• Nenhum resultado encontrado

INDICADORES AMBIENTAIS ESSENCIAIS: UMA ANÁLISE

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "INDICADORES AMBIENTAIS ESSENCIAIS: UMA ANÁLISE"

Copied!
18
0
0

Texto

(1)

1

INDICADORES AMBIENTAIS ESSENCIAIS: UMA ANÁLISE DA SUA UTILIZAÇÃO NOS RELATÓRIOS DE SUSTENTABILIDADE DAS EMPRESAS DO SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA SUL AMERICANO, ELABORADOS PELA VERSÃO “G3” DA GLOBAL REPORTING INITIATIVE

Autores:

Fernanda Amorim Ribeiro de Castro (FACC/UFRJ) José Ricardo Maia de Siqueira (FACC/UFRJ) Marcelo Álvaro da Silva Macedo (FACC/UFRJ)

RESUMO

O objetivo do presente estudo foi verificar o quanto do que foi requerido nos indicadores ambientais essenciais, da versão “G3”, da GRI, foi atendido pelas empresas do setor elétrico sul americano e o quanto do potencial dessas informações foi efetivamente apresentado. Para tanto foram realizados os cálculos dos Graus de Aderência Plena (GAPIE) e de Evidenciação Efetiva (GEE). Primeiramente, verificou-se que, somente três empresas apresentaram um alto GAPIE, sendo que elas – AMPLA, ENDESA CHILE e CHILECTRA – fazem parte de um mesmo grupo. Adicionalmente, observou-se que mesmo fazendo parte de um mesmo mercado, as empresas encontram-se em diferentes fases de aderência às Diretrizes da GRI, já que os resultados variaram de 76% a 0%. Já em relação ao GEE, observou-se que, diferentemente dos resultados do GAPIE, nenhuma das empresas apresentou um alto grau. Além disso, devido a existência de omissões com justificativa, em metade das empresas, houve uma inversão nas posições de algumas empresas no ranking. Esse resultado sugere que, o fato de a GRI permitir a validade de omissões com justificativa, pode alterar o entendimento do usuário referente à qualidade dos relatórios disponibilizados pelas empresas. Diante dos resultados apresentados, observa-se que, apesar do esforço da GRI em desenvolver um modelo de qualidade, mais consistente e completo de relatório de sustentabilidade, a sua aplicabilidade, em empresas sul americanas de energia elétrica, ainda precisa evoluir bastante para que os diversos usuários possam ter acesso ao real nível de responsabilidade ambiental das organizações.

Palavras-Chave: balanço social; energia elétrica; G3; GRI; indicadores ambientais; relatório de sustentabilidade.

1. INTRODUÇÃO

A urgência de temas, como a degradação de recursos naturais e da biodiversidade, bem como a mudança climática, vem destacando a importância do envolvimento da sociedade, como um todo, na questão ambiental.

Nesse contexto, as organizações, pelos impactos de suas atividades no patrimônio natural e, pelo poder que concentram neste campo – decidem, por exemplo, sobre investimentos que afetarão, dentre outros aspectos, a qualidade do ar e da água – são peças fundamentais na busca da sustentabilidade.

Como consequência, os diversos stakeholders estão, cada vez mais, mostrando-se interessados na atuação das organizações nesse meio. Com isso, aumenta a necessidade dessas

(2)

2

organizações comunicarem, de forma consistente e confiável, o seu envolvimento neste campo, o que aumenta a relevância mundial dos balanços sociais ou relatórios de sustentabilidade.

Porém, pode se dizer, que o relatório de sustentabilidade é um tema que ainda se acha longe de estar consolidado. Apesar de a utilização deste instrumento estar crescendo a cada ano, a existência de diversos modelos de relatórios e a falta de obrigatoriedade da sua elaboração, em muitos países, faz com que a utilidade desse instrumento, inclusive no que tange à sua abrangência, a evidenciação de externalidades negativas e sua comparabilidade fique bastante prejudicada.

Em se tratando especificamente do campo ambiental, pesquisas tem demonstrado que algumas das informações relevantes dessa vertente estão sendo negligenciadas.

Li, Richardson e Thornton (1997), por exemplo, destacam pesquisas que vêm sugerindo que as empresas estão fornecendo informações incompletas a respeito de seus passivos ambientais. Estudo da Price Waterhouse, por exemplo, mostra que 62% das empresas da amostra reconhecem que estão expostas a passivos ambientais, mas mesmo assim não os demonstram nos seus relatórios.

Outro exemplo foi dado por Calixto (2007), que em seu estudo com 97 empresas brasileiras de diversos setores, observou indícios de que embora as empresas estejam preocupadas com o desenvolvimento sustentável, menos de 10% do total delas fornece informações sobre seu desempenho no meio natural.

Também Pinto e Ribeiro (2004), em sua pesquisa realizada nas 8 maiores empresas industriais privadas de Santa Catarina, que publicaram balanço social, observaram a falta de informação sobre as obrigações já assumidas e as contingentes no balanço ambiental.

Com isso, buscando fornecer às organizações uma ferramenta que proporcione a geração de relatórios de sustentabilidade mais completos, consistentes, confiáveis, e padronizados internacionalmente, surgiram as Diretrizes da Global Reporting Initiative (GRI). Este modelo, calcado no equilíbrio entre os desempenhos econômico, social e ambiental, o chamado triple

bottom line, encontra-se, atualmente, em sua terceira versão (G3) (GASPARINO, 2006).

