• Nenhum resultado encontrado

METODOLOGIA DE ENSINO DE LÍNGUA INGLESA I

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "METODOLOGIA DE ENSINO DE LÍNGUA INGLESA I"

Copied!
28
0
0

Texto

(1)

VICE-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E CORPO DISCENTE

COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

METODOLOGIA DE ENSINO

DE LÍNGUA INGLESA I

Rio de Janeiro / 2008

Todos osdireiTosreservados à

(2)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO

Todos os direitos reservados à Universidade Castelo Branco - UCB

Nenhuma parte deste material poderá ser reproduzida, armazenada ou transmitida de qualquer forma ou por quaisquer meios - eletrônico, mecânico, fotocópia ou gravação, sem autorização da Universidade Castelo Branco - UCB.

Universidade Castelo Branco - UCB Avenida Santa Cruz, 1.631

Rio de Janeiro - RJ 21710-250

Tel. (21) 3216-7700 Fax (21) 2401-9696 www.castelobranco.br

Un3m Universidade Castelo Branco

Metodologia de Ensino de Língua Inglesa I / Universidade Castelo Branco. – Rio de Janeiro: UCB, 2008. - 28 p.: il.

ISBN 978-85-7880-006-2 1. Ensino a Distância. 2. Título.

(3)

Responsáveis Pela Produção do Material Instrucional

Coordenadora de Educação a Distância

Prof.ª Ziléa Baptista Nespoli

Coordenador do Curso de Graduação

Denilson P. Matos - Letras

Conteudista

Jorge de Abreu

Supervisor do Centro Editorial – CEDI

(4)
(5)

Apresentação

Prezado(a) Aluno(a):

É com grande satisfação que o(a) recebemos como integrante do corpo discente de nossos cursos de gradu-ação, na certeza de estarmos contribuindo para sua formação acadêmica e, conseqüentemente, propiciando oportunidade para melhoria de seu desempenho profissional. Nossos funcionários e nosso corpo docente es-peram retribuir a sua escolha, reafirmando o compromisso desta Instituição com a qualidade, por meio de uma estrutura aberta e criativa, centrada nos princípios de melhoria contínua.

Esperamos que este instrucional seja-lhe de grande ajuda e contribua para ampliar o horizonte do seu conhe-cimento teórico e para o aperfeiçoamento da sua prática pedagógica.

Seja bem-vindo(a)! Paulo Alcantara Gomes Reitor

(6)

Orientações para o Auto-Estudo

O presente instrucional está dividido em seis unidades programáticas, cada uma com objetivos definidos e conteúdos selecionados criteriosamente pelos Professores Conteudistas para que os referidos objetivos sejam atingidos com êxito.

Os conteúdos programáticos das unidades são apresentados sob a forma de leituras, tarefas e atividades com-plementares.

As Unidades 1, 2 e 3 correspondem aos conteúdos que serão avaliados em A1. Na A2 poderão ser objeto de avaliação os conteúdos das seis unidades.

Havendo a necessidade de uma avaliação extra (A3 ou A4), esta obrigatoriamente será composta por todo o conteúdo de todas as Unidades Programáticas.

A carga horária do material instrucional para o auto-estudo que você está recebendo agora, juntamente com os horários destinados aos encontros com o Professor Orientador da disciplina, equivale a 30 horas-aula, que você administrará de acordo com a sua disponibilidade, respeitando-se, naturalmente, as datas dos encontros presenciais programados pelo Professor Orientador e as datas das avaliações do seu curso.

(7)

Dicas para o Auto-Estudo

1 - Você terá total autonomia para escolher a melhor hora para estudar. Porém, seja disciplinado. Procure reservar sempre os mesmos horários para o estudo.

2 - Organize seu ambiente de estudo. Reserve todo o material necessário. Evite interrupções.

3 - Não deixe para estudar na última hora.

4 - Não acumule dúvidas. Anote-as e entre em contato com seu monitor. 5 - Não pule etapas.

