Sobre o tema da proposta

Texto

(1)

Proposta de minicurso para a seção temática de Geometria e Física Matemática

Verão em matemática da UFBA 2018

Proponente: Diego Catalano Ferraioli

Titulo: Uma introdução à noção de simetria de uma equação diferencial e suas aplicações Período: de 26 de Fevereiro a 02 de Março, 2018

Nível do curso e publico alvo: O nível do curso pode variar, de elementar a mais avançado, e será definido a partir dos perfis dos participantes cadastrados até o dia 15 de Dezembro 2017.

Síntese dos objetivos: O curso têm como objetivo aquele de apresentar as idéias principais do estudo geométrico das equações diferenciais. Em particular o curso evidenciará o papel central desempenhado em vários aspectos pela noção de simetria, incluindo suas aplicações práticas.

Sobre o tema da proposta

As equações diferenciais, em derivadas ordinárias ou parciais, são ingredientes fundamentais dos modelos matemáticos usados nas ciências exatas.

O ponto de vista elementar, segundo o qual uma equação diferencial é um sistema de relações funcionais entre as derivadas de um dado conjunto de funções, apresenta inúmeras limitações, dentre as quais a impossibilidade de estudar de uma forma invariante as obstruções que podem levar uma equação a ser integrável ou não. Essas limitações são superadas por uma abordagem geométrica realizada aplicando a geometria dos espaços de jatos. De fato, sob um ponto de vista geométrico, as equações diferenciais são sub-variedades de espaços de jatos e portanto podem ser estudadas em termos daquelas propriedades que são invariantes sob a ação de transformações de contato, i.e., os auto-morfismos naturais de um espaço de jatos. Este ponto de vista nós leva à uma profunda teoria geométrica das equações diferenciais, que foi iniciada pelos trabalhos pioneiros de Monge [50] e Darboux [27], bem como a contribuição decisiva de Sophus Lie [45, 46, 47, 48] e Elie Cartan [8, 9, 10, 11, 12, 13, 14]. Em particular, o trabalho de Lie foi uma contribuição revolucionária ao estudo das equações diferenciais não-lineares.

Em virtude das propriedades geométricas dos espaços de jatos [7, 43, 44], um sistema de equações diferenciais (EDs) pode ser tratado como uma variedade diferencial equipada de forma natural com uma distribuição tangente, chamada “distribuição de Cartan induzida”. Esta distribuição, induzida no sistema de EDs pelo espaço de jatos ambiente, desempenha um papel fundamental. De fato, as principais propriedades geométricas de um sistema de EDs são codificadas pelas propriedades da sua distribuição de Cartan induzida. Por exemplo, as soluções de um sistema de EDs são geometricamente descritas pelas variedades integrais da distribuição de Cartan induzida. Portanto, a relativa simplicidade das equações ordinárias (EDOs), em comparação com as equações a derivadas parciais (EDPs), é essencialmente devida ao fato que a distribuição de Cartan induzida é completamente integrável no caso de EDOs, e não-integrável no caso das EDPs. Isso justifica a ausência de teoremas gerais de existência e unicidade para soluções de EDPs, contrariamente ao caso de EDOs.

Essa abordagem geométrica nos ajuda a construir uma teoria geral das EDs em que a integrabilidade, em um sentido bastante amplo, pode ser investigada com métodos geométricos e analíticos novos. Assim, os problemas de existência de soluções e aqueles de cálculo de soluções exatas, podem ser tratados com métodos gerais de natureza ou inspiração geométrica. No âmbito dessa teoria geométrica, existem analogias importantes entre o problema de integração das EDs e aquele de solução explícita, no âmbito da teoria de Galois, das equações algébricas. Estas analogias foram a motivação profunda do trabalho revolucionário de Sophus Lie, que no objetivo de desenvolver o formalismo necessário a descrever o grupo de simetrias de um sistema de EDs criou algumas das teorias mais profundas de toda a matemática moderna.