Considerando que o número de organizações que vêm aderindo às Diretrizes, aumentou substancialmente de 2000 para 2006, passando de 30 para 1000 (INSTITUTO ETHOS, 2007b), fica notória a crescente importância dada a esta ferramenta ao redor do mundo. De acordo com Adams e Evans (2004 apud DIAS, SIQUEIRA e ROSSI, 2006, p. 5), o modelo da

(3)

3

GRI, ao fornecer indicadores não enviesados, está sendo considerado como o menos suscetível a tendências e, com isso, está fornecendo uma credibilidade adicional ao usuário.

Porém, mesmo com todo o seu potencial, a prática, vem demonstrando que existem discordâncias entre o que as organizações vêm informando em seus relatórios de sustentabilidade e o que a GRI efetivamente solicita em seus indicadores de desempenho. Este problema é bastante relevante, uma vez que os diversos stakeholders podem estar recebendo informações distorcidas a respeito da responsabilidade socioambiental de determinada empresa.

Assim, considerando as discrepâncias que tem sido encontradas nas outras versões das Diretrizes da GRI – como por exemplo, os resultados dos estudos de Dias (2006) e Carvalho (2007) -, e toda relevância da questão ambiental no contexto atual, o objetivo desta pesquisa é verificar o quanto as empresas que tiveram seus relatórios de sustentabilidade, elaborados pela versão “G3” das Diretrizes da GRI, cumpriram exatamente ao que foi solicitado para os indicadores de desempenho ambientais essenciais e o quanto do potencial das informações requeridas foi efetivamente apresentado.

Para tanto, optou-se por delimitar a amostra ao setor sul americano de energia elétrica. A escolha do setor elétrico deu-se por diversas razões, dentre elas destaca-se a grande interferência de suas empresas no meio ambiente, como por exemplo a redução de florestas para a construção de barragens (LINS e OUCHI, 2007). A escolha da América do Sul, por sua vez, deu-se pelo fato da presente pesquisa tratar-se de uma derivação dos estudos de Dias (2006) e Carvalho (2007).

2. BALANÇO SOCIAL (BS) OU RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE

Uma das principais discussões existentes acerca do Balanço Social diz respeito ao seu significado, já que existe uma gama de definições disponíveis na literatura específica, dentre elas, algumas que, por serem bastante restritas, propiciam um entendimento indevido sobre os seus objetivos e, principalmente, sobre sua abrangência. As conceituações de Oliveira (1999 apud LIMA, 2001, p.4) e de Perottoni e Cunha (1997, p.13) são exemplos disso.

Para Oliveira (1999 apud LIMA, 2001, p.4), o balanço social “[...] tem por objetivo discriminar os investimentos realizados pelas companhias em benefício de seus empregados, da comunidade e também do meio ambiente.”

(4)

4

Já para Perottoni e Cunha (1997, p.8), o BS “é um conjunto de informações econômicas e sociais, que tem por objetivo a divulgação de informações sobre o desempenho econômico e financeiro das empresas e sua atuação em benefício da sociedade”.

Como se pode observar, as duas definições focam na divulgação de informações sobre os benefícios concedidos pela empresa, excluindo, desta forma, a necessidade de evidenciação dos efeitos negativos, como, por exemplo, a devastação de áreas verdes e os casos de acidentes de trabalho.

Além da exclusão dos aspectos negativos, as definições anteriores também pecam no aspecto da abrangência. A de Perottoni e Cunha (1997, p.8), por exemplo, não deixa explícita a questão ambiental.

A abrangência do relatório diz respeito não só ao atendimento aos anseios dos

stakeholders da organização, mas também à contemplação de todas as informações

necessárias à análise do perfil socioambiental das empresas. Pode-se dizer, então, que a finalidade do balanço social é tornar pública a responsabilidade socioambiental das organizações (PINTO e RIBEIRO, 2004, p. 21). Além disso, considerando que alguns dos conceitos de responsabilidade socioambiental discutidos estão tendendo a uma visão de sustentabilidade (ASHLEY, 2002, p.29), o balanço social deve contemplar a integração das dimensões econômicas, sociais e ambientais.

Apesar da crescente importância dos balanços sociais, na prática, a sua capacidade de gerar informações úteis tem se mostrado bastante prejudicada. Estudos vêm apontando nos balanços sociais publicados atualmente, a existência de problemas, principalmente no que concerne: à abrangência limitada dos relatórios; à reduzida evidenciação de externalidades negativas; e, à dificuldade de comparabilidade desses balanços.

Buscando minimizar esses problemas, algumas instituições e organizações, nacionais e internacionais, lançaram propostas de modelos de divulgação desses demonstrativos. Nesse contexto destacam-se as Diretrizes da Global Reporting Initiative (GRI)

3. O MODELO “G3” DAS DIRETRIZES DA GRI (GLOBAL REPORTING

INITIATIVE)

O primeiro conjunto de “Diretrizes para Relatórios de Sustentabilidade”, da GRI, foi elaborado em 1999 e lançado em junho de 2000 (INSTITUTO ETHOS, 2007c). Desde então, sofreu duas atualizações. Uma em 2002, publicada em português em 2004, e outra lançada no Brasil, em dezembro de 2006 (INSTITUTO ETHOS, 2007c). Esta última, foi chamada de G3

(5)

5

para destacar o fato de ser a terceira geração de indicadores (INSTITUTO ETHOS, 2007b, p.15).

Desde a primeira versão, as diretrizes da GRI abordam os aspectos relacionados à sustentabilidade, que trata do equilíbrio entre os desempenhos econômico, social e ambiental, o chamado triple bottom line (GASPARINO, 2006, p.6).

