'***.**, ""IIMiiiiiii-ii-*"' Rio de Janeiro, Sábado, 12 de Junho de 1948

Texto

(1)

O Matutino de Maior Tiragem da Capital da República

—-—T^Ti _ Previsões até 2 horas de amanhS, no Dis- d T J. Jieral* Tempo — Bom com nebulosidade. Ne- 'r"? Temperatura - Em elevação.. Ventos - Do

voelro. N frescos.

.-«PFUATDRAS MÁXIMAS E MÍNIMAS DE ONTEM*.

TE,ir«ulad«T Rural, 28.8-17.8*. Santa Cruz. 29.4-18.8*. Ba-

Universidade « 3,

3.lg 4; ^^ wfi.

'?t

fardlm Botânico, 30.0*15.2*. Pão de Açúcar, 29.2*

,4,2, Jaralm0,

Praça Quinze, 28.8-18.4.

mammmm&m Fundado eni 1930 - Ano XVIII . N.*» 7B62

i-roprledude da S. A IIIAKIO l>E N"Tti:láe O. II Dantas, presidente; M. («orne» Moreira

tesoureiro; Aurélio Silvn. secretárl».

ASSINATURAS!

1

Ano, CrS 100.00: Semestre. Cr} 30.00; Trim.. Cri Jã.OO

¦icp. Paulc- W. Farlnello ¦ H. Bento, 2*20-3.» T. 2-l»"üi

Constituição, 11 — Tel.: 42-2910 (Rede Interna)

'***.**,

""IIMiiiiiii-ii-*"' ¦

Rio de Janeiro, Sábado, 12 de Junho de 1948

ED. DE HOJE, 2 SE(.'OES, 16 VAtiS. — Cr» 0,50

Pôs em dificuldade o programa de reabilitação da Europa

-~ « «-%

.*.. ¦« i n f* __!t* J. lí L-_ J~ rôm*,i*r, iIao B nnroo anionine nua t*OC>

Bidault, todavia, pede à Assembléia Nacio- nal a aprovação do convênio assinado sobre

o futuro da Alemanha ocidental

Disse que a França não desejava tornar estéril o Ruhr e - nem privar a Europa de seus produtos

. „ . „ , .. ....t.,„.. » ntnrnnn rie França eram PMIIS,

11 (De Joseph Grigg, correspondente da "United Pl.ess--) _ O ministro das Rela- -sfteV Exteriores, sr. Georges Bi- dault. Ped!u à Assembléia Nacio- nel que aprovasse o tratado das jels potências sobre a Alemanha.

A Assembléia iniciou o debate ge- ral sobre política externa, na qual

• ponto culminante é a conferèn- cia de Londres e~o acordo esta- belecido sobre a Alemanha, o que provocou violenta oposição na Fiança, ao ponto dc provocar gra- ves crises no governo.

Bidault admitiu que o governo -nfto se sente entusiasmado pelo acordo, mas disse que não estava apresentando desculpas e que as decisões dc Londres eram somente urna recomendação. Disse que a Franca não desejava fazer estéril

Operou com êxito o interior do coração

humano

LONDRES, 11 (A. P-) - Um cirurgião, o dr. R. O. Brok, tn- forma, no "Medicai Journal , hawr operado com Êxito o inte- rior t/t) coração humano.

d dr Brok, reconhecida com- jielencM cm moléstias do cora- ,.,l0 o do peito, escreve qw. as suas oiicrnrõcs curaram comple- tamentv uma menina de 11 anoa e deram, esperanças de vida nor- wii a riuis moças, uma de 18, oulm dc 23 anos.

As três pacientes sofriam, de nascenca, esteneose pulmonar, nnui. moléstia do coração nua impede o fornecimento suftcien- te de. sannue para os pulmões, de mineira que a falta cir. cir- cuhicã-0 lhes corta o fôlego e tinge de a:vl o sen corpo.