Assim como na teoria de Galois, também na teoria de Lie a estrutura do grupo de simetrias codifica informações fundamentais sobre o espaço de soluções, e diz muito a respeito da possibilidade de encontrar uma descrição explícita desse espaço. No caso das EDs, porém, além do grupo de simetrias existe também um outro tipo de estrutura algébrica que desempenha um papel fundamental: a álgebra de Lie das simetrias infinitesimais. As simetrias finitas de

(2)

um sistema de EDs são difeomorfismos, que preservam a variedade que descreve o sistema e são também simetrias da distribuição de Cartan induzida. Analogamente, as simetrias infinitesimais são campos vetoriais tangentes à variedade que descreve o sistema e também simetrias infinitesimais da distribuição de Cartan induzida. Em particular, o fluxo de uma simetria infinitesimal é formado por simetrias finitas. As simetrias finitas de um sistema de EDs formam o grupo de simetrias do sistema (em geral podem ser grupos de Lie infinito-dimensionais, ou pseudo-grupos). Por sua vez, o conjunto das simetrias infinitesimais de um sistema de EDs forma a álgebra de Lie das simetrias do sistema. As propriedades dos grupo de simetrias, assim como da álgebra de simetrias, codificam importantes propriedades do sistema de EDs considerado. No caso das EDOs, por exemplo, vale um resultado análogo àquele de Galois para equações algébricas: uma EDO de ordem n pode ser completamente integrada, por quadraturas, quando admite uma álgebra solúvel de simetrias n-dimensional. Porém, em geral as coisas podem ser mais complicadas, como por exemplo no caso das EDPs, e a teoria geral inclui campos ainda desconhecidos e inexplorados.

Em uma primeira fase, entre o final do século XIX e o início do século XX, como a influência de Lie ainda era muito forte, a literatura matemática era muito rica em contribuições nesta área da geometria. Mas, ao longo dos anos, começando dos anos 20 do século passado, seguiu um certo esquecimento e só nos últimos 30-40 anos voltou um considerável interesse nesta área. Esse renascimento é certamente devido aos esforços de muitos importantes matemáticos contemporâneos [4, 5, 6, 39, 49, 68, 69, 70], mas também à oportunidade recente de superar, com computadores modernos, muitos limites impostos de algumas aplicações práticas dessa teoria. Assim, por exemplo, entre os anos 60-70 foi revisada e ampliada a teoria de Lie das simetrias de uma equação diferencial [66]. A teoria clássica recebeu um notável impulso depois a descoberta dos sistemas integráveis [37], que também levou a descobrir a noção de simetria superior (ou generalizada) [76]. Na teoria formal das equações diferenciais foram desenvolvidos as primeiras ferramentas coomológicas (como as coomologias de Spencer) [39, 70]. Em seguida, avanços importantes foram feitos no contexto dos espaços da jatos infinitos, que generalizam os análogos espaços finitos introduzidos formalmente por Ehresmann em uma série de trabalhos começados em 1955. No final da década de 70, de fato, A. M. Vinogradov iniciou o estudo das equações diferenciais usando prolongamentos infinitos e ferramentas coomológicas [43, 76, 77, 78, 79, 80, 81, 82]. De acordo com este novo ponto de vista, se tornou mais conveniente tratar as equações como subvariedades de espaços de jatos infinitos. Assim foram introduzidas a noção de diffiety, o método da sequência C-espectral e a idéia do calculo secundário [77, 78, 79, 80]. Outros importantes avanços foram feitos no contexto dos sistemas diferenciais exteriores, dos sistemas integráveis, da teoria dos invariantes diferenciais e dos métodos de redução por simetrias. Assim, o interesse hoje existente na teoria geométrica das equações diferenciais não é só devido aos sucessos teóricos mas também àqueles de caráter prático em algumas áreas como a relatividade geral, teoria clássica e quântica dos campos, teoria das partículas elementares, teoria de controle, etc. Por uma descrição mais completa dos resultados teóricos modernos nesta área de pesquisa, veja as seguintes referências [7, 30, 31, 42, 44, 63, 64, 65, 71, 72, 82, 83].

Possíveis exemplos de aplicação das simetrias

O estudo das soluções de uma equação que admite uma álgebra de simetrias, em alguns casos, pode ser simplificado considerando o quociente (ou equação reduzida) com respeito a essa álgebra. Por exemplo, no caso das equações diferenciais ordinárias (EDOs), a equação reduzida é uma equação de ordem mais baixa. Em particular, se a álgebra é solúvel e com dimensão igual àquela da equação dada, o espaço das soluções pode ser completamente determinado por meio de quadraturas. O caso das equações diferenciais parciais (EDPs), ao contrário, é muito mais complicado e ainda tem muitos aspectos desconhecidos. Recentemente, porém, no caso das EDOs bem como naquele das EDPs, foram obtidos novos resultados muito interessantes por diversos grupos de pesquisa.

