r**S

¦ ¦ 1^. ___. _d-«H___E_______________i - _ ~'s*r^____FV ¦_¦ ¦-_i ¦{______¦ _____MÉ__K. ¦_' ,_|_ InH

^H './i':.

___VJ_| ____r BHk.' .,*__FC*%s____________! ______,___¦*'.y~-; í*'-j.j ____! _____t *iHc*'QKi3_l^lí'aH

____________________}9__________Efl__H__wm T_____/^_______É_^,^__B___*«__iffi_ffl t__!^m K_ _______! *^Til l& r^^^BHhSlzâjMs! IpKmh

IÍ'l.oilãilM_o99>iMHBÍ K#-tf IS II I #&.'¦¦ __?__P^__

_______________________f~____^..________^rL-?UBKL>4HP>>l¦_nPl^______________________J__H i-^O V -«s—^™ ________¦ -|sf_LS_________^__P__i

B^^B ui i_||3fc',*ff"ífi£____W i_r^^^ »3B5! il| H ¦ ^*> --«mj H7A^yl ¦

|i'i^ lnj^iiflrjtly^^BHOsW ti' >*3 r> ____¦ _f^I__! ¦>'v 'i__r^' _H2___w_.^J________k

___¦ _è7W*7-<*| il___i__f_|_^T_ft_^-'ltl__*^IV-i«M! ** ^V Kk t*9 W* ^«i*£*fl ¦ *<_____¦-' ___¦ JV|P|^^jI K

_______¦ __H__.^>*'' ''';'*>**S^I *9MlSffJÉifflr!-7

^Vl_---v"--',T|-;_____F______r''l ** ^VH ^B* "¦_______K« _^ÉlSl9n ^K'" ~mm\w1,^m\\\\\\\m*^^*rPmmm\^ mmmW ^J,Jt^WE .^ >M ¦'*¦

¦¦ Bfc' __£___( Ili9 "icv*k'JV^H - ' '^s_| __Rv<^H___F^ __**£___¦ __k_ WlrWàmmw^t^mm mwSfttW- Í_JÍ< ,rK.'V lyi

j__P^^^^^^^^Mr ___P?i_____iHBifir *7Qw_iBI____';_pl_l I èW * ' : —^'' L»v*.'*MtMT'^^BBga .»>*- V__IBP^ ^'wüC *sP'."iIf_B__l

sflbtfll íHPi .-fl-H''' /,.^'V _ffi______i''''i ulfT__rí¦cflflwí-WswttWiiil I '^^^---. _^-^tfdsfll^ -..'iHB BSÍ4"^*-HI sHRíií^^f^ffiS-alS sfl^^ ''•'n. ^I>1s_______I____k<:'a" i^-t»»-BwKx^cSjKV^' ___RíPe1'I

E^ffl UM -' 'Tm SU -r**vt' ^s*^^ PVv!rÜÜ R-_i' '^iflHHr V *j_____i__l *l~<**aflF______!

K^K^w **W *y--f^^^V'*'*^%ff-^___| IP^^M-l^^f^SaM m\\> '____r^sB^alt' llN l_i

H K-J IL--flM s^H.^' ¦ V^4 "***- jt'>t^**^^àfj3i^^wfl ^^-9tt.-V ^ i i' 'V^HS^ÍiÍtti^'r>^<^9 V>tH1 sfl^.. t ^H _| fl

H<fl EiÉ^^^I Hifllfll Hk * ,*'^-)w*.__H. - '5^ .Ti[l)D!WAf|^3 _P___I^;J__I W' i ^1 PPV KíJHH 131 _K< ¦ *^___l hV'' ¦ "• "J

Rosas vermelhas, de mistura, com" folhagens e fitos verde- amarelas, ornamentavam a me- sa do recinto do Palácio Tira- dentes, onde foi promulgada a Constituição. Da mesma forma eskvam ornamentadas todas as tribunas. Viam-se ainda gran- des cestas de flores aos cantos, além de muitos refletores.

Três bandeiras brasileiras eram empu-ihadas pelos cadê-

Flagrante sensacional, colhido no momento em que o presidente Melo Viana assinava a Constituição

democracia, este foi o ato de promulgação mais democrático .ia visto no Brasil, onde tantas Constituições tem sido promul- gadas.

Em frente a Mesa, sentaram- se os ministros e outras autori- dades, como o interventor em São Paulo. Ficaram sumidos, abafados pela multidão. Faltan- do dez minutos para as 15 ho- ras, o presidente sr. Melo Via-.