6 - Faça todas as tarefas propostas.

7 - Não falte aos encontros presenciais. Eles são importantes para o melhor aproveitamento da disciplina.

8 - Não relegue a um segundo plano as atividades complementares e a auto-avaliação. 9 - Não hesite em começar de novo.

(8)
(9)

SUMÁRIO

Quadro-síntese do conteúdo programático ...

11

Contextualização da disciplina ...

13

UNIDADE I OBJETIVOS DO ENSINO DE INGLÊS NAS ESCOLAS ...

15

UNIDADE II PRINCIPAIS MÉTODOS DE ENSINO DE INGLÊS ...

16

UNIDADE III O PAPEL DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA ...

18

UNIDADE IV MOTIVAÇÃO ...

20

UNIDADE V AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA ...

21

UNIDADE VI NECESSIDADES DAQUELES QUE DESEJAM APRENDER A LÍNGUA INGLESA ...

23

Glossário ...

25

Gabarito ...

26

(10)
(11)

11

Quadro-síntese do conteúdo

programático

UNIDADES DO PROGRAMA OBJETIVOS

I - OBJETIVOS DO ENSINO DE INGLÊS NAS ESCOLAS

II - PRINCIPAIS MÉTODOS DE ENSINO DE INGLÊS

III - O PAPEL DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA

IV - MOTIVAÇÃO

V – AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA

VI - NECESSIDADES DAQUELES QUE DESE-JAM APRENDER A LÍNGUA INGLESA

• Apresentar algumas das vantagens que o estudan-te obtém ao estudar inglês.

• Mostrar vantagens e desvantagens nos métodos de ensino de inglês usados e adaptados no nosso país.

• Descrever as principais funções que o professor de inglês exerce na sala de aula.

• Discutir os fatores mais importantes que levam o aluno a estudar inglês.

• Comentar sobre os principais meios de se adqui-rir conhecimentos da língua inglesa.

• Apresentar os tipos de necessidades e motivos que levam ao aprendizado da língua inglesa.

(12)
(13)

13

Contextualização da Disciplina

Você está tendo o primeiro contato com a disciplina didático-pedagógica de Língua Inglesa.

Esta disciplina apresenta conteúdos básicos para a formação do futuro professor de Inglês de maneira prática e objetiva.

Você também terá outras disciplinas que abordarão outros conteúdos importantíssimos para a sua formação e prática pedagógica.

(14)
(15)

15

UNIDADE I

OBJETIVO DO ENSINO DE INGLÊS NAS ESCOLAS

Estudar uma língua estrangeira significa vivenciar uma experiência de comunicação que gera um nú-mero de mecanismos mentais que contribuirão, com certeza, para o desenvolvimento psicológico, social, cultural e afetivo do estudante.

Espera-se com o ensino de inglês como língua es-trangeira que o aluno:

a) reflita e aja de forma crítica em relação aos usos que se fazem do idioma que está aprendendo;

b) seja capaz de compreender mais profundamente a realidade que o cerca, o que poderá levá-lo a parti-cipar da vida social e cultural do país;

c) amplie seu horizonte cultural, colocando-se em contato com outros povos, com outras maneiras de viver, com outros espaços geográficos diferentes do seu;

d) leia e valorize a leitura como fonte de informação e prazer utilizando a língua estrangeira como meio de acesso ao mundo do trabalho e dos estudos avançados.

Exercícios de Fixação

1 - Preencha as lacunas das assertivas abaixo com palavras-chaves.

a) Espera-se que o aluno reconheça que o aprendizado de uma ou mais línguas ___________________ lhe possibilite o acesso a bens culturais da humanidade construídos em outras partes do mundo.

b) Ao saber utilizar habilidades ___________________, o aluno pode atuar em situações diversas.

c) A competência da ____________________ de textos variados é a mais necessária e utilizada por aqueles que aprendem inglês na escola.

d) Uma língua estrangeira, e neste momento histórico, particularmente o _______________________, dá acesso à ciência e à tecnologia modernas, à comunicação intercultural, ao mundo dos negócios e a outros mo-dos de ser a vida humana.

e) O aluno é um ser cognitivo, aflitivo, emotivo e criativo. Portanto, é preciso lembrar que a aprendizagem de uma língua estrangeira é uma atividade _______________________ e não apenas intelectual.