No caso das EDOs, por exemplo, foram introduzidas novas técnicas de redução e integração baseadas em tipos de simetrias mais gerais: simetrias não locais e estruturas solúveis. Estes resultados são particularmente importantes quando, por razões diferentes, a teoria usual não pode ser aplicada.

No caso das EDPs, em [1] foi introduzido um novo ponto de vista sobre a redução e integração dos EDSs que descrevem EDPs. Dentre os argumentos a favor desse novo ponto de vista, se tem a seguinte observação: a redução por simetria leva a uma redução na dimensão de um dado problema, porém, isso nem sempre resulta em uma simplificação do problema inicial. Ao contrário, especialmente no caso das EDPs, após a redução o problema do cálculo das soluções é geralmente mais complexo. Este ponto foi bem ilustrado em uma série de trabalhos de I. Anderson e M. Fels. Em particular, em [1], este problema sugeriu a utilidade de uma abordagem que é, em certo sentido, dual. De fato, em alguns casos, é muito útil interpretar um dado problema como resultado de uma redução de um outro problema mais fácil. No trabalho [1] foi provado que, em alguns casos, existe um procedimento canônico que permite resolver este problema inverso. Um exemplo é dado pelos sistemas clássicos integráveis no sentido de Darboux (veja [4, 5, 6, 27, 28, 29, 38, 40, 41, 42, 67, 72, 73, 74, 75]) ou por aqueles mais gerais descritos em [1].

Relativamente ao estudo de métodos de redução com simetrias, alguns exemplos são discutidos também nos tra-balhos [15, 16, 17, 18, 19, 20] relacionados com os tratra-balhos [21, 22, 23, 24, 25, 26, 32, 33, 34, 35, 36, 51, 52, 53, 54, 55, 56, 57, 58, 59, 60, 61, 62] brevemente discutidos a seguir.

Em 2001 Concepción Muriel Patino, em colaboração com J. L. Romero, identificou um método conhecido como “método das lambda-simetrias” [51]. Este método foi ulteriormente investigado por Giuseppe Gaeta, Paola Morando

(3)

e Giampaolo Cicogna, em uma série de artigos no período 2001-2006. Em 2007, no paper [19], se provou que, usando a noção de covering diferencial de uma equação diferencial, podemos interpretar o método de Muriel e Romero como um caso particular de um método mais geral, que usa simetrias locais e não locais. Um resultado semelhante foi obtido no preprint [16], analisando a noção de lambda-simetria variacional introduzida por Muriel, Romero e Olver em [54]. Estes exemplos, mostram que a abordagem não-local é particularmente útil no tratamento de equações que não admitem simetrias (locais) calculáveis. No artigo [17] foi proposto um novo método de redução baseado em uma generalização não-local da noção de estruturas solúvel (veja [2, 3]). Estruturas solúveis, assim como álgebras solúveis de simetrias, podem ser usadas para integrar equações diferenciais ordinárias por quadraturas. As estruturas solúveis, porém, são particularmente apropriadas quando uma EDO não admite um número de simetrias suficiente a ser integrada por quadraturas. De fato, localmente e sob hipóteses de regularidade, cada EDO admite sempre estruturas solúveis, embora nem sempre seja possível determiná-las explicitamente. Na pratica, uma simplificação notável no calculo das estruturas solúveis, é obtida restringindo o cálculo só a estruturas adaptadas àlguma álgebra de simetrias. Esta foi o ponto de partida para os trabalhos [17, 18], onde, considerando estruturas solúveis adaptadas a simetrias locais e não-locais de ordem qualquer (i.e., clássicas ou de ordem maior), foi introduzida a noção de estruturas solúveis não-locais e aplicada a novos esquemas de redução por simetrias. De caráter diferente, em relação aos trabalhos já descritos, é o artigo [15] que fornece uma generalização de alguns resultados sobre a correspondência entre simetrias (locais) e integrais primeiros (de tipo não-Noether) para EDOs.