IP.'* - • i§ H

!¦___'...-...' . j Bf>-Wwi_|

______ - __¦ fltV' ^IH

IH' IJ-..Í flflr'''^' ~''Ji: _____________ '

¦HflflflflMf -9' flL> ¦ wAW

_^^-*__fflS_!™É_i __________!

iflfl^^üS n

¦flEvfllflflflHIflHflflH

¦ ¦ i ¦

¦flflflflflflflfl^iflflflHflflfl^i

pela execução do Hino Nacio- nal. E ás 15,05, dizia o sr. Melo Viana as palavras finais e sole- nes da cerimônia: "promulgamos a Constituição dos Estados Uni- dos do Brasil".

A Orquestra executou o hino da Independência e teve inicio a assinatura dos autógrafos da Constituição. Os membros da Mesa assinaram em primeiro lu- gar. Féz-se depois a chamada dos representantes para a assi- natura..Começou pelo P. S. D.

e pelo Território do Acre.

OS CONSTITUINTES DE 1934

Convidados, muitos dos cons- tituiptes de 1934 compareceram.

Nao houve, porem, lugar espe- ciai para eles. Não encontraram quem os recebesse e os ajuntas- sem para uma fotografia, que teria importância histórica. Sem ritmo, espalharam-se pela Casa.

Uns tomaram assento no recln- .to; outros ficaram atrás da Me- sa, ainda vários preferiram co- locar-se junto as bancadas da imprensa.

Entre outros, conseguimos no- tar os seguintes: M. Paulo Fi- lho, da Bahia; Teixeira Leite, de Pernambuco, era "classista*'

«¦*._¦'• Odilon Braga, de Minas;

Arthur Santos, do Paraná; An- tonlo Ferreira Neto, Abelardo Marinho, Sebastião de Oliveira, Martins e Silva, Álvaro Ventu- ra, todos "classistas"; Virgílio de Melo Franco, de Minas; Osório Borba, de Pernambuco; Pereira Carneiro, do Distrito Federal;

Fábio Sodré, do Estado do Rio Coelho de Janeiço; Antônio Jorge Ma- chado. do Paraná; Carlos Gomes de Oliveira, de Santa Catarina;

Barros Cassai é/Minuanò de Moura, do Rio Grande do Sul;

Nono Macedo, de Goiás.

O P. T. B. APOIA O SR.

NEREU RAMOS Reuniii-se ontem, ás 9 horas, a Comissão Executiva do Parti- do Trabalhista Brasileiro a fim I de escolher o candidato do par-' tido á vice-presidência da Repu- blica. Após duas horas de de- bate, a Comissão'decidiu apoiar a candidatura do sr. Nereu Ra- mos.

O SR. PRESTES NO CATETE O general 'Dutra

teve ontem, no palácio do Catete, o seu pri- meiro contacto pessoal com o sr.

Luiz Carlos Prestes. O secreta-

._ _—„. .__,._ se- nhoras e crianças, em pé ou sen-

tadas nas bancadas. Se isso é tado de aplausos e interrompido á.sua O presidente tia República recebe o senador Melo Viana,

presidente da Assembléia Constituinte, no Catete tes de terra, mar e ar, postados

junto á Mesa, de frente para as bancadas, perfilados, impecá- ve:? nos seus uniformes visto- sos. ...

O recinto estava totalmen- te cheio. Não eram só represen- tantes da, nação. Era uma mui- tidão heterogênea. Havia

na abriu a sessão, tendo direita o presidente do Supre- mo Tribunal Federal, ministro José Linhares, e á esquerda o cardeal-arcebisjxi do Rio de Ja- neiro, D. Jaime Câmara. Foi lida a ala da sessão anterior, a que não faltou uma retificação.

Em seguida, o presidente pro- nunciou seu discurso, entrecor-

DEFENDA-SE DO TIFO!

com oa esterilLSadores

S A L U S

INTERRUPÇÃO O discurso do sr. Melo Viana foi interrompido logo no segun- do periodo. "Emergimos de um regime ditatorial sombrio" ¦*- disse o presidente da Assembléia

— "em que as garantias indi.

viduals foram canceladas, super- pon'do-se o arbítrio onipoderoso ao direito o á justiça".

Palmas ecoaram no recinto.

Romperam os acordes do Hino Nacional da Orquestra Sinfóni- ca Brasileira. Todos ficam do pé, em silêncio. Finalmente, ir.

rompem as aclamações.

