CAMINHOS DO BARROCO. Sermão de Santo António

26 

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Texto

(1)

CAMINHOS DO BARROCO

(2)

SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO

CAPÍTULO I INTRODUÇÃO EXÓRDIO

CAPÍTULOS III A V em geral LOUVORES em particular DESENVOLVIMENTO em geral REPREENSÕES em particular EXPOSIÇÃO E CONFIRMAÇÃO

CAPÍTULO VI CONCLUSÃO PERORAÇÃO

ESTRUTURA

(3)

SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO

EXÓRDIO CAPÍTULO I

. Conceito predicável – “Vos estis sal terrae” . Exploração do tema a partir da metáfora do sal

. Elogio a Santo António como modelo a seguir . Invocação à Virgem Maria – “ave-maria”

(4)

SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO

VOS ESTIS SAL TERRAE (S. MATEUS, CAP. 5, VERSÍCULO 13)

VÓS SOIS O SAL DA TERRA

Os conceitos predicáveis são citações bíblicas que servem de mote ao sermão.

(5)

SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO

CONCEITO PREDICÁVEL

VÓS

SOIS O

SAL

DA

TERRA

PREGADORES

SER HUMANO

MENSAGEM EVANGÉLICA

– impedir a corrupção

(6)

SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO

AO “SAL”

– “lançá-lo fora como inútil para que seja pisado de todos”

(resposta de Cristo)

A ESTA TERRA

– “Este ponto não o resolveu Cristo Senhor”, mas

temos a resposta de

Santo António

MUDOU O PÚLPITO E O

AUDITÓRIO

«O que há de fazer a este “

sal

”,

(7)

SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO

PROPRIEDADES DO SAL

Conservar o são Evitar a corrupção

PROPRIEDADES DA PALAVRA DE SANTO ANTÓNIO

“louvar o bem” “repreender o mal”

SERMÃO

duas grandes partes

LOUVORES REPREENSÕES

(8)

SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO

O sermão é uma

alegoria

porque os peixes são a metáfora

dos seres humanos

EXPOSIÇÃO E

CONFIRMAÇÃO

CAPÍTULO II Louvores aos peixes em geral

CAPÍTULO III

Louvores aos peixes em particular . Peixe de Tobias

. Rémora . Torpedo . Quatro-olhos

CAPÍTULO IV Repreensões aos peixes em geral

CAPÍTULO V

Repreensões aos peixes em particular . Roncadores

. Pegadores . Voadores . Polvo

(9)

SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO

“duas qualidades de ouvintes – ouvem e não falam.”

“obediência, ordem, quietação e atenção com que ouvistes

a palavra de Deus da boca de seu servo António.”

“grande afronta e confusão para os homens”

CAPÍTULO II

(10)

SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO

PEIXE DE TOBIAS – o fel cura a cegueira e o coração expulsa os demónios.

ANALOGIA COM SANTO ANTÓNIO – as palavras do

Santo também tirariam a “cegueira” aos humanos e livrá-los-iam do mal.

CAPÍTULO III

Louvores aos peixes em particular

Captura do peixe. Pintor anónimo lombardo século XVII

(11)

SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO

RÉMORA – “tão pequeno no corpo e tão grande na força”;

“Pega-se ao leme de uma nau da Índia” e muda-lhe o

rumo.

SANTO ANTÓNIO É UMA RÉMORA NA TERRA

(doma a fúria das paixões humanas)

. a nau soberba

. a nau vingança

. a nau cobiça

. a nau sensualidade

CAPÍTULO III

(12)

SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO

TORPEDO – peixe que produz

descargas elétricas

que fazem

tremer o braço do pescador que o tenta capturar.

descargas elétricas

a palavra de Deus que deveria abalar

a consciência humana e provocar

o arrependimento.

CAPÍTULO III

(13)

SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO

QUATRO-OLHOS – peixe que nada à

superfície e apresenta dois pares de

olhos.

Um par permite defender-se das aves,

o outro protege-o dos peixes.

Os seres humanos devem pautar o seu

comportamento, olhando para o céu (o

bem), mas lembrando-se de que há

inferno (o castigo).

CAPÍTULO III

(14)

SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO

é que vos comeis uns aos outros

“Não só vos comeis uns aos outros, senão que os

grandes comem os

pequenos

“Se os pequenos comeram os grandes, bastara um grande para muitos

pequenos, mas como os grandes comem os pequenos,

não bastam

cem pequenos, nem mil, para um só grande

.”

“CONSIDERAI, PEIXES, QUE TAMBÉM OS HOMENS

SE COMEM VIVOS ASSIM COMO VÓS.”

EXPLORAÇÃO DOS PEQUENOS

ANTROPOFAGIA SOCIAL

CAPÍTULO IV

(15)

SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO

Contra-argumento

“Dir-me-eis, como também dizem os homens, que não tendes

outro modo de vos sustentar.”

Refutação

“E de que se sustentam entre vós muitos que não comem os

outros?”

“O mar é muito largo, muito fértil, muito abundante, e só com o

que bota às praias pode sustentar grande parte dos que vivem

dentro nele”:

CONCLUSÃO “comerem-se uns animais aos outros

é voracidade e sevícia, e não estatuto da natureza.”