Referências

[1] I. M. Anderson, M. E. Fels and P. J. Vassiliou 2009 Superposition formulas for exterior differential systems Adv. Math. 221, 1910–1963

[2] P. Basarab-Horwath 1992 Integrability by quadratures for systems of involutive vector fields Ukrain. Mat. Zh. 43, 1330-1337

[3] M. A. Barco and G. E. Prince 2001 Solvable symmetry structures in differential form applications Acta Appl. Math. 66, 89-121

[4] R.L. Bryant, P.A. Griffiths 1995 Characteristic cohomology of differential systems (I) Selecta Math. (N.S.) 1, 21-112

[5] R.L. Bryant, P.A. Griffiths, L. Hsu 1995 Hyperbolic exterior differential systems and their conservation laws, Parts I Selecta Math. (N.S.) 1, 21-122

[6] R.L. Bryant, P.A. Griffiths, L. Hsu 1995 Hyperbolic exterior differential systems and their conservation laws, Parts II Selecta Math. (N.S.) 1, 265-323

[7] R. L. Bryant, S.S.Chern, R. B. Gardner, H. L. Goldschmidt and P. A. Griffiths, Exterior differential systems, Springer-Verlag, 1991

[8] E. Cartan 1899 Sur certaines expressions différentielles et Ie probleme de Pfaff, Ann. Sci. École Norm., (3) 16, 239-332

[9] E. Cartan 1901 Sur l’intégration des systélmes d’equations aux différentielles totales , Ann. Sci. École Norm., (3) 18, 241-311

[10] E. Cartan 1910 Les systémes de Pfaff à cinq variables et les équations aux dérivées partielles du second ordre, Ann: Sci. École Norm.,(3) 27, 109-192

[11] E. Cartan, Leçons sur les invariants intégraux, Hermann, 1922

[12] E. Cartan 1931 Sur la théorie des systèmes en involution et ses applications à la relativité, Bull. Soc. Math. France, 59, 88-118

[13] E. Cartan, Les systèmes differentiels extérieurs et leurs applications géométriques, Hermann, 1945 [14] E. Cartan, Oeuvres complètes, Gauthier-Villars, 1953

[15] D. Catalano Ferraioli and P. Morando 2007 Symmetries and first integrals for non-variational equations Interna-tional Journal of Geometric Methods in Modern Physics 4, 1217-1230

[16] D. Catalano Ferraioli and P. Morando 2009 Nonlocal interpretation of lambda-variational symmetry reduction method [preprint arXiv:0903.1014]

[17] D. Catalano Ferraioli and P. Morando 2009 Local and nonlocal solvable structures in the reduction of ODEs J. Phys. A: Math. Theor. 42, 035210

(4)

[18] D. Catalano Ferraioli and P. Morando 2009 Application of solvable structures to the nonlocal symmetry-reduction of ODEs Journal of Nonlinear Mathematical Physics, Vol. 16, Suppl., 27-42

[19] D. Catalano Ferraioli 2007 Nonlocal aspects of λ-symmetries and ODEs reduction J. Phys. A: Math. Theor. 40, 5479-5489

[20] D. Catalano Ferraioli and P. Morando 2014 Integration of Some Examples of Geodesic Flows via Solvable Struc-tures, Journal of Nonlinear Mathematical Physics, 21, 521-532

[21] G. Cicogna, G. Gaeta, P. Morando 2004 On the relation between standard and µ-symmetries for PDEs. J. Phys. A 37, no. 40, 9467–9486

[22] G. Cicogna, G. Gaeta 2007 Noether theorem for µ-symmetries. J. Phys. A 40, no. 39, 11899–11921

[23] G. Cicogna, G. Gaeta, S. Walcher 2012 generalization of λ-symmetry reduction for systems of ODEs: σ-symmetries. J. Phys. A 45, no. 35, 355205, 29 pp.

[24] G. Cicogna, G. Gaeta, S. Walcher 2013 Dynamical systems and σ-symmetries. J. Phys. A 46, no. 23, 235204, 23 pp

[25] G. Cicogna, G. Gaeta, S. Walcher 2013 Orbital reducibility and a generalization of λ-symmetries. J. Lie Theory 23, no. 2, 357–381

[26] G. Cicogna, G. Gaeta, S. Walcher 2015 Side conditions for ordinary differential equations. (English summary) J. Lie Theory 25, no. 1, 125–146

[27] G. Darboux, Leçons sur la Théorie Générale des Surfaces, Gauthier-Villars, 1887

[28] P.T. Eendebak 2007 Contact structures of partial differential equations PhD thesis, Utrecht University [29] P.T. Eendebak 2007 Tangential symmetries of Darboux integrable systems, preprint ar-Xiv:0712.3937v1 [30] M. E. Fels and P. J. Olver 1998 Moving coframes. I. A practical algorithm Acta Appl. Math. 51, 161-213 [31] M. E. Fels and P. J. Olver 1999 Moving coframes. II. Regularization and theoretical foundations Acta Appl. Math.