A condenação no "regime di- tatorial sombrio" teve a aprova- ção do plenário e a sanção do Hino.

O SR. MANGABEIRA AS- SUME A PRESIDÊNCIA Retirando-se paia acompanhiir o presidente do Supremo Tri- bunal Federal, sr. José Linha- res, e o cardeal-arcebispo, dom Jaime Câmara, o sr. Melo Vi- anal passou a presidência da sessão ao sr. Otíivio Mangabei- ra, que recebeu vibrantes acla- mações, partidas tanto do recin.

to, como das tribunas e gale.

rias. Flores foram atiradas das tribunas.

DE MULETAS O deputado pelo Piauí, sr.

Rodrigues, vitima, há tempos, cie tini desastre de au- tomovel no Espírito Santo, ain- dii usa muletas. Compareceu as.

sim á Assembléia1 c recebeu muitas palmas quando se movi- montou, para assinar a Consti- tuição, amparado por vários co- legas.

A PRIMEIRA VAIA E AS

OUTRAS .

A primeira vaia íol expontn- nea, atordoante, a única de significação. Muitas outras" es- trugiram; talvez com a mesma duração. Nenhuma, porém, com

¦¦ emoção que causou a primei- ra, violenta, inesperada. Foi quando pronunciaram o nome do sr. Agamemnon Magalhães.

O alvejado ficou lívido. Sorriu, com esforço... Os llmpanos re- clamaram atenção. Tiveram de soar demoradamento.

As outras vaias passaram a ser esperadas. O sr. Barreto Pinlo tinha tanta certeza da vaia, que chegou a preparar um discurso. Quis falar, mas o sr.

Lauro Lopes, que presidia a sessão no momento, não o con.

sentiu., O discurso, que deseja, va fazer, .era para dizer que a democracia era aquilo. Não agrada a todos. Entretanto, não se atemoriza com os apupos, nem se envaidece com os aplau- sos. Tem a noção do dever cum- prido e de haver trabalhado pa.

ra uma Constituição digna do Brasil. Nunca fugiu á solidário- dade ao seu chefe. (Se dissesse isso, levaria oulrq vaia, pois o chefe do sr. Barreto Pinto é o sr. Getulio Vargas). E iria terí minar dizendo que reconhece o valor dos grandes espíritos de-

mocráticos que concorreram pa- ra que se chegasse àquele gran- de' dia, e entre esses nomes ci- taria o de Eduardo Gomes. Esse o discurso que não foi dito, es- sas as palavras "que morreram na garganta".

A primeira vaia, o sr. Melo Viana, então na presidência, de- pois de reclamar atenção, decla- rou que não fazia evacuar as tribunas, pois via nelas uma ns.

sistência ilusjtre.

Além das acima referidas, re.

gistrarmh-se; á proporção que seus nomes iam sendo chamados, vaias aos seguintes representan- tes: Souza Costa, Benedito Va.

ladares, Vargas Neto, Arruda Câmara, Ugo Borghi, Marcou- des Filho.

NERVOSISMO DO SE- NADOR ALEIXO O senador Onofre Pinto Alei- xo, da Bahia, não se distinguiu nunca pela sua eloqüência du- rante os trabalhos da Assem- bleia Constituinte. Nem pela eloqüência nem por algum ou- tro atributo, de voz ou de gestos.

Entende-se perfeitamente o mal-estar, o complexo, o desa- justamento do senador mudo numa casa palradora. Ele pre- cisava se distinguir por algum ato, e os dias dn Assembléia estavam findando.

Uma ultima oportunidade é sempre uma oportunidade, e ei-Ia que Onofre Pinto Aleixo correu atraz dela ontem, dia daPromulgação, distinguindo-so

afinal — que custo: — por ai- guniu cpusa,

O povo satisfeito com o retor- no do pais á ordem democrática, expandia-se exuberantemente nas tribunas dn Assembléia em manifestações ruidosas, enqunn- to os deputados assinavam n nova Constituição.

O senador ficou atônito, o truc se explica, pois andava dosacos- ttimado de manifestações demo- cratiens. Ficou nervoso. fKicou furioso. Correu n tribuna de imprensa e ameaçou de dedo cm nste, uma senhora, aliás paren- ta de um seu colegn da Consti- tuinte, que expansiva, esturdin, çpmunicatlvri, festejava h pro- mulgação da Carta Magna.

A senhora estranhou a nmc;v*

ça, mas não deixou o sr. Alei- xo sem n resposta merecida.