(16)

16

UNIDADE II

PRINCIPAIS MÉTODOS DE ENSINO DE INGLÊS

Nesta unidade, abordaremos alguns aspectos em relação aos principais métodos de ensino de Inglês utilizados em épocas diferentes do século XX.

Não se deve pensar que a apresentação quase crono-lógica dos métodos indica o abandono de um método pelo outro.

Na verdade, o que aconteceu é que alguns métodos antigos ainda são utilizados ou foram atualizados ou deram origem a outros mais modernos.

1º O Método da Tradução e Gramática (The

Grammar – Translation Method)

Ênfase: Ensino da gramática através da tradução e versão. Características principais:

1- aulas em Português;

2- foco na gramática, forma e flexão das palavras; 3- tradução de textos clássicos;

4- os textos são usados como pretexto para ensinar vocabulário e gramática;

5- não é dada atenção à pronúncia;

6- o professor não precisa saber falar inglês.

Resultado negativo: Inabilidade de usar o inglês

para comunicação oral e escrita.

2º O Método Direto (The Direct Method,

divulgado a partir de 1900)

Ênfase: Expressão oral. Características principais:

1- aulas baseadas em diálogos e anedotas breves; 2- ações e ilustrações para evitar falar Português; 3- não se usa a tradução;

4- o professor não precisa saber falar Português; 5- ensino indutivo da gramática;

6- textos não analisados gramaticalmente; 7- professor fluente ou nativo.

Vantagem: Os alunos são levados a pensar em inglês.

3º O Método da Leitura (The Reading

Method, divulgado a partir de 1920)

Ênfase: Treinamento das habilidades de

compreen-são de leitura.

Características principais:

1- prioridades: habilidade de leitura e conhecimento atual e histórico dos países de língua inglesa;

2- gramática relevante e útil ao entendimento do texto escrito;

3- prioridade para leitura;

4- pouca atenção é dada à pronúncia;

5- vocabulário controlado no início para ser amplia-do posteriormente;

6- a tradução volta a ser utilizada; 7- o professor não precisa ser fluente.

4º O Método Audiolingual (The Audiolingual

Method, desenvolvido a partir de 1950)

Ênfase: Apresentação de um modelo oral para o

alu-no; intensa prática oral; primazia da linguagem falada.

Características principais:

1- ouvir, falar, ler e escrever é a ordem do desenvol-vimento das habilidades lingüísticas;

2- análise contrastiva entre o Português e o Inglês; 3- o texto é o diálogo;

4- aprendizagem baseada através da formação de hábi-tos do tipo estímulo, resposta e reforço: S → R → R;

5- seqüência de estruturas gramaticais aprendidas de uma única vez;

6- quase não há explicação gramatical: ensino in-dutivo;

7- vocabulário controlado e limitado no início; 8- fitas gravadas, laboratório e material visual; 9- método dos drills;

10- manipulação da linguagem sem preocupação de conteúdo;

11- o aspecto cultural do inglês é enfatizado; 12- respostas imediatamente reforçadas; 13- professor = papagaio;

14- professor proficiente nas estruturas e vocabulário; 15- permite-se o uso controlado do Português.

(17)

17

Observação:

Dois outros métodos, embora baseados nos mesmos princípios de audiolinguismo, apresentam caracterís-ticas um pouco diferentes:

• O método audiovisual e o método audiovisual-lingual.

No primeiro, desenvolvido na França, a leitura e a escrita são retardadas e o significado é transmitido visualmente através de slides ou filmes. Os diálogos são mais naturais.