55, 127-208

[32] G. Gaeta, P. Morando 2004 On the geometry of λ-symmetries and PDE reduction. J. Phys. A 37, no. 27, 6955–6975.

[33] G. Gaeta 2009 A gauge-theoretic description of µ-prolongations, and µ-symmetries of differential equations. J. Geom. Phys. 59, no. 4, 519–539

[34] G. Gaeta 2011 Gauge fixing and twisted prolongations. J. Phys. A 44, no. 32, 325203, 9 pp

[35] G. Gaeta 2015 Symmetry and Lie-Frobenius reduction of differential equations. J. Phys. A 48, no. 1, 015202, 22 pp

[36] G. Gaeta 2015 Symmetry and Lie-Frobenius reduction of differential equations. J. Phys. A 48, no. 1, 015202, 22 pp

[37] C.S. Gardner, J.M. Greene, M.D. Kruskal, R.M. Miura 1967 Method for solving the Korteweg-de Vries equation, Phys. Rev. Lett. 19, 1095-1097

[38] R.B. Gardner, N. Kamran 1993 Characteristics and the geometry of hyperbolic equations in the plane J. Diffe-rential Equations 104, 60-117

[39] H. Goldschmidt 1967 Existence theorems for analytic linear partial differential equations, Ann. Math. 86, 269-307. [40] E. Goursat, Lecon sur líntégration des équations aux dérivées partielles du second ordre á deux variables

indé-pendantes, Tome 1, Tome 2, Hermann, Paris 1897

[41] E.E. Goursat 1899 Recherches sur quelques équations aux dérivées partielles du second ordre Ann. Fac. Sci. Toulouse 1, 31- 78, and 439-464

[42] T. A. Ivey and J. M. Landsberg, Cartan for Beginners, AMS, 2003

[43] J. S. Krasil’shchik, V. V. Lychagin and A. M. Vinogradov, Geometry of Jet Spaces and Nonlinear Partial Diffe-rential Equations, Gordon and Breach, 1986

[44] J. S. Krasil’shchik, A.M.Verbovetsky, Homological methods in equations of mathematical physics, Open Educa-tion, Opava, 1998

(5)

[45] Lie, S. 1874 Begrüundung einer Invariantentheorie der Berührungstransformationen. Math. Ann. 8, Heft 3 , 215-288

[46] Lie, S. 1881 Über die Integration durch bestimmte Integrale von einer Klasse linearer partieller Differentialglei-chungen. Arch. for Math. 6, No. 328, 328-368

[47] Lie, S. 1896 Geometrie der Berührungstransformationen. B. G. Teubner, Leipzig

[48] Lie, S. Gesammelte Abhandlungen. B. G. Teubner (Lepzig)- H. As-chehoung and Co. (Oslo), Bd.1, 1934. Bd. 2 (Teil 1), 1935; Bd.2 (Teil 2), 1937; Bd.3, 1922; Bd.4 1929; Bd.5, 1924; Bd. 6, 1927

[49] Yu. I. Manin 1979 Algebraic aspects of nonlinear differential equations, J. Sov. Math. 11, 1-122 [50] G. Monge, Aplicação de l’Analyse a la Géométrie, Bachelier, 1850

[51] C. Muriel and J. L. Romero 2001 New methods of reduction for ordinary differential equations IMA J. Appl. Math., 66, 111-125

[52] C. Muriel and J. L. Romero 2001 C∞-symmetries and non-solvable symmetry algebras. IMA J. Appl. Math. 66 (2001), no. 5, 477–498

[53] C. Muriel and J. L. Romero 2003 C∞-symmetries and reduction of equations without Lie point symmetries. J. Lie Theory 13, no. 1, 167–188

[54] C. Muriel and J. L. Romero, P. J. Olver 2006 Variational C∞-symmetries and Euler-Lagrange equations. J. Differential Equations 222, no. 1, 164–184

[55] C. Muriel and J. L. Romero 2007 C∞-symmetries and nonlocal symmetries of exponential type. IMA J. Appl. Math. 72, no. 2, 191–205

[56] C. Muriel and J. L. Romero 2008 Integrating factors and λ-symmetries. J. Nonlinear Math. Phys. 15, suppl. 3, 300–309

[57] C. Muriel and J. L. Romero 2009 First integrals, integrating factors and λ-symmetries of second-order differential equations. J. Phys. A 42, no. 36, 365207, 17 pp

[58] C. Muriel and J. L. Romero 2010 Nonlocal transformations and linearization of second-order ordinary differential equations. J. Phys. A 43, no. 43, 434025, 13 pp.