Foi ;i primeira afirmação pes- i

A Assembléia Constituinte -•

reune-sc hoje ns u horas nn sun pVimeiva sessão «pós u pro- mulgacáo da Constituição c a , pemMtiimi antes da separação i dns duas Casas ilo Congresso,

Será procedida á eleição p;i- rn preenchimento do cargo dó vico-prvsidente dn ,'epúhlicn.

lestaurndo na nova Caria Polir tica.

Apoiado pelas forças ni.ijnri- tnrln. dn Assembléia, serã sut i tragado o nomõ do _cnndor*Nc'^

' reu Ramos, apresentado pelo Diretório Nacional do P. S. D.

A U. D. N. u delnaii partidos da minoria roncoi-rerâo ao piei- to com a candidatura d\i senhor José Américo de Almeida

o r.c.iv. VOTARÁ SO SK. |055È AMÉRICO Comunicam* mi» j

"A

Cvmiis.Jo.Evcativ*¦"<"« IVuii-

«iii Comunista ,1» Hn.il ícuiihi*.. . lun ,\e ,l.lil*rr.sr «.Mire a (josiçio ,1.

m» bi*.n.»,l* no Çíinsr-.stj N ncioii.il, tiu-tnto ,\ cUk-So a vi,tf-*í*ircn'*!t*n',M.'*i ,i» R.iuiWi.-*,

P.-trmii.. o P.C.U, «ixsí-t um cin.ü-iitrt c»|»« df c*>nK"*8,.r as o.mntfj iH-lilic-a., ii« con-w.r-ist' var* tsuibfleccr um clima ilo har- monU .unid.süt mire os brasileiro*-.

tÃo md.í^ensí.vt) no momento mt

•jjjc iniciamft* uma *í,\>c nova' na tí.I* ,i,i jviU com*" promnlgàcio tia Carta Constitucional de i,vth.

Xo entanto, >> lançamento d.» >*an*

didatup* do íénatlor Xtreu Ramo*,

*.*m

prtvio mim\\\mento vom o*-, demais lurlidos poltlicús, e a pOMe*

rior intTSenlacJo do mmio do çr.

los. Américo de Almeida: iloiermi- naram que o P.C.U. ,c itcfiiiiss*

em_fa.-e da situação criada.

Xo nue dit rtspeiio ao camluíaio do l'.S.l>.( n..o twdrria o'1'.C.IÍ.

apoia-lo, por se tratar do lider do partido do covèrno oue lomnu inü- meras medidas resiriiisas às lilwr- dades, como a uroibiçiín dc cimii- cios, alenlailo" a imprensa,1 fedia- ' menlo de sindicatos c prisões <!t:

srei-isias. .muiios dos quais ainda m*

encontram r.o c.ircere. Uonjre ,!e co- loo-At-**» contra fatt atos reaoinn**»*"

nos, o sr, Xereu R«mtl! os defen- den inlransiceniinieiite. Dúranlc i elabbrãçio da Carta Constitucional, o aluai .andldato do l*.>.]>., (-„m„

lider da maioria, ntRoü taaatlva*

mente, as maiores »'nTra-õ«i demo- crilleaa do povo bi-MlIeiro, levando seus .orrelicionarios a votar cnnlra

«^ autonomia dos principais munlcí- pios e do Distrito Federai, cqnira .i anislia. pelo estado de silio prevtti- tivo t pela supressão das imuniila- dei parlametitatrs cm determinados CilOl.

A candidaiura do sr. los' Àn*fl vtií* *"•-*¦•«'•••» «Preseiiiada pela V-0,y..~lm o apoio do, .p-riH.i-,

•aeneirí»,

«m brròjlção A da maioria, tnereveo a atenção do p.t' 1!, .\,-.'.

llr de não ,-oiiconlar com a àtitndr' -oiulacionlsta <!a U.D.N., f».

«ndo crandes cçncessües ao parti- do majoritário no t,v.inte a pm- hlemss rilais da democracia,- prin- èipalraenle, quando da voiícão rio si- no preventivo, o P.C.U. mio lem nenhuma reüricão a "mvtentar au nome do sr. losé Ameri,-,, de At- me!d.t. lisura oue cora de nt-sli- pio popular em \irludc de s.ia<\ ,,,'- nliecldas tradições <lrmí*cr.iti-.*«. ft evidente ,jue ao P.C.U. não mo P'*rla ::o só o nome rio candidato, mas a c-Halilia d.-\ democracia e os

I

(Continun nn .t.* png.)