De acordo com Vaz (2006, p. 26), a G3 surgiu da necessidade de tornar os relatórios sociais mais consistentes, tendo em vista que muitas informações desconexas e irrelevantes são apresentadas nesses relatórios. Adiciona-se a este aspecto, a necessidade de tornar as diretrizes mais focadas no desempenho de seus indicadores e orientações mais claras para compilação dos dados (INSTITUTO ETHOS, 2007a, p. 15).

Outra novidade desta nova versão foi a substituição da declaração “de acordo com” (“in

accordance”) constante da versão das Diretrizes da GRI, de 2002, pelo conceito de Níveis de

Aplicação da GRI que é uma auto-avaliação de até que ponto os elementos da Estrutura de Relatórios da GRI foram aplicados na elaboração do relatório de sustentabilidade (INSTITUTO ETHOS, 2007a, p. 20). Existem três níveis de aplicação (A, B e C), que podem conter um ponto a mais (A+, B+ ou C+), caso a avaliação da organização tenha sido corroborada por uma verificação externa (GRI, 2006b, p.5).

As Diretrizes estão estruturadas em duas partes: a primeira, que abrange os três elementos principais do processo de elaboração do relatório - os princípios para definição de conteúdo, os princípios para assegurar a qualidade e as orientações para definição do limite do relatório; e, a segunda que trata do conteúdo que deve constar do relatório, que contempla: o perfil da organização, a forma de gestão e os indicadores de desempenho (GRI, 2006a).

Os indicadores de desempenho, foco do presente estudo, são dados qualitativos ou quantitativos que buscam fornecer informações comparáveis sobre os desempenhos econômico, social e ambiental (GRI, 2006a). Esses indicadores podem ser essenciais, ou seja, são aplicáveis e relevantes para a maioria das organizações, ou adicionais, que podem ser aplicáveis e relevantes para algumas organizações, mas, geralmente, não os são para a maioria (GRI, 2006a, p.25).

Os indicadores da vertente ambiental referem-se aos impactos da organização sobre o meio ambiente, incluindo os ecossistemas (GRI, 2006a, p.27). Eles englobam o desempenho relacionado a insumos e à produção, além daquele relativo à biodiversidade, à conformidade ambiental e outras informações, como por exemplo, gastos com meio ambiente (GRI, 2006a).

(6)

6

Dos trinta indicadores ambientais, dezessete são essenciais. Eles estão segregados nos aspectos: (1) materiais; (2) energia; (3) água; (4) biodiversidade; (5) emissões, efluentes e resíduos; (6) produtos e serviços; e, (7) conformidade; como pode ser observado no Quadro 1.

Quadro 1

Indicadores Essenciais Ambientais

ASPECTO: MATERIAIS EN1 Materiais usados por peso ou volume.

EN2 Percentual dos materiais usados provenientes de reciclagem.

ASPECTO: ENERGIA

EN3 Consumo de energia direta discriminado por fonte de energia primária.

EN4 Consumo de energia indireta discriminado por fonte primária.

ASPECTO: ÁGUA EN8 Total de retirada de água por fonte.

ASPECTO: BIODIVERSIDADE

EN11 Localização e tamanho da área possuída, arrendada ou administrada dentro de áreas

protegidas, ou adjacente a elas, e áreas de alto índice de biodiversidade fora das áreas protegidas.

EN12 Descrição de impactos significativos na biodiversidade de atividades, produtos e

serviços em áreas protegidas e em áreas de alto índice de biodiversidade fora das áreas protegidas.

ASPECTO: EMISSÕES, EFLUENTES E RESÍDUOS

EN16 Total de emissões diretas e indiretas de gases de efeito estufa, por peso.

EN17 Outras emissões indiretas relevantes de gases de efeito estufa, por peso.

EN19 Emissões de substâncias destruidoras da camada de ozônio, por peso.

EN20 NOx, SOx e outras emissões atmosféricas significativas, por tipo e peso.

EN21 Descarte total de água, por qualidade e destinação.

EN22 Peso total de resíduos, por tipo e método de disposição.

EN23 Número e volume total de derramamentos significativos.

ASPECTO: PRODUTOS E SERVIÇOS

EN26 Iniciativas para mitigar os impactos ambientais de produtos e serviços e a extensão da

redução desses impactos.

EN27 Percentual de produtos e suas embalagens recuperados em relação ao total de

produtos vendidos, por categoria de produto.

ASPECTO CONFORMIDADE

EN28 Valor monetário de multas significativas e número total de sanções não-monetárias

resultantes da não-conformidade com leis e regulamentos ambientais.

Fonte: Adaptado de GRI (2006a)

3. METODOLOGIA

A população da pesquisa consiste no conjunto de empresas que utilizam os indicadores da versão G3 das Diretrizes da GRI na elaboração de seus Relatórios Socioambientais, do ano de 2006.

Por diversos motivos optou-se pela utilização de uma amostra não-probabilística e com isso, a pesquisa foi direcionada para as empresas do setor elétrico, com atividades na

(7)

7

América do Sul. Dentre esses motivos destacam-se a grande interferência das empresas desse setor no meio ambiente e os impactos de suas atividades sobre o bem estar da sociedade.

Já a escolha pela América do Sul deu-se pelo fato da presente pesquisa tratar-se de uma derivação dos estudos de Dias (2006) e Carvalho (2007). A primeira, analisou o grau de aderência plena, das empresas brasileiras, aos indicadores essenciais propostos na segunda versão das Diretrizes da GRI. Enquanto a segunda analisou o grau de aderência plena aos indicadores essenciais propostos na G2 da GRI, bem como o grau de evidenciação efetiva aos relatórios de sustentabilidade das empresas latino-americanas, com exceção das brasileiras.

