IDP ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE BRASÍLIA I CONCURSO DE REDAÇÃO EDITAL DE ABERTURA

Texto

(1)

IDP – ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE BRASÍLIA I CONCURSO DE REDAÇÃO – EDITAL DE ABERTURA

A ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE BRASÍLIA torna público o regulamento para inscrições para participação no I Concurso de Redação da Escola de Administração de Brasília, com o tema “Gestão Pública: criando um Brasil mais eficiente”, nas condições estabelecidas neste Edital.

EDITAL Nº 01, DE 23 DE ABRIL DE 2015

REGULAMENTO DO I CONCURSO DE REDAÇÃO DA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE BRASÍLIA

1. DOS OBJETIVOS

Estimular os estudantes e jovens do Distrito Federal a perceberem a relevância e refletirem sobre temas relacionados à Administração Pública. Além disso, incentivar o fomento da leitura, da escrita e o pensamento crítico diante das problemáticas políticas e econômicas nas quais estão inseridos como cidadãos.

2. DO PÚBLICO ALVO

Podem participar do concurso:

a) estudantes matriculados no último ano do ensino médio das escolas públicas e particulares do Distrito Federal;

b) jovens de até 21 anos, residentes e domiciliados no Distrito Federal, que já tenham concluído o ensino médio.

3. DAS INSCRIÇÕES

As inscrições são gratuitas e estarão abertas no período de 27 de abril a 28 de maio pelo site http://www.administracao.idp.edu.br.

4. DA MODALIDADE

4.1 O tipo do texto deverá ser dissertativo-argumentativo.

4.2 O tema a ser desenvolvido é: “Gestão Pública: criando um Brasil mais eficiente.”.

(2)

4.3 O Anexo I deste Edital apresenta extrato de reportagem publicado na Revista Exame do dia 05/09/2014, que deve ser usado como texto motivador para a produção da redação.

4.4 A redação deve ter no máximo 30 linhas, sendo desclassificada aquela que não atingir o mínimo de 20 linhas.

4.5 A redação deve conter título.

4.6 Cada participante deverá escrever uma redação inédita e original, em língua portuguesa. Qualquer situação de plágio remeterá à desclassificação.

4.7 A redação não poderá:

4.7.1 Causar danos materiais ou danos morais a terceiros;

4.7.2 Conter dados ou informações que constituam ou possam constituir crime (ou contravenção penal), ou que possam ser entendidos como incitação a prática de crimes;

4.7.3 Constituir ofensa à liberdade e à crença;

4.7.4 Revestir-se de conteúdo que implique discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia ou procedência nacional ou regional;

4.7.5 Fazer propaganda eleitoral; 4.7.6 Ter sido produzido por terceiros.

5. DA DATA E LOCAL DA PROVA

5.1 A redação será realizada na Sede do IDP, em Brasília, no dia 30 de maio de 2015 (sábado), às 10h00, com duração máxima de 3 (três) horas. 5.1.1 Não será́ permitida a entrada de candidatos após o horário fixado para o início de aplicação das provas.

5.1.2 O horário de término do concurso será definido dentro de cada sala de aplicação, observado o tempo máximo estabelecido de 3 (três) horas.

(3)

5.1.3 Não será permitida, em hipótese alguma, a realização das provas em outro dia, horário ou local.

5.2 O candidato deverá comparecer ao local de aplicação das provas com antecedência mínima de 30 (trinta) minutos em relação ao horário fixado para o início, munido de caneta esferográfica de tinta azul ou preta de material transparente e documento de identificação com foto. 5.2.1 Os portões de acesso ao local de aplicação das provas serão fechados às 10h00, pontualmente.

5.3 Não serão permitidas as seguintes condutas, durante a realização das provas: a) comunicação entre os candidatos; b) utilização de quaisquer aparelhos eletrônicos ou computadores portáteis (ex: dicionários eletrônicos, telefone celular, mp3 ou mp4 player, gravador, etc.); c) utilização de livros, anotações, impressos ou qualquer outro material de consulta.

5.4 Acarretará a eliminação do candidato do concurso: a) burla ou tentativa de burla a quaisquer das normas definidas neste edital e/ou em outros atos relativos ao concurso, nos comunicados e/ou nas instruções constantes de cada prova; b) ser surpreendido fornecendo e/ou recebendo auxílio para a execução de quaisquer provas; c) comunicação ou tentativa de comunicação oral, escrita ou por qualquer outro meio com outro candidato durante a aplicação da prova; d) perturbar, de qualquer modo, a ordem dos trabalhos, incorrendo em comportamento indevido; e) recusar-se a entregar o material de provas (cartão de respostas) ao término do tempo da aplicação da prova; f) afastar-se da sala, a qualquer tempo, sem o acompanhamento de fiscal.

5.5 Não haverá prorrogação do tempo previsto para realização das provas, inclusive aquele decorrente de afastamento de candidato da sala de prova.

5.6 Não será permitido o ingresso ou a permanência de pessoas estranhas ao Processo Seletivo no local de aplicação das provas, em nenhuma hipótese.

(4)

6. DOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

6.1. As redações inscritas neste Concurso serão avaliadas, por comissão julgadora escolhida pelo IDP, segundo os seguintes critérios:

6.1.1. Adequação ao tema: será avaliada a conformidade obrigatória entre a redação e o tema proposto neste regulamento;

6.1.2. Qualidade da redação: será observada a correção gramatical, a objetividade, a originalidade, a ortografia, a concordância, o capricho, a organização e a conclusão da ideia;

6.1.3. Originalidade e ineditismo: será considerado apenas o texto que ainda não tenha sido publicado em quaisquer mídias ou participado em concursos anteriores;

6.2. O aluno participante deverá ser livre ao redigir suas ideias, não sendo permitida a intervenção de outrem na produção do texto;

6.3. O texto apresentado deverá ser desenvolvido de forma a contemplar a apresentação das ideias, o desenvolvimento destas e uma conclusão.

