Dimensão subjetiva da realidade uma contribuição da psicologia social aos processos de avaliação de políticas públicas

Texto

(1)

Dimensão subjetiva da realidade

uma contribuição da psicologia social aos processos de avaliação de políticas

públicas

Vinicius Cesca de Lima Núcleo de Estudos e Pesquisa em Trabalho e Ação Social (PUC-SP) viniciuscesca@gmail.com

(2)

Introdução

• Encontro de uma experiência de avaliação da prestação do Serviço de Proteção e Atendimento Integral às Famílias (PAIF), com técnicos dos CRAS de um município de grande porte em SP, com uma pesquisa sobre o trabalho de psicólogas/os na política de Assistência Social.

• Compromisso político-programático do NUTAS com a defesa de políticas sociais públicas e com a produção de contribuições da psicologia e das/os psicólogas/os nestes espaços.

• Contribuição da Psicologia Sócio-Histórica: Concepção, planejamento, implementação, monitoramento e avaliação de políticas públicas devem considerar a existência de uma dimensão subjetiva dos fenômenos sociais.

(3)

Dimensão subjetiva da realidade

Campo subjetivo produzido socialmente pela práxis humana e que se objetiva em práticas sociais específicas e também em produtos subjetivos, como representações sociais, identidade social, ideologia, valores, rituais, hábitos, costumes, leis, regras, crenças, a produção intelectual, o imaginário popular, determinados pelas bases objetivas da realidade ao mesmo tempo em que as reelaboram.

Estas produções delimitam uma ontologia cotidiana, um campo de referências, permeado de intencionalidades e disputas de sentidos, que referencia, orienta, justifica e direciona o pensamento e a ação cotidianos.

(4)

Gênero da atividade

• Regras não escritas que conservam a história e a memória coletiva do trabalho

• Conjunto de proto-significações e proto-operações que compõem um resumo proto-psicológico disponível para a realização da atividade.

• Mediação entre os sujeitos da atividade e a tarefa.

• Maneira pela qual um coletivo de trabalho assume uma tarefa, a torna sua e a redefine.

• Conjunto de pressupostos sociais da atividade, de precedentes convocados por uma situação vivida e que a antecedem.

(5)

A experiência de avaliação do PAIF

• Desenvolvida em duas etapas.

• No primeiro momento, os técnicos foram chamados a atribuir um conceito (entre “Muito insatisfatório”, “Insatisfatório”, “Regular”,

“Satisfatório” e “Muito satisfatório”) para sete dimensões do Serviço:

Usuários; Provisões; Trabalho social; Articulação em rede; Aquisições dos usuários; Cumprimento de objetivos; Impacto social.

• No segundo momento, os técnicos responderam e debateram dois tipos de questões “Qual a contribuição do meu trabalho para o enfrentamento da (...)?” e “O que poderia ser feito para aumentar o impacto do meu trabalho no enfrentamento da (...)?”.

(6)

Entre a confiança no trabalho e a descrença em seus resultados

• Contraste entre a avaliação das condições de trabalho e a avaliação do trabalho realizado

• Permite-nos concluir por um cenário em que os trabalhadores sociais acreditam no seu trabalho, na suas possibilidades de produzir os efeitos intencionados, confiam na sua capacidade de fazê-lo, reconhecendo inclusive, com bastante clareza, onde é preciso avançar mais, mas entendem que as condições precárias em que este trabalho é efetivamente realizado e os recursos disponíveis limitam estas possibilidades.

• Isso impacta a maneira pela qual avaliam os resultados e impactos do trabalho. De forma geral, a avaliação foi bastante pessimista

(7)

Remediando o que não tem solução: a saída é individual

• Contudo, a precariedade das condições e recursos para o trabalho não esgota esta descrença.

•A oficina explicitou outro elemento que determina esta avaliação: a percepção de que a realidade social é impermeável às tentativas de transformá-la e de que a política social pode ser apenas tentativa de remediar o que não tem solução. Esta questão foi formulada como a presença de processos estruturais que nenhuma política social consegue resolver e que estabelecem limites que condicionam as possibilidades de ação.

• O que poderia produzir alterações reais e não paliativas estaria fora do campo de possibilidades da política de Assistência Social.

(8)

Remediando o que não tem solução: a saída é individual

• Conclui-se pela inevitabilidade destas condições, sem que isso conduza, contudo, à negação das possibilidades de ação. A leitura pessimista não elimina o desejo e o compromisso com a mudança, que se desdobra na procura de possibilidades reais para sua efetivação, ainda que limitadas, pontuais e sem o impacto desejado.

•A singularidade e a subjetividade aparecem como o refúgio possível diante de condições objetivas que parecem inalteráveis e as soluções são remetidas ao âmbito microssocial, das relações familiares, da conquista da autoestima, da reorganização de projetos de vida etc.

•Todo o processo de trabalho nos CRAS avaliados é permeado por estas concepções de que o trabalho social é paliativo, que a “solução”

estaria na inserção na relação de assalariamento e que, diante da dureza fática de condições objetivas que parecem inalteráveis, a saída seria individual.

(9)

A dimensão subjetiva nas políticas públicas

• A oficina identificou assim um campo de significados a partir do qual os trabalhadores da assistência social podem compreender os fenômenos nos quais intervêm, quem são os usuários dos serviços, quais são as possibilidades de transformação da realidade a partir de sua intervenção, etc.

• Estas significações são determinantes do trabalho efetivamente realizado, direcionando-o ao atribuir-lhe significado e intencionalidade.

• Exatamente por isso, a ação concreta não corresponde ao prescrito na tarefa, na medida em que esta dimensão subjetiva medeia a reformulação da tarefa por parte do sujeito da atividade.

• Desta forma, o alcance dos objetivos e dos impactos intencionados não depende apenas do planejamento das operações, mas precisa considerar também este repertório de significações sobre a realidade.

• Explicitá-los e analisá-los é uma contribuição da psicologia social aos processos de avaliação de políticas públicas.

Imagem

Referências

temas relacionados :