Desta forma, só participaram do escopo empresas do setor elétrico, operando na América do Sul, e que publicaram seus relatórios de sustentabilidade segundo as Diretrizes da G3; cujos relatórios contivessem o Sumário ou Índice Remissivo dos Indicadores da GRI; e, cujos relatórios fossem do ano-base de 2006. Após esses filtros, chegou-se às seguintes empresas: AES ELETROPAULO, AMPLA, CEMIG, CHILECTRA, COPEL, ENDESA CHILE, ISAGEN e REP.

Entendeu-se como fonte de coleta de dados mais adequada o site oficial da GRI, tendo em vista que, além de ser considerado uma fonte segura de captura de informações, uma vez que é um site oficial, ele disponibiliza os últimos relatórios divulgados pelas organizações que utilizam as Diretrizes da GRI (GRI, 2006a).

De posse da amostra, partiu-se então para o tratamento dos dados. O primeiro passo foi classificar as respostas segundo a sua conformidade com o requerido pelos indicadores ambientais essenciais da GRI. A classificação foi realizada nas categorias descritas no Quadro 2 e foram baseadas nos modelos de Dias (2006) e Carvalho (2007).

Quadro 2

Base para Classificação das Informações

CATEGORIA SIGLA CLASSIFICAÇÃO DEFINIÇÃO

APL ADERÊNCIA

PLENA

Quando todos os dados requeridos no protocolo do indicador essencial da G3 foram devidamente fornecidos pela organização.

AP ADERÊNCIA

PARCIAL

Quando apenas parte dos dados requeridos no protocolo do indicador essencial da G3 foram apresentados pela organização.

D DÚBIO

Quando as informações fornecidas não são suficientes para o usuário avaliar se a aderência é plena ou parcial. A P R E S E N T A D O S I INCONSISTENTE

Quando as informações fornecidas pela

organização diferem daquelas requeridas no protocolo do indicador essencial da G3.

(8)

8

CATEGORIA SIGLA CLASSIFICAÇÃO DEFINIÇÃO

ND NÃO DISPONÍVEL

Quando a organização reconhece que a

informação requerida é pertinente às suas atividades, porém esta ainda não tem condição de fornecê-la.

NA NÃO APLICÁVEL

Quando a organização reconhece que os dados requeridos pelo indicador não são pertinentes às suas atividades ou ao setor em que ela atua.

OJ OMITIDO COM

JUSTIFICATIVA

Quando a organização omite a informação requerida pelo protocolo do indicador essencial da G3, por sua decisão, porém apresentando uma justificativa para tal omissão.

N Ã O A P R E S E N T A D O S

O OMITIDO Quando nada é comentado sobre o indicador,

como se o mesmo não existisse.

Fontes: Dias (2006); Carvalho (2007)

Posteriormente à classificação das respostas, procedeu-se ao cálculo dos graus de aderência plena (GAPIE) e de evidenciação efetiva (GEE). O objetivo do primeiro é verificar o quanto que as empresas estão respeitando as determinações estabelecidas nas Diretrizes da GRI. Já o segundo, possibilita a verificação do nível de informação que a empresa está efetivamente oferecendo aos seus usuários em comparação a todo o potencial oferecido pela GRI.

As fórmulas adotadas para os cálculos foram as seguintes:

Total dos Indicadores com “APL” + Total dos Indicadores “OJ”

GAPIE =

Total dos Indicadores Essenciais – Totais dos Indicadores “NA”

Fontes: Dias (2006); Carvalho (2007)

Total dos Indicadores com “APL”

GEE =

Total dos Indicadores Essenciais – Totais dos Indicadores “NA”

Fonte: Carvalho (2007)

Onde: APL = Aderência Plena; OL = Omitidos com Justificativa; e, NA = Não Aplicáveis.

Lembrando que, no caso do GAPIE, o total de respostas omitidas com justificativa foram somadas ao total de indicadores com aderência plena porque a GRI permite essa opção. Além disso, o total de indicadores não aplicáveis foram subtraídos do total dos indicadores essenciais para não prejudicar o resultado da empresa em função de um indicador que não se aplica às suas atividades. Também não foram considerados nos cálculos aqueles indicadores

(9)

9

classificados como com “aderência parcial”, uma vez que seria muito subjetivo indicar o quanto da informação requerida foi realmente fornecido pela organização, e aqueles classificados como “dúbios”ou “inconsistentes”, porque, no primeiro caso, não existe a certeza se a informação requerida foi realmente fornecida e, no segundo caso, elas não foram efetivamente apresentadas.

Para a classificação dos resultados em “alto”, “médio” ou “baixo”, tomou-se como base os critérios referentes a apresentação dos indicadores, requeridos para a classificação nos três Níveis de Aplicação sugeridos pela GRI (A, B e C). Desta forma, uma organização foi classificada como com “alto “grau, se apresentou o seu resultado acima de 62%. Isso porque, para ser classificada como nível de aplicação A, devem ser respondidos, de um total 79 indicadores, pelo menos os 49 indicadores essenciais, o que equivale a uma proporção de, aproximadamente, 62%. Da mesma forma, considerando que uma empresa para ser classificada como nível de aplicação B, deve responder a, pelo menos, 20 indicadores do total de 79, o equivalente a, aproximadamente, 25%, a organização que apresentar um resultado entre 25% e 62%, será classificada como de grau “médio”. Consequentemente, aquela que exibir um resultado inferior a 25%, será classificada como de grau “baixo”.