Para. realizar a operarão, tn- wwtou o dr. Brok um novo instrumento, que permite a ins- terão e a operação das válvula»

do' interior do coração, sob tn- tão rfircíti

o Ruhr nem privar a Europa de seus produtos e sim apenas evitar que os mesmos íôssem utilizados para agressão. Declarou que desde há multo tempo a Fiança vem in- slstlndo em sua Internacionaliza- ç&o, "sem ter recebido resposta ou apoio de ninguém".

Fontes oficiais predizem que o presidente do Conselho, sr. Robert Schuman, conseguirá a aprovação da Assembléia por pequena mar- gem.

Bidault passou em revista as po- slções dos Estados Unidos, GrS- Bretanha e Rússia, a respeito do Ruhr no Conselho de Chancele- res. Disse que diante do desacôr- do das quatro potências a respeito do Ruhr fez-se necessária uma tentativa das três potências ocl- dentais para resolver o problema e que a Fiança havia tomado par- te das deliberações já que, de ou- tra forma, o problema tei-se-la complicado. Acrescentou que na

Vem ao Brasil o pre- sidente do Uruguai

Já aceitou o convite que lhe foi feito pelo

general Dutra

"oNTEVIDÉO,

11 (A. P.) Anuncia-6e oficial- mente que o presidente do Brasil, general Eurico Gas- par Dutra, convidou o pri- meiro maflistrado uruguaio, sr Luís Battle Berres, a vi- sitar o Brasil, e que o con- vite foi aceito.

A informação oficial acres- centa que o presidente Ber- res pretende marcar para se- tembro ou outubro a data de sua visita ao país vi- zinho.

França eram muito poucos os que desejavam separar completamente o Ruhr da Alemanha.

O ministro do Exterior declarou também que "sem nossos persls- tentes esforços as recomendações rie Londres não conteriam uma única cláusula a respeito da fls- calizaçfto especial de produtos do Ruhr. durante ti ocupação e ln- slstlu cm que o convênio, pela pn- meira vez, continha garantias con- tra o uso militar dos referidos produtos.

Em outra parte do discurso dis- se que "nossos grandes aliados norte-americanos e britânicos nun- ca levaram em conta a posslbill- dade de total domínio internado- nal das Indústrias do Ruhr"

Favoráveis à industrializa- ção da América Latina

Fazem declarações nesse sentido, na Conferência Econômica de Santiago, os delegados da

Grã-Bretanha e França

'nANTIAGO

11 (A* -**•> — A Gra-Bretanlia dcclaron aos países S' latino-americanos que ela é »»v«râvel à sutt indus^lalUaçijo- H M Phillips, delegado do Reino Unido, disse na ™unlft"

da Comissão Econômica das Nações Unidas pura a América La-

«nas "Apoiaremos de todo «. coraçüo todos os esforços «J»J ««»- comissfto mer pnra aumentar a Industria e cevar o nivel da atividade econômica da América Latina... Nosso objetive nfto é, apenas a expansfto do comércio mundial comi. um todo. isto é.

„ desenvolvimento industrial das partes do mundo em que êle «

atualmente dcfirlente". «_„!. ,i«

O deiegado do Re.no^in.do eonco^,, com

^^«nn França, que declarou: '•A «n*™*™1

industrialmente desenvolvi- nfto ameaça as econom a d», a «. Indu.tr» ^

^ ^ rSde%;n:^âr\rersenvo.0v.m:ntog industria, e agrico.a na, re- glõcs atrasadas".

Marshall pede ao Comitê de Verbas da Câmara dos Representantes que res- tabeleça a importância pedida para a execução do plano que tem o seu nome

Processo perigoso e injustificado a redução dos gastos

VTAWiTNrTOisr

11 (U N Marshall acrescentou que a giania de rcaoilitaçfto ütiiopé¦<*

TASHINGTON, 11 (U.t .) (..-,':':,

,)òs ,m p^igo .,„)., ! está cheio do .perigos* e q'»e O secretario dc Estalo ( 'amai d pos -.m pt.ii.í, «devem entiar nti

Marshall declarou que o< ^Ao^m^en^n ,.