ífílfoWàfch))

I NIRCt Ci UM ÍUI.GIO Ot C15SSE

SOFRE DO FÍGADO ?

"SAL

DE FRUCTA" ENO

*i.BV - * *^i"«iil iiaià^.iià^âââââââãããããããããiH

Re^ilJl B^^Ml^twJJ***^W^-lai^^W AlV,' '< '^B i_______'_____'_____|

s^M^-»;>-*^**!aTnR/e?«!*i^ij_»^

BajK" - ^^^BS^_____V__*^P^_MflL----KíSs-8

com vários companheiros de bancada, oompareceu incorpo- rado á visila que a Assembléia Constituinte fez ao chefe do Go- verno por motivo da promulga

«w« *w»wu_. -avav*.-.. v obwcio- vci.nu íjui aiuuvu ua promulga- rio geral do Partido. Comunista, ção da nova Q_;ta. Acabado o

discurso do general Dutra, o sr.

Luiz Carlos Prestes, a exemplo dos demais representantes pre- sentes, cumprimentou, com um aperto de mão, ò presidente da Republica.

Wy \w^ mWMmÊÊ BIWmmmW^WrY*--"P^Bl' >.J* '

_k*_.l KA li

__¦,__ <__B__i ifl .^iafll Hv '^«L'V

WÈ* •_____ W>lL____3_____f'y JmM wQ

mk ¦ jHbB^^^bh H_t________^al ___í': -:'-^H__íi'' ilHvJ ;ay^WaWm\W^ ÃbW-^^ÉbI

\tIL\\\t^ '''-mmmmmmmmm\\ ' ' ^B m\\\\wàmmmt\st\^^^Tm\ '' , -Jsi^Bi^B B^sJ^Mlllü'"' ¦"'- '¦'' '__p. *Ws+â,.- '/•'i >*-í______/ mtV^mWÊtvê^*^'' ^H_____ ^1 I

^K^fl^^^^^K ^^^^^^________B_l ^L áfl PíjflsP \\\\\\\at '¦¦

¦*• ' * ts^^Sv ^^ÊBmmmmOâf^W^ *HíH^-fc1Í

_______!*__***» _____'-_P__l _____W' * "- '--fl BÍr\ -1-Érafl

Hí-*" C *__H _______*

tV ^mm\\\\\\ \\\\\\mm\a\^m\\mm\\\\\

v^K ^^ *^_____l _L *iíSB B__l\ _JsHb\\\\\\\\\\\\hH 'V-^V.V"^Í*í»*_mB _____*%>*''*).

vju mmmm\\\\\W -JBS^i9IPBB1

ImmmWy^^nMW^^^M

.¦V> J% I ______0 __|

¦ m -h

[*-.----¦'-AV*WH sflW

Fir» vü _Íi

':''^^mmmmmmm\t^WS!a\r.àmmmm\

____________________|' - "¦

J______________________PI **y K*J^fl ______fl

^ih^ih^h*^H-*.W;','^.iBb1 .HB\r¦¦*' mm\t 1* ^kmmè -í* m\\m\\\ ¦¦

¦ ''9 K- *v7s-fl

______^^________________.^*àí________________________i

^B .. :',-*^H ^& A> ^H

¦' rf -*M^L* ¦

J| ^"^--•¦^**>Jp?v ¦ ^^-._.-

__H_a

Quando o sr. Octavio Mn^tlieirn, sob palmas da assistènrii, assinava n Constituição

outros mcp.es, mas sempre cotn (Continun nn ò.-'1 pág.)

Presentes finíssimos:

Clrarrelnu e pondritrs franceses

¦ r pr.it.i — Uipirciras Inglesas oV PS.'.*.— >*_lu«lros nunh.ll n ."asa U.\\ rc.vt.eu. — n. Kosarla !'..

ãlcrcailo das Flore.. (SO.O! 1 pois est&niò ¦>opni,\ui«n„

( ramos do Parlamento.

APLAUSOS A assistâb,cia aplaudiu caloro»j saiiu-ir.e ò primeiro chamado a j

! assinar a Constituição, o depu-!

| tado pelo Acre. sr. Castelo ' 1 Branco e depois, especialmente, j : os representantes udenista. To- I O lenço branco, símbolo da campanha dc libertação nacional, quando era ontem acerin.l

numa expressiva homenagem ao brigadeiro Eduardo Gomeso o» recinto ila Constituinte,

-4 matéria comumente inserta nesta páqi- [na vai publicada na última.

1 \

Imagem

Referências

temas relacionados :