4. ANÁLISE DOS RESULTADOS

4.1 AES Eletropaulo

As informações referentes aos indicadores EN1 e EN2 não foram disponibilizadas pela Companhia. Já os indicadores EN3, EN8, EN16, EN22, EN23 e EN26 foram classificados como com aderência parcial. Essa classificação deu-se pelas seguintes razões:

 EN3 – a discriminação da fonte de energia direta consumida foi feita somente para o consumo de combustível veicular;

 EN8 - o total de retirada de água fornecido não foi discriminado por fonte;

 EN16 – o total de emissões de gases causadores do efeito estufa não foi apresentado em toneladas equivalentes de CO2;

 EN22 – somente a parte da referente ao gerenciamento de resíduos não-perigosos foi informada;

 EN23 – faltou a informação referente à localização do derramamento e o relato dos seus impactos;

(10)

10

 EN26 – somente em um dos casos foi mencionado o relato quantitativo da mitigação dos impactos ambientais.

Os indicadores EN4, EN11, EN12, EN19 e EN21 foram considerados inconsistentes pelos seguintes motivos:

 EN4 – o quadro de consumo de energia fornecido não explicita o consumo de energia indireta;

 EN11 e EN12 – a Companhia não fornece a informação solicitada, menciona somente que não houve variação em relação ao ano de 2005;

 EN19 – os gases apresentados são causadores do efeito estufa, conforme determinado pela GRI, já apresentados no indicador EN16;

 EN21 – a página analisada trata de gerenciamento de resíduos não-perigosos e não de descarte de água por qualidade e destinação, como solicitado.

Os indicadores EN17 e EN20 foram omitidos com a justificativa de que “os dados existentes de consumo de combustível não foram transformados em emissões porque a base de dados para conversão não era adequada” (AES Eletropaulo, 2006, p.53).

Por fim, o indicador EN27 foi considerado pela Companhia como não aplicável e o EN28 foi o único classificado como com aderência plena.

4.2 Ampla Energia e Serviços S.A. – AMPLA

Os indicadores EN1, EN2, EN3, EN8, EN20, EN21, EN23, EN26, EN27 e EN28 foram classificados como com aderência plena. Já a resposta do indicador EN4 não foi disponibilizada pela Companhia.

O indicador EN11, por sua vez, foi considerado inconsistente. Essa classificação deu-se porque o indicador solicita a localização e o tamanho das áreas possuídas, arrendadas ou administradas, dentro de áreas com alto índice de biodiversidade e a Companhia simplesmente mencionou essas áreas.

Já os indicadores EN12 e EN22 foram considerados como com aderência parcial. A classificação deu-se pelos seguintes motivos: (a) EN12 – faltaram informações como, as espécies afetadas, a extensão da área impactada, a duração do impacto e a reversibilidade ou irreversibilidade desses impactos; e, (b) EN22 – parte da informação, como por exemplo, a segregação entre resíduos perigosos e não-perigosos não foi apresentada.

Por fim, os indicadores EN16, EN17 e EN19 foram omitidos com a justificativa de que as informações ainda não estão disponíveis porque a Companhia “iniciou seu processo de

(11)

11

inventário em outubro de 2006, estabelecendo como escopo inicial a sua frota de veículos e a energia por ela adquirida” (AMPLA, 2006, p. 143).

4.3 Companhia Energética de Minas Gerais – CEMIG

Os indicadores EN1, EN4, EN8, EN11, EN12, EN19, EN21, EN23, EN26, EN27 e EN28 foram omitidos pela Companhia e, dos informados, o EN20 foi o único classificado como com aderência plena.

EN2 e EN17, por sua vez, foram considerados inconsistentes. No primeiro caso, a classificação deveu-se porque a Companhia apresenta a quantidade de material que foi reciclado ou reutilizado e não o percentual de material usado proveniente de reciclagem, como requerido pelo indicador. No caso do indicador EN17, a inconsistência deu-se porque não houve a indicação das emissões indiretas de gases causadores de efeito estufa.

Já os indicadores EN3, EN16 e EN22 foram classificados como com aderência parcial, devido aos seguintes fatores: (a) EN3 – o volume de consumo de gasolina, diesel e combustível para aviação está somado em único item; (b) EN16 – o total de emissões não foi segregado entre as diretas e as indiretas; e, (c) EN22 – os resíduos não foram segregados por tipo.

4.4 Chilectra S.A.

Os indicadores EN1, EN3, EN11, EN12, EN16, EN19, EN20, EN21, EN23, e EN28 foram classificados como com aderência plena. Já os indicadores EN2, EN4 e EN27 foram classificados como inconsistentes pelos seguintes motivos:

 EN2 – a Companhia informa que realiza o tratamento do óleo retirado dos transformadores para reutilização e não o percentual de material usado, proveniente de reciclagem, conforme requer o indicador;

 EN4 – não houve a informação referente ao total de energia indireta consumida, conforme requerido pelo indicador;

 EN27 – a Companhia menciona que recupera material, porém não informa o percentual de produtos recuperados em relação ao total de produtos vendidos, como requerido pelo indicador.

EN8, EN22 e EN26, por sua vez, foram considerados como com aderência parcial. Essa classificação deveu-se às seguintes razões: (a) EN8 – o total de retirada de água não foi aberto por fonte; (b) EN22 – faltaram algumas informações requeridas, como por exemplo, o

(12)

12

peso total de resíduos não perigosos e sua segregação por método de disposição; e, (c) EN26 – em muitas das ações relatadas não foram realizados os relatos das quantificações da mitigação dos impactos.