^

E^m um plam, mUIU) es.

,- congresso reduzli as verbas destinadas ao plano de , cabill- tação da Europa, talando ua- r!.ntc o Comitê de Ver--as do Senado, Marshall declarou Tie ft.i reduções feitas pela Câmara rios Representantes, no citado plano, debilitaram a confiança que os países «uropeus tinhnm nos Estados Jnldos. Pe.llu no referido Comitê que restabeleci p verba pedida omitindo . qu-?.ns reduções, quc íscendcm a ....

,: 160.000 000 de dólares, m seja, vinte por cento do tota'.

Mc

nal nas in-.iua-.nao ««

Para p os Estados Unidos não tenham de empregar a força

Deve o Senado ameiic^o^Mndeiiberg. ajudarToj^»*' » *«' ¦»inle- têsse de manter o mundo estável

Aprovação rápida da resolução que prepara o caminho para o apoio político e mi-

Aprova^u iaF ^^

das naç5es europeias

G. Huffman, administrador do ])lnnii rie reabilitação europc'n riisse ao Comi'.é dc Verbas quo a-, reduções propostas arruina- riam quase totalmente a fas»

di, plano relacionado com a re- cuperaçao industrial dos pais*-*-*

europeus contemplados no mfl mo. O secretário dc Estado drf- clarou que muito poucas p.i'- soas compreendem quanto vai >r dispenderam os países d=) Euro- pu ocidental, para iniciar o pt\>- Eiama de cooDeração ¦: im os Estados l'nidos, apesar da opo- s.'ção aberta tio «pais mais po- tlcroso da Europa».

Interrogado leio presidente d ) Comitê sóbre *iunl redução con- sderava mais nrejudlcia! Mar*

shall respondeu que o ''equistt-i dos 4,000.00o.J00 serem exten d idos a quinze meses em vez de doze. «Esta — disse — é a redução mais confusa, me.tos aparente e mais verdadeira » Continuou dizendo que o pn*

Quase ho iwsnw temoo .-im nue Marshall rnl.-iva, ri ils do"

senadores mnis favoráveis ' <"? -:

economias nos gastos do gov-.*-, • no declararam sua oposl-.âo ^\y,;

icduçóes feitas pela Càm-ira Rnlxa.

..

WASHINGTON,

11 (A.P.) — O senador Vandenberg, re- publicano do Mlchigd i, r.cdlu que o Senado ajude »a mganizar a paz», a fira de aue os Estados Unidos não enh-m rtc- empregar a força para man- Xer O mundo estável. Soücllou Vandenberg que o Senado ^r*»*- ve rapidamente a resolução Ute ¦ prepara o caminho para > ap?o poUtico e militar às na£«

européias, que se aliam contia vma possivel agressão eomunl«- la. Vandenberg é presidente da Comissão de Relações **^*

res do Senado, qle aprovou uma resolução solicitando uma ref r- ma das Nações Unidas. Afir*

ISovaíase da renhida luta russo-americana sobre energia atômica

Solicitam es ti^Vmm^i»^^^^^

apiove o plano de legnlamentaççao mundial da maíena ludo indica que a Búiã^^terméd'o do delegado Gro-

1_ myko, vete o pedido

i

AKE SUCCESS. 11 (Dr. Robert , Mannlng, correspondente da 1 (TJ p.) _ Sob o risco de enfrentar outro veto soviético, os Estados Unidos solicitaram ao Conselho de Segurança das Na- çôes Unidas que aprove o plano norte-americano de regulamentação mundial da energia atômica e o apresente ante a Assembléia Ge- ral, no período de sessões a rea- llzar-se êste outono em Paris. A proposta norte-americana, que está certa de receber o apoio de nove dos onze membros do Conselho de Segurança, inicia uma nova fase na renhida luta russo-norte-amerl- cana no assunto da energia atòml- ea. O delegado norte-americano Phillip Jessup aprensentou ao Con- selho uma proposta formal, que.