Já no audiovisual-lingual, o material visual se apre-senta no próprio livro-texto e a leitura e a escrita não são retardadas.

5º O Método Estrutural-Situacional

(The Structural-Situational Method,

implementado a partir de 1960)

Ênfase: Estruturas organizadas em diálogos ou

nar-rativas situacionias, como At the Airport e The

Rai-lway Station.

Características principais:

1- gradação e seqüência das estruturas gramaticais; 2- estruturas sintáticas apresentadas em tabelas com substituições a serem feitas;

3- gramática apresentada aos poucos;

4- preocupação em evitar prática mecânica sem sentido.

6º O Método Cognitivo (The Cognitive

Method, implementado a partir de 1965)

Ênfase: Comunicação ou competência comunicativa

– capacidade em se usar a língua.

Características principais:

1- a língua é considerada como decorrente da aqui-sição de regras e não da formação de hábitos;

2- não se dá importância à pronúncia;

3- o aluno é responsável pela própria aprendizagem; 4- interesse no estudo do vocabulário;

5- gramática dedutiva e indutiva; 6- importância à compreensão oral; 7- leitura e produção escrita enfatizadas;

8- uso do erro como algo construtivo para a apren-dizagem;

9- evita-se a repetição;

10- contextualização de itens a serem ensinados através de recursos audiovisuais;

11- interação professor-aluno valorizada; 12- meta ideal: proficiência bilíngüe e bicultural; 13- papel do professor: ajudar o aluno a chegar à proficiência igual à de um nativo;

14- espera-se que o professor tenha proficiência ge-ral, mais habilidade de analisar o inglês.

7º O Método Funcional (The Functional

Method, a partir de 1972)

Ênfase: Importância às necessidades de comunicação

(funções), exemplo: sugerir, concordar, persuadir.

Características principais:

1- funções apresentadas em situações: ênfase à ma-neira de se usar uma forma para se atingir certa neces-sidade de comunicação;

2- uso natural da língua;

3- participação ativa dos alunos através da dramati-zação e trabalhos em grupo.

Exercícios de Fixação

1 – Responda:

Que métodos têm essa características? (cite apenas um)

a) O professor não precisa ser fluente. ___________________________________________ b) Pouca atenção é dada à pronúncia. ___________________________________________

c) Gramática ensinada indutivamente e dedutivamente. ________________________________________ d) É proibido falar Português. ___________________________________________

(18)

18

UNIDADE III

O PAPEL DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA

Durante a aula, o professor precisa administrar as ati-vidades e lidar com alunos na sala de aula de manei-ras diferentes. Isto quer dizer que o professor precisa se comportar de maneiras variadas nos vários estágios de uma aula. A esses tipos diferentes de comportamento chamamos, em inglês, de “teacher roles”.

Todo professor muda suas ações durante uma aula. Essas ações serão apropriadas ao tipo de aula, ativi-dade, objetivos da aula e ao nível e faixa etária dos alunos. Às vezes podemos, por exemplo, agir como planejador, informante, gerenciador, pai ou amigo, ou

monitor. Por exemplo, quando os alunos estão exer-cendo um papel em um diálogo, temos que ter certeza de que eles estejam fazendo o que desejamos. Isto é chamado de monitoramento. Quando introduzimos uma nova estrutura sintática à turma, nossa função é informar e explicar aos nossos alunos.

Abaixo, apresentamos alguns papéis que os profes-sores freqüentemente desempenham.

Objetivos: Descrever as principais funções do

pro-fessor de inglês na escola.

Há certos papéis que sempre desempenhamos em certos estágios da aula. Por exemplo, somos planeja-dores antes da aula e podemos ser monitores duran-te um trabalho de grupo e atividades em duplas. Às vezes desempenhamos mais de um papel ao mesmo

tempo. Por exemplo, podemos monitorar o que os alunos estejam fazendo e explicar para ajudá-los a fa-zer melhor. Há vários nomes para os diferentes papéis do professor. Os citados acima são os mais comuns.