Por fim, o indicador EN17 foi omitido com a justificativa de que os únicos gases causadores do efeito estufa são aqueles emitidos por veículos da empresa e de seus colaboradores e que estes são dados que a Companhia ainda não possui (CHILECTRA, 2006).

4.5 Companhia Paranaense de Energia – COPEL

Os indicadores EN1, EN8, EN11, EN20 e EN26 foram classificados como com aderência parcial, devido aos seguintes motivos:

 EN1 – a Companhia só apresenta o consumo de papel e informa que está remodelando o sistema para fornecer maiores informações a respeito dos demais materiais usados;

 EN8 – o volume de água consumida informado, não foi discriminado por fonte;

 EN11 – não foram fornecidas informações como o valor de biodiversidade das áreas;

 EN20 – A Companhia só informou as emissões de uma das localidades. Além disso, mencionou que ficou impossível calcular estimativas aceitáveis;

 EN26 - não informou a quantificação da mitigação dos impactos de alguns projetos que não têm a característica do longo prazo.

Já os indicadores EN2, EN4, EN19 e EN21 foram considerados inconsistentes, pelas seguintes razões:

 EN2 – a Companhia informa o material enviado para a reciclagem e não os provenientes de reciclagem, que foram utilizados pela Companhia, como requer o indicador;

 EN4 - é informado o consumo de energia direta e não o de energia indireta, como solicitado pelo indicador;

 EN19 – foi informado que existem veículos que emitem o gás CFC, mas essa emissão não foi quantificada;

 EN21 - A página analisada trata dos projetos e programas e sua relação com os princípios do pacto global e não do descarte total de água, como pede o indicador.

(13)

13

Os indicadores EN3, EN12, EN16, EN17, EN22, EN23 e EN28, por sua vez, foram classificados como com aderência plena, enquanto o indicador EN27 foi considerado como não aplicável pela Companhia.

4.6 Empresa Nacional de Electricidad S.A. – ENDESA CHILE

Os indicadores EN1, EN12, EN16, EN20, EN23, EN27 e EN28 foram classificados como com aderência plena. O indicador EN2 foi considerado, pela Companhia, como não aplicável, enquanto o indicador EN4 foi, excepcionalmente, classificado como não aplicável pela autora, uma vez que a empresa informa que, por ser uma geradora de energia, não possui uma estimativa de consumo de energia indireta.

Já o indicador EN3 foi considerado dúbio, porque a informação encontra-se segregada, não ficando claro o consumo total de energia direta por fonte.

Os indicadores EN8, EN17 e EN19 foram omitidos com justificativa. No primeiro caso, a Companhia informa que não existem dados sistematizados para todas as fontes de extração de água (ENDESA CHILE, 2006, p.109). No segundo caso, a ENDESA informa que ainda não existe uma metodologia aceita para medir o metano que pode estar sendo gerado em suas atividades. No caso do indicador EN19, a Companhia informa que a informação requisitada pelo indicador não é um aspecto significativo em suas operações (ENDESA CHILE, 2006, p.110).

O indicador EN11 foi classificado como inconsistente. Isso porque, a Companhia fornece informações sobre os estudos que estão sendo realizados para a verificação da existência de espécies afetadas e não a localização e do tamanho da área dentro ou próximo a locais protegidos, como solicitado pelo indicador.

Por fim, os indicadores EN21, EN22 e EN26 foram considerados como com aderência parcial, de acordo com os seguintes motivos: (a) EN21 – apesar de informado o volume de água descartada, algumas informações como, a destinação, o método de tratamento ficaram incompletas. Além disso, não ficou clara a utilização dos parâmetros padrão de efluentes como demanda bioquímica de oxigênio (DBO), conforme sugerido no protocolo do indicador; (b) EN22 - não foi informada a segregação por método de disposição; e, (c) EN26 – não foi feito o relato quantitativo da mitigação do impacto, além disso, a descrição das iniciativas foi genérica.

(14)

14

4.7 Isagen S.A.

Os indicadores EN1, EN2, EN16, EN17, EN19, EN20, EN23, EN27 e EN28 foram considerados como com aderência plena. Já o indicador EN3 foi considerado inconsistentes porque a página analisada mostra o consumo de energia indireta e não o de energia direta, como requer o indicador.

EN4, EN8, EN11, EN12, EN21, EN22 e EN26, por sua vez, foram classificados como com aderência parcial, devido aos seguintes fatores:

 EN4 – o consumo de energia indireta está segregado por região, porém não é apresentada a segregação por fonte, além de não estar em joules;

 EN8 – o total de retirada de água não foi segregado por fonte;

 EN11 – faltaram informações, como por exemplo, o valor da biodiversidade. Além disso o tamanho de cada área não foi discriminado, uma vez que só foi informado o total das áreas;

 EN12 – faltaram informações referentes às espécies afetadas, à extensão da área impactada, à duração dos impactos e à reversibilidade ou irreversibilidade desses impactos, como requer o protocolo do indicador;

 EN21 – algumas informações como, o volume de água descartado por destinação, o método de tratamento e a reutilização ou não por outra organização, não foram fornecidas;

 EN22 - não houve a segregação entre resíduos perigosos e não perigosos;

 EN26 – faltou a informação referente à quantificação da mitigação dos impactos ambientais, como sugere o indicador.

4.8 Red de Energía del Perú S.A. - REP

As informações referentes aos indicadores EN1, EN2, EN3, EN4, EN8, EN11, EN12, EN16, EN17, EN19, EN20, EN21, EN23 e EN28 não foram disponibilizadas e os indicadores EN26 e EN27 foram considerados não aplicáveis pela Companhia.