[59] C. Muriel and J. L. Romero 2011 A λ-symmetry-based method for the linearization and determination of first integrals of a family of second-order ordinary differential equations. J. Phys. A 44, no. 24, 245201, 19 pp. [60] C. Muriel and J. L. Romero 2012 Nonlocal symmetries, telescopic vector fields and λ-symmetries of ordinary

differential equations. SIGMA Symmetry Integrability Geom. Methods Appl. 8, Paper 106, 21 pp.

[61] C. Muriel and J. L. Romero 2014 The λ-symmetry reduction method and Jacobi last multipliers. Commun. Nonlinear Sci. Numer. Simul. 19, no. 4, 807–820

[62] C. Muriel and J. L. Romero 2014 λ-symmetries of some chains of ordinary differential equations. Nonlinear Anal. Real World Appl. 16, 191–201

[63] P. J. Olver, Applications of lie groups to differential equations, Springer, 1993

[64] P. J. Olver, Equivalence, Invariance and Symmetry, Cambridge University Press, 1995

[65] P. J. Olver and J. Pohjanpelto 2008 Moving frames for Lie pseudo-groups, Canadian J. Math. 60, 1336-1386 [66] L.V. Osiannikov, Group analysis of differential equations, Academic Press, Boston 1982

[67] V.V. Sokolov, A.V. Ziber 1995 On the Darboux integrable hyperbolic equations Phys. Lett. A 208, 303-308 [68] D.C. Spencer 1961 A type of formal exterior differentiation associated with pseudogroups, Scripta Math., 26,

101-106

[69] D.C. Spencer 1962 Deformations of structures on manifolds defined by transitive, continuous pseudogroups. I, II, Ann. of Math., 76, 306-445

[70] D.C. Spencer 1969 Overdetermined systems of linear partial differential equations, Bull. AMS 75., 179-239 [71] H. Stephani and M. MacCallum, Differential equations, their solutions using symmetries, Cambridge University

(6)

[72] O. Stormark, Lie’s Structural Approach to PDE Systems, Encyclopedia Math. Appl., vol. 80, Cambridge Univ. Press, Cambridge, UK, 2000

[73] P.J. Vassiliou 2001 Vessiot structure for manifolds of (p, q)-hyperbolic type: Darboux integrability and symmetry Trans. Amer. Math. Soc. 353, 1705-1739

[74] E. Vessiot 1939 Sur les équations aux dérivées partielles du second ordre, F(x, y, z,p,q, r, s, t)= 0, intégrables par la méthode de Darboux J. Math. Pures Appl. 18, 1-61

[75] E. Vessiot 1942 Sur les équations aux dérivées partielles du second ordre, F(x, y, z,p,q, r, s, t)= 0, intégrables par la méthode de Darboux J. Math. Pures Appl. 21, 1-66

[76] A.M. Vinogradov 1979 The theory of higher infinitesimal symmetries of nonlinear partial differential equations, Soviet Math. Dokl. 20, 985-989

[77] A.M. Vinogradov 1981 Geometry of nonlinear differential equations, J., Sov. Math., 17, 1624-1649

[78] A.M. Vinogradov 1984 The C-spectral sequence, Lagrangian formalism, and conservation laws. I The linear theory, II The nonlinear theory, J. Math. Anal. Appl. 100, 1-129

[79] A.M. Vinogradov 1994 From symmetries of partial differential equations toward secondary (“quantized”) calculus, Jour. Geom. Phys. 14, 146

[80] A.M.Vinogradov, Cohomological Analysis of Partial Differential Equations and Secondary Calculus, AMS, Trans. Math. Monographs series, Providence, Rhode Island, 2001, I-XV, 1-247

[81] A. M. Vinogradov 1989 Symmetries and Conservation Laws of Partial Differential Equations: Basic Notions and Results, Acta Appl. Math. 15, 3-21

[82] A. M. Vinogradov and J. S. Krasil’shchik ed., Symmetries and conservation laws for differential equations of mathematical physics, American Mathematical Society, 1999

Imagem

Referências

temas relacionados :