«egunrio se acredita, certamente

provocará o veto do delegado rus- so, Andrel Gromyko.

A proposta norte-americana pede a aprovação pelo Conselho do pia- no norte-americano para o esta- beleclmento de um sistema mun- dlal de regulamentação de ener- gla atômica, segundo íol prepa- rado e adotado pela Comissão de Energia Atômica da ONU, contra os persistentes protestos soviéticos.

A mesma proposta estipula tam- bém que as propostas da maioria sejam- apresentadas ante a Assem- bléia Geral em Paris, a reunir-se em setembro, onde o problema provocará acesos debates.

Caso a Rússia vete a proposta norte-americana, quando o Conse- iho se reunir para o debate sô- bre energia atômica, na próxima quarta-feira, os delegados norte-

americano, britânico, canadense e francês projetam apresentar uma segunda proposta, pedindo sim- plesmente que o assunto seja en- vlado à Assembléia Geral, sem aprovação do Conselho de Segu- rança. Se esta proposta também fõ.- vetada por Gromyko — e mui- tos diplomatas acreditam que as- sim aconteça - os Eslados Uni- dos ou outro qualquer grupo de países poderá, de qualquer ma- neira, apresentar o assunto à As- sembléla Geral. Os norte-ame- ricanos culpam a Rússia de íalta de acordo no caso da energia atô- mira e dizem que agora cabe ao Kremlin escolher entre a 'conti- nuação da corrida armamentista atômica ou um acordo sobre o sistema de controle internacional, em que todos os países possam ter confiança".

mou o senador republicano que a' aprovação da resolução de n-.onstrará que o Senado nSi rerdeu de vista o problema d3 paz, ao votar a lei de recruta- mento militar.

«E* necessário, declarou \ aa- denberg, deixar claro que nfci .nos preocupamos com bombas . a balonetas-v», n acentuou r<»

"

r. resolução «será uma boa rss- postas às crqticas contra a po líüca externa norte-amer'cam»

,- oferece «uma nova esoerança de segurança e paz para nós e para os outros, dentro das Ni-

ções Unidas». ]

Proclamando que «se viu | outra guerra .nundial nao se-5 • por nossa culpa», Vandenbe.g disse que a resolução demonstra oe maneira clara e slmrles no

"apel

dos Estados Uni los nn raz coletiva», e negou ,*ate*-.ô-

•ricamente qle a mesma prometa assistência militar autom-âUcH, a volta da lei de empréstimo c arrendamento ou qualquer outro auxilio, exceto so>> cot*

d leões especiílcas de

JntertMP próprio para os Estados un.- dos. Declarou o senador repu- bllcano que a resolução «iwn se afasta da Carta da O.N.U., da Constituição dos estados Unidos ou da autoridale do Congresso. Traz ela a ,wssM*

llaade de paz para o mundo.

Aprovada a resolução

WASHINGTON. 11 (A. P.) — O Senado aprovou esta noite a ie- solução rie Vandenberg que acena com a perspectiva - se o Congres- so aprovar - de auxilio militar norte americano às nações nao- comunistas. A resolução, que não precisa da aprovação da Câmara

ou do Congresso, pede para que a ONU elimine o direito de veto para os acordos pacíficos e na admls- são de membros. A resolução de- clara também que os Estados Uni

dos poderão aderir a grupos reglo- nais de outras nações para a defesa comum, sob a carta .1a CNU, se a segurança do -nuntio ct tiver ameaçada.