O único indicador informado, o EN22, foi classificado como com aderência parcial porque os resíduos não foram separados por tipo (perigoso e não perigoso).

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Após a análise individual dos GAPIEs e dos GEEs das empresas da amostra, com o objetivo de realizar uma análise comparativa entre os comportamentos das empresas do

(15)

15

mesmo setor econômico, foi elaborado um ranking dos totais do GAPIE (Quadro 3), onde os resultados obtidos foram classificados na ordem decrescente.

Quadro 3

Ranking do Resultado do GAPIE

NÍVEL PAÍS GAPIE DE COMPANHIA APLICAÇÃO 1° AMPLA Brasil 76% B 2° ENDESA Chile 67% A+ 3° CHILECTRA Chile 65% A 4° ISAGEN Colômbia 53% NI 5° COPEL Brasil 44% A 6° AES Brasil 19% C 7° CEMIG Brasil 6% C 8° REP Peru 0% B Fonte: os autores

Primeiramente, observou-se que, de acordo com a metodologia do presente estudo, três empresas da amostra – AMPLA, ENDESA e CHILECTRA – apresentaram um alto grau de aderência plena aos indicadores essenciais da GRI. Uma das explicações possíveis para este resultado pode ser o fato de as três empresas fazerem parte do Grupo espanhol Endesa, grupo que, desde inícios dos anos 2000, já se encontra engajado no tema da sustentabilidade.

Outro ponto interessante a ser destacado é o fato de que, entre a primeira colocada e a última existe um distanciamento bastante significativo (76% e 0%), caracterizando que elas encontram-se em estágios bem diferentes de aderência às Diretrizes da G3.

Em relação à classificação do nível de aplicação, observou-se que, apesar de duas empresas nível A estarem entre as primeiras posições, todas elas têm percentuais inferiores aos de uma empresa que se auto declarou nível B. Lembrando que, de acordo com a GRI (2006b), para alcançar o nível A é necessário que todos os indicadores essenciais sejam apresentados, ou, no máximo, omitidos com justificativa.

A primeira constatação em relação ao GEE (Quadro 4) é o fato de que metade das empresas da amostra apresentou percentual diferente daquele observado no GAPIE, o que significa que estas companhias realizaram omissões com justificativa. Com isso, houve uma inversão nas colocações dos 2°, 3° e 4° colocados. Esse resultado sugere que, o fato de a GRI permitir a validade de omissões com justificativa, pode alterar o entendimento do usuário referente à qualidade dos relatórios disponibilizados pelas empresas.

(16)

16

Um ponto interessante, ainda relacionado ao item anterior, é o fato de que todas as companhias que apresentaram omissões com justificativa, omitiram o indicador EN17, que requer emissões indiretas relevantes de gases de efeito estufa, sendo a indisponibilidade de metodologia para medição a maior justificativa.

Quadro 4

Ranking do Resultado do GEE

NÍVEL PAÍS GEE DE COMPANHIA APLICAÇÃO 1° AMPLA Brasil 59% B 2° CHILECTRA Chile 59% A 3° ISAGEN Colômbia 53% NI 4° ENDESA Chile 47% A+ 5° COPEL Brasil 44% A 6° AES Brasil 6% C 7° CEMIG Brasil 6% C 8° REP Peru 0% B Fonte: os autores

Posteriormente, verificou-se que, diferentemente do GAPIE, nenhuma das empresas da amostra expressou um alto grau de evidenciação efetiva dos indicadores essenciais ambientais da GRI. Nem mesmo aquelas que foram classificadas com o nível de aplicação A.

Os resultados deste estudo sugerem que, o fato de as empresas fazerem parte de um mesmo setor econômico, teoricamente com o mesmo grau de complexidade, não faz com que elas estejam em um nível semelhante de aderência às Diretrizes da GRI.

Diante dos resultados apresentados, observa-se que, apesar do esforço da GRI em desenvolver um modelo de qualidade, mais consistente e completo de relatório de sustentabilidade, a sua aplicabilidade, em empresas sul americanas de energia elétrica, ainda precisa evoluir bastante para que os diversos usuários possam ter acesso ao real nível de responsabilidade ambiental das organizações.

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

AES ELETROPAULO. Relatório de Sustentabilidade 2006. Disponível em:

http://www.corporateregister.com/gri/search.cgi?d=&n=0&com=0&sec=Electricity&cou =All&r=g3&g31=All&g32=All&nr=30. Acessado em: 11 de setembro de 2007.

(17)

17

AMPLA. Relatório Anual de Sustentabilidade 2006. Disponível em:

http://www.corporateregister.com/gri/search.cgi?d=&n=0&com=0&sec=Electricity&cou =All&r=g3&g31=All&g32=All&nr=30. Acessado em: 11 de setembro de 2007.

ASHLEY, Patrícia A. (Coord.). Ética e Responsabilidade Social nos Negócios. São Paulo:Saraiva, 2002.

CALIXTO, Laura. Responsabilidade Social Corporativa no Brasil: Um Estudo Longitudinal. In: ENANPAD, XXXI, 2007, Rio de Janeiro/RJ. Anais do XXXI EnAnpad. Rio de Janeiro/RJ:2007, CD-ROM.

CARVALHO, Fernanda de Medeiros. Análise da Utilização dos Indicadores Essenciais da

Global Reporting Initiative nos Relatórios Sociais em Empresas Latino-Americanas.

2007. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) - FACC/UFRJ, Rio de Janeiro, 2007.