(19)

19

Exercícios de Fixação

1 - Os exemplos abaixo mostram a linguagem do professor em cada estágio de uma aula. Identifique o papel do professor em cada um.

Papel do professor: _________________________________________________ b) Papel do professor: _________________________________________________ c) Papel do professor: _________________________________________________ d) Papel do professor: _________________________________________________ e) Papel do professor: _________________________________________________

(20)

20

UNIDADE IV

MOTIVAÇÃO

Motivação significa ter pensamento e sentimentos que nos fazem querer fazer algo, continuar a querer transformar nossos desejos em ação.

A motivação exerce influência:

a) na tomada de decisão para fazer algo; b) no que se quer fazer e para quê;

c) na preparação do tempo para trabalhar e alcançar objetivos.

A motivação tem grande importância no aprendizado da língua. Ajuda a fazer do aprendizado um sucesso.

Muitos fatores nos levam à motivação de aprender Inglês. Estes fatores incluem:

1- a utilidade de conhecer bem o idioma: tirar boas notas, preparar-se bem para o mercado de trabalho, viajar etc.;

2- interesse na cultura da língua-alvo (Inglês) – a cultura da língua que estamos aprendendo;

3- sentimento bom sobre o aprendizado da língua estrangeira: sucesso, autoconfiança (sentimento de

que podemos tornar as coisas um sucesso); autono-mia/independência (sentimento responsável pelo con-trole do nosso próprio aprendizado);

4- Encorajamento e apoio de outros, isto é, do pro-fessor, dos pais, colegas de classe, da escola, socie-dade;

5- Interesse no processo de aprendizagem: o interes-se e a relevância do conteúdo para o aluno, atividade da sala de aula, a personalidade do professor, méto-dos de ensino.

Os alunos podem ter forte motivação em uma dessas áreas e pouco em outra, ou a motivação pode ser equi-librada. Alunos diferentes também estarão motivados de maneiras diferentes de um para o outro e a moti-vação pode mudar. Os alunos podem, por exemplo, estar desinteressados no aprendizado de uma língua e encontrar um professor que gostem tanto que come-çam a adorar aprender aquele idioma. A motivação pode mudar com a idade, também, com alguns fato-res tornando-se mais ou menos importante de acordo com o avanço da idade. Podemos concluir que a mo-tivação precisa ser criada e continuada.

Exercícios de Fixação

Encaixe as recomendações de ensino com os fatores que levam à motivação de aprender Inglês. Recomendações:

(1) Quando possível, pergunte aos alunos que atividade gostariam de desenvolver. (2) Encoraje os pais a motivar seus filhos a aprender Inglês.

(3) Lembre os alunos da importância de saber Inglês para obter bons empregos. (4) Escolha atividades e materiais motivantes.

(5) Traga para sala de aula qualquer material (gravuras, fotos, pôster, souvenirs) que você tenha conseguido em viagens, livrarias, congressos etc.

(6) Elogie seus alunos sempre mas honestamente.

(7) Ofereça oportunidades para o aluno usar o Inglês para falar sobre si próprio, sua vida, seus interesses, suas atividades etc.

Fatores:

(a) autonomia do aprendiz. (b) interesse na aula. (c) interesse na cultura alvo. (d) a utilidade de se aprender inglês. (e) personalização.

(f) apoio de outros. (g) autoconfiança.

(21)

21

UNIDADE V

AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESTRANGEIRA

Através dos séculos tem-se estudado como se apren-de uma língua estrangeira. Hoje muitos especialistas acreditam que uma maneira de se aprender uma língua estrangeira é através da exposição a ela, isto é, ouvindo e/ou lendo tudo ao nosso redor e sem estudá-la. Dizem que então “captamos” automaticamente, ou seja, apren-demos sem perceber. Este é o principal caminho para uma criança aprender sua língua materna.