Morínigo vai paia a Argentina

ASSUNÇÃO, 11 (U. P.) — A

"United Press" soube em fonte au- torlzada que o ex-presidente Mo- rinlgo viajará amanhã, provável- mente, por vla-aétea, para Buenos Aires.

llam^s]iite7aeírdo de trepa na Palestina

Folke Bernadotte, mediador da ONU, dá instruções a seus observadores para que averiguem a procedência das acusações árabes

Protestos judaicos contra a presença delngleses na missão de paz-Morre em combate David Marcus, chefe supremo

das forças de Israel na frente de Jerusalém

__ -I..I-. , i-iá tnrlli-lns. norér

^,,?,.?r ,.•*•¦¦:,..," ,-v ••:,¦¦:.*.-* "'."*=

V> * **•*•**' í 4 -'f****»:, *Í* . *'**"*•*' A*f **: t*Vf

'**>.* ' .'V-'*' _jí, jét *• I ¦ JF v ¦* V< ."çr? **-*\ i" *'. *

V Jl f* . > - * t*¦**i" S_U*JHÍ^•

*"< .llillMtt í ' »P* ' * •-*- *- \ ji ' »*^ -f '•(• * « ^y^^mWmmmm mmm\r

^- f / ' '¦" -""*í*v -"'**' -*•** *- '¦".'¦ ¦'-

v99b y^* **'Arht ** V * m >'' i .¦¦<**-*--'*¦ r *y* t > *^l^^l

^mm\m\mmmmmmTS^mZnmfwwÊn^mKt9itmVj TT*^ r^J^jfW VmmmmmMmTFWmrw^mmmr^^^MtÊél^ r v-h #¦A \ 4 *±0&9t, mwmm^^^mwmmmt

"*l',,!' *,'„ ',',i',,'.'..., '¦ "',."Z'.'.'-^'riii'' '"";<',]''!

t.;..Vi'i,h„< n.i I •

d.l I « »"','J"I

Querem retirar-se da Kommandatura

BERLIM, 11 (A.P.) -A imprensa oficial soviética ins - nuou que os russos estão coa siderando a sua retirada do g*>-

^èrno das quatro potências em Berlim e tentando estabelece- um controle oróprlo sobre s

claade. , .„

O «Taegllche Rundschau» de- rlarou, em editorial, que os esforços ria «Kommandatur-»»

das quatro potências, para .*•»- solver os pronlcmas de Be**- hm estão sendo sèrl.imer e impedidos pelas controvérsia»

lnter-alladas

CAIRO,

11 (De Max Boyd, da

"Associated Press") — A tre- gua na Palestina pós termo a duas grandes batalhas e a várias ou- tias operações em menor escala, mas provocou acusações de viola- ções de ambos os lados. O encar- regado de negócios da Sitia nesta capital declarou ter recebido ins- tiuções para protestar contra o segundo ataque aéreo contra Da- masco, após a trégua, pelos aviões judeus, às 18 horas de hoje, e de- clarou que seu pais não se sen- tlrla obrigado pela trégua, caso as violações continuem.

O conde Folke Bernadotte. me- diador da ONU, anunciou que deu instruções aos seus observadores para que investiguem o mais rà- pldamente possivel as queixas con- tra quatro violações da trégua pelos judeus.

Despachos lecebldos da frente de combate dizem que até o ulti- mo minuto os judeus e os árabes se empenharam em luta, a fim de melhorar suas posições, na frente de Isdud, ao sul de Tel-Avlv, o em Latrun. para o controle da vital estrada de Jerusalém.

Aviões Israelitas atacaram Da- masco nas últimas horas antes da cessar o fogo, à 1 hora da madru- gada.

Depois, quase seis horas após a cessação do fogo em todas as fren- tes, uma fonte autorizada da Ttansjordânia declarou que os ju- deus continuavam a atacar os si- rios a leste de Mlshmar Hay Yar- den, ao sul do lago Hula, no nor-

deste da Palestina, quo os sírios ocuparam às últimas horas de on- lem. Uma fonte oficial transjoida- na declarou que os judeus também violaram a ti :;ua cinco horas de- pois de a mesma entrai' em vigor, lançando um ataque de metralha- doras conlra a cidade de Lydda e Wadl ei Khyar, entre Tel-Avlv e Jerusalém.