CHILECTRA. Informe de Sostenibilidad 2006. Disponível em:

http://www.corporateregister.com/gri/search.cgi?d=&n=0&com=0&sec=Electricity&cou =All&r=g3&g31=All&g32=All&nr=30. Acessado em: 11 de setembro de 2007.

DIAS, Lidiane Nazaré da Silva. Análise da Utilização dos Indicadores do Global

Reporting Initiative nos Relatórios Sociais em Empresas Brasileiras. 2006.

Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) - FACC/UFRJ, Rio de Janeiro, 2006. DIAS, Lidiane Nazaré da Silva; SIQUEIRA, José Ricardo Maia de; ROSSI, Mônica Zaidan

Gomes. Balanço Social: a Utilização dos Indicadores do Global Reporting Initiative (GRI) em Empresas Brasileiras. In: ENANPAD, XXX, 2006, Salvador/BA. Anais do

XXX EnAnpad. Salvador/BA:2006, CD-ROM.

ENDESA CHILE. Informe de Sostenibilidad 2006. Disponível em:

http://www.corporateregister.com/gri/search.cgi?d=&n=0&com=0&sec=Electricity&cou =All&r=g3&g31=All&g32=All&nr=30. Acessado em: 11 de setembro de 2007.

GASPARINO, Marcelo Fernandes. Análise de Relatórios de Sustentabilidade, com Ênfase na GRI: Comparação entre Empresas do Setor de Papel e Celulose dos Estados Unidos e Brasil. In: ENANPAD, XXX, 2006, Salvador/BA. Anais do XXX EnAnpad. Salvador/BA:2006, CD-ROM.

GRI, Global Reporting Initiative. Diretrizes para Relatórios de Sustentabilidade 2006. 2006a Disponível em:

<http://www.globalreporting.org/guidelines/2006/G3_GuidelinesPTG.pdf>. Acessado em: 15 de setembro de 2007.

(18)

18

GRI, Global Reporting Initiative. Níveis de Aplicação da GRI. 2006b Disponível em:

http://www.globalreporting.org/NR/rdonlyres/0FF12693-CED7-4D07-847A-106BC7D4080C/0/ApplicationLevelsPRT.pdf. Acessado em: 15 de setembro de 2007. INSTITUTO ETHOS. Introdução ao Balanço Social. 2007a. Disponível em

http://www.ethos.org.br/docs/conceitos_praticas/guia_relatorio/default.htm. Acessado em: 16 de Outubro de 2007.

INSTITUTO ETHOS. Guia para Elaboração de Balanço Social e Relatório de

Sustentabilidade 2007. 2007b. Disponível em

http://www.ethos.org.br/_Uniethos/Documents/GuiaBalanco2007_PORTUGUES.pdf. Acessado em: 16 de Outubro de 2007.

INSTITUTO ETHOS. Global Reporting Initiative. 2007c. Disponível em

http://www.ethos.org.br/DesktopDefault.aspx?TabID=4200&Alias=Ethos&Lang=pt-BR, Acessado em: 16 de Outubro de 2007.

LI, Yue; RICHARDSON, Gordon D.; THORNTON, Daniel B.. Corporate Disclosure of Environmental Liability Information: Theory and Evidence. Contemporary Accounting

Research, 14(3), p. 435-473, fall 1997.

LIMA, Rogério dos Santos. Balanço Social: Ferramenta de Gestão e Informação. Integração, Ano IV, n 5, agosto/2001. Disponível em:

http://integracao.fgvsp.br/ano4/6/administrando6.htm . Acessado em: 23 de março de 2007.

LINS, Clarissa; OUCHI, Hiroshi C. Sustentabilidade Corporativa – Energia Elétrica. Janeiro de 2007. Disponível em:

http://fbds.org.br/apresentacoes/FBDS-IMD-EnergiaEletrica.pdf . Acessado em: 23 de maio de 2008.

PINTO, Anacleto Laurino; RIBEIRO, Maisa de Souza. Balanço Social: Avaliação de Informações Fornecidas por Empresas Industriais Situadas no Estado de Santa Catarina.

Revista Contabilidade e Finanças - USP, São Paulo, n. 36, p. 21 - 34,

setembro/dezembro 2004.

VAZ, Tatiana. Comunicação com Consistência. Guia Exame 2006, p. 26-27, Dezembro 2006.

Referências

Documentos relacionados

Given the shortage of information on changes in the bacterial counts in raw milk samples at different preservative concentrations, this study was intended to evaluate

O efeito de uma pressão viscosa também pode ser incorporado no cenário inacionário, ou seja, tal pressão vem tanto do decaimento de campos pesados em campos de luz quanto pela

At 36 weeks, male and female partridges had significantly greater total intestinal length, males had significantly longer small intestine and rectum, and females were characterized

Nesse sentido, este trabalho se dividiu em três etapas, cujos objetivos foram: avaliar o consumo de resíduos agrícolas e urbanos pelo diplópode Trigoniulus

2ª Etapa: Definição da estratégia de ensino a ser utilizada no estudo Este trabalho se apoiou nas ideais da teoria da aprendizagem significativa de David Ausubel e,

Embora isto não seja explicitado, a leitura do seu livro deixa claro que, para Sonntag et al., um sistema (ou substância) compressível simples deve ser homogêneo, o que

Este possui técnicas em várias modalidades, como escalada e canoagem, sendo capaz de realizar atividades, sempre em segurança, tanto para os clientes como para os

Assim também entendo em relação aos princípios gerais do direito, que são fonte do direito do trabalho, pela mesma razão de serem os costumes e os usos, apesar de haver