Os especialistas dizem ainda que para aprender uma língua estrangeira, especialmente adultos, a exposi-ção à língua não é o bastante. Também precisamos dar atenção à pronúncia, à escrita, à gramática, ao significado e ao uso das palavras. Precisamos praticar para interagir e comunicar.

Pesquisas identificaram três principais maneiras de se aprender uma língua estrangeira.

1 - Aquisição:

Isto significa o mesmo que “captar”. Dizem que para aprender realmente uma língua estrangeira precisa-mos nos expor a muitos exemplos e que aprendeprecisa-mos no nosso ambiente. Precisamos ouvir e ler muito so-bre assuntos variados, interessantes e até difícil além do nosso nível, mas não extremamente difícil.

A aquisição ocorre depois de algum tempo, isto é, não imediatamente e ouvimos e lemos durante um

bom tempo antes de começarmos a usar a língua es-trangeira (período silencioso).

2- Interação:

Para se aprender uma língua estrangeira, é neces-sário interagir usando-a efetivamente. Precisamos utilizá-la para nos expressar e tornar a comunicação com outras pessoas mais clara possível e entendê-las. A pessoa com quem estamos falando nos mostrará di-reta ou indidi-retamente se nos entendeu ou não. Se isto não acontecer, devemos tentar de novo até conseguir-mos nos comunicar com sucesso.

3- Ênfase à forma:

Uma língua estrangeira também precisa de atenção à sua forma. Isto que dizer que precisamos prestar atenção à língua, isto é, identificando, trabalhando e praticando o que necessitamos para nos comunicar.

Hoje em dia, os especialistas geralmente concordam que não aprendemos melhor através da gramática e da tradução. Também não aprendemos por prática cons-tante até formamos hábitos ou só nos comunicando.

Aprendemos por “captar” a língua, interagindo e co-municando e nos ligando na forma.

As pesquisas continuam e ainda não estamos totalmen-te certos de como aprendemos uma língua estrangeira.

Exercícios de Fixação

1 - Escreva as atividades abaixo na coluna correta de acordo com a maneira de aprender. Basta indicar o nú-mero da atividade. Em alguns casos mais de um e possível.

1- Aquisição 2- Interação 3- Foco na forma 1) O estudante ouve o professor ler uma história. ( )

2) Os alunos fazem uma tarefa em dupla sobre a escolha de um presente de aniversário para alguém. ( ) 3) Os alunos sublinham exemplos de verbos no passado no texto. ( )

4) Um aluno pergunta ao professor qual a palavra correta para ... ( ) 5) O professor corrige a pronúncia de uma palavra de um aluno. ( ) 6) Os alunos categorizam palavras de uma lista em diferentes classes. ( )

(22)

22

8) Um aluno dá um conselho ao outro sobre um problema que se apresenta no exercício. ( )

9) Enquanto os alunos discutem um assunto, o professor ouve e introduz novas palavras quando eles não conhecem, mas precisam usá-las. ( )

(23)

23

UNIDADE VI

NECESSIDADES DAQUELES QUE DESEJAM

APRENDER A LÍNGUA INGLESA

De que precisam os estudantes?

Quando um aluno aprende uma língua estrangeira, ele tem vários tipos de necessidades que influenciam

o seu aprendizado. Necessidades pessoais, de apren-der e necessidades profissionais futuras, como pode-mos ver no quadro abaixo:

De acordo com o quadro apresentado, podemos concluir que alunos diferentes possuem necessidades diferentes. Isto significa que o professor precisa

ensi-ná-los de maneiras diversas e eles precisam aprender coisas diferentes na sala de aula.

Exercícios de Fixação

Aqui estão algumas opções dos professores.

Qual a necessidade do aluno se encaixa em cada opção?