Torna-se complicada

LAKE SUCCESS. 11 (Por Max Harrelsonm da Associated Press)

— A trégua da Palestina esta se tornando complicada, devido à du*

vida sobre se o mediador Berna- dotle pediu ou nâo a assistência de navios e aviões britânicos para

sua missão.

Um porta-voz autorizado do

"Forelgn Office" disse que o me- diador da "UN" havia indagado, extra-oficlalmente. se a Inglaterra podia fornecer aquela espécie de assistência. Entretanto, um outro porta-voz autorizado, êsse agora ria

"UN" nega ({ue tal se tenha dado.

dizendo que a Iniciativa coube à própria Inglaterra.

Segundo a versão dessa alta personalidade da "UN". as autori- dades britânicas do Cairo se en- tenderam com Bernadotte e mos*

traiam que a Inglaterra estaria pronta e desejosa de prestar qual- quer auxilio que se tornasse ne- cessário. Do gabinete rte Berna- riotle informaram aos funcionários da "UN" que o mediador nâo ha- via areltn o oferecido britânico.

Há indícios, porém, de que Ber- nadotte estaria disposto a utilizar aviões e automóveis ' britânicos apenas numa espécie de serviço de

(Conrlul na ¦!.•? l>Acl»».

Acordo econômico- financeiro brasileiro-

argentino

Serão feitos os paga- mentos nas moedas

dos dois países

BUENOS AIRES, 11 (U. P.) ¦—

A Argentina e o Brasil conven- . clonaram, em principio, que as compras realizadas pela Argentl- na no Brasil serão pagas em pesos argentinos, ao passo que as aqulsl- ções brasileiras serfio pagas com cruzeiros. A revelação partiu de fontes autorizadas.

O acordo é resultado de gestões realizadas pelo superintendente do Banco rio Brnsll, sr. Vieira Ma*

chario.

Aquelas fontes indicaram qui partirá u'n missão argenlina eg- pecial com destino ao Rio, dentro rie alguns dias, a fim de por em prática o novo convênio comercial que será elaborado no Rio.

Diz-se que a nova forma de pa- gamento entre o Brasil e a Ar- gentlna visa por em atividade c novo programa que a Argentina s»

propõe desenvolver no campo eco- nomico Internacional.

idêntica política será seguida en futuras transações com países ame ricanos.

Terminou o julgamen- to dos diretores do truste químico alemão

NUREMBERG, 11 (A.P.) — Terminou o longo .1ulg')men'<) rios vinte e três diretores da -vl. G. Farben Industrie», truste oulniIco alemão.

Todos os réus foram acusa- rios rie crimes de guerra. •

PERIGA A ELEIÇÃO DE GALO PLAZA

Invalidados pelo^u^^TrTb^al os votos de cinco mesas receptoras da capital - Pedida a

anulação do pleito

0UITOmo HH,

11 (U. P) — O Supre- ,„, Tribunal Eleitoral inva- lidou 3938 votos depositarinR em cinco mesas receptoras de vo- tos desta capital, durante as elel- ções presidenciais de domingo pas-

sado. .

Êsse ano deixou nn ar o riesenla- ce ria pugna eleitoral. pois. ¦ maioria rios votos invalidados per- tencla an sr. Galo Plaza. o qual, conforme os últimos resultados oficiais, vencia pela diferença de 3.987 votos.

Plaza. que tem <12 anos de idade e foi embaixador dos Estados Uni- dos é o candidato dn Movimento Democrático Nacional Indepen-

dente .

Um observador político autori- -/.ado comentou que "se o Tribu- nal acha quc foram comei irias tantas Irregularidades em «ullo, é provável que a verificação rios resultados do interior produzam muitas surpresas".

Simultaneamente, o Partido I*ií;

beral potllu, oficialmente, ao Tri- bunal Eleitoral que anule as elei- ções. Afirma, em seu pedido, que os certificados de inscrição utill-, zados nas eleições de domingo ío- ram preparados para as eleições municipais dc 1916 e que so eram válidos liara tais eleições.