6.4 Não é permitida qualquer rubrica, assinatura ou outro nome que possa identificar o participante, sob pena de anulação da prova.

7. DA PREMIAÇÃO

7.1 As melhores redações receberão a seguinte premiação:

Posição Final Prêmio

1º Lugar 01 computador portátil

2º Lugar 01 tablet

3º Lugar R$500,00 em livros da série IDP Saraiva

7.2 Os três primeiros colocados também receberão um certificado de classificação e uma medalha, ambos emitidos pelo IDP.

7.3. O IDP providenciará a publicação, em caderno virtual, das dez melhores redações.

(5)

8.1. O resultado será divulgado no 5o Seminário Internacional de Direito Administrativo e Administração Pública, a ser realizado nos dias 09 e 10 de junho de 2015.

8.1.1. O IDP providenciará cortesias aos dez primeiros colocados para participação no 5º Seminário Internacional de Direito Administrativo e Administração Pública.

9. SELEÇÃO E COMISSÃO JULGADORA

9.1. A comissão julgadora será composta por professores do IDP e membros externos convidados.

9.2. Da decisão da comissão julgadora não caberá recurso.

10. DISPOSIÇÕES FINAIS:

10.1. Não poderão concorrer os membros das Comissões Especiais e Organizadoras;

10.2 A participação no concurso implica no conhecimento e na aceitação, pelo candidato, de todas as disposições deste regulamento, sendo desclassificados os trabalhos que não atenderem as regras nele contidas;

10.3 A participação no concurso implica a cessão dos direitos autorais para a publicação das redações, conforme previsto no item 7;

10.4 Os casos omissos serão resolvidos pela Comissão Organizadora.

Brasília, 23 de abril de 2015.

Fátima Cartaxo

(6)

ANEXO I – TEXTO MOTIVADOR Há uma revolução silenciosa na gestão pública

São Paulo - O administrador pernambucano Severino Almeida, de 30 anos, tem uma missão nobre: fiscalizar se o dinheiro público destinado a construir e reformar escolas em seu estado está sendo bem aplicado.

No posto de analista-chefe de planejamento, orçamento e gestão da Secretaria de Educação, ele visita as obras de escolas na capital, Zona da Mata, agreste e sertão do estado. Ele já chegou a viajar 700 quilômetros em um dia. "Quando a reunião ocorre no sertão, passo de dois a três dias em viagem", diz ele, que comanda uma equipe de 13 pessoas.

Ao longo do dia, Severino tem reuniões com os engenheiros que tocam as obras, com diretores das escolas e com os chefes das regionais — células às quais as escolas são ligadas. Só neste ano, o núcleo apresentou a estratégia do Pacto pela Educação a mais de 866 diretores.

Os dados compilados nessas visitas e nos encontros alimentam as tabelas com os indicadores do pacto — iniciativa que visa combater o analfabetismo.

"É como se monitorássemos dia a dia as unidades de uma grande rede varejista, só que aqui o produto final é a melhoria da qualidade do ensino", diz Severino.

(...)

Cobrança popular

De forma geral, o cotidiano de Severino representa o trabalho do gestor de políticas públicas, uma carreira nova que atrai cada vez mais profissionais para o serviço público em prefeituras, estados, ministérios e no terceiro setor.

"Não me arrependo de ter trocado a carreira numa empresa privada por esse posto, porque sei que a revolução silenciosa que estamos fazendo vai ajudar o Brasil a se tornar um país mais justo e igual para todos, principalmente aqui no Nordeste", diz. O embrião da profissão de gestor de políticas públicas, regulamentada em cursos de graduação pelo Ministério da Educação há dez anos, foram as especializações oferecidas principalmente nos cursos de administração.

Hoje, existem graduações de até quatro anos e especializações de um a três anos em quase todas as universidades públicas do Nordeste, com nomes variados:

(7)

administração pública, políticas públicas, gestão pública, gestão de políticas públicas e gestão social.

A carreira surge na esteira da criação da Lei de Responsabilidade Fiscal e da cobrança da imprensa e da população, principalmente por meio das redes sociais, por maior transparência no uso do dinheiro público.

Bons salários

Só em Pernambuco, estado onde o cargo é regulamentado desde 2008, já foram abertos nada menos do que 700 postos — por meio de concurso — para cargos de analista de controle interno, de gestão administrativa e de planejamento, orçamento e gestão em diversos órgãos.

A carreira prevê progressão de salário em 15 níveis, fazendo com que a remuneração varie de 5.000 a 12.000 reais. “É um mercado novo, cheio de oportunidades de crescimento e de bons salários para quem sonha em trabalhar fazendo algo para ver o país melhor”, resume Soraya Vidal, do departamento de gestão de políticas públicas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Para Francisca Maria Andrade, especialista em programas da Unicef para o Ceará, Rio Grande do Norte e Piauí, um bom gestor de políticas públicas planeja, implementa, monitora e avalia programas e projetos de governos e ONGs.

“É bom deixar claro que ele não é um político, nem mesmo quando assume um cargo de confiança, mas sim um defensor dos interesses da população junto ao poder público”, diz Francisca.

(...)

Fonte: Revista Exame.

Disponível em: http://exame.abril.com.br/revista-voce-sa/edicoes/183/noticias/revolucao-silenciosa

Imagem

temas relacionados :