1) Focusing on the specific pronunciation problems of the class. __________________

2) Deciding that three learners should work alone while the rest of the group work. ____________________ 3) Teaching learners to use a dictionary and the spell checker on the computer. _______________________ 4) Deciding to ask the learners why they are learning English and what they hope to achieve with it. _____ 5) Deciding to only praise and never criticise a particular learner. _________________

(24)

24

Se você:

1) concluiu o estudo deste guia;

2) participou dos encontros;

3) fez contato com seu tutor;

4) realizou as atividades previstas;

Então, você está preparado para as

avaliações.

(25)

25

Glossário

Abordagem - maneira de enfocar um assunto. Aflitivo - ansioso, agoniado.

Background - conjunto de conhecimentos, experiência, fatos, informações. Cognitivo - relativo ao processo mental de percepção, memória, juízo, raciocínio. Criativo - provido de criatividade (talento), criador, inovador.

Dedutivo - que usa de dedução no raciocínio (partindo de uma ou mais premissas aceitas como verdadeiras). Drill - exercício disciplinador e repetitivo como meio de ensinar, praticar uma habilidade ou procedimento. Emotivo - propenso a emoções.

Flexão - cada uma das formas flexionadas de uma palavra (substantivo e verbo) que variam segundo o gênero,

o número e a pessoa.

Indutivo - que induz, estimula, incentiva. Que procede por indução (raciocínio que serve de indícios para

chegar a uma conclusão).

Método - conjunto de regras e princípios normativos que regulam o ensino ou a prática de uma disciplina. Versão - tradução de um texto de uma língua para outra. Passar do inglês para o português é tradução. Passar

(26)

26

Gabarito

Unidade I

1- a) Estrangeiras b) Comunicativas c) Leitura d) Inglês e) Emocional

Unidade II

1- a) Método de leitura b) Método cognitivo/gramática-tradução c) Método cognitivo d) Método direto e) Método de leitura

Unidade III

1- a) Monitor b) Informer c) Parent/friend d) Manager e) Diagnostician

Unidade IV

1- 1) a 2) f 3) d 4) b 5) c 6) g 7) e

Unidade V

1 - 1, 2, 7, 8 = Aquisição 2, 7, 8 = Interação 3, 4, 5, 6, 9, 10 = Forma

Unidade VI

1- 1) learning gap 2) learning style 3) learning autonomy 4) learning goals 5) motivation

(27)

27

Referências Bibliográficas

BREWSTER, Ellis Girard. The Primary English Teacher´s Guide. Great Britain: Penguin English, 1992. ELLEIS, Rood. Second Language Aquisition. Oxford: Oxford University Press, 1997.

RIBEIRO, Ana Lúcia Teixeira. Psicolingüística e Pedagogia das Línguas. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1991. RICHARDS, Jack. RODGERS, Theodor. Approaches and Methods in Language Teaching. Zed. Cambridge: Cambridge University Press, 2001.

(28)

Referências

Documentos relacionados

6.1. Poderão participar do leilão todas as pessoas físicas maiores e capazes e as pessoas jurídicas devidamente constituídas que não se encontram em hipóteses

lhante; linhas vasculares bem v1S1veis, cheias de conteúdo amarelo-pardo, em geral retas; pa- rênquima axial moderadamente abundante, pa- ratraqueal em faixas; raios

Se você vai para o mundo da fantasia e não está consciente de que está lá, você está se alienando da realidade (fugindo da realidade), você não está no aqui e

Indeed, the traditional tribe-level taxa used in poeciliine systematics do not closely match the results of modern phylogenetic investigations (Rodriguez, 1997; Costa, 1998;

Em contrapartida, o que, via de regra, se vê nas varas de família, jurisdição onde as ações que instauram a curatela são propostas, muitas das pessoas não

indicado pelo Sindicato dos Trabalhadores da Educação do Estado de Santa Catarina,

XI – ter autonomia para definir produção, programação e distribuição de conteúdo no sistema público de radiodifusão, em consonância com o seu Conselho