BRYLCREEM

Dá brilho, ap. cabelo

olhos-. Br.Genial

DOIONCAh R Ciinç Ititi».

R orEKUrtHS

:to. R' rei. ii JOírt

V

w jROLÍTHICa

diurético e elimina ? Ácido Úrico

Passaram à V^^^^f^^^^Z'

rios e telefônicos, os recursos do sub-solo e 70Z compa- nhias, fábricas, minas e poços petrolíferos

Atincida-, pela medídaemprôsM britânicas c americanas

Aungiaao peia meu ir Wefajft pm nazamento

BAMCO MOSCOSO^CASP Sv A

0 DENTIFRÍCIO INDICADO fmiàl* HIGIENE E m CONSteVAçRODOiSÍÜ!*'

Receberão "bônus do Estado em pagamento

â i/it-i /"

fl,,,,,,,,, ,,.',,.1,1,1 Ifl imt,i,i,lr ,!• Alrtillliln

I..I./III,,

BUCAitEST.

II (U P A

num.liilii n.iflnniill/.ou quine ii-kIii ii mm ImlútMii». IncluíM »n i-omponhlM» pi-iiitiilrioi ri" P"1-

|.iii..|,(ilc purnl/ilnicnic pi Am* liiliAnlcn» ¦• n rillli»

(l ilir>fi< dn |í»i* ^ili" l'(i"i 'li '»M

»|l|l'tClll.lll no Pm Imii'-nl" 'l"1 I""

)i,in i|i> 11-n'inniili/iH'li'i <-»ii ii"

nh* r i, llll-*lll'i l'.l Mpi'Hil'1'i |i"

.iiiiiliiinl'l,i'l< di |imIi »l< lf'» Hm**

.tr ili Imli , (li i|..||..» 'riu finpi*

CM I *i|lí "|»l l»l|'lt ll'» il » .llll * (O'' iliiii fi\n- ii le niiicil

nirna rto iiuc MYhn cnnípcns.idoii

com iiíititm do Ki.i.idn rumenn '1'ntlnii oi ioi'v|i;o« fcrrovIArlo» •*

lf 'IcfíillIroD. lod«« »» itimiiIui» d'i

nuh-iolíi r Wi ciimpnrihln» Indu»»

iiiiii». fftb li*«» inlnm * P"'.'"1 I"1 inillfeiim |i.»»iii,'iin * |nti|iil(-diiil'»

d-, i!n'7inii

I mu iiiiiiImAii i-uprcl-il decidi!)*

qu»- i'iiiiipfll»rti'»ii (lM''i'i»i M'H»'i ,,- ilullilt ll.l» lilllll»» C ,|i»"|i» |l('l«*

llt |i«|í«lllilllii» kPI*" li-Hc» d».

Imi.).. .1» iii.|»..i.li ti mil'"

,\ , ii i iiií uii"i'i . »i'i'1"

,i,,ii,iii...,,1.. il-, l"i"l" ."»"|" rn»

l„-,i„n il» EMadn innu'!)" ''"'» "'¦

litiiiiH liquido» dn» firmo» mww- mil:/.miii»

,*,'ftn M'iíi iiiigH ii»iitli|iici coinpen- ,,i,.ftu n» |,e. ftnii» i:onvlclit» dc 'on

, 'luni-iii rconõmli-H", que »nli'«ni i:i(lillnii-lilr dn ptil» "ii qt" i,*r»

iiitir»»iii'iini «" imi* ilcpiii» de (••»

&^

\4 milhões

iiiiini'i o

.ii -.i.ii-i.iti i.i n/1. ip.» ii'.i*.itiii'tit..<

DE CRUZEIROS

uiMimo ni iitocueio coiiiem do »"> nl '""'.'J

nin ifl»

» i* il. n»

Ium ,|..|...ii ii ».|.|»i *'

'I um llll «»i » • pftlliirt

ím

Imagem

Referências

temas relacionados :