(16)

SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO

SIMBOLIZAM A ARROGÂNCIA E A SOBERBA

O que torna os humanos “roncadores”?

O SABER E O PODER

SANTO ANTÓNIO TINHA O SABER E O

PODER, MAS NÃO SE VANGLORIAVA

CAPÍTULO V

Repreensões aos peixes em particular

RONCADORES – peixes pequenos que emitem um som grave.

“uns peixinhos tão pequenos, haveis de ser as roncas do mar?!”

Personagens com os

mesmos defeitos:

• São Pedro

• Golias

• Caifás

• Pilatos

(17)

SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO

PEGADORES – peixes muito pequenos que se agarram ao

dorso dos peixes maiores, vivem como parasitas à custa

dos seus hospedeiros.

REPRESENTAM OS OPORTUNISTAS

CRÍTICA FEROZ AOS COLONOS

PARASITISMO SOCIAL

EXEMPLO DE SANTO ANTÓNIO:

ESTÁ “PEGADO” A CRISTO E CRISTO COM ELE

CAPÍTULO V

(18)

SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO

REPRESENTAM OS AMBICIOSOS

(os que querem ser mais do que

os outros)

EXEMPLO DE SANTO ANTÓNIO:

A HUMILDADE

“Não estendeu as asas para subir,

encolheu-as para descer.”

CAPÍTULO V

Repreensões aos peixes em particular

Personagens com os

mesmos defeitos:

• Simão Mago

• Ícaro

VOADORES – possuem barbatanas maiores do que a generalidade dos peixes.

“Porque vos meteis a ser aves?”

(19)

SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO

Contra-argumento

“Dir-me-eis, voador, que vos deu Deus maiores barbatanas que os

outros de vosso tamanho.”

Refutação

“Pois porque tivestes maiores barbatanas, por isso haveis de fazer

das barbatanas asas?! Mas ainda mal…”

GRANDE AMBIÇÃO CASTIGO

“Quem quer mais do que lhe convém,

perde o que quer e o que tem.”

Tem os perigos da ave (ar)

os do peixe (mar)

(20)

SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO

POLVO – como meios de defesa, o polvo possui a

capacidade de largar tinta e de mudar a sua cor.

Esta camuflagem permite-lhe enganar e caçar os

peixes mais facilmente.

“Judas em tua comparação já é menos traidor.”

REPRESENTA A TRAIÇÃO E A HIPOCRISIA,

O PODER DE DISSIMULAÇÃO

CAPÍTULO V

(21)

SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO

APARÊNCIA DO POLVO

COMPARAÇÃO

“com aquele seu capelo na cabeça parece um monge”

“com aquele não ter osso nem espinha,

parece a mesma brandura, mesma mansidão.”

“com aqueles seus raios estendidos parece uma estrela.”

REALIDADE

“E debaixo desta aparência tão modesta, ou desta hipocrisia tão santa, […]

(22)

SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO

APARÊNCIA DO POLVO

QUE RECURSOS TRAIÇOEIROS?

MUDANÇA DE COR AS CORES NO POLVO

“SÃO MALÍCIA”

REALIDADE

“E debaixo desta aparência tão modesta, ou desta hipocrisia tão santa, […]

o dito polvo é o maior traidor do mar.”

VÍTIMAS

• “se está nos limos, faz-se VERDE” • “se está na areia, faz-se BRANCO” • “se está no lodo, faz-se PARDO” • “se está em alguma pedra, […]

faz-se da cor da mesma PEDRA”

(23)

SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO

EXEMPLO DE SANTO ANTÓNIO – A ANTÍTESE DO POLVO

“mais puro exemplar da candura, da sinceridade e da verdade, onde

nunca houve dolo, fingimento ou engano.”

Vieira acusa a perda de valores nacionais – no passado as características

de Santo António eram extensivas a todo o povo português.

“bastava antigamente ser português, não era necessário ser santo.”

(24)

SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO

Trata-se da parte final do sermão. O orador faz uma recapitulação,

realçando e engrandecendo os argumentos favoráveis à sua tese e

desvalorizando os contrários.

A peroração é o lugar, por excelência, no qual se destaca o brilho do

discurso e a eloquência. Convém que o orador deslumbre e deleite

o seu auditório.

CAPÍTULO VI

PERORAÇÃO

“Comover”, isto é, captar a adesão

do ouvinte, apelando à comoção.

“Mover”, ou seja, incentivar à ação,

levar os ouvintes a agir.

(25)

SERMÃO DE SANTO ANTÓNIO

O orador retoma dos argumentos utilizados.

O orador inveja os peixes porque eles cumprem aquilo para que foram criados: servir os humanos.

- não falam;

- não têm memória; não ofendem a Deus - não têm entendimento, nem vontade.

Critica os humanos, porque Deus deu-lhes memória, entendimento e vontade, mas eles não cumprem o fim para que foram criados.

Autocritica-se – foi criado para servir a Deus e não consegue cumprir a sua

função.

Apela aos ouvintes para que respeitem, venerem e louvem Deus. Louva a Deus com o hino Benedicite.

CAPÍTULO VI

PERORAÇÃO

(26)

CAMINHOS DO BARROCO

Imagem

Referências

temas relacionados :